*Destaque *Featured Jeep Lançamentos SUVs Test Drive

Jeep Renegade Flex 2017: Impressões ao dirigir

jeep-renegade-limited-2017-impressões-NA-2 Jeep Renegade Flex 2017: Impressões ao dirigir

O Jeep Renegade 2017 veio com algumas novidades, mas a principal foi o reforço na motorização Flex, composta pelo motor 1.8 E.torQ, agora rebatizado de 1.8 E.torQ Evo, que traz algumas modificações para ficar não só mais potente, como também eficiente em consumo.



Para lembrar, o Jeep Renegade 2017 recebeu alterações nos preços e conteúdo, passando a custar entre R$ 72.990 e R$ 136.990, tendo ainda como novidade a chegada da versão Limited, a mais completa com motor Flex, que custa R$ 97.990. Confira todos os valores abaixo:

jeep-renegade-limited-2017-impressões-NA-17 Jeep Renegade Flex 2017: Impressões ao dirigir

Jeep Renegade 2017  – Preços das versões

  • Jeep Renegade 1.8 Flex MT5 2017: R$ 72.990
  • Jeep Renegade Sport 1.8 Flex MT5 2017: R$ 79.490
  • Jeep Renegade Sport 1.8 Flex AT6 2017: R$ 85.990
  • Jeep Renegade Longitude 1.8 Flex AT6 2017: R$ 90.990
  • Jeep Renegade Longitude (teto*) 1.8 Flex AT6 2017: R$ 97.790
  • Jeep Renegade Limited 1.8 Flex AT6 2017: R$ 97.990
  • Jeep Renegade Limited (teto*) 1.8 Flex AT6 2017: R$ 104.790
  • Jeep Renegade Sport 2.0 Diesel AT9 4×4 2017: R$ 115.990
  • Jeep Renegade Longitude 2.0 Diesel AT9 4×4 2017: R$ 123.490
  • Jeep Renegade Trailhawk 2.0 Diesel AT9 4×4 2017: R$ 136.990

jeep-renegade-limited-2017-impressões-NA-21 Jeep Renegade Flex 2017: Impressões ao dirigir

Jeep Renegade 2017 – Alterações técnicas

Com 391 mil unidades vendidas em todo o mundo, o Jeep Renegade já emplacou 85 mil carros no país, sendo que 26% do total são de unidades diesel, enquanto o restante fica naturalmente para as versões Flex, onde a mais vendida é a Longitude.

Construído sobre uma plataforma global, que também sustenta o mais recente Jeep Compass, bem como a picape Fiat Toro, o Jeep Renegade 2017 adota tecnologias para deixar o motor 1.8 E.torQ Evo mais esperto, tais como lubrificante de baixo atrito, alternador inteligente com proteção da bateria, Start&Stop (apenas Flex), partida a frio por pré-aquecimento e bomba de combustível inteligente.

jeep-renegade-limited-2017-impressões-NA-23 Jeep Renegade Flex 2017: Impressões ao dirigir

Além disso, o Jeep Renegade 2017 recebe também outros itens para tornar a condução mais econômica, tais como sensor de pressão dos pneus, que agora são de baixa resistência à rolagem. Outro item adicionado foi o modo Sport, mas priorizando a performance. O motor em si recebeu também coletor de admissão variável e teve os números de potência e torque aumentados.

Agora, o Jeep Renegade 2017, quando equipado com motor 1.8 E.torQ Evo, entrega 135/139 cv a 5.750 rpm e 18,7/19,3 kgfm a 3.750 rpm, tendo 85% do torque a partir de 2.000 rpm. A versão diesel 2.0 Multijet II mantém seus 170 cv e 35,7 kgfm. Fora a composição das versões, o SUV compacto ganhou mais 13 litros no porta-malas, que alcança 273 litros.

jeep-renegade-limited-2017-impressões-NA-38 Jeep Renegade Flex 2017: Impressões ao dirigir

Com as alterações, o Jeep Renegade Flex 2017 ficou de 3% a 10% mais econômico, dependendo da configuração de câmbio e combustível. Na versão manual de cinco marchas, o SUV feito em Goiana/PE faz 7,3/7,6 km/litro em cidade e estrada, abastecido com etanol. Ele ficou assim 9%/3% mais econômico.

