Etc Tecnologia

Experiência favorável misturando álcool e gasolina em carro Flex

Experiência favorável misturando álcool e gasolina em carro Flex

Sempre li que os motores flex adotam taxa de compressão intermediária entre aquelas para cada combustível e que, no caso de alguns carros, como já li numa revista especializada, pelo fato do etanol não ser um combustível oleoso, como é a gasolina, o motor poderia apresentar problemas, por conta do ressecamento de algumas de suas partes.


Enfim, entre todos esses motivos, que não sei se procedem realmente, passei a abastecer o meu carro com uma mistura de etanol e gasolina, numa proporção correspondente a 75%-90% de etanol, para 25-10% de gasolina, e o resultado é muito bom, o meu carro, um Ford Ka 1.0, 12/13, equipado com um motor Zetec Rocam, comprado 0 km, apresentou melhora no desempenho e no consumo, com diminuição de vibrações e ruídos, estes quase nada perceptíveis.

Anteriormente, já havia feito a mesma experiência, porém em proporção 50/50% em um Ecosport 2007, com propulsor Zetec Rocam 1.6l, que foi de meu pai, e o resultado foi o mesmo descrito acima, bem como, atualmente, ele possui um Fiat Uno Way 2012, propulsor Fire 1.0l, no qual utiliza a mistura na proporção 50/50% e obteve os mesmos resultados bem sucedidos que descrevi.

Observo, ainda, que, há 06 anos, tive um VW Fox 2008, Flex 1.0l, comprado 0km, o qual abastecia apenas com gasolina aditivada, por recomendação geral, e obtive resultado muito ruim no consumo, no desempenho e o ruído do motor era muito alto, inclusive com o barulho característico das famosas batidas de pino e, como resultado, acabei tendo problemas graves com o motor VW VHT, os quais o mecânico teve muitas dificuldades em resolver, chegando até mesmo a abrir o motor.


Penso que seria interessante difundir isso, mesmo que as montadoras e as revistas especializadas recomendem o uso de um ou outro combustível isolada ou alternadamente e/ou afirmem que não há diferença para o motor, dada a eletrônica embarcada, percebi que quando abastecidos com o coquetel, nos 3 carros que citei, o motor pareceu funcionar em equilíbrio, consumindo menos, entregando melhor desempenho e com menos ruído.

Bem, fica aqui o meu humilde relato. Espero contribuir de alguma forma.

Por Rodolpho Filho

Perguntamos aos amigos leitores quais tem sido suas experiências com carros Flex. Estão tendo os mesmos resultados que o leitor acima? Nós do NA, em nossos testes, não temos tido este costume de misturar, usamos álcool nas épocas do ano em que ele fica mais barato, e também em regiões do país onde ele sempre está mais em conta, fora isso usamos gasolina, mas vamos fazer alguns testes daqui pra frente para analisar o assunto.

Experiência favorável misturando álcool e gasolina em carro Flex
Este texto lhe foi útil??

234 Comentários

Clique aqui para postar um comentário

  • Nunca misturei, o governo trata disso pra mim. ahuahua
    Mas, falando sério, sempre que começo a ouvir as “batidas” uso um tanque 100% etanol e resolve por um bom tempo, mesmo usando só gasolina depois.

    • Faço a mesma coisa, uso na maioria dos abastecimentos gasolina comum, mas quando o carro começa a pipocar é só completar de etanol ou de podium que o carro melhora.

    • Acredito que seja pq com etanol não bate pino (fato), e quando esse tanque acaba, e vc completa com gasolina, sobra uma grande quantidade de etanol misturada a gasolina…

      Escrevi acima do teu comentário a minha experiência… 20% de etanol misturada aos 80% de gasolina, e nunca mais bateu pino…

    • Vc usa a forca do alcool com a autonomia e limpeza da gasolina…

      Era igual aos carros com GNV. O ideal era sempre usar um pouco de gasolina pra lubrificar o motor e aumemtar vida util.

    • Boa EVsutil…… eu costumo fazer isso também, pois misturando os dois, vc consegue uma um “terceiro” combustivel que seria uma gasolina mais barata e um alcool que rende mais…..

    • Isso resolve por um tempo em função do resíduo do etanol no tanque que vai diminuindo conforme abastece com gasolina novamente, não há efeito mágico, o que resta de etanol eleva a octanagem média do combustível utilizado, por isso ele não grila (ou da batidas) por um tempo. Ao abastecer várias vezes com gasolina o que resta de etanol diminui a ponto de não ter mais efeito prático.

  • eu sempre fiz isso, moro em SP e sempre coloco R$50,00 de álcool e o restante de gasolina, creio que da mais ou menos a quantidade que o amigo descreveu acima, e não tenho duvidas, que meu carro, anda mais e gasta menos, com essa característica, faço sempre 12 na estrada e 8/9 na cidade… acho uma boa média e não gasto tanto para abastecer…

    • Tenho um NF tbm…
      Essas medias de 12 e 8/9 q você consegue, é obtida através do computador de bordo ou você mesmo calcula?
      Você faz parte do New Fiesta Clube?

  • Também estou fazendo isso à alguns meses, e estou gostando do resultado só que como compartilho o carro e quem usa só coloca um tipo de combustível não sei se pode da problema na injeção pois o carro é novo com um pouco mais de um ano.
    O

    • O meu é um Astra 2.0 AT – consumo cidade (SBCampo-SP) etanol 3,9km/l -gasolina 6,5km/l – gnv 9,5km/m – Todas as médias com ar ligado… e velocidade média na faixa de 21km/h segundo o pc de bordo…

        • Amigo, se pegar um fds, sem ar, faço 6. Minha média é geral, tipo uns 3 tanques. Não adianta dizer que o carro aqui na minha região faz 6 num fds, tenho que ver a velocidade média também. Estrada facilmente chego a 9km/l. Transito tá embassado por aqui….

      • Astra 2011, manual, 34.000km, SJCampos-SP: álcool na cidade 7-7,5 km/l com ar e “pé leve”; gasolina nas mesmas condições faz 9,0km/l. A explicação pode ser que uso vias de trânsito rápido. Gasta quase o mesmo que meu Siena 1.0! Quanto à proporção nos abastecimentos, alterno 50 conto de álcool, 50 conto de gasolina e senti que o carro melhorou em maciez de funcionamento e o consumo não piorou.

        • Isso influi mesmo.
          Meu pai foi olhar o novo Corolla e viu o Prius, na etiqueta do Inmetro dizia 15km/l mas o vendedor garantiu que faria 25km/l com certeza. Meu pai então pediu ao vendedor um documento garantindo os 25km/l, e comprou o Prius. O carro não faz mais que 16km/l de jeito nenhum. Segundo a concessionaria é por causa do relevo e do transito da cidade. Mas nessa brincadeira de meu pai ter pedido uma garantia ao vendedor, a concessionária vai ter de arcar com o custo excedente com combustível enquanto meu pai tiver o carro.

