BYD Chery Elétricos Finanças Governamental/Legal Híbridos Mercado Montadoras/Fábricas

Marcas querem incentivos para produzir carros elétricos no Brasil

chery-qq-eletrico Marcas querem incentivos para produzir carros elétricos no Brasil

No Salão de Carros Elétricos, que está acontecendo no Expo Center Norte, em São Paulo, alguns fabricantes de veículos se manifestaram à favor de incentivos para produção de carros elétricos no país. Empresas como BYD e Chery, já tem planos para faze-lo em sus operações locais, mas sem ajuda do governo, o objetivo fica difícil de ser alcançado.



Nos últimos meses, a questão do carro elétrico e também do híbrido anda ganhando espaço na mídia e também nas conversas do setor automotivo com o governo, que elabora o Rota 2030 em parceria com montadoras e autopeças. Em Brasília, apesar de algumas declarações, a situação do segmento dentro da nova política automotiva ainda é incerta.

Embora algumas cabeças pensem no carro elétrico como algo secundário no cenário brasileiro, outros, no entanto, enxergam mais além, já que se o Brasil quer ser um player mundial no comércio de automóveis, precisam estar pronto para exportar o que o mundo quer e, nesse caso, quem está mandando no momento são os carros elétricos e híbridos. Não dá par ser referência se não estiver em sintonia global.

De acordo com Luiz Miguel Batuira, do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, “a discussão é complexa e deve ficar para o médio prazo”. Ou seja, a condição de elétricos e híbridos no Brasil não será definida com o anúncio do Rota 2030. Um grupo de trabalho, o sétimo dos que elaboram o plano, começou a trabalhar na questão desse segmento. E mais, outro grupo surgiu há três semanas para debater a inserção do país na tecnologia de condução autônoma.

byd-e5 Marcas querem incentivos para produzir carros elétricos no Brasil

Como se sabe, o governo não vai abrir mão de impostos, mas o próprio Rota 2030 não prevê desoneração fiscal em nenhum segmento do mercado. Por enquanto, o MDIC não fala abertamente sobre como se dará a resolução do caso envolvendo os elétricos. Muito se fala, em contrapartida, na cobrança de IPI de acordo com a eficiência energética, o que de fato resolveria uma parte do problema.

A emissão zero e o baixo consumo os colocariam em evidência no mercado, não tirando do governo seu precioso imposto e nem beneficiando-os em detrimento dos demais combustíveis. Afinal, eficiência energética não está relacionada com o que vai no tanque, mas com o resultado final. É por conta disso, que o diesel ainda é explorado abertamente na Europa. Mas, ainda com expectativa, algumas marcas apenas aguardam o anúncio do governo sobre o assunto.

A Chery, por exemplo, diz estar fazendo estudos sobre a produção do New QQ elétrico no Brasil. Para a empresa, dependendo do resultado, a produção do pequenino já começaria em 2019, iniciando as vendas para frotistas e taxistas. A BYD, que não esperou pelo Rota 2030 para começar sua produção de veículos elétricos no país, aguarda também a posição do governo para eventualmente produzir carros elétricos no Brasil, mas a montadora salienta que isso só ocorrerá se houver demanda. A marca inicia em outubro as vendas do sedã elétrico e5 (foto acima), que será vendido por R$ 220 mil.

Mas elas, incluindo a Toyota, que quer produzir o Novo Prius por aqui, alegam que sem incentivos diretos do governo, como ocorre em outros países, não há como introduzir os carros elétricos e híbridos no cenário nacional de forma viável. A demanda tem de ficar entre 3 mil e 5 mil carros por ano, para cada montadora, justificando assim o investimento em sua produção no país.

[Fonte: Estadão]

  • Munn Rá : O de Vida Eterna

    Falando em elétricos ou então híbridos essa BYD possui dois carros muito interessantes : Qin e Tang

    • João Cagnoni

      O engraçado é que o interior do Tang é laranja…

      • Deadlock

        Não tem Tang uva?

  • Deadlock

    Difícil haver incentivos no Brasil:
    1. O governo está quase quebrado.
    2. Energia elétrica volta e meia entra na bandeira vermelha.
    3. Petrobrás.
    4. Usineiros.

    • REDDINGTON

      AGORA, nesse momento só nos resta uma solução HÍBRIDOS…Um país a beira de um apagão há 20 anos não pode ter carros elétricos nunca…

    • João Cagnoni

      O governo está quebrado por má administração e não por boas idéias.