Na gasolina, o Jeep Renegade Flex MT 2017 faz 10,6/11,2 km/litro, respectivamente cidade e estrada, obtendo assim redução de 10%/5%. No 1.8 E.torQ Evo com câmbio automático de seis marchas, os números com etanol são de 6,5/7,6 km/litro e com gasolina em 9,5/10,9 km/litro, respectivamente cidade e estrada. As reduções no consumo ficaram em 7% para todos, exceto gasolina na estrada, com 6%.

jeep-renegade-limited-2017-impressões-NA-31 Jeep Renegade Flex 2017: Impressões ao dirigir

Jeep Renegade 2017  – Conteúdo das versões

O Jeep Renegade 2017 em sua versão 1.8 não teve alterações em conteúdo, fora as novidades já mencionadas acima. Na Sport, o SUV agora tem rack no teto, porta-objeto sob o assento do banco dianteiro direito e multimídia com tela de 5 polegadas, mas esta é de série apenas na versão diesel.

A Longitude ganhou bancos em couro apenas na versão diesel, enquanto a Trailhawk recebeu de série sete airbags, faróis de xênon, entrada e partida sem chave, retrovisor com rebatimento elétrico e bancos em couro.

jeep-renegade-limited-2017-impressões-NA-28 Jeep Renegade Flex 2017: Impressões ao dirigir

Na Limited, a novidade é o aplique prateado envolta dos faróis – que são de xênon – e grade cromada, além de moldura dos faróis de neblina, retrovisores e barras longitudinais no teto. A nova opção tem ainda rodas de liga leve prateadas com aro 18 polegadas, bem como sensor de chuva, bancos em couro, painel com tela TFT de 7 polegadas, multimídia com navegador e câmera de ré, além de opção de teto solar elétrico, retrovisor com rebatimento elétrico, entre outros.

jeep-renegade-limited-2017-impressões-NA-8 Jeep Renegade Flex 2017: Impressões ao dirigir

Jeep Renegade 2017 – Impressões ao dirigir

Florianópolis/SC – O Jeep Renegade Flex 2017 foi provado nas versões com câmbio manual e também automático. Apesar das alterações, o SUV compacto da FCA mantém a mesma boa dirigibilidade conhecida, bem como isolamento acústico adequado, direção elétrica muito leve e precisa, rigidez estrutural sem comparação no segmento, freios eficientes e bom ajuste do conjunto de suspensão.

Com quase tudo como antes, a diferença fica mesmo para as respostas do motor. O 1.8 E.torQ Evo ganhou vida nova com as modificações realizadas pela Jeep. O propulsor mostra logo de cara o acréscimo de potência e torque, mas também melhor atendimento ao condutor em baixa rotação.

Agora o 1.8 Flex trabalha um pouco mais folgado, puxando o pequeno peso-pesado da Jeep com mais desenvoltura. As trocas ocorrem entre 2.500 e 3.000 rpm em condução normal, elevando-se para 4.000 rpm quando se necessita de mais agilidade. Isso feito com câmbio automático de seis velocidades.

jeep-renegade-limited-2017-impressões-NA-14 Jeep Renegade Flex 2017: Impressões ao dirigir

As saídas ficaram mais ágeis, assim como as retomadas. O câmbio agora casa melhor com o 1.8 E.torQ Evo, atendendo de forma suave e bem escalonada nas mudanças de marcha. O “gás” a mais no Jeep Renegade 2017 foi benéfico para a condução, que ficou mais prazerosa em comparação com o anterior.

