Mercado

Mercado: Seminovo tem alta de 24,1% em 2016

gol-2014

O mercado de carros novos registra baixa de 26,3% de janeiro a maio de 2016. No entanto, os seminovos tiveram alta de 24,1% no mesmo período.

O motivo é que os preços dos carros 0 km não caíram e alguns ficaram ainda mais caros. Diante disso, o consumidor passou a considerar os veículos de segunda mão com até três anos de uso.

Pouco rodados, os seminovos atraem também por oferecer ao consumidor a possibilidade de adquirir um carro mais completo por um preço bem inferior ao de um equivalente novo, sendo os compactos populares os mais procurados.

De acordo com a Fenauto, 1.852.362 unidades foram negociadas no mercado nacional, número bem maior que os 1.492.329 vendidos no mesmo período de 2015. A alta é em maio foi de 6,7% em relação a abril e 25,3% em comparação com 2015.

Confira abaixo os 10 seminovos mais vendidos no Brasil em maio de 2016:

1) Gol – 80.083 unidades
2) Uno – 52.130
3) Palio – 45.424
4) Celta – 28.608
5) Classic – 24.354
6) Strada – 22.322
7) Fiesta – 20.920
8) Fox – 20.306
9) Siena – 19.126
10) Saveiro – 16.837

[Fonte: Auto Informe]





  • William

    Pra mim só mostra que brasileiro continua uma MULA pra escolher carro. Seja novo ou usado.

    • Leandro

      Ou não tem renda para comprar carro melhor…

      • ObservadorCWB

        Sabe que nem é só isso não. Esses carros foram líderes de vendas anos a fio. Daqui a dois ou três anos a lista muda. Veja por exemplo as vendas do HB20 atualmente, ele vai figurar nesta lista de usados dentro em pouco.

        • Leandro

          Concordo, tem isso também. Os carro mais vendidos hoje são os usados mais vendidos e procurados amanhã..

    • AugustoSeide

      Se fosse só chegar na loja, escolher e levar pra casa, certeza que a Volvo seria campeã de vendas. Mas existe a questão mais importante, a financeira.

      • William

        Tem carros usados na mesma faixa de preço desses 4 primeiros mais completos.

        • Mas todos os carros da lista são usados! E tem mais:
          -Nas mesmas condições de conservação?
          -Com assistência próxima de onde a pessoa mora?
          -Com o mesmo valor de manutenção?
          -A pessoa confia na marca? Já teve experiência com ela?
          -O que esses carros teriam a mais que os da lista, é essencial para a pessoa?
          -Os juros para pagá-los serão os mesmos em em um eventual financiamento?

          São tantas questões que não conhecemos antes de caracterizar a pessoa com gostos e necessidades diferentes da gente de mulas…

          • Bruno Luís

            Muito bom Alessandro, Willian se precipitou ao fazer esta crítica aos carro seminovos.

            • SDS SP

              Acho que ele foi mais além em dizer que muita gente rotula o outro sem ao menos conhecer a realidade.

              • Renato Duarte

                já tô cansado dessas pessoas que criticam quem compra carro popular viu. Gentinha que acha que a montadora tem que fazer o gosto deles e ponto final.

                • ObservadorCWB

                  Mas Renato….não deveria ser justamente isso ? Entendi seu ponto de vista e motivo da revolta, mas não concordo com o argumento. Quem produz tem sim que fazer o produto que agrade ao cliente.

                  • Renato Duarte

                    mas todas as montadoras fazem produtos que agradem seu cliente,, basta desembolsar o valor pedido por cada categoria/modelo que você leva exatamente o que deseja. Não se faça de bobo, sempre vai ter carros de categoria de entrada com acabamento simplório, e sempre vai ter carros com acabamento melhor custando sempre mais caro,, queira você ou não.

          • Christian Balzano

            Além de tudo isso que você falou, existe um principio lógico. Se estes carros são os mais vendidos como novos, obviamente o mercado terá a mesma quantidade a disposição de carros usados. Os proprietários são tão felizes que eles ficariam com o carro para sempre? Essa lista tende a mudar nos próximos anos com o reflexo do cenário atual, em breve os usados mais vendidos serão Onix e HB20.