      • Deadlock

        De fato, somos o país do futuro, há muito tempo. Mas, a má administração impede o desenvolvimento de boas ideias, como os carros elétricos, mas hoje eles também não seriam competitivos, justamente pela má administração. Se fosse bem administrado, como a Austrália, que cresce sem parar há mais de 25 anos, nem precisaria de indústria automobilística, que tem-se reduzido drasticamente por lá. Para eles é mais fácil importar (da Ásia, principalmente) do que produzir localmente, aqui tudo é feito artificialmente para produção local, como se fosse algo imprescindível para a segurança nacional. Se fosse pela competição, não teríamos chance, compraríamos tudo do México, porque a administração do país foi péssima, principalmente nos últimos anos.

    • Só discordo do 2 por alguns motivos: A maior parte da população dos grandes centros não poderá ter um elétrico na garagem for falta de tomada; O aumento no consumo não é expressivo, conforme estudos já realizados; e a energia nesse caso, muitas vezes será gerada de forma individual, pois o investimento é pequeno frente ao custo do veículo. Quanto aos pontos 1, 3 e 4, considero barreiras quase intransponíveis.

      • FrankTesl

        Para quem mora em condomínios, bastaria alterar a convenção condominial para que fossem instalados tomadas de recarga gradativamente (primeiro duas, depois mais três à medida que mais moradores fossem comprando elétricos), cujo consumo de eletricidade fosse contabilizado por cartões e cobrados na fatura do condomínio ou algo parecido. Creio que também requer regulamentação das distribuidoras (proibição para revender) mas quem sabe a ANEEL não emite uma portaria regulamentando a recarga em condomínios?

    • AntonioReis

      A vantagem é que as pessoas podem ter geração elétrica em casa.

      • RPM

        Isso mesmo….colo abaixo um comentário que fiz em outro site!!
        Muito se fala em falta de energia elétrica,mas já existem modelos que tem painéis solares no teto e ainda usam os freios pra carregar as baterias….o carro elétrico na verdade,poderia ter um custo próximo do zero para ser utilizado…mas o bananense é tacanho,advoga contra ele mesmo,quando rejeita o progresso….lamentável…

    • Hodney Fortuna

      Solução: privatizar a Petrobrás e acabar com esse protecionismo a usineiros. Seria a solução mas, é quase utópico acabar com esses dois problemas!

      • Daniel

        inocente….
        Se privatizar a Petrobrás, ai vamos ser obrigados até a beber petroleo para ter demanda, justificar preços cada vez mais alto para fazer os amiguinhos dos politicos que receberam a doação da petrobrás lucrarem cada vez mais (e, claro, engordar as contas em paraisos fiscais para alguns “beneficiarios”).

        • Hodney Fortuna

          Falou um possível funcionário da estatal!

          • Daniel

            Não, apenas alguém que estudou história. Não um leitor da VEJA que acha que privatizando vão vir anjos para cuidar das empresas e fazer caridade.
            Só olhar Vale, ferrovias, rodovias, telefonicas e tudo o resto que já passou por privatização nesse país.

            • Hodney Fortuna

              Ok! Arroga por estudar história, história ensinada por professor esquerdista ao dizer que empresas privadas são potenciais “opressoras”, ah tá! Sou a favor da privatização e sei o quanto serviços estatais são ruins e ineficientes, além de caro!

        • Hodney Fortuna

          Na boa! Não vou discutir isso com você! Estamos num site automotivo e discutir política aqui não é o espaço adequado!

  • Ricardo

    Máfia não deixará!

  • SDS SP

    Estamos entrando na bandeira vermelha nível 2, por conta da estiagem.
    Primeiro ofereça uma infraestrutura decente para depois pensar em eletrificação dos carros.

    • Lyn

      Ou seja não vamos ter eletricos nunca

      • SDS SP

        Se continuar assim, nunca mesmo.
        Precisa diversificar a matriz energética para não depender das hidroelétricas.

        • Lyn

          Mas só lembram disso quando acontece apagão.

          • Energia atômica, no meio da Amazônia. Menos impacto ambiental que Belo Monte.

    • V12 for life

      Exatamente, não é só produzir carros elétricos, tem que ter estrutura para poder ser usado.

