Jeep Mercado SUVs

Jeep Renegade com motor 1.3 turbo chegará em breve ao Brasil

Jeep Renegade com motor 1.3 turbo chegará em breve ao Brasil

A FCA está preparando o próximo passo em termos de motorização no Brasil com a família Firefly Turbo. Como se sabe, as versões com turbo e injeção direta de combustível, entre outros, dos propulsores GSE de três e quatro cilindros, respectivamente 1.0 e 1.3, já iniciou sua carreira na Europa e aqui não será diferente.


Um dos motivos é a modernização do portfólio, necessária para enfrentar a concorrência, cada vez mais acirrada, especialmente em utilitários esportivos. O outro ponto é a redução de 11% na média de consumo de combustível dos veículos vendidos por cada montadora no Brasil.

Jeep Renegade com motor 1.3 turbo chegará em breve ao Brasil

Assim, ter motores modernos dentro de casa, significa ter força para disputar e atender o mercado nos próximos anos. O motor Firefly Turbo é essa opção da Fiat Chrysler por aqui e o Jeep Renegade tem grandes chances de estreá-lo no mercado nacional, assim como o fez na Europa.


O SUV compacto da marca americana, feito em Goiana-PE, é um dos mais vendidos no segmento e este ano vendeu até novembro, 40.847 unidades, sendo o quinto mais vendido.

Para marcar uma reação e iniciar o processo de substituição do E.torQ, o Firefly Turbo 1.3 deverá se sair muito bem no modelo da Jeep, que marcou a volta da produção da marca no país.

Jeep Renegade com motor 1.3 turbo chegará em breve ao Brasil

Na Europa, esse motor – que deve chegar aqui entre 2019 e 2020 – tem versões com 150 ou 180 cavalos, contendo torques de 27,5 ou 32,6 kgfm, respectivamente, obtidos em rotações baixas: 1.850/2.500 rpm.

No Renegade, a opção de 150 cavalos e tecnologia flex, que pode adicionar alguns cavalos a mais ao SUV, é suficiente para que o E.torQ Evo 1.8 de até 139 cavalos seja substituído com folga. O câmbio Aisin de seis marchas pode até ser mantido nesse caso.

Uma eventual versão mais potente, poderia levar os 180 cavalos e o câmbio automático de nove marchas da ZF como novidade, por um preço interessante em relação às versões mais caras do Renegade Diesel.

Jeep Renegade com motor 1.3 turbo chegará em breve ao Brasil
Nota média 4.3 de 20 votos

Ricardo de Oliveira

Ricardo de Oliveira

Técnico mecânico, formado há 23 anos. Há 12 anos trabalha como jornalista no Notícias Automotivas, escreve sobre as mais recentes novidades do setor, frequenta eventos de lançamentos das montadoras e faz nossos testes e avaliações. Também trabalhou nas áreas de retificação de motores, comércio e energia.

  • Deadlock

    Achei torque e potência impressionantes para um 1.3. Pode melhorar muito a imagem do Renegade. Falta divulgarem a curva de torque.

    • Ford Opala Attractive 200TSI

      Não vejo a hora de comprar meu Cronos turbo!!

      • Dudu Pimentel

        Imagina um pega entre Cronos 1.3 Turbo e Virtus GTS…seriam interessaante…

      • Silvio

        E no Argo.

    • Cláudio Modesto

      Também achei bem forte, o Renegade passará a ser uma escolha ainda melhor agora. Tem muita gente e que tava fugindo do eTorq. A versão atual sofre demais.
      Qua tô ao torque, pelo menos já está lá em 1800 e pouco rpm.

      • Airplane

        Agora (2019) ?
        Só em 2020: “Em conversa com nossa reportagem (Motor1), porém, um executivo da FCA desmentiu essa informação. “Não vale a pena a importação porque já vamos fabricar este motor aqui em 2020”

      • MonHoe

        Sim, ainda mais com a promoção do Renegade Sport AT, estavam oferecendo de 83 mil por 80,990, mas eu achei ridículo o carro perder os faróis de neblina

  • G E O

    Aí sim consegue brigar com o T-Cross.