        • AugustoSeide

          Longe de mim ser dono dar verdade, mas trabalhei quase dois anos como vendedor de carros usados.

          Principalmente quando se trata de seminovos, a diferença de valor entre carros de categorias diferentes se mantém na mesma proporção vista nos carros novos.

          Sendo assim, um hatch médio seminovo continua sendo (muito) mais caro que um popular 1.0 completo 0 km.

          Se, como você mesmo disse, o brasileiro for comprar um carro de categoria superior (porque isso é atitude de pessoas inteligentes, para boicotar as montadoras opressoras) a pessoa terá de comprar um carro de porte médio com 4-5 anos de uso (vai por mim, muito raros são os carros com essa idade com baixa km).

          • João Cagnoni

            Augusto, discordo de que os preços de categorias diferentes sejam tão diferentes iguais os 0km. Se fosse isso, não existiria Passat por 30k. Um Passat 0km custa 4 vezes o preço de um Palio 0km, enquanto modelos 2008 custam, respectivamente, 30k e 20k..

            • AugustoSeide

              Sim, mas eu to falando de carros seminovos, carros com oito anos de uso, minha nossa.. ainda mais sedãs grandes.. carros assim iam direto para repasse.

              Vender um carro desses é certeza de incomodação, que o cliente voltaria na loja reclamando de algum problema que para concertar sugaria quase todo o lucro da venda.

            • automotivo

              Manutenção, dificuldade de encontrar peças, consumo maior?

              • João Cagnoni

                Estamos discutindo apenas o valor do carro.

            • Renato Duarte

              passat usado custa 30 mil,, ok. mas você tem que ser mecânico pra ter um carro desses, pois além de as peças serem mais caras,, algumas oficinas olham o tipo de carro antes de determinarem o valor da mão de obra. Espero que entenda o que eu quis dizer .

        • Renato Duarte

          do que adianta pagar menos de 25 mil num fusion usado , se no primeiro defeito mecânico, compensa mais deixá-lo na oficina pra vender do que consertar??? Brasileiro não tem dinheiro pra comprar carro melhor, e não adianta usar o discurso de que comprar carro popular é coisa “otário”, pois chega a ser falta de educação isso.

    • automotivo

      Ou não coloca os BURROS n´água e comprar o carro que você pode comprar, só por que quer todos sejam iguais.

    • ‘Eduardo Oliveira

      Bem que eu queria ter condições de comprar um carro Premium, mesmo que usado. Mas não dá!

  • Allan MB

    Ai você lê a lista inteira eh paaah….
    (____/)
    ( ͡ ⚫͜ ʖ͡⚫
    👉 👉
    Tudo carro inseguro, nem airbag lateral tem!

    • Airbag lateral!? em carro popular!?

      • G.Alonso

        O Fiat Palio tem como opcional.

        • Alfredo Araujo

          Legal !!
          Me diga onde eu posso equipar com um opcional, um carro semi-novo…

          • Eu acho que ele quis alertar que um dos carros comprados usados (semi-novo? Hahahah) pode ter 4 air-bags se o primeiro proprietário colocou.

            • Bruno Wendel Marcolino

              Acredito que vai ser raridade achar um hehe

            • Alfredo Araujo

              Claro q eu entendi… rs
              Só que como o Guedes disse acima, Airbag lateral em carro popular ?
              Nem hoje em dia, em que a oferta já é maior, esse item deixa de ser raro…

              E ok… vou mudar o seminovo… rs

          • Bruno Wendel Marcolino

            kkkkkkkkkkk

          • G.Alonso

            A questão não foi essa.

            • Entendi seu ponto, mas o meu foi que numa saara de carros populares, a maioria pé de boi querer que tenha airbag lateral pra mim já é demais.

    • Fernando S.

      Eu diria pra você que metade desses carros usados vendidos da lista não tem sequer os airbags frontais e ABS, os demais só tem pq foram obrigados por lei em 2014.

