L200 Triton 2008: preço, consumo, motor, defeitos, desempenho

L200 Triton 2008: preço, consumo, motor, defeitos, desempenho

A Mitsubishi L200 Triton 2008 chegou ao mercado como a nova geração da picape média da marca japonesa, que trouxe uma mudança radical na proposta de estilo, aproximando-a de um automóvel de passeio.


Com desenho fluido e a chamada linha “J”, a Nova Triton complementou a gama, que era composta pela geração anterior na forma das L200 Outdoor e L200 Savana, tendo ainda um visual bem sofisticado e com influência do Lancer.

Concorrente das Chevrolet S10 e Toyota Hilux, a Triton 2008 vinha em pacote único, a versão HPE, que seria a mais completa da gama, cujas opções somam três. Dotada de dois motores, a picape da Mitsubishi atraiu muita gente.

Mudando da água para o vinho, a L200 Triton 2008 veio com um visual expressivo e interior moderno, incluindo volante esportivo. Contudo, mesmo com a modernidade, ela ainda mantinha uma tração 4×4 bem analógica…

Sem botão giratório, como na Ford Ranger ou na Nissan Frontier, a Triton trazia a velha alavanca de seleção de tração e tinha ainda uma caixa automática de apenas quatro marchas, diferente da picape da conterrânea.

L200 Triton 2008 – detalhes

L200 Triton 2008: preço, consumo, motor, defeitos, desempenho

Mesmo assim, a transmissão trazia o sistema Invecs-II, que se adaptava ao modo de dirigir do condutor, tendo ainda os modos de tração 4×2, 4×4 e 4×4 com reduzida, incluindo ainda um diferencial traseiro de deslizamento limitado (LSD).

Fora isso, tinha uma cabine curvada na junção com a caçamba, chamada linha “J” e que é usada até hoje na geração atual. A caçamba pronunciada tinha formas harmoniosas, enquanto a frente curvada se unia bem à cabine aerodinâmica.

Bem completa, trazia um vistoso computador de bordo no lugar de multimídia e um rádio simples 1din com CD player, MP3, USB e auxiliar. O ar-condicionado era automático, apesar dos comandos físicos.

Ainda assim, a L200 Triton 2008 tinha a possibilidade de ser equipada com sensor de estacionamento, Bluetooth e piloto automático, que eram vendidos como acessório. O computador de bordo tinha bússola, altímetro, temperatura, etc.

De qualquer forma, a picape da Mitsubishi ainda trazia direção hidráulica, vidros e travas elétricas, retrovisores elétricos com basculamento automático, bancos em couro, rodas de liga leve aro 16 polegadas, detalhes cromados, entre outros.

Leia também sobre a L200 Triton 2010, L200 Triton 2013 e L200 Triton 2015.

L200 Triton 2008: preço, consumo, motor, defeitos, desempenho

Era oferecida nas cores branco Enya, vermelho Eclipse, cinza Hematita, azul Oceano, preto Lamp, prata Evolution, verde Pantanal e vermelho Nelore. O interior era em couro cinza e acabamento em dois tons de cinza.

Com acabamento bom e um visual moderno, a L200 Triton 2008 trazia ainda uma mecânica mais evoluída em relação aos modelos L200 Savana e Outdoor, acompanhada dos propulsores 4M41 e 6G74, ambos de geração mais atual.

No primeiro caso, a picape da Mitsubishi precisava mostrar força diante das rivais e isso só poderia ser feito com um motor diesel potente, escolhido o 3.2 de quatro cilindros com turbo de geometria variável e intercooler.

Com injeção Common Rail, o motor da L200 Triton entregava 165 cavalos e bons 38,7 kgfm. Isso permitia um bom desempenho para a picape, que assim ia de 0 a 100 km/h em 13 segundos em média.

Ela vinha com transmissão manual de cinco marchas, mas a caixa automática era limitada a quatro velocidades, o que reduzia seu desempenho e economia. Neste caso, pelo menos havia o sistema Invecs-II que se daptava ao condutor.