    • Meu palpite é que em vendas o Renegade vai ficar a frente do TCross, mas em números de pista imagino que o TCross possa se dar melhor em função da plataforma pesada do Renegade.

    • Marcio Gandra

      eu acho que são totalmente diferentes em proposta ….

  • Emanuel Schott

    O eTorq pode ser substituído até pelo 1.0. Esse deve ter uns 130cv e mais de 20kg de torque.

    • Raimundo A.

      Comparação entre o Sport 1.0T 120cv, Sport 1.8 AT6 132cv(G) flex e Longitude 1.3T 150cv DCT7.

      1.0T MT6 => 0-100km/h em 11,2s. Consumo cidade 7L em100km ou 14,28km/L. Consumo rodoviário 5,1L em 100km ou 19,6km/L. Max – 185km/L. Torque 190Nm a 1750rmp. Fonte: Jeep.PT.

      1.8 flex AT=> 0-100km/h em 11,1s com rodas aro 17. Consumo cidade 10km/L(G). Consumo rodoviário 12km/L(G). Torque 19,5kgmf a 3750rmp. P

      1.3T DCT7 => 0-100km/h em 9,4s aro 17. Consumo cidade 6,9L/100Km ou 14,49km/L. Consumo rodoviário 5,7L/100Km ou 17,54Km/L. Torque 27Nm em 1850rmp. Fonte: Jeep.PT

      Acredito que o Renegade não irá usar o 1.0T aqui porque no exterior até onde sei usa apenas a transmissão MT6. Como a maioria dos Renegade aqui é só AT na flex, além do posicionamento de outros concorrentes, o 1.3T seria a opção e aí, talvez, criem 1.3T MT.

      O motor 1.0T seria melhor apropriado no Cronos e no Argo substituindo o 1.8, como faz a VW com Polo e Virtus, permitindo, se a Fiat quiser, ofertar versão esportiva acima da HGT no Argo e uma esportiva para o Cronos com o 1.3T de menor cavalaria. Digo isso, porque se o 1.3T pode substituir o 1.8 a depender dos veículos e evitaria discrepâncias de custo e potência ofertada.

      Veja, um Toro 1.8 AT6 usaria o 1.0T? Provavelmente, não. Então Toro e Renegade por serem mais pesados, patamar superior, caberia ao 1.3T substituir o 1.8. Argo e Cronos poderiam ter o 1.0T MT5 ou MT6/AT6 no lugar do 1.8, haveria perda de potência, mas permitiria com o 1.3T ter versões mais esportivas que a HGT no Argo e específica para o Cronos a serem concorrentes do Polo e Virtus GTS.

      Os dados de consumo do 1.3T tende a piorar ao virar flex mantida a potência a gasolina, bem como a não oferta do DCT7 com uma marcha a mais que o AT6, fora a questão da eficiência maior da dupla embreagem. Isso no Renegade.

      Todavia, como o 1.3T que variante com 180cv, o Renegade e o Compass poderiam ganhar opção flex com potência maior que a diesel, que existe no Toro 2.4 flex, não aplicada aos SUVs por motivos tributários. O 1.3T mais potente poderia usar o AT9 com possível melhoria no consumo, isso se não for atrelado ao 4WD. O Toro 2.4 AT9 é 4×2, mas o Compass tem a Sport 2.0 flex AT9 4WD. O AT9 e o 4WD a FCA usa pela conveniência. O AT9 parece premissa com o 4WD nos SUV, mas não é no Toro.

      • Emanuel Schott

        Negócio é que o 1.0T flex será mais potente que a versão européia, mesmo usando gasolina (esse é o padrão que vemos com outros motores pelo menos). Isso possivelmente fará o Renegade andar mais que com o eTorq mesmo usando a versão menor, tal qual o Polo anda na frente do Argo apesar de ter 10cv a menos.