        • Por isso gosto de carro com pc de bordo, se pegar um transito livre, fds, velocidade média 38km/h faço 6 fácil… mas 21km/h é complicado, e minha média é de uns 3 tanques e ando normal, nada de ficar sem pisar para dizer que meu carro é economico. Abs

      • Minha tia teve um Vectra GT-X AT4 e o consumo era também essa verdadeira desgraça. Ela teve de se livrar do carro, pois não havia condições.
        O câmbio achei melhor que o AT5 da Honda – mais responsivo, mais suave, operação menos desastrada -, mas aliado ao sedento 8v da GM… haja limite no cartão de crédito!
        Meu tio tem um Vectra GT-X manual e o consumo é consideravelmente melhor, mesmo que ainda bastante ruim. Fala de 12 km/l na estrada e 7-8 na cidade.

      • Oloko, ou seu Astra tá com um 6cil ou em sua cidade tem muito trânsito. Por que meu astra faz médias bem melhores que a sua. Tudo bem que o meu é manual, mas mesmo assim é muita diferença.

      • O GNV me salva aqui também, tenho um Ford Focus Sedan 2009 1.6 que faz somente 3,5km/l no etanol, no GNV consigo da 9km/l, mas ele perde uns 20% de força no GNV.

      • Tb tenho um Astra 2.0 AT e aqui em Santo André consigo 5 km/l no etanol e 6,5 km/l na gasolina. Gosto muito do carro, mas esse consumo maltrata o bolso…

  • Quando o texto fala em consumo melhor, ele quis dizer comparado ao etanol ou a gasolina? Se for comparado ao etanol é óbvio que melhorará o consumo, já se for comparado a gasolina é algo a ser considerado e pensado.
    Aqui em Joinville/SC o etanol esta no máximo R$ 0,30 mais barato, e por óbvio não compensa botar etanol.

    • Fiquei nessa mesma duvida.
      Aqui em Vitoria da Conquista/BA a diferença varia de R$0,30 a R$0,40, então não compensa usar Etanol.
      Mas de qualquer forma vou fazer o teste quando for abastecer o carro. Tenho um Civic AT, faz 7,5km/l na cidade, na mistura tem que fazer acima de 7km/l pra valer a pena. Acho difícil mas vou testar.

      • Provavelmente não moramos na mesma cidade e não temos o mesmo estilo de conduzir, mas tenho um Civic 1.8 MT que faz 9,5~10 km/l na cidade. Bela diferença.
        Faça o teste e publique, farei o mesmo.

  • Tenho um Polo 2009 (desde 0km), com o citado motor 1.6 VHT.
    Apenas com gasolina, meu carro bate pino direto. Com etanol e Pódium nunca bateu pino….

    Por isso, há uns 4 anos já, eu só uso a mistura de 20% etanol e 80% gasolina. O carro NUNCA bate pino com essa mistura…
    Seguindo o exemplo do relato, vou testar alguns tanques com a mistura ao contrário, 20% de gasolina e o resto de etanol.

    • Eu tenho o mesmo carro (de mesmo ano). também desde 0km, e meus abastecimentos eram sempre assim “coloca 15 (ou 20, 25) reais de gasolina e completa com álcool até a bomba destravar”…

      Eu faço assim, porque nunca abasteci o reservatório de partida a frio, então ao invés de pôr gasolina lá, eu colocava direto no tanque para o motor não ficar falhando no frio.

      Só ultimamente que tenho abastecido mais com gasolina que álcool. No último tanque coloquei só gasolina, mas aí a gasolina não aguenta a taxa de compressão do motor e detona, aí apareceram as “batidas de pino” (claro que bem menores que a dos motores 1.0). Isso porque essa gasolina já tem mais de 20% de álcool, imagina se fosse menos…

        • Nem é por economia. Eu não confio em andar com aquele reservatório de gasolina cheio em cima do motor do carro, e fazendo assim também evito ter problemas de cheiro de gasolina dentro do carro caso apareça vazamento em alguma conexão (que é bem comum).

          Em alguns países eles nem tem essa bizarrice para partida a frio, já vendem o álcool com 15% de gasolina :)

          • Eu tive um Siena 2009, que comprei 0km, fiquei um tempo sem usar alcool, e o tanquinho vazou, uma guarnição de borracha ressecou… ai ficava pingando gasolina na minha garagem. Aqui na minha cidade também, teve um caso em um acidente, um novo uno, o cara rodou, bateu forte a lateral em uma árvore, a namorada dele que estava no carona ficou presa nas ferragens e morreu carbonizada…triste…não ficou nada comprovado, mas tudo indica que o tanquinho iniciou o incêndio. É muito frágil…um reservatório plástico, frágil, cheio de gasolina no cofre do motor, na minha opinião.

            • Esse tanquinho é uma gambiarra brasilis hehehe…

              Já que vc tocou no assunto, além dos inumeros casos de vazamentos que já li por aí, certa vez eu vi um Polo que pegou fogo sozinho alguns minutos após a dona estacionar o carro na rua… Adivinha por onde o fogo começou? Lá no cantinho do tal reservatório de partida a frio…

              Prefiro colocar a gasolina direto no tanque do carro mesmo, fazer um E85, já que não vendem o etanol dessa forma aqui…

  • Ultimamente tenho usado só gasolina por conta da paridade de valor com o álcool na região em que moro (Grande SP). Mas quando usava etanol, sempre costumava por um pouco de gasolina no mesmo tanque justamente por achar péssimo ter que colocar no reservatório próprio para esse fim (tanquinho no vão do motor) e nunca tive problemas de partida na parte da manhã. Além de que evita-se ter que trocar a gasolina do tanquinho por não ter sido usada.
    Isso em todos os carros flex que temos / tivemos. Nunca deu problema algum.

  • Já tive péssimos resultados com mistura. Parece que o motor “entende” apenas a presença de etanol e consome de acordo.
    Hoje uso apenas gasolina.
    OFFTOPIC: Eu compraria um carro com motor EXCLUSIVAMENTE a etanol se fosse oferecido… Flex nunca mais…

  • tenho um gol rock in rio 2011/2012 esta com quase 40.000km rodados e não faço essa mistura mas o meu carro no etanol chega a fazer na cidade 10km/l e na estrada chega a 13,5 e na cidade faço 12 quase 13km/l na estrada já consegui uma media de 18 km litro

  • Aqui, com 50 reais de gasolina, consigo rodar 180km. (3,05)
    Com álcool, com os mesmos 50, devido ao preço estar melhor, rodo 180 e até 190. (2,15)
    O álcool está mais vantajoso.

    Mas já fiz essa experiência, colocando 40 reais de alcool e 10 de gasolina. A autonomia aumentou sensivelmente. Aumentando um pouco mais a quantidade de gasolina, já perde-se em quantidade de litros e o carro começa a rodar pouco devido ao consumo maior do alcool.

