Europa Lançamentos Mazda Salões do Automóvel SUVs

Mazda CX-30 surge como o anti-Compass da marca japonesa

Mazda CX-30 surge como o anti-Compass da marca japonesa

A Mazda trabalhou como se fosse “mineira” antes de Genebra e na mostra suíça, simplesmente sacou um novo utilitário esportivo. Pelo nome, até poderíamos pensar num sucessor do CX-3, mas trata-se mesmo de um intermediário entre este SUV compacto de 4,275 m de comprimento e o irmão maior, o médio CX-5, que tem 4,545 m.


Com 4,395 m de comprimento, 1,795 m de largura, 1,540 m de altura e 2,655 m de entre eixos, o Mazda CX-30 vai para a fila daqueles que querem bater no Jeep Compass. O tamanho desse SUV compacto revela outra novidade, a plataforma do Novo Mazda3. Apesar de compartilhar em parte o estilo do médio japonês, o crossover marca sua identidade para evitar confusão com os outros irmãos.

Mazda CX-30 surge como o anti-Compass da marca japonesa

A frente do Mazda CX-30 é bem expressiva, com faróis de LED bem puxados e com projetores destacados, tendo parte do cromado abaixo fundido ao desenho. A grade hexagonal moldada com acabamento cromado na base e deixando o capô livre, traz elementos visuais atraentes na grelha.


O para-choque tem uma boca inferior e acabamento preto na base, que segue para as saias de rodas bem protegidas, assim como as laterais das portas. Como todo Mazda atual, o CX-30 tem capô longo e cabine recuada, mas nesta as colunas C são mais destacadas, complementadas por vigias laterais pequenas, assim como as portas traseiras. Uma eventual versão chinesa deve estica-las, no mínimo.

Mazda CX-30 surge como o anti-Compass da marca japonesa

A traseira tem uma vigia ampla e acabamento em preto brilhante no defletor de ar, enquanto as lanternas seguem o estilo KODO da Mazda com conjunto circular e horizontalizado ao mesmo tempo, de aspecto bem esportivo e jovial. As rodas de liga leve aro 18 polegadas são apenas elegantes e têm pneus 215/55 R18.

Por dentro, o conjunto esporte-clássico de volante/cluster é simplesmente atraente, com difusores de ar exclusivos do condutor e uma dupla deles direcionada para o passageiro, mas lembrando um carro dos anos 70 ou 80, o que torna o conjunto realmente interessante. A multimídia fica isolada no topo e com tela de 8,8 polegadas levemente inclinada.

Mazda CX-30 surge como o anti-Compass da marca japonesa

O ar condicionado parece um sistema de áudio antigo e o console da transmissão, com botão de navegação, poderia ter sido tirado da Audi. No geral, o ambiente interno do Mazda CX-30 não poderia ser mais ocidental, quer dizer, alemão. É preciso falar do acabamento? Couro que desce do painel para as portas e cai sobre os bancos. O sistema de som Bose tem 12 alto-falantes.

Com 430 litros no porta-malas, o Mazda CX-30 está pronto para uma família de tamanho médio, que terá à disposição os motores Skyactiv-G 1.5, 2.0 e 2.5 litros, bem como um diesel Skyactiv-D 1.8. O Skyactiv-X será oferecido com o sistema híbrido leve M Hybrid. Haverá opção AWD e o câmbio automático está presente na maioria das versões. Sem preço deve ficar em torno de US$ 22.000 nos EUA.

Mazda CX-30 – Galeria de fotos

 

 

Mazda CX-30 surge como o anti-Compass da marca japonesa
Nota média 4 de 4 votos

  • Raimundo A.

    Vamos fazer de conta que a Mazda irá comprar a unidade da Ford e o primeiro produto nacional será esse CX-30 dando razão aos que relataram a montadora retornar ao país e sem nenhuma referência de vendas local se valer de produção nacional.

    • vicegag

      De asiático, tá mais para sair um China, da fábrica da Ford, do que um Mazda, afinal aqui é Braziu.

      • Raimundo A.

        Para sair qualquer coisa desconhecida do mercado e a médio prazo correr o risco de dar adeus criando problemas jurídicos com o Estado como o caso da Ásia Motors, é melhor ficar fechada.

        O que eu tenho lido é que outras empresas já estabelecidas no setor de caminhões e ônibus não querem saber da fábrica da Ford pelo simples fato de terem capacidade ociosa podendo a medida que a economia melhore não só voltar a vender mais como conquistar os clientes da marca americana que ficarão órfãos. Não é assim no mercado? A concorrência serve para tomar clientes dos outros e com isso o empreendimento de uma cresce e da outra pode acabar. Se o crescimento for muito grande, ou se expande o que tem ou adquiri o que era do outro. Esta último caso não parece o contexto porque ninguém até então está no patamar de quatro, cinco anos atrás com as vendas eram elevadas motivando até expansões, construções, vide a Honda que fez uma unidade nova e passou dois anos sem iniciar a operação.

