Jeep SUVs Test Drive

Jeep Renegade 2019: Impressões ao dirigir

Jeep Renegade 2019: Impressões ao dirigir

O Jeep Renegade 2019 se atualizou levemente para continuar sendo uma das principais opções em SUV compacto do mercado brasileiro.


Com preços a partir de R$ 69.999 para clientes PCD, o utilitário esportivo alcança mais de R$ 137 mil no topo de linha Trailhawk.

Inspirado no clássico Jeep Willys, o modelo é hoje um dos mais vendidos no mercado e já emplacou mais de 160 mil exemplares. Feito em Goiana-PE, o Jeep Renegade 2019 agora adota faróis de LED com DRL´s em LED, bem como faróis de neblina igualmente com diodos emissores de luz.

Jeep Renegade 2019: Impressões ao dirigir


Com grade suaviza e para-choque com até 28º de ângulo de ataque na versão flex, sempre criticada nesse aspecto, o Jeep Renegade 2019 adicionou belas rodas de liga leve, inclusive uma vistosa com aro 19 polegadas na versão Limited, que ficou parecida em proposta com a similar do Compass.

Adotando um estepe temporário no porta-malas, o Jeep Renegade 2019 ganhou mais 47 litros e solucionando outra questão negativa, o espaço para bagagens.

Fiel ao estilo fora de estrada, o SUV compacto também mudou seus porta-objetos e console para ficar mais prático, bem como a adição de multimídia Uconnect com enorme tela de 8,4 polegadas deu um plus no produto.

Jeep Renegade 2019: Impressões ao dirigir

Outra boa sacada foi a combinação de cores na Limited, que na cor Cinza Antique, possui detalhes da grade e rodas em tom grafite. Se a cor for a Deep Brown, os mesmos itens terão contornos em bronze, esta muito bonita, por sinal.

Em realidade, esta versão foi a que melhor ganhou em termos estéticos.

Duas novas cores foram adicionadas também, sendo elas Jazz Blue e Billet Silver, esta última apenas na Longitude. De modo geral, o Jeep Renegade 2019 ficou mais atraente em aspecto e funcional também. Para quem vai atrás, uma porta USB serve de carregador.

A tela da central de entretenimento tem comandos de climatização e navegação, o que é muito bom, isso sem contar o uso de Google Maps e Waze.

Jeep Renegade 2019: Impressões ao dirigir

O bagageiro maior – 320 litros – ainda não está no nível de concorrentes em termos de preço, mas deve suprir as necessidades de boa parte dos clientes do Jeep Renegade 2019.

Aliás, falando neles, agora a revisão é gratuita até a terceira parada, mas apenas para quem comprar o carro esse ano.

Na personalização, a marca garante mais de 60 itens com garantia igual a do carro e custo até 24% menor, quando adquirido de fábrica. A Mopar também mantém o plano de revisão e garantia adicionais para o Jeep Renegade 2019.

Jeep Renegade 2019: Impressões ao dirigir

Jeep Renegade 2019 – Impressões ao dirigir

Camaçari-BA – O que não mudou, porém, foi a motorização. No que diz respeito ao diesel, o Multijet II 2.0 continua sendo muito bom para a proposta do utilitário esportivo que, nesse aspecto, surfa sozinho no segmento de SUVs compactos.

O pequeno é valente no fora de estrada e na pequena pista montada em um resort da Praia do Forte, em Camaçari-BA, o Renegade mostrou mais uma vez o que sabe fazer bem.

Muito rígido, o Jeep Renegade 2019 passa por buracos, rampas bem íngremes, lama e planos inclinados que exigem bem do utilitário, que é o único com suspensão traseira multilink de série.

Jeep Renegade 2019: Impressões ao dirigir

Nesse caso, o modelo diesel tem ainda tração nas quatro rodas com diferenciais com gerenciamento eletrônico e modos de condução em areia, lama, relva e no automático, além de bloqueio do diferencial e reduzida.

Com uma arquitetura de SUV maior, o Jeep Renegade 2019 com diesel ainda tem câmbio automático de nove marchas, sendo a primeira bem curta para ser usada como reduzida.

Sua estrutura de aço utiliza elementos de alta resistência para maior proteção e rigidez.

Jeep Renegade 2019: Impressões ao dirigir

No Flex, a Jeep mudou o nome do E.torQ para “VIS”. Entretanto, isso não altera o que já sabemos sobre ele.

Em teste por uma sinuosa estrada com muita areia, buracos e valetas, o Renegade Flex mostra que mesmo sem a tração 4×4, é um valente com força apenas nas rodas dianteiras, mantendo a trajetória e vencendo os obstáculos com desenvoltura.

