História Kia Matérias NA SUVs

Kia Mohave: anos, estilo, equipamentos e motores

Kia Mohave: anos, estilo, equipamentos e motores

O Kia Mohave é um SUV de porte médio que a marca sul-coreana vendeu no Brasil entre 2009 e 2017, tendo uma boa variedade de motores e transmissões ao longo de sua carreira por aqui.


Também chamado Borrego nos EUA, o Mohave foi o SUV topo de linha da marca durante um bom tempo, sendo ultrapassado pelo Telluride, que em realidade é um sucessor, embora o modelo ainda seja feito na Coreia do Sul.

Nos EUA, o Kia Mohave não teve sucesso e durou pouco menos de dois anos. Por causa das vendas em baixa, foi substituído parcialmente pelo Kia Sorento até a chegada do Telluride, que só aconteceu em 2019.

Kia Mohave: anos, estilo, equipamentos e motores

Com porte suficiente para levar sete pessoas a bordo, o SUV da Kia Motors oferece muito conforto e luxo, bem como amplo espaço para bagagens, sendo um carro ideal para viagens longas.

O Brasil, no caso do Kia Mohave, foi brindado por todas as opções de motor e câmbio, o que permitiu ao comprador brasileiro dispor tanto da força e economia do diesel V6 3.0 quanto do alto desempenho do V8 4.6.

No meio deles, um V6 3.8 permaneceu um bom tempo no mercado, apesar da saída do V8 4.6 precocemente e a da atualização do diesel.

Kia Mohave

Kia Mohave: anos, estilo, equipamentos e motores

Antes dele, a Kia Motors tinha somente o Kia Sorento como maior utilitário esportivo. Porém, em 2008, Peter Schreyer atendeu ao pedido da montadora sul-coreana para um SUV maior e assim nasceu o Kia Mohave.

A ideia da Kia era vende-lo bem no mercado americano, onde o mercado de utilitários esportivos era muito bom e o Sorento não era capaz de brigar com modelos maiores.

Com isso, Schreyer projetou um carro com visual robusto e capacidade para sete pessoas com conforto. Pesando ainda na preferência americana, a Kia decidiu por introduzir o V8 Tau 4.6 do Hyundai Genesis.

Além disso, adicionou ainda o V6 3.8 do Hyundai Vera Cruz, tal como um V6 3.0 turbo diesel, que foi o primeiro do tipo da Hyundai-Kia. Com esse trio, o modelo seria um sucesso nos EUA e fora dele. Bom, no primeiro caso, não deu…

Kia Mohave: anos, estilo, equipamentos e motores

 

O Kia Mohave era para ter caído nas graças do americano, mas, após dois anos apenas, ele saía de cena discretamente. Em realidade, o produto desapareceu de todos os mercados do Ocidente, exceto Chile e Brasil.

Feito originalmente na Coreia do Sul, o Kia Mohave também foi fabricado na Rússia e no Cazaquistão. Na Ásia, foi excluído também da China, assim como do Brasil anos depois.

O Mohave ainda vende bem no mercado doméstico, onde recebeu um facelift profundo, que não chega a ser uma segunda geração, já que o Telluride é o atual SUV topo de gama da Kia.

Assim, mercados como do Chile, Oriente Médio, Rússia e outros da Ásia, deverão continuar recebendo o Kia Mohave em sua forma mais recente. Veio com oito airbags, TCS e ESP.

Kia Mohave – Estilo

Kia Mohave: anos, estilo, equipamentos e motores

O Kia Mohave chegou ao mercado americano em 2009 com um estilo bem conservador, sem linhas ousadas ou expressivas, sendo uma proposta para atrair os consumidores de maior idade e famílias grandes.

Sem influência germânica de seu designer criador, o Mohave em realidade não tinha atrativos estéticos que realmente empolgassem o comprador americano, apesar de sua proposta aparentar uma boa relação custo-benefício.

Discreto, o Kia Mohave tinha uma frente inclinada e dotada de capô relativamente curto para seu porte, tendo este ainda frisos bem suaves. A grade era obrigatoriamente cromada e tinha frisos bem delineados.

Já o conjunto ótico com faróis de xênon tinha dupla parábola com canhão no facho baixo, além de repetidores de direção e lanternas abaixo, bem como luzes de posição, obrigatórias nos EUA.