        Usando o três cilindros mantém a mesma faixa de preço do motor antigo, coisa que pode não ser possível usando o 1.3.

        Não que os carros da FCA não tenham o quatro cilindros por aqui, mas deverão vir como intermediários nos carros maiores e topo de linha nos menores, mantendo o 1.0 como entrada no Renegade e Toro e intermediário no Cronos, Argo e futuras novas gerações de Strada e Uno.

        • Fábio Perrucci

          Aguardando ansiosamente o 1.0 Turbo Flex. Aí sim entro no negócio!

    • Danilo

      Acho q a FCA está esperando pra ver se esse negócio de carro caro 1.0 turbo vai dar certo com o T-cross pra tentar fazer um Renegade 1.0T. Não tem nada indicando isso, mas a Fiat sempre gostou de fazer coisas diferentes, pode ser que passaram essa cultura pra Jeep.

      • Raimundo A.

        A oferta é algo a ser considerada e não custa lembrar que o Renegade 2019 Sport virou uma Custom melhorada por dentro, pois por fora perdeu os faróis de neblina de série com função direcional.

        Apesar do 1.0T ser eficiente, numericamente a potência é menor que o 1.8 aspirado, aí teriam que convencer o cidadão que sai o 1.8, mas teria melhor autonomia e a lerdeza continuaria similar. Se feito isso, emprego do 1.0T a preço de 1.8, poderão cobrar mais ofertando o 1.3T como opção intermediaria, que seria o motor mais próximo da substituição do 1.8 com maiores ganhos, aumento da potência e do torque com a redução do consumo.

        Possibilidades há várias e algumas seriam as abaixo:
        – 1.0T MT6/AT6 e 1.3T AT6 ou AT9 de menor potência;
        – 1.3T AT6, com possível MT, e 1.3T mais potente com AT6 ou AT9.

        • Jorge Castro

          Potencia nao e tudo pra indicar c um carro r lerdo ou nao , motores turbo entregam mais torque em baixa rotação , com isso tendem a deixar o carro mais esperto tanto nas arrancadas quanto nas retomadas , mesmo com potencias absolutas menores , ja vimos isto acontecer com alguns modelos do mercado .

          • Raimundo A.

            Sei que potência não é tudo, mas o povo aqui ver números e quando se fala em motor muitos citam a potência e não o alto torque disponível em menor rotação. Por isso, quem hoje tem o 1.8 com 139cv(E) pode se não for bem explicado achar um prejuízo o produto ter no seu lugar o 1.0 T ainda que com etanol entregue 130cv.

            Por isso, faz sentido o questionamento feito acima sobre aguardar o comportamento do T-Cross que só terá motores TSI, 1.0 e 1.4. O T-Cross é mais leve que o Renegade não custa lembrar.

            Outra, a Jeep teria um produto abaixo do Renegade e este poderia ser empregado aqui. A depender da estratégia, o SUV menor poderia ter motor aspirado e o 1.0T como topo entregando um desempenho melhor devido ao menor peso. O Renegade teria apenas o 1.3T, mas com os dois níveis de potência. As versões básicas se tornariam um diferencial por ter potência na casa dos 150cv enquanto mais caras teriam 180cv.

            Vamos aguardar o que farão até porque há muito boato sobre essa oferta. Outra mídia relatou segundo executivo da FCA, o motor será produzido aqui com oferta em 2020 e a demora seria a questão flex não sendo viável importação porque há muitos produtos para usar os motores turbos, além de outras fatores como variação cambial. O Calmon já disse que vão importar o motor para oferta em 2019 e se a demanda superar 50k unidades, irão produzir aqui. Uma baita divergência de informações.

