EUA Ford Mercado Sedãs

Lincoln reforça que manterá sedãs ao contrário da Ford

Lincoln-Continental-2017-1-1024x696

O fim dos sedãs na Ford imediatamente direcionou os olhares da imprensa americana para a Lincoln, marca de luxo do fabricante de Dearborn que depende mais dos modelos de três volumes. Com o fim do Fusion, a primeira baixa que ocorreria na divisão premium seria o MKZ, mas um porta-voz da marca disse à revista Automobile Mag que a Lincoln segue firme na manutenção dos sedãs, ao contrário de sua controladora.


A afirmação do representante da Lincoln poderia ser uma forma de evitar um choque com os clientes e uma queda antecipada nas vendas, mas uma convenção realizada com concessionários dos EUA, revelou que a marca pretende em breve ter novamente as famosas portas traseiras suicidas em um sedã. Obviamente, todos os olhares miraram no Continental, que é o atual topo de linha da luxuosa.

lincoln-mkz-2017-2-1024x573

Muito vem se falando sobre o fim dos sedãs da Lincoln em decorrência da morte dos três volumes na Ford. O MKZ foi claramente indicado como com um sucessor, segundo a empresa, mas realmente é estranho imaginar porque a gigante de Detroit manteria o sedã com a ausência do Fusion. A única explicação deve ser a China. Ao contrário dos EUA, as vendas de sedãs – especialmente de luxo – no gigante asiático continuam elevadas e é estrategia da Ford ampliar a presença da Lincoln por lá.


Como se sabe também, o desenvolvimento das próximas gerações de Fusion e MKZ estavam em andamento quando James Hackett tomou a decisão de parar os trabalhos. Provavelmente estes projetos não foram cancelados e seguem seu curso normal, mas apenas o local de lançamento é que deve ser mudado. Nesse caso, sai EUA e entra a China. Lá, onde se vendem dezenas de milhões de carros por ano, ter a dupla de sedãs renovada não será nenhum prejuízo, pelo contrário, ajudará na recuperação da presença da montadora localmente.

Se a importação chinesa, no caso da Lincoln, ocorrer – a GM já faz isso com o Buick Envision e com êxito – então a afirmação da marca de que ele terá uma nova geração procede. No caso do Continental, as tais portas suicidas ainda não têm data para chegar, podendo ser ainda nesta geração do sedã ou na próxima, que deve chegar em 2022. Pode ser que o sedã luxuoso acabe sendo feito exclusivamente na China e exportado aos EUA, onde a Lincoln concentraria suas forças numa gama de SUV.

transit-connect-1024x417

Comenta-se também que o próximo MKZ – que terá nome próprio – chegará ao mercado americano com propulsão híbrida plug-in, o que seria mais um diferencial. Enquanto a Lincoln parece se resolver, a Ford está determinada em eliminar sedãs e hatches, ficando apenas o “CUV” Focus Active – importado da Europa, é claro – e o Mustang. A minivan C-MAX será outra baixa. Em contrapartida, a Ford parece tão cegamente em busca de crossovers e SUVs que até a Transit Connect “Wagon” foi convertida em utilitário esportivo.

Enquanto a Ford fecha o tribunal de Salem, a concorrência reforça seus sedãs para tomar o espaço que será deixado pela marca. Os fabricantes japoneses parecem os mais animados nesse sentido, apesar das vendas realmente estarem em declínio para eles também. É óbvio que o mercado americano não sera 100% de SUVs, crossovers e picapes. Sempre haverá consumidores de sedãs, hatches, minivans e peruas. E quando se fala em mercado americano, o volume em qualquer caso é expressivo.

[Fonte: Automobile Mag]

COMPARTILHAR:
  • Luis Burro

    Tlvz os menores se salvem,mas o Continental não sei não,parece q vai pras cucuias.
    Mas tbm é uma barca,e por ser recente acho meio q falharam no projeto,ele não é tão espaçoso atrás.O teto é muito baixo e próximo a cabeça.
    Por isto q pra mim não tem como comparar com as alemãs,parecem estar um degrau abaixo.

    • Peter Bishop

      Clássico Ford. Sedã grande de aproveitamento de espaço ruim e teto caído

      • FocusMan

        Não havia milagre para o Continental. Ele é uma versão modificada do MKZ

    • FocusMan

      O continental é feito na mesma plataforma CD4 do Fusion e MKZ. Ele é uma versão mais luxuosa do MKZ e por isso sofre com espaço interno.