Kia Mohave: anos, estilo, equipamentos e motores

O para-choque tinha metade do tamanho na cor do carro, enquanto a parte inferior era pintada de cinza. Esta vinha ainda com grade horizontalizada e faróis de neblina integrados.

A parte inferior imitava ainda um bumper central de aparência reforçada, mas em outros mercados, uma extensão ampliava o protetor e dava ao Kia Mohave uma aparência mais robusta.

As saias de rodas e a parte inferior das laterais eram protegidas por uma moldura cinza. O Mohave tinha ainda estribos para facilitar o acesso ao interior do veículo, devido ao seu porte.

Com colunas D mais destacadas, o SUV coreano tinha ainda lanternas grandes e quase quadradas, recortadas parcialmente por causa da tampa do bagageiro.

Kia Mohave: anos, estilo, equipamentos e motores

Esta vinha com vigia bem ampla, além de suporte de placa e moldura pronunciada. O para-choque de cor cinza era proeminente e tinha dois refletores.

No teto, barras longitudinais e opção de teto solar elétrico eram oferecidos. O Kia Mohave teve seus para-choques reforçados em atualização de 2016, assim como a grade com duas barras cromadas maiores e luzes diurnas em LED.

Na traseira, as lanternas ganharam iluminação por LED e atualização do layout, porém, mantendo o mesmo desenho básico. As rodas de liga leve aro 18 polegadas de seis raios, por exemplo, tiveram versões diamantadas e cromadas.

No interior, o Kia Mohave era bem espaçoso e tinha um acabamento condizente com a proposta. Chamava atenção o túnel largo com porta-copos espaçados e alavanca de câmbio em estilo escada bem centralizada.

Kia Mohave: anos, estilo, equipamentos e motores

O ambiente podia vir em algumas cores, como bege, cinza ou preto, sendo esta última a preferida para o consumidor brasileiro. A guarnição imitava madeira ou tinha cores como cinza e preto brilhante.

O painel tinha um conjunto vistoso, mas com difusores de ar simples. Ao centro, havia um sistema de áudio da JBL com CD player e Bluetooth, além de ar condicionado tri zone.

No cluster, a instrumentação tinha fundo preto ou vermelho, dependendo do mercado. Aqui no Brasil foi o primeiro e contava com conta-giros, velocímetro e nível de combustível, todos analógicos e estranhamente simples.

Um display digital com grafismos em vermelho tinha computador de bordo e outras funções. O retrovisor interno eletrocrômico reproduzia a imagem da câmera de ré inicialmente.Kia Mohave: anos, estilo, equipamentos e motores

Posteriormente, o Kia Mohave ganhou multimídia com DVD, CD, TV digital, navegador GPS, câmera de ré e tela de 7 polegadas sensível ao toque.

O volante em couro com quatro raios, tinha comandos de mídia e telefonia, bem como controle de cruzeiro. Seu ajuste era elétrico e indexado à memória do banco.

Interessante era o sistema de tração com opção de 4×2, 4×4 e 4×4 com reduzida tendo seu seletor ao lado esquerdo da direção, num lugar onde geralmente vai o comando dos faróis.

Kia Mohave: anos, estilo, equipamentos e motores

A chave era eletrônica, tendo assim botão de partida, mas havia um slot para ela ser encaixada se desejasse. Os bancos tinham ajustes elétricos e, dependendo da versão e mercado, o Kia Mohave vinha com aquecimento e ventilação.

Revestido em couro, os assentos eram bem amplos e confortáveis, sendo que a segunda fileira era ajustável em encosto e distância do assento, tendo apoio de braço central com porta-copos.

Quem ia nessa posição, tinha ainda controles de ventilação e climatização do ar condicionado traseiro, que enviava o ar por difusores localizados no teto.

Kia Mohave: anos, estilo, equipamentos e motores

Já a terceira fileira podia ser rebatida para ampliar o espaço do porta-malas. Erguida, levava dois adultos com algum conforto. O Kia Mohave tinha ainda teto solar elétrico, mas de tamanho padrão.

De acordo com a Kia Motors, o porta-malas do Mohave tinha 350 litros com os sete assentos erguidos, podendo chegar a 1.220 litros com as duas fileiras abaixadas.