        • Danilo

          Eu particularmente creio que a se der certo o Tcross 1.0T as outras montadoras se aproveitarão disso, pois além do marketing do Downsizing, aproveitará também, as montadoras, a diferença de IPI que se eu não me engano é de 4%, o que num carro que beira 100 mil é 4 mil reais, uma bela fatia de lucro. E imagina, ao retirar o 1.8 de bloco de ferro fundido e colocar o 1.0 todo em alumínio, só de peso de propulsor creio que economiza no mínimo uns 30 Kg, algo que começa a ajudar a aliviar o peso do carro.

      • Hugo Leonardo Dos Santos

        A Ford também deixou de expandir o 1.0 Ecoboost no ka e Ecosport, um baita motor que poderia ser flex depois

        • Gu92

          Na verdade o 1.0 aspirado da Ford fabricado no Brasil é um Ecoboost sem o turbo, ou seja, bastaria a Ford querem investir um pouco mais para termos um motor 1.0 Ecoboost flex nacional com potência na casa dos 130 cv!!

          • Sérgio

            Os 3 cilindros de 1.5 serão o futuro, pois alguns fabricantes descobriram que cilindros de 500 cilindradas fazem os carros poluírem relativamente menos. Poderia ter uma gama de 1.0 e 1.5 de 3 cilindros.

        • Luis Fernando Pozas

          Muito bem lembrado…

    • SDS SP

      Acho mais plausível o 1.0L equipando a linha Argo / Cronos.
      O 1.3 deve ficar mais na linha “premium” da FCA…

      • Allysson Santos

        Discordo. O Virtus usa 1.0T pq tem o Jetta acima, tanto que criou o GTS como nicho.

        A Fiat não tem sedan médio, logo colocar o 1.3T vai atrair aqueles que não precisam de um médio, mas tem interesse por uma performace interessante.

        Vai ser um excelente argumento de venda, ao invés de apenas equiparar com o Polo/Virtude.

        • SDS SP

          Mas aí seria algo mais de nicho e como nome já diz, tem baixo volume.
          Lembrando-se de que motores acima de 1.0L pagam mais impostos por estas bandas. Não vejo sentido comercial, sendo que o 1.0L já seria mais do que suficiente.

          • Allysson Santos

            Eu como potencial comprador, justamente de um carro neste perfil, prefiro o Cronos 1.3T, sem ser uma versão esportiva. Isso aumentaria o custo de peças de reposição de pequena produção (como um amortecedor 3cm mais baixo, ou um farol com máscara negra 20% mais caro) e ainda o seguro mais caro apenas por ter um badge “Sporting” ou “HGT”.

            O 1.0T seria feijão com arroz, mas o 1.3T realmente iria ser diferencial frente a concorrência.

            Mas conhecendo a mesquinharia das montadoras brasileiras, não dúvido de colocarem o 1.0T. Aí vou para o mercado de usados e boa.

            • Silvio

              Concordo. Eu ficaria muito satisfeito com um Argo Precision 1.3T e câmbio manual.

    • Tuning Radical

      mas ai seria trocar 6 por meia-duzia…

      • Emanuel Schott

        Adianta que esses 130/20 vem numa rotação menor, dando mais desempenho e diminuindo o consumo.

  • rodpe

    Concorrência é a coisa mais maravilhosa que existe. Deveriam baixar todos os impostos de importação, mantendo somente o mínimo para corrigir alguns tipos de distorções. Eu queria ver se a qualidade dos carros não aumentaria e os preços não diminuiriam no Brasil.

    Até hoje o que aconteceu foi o contrário: protecionismo e subsídios. Não duvido que logo a Lava-Jato faça uma visita nas sedes das montadoras.

    Sobre o novo motor: até lá só lamento por quem comprar o Renegade com motor de mobilete.

    • Antonio Falm

      Foi uma das cagadas da Dilma o Inovar auto, para atender as montadoras exatamente quando as chinesas vieram com força. Tem que abrir o mercado, não fechar. Por outro lado, a lava jato só quer saber de pegar o lula. Essa você pode esquecer.