    O percentual da mistura vai depender do carro. É preciso “estudar o comportamento” do motor e ver qual é a melhor quantidade.

    • to ctg….tb acho que varia de motor pra motor….por isso completo logo de um ou de outro e não me stresso com cálculos e mais cálculos, e desgastando o botão TRIP ahuahua

  • Minha melhor experiencia com mistura é colocar 27 litros de podium com 13 de álcool. Calculando as proporções fica perto de 50/50 e o motor fica um veneno. O carro eh o Étios 1.5 ! Não bate pino mesmo com Etanol puro

  • tenho um gol rock in rio 2011/2012 esta com quase 40.000km rodados e não faço essa mistura mas o meu no etanol chega a fazer na cidade 10km/l e na estrada chega a 13,5 e na cidade faço 12 quase 13km/l na estrada já consegui uma media de 18 km litro

  • Meu pai usa em uma S10 2010 flex, geralmente coloca 20 ou 25 reais de gasolina V-POWER e o restante de álcool. O resultado sempre é muito bom, ainda mais quando abastece em postos SHELL, do CARREFOUR. Ela fica bem disposta e a autonomia é boa.

    • É a taxa de compressão empregada nesta motor EconoFlex que privilegia o uso do etanol, repare a elevada taxa de compressão deste motor (12,4:1) e verá que ele é um flex feito para rodar preferencialmete com etanol, o Zetec Rocam Flex também é assim (12,3:1).

  • Eu gosto de rodar com etanol, em 3 carros flex rodei a maior parte do tempo com etanol 100% e nunca tive nenhum problema. Com gasolina (sempre aditivada) 100% os 3 batiam pino entre 2.000 e 2.500 rpm. Pondo 10 litros de etanol já não batia mais pino. Meu carro atual é muito econômico, consigo 12,5 a 13 km/l na estrada com etanol, e 17 a 18 km/l com gasolina. Prefiro rodar com etanol, porque o desempenho é muito melhor e porque ele polui muito menos. Hoje pago R$ 1,729 no etanol aditivado. No mesmo posto a gasolina aditivada custa R$ 2,779.

    • Eber, verifica esse comentario pq tem um erro ali… diz que foi postado a 5horas atras, mas na verdade foi a 5 anos atras!
      Etanol a 1,72 e gasola a 2,77???

      Por aqui, alcool a 2,599 e gasola a 3,299 comum e 3,349 aditivada…

      O ultimo tanque coloquei etanol… impressionante como o motor ficou liso com alcool (C4 2.0 At4)… só o consumo que tá triste na cidade (8 com gasola, 6,5 com etanol)…

  • Motor flex e um motor a etanol que roda com gasolina pela eletronica por isso bate pino so com gasolina comum,ja a podium tem octana alta quase igual o etanol.

  • Curiosamente desde que peguei meu primeiro flex (um March 1.6) eu misturo os combustiveis, mas é mais por zoeira mesmo – funciona assim – coloco gasolina – dou meio tanque, depois completo com alcool, dou metade de novo completo com gasolina e assim sucessivamente…

    Funciona redondinho o bichinho por enquanto….

  • Já cheguei a fazer esta mistura de 50/50 nos dois Zetec 1.6 Flex que eu tive e ao utilizar os carros em estrada, acontecia do motor entender que estava usando álcool e gastar a mesma coisa que se ele estivesse puro no tanque, chegando a fazer entre 9 e 10 km/l, já quando o carro usava gasolina por um longo período o consumo variava de 11 até os 13. Juro que já notei que ao trocar de combustível o primeiro tanque sempre tinha consumo alto (alcool-gasolina) ou mais baixo (gasolina-alcool).

  • Tenho um Fiesta Rocam 1.6 flex e desde 0 ele bate válvula só com gasolina ou só com etanol.
    Mas quando misturo 20 litros de gasolina (que desse volume 25% é etanol) com 30 litros de etanol as batidas praticamente desaparecem o motor parece render mais cavalos e tbm gera menos R$/km. Abastecido somente com gasolina ele faz em media 8,5 km/l (2,97 em media aqui em minha cidade – 0,3494 R$/km ), somente com etanol faz em media 6,5 km/l (1,97 em media – 0,3030 R$/km), com a mistura 8 km/l (media de 2,37 por litro da mistura – 0,2962 R$/km). Consumo aferidos somente em cidade.

    • Ja testei tbm com 10 de gasolina e 40 de alcool fez media de 7,2 km/l a 2,17 – 0,3013 R$/km, com essa mistura as batidas de valvulas tbm diminuem bastante.

      • Sei que não deveria bater válvula com etanol, mas no meu acontece e já utilizei etanol de pelo menos 6 postos diferentes e pelo menos 4 destes são extremamente confiáveis e em todos alem de bater válvula o motor se atrapalha todo na fase fria do motor, isto acontece desde 0 e a concessionaria daqui informou que era tudo característica de projeto. Moro no paraná e aqui o frio é meio intenso em certos períodos do ano.

  • Faz todo o sentido, os motores Flex não são preparados nem para rodar com etanol, nem com E25, um dos motivos do seu consumo absurdo. Todo carro tem a relação ideal de mistura dos combustíveis para um melhor desempenho, que, infelizmente, deve ser encontrado pelo consumidor.

  • Reparei nisso tambem no meu voyage i-motion, após se colocar 1 tanque inteiro de qualquer 1 dos dois o carro fica muito áspero e a “bateção” começa…Fica notável também que o cambio como um todo fica mais “bobo” para efetuar as trocas de marcha tambem.

  • Se mistura de gasolina com etanol realmente desse certo como descrito na matéria, seu Fox não tinha dado problema, visto que a gasolina já é misturada com etanol.

  • Sou a favor da volta a ter a opção motor só a gasolina ou alcool, Eu não compro mais carro flex, nunca tem a média melhor que o modelo só a gasolina.

  • Mas a gasolina “pura” já tem etanol (25%), então temos que: Ela obviamente não é “só gasolina”.
    2- Se a presença de etanol na “gasolina” fizesse o carro parar de bater pino, esse resultado também viria somente com “gasolina” no tanque. Acho que pra fazer uma comparação pláusivel, teriamos que ter uma gasolina de verdade para fazer o teste.
    E trocando em miúdos, meio que você apoia o aumento do teor de etanol na gasolina (que eu já acho muito alto), pois você mesmo aumenta (ainda mais) a proporção no seu uso cotidiano.

    • A diferença é que quando se aumenta a porcentagem de álcool na bomba paga-se gasolina e leva-se álcool, além de forçar que tem carro somente a gasolina usar essa mistura. Já para motores flex não tem problema algum pois a mistura é ideal devido a taxa de compressão intermediária entre os dois combustíveis. A questão não é muito o que se acha e sim o que é ideal para cada tipo de motor. Por isso a mistura na hora do abastecimento seria o ideal. Além de não enganar o consumidor.