No modo Sport, experimenta-se um aumento de força de forma imediata, assim como elevação da rotação nas mudanças de marcha, mantendo o propulsor sempre cheio, especialmente nas reduções, diminuindo bastante o tempo de resposta e retomada. Rodando a 110 km/h, o ponteiro marca 2.250 rpm, adequado para consumo e conforto.

Nos semáforos ou no trânsito pesado, o Start&Stop atua de forma bastante rápida, tanto no manual quanto no automático, religando instantaneamente o motor, permitindo saídas seguras. Nas reduções, a força adicional também diminui o uso do freio.

 

jeep-renegade-limited-2017-impressões-NA-25 Jeep Renegade Flex 2017: Impressões ao dirigir

Manual

Já no Jeep Renegade Flex 2017 com câmbio manual, a percepção de melhor performance igualmente fica nítida ao sair com o carro, apesar de uma marcha a menos. O E.torQ Evo mantém a disposição da versão automática, entregando mais desempenho e proporcionando melhores retomadas. As ultrapassagens ficaram mais tranquilas e seguras com a força extra.

Rodando a 110 km/h, o ponteiro marca 3.000 rpm, o esperado para o propulsor com cinco marchas para ajudar. Nesta configuração, o modo Sport ao ser ativado é melhor percebido, enchendo o E.torQ Evo mesmo com o pé já pressionando o pedal. A adição de ânimo nessa versão dá até certa empolgação ao volante, bem diferente do anterior. O Start&Stop é ainda mais rápido que no automático.

jeep-renegade-limited-2017-impressões-NA-6 Jeep Renegade Flex 2017: Impressões ao dirigir

Jeep Renegade 2017 – Conclusão

No geral, as alterações feitas no 1.8 Flex foram mais do que necessárias para dar ao Jeep Renegade 2017 o que ele precisava desde o lançamento, mais agilidade. Com ganho em termos de tecnologia e especialmente em economia, o utilitário esportivo agora atende melhor quem busca um SUV mais urbano, que ainda oferece plataforma bem rígida, segurança, conforto e estilo.

Ruim é a reposição dos preços, embora algumas versões tenham recebido novidades. O plano de manutenção com intervalos de 12.000 km continua. Considerado o segundo modelo com menor depreciação no mercado, o Jeep Renegade é um competidor forte e tem de estar na lista de opções quando o assunto é a compra de utilitário esportivo. Em resumo, agradou.

Jeep Renegade 2017 – Galeria de fotos

 

4.0

  • Matthew

    Será o Start&Stop compulsório como na linha GM? Parece que o desempenho ficou minimamente aceitável e os preços estão bem razoáveis para os padrões do segmento. O único senão permanece na capacidade do porta-malas.

    • Raimundo A.

      Se dizem ser SUV de shopping, por que se preocupar com a capacidade do porta malas? Por acaso irão colocar malas grandes ficando fora de casa por mais de quinze dias? Certo exagero em criticar o porta malas dele deveria ser mais enfático a quem compra uma picape e não usa nem a metade da capacidade. Grande parte do tempo está vazia. Então comprou tal veículo para quê?

      • André

        Exatamente, quem compra Renegade Flex deveria ser aquela pessoa que, ná pratica, precisa de um Uno mas tem dinheiro para gastar mais com um carro melhor. Não é para quem precisa de espaço ou porta-malas grande para viagens ou motor potente.

        • Matthew

          Então tá, né… se vc diz

        • Cristiano_RJ

          Afinal de contas, ambos possuem dimensões compactas e consumo de faquir, ideais para um carro urbano. [ironic mode on]

      • iBoost

        Acabei de alugar um Renegade nos EUA e estava com uma mala grande e uma média. O porta-malas foi suficiente.

        Um item importante nos EUA é que a grande maioria dos SUVs não tem o tampão traseiro, ou seja, a capacidade é mais do que suficiente.

        Acho que a Renegade atende a 98% das famílias brasileiras. Acho que é um carro justo para quem tem até duas crianças. Obviamente se a cada fds você levar metade da casa aí fica difícil.

        Mas acho muito mimimi dizer que um porta-malas de 250l/300l é impossível de se viver.