      • Quando fui vender meu último Palio aconteceu uma coisa curiosa. Esperando a avaliação, entrei em uma Zafira que estavam vendendo. Estava marcando em branco no parabrisa o tradicional “completo, air bag duplo, ar, auto, ve te etc e tal”. Verifiquei do lado do banco, e vi que na verdade trata-se de uma versão com 4 airbags. Fui alertar o vendedor, que falou: “É mesmo? Melhor assim. Mas vou deixar assim mesmo”. Ele nem sabia quantos air-bags tinha o carro, mas o que me chamou a atenção foi a justificativa dele para não mudar o anúncio “Eu só coloco air-bag na lista de opcionais porque as pessoas estão vendo essa lei de air-bag duplo e falam de não comprar usado por conta de não ter as bolsas. Mas se eu colocar 4 air-bags, muitos vão perguntar: Mas tem air-bag duplo? E capaz de não levarem a Zafira achando que dois air-bags a mais a deixará mais cara de dar manutenção”.

        • Fernando S.

          AH vá? Sério? KKKKKKKKKKK

          • Achei ele meio ignorante por não conhecer o carro que vende, mas se ele está nisso e eu não, quem é ignorante? Heheh… Ele deve saber “um pouquinho” a mais que eu.
            E muitas vezes donos de loja só verificam a condição de motor mesmo.

        • João Cagnoni

          Alessandro, é triste mas eu acredito.

        • Tosoobservando

          Mesmo que diziam nos primeiros Clios vendidos no país, que eram caros de manutenção por ser Renault e por ter airbags e outras firulas. Ae a renô trouxe DAcia SAndero peladao e popularizou.

  • zekinha71

    Cadê nessa lista,os maravilhosos, Fusion, Civic, Corolla semi novos, sempre elogiados aqui.

    • SDS SP

      Sem seguro e passados para frente caindo os pedaços rs.

    • Bruno Wendel Marcolino

      Infelizmente, a maioria é manolizado e geralmente quem compra seminovo, principalmente parcelado, não quer peças caras, como é o caso dos usados que citou.

    • Snoop Dogg

      Cade os “com a grana desse popular zero km, pego um corolla semi novo com lança míssil”

    • Christian Balzano

      Eu tive um Civic, 2009 comprado em 2012 e vendido em 2015. Na época comprado por 45 mil e depreciado para 38 mil. Vendido para um comprador em Birigui. Mas a lista de carros usados é reflexo da quantidade de carros novos que foram vendidos. Se houve 30.000 mil VW GOL vendidos em 2013 e todos os proprietários se desfizessem do carro em 3 anos, hoje teríamos no mercado 30.000 VW GOLS usados, da mesma maneira que Civic vendeu 5.000, teriam 5.000 usados. Se houvesse uma procura absurda pelo Civic usado, com certeza ele teria a menor depreciação do mercado. É lógico.

      Outra questão.. é que o preço do Civic usado é valor de um Onix zero. A preferência é de cada um. Um Gol usado não custaria 45 mil reais que paguei na época, e sim, 20 mil.

      • E na verdade, deveríamos estar perto de 300.000 Gols vendidos! Pouco mais que a Alemanha fez na Copa do Mundo…

  • Felipe

    Uai… Cadê a galera das 325i 1995 completaça?!

    • th!nk.t4nk

      Esse tá com tanto imposto atrasado que não tem nem como passar pra frente…

      • Em breve em uma Olx perto de você “motor batendo saia. Não funcionar ar, vidro, trava. Andando. Documentação não compensa fazer”.

        • Bruno Wendel Marcolino

          Pior mesmo são os carros completos(-ar) kkkkk

          • João Cagnoni

            Eu já acho ridículo os carros “completos” com ar e direção.

            • Bruno Wendel Marcolino

              kkkkk, exatamente, sem (-ar) é o fim kkkkk

        • João Cagnoni

          Ainda vale a pena comprar pra fazer zerinho na rua.

    • João Cagnoni

      Eu sempre critiquei até andar em uma 328 1994. O carro é do car*… Ainda vou ter uma!