  • gente, depende da taxa de compressão. se for maior que 10,7, compensa o álcool (e gasosa podium), com gasosa vai bater pino. Focus 1.6 sigma flex, taxa de compressão 11,0:1 (comprime em 11 x a mistura dentro do pistão), só uso álcool, em brasília (tudo plano e só reta, mesmo em área urbana) faz 11.7 km/l, escapamento limpinho.

  • Eu utilizo completo sempre o tanque com 10 a 20% de gasolina (E25) e o restante de etanol. O Motor se mantém mais limpo e ao mesmo tempo não perde cavalaria e melhora muito o consumo.
    Só na gasolina o carro faz uns 11km/l na cidade. No alcool puro faz 7,5km/l. O correto seria utilizar só gasolina + alguma coisa de etanol. (batida de pino nunca ocorreu independentemente) Pelo preço/consumo creio que saio perdendo, porém pela perda de cavalaria prefiro manter etanol +20% de gasolina. Veículo Hb20 1.6 16v

  • O Carro Flex pode existir sem a volta de monocombustíveis se existisse como antigamente ( e atualmente nos EUA e Europa) os vários tipos de gasolina
    EX: Comum 87octanas premium 91octanas e Pódium 95octanas.

    Atualmente as premium não existem mais, só pódium que é uma fortuna e a comum que é um lixo. E tem a terceira opção que nem sabemos se estamos ou não usando.. a Gasolina Formulada que é o fim da picada

    • Etanol = IAD 115
      Podium = IAD 95
      Premium Ipiranga = IAD 91
      Comum ou aditivada = IAD 87

      Aqui também temos várias opções. Gasolina formulada é tão verdadeira quanto o rato na garrafa de Coca Cola. Um boato quando as empresas não anunciam na emissora dos pastores.

      • Mas as opções aqui são difíceis de encontrar em qualquer lugar. Podium até encontro em cidades maiores (150mil habitantes ou mais), já essa premium nunca vi. O que acontece é que lá essa oferta é em TODOS os postos…nos pequenos de bairro e até nas cidadezinhas.

        • Na Europa e EUA há estas opções pois há motores que exigem estas diferentes gasolinas (carros com selo Premium Unleaded Fuel Only), dependendo o modelo. Quem compra um carro assim, só tem uma opção, não importando quantas outras opções houver no posto. Se teu carro não exige uso de combustível premium, é jogar dinheiro fora pagar mais por ele.

          As gasolinas premium no Brasil não são muito difundidas pois a porcentagem de carros que exigem este tipo de combustível é muito, muito baixa, basicamente importados, inviabilizando a logística de instalar bombas para ele em locais mais afastados.

      • Exatamente… Fico pensando nesse importados independentes, como Mustang, Challenger, etc etc. Claro que os donos desse bólidos não ligam para o preço, mas devem pagar uns 4 reais o litro da gasosa sem contar que precisam sempre procurar uma bandeira “confiável”.. Pensando bem, na verdade, modelos mais brutos como os muscle cars americanos ainda devem tolerar nossa alcoolina, o problema deve ser maior com veículos mais sofisticados.. Porsche, Ferrari, Bentley..

  • Por experiência própria, o Fire Flex se dá bem no álcool bem como o FII Flexpower 2.0 8v da GM.
    Todavia, com um pouco de gasolina no tanque evita aquela embaraçada quando o motor está frio.
    O único porém é que os bicos injetores sujam mais rápido.

  • Acho engraçado que muitos consumidores rejeitam carro flex pela ineficiência. É só ver alguns comentários aqui. Mas em qualquer lançamento de carro que não seja flex, a imprensa especializada cai em cima dizendo que é um absurdo o carro não ser flex. O mesmo carro que na Europa faz 15, 20 km/litro, chega aqui vira flex, ainda vem a mijolina brasileira, e faz 8 km/litro. Realmente é muito ecológico.

    • Posso chamar isso de “gasolixo” ou “misturina”.

      Seria menos pior se ao menos disponibilizassem uma gasolina E10, com 10% de álcool. Aí não estaria tão ruim. E incentivar o uso de modelos a gasolina. Se é que mesmo com a gambiarra flex, o álcool não compensa em várias partes do Brasil.

      • Não podemos andar com uma gasolina decente(só 15% de etanol,e não esse absurdo de 25%)porquê o nosso”orgulho nacional”-Petrobrás-cai mais ainda pelas tabelas….

          • Eita,tava demorando eu ser atacado por um MAV.Sabesp comercializa combustíveis?não sabia,que eu saiba,ela é uma empresa de saneamento básico.Mas vc deve estar se referindo a falta de chuva,que vai fazer nossas contas de energia elétrica dispararem ano que vem,isso vc não fala né mav…

    • Poderia citar um exemplo? sério, não conheço nenhum carro que na Europa com o mesmo motor faz 20 km/l e aqui no Brasil apenas 8 km/l a menos que claro, estejas a comparar ciclo diesel com otto ou motores com diferentes tecnologias.

      • Vamos lá. Um exemplo: Clio europeu, motor 1.4, gasolina, 90cv e 13,7kgfm: 23km/l. Clio brasileiro, motor 1.0, flex, 77cv e 10,5kgfm: 13km/l. Modelos 2014

        • Mas então, não é o mesmo motor e não são as mesmas condições, logo não é o combustível o problema. E não há mais versão 1.4L no Clio atual ou “Clio IV”, eles foram substituídos pelos 1.2L turbinados.

          O mesmo motor, quando exposto às mesmas condições lá e aqui não deve apresentar diferenças significativas de autonomia.

          • Vamos lá. Peguei modelos 2014. Se não me engano o 1.2 turbo é 2015. E não é justo comparar turbo com aspirado. Quanto ao motor ser diferente, claro que é. Estou comparando nossos motores flex com os motores monocombustiveis vendidos lá fora. Nunca vai ser o mesmo motor. No máximo o flex sendo uma adaptação do motor original. Mas se você quiser pegar somente a perca de autonomia pela nossa mijolina, uma tiguan 2.0 TSI na Europa faz 12,7km/l e aqui faz 7km/l. A nossa Tiguan é feita lá. Então qual a justificativa? A minha na verdade não consigo mais de 5km/l.

            • Mesmo os motores sendo fabricados por lá eles vem “castrados” em alguma coisa, não saberia dizer exatamente pois não conheço a Tiguan, mas pegue por exemplo o Fiesta quando o modelo que vinha para cá era fabricando no México, em teoria era o mesmo carro mas o motor Sigma não possuía tempos de válvula variável ou VVT, como era o modelo americano. Fabricar lá fora para o mercado nacional nem sempre garante a mesma qualidade.

              Só para adicionar, nos EUA a questão dos flexíveis é tão irrelevante que segundo uma pesquisa não muito antiga, mais de 70% dos proprietários de automóveis flexíveis sequer sabe que seus motores podem queimar etanol. Não há diferença no consumo quando rodando com gasolina.