        • oscar.fr

          Claro que atende a maior parte das famílias brasileiras, pois a maior parte delas ainda anda de Uno, Gol e afins, carros que tem o mesmo volume que o Renegade hahaha

          • Gustavo73

            Gol tem 285L de malao mesmo do Up e o Uno 280L.

        • Cristiano_RJ

          Ph#deu! Se 260 litros de porta malas é o que 98% das famílias brasileiras precisam então sedans e peruas perderam o sentido. Só venderiam hatches no Brasil, compactos e médios. E não é isso o que encontramos por aí.

          • kravmaga

            Pois é, meu carro tem 510 litros de porta-malas, somos só 2 pessoas em casa e eu já enchi o porta-malas com uma boa compra de supermercado.

            Claro que não é a regra geral mas não é preciso viajar para poder encher um porta-malas grande.

            • Cristiano_RJ

              O porta malas do Jetta é show! Certa vez viajei com minha esposa, meu pai e a esposa dele com meu Jetta para Paraty. Porta malas deu conta do recado com louvor!

        • Gustavo73

          Pois é mas quando um hacht compacto tem mala de 285L o pessoal reclama.

        • Randy Marsh

          Tinha uma sportage 2011/12, fiz uma viagem com minha familia (mulher e uma filha de 2 anos) de salvador/BA para Maragoji/AL e muitas das bagagens tiveram que vir nos bancos por nao caber no porta-malas. Ja tive um TR4 (porta-malas compativel em espaço com um renegade) e tambem as bagagens vieram no banco de tras.
          Agora comprei um EDGE 2014/15 pelo valor de um compass novo e estou bem feliz.

        • marcelo

          98 % ? Uau! Então grande ideia p redução de custos para os fabricantes: cortar os porta—malas! Quem tiver que carregar carrinho de bebê, bagagem p 4, que amarre tudo no Teto!

      • Matthew

        Pela sua lógica mais da metade das pessoas que eu conheço deveriam trocar seus carros por motocicletas e/ou utilizar o transporte público, pois a maioria delas andam a maior parte do tempo sozinhas dentro de seu veículo, ou no máximo com um acompanhante a bordo. Considerando a categoria na qual este modelo está inserido e o valor cobrado por ele, não acho exagero “criticar” a capacidade do porta-malas. É um ponto relevante que deve ser levado em conta por quem busca num SUV uma proposta de veículo familiar, que embora seja usado majoritariamente em trajeto urbano, eventualmente pode ser necessário numa viagem, mudança, levar alguém ao aeroporto etc.

        • Cristiano_RJ

          Pois é, eu não consigo entender porque quem gosta de determinado carro ou marca quando se depara com uma crítica a ele/ela ao invés de reconhecer o ponto fraco simplesmente nega a existência do problema ou minimiza suas consequências. O fato é que os hatches médios sempre sofreram com a concorrência com os sedans médios e o volume do porta malas era o argumento. Agora, quando o Renegade, que tem menos porta malas que um hatch médio, é criticado, porta malas igual ao de um compacto passou a ser o suficiente para quase todo mundo. Engraçado isso, não é?

      • Cristiano_RJ

        Dizer SUV de shopping não significa que o único destino do carro é o shopping center, obviamente. Quer dizer que ambientes tão difíceis de circular quanto um shopping são o seu habitat e não o fora-de-estrada como o seu visual invocado e sua marca tradicional nos fazem crer. E quem compra um carro faz diferentes usos dele, ir ao shopping, levar os filhos no colégio, ir para o trabalho ou dar aquela escapada no final de semana.

    • Guimasi

      Fora “minimamente”!

      • Matthew

        hã?

    • G.Alonso

      Tem o botão para desligar, olha lá.

      • Matthew

        Verdade, vi agora.

    • Miro Saraiva

      Fiquei curioso em Saber como aumentaram 13L no porta-malas sem fazer menção alguma ao meio como conseguiram

      • Danilo

        Devem ter mexido nos plásticos laterais e da tampa do porta malas, deixando eles mais próximo da lataria, ou ainda abaixando o forro do piso do porta malas.