L200 Triton 2008: preço, consumo, motor, defeitos, desempenho

O câmbio automático tinha conversor de torque e mudanças manuais na alavanca, integrando-se ao sistema 4×4. O dispositivo tinha acoplamento tradicional, ainda com acionamento mecânico, por alavanca.

Nesta, a L200 Triton podia engatar o 4×4 rodando até 100 km/h, sem prejuízo para o sistema. Já no caso da reduzida, era necessário parar o veículo e deixá-lo em neutro para fazer a mudança. Havia ainda um display de indicação no painel.

Isso era vital porque a L200 só podia rodar no 4×4 reduzido até certo limite e somente em condições ruins de terreno, dado que em velocidade normal de estrada, o sistema seria destruído.

O diferencial de deslizamento limitado ampliava a capacidade de tração da picape em terrenos ruins, visto que o diferencial normalmente transfere a força para a roda com maior aderência.

No entanto, em caso de fora de estrada, o diferencial de deslizamento limitado evita que o sistema jogue força no pneu que está patinando na lama, transferindo o torque para a roda que está imóvel, indicando que está em condições de tracionar.

L200 Triton 2008: preço, consumo, motor, defeitos, desempenho

Dessa forma, quando no asfalto, o sistema desativa e permite o bom funcionado da tração no eixo traseiro. Com estes recursos, a L200 Triton 2008 mantinha a valentia das demais gerações no fora de estrada.

Além disso, podia ainda prover melhor desempenho com o emprego do V6 3.5 6G74, que tinha 24 válvulas, comandos duplos no cabeçote e injeção multiponto, além de tecnologia flex, que elevava a potência até 205 cavalos.

Este era o único V6 Flex do mercado nacional, deixando a L200 nessa configuração, mais para clientes das cidades, que não precisam se preocupar tanto com autonomia ou força do modelo, ganhando mais em conforto e desempenho.

Também estava disponível apenas com transmissão automática de quatro marchas e os recursos de tração já citados. Nessa geração, a L200 Triton ganhou uma atualização de meia vida com o 3.2 diesel indo até 180 cavalos.

Então, veio a nova geração com um 2.4 turbo diesel de alumínio com 190 cavalos, o que se mantém até hoje. No mercado de usados, a L200 Triton é um produto apreciável, ainda mais se estiver num estado bom. O diesel é sempre o preferido.

Ainda assim, é preciso verificar se já fez retífica e como estão itens variados, como filtro de partículas, o sistema EGR e outros detalhes, bem como transmissão automática, tração 4×4, suspensão e a carroceria no geral.

L200 Triton 2008 – versões

L200 Triton 2008: preço, consumo, motor, defeitos, desempenho

  • Mitsubishi L200 Triton HPE 3.5 Flex 4×4 automática de 4 marchas
  • Mitsubishi L200 Triton HPE 3.2 Diesel 4×4 manual de 5 marchas
  • Mitsubishi L200 Triton HPE 3.2 Diesel 4×4 automática de 4 marchas

Equipamentos

L200 Triton 2008: preço, consumo, motor, defeitos, desempenho

Mitsubishi L200 Triton HPE 3.5 Flex 4×4 automática de 4 marchas – Motor V6 3.5 Flex com transmissão automática de quatro marchas, mais mudanças manuais na alavanca, além de grade cromada, faróis com máscara negra, farpois de neblina, rodas de liga leve aro 16 polegadas, pneus 265/70 R16, luz auxiliar de freio, ganchos para amarração de carga, antena no teto, maçanetas e retrovisores cromados, estribos laterais, para-barros, vidro traseiro térmico, vidros verdes, para-brisa degradê, engate para reboque, para-choques na cor da carroceria, ar-condicionado automático, direção hidráulica, coluna de direção ajustável em altura, vidros elétricos, travamento central elétrico, retrovisores externos com ajustes elétricos, volante esportivo em couro, computador de bordo, rádio com CD player e MP3, quatro alto-falantes, dois tweeters, alarme, bancos em couro, banco do motorista com ajuste em altura, piloto automático, retrovisor interno dia e noite, cintos de segurança de 3 pontos para todos, apoios de cabeça para quatro, airbag duplo, freios ABS com EDB, tração 4×4 com reduzida, diferencial de deslizamento limitado, alças de teto e colunas, luzes de leitura, para-sois com espelhos, fonte 12V, porta-luvas com luz, porta-copos, porta-objetos, porta-óculos, porta-revistas, travas de segurança nas portas traseiras, vidros com bloqueio eletrônico, ajuste elétrico dos faróis, abertura interna do bocal do tanque, limpador do para-brisa com ajuste de velocidade, entre outros.