          • O colega acima deu uma exagerada na diferença de consumo, mas posso passar como exemplo o Fusion 2.5 16v. Segundo o Inmetro o Fusion 2.5 flex faz 7,9/11,9 km/l abastecido com gasolina. Ja o site Governamental americano FuelEconomy diz que o Fusion 2.5 gasolina faz 22/34 mpg que na conversão é equivalente a 9,35/14,45 km/l em ambos cidade e estrada respectivamente.

            Logo conclui-se que carros flex com mesmas tecnologias empregadas que carros a gasolina consome 18% mais combustível baseando-se apenas neste caso.

            Fontes:
            http://www.inmetro.gov.br/consumidor/pbe/veiculos_leves_2014.pdf
            http://www.fueleconomy.gov/Feg/bymodel/2014_Ford_Fusion.shtml

            • Concordo com vc Eduardo, mas não podemos esquecer que essa diferença de consumo não é necessariamente resultado da tecnologia flex, o mais provável é esses 18% que vc apresenta no seu exemplo sejam provenientes de dois fatores: o primeiro está no fato de nossa gasolina ser acrescida com 25% de álcool, o que naturalmente diminui a autonomia, e, o segundo no fato de nossa gasolina possuir um índice de octanagem menor, que também contribui no aumento do consumo. Logo, uma gasolina com 25% de álcool e com um índice de octanagem menor, certamente vai apresentar um aumento de consumo, independentemente se a carro é flex ou não.

              • A gasolina utilizada como base nos EUA possui as mesmas 87 octanas de nossa gasolina comum, apesar de que se não estou enganado, por causa do etanol adicionado, nossa gasolina comum possui 89 octanas.

                Eu havia me esquecido deste detalhe do etanol que é adicionado a nossa gasolina, então fiz alguns cálculos aqui com base no consumo com etanol do fusion 2.5 e cheguei a 8,7/13,13 km/l de consumo, caso nossa gasolina fosse pura, gerando assim um consumo extra de 7,5% em relação ao Fusion americano.

          • Sendo real ou não, tanto os institutos europeus quanto os americanos e o INMETRO usam o mesmo ciclo “fictício” para fazer as medições, e apenas apresentam seus resultados que neste caso comprovariam que carros com mesmo motor tendo apenas a diferença de ser flex entre um e outro, o flex gasta mais. Ainda poderia incluir aqui como exemplo civic e corolla que utilizam os mesmos motores aqui e nos EUA tendo apenas a diferença de ser flex no Brasil. Vou pesquisar amanha sobre o consumo destes carros e posto aqui para vocês.

    • Daniel, você está bem equivocado.
      O Fox BlueMotion usa o mesmo motor que a VW usa na Europa em seus carros pequenos, e ele gasta a mesma coisa.
      Isso que você escreveu é um falso mito.

  • Sempre que posso ando com etanol, pois o consumo é menor. O carro está beirando os 170000 e o componente mais caro que foi trocado dentro do cofre do motor foi a bomba d’agua. E o escapamento é o original do carro ainda (8 anos de uso), apesar do uso contínuo do derivado de cana.

    • Na verdade o grande inimigo do escapamento dos automóveis é o enxofre que misturado aos vapores da gasolina gerava ácido sulfúrico, que corrói as surdinas de dentro pra fora. Também já tive na família carros puramente a etanol que nunca precisaram trocar a surdina, já os a gasolina… cinco anos no máximo. Vamos ver como se comportam agora com a redução do enxofre do início do ano pra cá.

      • O segredo é sempre andar até “ligar a ventoinha”pois ai aquece bem tanto o motor,como e escapamento,evaporando qualquer resíduo de líquido no escapamento,além de preservar o motor,já tive vários carros a álcool e sempre agia assim,e poucas vezes tive de reparar o escapamento!!

  • Tenho carro flex desde 2006(três) e só abasteci com alguma quantia de etanol quatro vezes desde então, apenas nos dois primeiros. No atual, em 1 ano e 7 meses de uso, nunca usei. Aqui no RN quem tem carro flex e usa etanol é trouxa que gosta de jogar dinheiro fora, não vale a pena nem de longe. A única vantagem que vejo nos flexíveis é a possibilidade de uso de outro combustível se a gasolina estiver em falta, mas nunca passei por uma situação dessas…e digo que compraria sem medo um carro monocombustível. Só tenho flex por pura falta de opção.

  • Fiz bastante isso, pondo normalmente uns 10 litros de álcool para cada tanque de gasolina. O motor fica bem suave, suave mesmo. Aumenta a “octanagem” e há um ganho de desempenho, com perda muito pequena na autonomia total. Quando da crise do etanol em 2012 e a mistura na gasolina baixou para E18, eu fazia direto isso para evitar a batida de pino, mas hoje de volta ao E25 tenho usado apenas a gasolina, mais por praticidade mesmo. Acho interessante a técnica, se houvesse bombas com E40 ou E50 certamente só usaria elas.

  • Engraçado, vejo a galera respondendo nos comentários o seguinte: que, por exemplo, o motor “entenderia” o combustível com maior qtde no tanque e queimaria de acordo com ele. Que se a maioria fosse álcool, mesmo com um pouco de gas no tanque, queimaria tudo de acordo como se fosse álcool. Como funcionai isso? Realmente existe essa possibilidade?

  • desde passei a ter carros flex adotei a seguinte mistura ao abastece-los, em meses de dias quentes 10 litros de gasolina aditivada e completo o tanque com etanol, em meses com dias frios 20 litros de gasolina aditivada e completo o tanque com etanol, uma beleza, o motor pega bem, anda bem, nunca me incomodaram, o óleo sempre limpo, ah, quase que ia esquecendo, o meu primeiro carro flex foi um astra 07/07 e agora uma saveiro cross 12/12, valeu.

  • Vamos pela lógica.
    Se o Etanol fosse tão bom, eu acho que praticamente o mundo inteiro usaria na maior parte somente ele, já que pode ser extraído de vários vegetais e frutas, e é um combustível renovável e menos agressivo a terceiros e meio ambiente. E o que vemos é ao contrário.
    Não dá para basear na estória do autor do texto, foi apenas um experimento pessoal, não tem fundamento técnico que é recomendável pra uso geral.
    O que pode ser estas falhas é devido aos motores nacionais que devem ter uma regulagem diferente, um componente diferente que funcione melhor com o nosso combustível (não é de meu conhecimento), que é diferente de um veículo norte americano por exemplo, onde a gasolina deles é totalmente diferente do brasileiro. E também a gasolina e o Etanol não se misturam no tanque, pode abastecer do jeito que for que haverá separação do combustível e que em determinado momento o motor variará seu funcionamento.
    Há tudo uma engenharia e um eng. mecânico por trás de cada parafuso e um eng. químico para cada tipo de lubrificante ou combustível. Ainda continuarei com a minha opinião de que carro Flex não é bom que é só um meio para o consumidor e proprietário possuir opção “barata”.