        • Cristiano_RJ

          Ou simplesmente refeito a medição. A Auto Esporte costuma sempre fazer as medições dos porta malas dos modelos que ela testa, ao invés de apenas informar o valor divulgado pelos fabricantes como a maioria das fontes.Ela já tinha encontrado algo como 280 litros no Renegade.

      • Cristiano_RJ

        Critério de medição?

    • Kyozuki

      Será o Start&Stop compulsório como na linha GM ?

      Não.

  • dallebu

    Pequena crítica construtiva ao NA:
    Em todos os carros testados todas as fotos estão saindo esbranquiçadas, como se a lente da câmera estivesse com alguma sujeira.
    É uma pena pois acaba atrapalhando na qualidade da matéria e não valoriza os detalhes dos carros testados.

    No mais, quem disse que as melhorias no Etorq não iriam surtir efeito, queimaram a línqua kkkk
    Na minha opinião agora o Renegade é disparado o melhor do segmento, aliando estilo, robustez, conforto, silêncio, acabamento premium e agora uma performance adequada e um porta-malas com uns litrinhos a mais.

    • Celsinho Veículos

      tb me senti incomodado… masnao eh a lente, e sim exposicao… luz externa atrapalhando as fotos internas… mas obrigado NA. sempre nos informando com o que ha de melhor!

    • Nicolas97

      Esse problema é denominado “flare” em fotografia, quando uma fonte de luz lateral ou frontal bate na lente da máquina e provoca um brilho na lente. Esse brilho provoca este esbranquiçamento nas fotos. Para evitar é necessário colocar um “hood”, uma capa circular que é encaixada na ponta da lente evitando entrada de luz lateral. Deve-se também evitar fotos conta a luz.

  • Rodrigo

    Não gosto dessa grade, talvez no prata fique melhor.
    Boas melhorias de equipamentos nos diesel tbm, gostei, sem aquele monte de opcionais.

    • Leandro

      Essa grade vem apenas no Limited

      • Rodrigo

        Sei disso. É que antes não tinha no Brasil, eu só tinha visto no Europeu.

        • Leandro

          Nos Eua também tem grade prata.

  • Rbs

    Será que esse motor vai suportar o tranco? Lembro ter visto uma matéria dizendo que a parede do bloco desse motor 1.8, por ter migrado do 1.6 e ter ficado mais fina, não pega retifica.

    • Leandro

      Isso já foi desmentido há tempos. O etorq 1.8 já está há anos no mercado e ja provou ser um motor bastante robusto. Conheço alguns taxistas que fazem elogios a Líneas com esse motor.

      • Rbs

        Estou entendendo, estou chamando atenção justamente pelo fato dessas evoluções que são relacionadas à potencia.

        • rgrigio

          Olá, por que preocupação com retífica?

          Esse motor aí não aguenta uns 300.000 km pelo menos? A maioria dos carros estarão só o caco ao chegar nessa Km.

          • Rbs

            A citação da retifica foi apenas para da enfase a informação de como ficou a espessura da parede do bloco apos a migração do 1.6 para 1.8, se durar os 300 ta de bom tamanho.

            O que estou tentando dizer é o seguinte . . . A base desse motor é um 1.6 que foi transformado em 1.8 e depois sofreu mais uma mudança de potencia e agora mais uma vez.

            So estou chamando atenção para esse detalhe!

          • Rbs

            Dei uma olhada em relação a retifica e pelo jeito a coisa mudou. Pelo que vi no inicio não mas depois a fiat passou a disponibilizar kit para esse motor.

            • Jose Silva

              Motor ETORQ é o motor mais vendido no Brasil. Os problemas de quebras são insignificantes pela quantidade que vende, claro que as quebras vão existir mas a grande maioria esta relacionada a cuidados do proprietário. É um motor muito robusto, confiável e de simples manutenção. É um motor típico que o Brasileiro gosta, só precisa trocar óleo, filtro e vela (dependendo de qual usar pode durar 120 mil km).