      Apesar de todas as análises que li até hoje falarem super bem do carro, algumas até dizendo que ele é vendido abaixo do preço que merecia ser vendido, nos EUA a Lincoln goza de pouco prestígio fora da região central e norte. Quando um consumidor decide gastar 80 mil trumpdolares num carro ele está buscando status já que os veículos mais baratos são em grande parte tão bons quanto e ai a maioria parte para marcas mais tradicionais como BMW, Mercedes e Audi. Sobra para a Lincoln disputar mercado com Maserati, Jaguar, Tesla entre outras ávidas por vendas e que talvez tenham custo existencial menores que a Lincoln que precisa projetar carros seguido os processos fabris dos veiculos de grande produção da Ford. Esses processos não se pagam com baixo volume e tornam a produção em baixa escala impraticável. Por isso a todos miram na China hoje em dia, pois o volume vendido por la paga o investimento fabril com sobra.

      • Luis Burro

        Nossa do Fusion,pq não faz na do Taurus,ou é a mesma?

        • FocusMan

          Por ser antiga

          • Luis Burro

            Eu,há qnto tempo está na Europa?É fixo ou só férias?

            • FocusMan

              Não estou na Europa mais não, estou nos EUA a trabalho, mas continuo trabalhando no BR.

              • Luis Burro

                Ah!Q legal.

    • Wilson Junior

      Todas as Marcas que a Ford vendeu hoje estão melhores.
      Talvez a Ford deveria vender a Ford tambem kkkk

  • Luis Burro

    Este Transit Connect sim pode ser considerado um Crossover.

    • Gil de Piento

      Lembrou-me a Kombelina.

  • Maycon Farias

    É tenso esse trágico declínio da maioria dos sedãs, no fim acho que somente o Corolla, Camry, Accord e Civic irão manter a categoria no mundo todo. Assim como o Corolla suprimiu quase toda categoria aqui, o mesmo vai acabar acontecendo lá fora. Os SUVs dominarão o mundo.

    • FocusMan

      Eu acho que a Ford se assutou a toa. O Fusion esta em declínio porque esta em fim de carreira. São 6 anos de mercado e nenhuma modificação que justifique uma pessoa trocar seu modelo 2015 por um 2018.

      • Cosi fan Tutti

        Estão vislumbrando o futuro pois o mercado de sedans vem caindo ano após ano, vamos ver o desempenho do novo Camry, que eu acho não será como antes.

        • Wilson Junior

          A Toyota é a marca que mais vende carros no mundo.
          A muitos anos consecutivamente.
          E não tem SUVs entre os carros mais vendidos da Toyota.

          • Cosi fan Tutti

            Rav4 figura sim em várias listas e a Hilux lidera em vários países.

        • FocusMan

          Não acho que seja isso não. Esse tipo de negocio não é feito colocando todos os ovos num cesto. Tem algo errado…

      • Eduardo Brito

        Mesmo em declínio, o Fusion é o oitavo mais vendido nos EUA.

        • FocusMan

          Num mercado onde o lucro é bem apertado talvez n feche a conta estar em oitavo…

      • Wilson Junior

        E as pequenas modificações que teve deixaram ele pior.
        O modelo de 2013 pra mim foi o melhor.

    • Sérgio Mendonça

      Até os populares Corolla e Civic podem virar alvos disso. Depois que o Eclipse virou suv e o Lancer também irá virar, eu não ponho a mão no fogo por nenhum modelo.

      • Maycon Farias

        O Civic pode até ser, mas o Corolla não tem como, são mais de 1 milhão de unidades anuais. Vai continuar como sedã por um longo tempo.

        • Sérgio Mendonça

          Sim. E eu já lamento muito essa onda de crossovers (CUV’s), não me agradam. O único que achei legal é o Peugeot 3008; bem revolucionário por dentro.

  • Alessandro Rodrigues

    Continuo crente de que é um baita tiro no pé da Ford. Mas veremos como se dará esse cenário que eles preveem.

    • Uranium

      Na próxima subida de preços da gasolina nos Eua, a Ford não vai ter produtos adequados pra vender e vai passar dificuldades. Enquanto isso, as japonesas, coreanas e a GM ainda terão como atender o mercado.