    • Acho que esse negócio de que se fosse bom a Europa/EUA usava é furada. Muito complexo de vira lata isso. Lá eles não usam simplesmente porque não é viável.
      Na minha opinião o problema não é o etanol e sim os motores flex, que não aproveitam o combustível ao seu máximo, ficando sempre no meio termo.
      Esse negócio que o etanol danifica motor, acho desculpa esfarrapada. Carros flex são feitos para aguentar o etanol e ponto. Sempre usei nunca tive problema algum relacionado ao combustível.
      Nossa gasolina podre ferra muito mais o motor ao meu ver.

      • Nos Eua/Europa usam sim mas do milho, so que eles la tem o biodiesel, que alias nos produzimos dos mais puros do mundo, mas aqui nao pode em carro pequeno. Alem dos hibridos, que realmente sao economicos, pois emitem ZERO em baixas velocidades.

      • Para que a ira? Quando mencionei a região da OTAM?
        Só falei que se fosse tão bom mesmo o ETANOL, todo mundo estaria produzindo o combustível, mas o que acontece é ao contrário, ao invés de incentivar a produção do etanol em outros países, e de novo falarei – não só Europa/EUA, onde a maioria está partindo para outros fontes alternativas e não o etanol, será que é viável mesmo? Não estou falando que o combustível é ruim, são os engenheiros que evitam este combustível e se alguém que entende fala isso então eu no mínimo tenho que confiar.
        Se você teve boa relação com o combustivel, bom pra você. Eu já não tenho a mesma opinião.
        Agora ficar afirmando de experiencias próprias como se fosse algo que beneficiaria todo mundo, ninguém questionaria sobre ambos os combustíveis.

        • Ira? Que ira? Onde te ofendi ou fui mal educado em minha resposta? Não tem ira nenhuma Diego, apenas discordei de você em relação ao etanol e concordei que os motores flex não são bons com nenhum combustível.
          E óbvio que os EUA vão buscar outras formas, já que seu etanol vem do milho, que nem de longe é tão vantajoso quanto o da cana, pelo seu alto custo de produção. A produtividade do etanol de cana é bem maior. Não é questão do combustível ser bom ou não e sim de custo.

          • Realmente não ofendeu, rsrs… Só não concordei que o etanol seja tão vantajoso.
            E concordo contigo sobre o etanol. Tem suas vantagens e desvantagens, não quis dizer que o álcool é ruim mas sim como é utilizado sobre a nossa engenharia automobilística.
            E foi onde queria chegar, nem todo canto do planeta tem condições favoráveis para a produção do Etanol, daí parte-se para outra fonte.
            Mas para usar o combustível precisa também de uma engenharia diferente nos carros ao contrário do combustível fóssil.
            E na tentativa da tecnologia brasileira e mesclar ambos não saiu uma coisa totalmente confiável.

    • O etanol ainda não economicamente viável nesses países em razão da gasolina ser muito barata. Acredite, nem nos EUA o etanol é barato ou competitivo como aqui, e só é largamente usado porque o governo despeja bilhões de dólares em incentivos via isenção de impostos para reduzir sua dependência de petróleo importado.

      O consumo de gasolina é muito, muito alto. Hoje os países desenvolvidos mal e mal conseguem suportar a mistura E10 (10% de etanol misturado à gasolina) mas acredite, se houvesse produção suficiente eles usariam mais.

      • Concordo, existe “N” variáveis para a produção do álcool, se fosse economicamente viável, acho que seria o principal combustível para combustão.

        • O etanol puro seria uma solução perfeita, pois permitiria maior compressão nos motores e melhor desempenho, bem como a independência de países politicamente instáveis. A questão é… não há como, ao menos ainda, ter uma produção que atenda a demanda a preços competitivos. =/

      • Outro detalhe que quis questionar é a maioria destacando, falando que gasolina e Etanol se misturam quando abastecido, ambos tem composição diferente onde um sobe e outro desce e quando se usa em momento 1 combustível é um tipo de funcionamento e quando começa a ser usado por outro a eletrônica do carro reconhece outro tipo de combustível, mudando o funcionamento do carro. Realmente conforme a porcentagem de mistura de um em relação a outro combustível variará na sua autonomia. E afirmar que o motor estraga ou melhora com a mistura é mito.
        É a mesma coisa que comparar hoje eu tomando coca e depois tomar cerveja, meu funcionamento será diferente em determinado momento, kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk.

        • O etanol em si mistura-se completamente à gasolina, o que pode ocorrer é que o etanol absorve água da atmosfera e esta água sim, pode-se separar da mistura gasolina + etanol, deixando uma camada d’água separada do resto do combustível. Contudo o próprio balanço do carro e da bomba de combustível misturam novamente, evitando que chegue ao motor em algum momento apenas água.

    • “..Há tudo uma engenharia e um eng. mecânico por trás de cada parafuso..”

      Exceto na Peugeot, que tem 150 engenheiros para trocar parachoque e lanterna e deixar o carro mais feio.

  • Os carros Mono-combustível são ótimos para o combustível que ele foi feito, porém será que quando o etanol está uma fortuna e a gasolina barata ( e vice versa ) a opção de trocar de produto não é uma boa ? A oferta de gasolina tende a acabar a longo prazo, da mesma maneira que o etanol pode sofrer oscilação de preço, já que é um artigo agrícola. Ter um carro Flex tem suas vantagens nessa hora.

    Creio que falta opções, mas para a indústria é mais barato ter um tipo só. Uma pena por que poderia-se escolher o tipo ao comprar zero km.

  • Tenho uma S10 flex e tenho usado somente gasolina, pois percebo que o “grande” motor adora etanol e aqui onde moro a diferença não chega a 8%.
    Já tive Ecosport esta sim, era econômica com álcool, mas a mistura no meu ver ela tratava como álcool, não valendo a pena o custo a mais pago pela gasolina. Por isso eu usava ou um ou outro.
    Outro carro FREX q eu tive foi o Corsão 1.8, como a S10, este carro odeia álcool, coisa de 50% de diferença no consumo.
    Com os 1.0 a coisa fica mais meio a meio, o classic encapeta com o álcool, assim como o gol g4, e o consumo tem pouca diferença (isso pela taxa de compressão usada nos 1.0 para conseguir mais potencia.)
    Mas até hoje o que manda é o preço, álcool com diferença de menos de 20% eu nem costumo a pensar em colocar.

  • Uso 10 lts de gasolina pra cada 40 de alcool no HB1.6; partida melhor em dias frios, e por incrivel que pareca o consumo melhora sim, ganho pelo menos 1 km/l..

  • Esses carros flex citados, possuem taxa de compressão muito alta para gasolina, por isso misturar álcool é uma boa. Com gasolina esses motores têm que tomar “medidas extremas” para evitar a detonação, trabalhando com ponto atrasado e etc.