Medindo 4,880 m de comprimento, o Kia Mohave tinha ainda 1,915 m de largura, 1,810 m de altura e 2,895 m de entre eixos. Com isso, seu porte era em média 12 cm maior que o do Kia Sorento.

Kia Mohave – Motores

Kia Mohave: anos, estilo, equipamentos e motores

O Kia Mohave teve três motores ao longo do tempo, sendo que dois deles eram abastecidos com gasolina e outro com diesel. Todos eram de desenvolvimento da Hyundai-Kia.

Aqui no Brasil, a Kia Motors trouxe todos eles quase que de uma vez. Quando chegou ao mercado nacional em 2009, o Mohave estreou com o motor Lambda II V6 3.8, que chegou junto com uma caixa automática de cinco marchas.

Logo após, o SUV chegou também na versão diesel com motor S CRDi V6 3.0. Nos meses seguintes, apareceu também o Tau V8 4.6 litros, que completou a gama do utilitário asiático.

Em cada caso, porém, as opções de câmbio eram diferentes. No V6 3.8, por exemplo, era o já citado automático de cinco marchas. No V6 3.0 diesel e no V8 4.6 a gasolina, a transmissão automática tinha seis marchas.

Lambda II

Kia Mohave: anos, estilo, equipamentos e motores

Esse foi o mais popular motor usado pelo Kia Mohave no Brasil. O propulsor V6 3.8 de 24V era o mesmo usado no Hyundai Vera Cruz importado pela CAOA, apesar de esta e o grupo Gandini não se comunicarem de forma alguma.

Com duplo comando de válvulas em cada cabeçote, o Lambda II entregava 275 cavalos e 36,9 kgfm. Equipado com transmissão automática de cinco marchas, o SUV tinha tração nas quatro rodas.

Tendo 3.778 cm3 e taxa de compressão de 10,4:1, o Lambda II permitia ao Mohave ir de 0 a 100 km/h em 8,5 segundos com máxima de 185 km/h. O consumo era bem elevado: 4,3 km/l na cidade e 7 km/l na estrada.

A limitação no número de marchas (apenas cinco) e o peso do veículo (2.123 kg), fazia do Kia Mohave um carro gastão, tendo ainda este um tanque de 82 litros. Com isso, ia até 574 km somente. Esse motor foi retirado em 2014.

Tau

Kia Mohave: anos, estilo, equipamentos e motores

O imenso V8 4.6 da família Tau, que equipa carros como Genesis, por exemplo, era o suprassumo do poder do Kia Mohave. Movido por gasolina, esse propulsor 32V com injeção eletrônica indireta, como o Lambda II, era forte.

Com 4.627 cm3 e taxa de compressão de 10,4:1, o Tau era o “tal” em termos de potência e torque, entregando 340 cavalos e 44,4 kgfm. Esse grandão da Kia Motors vinha com câmbio automático de seis marchas.

Assim, o Kia Mohave ia de 0 a 100 km/h em 7,6 segundos e com máxima limitada em 190 km/h. O consumo, porém, não era dos melhores, mas para quem queria performance num SUV de sete lugares, não havia mágica, ou quase…

Na cidade, o grandalhão fazia apenas 3,8 km/l, enquanto na rodovia, o consumo era de apenas 6 km/l. Isso tudo porque era movido por gasolina e pesando 2.205 kg. Em 2012, o Tau V8 foi retirado do mercado nacional.

S

Kia Mohave: anos, estilo, equipamentos e motores

De todos, o mais interessante em consumo e força era realmente o motor turbo diesel S V6 3.0 24V CRDi, que equipou o Kia Mohave desde sua chegada até seu fim, porém, sem antes receber uma boa atualização.

Equipado com turbocompressor de geometria variável e intercooler, o S 3.0 tinha também sistema de injeção direta de diesel e taxa de compressão elevada: 17,3:1.

Ele entregava inicialmente 250 cavalos e 50 kgfm. Com transmissão automática de seis marchas e tração 4×4, o Kia Mohave diesel ia de 0 a 100 km/h em 12 segundos e tinha limitação de 190 km/h.

Segundo proprietários, ele fazia 9,5 km/l na cidade e 12 km/l na estrada, o que é muito bom para a vida real. Em 2012, a Kia Motors atualizou levemente o Mohave.