Mitsubishi L200 Triton HPE 3.2 Diesel 4×4 manual de 5 marchas – Itens acima, mais motor diesel 3.2 com transmissão manual de cinco marchas e embreagem de acionamento hidráulico.

Mitsubishi L200 Triton HPE 3.2 Diesel 4×4 automática de 4 marchas – Itens acima, mais motor diesel 3.2 com transmissão automática de quatro marchas, mais mudanças manuais na alavanca.

Preços

  • Mitsubishi L200 Triton HPE 3.5 Flex 4×4 automática de 4 marchas – R$ 109.990
  • Mitsubishi L200 Triton HPE 3.2 Diesel 4×4 manual de 5 marchas – R$ 114.990
  • Mitsubishi L200 Triton HPE 3.2 Diesel 4×4 automática de 4 marchas – R$ 119.990

L200 Triton 2008 – motor

L200 Triton 2008: preço, consumo, motor, defeitos, desempenho

A L200 Triton 2008 tinha dois motores, sendo eles o 4M41 e o 6G74, sendo que este último era o único V6 flex do mercado nacional, tendo 3.5 litros e muita tecnologia.

O 6G74 pertencia à série de motores Cyclone e aqui ainda teve o 6G75, mas a bordo do Pajero Full. Esse propulsor nascido nos anos 90, veio de uma linhagem surgida em 1986 e que equipou, principalmente, os sedãs grandes da Mitsubishi.

Com bloco de ferro fundido e cabeçotes de alumínio, o V6 3.5 MIVEC tinha comandos variáveis em tempo e abertura de válvulas, permitindo mais eficiência no funcionamento. Esses eixos eram acionados por corrente interna.

Tendo injeção eletrônica multiponto, o 6G74 tinha tecnologia flex com injeção de gasolina na partida a frio com etanol. Assim, ele entregava boa potência com seus 3.497 cm³ e taxa de compressão baixa.

Eram 200 cavalos no derivado de petróleo e 205 cavalos com combustível vegetal, ambos a 5.000 rpm. O V6 tinha ainda 31,5 kgfm na gasolina e 33,5 kgfm no etanol, ambos a 3.500 rpm. Só era disponível com câmbio automático de 4 marchas.

O problema dele era o assunto consumo, no entanto, visto que tinha aspiração natural e injeção indireta, além de funcionar com dois combustíveis, o que sempre reduz a eficiência do projeto do motor originalmente feito para gasolina.

Além dele, a L200 Triton 2008 vinha também com o diesel 4M41 de quatro cilindros, sendo um motor moderno, nascido em 1996. Ele vinha com injeção eletrônica Common Rail, além de turbina de geometria variável e intercooler.

Havia ainda sistema EGR, que é a recirculação dos gases de escape para reduzir a emissão de CO2, fazendo o tratamento dos resíduos gasosos da combustão antes de enviar para o escapamento.

Com cabeçote de alumínio com duplo comando de válvulas acionado por corrente, mais quatro válvulas por cilindro, o 4M41 tinha exatos 3.200 cm³ e taxa de compressão de 17:1, entregando 165 cavalos a 3.800 rpm e 38,1 kgfm a 3.500 rpm.

Ele trabalhava com uma caixa manual de cinco marchas, mas havia a opção do câmbio automático de quatro velocidades com conversor de torque, mais mudanças manuais na alavanca e sistema Invecs-II de gerenciamento eletrônico.