    Eu como pretendia usar mais gasolina, quando fui comprar um carro procurei escolher um motor com taxa menor que 11:1. Isso limitou as possibilidades, mas se mostrou uma boa escolha no dia-a-dia. Só uso álcool mesmo em alguns dias do verão.

    Antes achava que não era bom ficar misturando alcool e gasolina com frequência, por causa da combinação: enxofre da gasolina + água do álcool hidratado = ácido sulfúrico. Mas agora que o teor de enxofre da gasolina foi reduzido, isso não deve ser mais um problema. Problema talvez seja se o álcool for “batizado” com água em excesso, e a gasolina gerar uma mistura bifásica

  • Só se esqueceram que a gasolina junto com o Etanol hidratado, ou vulgarmente, álcool hidratado, esse que é vendido na bomba de Etanol, cria uma goma, que pode prejudicar o filtro de combustível e junto, a bomba de combustível.
    O alcool que é misturado à gasolina na distribuidora, é o alcool anidro, que não sofre reação química ao ser misturado junto a gasolina.
    O ideal mesmo é rodar somente com um tipo de combustível por vez, ou seja, gasolina ou álcool, os dois misturados nunca.

  • Aproveitando o gancho da reportagem, se houver entre os frequentadores alguma pessoa com maiores conhecimentos sobre química, por favor, me responda. O etanol é mais denso que a gasolina. Sendo assim os dois não se misturariam no tanque. Esta informação confere? Alguem que entende melhor do assunto pode explicar como funcionaria na prática? Fazendo esta mistura encontraríamos algo semelhante a quando misturamos óleo e água? Uma mistura com duas fases. Espero aqui na torcida por uma resposta.

    • Sites, matérias e reportagens sobre isso dizem que Álcool e gasolina não se misturam, então se você colocar os dois no tanque, a parte de baixo terá gasolina e de cima álcool, ai problema do carro “ler” o combustível certo, por ocnta disso é recomendado usar só a gasolina(mesmo a brasileira com 25%) ou só o alcool.

  • Por favor, apresente números, pois é óbvio que se misturar gasolina no álcool o combustível vai render mais do que somente com álcool. É preciso fazer cálculos e apresentar as medições, inclusive com valores gastos, pra verificar se a afirmação procede.

    É bom lembrar que toda gasolina já é uma mistura, com 1/4 de álcool.

  • Tenho um Logan 1.0 2010 flex. Abasteço apenas com gasolina aditivada da Shell. Consumo 12-13 km/l na cidade (Porto Velho/RO, 100% de ar ligado). Não bate pino, não faz ruído anormal, não bate tucho, não fica áspero. Roda liso, gostoso e forte, quando estou sozinho no carro (considerando ser 1.0). Nunca precisei usar álcool por causa disso, além do que o preço do álcool não compensa em relação ao da gasolina.

    • 12 a 13 com ar ligado, na cidade, num Logan 1.0?
      Temos um Logan na família, igaul ao seu, não faz isso nem com reza brava.
      Nessas condições faz 8,5 km/l.

      • Olá amigo, eu falei em Porto Velho/RO. Rondônia, Região Norte. Não sei a cidade que você mora (provavelmente com bastante morros), nem o combustível que utiliza, nem a pressão dos pneus, a quantidade de passageiros, se você gosta de acelerar, ir rápido etc. Mas o que eu falei é verdade.

  • Mistura de combustíveis no tanque não é recomendado para pessoas que não fazem uso intenso do veículo. O etanol adicionado à gasolina é diferente ao etanol combustível sendo o primeiro anidro – ou puro – e o segundo hidratado em 4% de seu volume. Ao se misturar gasolina com adição de etanol e etanol hidratado e depois deixar o carro parado, a mistura tende a separar-se em duas fases, uma vez que a água mistura-se ao etanol, porém não à gasolina. Como a água é mais densa que a mistura etanol anidro + gasolina, deposita-se no fundo do tanque e ao dar a partida seu carro tentará queimar água o que danificará os componentes.

  • tenho um roncam flex no focus, 100% de gasolina só se for aditivada, qdo comum, ja tive problemas de batida de pino qdo o motor foi exigido. Então, qdo comum, tenho q por 15 conto de pinga, conclusão: médias de 13,5 no tanque e sem batidas. Detalhe: o roncam tem taxa 12.3 de compressão, é mais favorável na pinga 100%, deste o preço ajude. Os 25% padrão de pinga não ajudam contra as batidas de pino…

  • A batida de pino (pré ignição) é decorrente da alta taxa de compressão. Meu Civic a gasolina tem taxa de compressão de 10,5/1. Os antigos motores a álcool tinham taxa de 12/1, que é praticamente a mesma dos motores flex de hoje. Essa taxa é muito alta para a gasolina de baixa qualidade/octanagem como a nossa, o que acaba provocando a pré ignição. Esta é muito prejudicial ao motor.

  • Eu faço uso desta técnica desde meu primeiro carro um Corsa Hatch 1.0 VHC e hoje continuo usando no meu Astra 2.0. Pelo menos na linha Gm eu posso falar que isso funciona e muito. Eu costumo usar a proporção 30% etanol e 70% gasolina.

  • Na teoria é lindo, mas o nosso etanol hidratado não é chamado assim à toa, ele tem água, e isso é péssimo pra gasolina. Os quase 25% de álcool da gasolina não possui essa água, mas o etanol possui, então nada de misturar… Seria a mesma coisa que colocar gasolina batizada no seu carro, no caso do etanol não prejudica, mas na gasolina é fatal.

  • Carros flex são projetados para andar com qualquer tipo de mistura (proporção entre os combustíveis), ou seja, ele pode variar de 100% E22 – 0% E100 até 0% E22 e 100% E100. E22 é a nossa “gasolina” que na verdade já é uma mistura de 78% de gasolina de 22% de etanol (a porcentagem de etanol pode variar de 20% a 25% por lei, ultimamente tem se usado 22%, mas a porcentagem varia durante a mistura nas distribuidoras, ou por atos ilegais).

    Os motores atuais possuem taxas de compressão variadas. Montadoras que possuem um know How maior com carros flex já adotam taxas de compressão mais elevadas, devido a necessidade do álcool rodar com taxas de compressão mais elevadas, pois tem experiência e capacidade necessárias para se calibrar a central de ignição e alimentação do motor, evitando Knocking. A gasolina por outro lado necessita de taxas de compressão mais baixas para não haver knocking (“batidas de pino”). Pensando em todas possibilidades de mistura descritas acima e em todos os parâmetros de funcionamento determinados pelos engenheiros junto a seus fornecedores de peças, a taxa de compressão é definida de forma a se equilibrar um bom consumo, desempenho e dirigibilidade do veículo (onde se inclui o conforto, ruídos, etc).