No entanto, ao entrarmos na estrada de asfalto, o desempenho cai, visto que os 139 cavalos e 18,9 kgfm demoram a aparecer e o Jeep Renegade 2019 não traz novidade nesse aspecto.

Ainda é um pequeno tanque de guerra que precisa de remotorização nessa versão flexível. Assim, esperamos pelo Firefly Turbo 1.3 com sua cavalaria mais disposta.

Jeep Renegade 2019 – Galeria de fotos

Viagem a convite da Jeep.

Jeep Renegade 2019: Impressões ao dirigir
Nota média 2.8 de 4 votos

  • Luciano

    E os diodos emissores de luz atacam novamente, dando um “plus a mais” no texto.

    • Fanjos

      Tem diodo é? Se tem diodo então é bão né? Kkkkkkk

    • Leitores de um tal site aí que se julga a meca da cultura automotiva são todos assim mesmo… ficam grudados aqui no NA o tempo todo, mas só comentam para falar mal de algum erro na matéria.

      Chega a falar isso no outro site:

      “É o mínimo que vocês podem fazer por isso aqui, bando de … Não quer ajudar? Então vai la ler Notícias Automotivas, que é esse tipo de conteúdo BÃO que você merece consumir!”

      Mas não sai daqui… é um coitado mesmo… pelo menos aqui não passamos a sacolinha igual Igreja Universal pra manter o site funcionando, enganando a todos que acabam pensando que o site não rende o suficiente, coitadinhos, precisam de ajuda mensal pra “sobreviver”.

      • Emanuel

        Completamente desnecessário esse posicionamento. Eu gosto muito dos dois sites mas cada um tem uma proposta diferente. Não quer esse tipo de comentário, existe a possibilidade de banir os arruaceiros. Na minha opinião como leitor dos dois, foi muito desagradável trombar com esse comentário por aqui.

        • Incitatus

          Qual é esse outro site nobre cidadão Emanuel?

          • Emanuel

            Confere o perfil do Luciano, chefia. Fica bem claro. Eu não vou soltar aqui porque não quero alimentar mas se você quer mesmo ver, ele comenta bastante por lá.

        • Marcos Vinicios Umbelino

          Eu nem dou bola para essas coisas também. O conteúdo está aí para quem quer ler e filtrar o que presta e o que não é tão produtivo. Também achei desnecessário o posicionamento do NA, que acompanho quase que diariamente já há uns bons anos, não precisa baixar a esse nível, concordo em tudo que falou Emanuel.

      • Incitatus

        Equipe do NA não esquente a muringa. Tem de tudo na internet, jornalista e site que se vende por grana ou por comodato de carro top, tem bocó fake que entra só pra detonar marca tal, igual nas eleições. Mas quem realmente compra carro zero não cai nessa. Sabe separar o joio do trigo. Se não fosse assim o golf venderia 4 vezes mais que o ônix, só que não. Opinião e b**** dá quem quer né não? Agora na boa, vai uma crítica construtiva de um publicitário, quanto mais direto o texto melhor. Sem firulas. Tipo montadora aumentou ou baixou preços. Algumas coisas são mesmo desnecessárias. E mesmo o texto sendo direto e curto, sempre tem um estilo editorial próprio de quem redigiu. Então galera, menos….

  • afonso200

    entao bora fazer trilha nos shoppings agora

    • JOSE DO EGITO

      È isso ai FIAT vamo que vamo !!

    • hinotory O

      Achei a central com 8.4″ grande demais, ficou desproporcional.

      • Juarez Pontes

        Rapaz, quando é pequena reclamam; quando é grande reclamam. Tá danado! kkkk
        Eu particularmente prefiro, e muito essa nova, a anterior era do tamanho de uma caixa de fósforos. Inclusive é um dos fatores que me fez escolher agora o Renegade em detrimento do Compass, pois só este tinha essa central grande.

        • hinotory O

          Sim, porém poderia ser de 7″ . Já ficariam esteticamente bem melhor no painel.

          • Juarez Pontes

            Entendo sua colocação, mas acho que a estética não deve se sobrepor à funcionalidade. O tamanho se fez necessário até porque outros comando foram transferidos para a tela digital, como o ar condicionado e outras funcionalidades.

  • Natán Barreto

    Eu bizarro o Wrangler (valente de verdade) não ter opção diesel também. Só aqueles motores beberrões de gasolina americanos

    • Marcelo Ceno Dutra

      Na nova geração vai ter a opção V6 diesel, motor muito mais adequado ao uso fora de estrada. Resta saber se a jeep vai trazer essa versão.