Desempenho

L200 Triton 2008: preço, consumo, motor, defeitos, desempenho

  • Mitsubishi L200 Triton 3.5 Flex 4×4 automática de 4 marchas – 12,0 segundos e 175 km/h
  • Mitsubishi L200 Triton 3.2 Diesel 4×4 manual de 5 marchas – 12,8 segundos e 175 km/h
  • Mitsubishi L200 Triton 3.2 Diesel 4×4 automática de 4 marchas – 13,2 segundos e 170 km/h

Consumo

  • Mitsubishi L200 Triton 3.5 Flex 4×4 automática de 4 marchas – 6,0/7,0 e 7,1/9,2 km/l
  • Mitsubishi L200 Triton 3.2 Diesel 4×4 manual de 5 marchas – 10,8/15,4 km/l
  • Mitsubishi L200 Triton 3.2 Diesel 4×4 automática de 4 marchas – 10,6/15,2 km/l

L200 Triton 2008 – manutenção e revisão

A rede MIT tem revisões a cada 10.000 km ou 12 meses para a L200 Triton 2008, que em condições de uso severo, necessita de trocas a cada 5.000 km ou 6 meses, o que vier primeiro. Isso se deve a aplicação em ambientes insalubres.

Na revisão, a rede MIT faz inspeção de diversos itens, entre motor, suspensão, transmissão, tração 4×4, freios, direção, entre outros. Além disso, a troca de itens comuns se concentram em óleo do motor, filtro de óleo e filtro de ar do motor.

Há também fluido de freio, filtro de ar da cabine, velas, correia em V, fluido da direção hidráulica, óleo da transmissão automática, líquido de refrigeração, filtro de partículas, limpeza do filtro catalisador, entre outros fluidos.

Também são feitas trocas de itens de desgaste natural, como palhetas dos limpadores de para-brisa, pastilhas de freio, lonas de freio, discos de freio, molas helicoidais, feixes de molas semielípticas, buchas de balança, pivôs de direção, etc.

Igualmente podem ser trocados coxins de motor e câmbio, batentes da carroceria, buchas das barras estabilizadoras, rolamentos, coifas, amortecedores, fluido do diferencial, pneus, rodas, rodízio de pneus, entre outros.

Na rede MIT, há também serviços de funilaria, pintura, cambagem, alinhamento, balanceamento, recall, instalação de acessórios, preparação para competição ou aventura, limpeza, lavagem geral, lubrificação de componentes e higienização.

L200 Triton 2008 – ficha técnica

Motor 3.5 3.2
Tipo
Número de cilindros 6 em V 4 em linha
Cilindrada em cm3 3497 3200
Válvulas 16 16
Taxa de compressão 9:1 17:1
Injeção eletrônica Indireta Direta, turbo
Potência máxima 200/205 cv a 5.000 rpm (gasolina/etanol) 165 cv a 3.800 rpm (diesel)
Torque máximo 31,5/33,5 kgfm a 3.500 rpm (gasolina/etanol) 38,1 kgfm a 2.000 rpm (diesel)
Transmissão
Tipo Automático com 4 marchas Manual de 5 marchas ou automático com 4 marchas
Tração
Tipo 4×4  4×4
Direção
Tipo Hidráulica Hidráulica
Freios
Tipo Discos dianteiros e tambores traseiros Discos dianteiros e tambores traseiros
Suspensão
Dianteira Duplo braço Duplo braço
Traseira Eixo rígido Eixo rígido
Rodas e Pneus
Rodas Liga leve aro 16 polegadas Liga leve aro 16 polegadas
Pneus 265/70 R16 265/70 R16
Dimensões
Comprimento (mm) 5.007 5.007
Largura (mm) 1.800 1.800
Altura (mm) 1.780 1.780
Entre eixos (mm) 3.000 3.000
Capacidades
Caçamba (L) 788 788
Tanque de combustível (L) 75 75
Carga (Kg) 1.095 1.015 (MT) 1.005 (AT)
Peso em ordem de marcha (Kg) 1.855 1.935 (MT) 1.945 (AT)
Coeficiente aerodinâmico (cx) ND ND

L200 Triton 2008 – fotos

Ricardo de Oliveira

Técnico mecânico, formado há 25 anos. Há 14 anos trabalha como jornalista no Notícias Automotivas, escreve sobre as mais recentes novidades do setor, frequenta eventos de lançamentos das montadoras e faz nossos testes e avaliações. Também trabalhou nas áreas de retificação de motores, comércio e energia.