      • ObservadorCWB

        A grande maioria nunca entrou em um “carro”. Por isso o nivelamento normal por aqui é por “baixo”. Um figura da minha família ficou espantado em ver o que uma Vera cruz de quase dez anos possui, que nosso populares nem sonham. E foi resultado de conversa fiada de final de semana. O que lhe causou espanto: controles elétricos no banco do passageiro, saída de ar para as três fileiras de passageiros, com regulagens independentes para motorista/passageiro/passageiros ultima fileiras, inversor de voltagem, tampa elétrica do porta malas, faróis e suspensão traseira auto-nivelantes. O restante ele até imaginava. São dez anos nas costas para hoje termos SUV ultrapassando fácil a casa dos R$ 200.000. Tudo bem que a Hyundai ficou igual até 2012….rsrsrs

    • Eduardo Gregório

      Seminovos.

      • Felipe

        Sim. Tudo é uma questão de simiótica.

  • Louis

    Não troco de carro apenas “por trocar”, tem gente que enjoa do carro e fica trocando por outro usado, aí pega umas tranqueiras todas detonadas.
    O melhor usado é o meu, que conheço, manutenção em dia, tratado com carinho. hehehehe

    • SDS SP

      Pior que fica colocando “defeito” no carro para tentar justificar a troca.

    • Fernando S.

      Sigo essa linha também. Carro comigo é pegado zero e fica até mais de 100 mil rodados ou período de 7-8 anos. Se for pra pegar usado, fico com o meu que tem manutenção em dia e usa óleos/fluídos especificados pela montadora, não “o que estiver mais barato”.

      • João Cagnoni

        Eu só uso óleo especificado no manual, mas mesmo assim, acho essa questão um pouco exagerada. É muito mais importante trocar o óleo dentro da kilometragem e tempo especificados do que usar a viscosidade do manual.

      • João Cagnoni

        Eu compro um com 5 anos e uso e fico mais uns 8 anos com ele… Depende da situação de cada um rsrs

  • SDS SP

    Com um popular 1.0L passando dos 50k é uma opção muito válida um usado pouco rodado e mais equipado.

    Em tempos, meus atuais carros (comprados 0km) vão completar 3 anos e pelo jeito vão ficar pelo menos outros dois anos…

  • Vitão

    Engraçado, estou tentando vender o meu semi-usado faz alguns meses mas tá difícil… Acho que o povo tá sem graça msm…

    • Há muitas variáveis, meu caro.
      Vender semi-novo é fácil, difícil é conseguir o preço que a gente acha que ele vale ( leia-se FIPE).

      • lucas

        Exatamente! Existe 2 tipos caracteristicos de anúncios.
        1- o que quer vender
        2- o que quer anunciar

  • Lucas086

    Gol tem muitos anos de mercado, então a maior quantidade de seminovos/usados, por isso ele é mais negociado. Idem o Uno. As pessoas nunca vão parar comprar, só estão mudando as opções.

    • Bruno Wendel Marcolino

      Exatamente, o Corsa que era um carro muito vendido também, mas a GM retirou o nome da linha, ai já está desaparecendo das listas de mais vendidos.

  • Fernando Bento Chaves Santana

    Consertem o título. Não existe esta besteira de “Seminovo”. Isso papo de “vendedor” de carro usado de de 30, 40 anos atrás, junto com a adulteração de quilômetros rodados e “trio elétrico – ar e direção” como significado de carro completo. Ou é Novo ou é Usado. Não tem meio termo. Daqui a pouco vão fazer pesquisa sobre percentual de ágio praticado no mercado e cotação do dollar paralelo. É o fim

    • Fernando Bento Chaves Santana

      Também tinha a variação “completo menos ar e direção”

    • Sei lá, discordo. Ao pé da letra são todos usados, mas o mercado necessita de terminologias para não jogar tudo no mesmo balaio.
      Ninguém compra enganado achando que está comprando um carro zero km, compra de fato sabendo que é um usado quase novo.

      • Mas aí que está Guedes. Qual é o limite entre um termo e outro? Eu há pouco tempo adquiri um Fiesta 2008 com 15 mil km originais. Mas ele é velho. Meu Gol comprado zero km vendi com 80 mil km em dois anos como “semi novo”. Em 3 anos um carro pode mal chegar aos 5 mil… Ou aos 100. Enquanto não tiver padronização, do porque chamar um carro com cem mil de semi novo e outro com então 6 anos de mercado de usado, isso vai ser mais um semi-virgem.