      • Jefferson A.

        sem proteção as montadoras simplesmente compram tudo na china e montão aqui, esse incentivo do inovar auto ajudou não as montadoras mais sim as fornecedoras de peça e gerou muito emprego no pais, agora para de papagaia as coisas que vc anda lendo por ai que não é bem assim o mundo real.

        • rodpe

          Tão real quanto desonerar folha de pagamentos para gerar empregos.

          • Esta ai uma coisa que tem que ser muito idiota para acreditar. Em meus quase 35 anos de trabalho ouvi essa lorota milhares de vezes, e sempre que houve uma pequena desoneração, o salário NUNCA subia e nem havia geração de empregos. Coisa boa só para o patrão.

        • Antonio Falm

          Papo furado esse seu. O Inovar Auto foi uma concessão à ANFAVEA, que ficou incomodada com a ascenção das marcas chinesas que revolucionaram o mercado, oferecendo carros populares muito mais equipados que os oferecidos até então, por preço menor. Por isso o aumento do imposto de importação em 30 pontos. O resto foi perfumaria. Já existia uma política de conteúdo nacional para os veículos produzidos no Brasil, e mudou pouco ou quase nada. Leia também, mas para melhorar seu português. Está péssimo!

    • E quem você acha que ganharia com isso? Consumidor, claro que não. Montadoras são multinacionais e não tem interesse nenhum em oferecer mais por menos. Fabricado aqui ou importado, o preço sempre será mais alto, pois elas podem fechar as fábricas e depois importar sem custos e vender ao preço que elas quiserem.

      • rodpe

        Não foi isso que nós vimos antes da Dilma criar barreiras para importações.

  • vicegag

    O título é um click bait?
    Visto que o título informa que chegará em breve, depois informa que pode ser entre 2019 a 2020, para mim a possibilidade de ser em um ano, já descarta o “em breve”.
    Pensei que já se sabia a data “em breve” correta do lançamento.

    • marcos rissato

      É isso mesmo.

    • carlos arriel

      Eu acho que o fiel da balança vai ser o T-Cross. Se a VW conseguir lança-lo ainda no primeiro semestre de 2019, a FCA inevitavelmente terá de entrar com motores turbo. Com o preço de entrega do T-Cross na casa dos 80 mil, de acordo com a imprensa especializada, a vida do Renegade não será fácil! Ainda mais usando o motor flex atual.

      • Junio Tavares Silva

        Dificil é acreditar que a dona VW vai vender ele nesse preço, pois se virtus já passa desse valor

      • Luis Fernando Pozas

        Por este valor a VW vai entregar só as rodas, o chassi e os bancos … Pra conseguir uma configuração boa, certamente ficará entre 105 e 110k… Com o acabamento beeeeem pior do que o Renegade…

    • MonHoe

      Se for 2019 pode ser em Janeiro a abril que seria breve, mas se tratando de Fiat os rumores do Firefly foram do mesmo jeito, quando menos se esperou o Uno foi lançado com o motor

  • Danilo

    Creio que o 150 cv será utilizado no Renegade e Toro e o 180 cv no Compass pra substituir o tigershark que é importado. Mas acho que demoraria bastante pra isso acontecer. O que seria feito com a fábrica dos motores etorq já que os firefly são feitos em Betim?

    • Raimundo A.

      Os Tigershark 2.0 e 2.4 são importados, bem como o Multijet diesel. As transmissões e sistema de tração também são. A Jeep exporta o Renegade e o Compass com o 2.4 AT9 4WD. O Toro usa o 2.4 flex AT9 4×2 devido a tributação diferente.

      Indo para a questão mais simples vendo as ofertas da concorrência, o 1.8 aspirado seria substituído pelo 1.3T com AT6 e devem criar ou não MT5 ou MT6. Isso atenderia o Renegade e parte do Toro. A potência no 1.3T pode variar e atual mínima de 150cv com gasolina já seria um ganho sobre o 1.8. Como flex, replicando o visto na VW, 155cv com etanol.