  • Esquilo Tranquilo

    Mas que po**a é essa grade prata? Não combina em nada…

  • Leandro

    Finalmente colocaram o etorq da toro no Renegade. Não entendia pq não faziam isso….

  • Marcelo Ceno Dutra

    Achei que ficou bacana a grade nessa tonalidade.

  • Bruno Luís

    Essa grade cinza não ficou legal.

    • Gabriel Oliveira

      não ficou mesmo

  • Leonel

    Bacana as alterações e bem vindas, mas o preço está salgado. A versão AT começa em R$ 85.990, por R$5 mil a menos levo a Tracker, com o belíssimo 1.4T com AT6 (sem falar que é igualmente muito bem equipado). Na faixa dos R$90 mil ~ R$92 mil leva-se a Tracker topo de linha. É questão de gosto, mas o Renegade merecia pelo menos o 2.0 Tigershark do Compass.

    • Popdogue

      Se o Tracker tivesse controles de estabilidade e tração, auxílio em rampa e freio a disco nas 4 rodas eu tb optaria por um.

  • Felipe Politano

    “ENVOLTA dos faróis” é de matar um professor de português de desgosto

    • kravmaga

      É triste ver como tanta gente assassina a nossa linda língua portuguesa.

      O pior é que esses erros são causados mais por falta de leitura de bons livros do que por falta de aulas de gramática.

  • Danilo

    Pelo que foi falado na reportagem, talvez o detalhe mais importante dessa atualização de motor tenha sido a variação dos dutos de admissão, que fazer com que o carro tenha mais fôlego tanto em alta quanto em baixa rotação. Eu tinha um Stilo com esse sistema e dava pra sentir a atuação dessa peça.

  • Daniel Dal Pont

    Sou de Florianóplis e pelo que percebi o NA fez o teste em Jurere Internacional… Gostaria de saber se os numeros do consumo da cidade foram feitos em que trajeto aqui da cidade, já que para chegar em Jurere voce precisa pegar a SC-401 que se pode rodar a 80km/h (ou mais, porque nao tem radar) durante 30 km, o que pode influenciar, em muito, no resultado do consumo]

    Penso que Florianopolis não seja referência para testes de consumo, já que a maioria das vias são rápidas (a exemplo da já citada SC401 e da Beira-Mar Norte,que se pode rodar a 80 km/h).

    Certamente esse números de consumo seriam outros completamente distintos se o teste fosse feito em SP ou RJ

  • FearWRX

    7,5 por litro na estrada?? Aí depois vão no ReclameAqui reclamar do consumo alto e que não aguenta bancar o que bebe, e o Inmetro ainda me dá nota boa de consumo pra essa jabiraca, pelamordeDeus.

    • tiago

      Ele é pesado e o design não prioriza a aerodinâmica. Não existe carro perfeito, existe a escolha certa para cada pessoa, quem quer máxima economia deve evitar os SUVs/Crossovers.

      • Tosoobservando

        Depende, o consumo do Suzuki S-Cross é melhor que de popular.

      • FearWRX

        Não fala isso pra mim, fala isso pros milhares que compraram isso é estão reclamando por aí, eu não sou besta de comprar esses jagunço urbano

        • Artur

          Então não compre, ora bolas!

      • Luis_Zo

        A aerodinamica dele é excelente… Cx ao redor de 0,36, melhor que a grande maioria dos hatchs brasileiros disponíveis no mercado hoje.

        • kravmaga

          Mesmo que o coeficiente aerodinâmico de um SUV seja o mesmo de um carro baixo, a área efetiva do SUV será sempre maior por causa da altura, sem contar que maior altura do solo também prejudica a aerodinâmica.

          • Luis_Zo

            Fato.