Kia Mohave: anos, estilo, equipamentos e motores

Nessa ocasião, ele retirou de linha o V8 Tau e modificou o V6 3.0 CRDi, que agora oferecia 256 cavalos e 56 kgfm em seus 2.959 cm3 e com a mesma taxa de compressão.

Com menos consumo e emissão, o S 3.0 atualizado trouxe ainda uma nova transmissão automática, agora com oito velocidades. A tração 4×4 com reduzida permaneceu. Este ia de 0 a 100 km/h em 9,6 segundos.

Em números oficiais, ele fazia 8 km/l na cidade e 12 km/l na estrada, mas na realidade, os valores eram mais generosos. No ano de 2017, o Kia Mohave saiu do mercado nacional com este motor.

Atualização

Kia Mohave: anos, estilo, equipamentos e motores

Em 2019, a Kia Motors lançou o Kia Mohave atualizado na Coreia do Sul. Este veio com um visual bem expressivo e controverso, tendo frente truncada com quatro faróis de LED em cada lado e grade bem vertical.

Também tem LEDs no para-choque, que foi redesenhado, assim como o traseiro. Este tem quatro saídas de escape quadradas e integradas, enquanto as laterais ganharam novas molduras.

As lanternas em LED foram unificadas por uma lente com o nome Mohave. Por dentro, o ambiente ficou bem mais luxuoso, tendo multimídia com tela de 10 polegadas, cluster digital de 12,3 polegadas e revestimento em couro trançado.

O atual Kia Mohave mantém o diesel V6 3.0 de 256 cavalos, mas com 57,1 kgfm, além do câmbio de oito marchas e a tração nas quatro rodas. Entre as novidades do modelo, estão os modos de condução, incluindo Areia, Lama e Neve.

Ricardo de Oliveira

Ricardo de Oliveira

Técnico mecânico, formado há 23 anos. Há 12 anos trabalha como jornalista no Notícias Automotivas, escreve sobre as mais recentes novidades do setor, frequenta eventos de lançamentos das montadoras e faz nossos testes e avaliações. Também trabalhou nas áreas de retificação de motores, comércio e energia.

  • Willie Cicci

    Um senhor carro, aliás, acho que nem o grupo Gandini sabe o quão bons são os carros que eles representam. Num mercado onde tanta coisa meia-boca vende bem, os bons Kia mereciam mais espaço.

  • afonso200

    A V8 andei ja

  • mjprio

    Sempre achei esse carro meio sem sal. Parece uma station bombada. Mas segundo soube, como veículo era muito bom

  • Baetatrip

    Belissimo Mohave….!
    Teria 1 fácil…. Viajando com conforto de 1 classe praticamente…!
    3.0 V6 a diesel com AT8 + Reduzida…. Nenhum carro tem tanta reduzida!!!!!!!!!

  • Luis Burro

    Como pode opinião tão diferente rs, ele eu ñ acho tão conservador, ele até me lembra o XTerra da Nissan só q a frente é bem melhor e a traseira destoa um pouco,a reestilização tbm achei q ficou boa… o Telluride é quase um Escalade, até foi estranho como foi só a kia lancá lo pra GM mudar totlmente a linha de estilo do seu Suv Premium!

  • Herbet Moreira

    Quando estava pesquisando um caminhão desses para comprar estava estudando todas as opções, que incluíam Pajero Full, SW4, Prado e afins. Quando sobrou somente ela e a Pajero Full verifiquei que o problema do carro era a própria fabricante. Um exemplo disso é que Kia e Mitsubishi não tinham o manual na internet para consulta. Ao ligar para as duas pedindo o manual recebi as seguintes respostas: Kia: “só pode ter manual do carro quem tem o carro”. Mitsubishi: “vamos disponibilizar na internet” ( o que ocorreu em poucos dias ). Peças da Pajero eram mais fáceis e baratas de achar, inclusive descobri que uma das correias auxiliares tem as mesmas dimensões da correia auxiliar do motor AP, que custa 13 reais… A Mohave era pior de venda e por aí vai… O produto da Kia é bom? Sim. mas são esses detalhes que as vendas acabam não decolando.

Quem somos

O Notícias Automotivas é um dos maiores sites automotivos do Brasil, trazendo todas as novidades sobre carros para mais de 450 milhões de pessoas, por mais de 13 anos. Saiba mais.

Notícias por email