      Todavia, o mesmo 1.3 T se tiver 150cv/155cv no Toro e no Renegade para o lugar do 1.8 não ficaria tão atrativo em termos de potência comparado ao 2.0 flex usado no Compass que tem 159cv/166cv. Haveria, em tese, uma perda de 9cv a 11cv, embora o torque saltaria de 20kgmf(~) para 27kgmf ou mais, além da melhora na autonomia.

      A situação do Compass poderia ter dois rumos podendo influenciar o Renegade:
      – o Compass passaria a ter apenas o 1.3T de potência superior, que no exterior tem 180cv por conta da configuração menos potente ser inferior a aspirada atual e na mesma tacada substituiria o 2.4 para exportação;
      – o Compass teria o 1.3T com dois níveis de potência sendo a menor no lugar do 2.0 e passando a ser compartilhada com o Toro e o Renegade, e teria a maior permitindo a oferta flex no lugar do 2.4(exportação) ser compartilhada com o Toro.

      No segundo caso, a conveniência poderia criar um Renegade com o 1.3T de 180cv, talvez apenas para a Limited e/ou Trailhawk (oferta flex além da diesel). Entretanto, a não oferta seria medida distanciar o Renegade do Compass, uma vez que o compacto teria o 1.3T de menor potência mais o diesel, enquanto que o médio teria os dois 1.3T além do diesel.

      O Toro usaria a estratégia do Compass, ou seja, 1.3T 155cv AT6 na Freedom, 1.3T 180cv AT9 na Volcano flex e diesel nas Freedom e Volcano.

  • Alvarenga

    Seria uma grande evolução em relação aos motores Flex atuais que são muito fracos para o peso do veiculo.

    • Airplane

      Pena que vá demorar !

      • th!nk.t4nk

        E não deve substituir o 1.8 atual na versão Sport, possivelmente. O povo tá achando que vai matar o motor antigo em todas as versões. Isso deve demorar mais ainda pra ocorrer.

        • oscar.fr

          É a minha aposta.

    • oscar.fr

      Bom, todos os SUV compactos têm motores fracos para o seu peso e, sobretudo, alto preço de compra. Exceção feita ao Citroën Cactus e ao Chevrolet Tracker (que tem um preço absurdo)

  • Paulo

    “Em conversa com nossa reportagem (motor1), porém, um executivo da FCA desmentiu essa informação. “Não vale a pena a importação porque já vamos fabricar este motor aqui em 2020″”

    • th!nk.t4nk

      O carrinho tá vendendo bem, por isso eles não tem pressa.

  • Razzo

    Rezemos por isto.

  • Miguel

    Contando com isso. Aqui em casa temos um HRV de papel e gostaria muito de pegar um Renegade turbo em 2020.
    O problema é que em 2020 ele deve estar perto da reestilização geral, né…

  • globonaotemjapa

    turbo gasta mais gasosa?

    • Emanuel Schott

      Teoricamente gasta menos, já que o motor é menor. Porém muita gente diz que o Polo TSi tá bebendo mais que o Argo com 1.8.

    • Osni Duarte

      Quanto mais turbar, melhor.

    • Jorge Castro

      Uma coisa que influencia muito o consumo e o modo de dirigir , e fica dificil ter pe leve ne um carro turbo c andar na maciota da um banho em economia , mas c pisar o consumo vai pro brejo.

      • Justamente. O povo fica se baseando em dados de testes mas esquecem o fator primordial que é o “pé do motorista”.

