Lada começa a produzir carros depenados para os russos

granta

O embargo internacional contra a Rússia está produzindo outro efeito na indústria automobilística do país, que invadiu a Ucrânia e sofre um bloqueio por parte dos EUA, União Europeia e aliados, como o Japão.


Com a escassez de peças estrangeiras, proibidas de entrar na Rússia através dos países que efetuam sanções contra o governo de Moscou, as montadoras locais ficam sem produzir veículos.

Impossibilitadas de acessar peças e componentes de fornecedores externos, especialmente de semicondutores, as empresas russas e filiais de montadoras estrangeiras pararam a produção.

No caso da AvtoVAZ, parece que a ordem é continuar a produzir, porém, regressando ao passado. Modelos como Granta e Niva são muito populares entre os russos e a empresa quer garantir que eles estarão nas ruas.

Para isso, a ordem é simplificação extrema e os chips estão em destaque nesse caso. Sem eletrônicos essenciais, os carros da Lada começarão a ser feitos nos próximos dias, marcando uma retração de 20 anos.

Para irem às ruas, os Lada Granta e Niva não terão componentes integrantes de carros atuais, como freios com ABS e EDB, muito menos controles de tração e estabilidade.

Assistente de partida em rampa? Nem pensar. O Granta, além dos itens citados, perderá também os airbags e o sistema de chamada de emergência baseado na rede de posicionamento global russa, a Glonass.

lada niva bronto 2022 1

Outro ponto é que o motor perderá sensores de ajuste de combustível e o padrão cairá para o Euro 2… Isso significa que ficará mais poluidor, mesmo sendo um carro mais moderno que o Niva.

Este então, não precisará de muito esforço para ser depenado, já que está em produção desde o fim dos anos 70 e sem grandes mudanças técnicas.

Para atender a demanda o mais rápido possível, a AvtoVAZ irá cortar o teste prévio de emissão.

Sobre os modelos Vesta, XRay e derivados do Logan, a montadora russa terá que esperar, uma vez que a quantidade de peças da Renault-Dacia é enorme e são em boa parte importadas.

O que se espera no setor automotivo russo é a localização destes componentes no próprio país, mas isso levará bastante tempo.

Embora não pareça, a prática de simplificação dos carros não é exclusividade russa. A falta de chips e outros componentes fizeram a indústria mundial produzir carros inacabados.

De picapes sendo completadas nos concessionários dos EUA até populares com prazo adicional de seis meses para serem completados, vide o Brasil, o mundo já viu de tudo.

Multimídias avançadas, clusters digitais e funcionalidades diversas, estão entre as ausências verificadas nos carros saídos de fábricas em vários lugares, inclusive aqui.

No caso russo, porém, o negócio é mais extremo e levará a Lada de volta aos anos 90… Se nos carros será assim, imagine em outros setores.

[Fonte: Index.hr]

Autor: Ricardo de Oliveira

Técnico mecânico, formado há 26 anos. Há 15 anos trabalha como jornalista no Notícias Automotivas, escreve sobre as mais recentes novidades do setor, frequenta eventos de lançamentos das montadoras e faz nossos testes e avaliações.