      • Alessandro Rodrigues

        Isso é um dos pontos. Mas mesmo na situação atual, as vendas dos sedãs não é insignificante, mesmo que frotista, o Fusion por exemplo vendia muito bem. Superava até o carro mais vendido do Brasil. Apesar o Camry dominar, o sedã médio (lá) era a escolha da maior parte dos casais jovens, ainda sim.
        E me preocupo com a decisão justamente por nosso sedã vir da mesma planta que o americano. Resta esperar a Ford reconsiderar ou torcer, infelizmente, para que sofra muito por essa decisão.

      • DaniloRHF

        Depende, lá nos EUA eles caminham para eletrificação dos carros. Ou seja, a Ford está apostando tudo na sua capacidade e que vai conseguir realizar o feito. Com isso, a alta do petróleo não terá efeito. Se isso vai dar certo… Só o tempo vai dizer

        • Uranium

          Caminham em termos tecnológicos. Pois em termos de mercado, os elétricos quase não têm representatividade nos Eua. Por lá o negócio são motores grandes a gasolina. Preferem um 2.4 aspirado a um 1.6 turbo ou um 3.5 V6 a um 2.0 turbo. Mesmo os híbridos têm pouco espaço, apesar da variedade de modelos.

          • Randy Marsh

            Isto é verdade, não é a toa que o motor 3.5 v6 da ford demorou mais de 10 anos para ser considerado obsoleto e mesmo assim, mantinha boa margem de venda em relação ao 2.0L ecoboost nos ultimos anos (desconsiderar 2018)

      • FocusMan

        Isso é o que mais temo. Entretanto bastará encher o navio com carros feitos na China e pronto. Talvez a depender de como o Rota 2030 saia, poderemos sermos nós os fornecedores.

      • Wilson Junior

        Toyota e Honda agradecem.

  • vi.22

    n consigo entender como o fusion deixará de ser comercializado sendo q vendeu acima de 200000 unidades ano passado….

    • A curva de queda nas vendas tem se acentuado. Então, preferiram tirar a venda, antes de dar prejuízo.

      Além disso, sua best seller vende 1.000.000 por ano.

  • FocusMan

    Deus ilumine os executivos da Ford pois parecem que andam falando coisas apenas para agradar os acionistas e não perder valor na bolsa de valores.
    Para quem não entende o mercado de carros mas apenas tem ações da empresa, parece muito bom produzir apenas carros muito lucrativos, porém para quem conhece o mercado automotivo bem, é meio óbvio que essa estratégia é bem arriscada e que todos os fabricantes fabricam carros com maior e menor lucratividade.

    O que me impressiona realmente é saber que modelos com vendas normalmente acima de 200 mil unidades como Fusion e Focus não dão lucro. Os equivalentes japoneses vendem 100 mil a mais média entretanto. Será esse o número mágico? 300 mil carros? Sera que a Ford percebeu que por mais que ela faça, nunca chegará nesse numero nos EUA pois a marca não é bem aceita nas regiões costeiras onde a maioria da população adotou os japoneses como produtos prediletos?

    Vamos ver… Aqui com os dedos cruzados para isso dar certo apesar de saber que isso faz com que meu próximo carro provavelmente não seja mais um Ford, a não ser que eu me mude para a Europa ou Asia, pois não vou me render a moda dos SUVs simplesmente por eu não gostar de guiar carros com ponto H elevado.

    • passis

      Realmente, prejuízo com 200mil Fusions, feitos no México ainda… Tenso

      • FocusMan

        Talvez seja esse o problema do prejuízo…. Existem custos escondidos nessas operações logísticas que nem sempre são fáceis de contabilizar.

  • Fernando Bento Chaves Santana

    Faz sentido. É uma forma de diferenciar as gamas Lincoln e Ford

  • Randy Marsh

    Gostaria de saber sobre os carros globais que a ford vende no Brasil: Focus, fiesta e Fusion. Será que irão manter a linha na America Latina?

  • Paulo Ricardo De Carvalho Sara

    Ainda existe lincon???? Sua existência é tão expressiva quanto os 30 s de fama de um ex bbb

  • Paulo Ricardo De Carvalho Sara

    Desse jeito daqui a pouco veremos uma nascar dominadas por suvs e carros altos ou a truck séries vai acabar virando categoria principal.

  • Toda cara de “segmentação de mercado”: Ford com os segmentos mais lucrativos, e Lincoln com os “diferenciados”.
    Não faria muito sentido abandonar todo o desenvolvimento de sedãs – se o mercado mudar de ideia, o que farão eles? Falir?

Quem somos

O Notícias Automotivas é um dos maiores sites automotivos do Brasil, trazendo todas as novidades sobre carros por mais de 12 anos. Saiba mais.

Notícias por email