            Quero salientar é que, apesar do visual tijolo dele, a Aerodinâmica é excelente. Justamente porque se tem uma ideia errada de que formas arredondadas são sempre melhores para veículos (pode até ser para aviões). Mas vincos nas laterais ajudam e muito, principalmente para diminuir as esteiras laterais (vide as laterais frontal e traseira de HB20 ou do novo Corolla por exemplo).

            Ecosport e Duster, por exemplo, tem área frontal muito parecida com o Renegade e Cx muito, muito mais alto (uma beirando o 0,40 e a outra beirando os 0,45)

    • Jose Silva

      7,5 km/l na estrada tem que ser serra e está no álcool e puxando forte o tempo todo.

      Já peguei carona com um amigo que tem, a 120 km/h fez 14,5 km/l de gasolina com ar ligado a 120 km/h, achei bom até d+ pelo motor que tem e pelo peso que tem. Estavam 4 pessoas no carro. Gostei também do rendimento dele na estrada, cidade é uma coisa precisa sair da inercia, é pesadinho, mas na estrada que sempre você está acima de 60 km/h o carrinho foi muito bem. Dizem que o forte deste motor é na estrada e realmente na estrada achei que puxa bem

  • tiago

    Acho estranho o consumo ser tão parecido em ambos os ciclos – Urbano/Estrada.

    • Kyozuki

      O canal Jeep Renegade fez 8,4 km/l na cidade(etanol) e 10,9 na estrada(etanol), com gasolina foi 11 km/l na cidade e 14,3 km/l na estrada.

  • Edu.ch

    A versão Limited é bem equipada. Falta desempenho mas possui itens de comodidade que serão mais úteis no dia-a-dia do que o desempenho do 1.4T do Tracker, por exemplo. Comodidades como ar dual zone, hill holder, e outras de segurança como controle de estabilidade e farois de xenônio.

    • Lucas086

      Falta mais bags na Limited, ficaria “perfeita”

  • Whering Alberto

    Essa versão Limited por 97 mil tá ótima.

    • Gustavo73

      Com 2 airbags de série tá não.

      • Whering Alberto

        É questão de pesar na balança.

        • Gustavo73

          Pra mim não tem essa carro custar mais de 70/80 mil tem que ter pacote de segurança completo. Ainda mais um compacto.

          • Whering Alberto

            Essa (ainda) não é a nossa realidade.

            • Gustavo73

              É a minha, simplesmente me recuso a pagar isso em um carro sem os itens citados. Se for um compacto então custando o que o Renegade Limited custa teria que ter mais. O Renegade tinha uma versão chamada Limited Edition com 7 airbags esp/tc bancos em couro e at(pra quem gosta) pelo mesmo preço. Tiraram os itens de segurança em prol dos outros que eram opcionais. Para mim não são. Escolha pessoal.

              • Whering Alberto

                Segurança não é opcional, claro – embora as montadoras sediadas aqui a tratem como tal. Mas já que você fala tanto em preço x itens de segurança, me refresque a memória acerca dos modelos que custam isso que você falou e oferecem, cumulativamente, os 7 airbags, ESP, TCS etc.

                • Gustavo73

                  Alguns que me lembro de cabeca, Menos os precos.
                  Fiesta Titanium plus 1.6 R$71500 RS72500 1.0 Ecoboost
                  Golf Confortline 1.0Tsi R$74990 Confortline 1.6 R$78130 MT R$83530 AT
                  208 GT 81500
                  Civic Sport R$87900 MT R$94900 CVT
                  2008 THP R$87990
                  Kicks SL R$89990 CVT
                  Todos custam menos que o Renegade Limited alguns sao medios. Tem os equipamentos de seguranca e custam menos.