        • Retrato do Papai

          segundo o inmetro o meu carro faz 8,2km/l de etanol na estrada… mas esses dias andando a 80km/h com ar desligado eu fiz uma média de mais de 13km/l, de fato o pé direito faz milagres

          • MonHoe

            Sim, com meu Argo 1.3 eu fiz 10.9 de etanol na cidade, andando a 60 km/h e quase não peguei sinal fechado, mas minha cidade é plana e tem os horários certos de engarrafamento

            • Retrato do Papai

              O meu é um fox 1.6 8v, na cidade nunca consegui chegar em 8km/l, mas aqui é bem complicado, as ruas ou são cheias de semáforos (do tipo abre o seu e fecha o da frente) ou tem vários quebra molas (daqueles que tem que passar em 1a, são poucos que se consegue passar em 2a), a velocidade média fica abaixo de 20km/h

    • Sendo turbo ou não, tudo depende do modo de condução de cada motorista.

  • Dudu Pimentel

    Seria bom que viessem as 2 versões turbinadas…com mais opções, atinge um maior número de clientes e que pode traduzir em mais vendas.

  • Osni Duarte

    Pessoal do fan club Fiat que gosta de falar mal dos TSi vai ter que ficar quietinho por um tempo. Lembremos que condições climáticas e combustíveis são muito diferentes e possíveis problemas no início são uma possibilidade razoável.

  • Davi Millan

    Nunca fui fã de SUV, mas entre eles o que mais me chama atenção é o Renegade (pelo seu design). Porém o motor fraco (para mim), era o que sempre me deixou longe do carro. Talvez agora haja alguma possibilidade dele conviver com a Variant.

  • Abdallah

    Sou extremamente fã de carros turbos, tive alguns, pelo menos para mim o prazer em dirigir mata qualquer aspirado naturalmente, uma pena que ainda tem pessoas que mal cuida da troca do oleo e acaba prejudicando e fazendo mal fama desse tipo de motores.

  • Danilo

    Motor turbo não é realidade pra brasileiro. Mão de obra cara e que necessita de cuidados que nós não costumamos dar. Vou no aspirado mesmo. Até que realmente os elétricos com baixo custo cheguem ao mercado. Pq 150 mil num elétrico meia boca eu não pago!

    • motor bem cuidado não necessita de mão de obra. Fato é que a grande maioria dos brasileiros mal sabem a especificação correta do óleo do próprio carro e nem quando deve ser trocado. Bem como não trocam os filtros de óleo e ar a cada troca do óleo…com esses maus hábitos, seja turbo ou não, qualquer motor, abre o bico.

  • Car Xpert

    Potência e torque IMPRESSIONATES pra um 1,3 L. Tecnologia de ponta aí na bagaça.

  • Tosca16

    Bom e necessário, mas duvido que os preços não deem o mesmo salto.

  • Muita gente reclama mais o downsizing veio para ficar. Realidade é que, fora os EE.UU, a grande maioria do motores terão baixa cilindrada e serão sobrealimentados, isso para carros comuns, e para os “supercarros”, híbridos e eletrificados.

  • Speed Racer

    O Compass também necessita de novos motores urgentemente. Esse turbo de 180 cv cairia bem nele.

  • RIP Brazil

    O outro ponto é a redução de 11% na média de consumo de combustível dos veículos vendidos por cada montadora no Brasil.

    E com prosperidades de 20% ou mais no preço, será show!

    In government, cartel and bananês I trust.

  • Péricles Cures

    Acho que a FSA não se mexer e implantar este motor FIRE FLY 1.3 turbo logo ,irão perder uma fatia muito grande do mercado e jogar todo um trabalho da marca já consolidada no seguimento de SUV .
    Seria uma ótima cartada motor 1.3 turbo para mantar na frente da VW e continuar a crescer muito 2019 .
    A VW não iria esta esperando concorrência da Jeep com o MOTOR FIRE FLY 1.3 TURBO , SERIA UM BALDE DE ÁGUA FRIA PARA VW ….

  • Paulino Lino

    Já passou da hora de dar um fim nesse motor 1.8 Zeca Pagodinho!

Quem somos

O Notícias Automotivas é um dos maiores sites automotivos do Brasil, trazendo todas as novidades sobre carros para mais de 450 milhões de pessoas, por mais de 13 anos. Saiba mais.

Notícias por email