    • BillyTheKid

      Se vivermos esperando os planetas se alinharem pra tudo estar perfeito pra chegada dos carros elétricos, eles nunca virão pra cá. Nunca foi assim que o Brasil funcionou, e duvido que será agora que isso vai mudar.

      Além disso, a migração de carros à combustão para carros elétricos não será instantânea. Ela ocorre aos poucos, muito devagar inicialmente, e isso demorará para ser notado na rede elétrica. O país terá muito tempo pra investir na produção de energia, apesar de que, como todos sabemos, isso não ocorrerá, independente de existirem carros elétricos ou não. Por aqui, as coisas só funcionam quando a água bate na bunda…

      • SDS SP

        Não diria nem pra esperar tudo ficar perfeito, mas sim fornecer no mínimo o básico.
        Hoje a esmagadora maioria da nossa malha rodoviária (só pra citar exemplos) não tem pavimentação. Nossa infraestrutura está décadas atrasada.

        E pode ter certeza, à eletrificação não será “numa virada de chave”, o motor à combustão terá bastante tempo de vida, ainda mais em países periféricos como aqui.

        • BillyTheKid

          Se o problema é pavimentação, então não deveríamos nem ter carros a combustão, correto?

          E concordo com a última parte, vai demorar muito tempo pra eletrificação ser significativa no Brasil… Por isso não vejo necessidade desse argumento de “aguardar a infraestrutura”.

          • SDS SP

            O meu conceito é que não existe nem o básico do básico por aqui, quiça uma infraestrutura para eletrificação dos automóveis. Esse é o ponto.
            Os países do mundo desenvolvido estão há anos luz em termos de infraestrutura.

    • Deadlock

      Na verdade, existe solução. O governo poderia incentivar as placas solares residenciais, que poderia suprir as necessidades do usuário para utilização do veículo nas cidades, podendo ainda fornecer energia para a casa e, se sobrar, jogar para a rede, o que garantiria uma renda extra. Não pressionaria o sistema elétrico, ao contrário, poderia até a reduzir as bandeiras vermelhas (quanto mais sol, mais energia as placas produzem e menos as hidrelétricas produzem, em suma, seriam mais ou menos complementares). Vc só iria ao posto para tomar café, aproveitando o dinheiro economizado com o combustível fóssil.

      • SDS SP

        Há sempre soluções, mas infelizmente sempre chegamos atrasado.
        Seria estranho se um dia eu olhasse uma casa sem coleta de esgoto (o básico do básico), mas com painéis solares no telhado rs

        • Deadlock

          É, mas corre o risco. Já que esgoto é uma coisa que político não gosta de investir, por ser caro e não ter visibilidade.

        • FrankTesl

          a falta de infraestrutura de coleta de esgoto em parcela expressiva dos lares brasileiros não impediu diversos e sucessivos governos de despejarem fartos subsidios para os usineiros de etanol, nem os políticos de usarem a petrobras como vaca leiteira de propinodutos.

          O ideal seria ter esgoto, água, saúde, educação, etc. Mas se formos esperar pelo mundo perfeito antes, deveríamos estar nos tempos das charretes ainda.

          Seria melhor, mais eficiente e mais barato o governo dar placas solares de presente para o povo ter uma fonte alternativa e complementar de energia e não ficar à mercê das bandeiras das tarifas, ao invés de presentear e empanturrar usineiros amigos do rei com subsidios pagos com nossos impostos e dar tetas estatais de propinas para políticos da base dinheirista no Congresso.

          • SDS SP

            Seria uma maneira de diversificar a matriz energética, mas quem vai fazer isso é uma outra história.

          • SDS SP

            Pode ficar tranquilo que à eletrificação dos carros por aqui vai demorar um bom tempo. Seja pela infraestrutura ou pela falta de vontade de muita gente.

      • Daniel

        O governo nunca vai incentivar geração de energia individual. Lembre-se que privatizaram boa parte do nosso sistema eletrico (e agora querem terminar com o resto). Os “amigos” tem que lucrar, e lucrar muito… logo, nada de investimento e conta cada vez mais cara (terrorismo de apagão e contas vermelhas ajudam a justificar o preço mais alto). Sem investimento e com a conta cada vez mais cara, o resultado é muito lucro para os amigos do rei…

    • FrankTesl

      microgeração distribuída.
      um kit fotovoltaico 7 placas 200-250 kWh / mês custa R$11.000 instalado. os preços baixam drasticamente; para ter uma idéia, no ano passado o preço era R$20.000. Mas tem gente que prefere se enfiar em dívidas para comprar carros 0km que tem prosperidades semanais de preços.