                  • Whering Alberto

                    Então você aceita pagar 72.500 num FORD Fiesta? Tá meio incoerente… Golf é o maior atestado de jogar dinheiro fora que uma pessoa pode dar. 208 GT é uma opção restrita (não tem o público amplo que o Renegade tem), sendo valorizado por quem gosta de uma condução esportiva. 2008 é aquele lance: muitos brasileiros optam mais pela comodidade do que pela segurança. Eles vão pensar bem antes de pagar quase 90 mil num carro manual. Kicks é uma opção interessante pra quem quer entra na onda dos SUV de shopping. O único que lhe assiste razão aí é o Civic (mesmo assim, se a pessoa tiver a inteligência de optar por ele ao invés de se iludir com um carro “alto”). E ainda é caro. Mas valeu.

                    • Gustavo73

                      Incoerente porquê? Custa o mesmo que o Renegade básico é muito mais equipado. Golfjogar dinheiro fora? Por qual motivo? Principalmente nas versões de entrada as únicas com cxb, não se acha por preço semelhante carro da categoria ou abaixo com a lista de equipamentos dele. Você pediu carros na faixa de preço e com os equipamentos e aí estão eles, faltou o Focus 1.6 SE plus manual por 87 mil. E reintero mais baratos que o Renegade Limited.

  • Rafael Santos

    Jeep de asfalto… não tem nem altura pra terra

  • Lucas086

    A versão PCD recebe as mesma alterações no motor?

  • PokoLoko 636

    O motor é oooo MESMO, 5 cv a mais ou 6% de economia? não significa absolutamente nada, isso é pra pegar mais desavisados que comprarão esse E-Torq subdimensionado para o peso do carro. Carro acima de R$85.000,00 era obrigação vir com o 2.0 Flex.Ganancia total Parabéns FCA

  • PokoLoko 636

    O motor é oooo MESMO, 5 cv a mais ou 6% de economia? não significa absolutamente nada, isso é pra pegar mais desavisados que comprarão esse E-Torq subdimensionado para o peso do carro. Carro acima de R$85.000,00 era obrigação vir com o 2.0 Flex.Ganancia total Parabéns FCA

  • Mayck Colares

    Quero objetividade e números de desempenho provando que o etork realmente evoluiu, pq no campo das sensações tudo fica subjetivo.

  • Samuel Campos da Silva

    Coitado de quem acredita nesses dados de consumo . Todo mundo sabe que esse motor faz no máximo 8,5 km/l na cidade com gasolina.

    • tiago

      Esses dados de consumo são do INMETRO, os mais padronizados que temos, muito melhor que qualquer evidência anedótica.

  • RKK

    A impressão que dá é que colocaram um coletor variável (VIS) mas retiram o comando variável (que em um SOHC em questão não faz milagres), apesar da impressa informar que foi mantido.
    Obs: a linha tracejada é do motor Renegade anterior, a linha contínua do novo motor Flex do Renegade. https://uploads.disquscdn.com/images/336c5c01f26e8d9bec4498da29733fd7cefded20951eb4d140538d17b35e407e.jpg

  • BTRJ

    Não ficou nada boa essa grade prata da versão limited. Quanto às alterações do motor, somente teremos idéia com medições objetivas, tipo, zero a cem, retomadas e dados de consumo aferidos…Isso de falar de notável melhora, sem apresentar números não dá , muita subjetividade. O Renegade, a meu ver, se destaca pelo acabamento muito superior à concorrência e aparente qualidade construtiva, mas ainda peca pela política de opcionais(herdada da Fiat) e espaço no porta malas(solucionado agora com a opção pelo Compass).

  • Miguel

    Dá pra voltar com a grade e as rodas da versão Longitude na Limited também? Tá muito feio, não gostei.
    No restante continua um carrinho muito interessante.

  • Luis LC

    Nossa, achei que estava lendo uma peça publicitária da Jeep.

  • 1945_DE

    Cadê o comparativo do teste de aceleração de 0 – 100 KM e de retomada. Só os números provam e atestam a melhoria vislumbrada. Duvido muito que o usuário comum consiga perceber a diferença no desempenho.

Quem somos

O Notícias Automotivas é um dos maiores sites automotivos do Brasil, trazendo todas as novidades sobre carros por mais de 11 anos. Saiba mais.

Notícias por email

Send this to a friend