      • TSI

        Para o tamanho e peso do Renegade o 2.0 TDi Multijet 170cv 35 kgfm AT9 é muito competente, mesmo conjunto mecânico dos pesados Compass e Toro TDi

        • Marcelo Ceno Dutra

          Sim! As versões diesel da Toro, compass e Renegade são excelentes. Mas o Natan está correto em afirmar ser uma mancada o Wrangler não ter opcao a diesel, ainda.

    • vicegag

      A Fiat deveria pelo menos dar a opção de um motor mais econômico, para os estadunidenses, o E.torQ no Wrangler, rsrs.
      Aposto se produzissem o modelo aqui, a ideia seria cogitada.

    • MonHoe

      Pq ele é pensado para o mercado norte americano americano em primeiro lugar e lá só as pick-ups bem grandes, como a F-350 tem opção de motor diesel, e F-450 tem motor Diesel de série

  • vicegag

    “VIS”, não mudaram o motor, então muda-se o nome, que sai mais barato.

    Um placebo, pois agora se alguém comentar, “Seu Renegade tem aquele motor fraco o E.torQ ?”
    Você responde: “Não, agora ele tem o VIS !”.

    • Emanuel Schott

      O VIS foi o que deu 6 cavalos e 1Kg de torque a mais em relação ao motor antigo, além de deixá-lo um pouco menos beberrão.

      O e-Torq “original” é o que equipa a Strada e a Weekend até hoje. O e-Torq VIS equipa Renegade, Toro, Argo e Cronos.

      • vicegag

        Então precisa mudar de nome todo mês, para ver se depois de algum tempo, ele consegue dar conta do recado.

        • Emanuel Schott

          O desempenho e o consumo dele são tão ruins quanto concorrentes 1.5, 1.6 e 1.8. Isso só vai se resolver com turbo.

      • Retrato do Papai

        Creio que a deficiência de desempenho dele seja por conta do peso elevado aliado à calibração do motor. A fiat deve deixar o motor manso para amenizar o problema do alto consumo, porque olhando friamente os números de potência e torque ele não deveria ser tão lerdo assim… E isso não acontece só com o renegade, veja o argo, deveria ser um foguetinho com 139cv e quase 20kgfm, mas na real é apenas equivalente a um 1.6.

  • Marcelo Ceno Dutra

    Será que corrigiram a entrada de ar do motor ser muito baixa ?

  • Rodrigo

    Novamente faço o comentário: Para um Fiat, está ótimo. Já para um Jeep, deixa a desejar.
    Este é o famoso carro da filha do patrão.

    • MonHoe

      Muitas filhas de patrão viu, pq vende 3 a 4 mil unidades no mês

    • dallebu

      Respeito sua opinião, mas discordo totalmente.
      O maior defeito do Renegade é o motor 1.8, pois em robustez, segurança, acabamento e qualidade construtiva atualmente ele é o melhor da categoria.

      • Davidsandro18

        Concordo contigo, das atuais SUV’s sou muito mais a Renegade, curto o estilo quadradinho dela, porém pra mim só seria opção com motor a diesel, essa versão Limited da foto ficou linda, mas peca em não ter opção do multijet. Pra mim a única que ficará em pé de igualdade em questão de tecnologia e construção será a T-Cross, e que em tese será bem mais interessante que o Jeep no que tange à motorização (salvo as versões a diesel).

        • Rodrigo

          Para ficar bem claro: não se trata de um SUV. Estamos falando de crossovers compactos. Construídos em monobloco sem caixa de redução e capacidades de carga e reboques minimas.

          • Raimundo A.

            Há bastante tempo que SUV deixou ser como era antigamente veículo derivado de picape, montado sobre chassi, com caixa redutora dedicada.
            Pela sua ótica, um Range Rover novo feito em monobloco, com motores com potência e torque altos, controle eletrônico de tração e suspensão, capacidade de tração capaz de puxar caminhão, tendo transmissão automática com mais marchas se valendo de uma 1º e/ou 2º marcha super curtas não é um SUV?

            Até o termo crossover está perdendo a característica inicial, porque antes diziam se tratar de um veículo que mesclava conceitos na carroceria tipo o antigo 3007, espécie de minivan com frente de SUV, o Freemont/Journey na mesma linha. A Spacefox, embora chamada de SW, tem construção interna como o Fox inspirada nas minivans.

            Chamavam de crossover o EcoSport porque derivava da plataforma do Fiesta, mas hoje, com plataformas modulares, há estruturas que fazem sedãs e SWs e com ajustes, SUVs. Estes SUVs não eram para ser crossovers porque derivam de uma base para veículos de passeio?

            A BMW começou a fazer o SAV(X6) e depois outro (X4). Ela chama ou chamava de SAV e outros chamam de SUV coupé. A mistura de um veículo que seria um SUV, mas tem desenho de carroceria de um coupé não é um crossover (cruzamento de estilos)?