      • SDS SP

        Cada um gasta naquilo que convém. Por isso sou a favor de menos estado interferindo em nossas vidas.

        • FrankTesl

          TAmbém gostaria, mas todo ano o governo (F+E+M) torram dezenas de bilhões em subsídios, favores, renúncias tributárias, reservas de mercado, empréstimos com juros camaradas para os amigos do rei… já que estão gastando tanto, o melhor seria que esses recursos fossem gastos para dar diretamente e indistintamente ao povo placas solares que seriam muito mais úteis,pois dariam independência energética ao povo, ao invés de serem gastos com esses favore$ estatais para amigo$ e$colhido$ a dedo, que pouco revertem para o progresso geral do país,

          Lógico que num mundo perfeito os gastos estatais seriam menores e cada um teria mais dinheiro sobrando para comprar o que melhor lhe aprouvesse.

  • Louis

    Tenho interesse no QQ elétrico. Por que a Chery não começa importando algumas unidades, antes de ficar prevendo produção nacional só para 2019 ?
    Agora, esse preço de R$ 220k desse E5 desanima qualquer um….

    • zekinha71

      Devem colocar o preço lá em cima, que é pra ninguém se interessar e ter trabalho de importar.

    • Esse preço do E5 está fora da realidade, uma vez que não paga imposto de importação e temos o BMW i3 a R$159k. Isso deve ser marketing para fazer pressão por redução de imposto, afinal não venderá nada mesmo.

  • Mario Souza

    Porque tem que incentivar a produzir elétricos. Que se virem, o capitalismo para o empresariado brasileiro se resume a incentivos governamentais e quanto mais ferrado os trabalhadores está bom!

    • Alguns motivos não interessam aos capitalistas:
      1 – Redução de gastos com saúde pública, 2 – Redução de dependência de petróleo, 3 – Redução de gastos com transporte, 4 – Desenvolvimento da tecnologia.

  • zekinha71

    Só hj saiu alguma notícia desse salão, ontem passei na porta e não tinha publicidade nenhuma, nem notei que tinha um salão.
    Se for igual do ano passado, nem vale a pena ir mesmo de graça.
    Qualquer quermesse de igreja faz publicidade melhor.

    • FrankTesl

      esse ano há vários carros para test drive : BMW i3, Volvo XC90 hibrido, BYD e5, Renault Twizy. Tem tambem um Tesla X em exibição isolado por cordas.

      prius, Lexus, Zoe e BYD à dispisição para entrar mas não dirigir.

      e os costumeiros onibus, scooters, bikes, skates, patinetes eletricos.

  • Zé Mundico

    hiii…começou……..

  • Jose Antonio

    Só existe um tipo de incentivo no Brasil à corrupção, o único projeto que entra em vigor com urgência é o aumento de salários dos ladrões da nação, vai demorar muitos e muitos anos pra maioria da população poder comprar um carro elétrico no Brasil.

    • João Cagnoni

      E mesmo assim estará restrito aos ricos por mais um bom tempo.

  • João Cagnoni

    Sempre vai ter alguém pra pagar a conta de um incentivo, nesse caso seríamos nós. Se é inviável a produção de um carro elétrico, então que não produzam e se tornem mais eficientes.

    • FrankTesl

      Se pelo menos igualassem o IPI do carro elétrico com o carro à combustão 1.0 já seria um grande avanço.
      O governo brasileiro não incentiva; na verdade pratica um desestímulo insano ao cobrar 25% de IPI de um elétrico e 7% de IPI em um carro 1.0 flex.
      No exterior os governos dão dinheiro para quem compra carro elétrico. Aqui no Brasil não há essa disponibilidade orçamentária.

      Mas que pelos igualem as condições de competição, igualando as condições tributárias entre um 1.0 flex (IPI 7%) com um carro elétrico já seria um avanço imenso, para as montadoras se sentirem seguras para investirem na fabricação de elétricos no Brasil.

  • Tosca16

    Um EQ (QQ Elétrico) por uns R$ 49.990,00 no máximo poderia ter um nicho de mercado aceitável para as pretensões da Chery no país, um carrinho destes se fizer 150km na bateria já estará muito bom.