    • Thissa Margareth

      veja “Alita: Battle Angel” neste site! está tudo lá !! copie ou clique no blog aqui: OPENSERIES86.BLOGSPOT.COM

    • TchauQueridos

      Mazda não tem renome no país.
      Aposto que a maior parte de compradores da Jeep nem sabem oque é Mazda…

      • Ueldes Damasceno

        Errou feio, tenho um Compass e aguardei ansiosamente toda vez que se dizia que a Mazda voltaria ao Brasil. Mas eu estava querendo um SUV a diesel. Tem alguma sugestão? (Tirando o Compass que eu ja tenho)

        • Vinícius Sza

          Mas você é um público diferente , que não é alheio aos carros. Imagina quem não entende nada

          • Ueldes Damasceno

            Ué, até quem não entende faz pesquisas antes de comprar. Acredito eu.

            • Benny Blanco

              Tem muito leigo por aí cara, principalmente mulheres que são raramente vistas em fóruns de discussão.

        • Alexandre Nozawa

          Estou aguardando SUV híbrido. Capaz da Mazda entrar nesse nicho de mercado porque já estão avançados no plano de eletrizar tudo e ate usar um pequeno motor Wankel como um gerador.

      • Eduardo T. Küll

        Renault não tinha nome aqui, Audi não tinha, idem para Hyundai e até Kia. Todas, de um jeito ou outro “se construíram” aqui e o fato é que Mazda se fez e faz naquilo que a Ford fracassou: uma marca generalista com boas doses de luxo. Fora que é praticamente a única montadora que se faz altamente eficiente em consumo e emissões fora do downsizing.

      • Alexandre Nozawa

        Melhor ainda, o brasileiro adora coisas novas, com a vantagem de ser uma marca japonesa. E ao menos no Japão é a marca que mais conseguiu fidelizar o cliente nos últimos anos.

        • what_the_hell??

          Tb não vejo nenhum entrave para a Mazda se dar bem por aqui! Tem carros modernos (sobretudo em motores), muito bonitos por fora e por dentro (minha opinião), e costuma ser competitiva em relação a preços no exterior, além de ser japonesa! Como já disseram, Renault, Hyundai e tantas outras não tinham tradição por aqui e estão vendendo bem!

          • Alexandre Nozawa

            O perfil do consumidor do Jeep mudou bastante principalmente depois de se popularizar com a compra da Chrysler pela FIAT. Antes a Jeep aqui no Brasil era vendida para a elite, as concessionárias ficavam em bairros caros. Hoje em dia você tropeça nos Renegade e Compass. Esse público dos Jeep de entrada não conhecem a Mazda mas os mais antigos conhecem principalmente pelo famoso motor rotativo, que aliás está para voltar este ano. Você comentou “além de ser japonesa”, mas por incrível que pareça, mercados como o europeu ou até mesmo aqui no Brasil, torcem o nariz quando você fala em carros japoneses. Não tiro a culpa desse povo, existem alguns “problemas” em carros japoneses ainda não solucionados, como por exemplo a baixa altura do teto pra quem senta no banco de trás do Corolla ou Yaris, ou a prioridade que dão em “reliability”, robustez, em detrimento ao acabamento ou novas tecnologias eletrônicas, sempre acusam os carros japoneses de não serem “equipados”. Cuidado se você elogiar o Corolla, você baixa a auto-estima de uns retardados que vêm voando pra cima dizendo que você é fanboy da Toyota, da Honda, etc. Quem conhece carros de verdade sabe que o controle de qualidade dos carros japoneses está um nível acima do restante. Podem existir erros de projeto sim, mas em termos de qualidade das peças, é inegável, basta uma conversa rápida com qualquer mecânico ou engenheiro, e não com esses retardados desinformados.

      • beto

        Por mais que seja uma boa marca não da pra confiar no pós venda aqui, é tipo a Suzuki.

    • Eduardo T. Küll

      TOMARA….

  • Maycon Farias

    Vai ser difícil combater o Compass que ja está estável e em breve deve receber facelift.

    • Dudu Pimentel

      Vdd…e olha que barato ele não nem um pouco…embora o Renegade me agrade mais no conjunto geral da obra, tenho que admitir que o Compass é o modelo certo na hora certa (tem motor Flex mais básico, mais completo e motor turbodiesel tb mais básico e mais completo, sendo o básico do turbodiesel mais completo que o flex).

      • Maycon Farias

        Além de que acabaram de anunciar o motor hibrido, vai ser bem difícil ir contra ele.