    O problema que causa toda essa confusão é que ninguém usa o componente mais barato que todo dono de automóvel adquiri, o manual de instruções do veículo. É grande né? Para que eu vou ler? Basta trocar marchas, acelerar, frear, virar e botar gasolina. E depois quando dá problema, a solução é o mecânico mais barato que vai colocar seu carro no ponto usando tinta guache eu liquidpaper e peças de má qualidade.

    Seu veículo é como seu corpo, se você não cuida dele e não sabe como ele funciona, você não o terá por muito tempo.

  • Tenho um Peugeot 207HB e costumo usar apenas Gasolina Aditiva ou V-Power. O consumo em Brasília fica na média de 12km/l na V-Power e 10-11km com a Aditivada do BR. Farei um teste com o “Etanol Aditivado” + V-Power ambos do Shell (dã) e volto pra fazer o relato.
    Ar ligado e pé leve, porém… não sofremos com elevações, o que ajuda. Mas, sempre pego transito.
    Achei interessante o fato da mistura, mas será que funcionou bem apenas nos Zetec Rocam ? Espero que funcione bem nos outros, hehe.

    Abraço !

  • A coisa é muito simples e esta na palma da mão, a solução é reprogramar o sistema de injeção pra tornar mono-combustivel se quiser usar gasolina apenas ou vice-versa.
    Acredito que exista essa possibilidade, podem me corrigir se estiver errado.

  • Tenho um amigo que faz o mesmo. Ele tem um Palio 1.8R 2008, com 117.000km rodados, que somente com gasolina no tanque, faz 7km/l na cidade. Ele começou a colocar 90% de álcool e 10% de gasolina (o motor fica batendo e vibra muito com 100% de álcool) e consegue os mesmos 7km/l agora.

  • Moro no bairro da Tijuca, no Rio de Janeiro e sempre abasteço meu Celta LS 1.0 VHCE Flexpower 2012 (comprado 0km) com a mistura de etanol e gasolina Podium. Depois que fiz o abastecimento logo após retirar o carro da concessionária Chevrolet Super, notei que o motor andou mais e consumiu menos.

  • Em Brasília, o etanol não compensa, mas no meu fiesta rocan 1.6, abasteço com 10% de combustível derivado da cana e o restante gasolina comum. O motor parou de bater pino e ficou levemente mais forte, o consumo piorou um pouco, tem feito 11 km/l. Agora só ando com mistura!

  • O etanol é caríssimo aqui no RS, nada menos que R$2,44 por litro. Mesmo assim quando eu tinha um Gol 2012, costumava misturar na proporção 2/3 gasolina por 1/3 de etanol, o resultado era excelente, com maior octanagem o motor rendia mais e não grilava nada. O consumo subia muito pouco, o que era compensado pelo custo puco menor do etanol, mas o funcionamento era incrivelmente melhor. O chato era ter que ficar explicando aos frentistas o motivo da opção, e ter que falar de taxa de compressão e resfriamento de câmara de combustão em altos e baixos regimes depois de ser aconselhado a usar um ou outro.

  • Minha experiência diz ao contrário. Uso normalmente só gasolina e o Focus 2.0 16v flex que tem taxa de 12:01 faz 14,5 km/l na estrada. ao colocar a mistura fez no máximo 8 km/l e quando viajei só no álcool fez 10/11 km/l.
    Acho que o motor não trabalha corretamente e vai depender de carro pra carro tbm.

  • Na cidade chego a fazer no máximo 10km/l na gasolina e 6 no álcool. com a mistura dos dois não tive muito critério, mas chegou a mais ou menos 5km/l.

  • Como sempre digo, motor flex é igual a pato, não anda e nem nada direito, fica no meio termo, mas faz os dois. :)
    Eu adoraria que tivesse carros somente a alcool, realmente um motor preparado para isso, ai seria maravilhoso.

  • Eu aprecio os carros flex, mas pouco uso o etanol por causa da autonomia que ela proporciona.
    Realizo viagens longas com bastante frequência e detesto ficar parando no meio da viagem só para reabastecer c/ etanol. Digo isso porque nem todo posto de estrada que seja bom para lanches e descanso serve para rebastecimento (No Graal estão cobrando R$3,198/litro de gasolina comum).
    Todo carro flex deveria ter um tanque que permita uma autonomia mínima de uns 600 km na estrada quando consumindo etanol.

  • Sempre que completo o tanque da minha moto quem tem capacidade para 14 litros com dois litros de etanol e doze de gasolina, só demora um pouco pra esquentar, mas depois o resultado fica muito bom, sem vibrações e com muito torque e muito macia para pilotar.

    Lembrando que a moto não é flex.

  • Acabei de voltar do aeroporto, Santos Dumont, coloquei a nova gasolina da Petrobras Grid. Entre ponte Rio-Niterói e trânsito do centro do Rio deu média de consumo de 12km/l num percurso de aproximadamente 50km. Ta bom, né? Acho que na estrada da pra fazer 14km/l.

  • Ve se tá bom o consumo? Sai de niteroi e fui até o aeroporto Santos Dumont buscar minha mãe. Cheguei em casa com 48km percorridos e um consumo de 11,5km/l. 50/50 estrada/cidade.
    Focus glx 2.0 16v sedan 2010 MT.

  • Cada carro tem sua particularidade. Eu fiz isso algumas vezes em meu carro, um Palio Economy e este apresentava falhas de ignição, ou seja, o motor funcionava como se estivesse com um cilindro apagado. Fazia o seguinte: 40% álcool e 60% gasolina. Quanto ao trelado no motor realmente o problema era reduzido, mas o mesmo sofria com esse outro problema que, no final, acabava sendo muito mais prejudicial tanto no consumo quanto ao motor.

  • Faço isso com meu Punto 1.6 16V e o motor vira outro em suavidade. Coloco sempre 20 a 25% a mais de Alcool junto com a gasolina, totalizando 50% + ou -, de cada combustível. Temos que considerar que a gasolina já tem 27% de Alcool. Com essa prática vejo claramente que motores na verdade se dão melhor com ao menos 40 a 50% de mistura. O motor não bate em arrancada, não grila em retomada, a aceleração parece que fica mais “lisa” e “redonda”, o motor é outro! Não adianta ajustar A/F no Scanner, já fiz isso e o problema não é esse!

  • Temos em casa um siena fire flex 2007, e durante os cinco anos em que estamos com ele, nas raras vezes em que abastecemos com gasolina percebemos muito menos potencia do que quando a abastecemos com etanol, principalmente na subida da serra. E sempre colocamos entre 10% a15% de gasolina pois se nota claramente que o motor gira com mais suavidade. Viajamos constantemente entre São José dos Campos e Caraguatatuba, usamos apenas oleo sintético na troca, onde com 10.000 Km falta 0,5 l no volume. Está com 230.000 Km e não bate.

Quem somos

O Notícias Automotivas é um dos maiores sites automotivos do Brasil, trazendo todas as novidades sobre carros para mais de 450 milhões de pessoas, por mais de 12 anos. Saiba mais.

Notícias por email