    • Fernando Bento Chaves Santana

      Tosca,
      Vc sabe algo sobre o fim da Rely que fora comentado no post sobre o retorno da Ssangyong? Pois parece que a marca acabou e que a Venko não tem mais o que importar. Será que há Chery poderá assumir a venda de veículos comerciais aqui no Brasil?

      • Tosca16

        Não se fala nada, e a linha comercial da Chery na China tem ficado cada vez mais obsoleta, deve ter alguns mais com a marca Karry ou tinha.

    • tjbuenf

      Pelo amor de deus, Tosca. R$ 50 mil num QQ elétrico? Eu me pergunto a vantagem de se pagar muito mais num carro elétrico em relação ao seu convencional. Ainda mais sendo chinês…

      • Tosca16

        Elétrico é mais caro, seja aqui ou na Cochinchina… e olhe bem, de 30 para 50 é um valor relativamente dentro do que os elétricos são hoje, e isso se pagaria pela economia de combustível e menor manutenção… pegar um modelo destes, fazendo de 120 à 150 km com uma única carga, pelo menos duração de dois anos das baterias e etc, vale. Claro que para um nicho de mercado, e não incluiria táxi… Táxi só se tivesse maior espaço, e troca rápida de baterias ao invés do carregamento convencional na tomada.

      • Tosca16

        E acredite, teria mais mercado um chinês elétrico que um chinês convencional, visto que a concorrência é menor e focariam um nicho específico de mercado, onde marcas menores podem disputar seu lugar ao sol.

    • carnero

      50k ?
      Num sonha….

      • Tosca16

        Menos que isso não chega, nem ele, nem qualquer outro.

  • Marcio Mendes

    Carro elétrico: voce ainda vai ter um!

    • Zé Mundico

      Sabendo como funcionam as coisas nesse país, eu acho que existem mais chances do cidadão morrer eletrocutado do que ter um carro elétrico.

  • Vattt

    Pro Governo brasileiro, Incentivo Fiscal tem codinome “caixa2”. Quando nosso governo mete o dedo no meio, sobra pro consumidor!

  • Schack Bauer

    Sempre querem “incentivos”. Leia-se, querem uma boquinha.

    • FrankTesl

      Na verdade o incentivo que se pede é pelo menos igualar as condições entre os elétricos os carros flex 1.0

      O governo brasileiro pratica um desestímulo insano ao cobrar 25% de IPI de um elétrico e 7% de IPI em um carro 1.0 flex.

      Se fossem igualadas as condições tributárias entre um 1.0 flex (IPI 7%) com um carro elétrico, já seria um avanço imenso, pelo menos para as montadoras se sentirem seguras para investirem na fabricação deles no Brasil.

  • kirig

    E a banania perdendo o bonde!!

  • Hodney Fortuna

    A questão do carro elétrico para o brasil é muito mais urgente do que até mesmo na Europa. O custo do combustível derivado do petróleo está insustentável. Aqui em Fortaleza a gasolina aditivada está custando R$ 4,32 ao passo que a comum custa R$ 4,16. Carro elétrico aqui salva muito mais o bolso do que até mesmo o meio ambiente!

    • FrankTesl

      quanto é o litro de etanol no seu Estado? compensa abastecer com etanol?

      • Hodney Fortuna

        Etanol custa 3,45 o litro! Não compensa pois o consumo eleva-se mais de 35% em comparação com a gasolina.

  • Hodney Fortuna

    Esse Chery E5 não é o Corolla 2014?

  • Hodney Fortuna

    Agora, um carro elétrico como esse E5 custar R$ 220 mil acaba-se não tornando tão viável para quem pensa em economizar somente com combustível! É um carro que usa a base do Corolla de geração anterior então, precisa gastar antecipadamente 120 mil reais a mais para economizar gasolina enquanto um Corolla XEi custa 101 mil.

    • Daniel

      E, podendo comprar um Prius por 127mil…

  • FrankTesl

    o governo pratica insanos “desincentivos” e desestímulos aos carros elétricos. O maior deles é o insano IPI de 25%, a mesma alíquota de carros com motor a combustão de 2.0 litros mais, sendo que carro elétricos não tem cilindros.

    se não for possível isentar o IPI em razão da questão fiscal-orçamentária, que pelo menos iguale o IPI aos dos carros 1.0, com alíquota de 7%.

Quem somos

O Notícias Automotivas é um dos maiores sites automotivos do Brasil, trazendo todas as novidades sobre carros por mais de 11 anos. Saiba mais.

Notícias por email

Send this to a friend