        • Julio Alvarez

          Motor híbrido somente para Europa para atender exigências de emissão a partir de 2020. Aqui pro Brasil esquece

          • Dudu Pimentel

            Esquece por ora…pq em um futuro nem tão distante, teremos modelos híbridos mais acessíveis…um ensaio para a vinda dos elétricos (hj, acho que o elétrico menos caro é o Chevrolet Bolt, mas custa uns 170 mil reais…menos caro que o BMW i3 e o Nissan Leaf e menos ainda do que qualquer Tesla.

    • Cesar

      Aí só depende da FCA. Se mantiver ele atrativo, não tem para ninguém. Agora se fizer como a Ford que surfou por mais de 10 anos em berço esplendido e deixou o Ecosport envelhecer, aí ele perde o trono.

      • TchauQueridos

        Dificil é saber qual produto ford não ficou envelhecido.

        • Mr Rafael

          Hyundai tb é outra …

    • Vinícius Sza

      Ainda acho que a FCA devia continuar a oferecer o motor 2.0, para muitos clientes do Compass motores maiores são mais “tradicionais “. Oferecer o Sport 2.0 Flex e o Longitude 1.3 Turbo seria uma boa sacada

      • Raimundo A.

        Ela pode fazer isso usando estratégias do tipo o 1.3T não seria barato, mas feito aqui o custo cai e cobraria mais que o necessário usando-o em versões mais caras vendendo eficiência. O 2.0 aspirado seria mantido para desovar a produção na América do Norte.

        • Alaor

          O Compass americano se não me engano não usa Tigershark 2.0, só o 2.4.

          • Raimundo A.

            Os dois motores são importados da América do Norte. O 2.0 é uma melhoria do antigo Compass e é empregado em produtos da Dodge e da Chrysler. O Dart, feito na plataforma do Compass, usava o 2.0, o 2.4 e o T-Jet MultiAir.
            Deve ter sido uma maneira de aproveitar o motor já que é base do 2.4L e é mais fácil um aspirado virar flex.

    • what_the_hell??

      Eu acho que o Compass reina absoluto pela simples falta de concorrentes de fato! Ele tem seus predicados, mas se houvesse um concorrente de uma marca de peso por aqui, na mesma faixa de preço e tamanho, e com um motor mais moderno (turbo, de preferência), acho que ele iria ter trabalho em se manter na liderança!

  • Piston head

    Gente cadê alguém pra banir essa spammer?

    • Vinícius Sza

      Tem que denunciar, eu denuncio todos que leio dela

  • Zé Mundico

    Bem que esse carrinho podia vir para cá pelas mãos da Toyota, pois ela e a Mazda tem parceria em vários mercados do mundo, incluindo Ásia. Para quem não sabe, o próprio Yaris é um produto da parceria da Toyota e Mazda na Índia.
    Tenho certeza que iria abalar as vendas do Jeep Compass.
    A Toyota tem que entender que não poder viver apenas de Corolla para o resto da vida. Um dia a casa cai….

    • Alexandre Nozawa

      ano passado Mazda e Toyota ergueram juntas uma fábrica no Alabama.

  • Domenico Monteleone

    Se fosse vendido aqui uma galera ia meter o pau no carro mesmo que eles fossem bons, outra ia falar mal sem saber pq. Mas como não vendem, todo mundo fala que quer.

  • globonaotemjapa

    não tem Mazda no BR

  • biscoitao

    lindo por fora
    feio por dentro

  • CanalhaRS

    Eu adoro os carros da Mazda, o design deles deixa qualquer compatriota no chinelo, mas convenhamos que esse aí ficou com cara de gambiarra.

  • Andre Studart

    A versão 2.0 NA com 4×4 e AT iria nadar de braçadas..

    Mazda, cadê voce?

  • Debraido

    SUV entra na moda > morte dos hatchs médios > SUVs começam a se parecer com os hatch > hatchs médios serão relançados como novidade em alguns anos.

    • Alexandre Nozawa

      Recomendo observar outros mercados antes de tirar essas conclusões (sonhos). O acesso ao interior do veículo se tornou fundamental e em mercados mais avançados como o japonês e o americano, os sedans estão sendo substituídos por vans e mini-vans, no caso do mercado americano, os famosos táxis amarelos (yellow cabs) estão sendo substituídos por mini-vans ou similares com portas de correr.

  • Incitatus

    Tire as logos e veremos um legítimo alfa romeo. Até o volante é alfa. Não é só chinês que copia e cola.

Quem somos

O Notícias Automotivas é um dos maiores sites automotivos do Brasil, trazendo todas as novidades sobre carros para mais de 450 milhões de pessoas, por mais de 12 anos. Saiba mais.

Notícias por email