            Tudo se resume ao que o mercado é capaz de entender e o fabricante tenta convencer. A Dodge, li matéria, disse que o Journey é um crossover, mas como o povo não entende isso, passou a chamar de SUV e sabemos que está longe de veículos que usam o termo SUV, pois tem ângulos de ataque e saída piores, vão não tão alto, entre-eixos longo para altura livre angulação dos para-choques, limitação quanto a oferta de tração 4×4 e forma de funcionamento desta, mas o povo aceita pela facilidade ser chamado de SUV.

            • Rodrigo

              Concordo com o que você disse.

      • Rodrigo

        Mecanicamente ele não é tão robusto não. Um carro estritamente urbano.

      • LArtur

        Muito pesado, aços de melhor qualidade resolveriam isso com maior robustez inclusive.

    • hinotory O

      Dá um baile no motorzinho safado do Kicks e do Captur.

  • Maycon Farias

    Gostei muito. Uma guaribada que rejuveneceu bastante ele. As rodas maiores também ficaram ótimas. Vai continuar um sucesso.

  • dallebu

    Achei lindo!! Só achei que o NA poderia comentar mais sobre essas fotos da carroceria e suspensão pintadas de cores diferentes. O que eles disseram a respeito?

  • Emanuel

    NA, apagar não faz com que deixe de existir. Gostaria como leitor que houvesse uma retratação sobre a declaração vinda da própria equipe do Notícias Automotivas nos comentários dessa notícia. Mesmo nem sendo um assinante do outro portal, foi extremamente desagradável ler algo assim vindo deste site, no qual sempre depositei minha confiança nas matérias aqui publicadas. Errar todos erram.

  • Stunt

    Já que não vieram mudanças na motorização, podiam ter atualizado o parachoque dianteiro e as lanternas traseiras, para deixa-lo, ao menos esteticamente, igual ao europeu.

    • Raimundo A.

      Além da notória redução de custos com o modelo flex usando o para-choque off-road, o para-choque on road, bicudo na parte mais baixa, causava problemas tanto em vias urbanas com falhas quanto no fora de estrada leve. Eu já vi o Renegade flex raspando o para-choque ao sair de uma garagem cujo acesso era uma rampa e a via de circulação perto do passeio estava inclinada formando um V a angulação dos dois.

      Quanto a lanterna, sim, acho um vacilo, pois há quem diga ser de LED, mas para mim não passa de uma lente nova que pode imitar a presença de LED. Contexto que vários veículos com lâmpadas halógenas nas lanternas com áreas opacas e outras transparente imitam e o próprio Renegade ao ser lançado aqui relatavam sobre LEDs na lanterna.

      Não adianta parecer com o veículo do exterior e não ter a disponibilidade mecânica mais interessante. No Reino Unido, o Renegade tem motores a gasolina 1.6 E-torQ MT5, T-Jet 140cv e 170cv com e sem 4×4, AT6 e AT9. Some isso ao diesel 1.6 120cv 4×2, 2.0 140cv 4×2 e 4×4 AT9 e 170cv AT9 4×4.

      Aqui, temos que nos contentar com apenas flex 139cv 4×2 e diesel 170cv 4×4 AT9. A Jeep, se quisesse, poderia ao invés de criar um Compass Sport flex 4×4 AT9 que é uma mosca branca no mercado e deixou de ser ofertado, poderia ter usado esse conjunto para ter um Renegade flex 165cv 4×2 AT6 e 4×4 AT9 com preços acima do E-torQ e abaixo do diesel 170cv fazendo o que faz os T-Jet de 140cv e 170cv na Europa.

      Vamos ter esperar pelo Firefly Turbo, sem prazo certo, para ver se o Renegade passa a ter três opções de potência sendo duas flex e ao menos uma flex 4×4, pois sai caro migrar para o diesel 4×4 que agora só a partir do Longitude, Antes tinha a Custom diesel, que vendia muito pouco, e não sei porque tiraram a Sport diesel que vendia bastante, pois costumo ver mais Sport diesel que Longitude diesel.

  • Edmon

    Praia do Forte é em Mata de São João, não em Camaçari.

  • Rodrigo

    Certo, comparando com Duster, Eco e Kicks, eu imagino que ele deva ser realmente mais forte.
    De acordo.

  • Faheina

    A FCA espera alguma mudança com essa pífia maquiagem ?

    • hinotory O

      Pontual. Deixou o carro atualizado.

  • hinotory O

    Melhor SUV da categoria. Ficou perfeito!

Quem somos

O Notícias Automotivas é um dos maiores sites automotivos do Brasil, trazendo todas as novidades sobre carros para mais de 450 milhões de pessoas, por mais de 12 anos. Saiba mais.

Notícias por email