        • Bruno Wendel Marcolino

          Também acho.

          Minha mãe comprou uns 3 anos atras um Gol G3 peladaço vermelho, ano 2005 por 15k, porém com apenas 33 mil km.

          O carro não tinha nada pra fazer, nada mesmo. O cara que comprou se impressionou. Impecável.

          Porém era chamado de usado, não de seminovo…

        • SDS SP

          É de segunda mão, é usado. Semi novo é um termo para valorizar o usado e aumentar sua liquidez, ainda mais na época em que as vendas do 0km dispararam e o consumidor deixou de lado o usado.

        • Entendo seu ponto de vista, Alessandro, mas não podemos pautar todo o mercado por conta de raras exceções como essa sua o do amigo abaixo.

          A regra geral é simples: o brasileiro roda em méida 12-15 mil km por ano.

          Saiu muito disso, sai da média e não pode ter aura de regra, pois não se aplica à maioria dos casos.

          • Guedes, há um equívoco no seu raciocínio. Média não significa que a maioria está naquela faixa. Se três pessoas rodam duzentos mil com um carro e outras duas rodam 10 mil com um carro, você terá uma frota com uma rodagem média de 124 mil km. Mas apenas dois carros abaixo disso, ou 40% de nosso universo de análise. E tem outra coisa também: Tomar cuidado para média não ser puxada para baixo pelos “carros de garagem”. O segundo carro para escapar do rodízio, utilizado só para viagens, só para trilhas. A média de 12 a 15 mil não significa que a maioria roda esse tanto, e sim, entre aqueles que zeram o odômetro e entre aqueles que só compram o carro para o próximo dono (Segundo os analistas de mercado do NA, a maioria dos carros comprados zero), essa é a média. Rodar 30 mil km por ano pode não ser exceção.

            • Bom, creio que você está utilizando de sofismas para justificar o seu raciocínio, partindo de premissas irreais.

              Num universo de 40 milhões de carros, uma “média” pode sim refletir boa parte da totalidade. Estatística.

              Se pesquisas políticas ouvem 3000 mil pessoas e dão a média em % de votos pra presidente com bastante precisão pro país todo, por que a média de km dos carros tbm não seria precisa?

              • “…Se pesquisas políticas ouvem 3000 mil pessoas e dão a média em % de votos pra presidente com bastante precisão pro país todo, por que a média de km dos carros tbm não seria precisa?.”

                Porque cada pessoa vota uma vez. Cada pessoa é um voto. Se a pesquisa fosse quantos carros são azuis, quantos são pretos… Aí a pesquisa refletiria a verdade. Mas no caso de quilometragem média, não. Porque um carro roda 2 mil, outro roda 10 mil, eles rodaram em média 6 mil km. E um ainda está amaciando e outro precisa trocar óleo. Comparação infeliz.
                Esses dias fui brincar aqui e aconteceu isso. Falei que com o preço de um carro (Nem me lembro qual), comprava 5 mil Tempras. São 5 mil motores (Fácil de contar, afinal todo Tempra vai ter um, como pesquisa de intenção de volto), tração em 10 mil rodas (Todo Tempra só tem duas rodas motrizes), 25 mil lugares (Todo Tempra é 5 lugares), 10 mil litros de deslocamento de motor (Todo Tempra é 2.0)… E válvulas? Isso não deu para calcular. Porque uns tem 8, outros tem 16. No mínimo seriam 40 mil válvulas, mas quantos desses 5 mil tem apenas 8V?
                Irreal é você comparar estatísticas onde você só pode ter uma opção, por isso é fácil determinar porcentagem com onde o valor pode variar. Se pensasse um pouco e usasse o exemplo correto, veria que não tem nada de sofisma: Renda salarial. Se o Brasileiro ganha em média 1100 reais, como explicar que 60% da população vive com menos de um salário mínimo?

                • Se tem 10 candidatos à presidência, não é só uma “opção”. São 10 variáveis/opções.

                  Tudo bem km as variáveis são imensas, mas se estamos falando em “média” há de ter em mente que, de fato, a “média” pode não ser a realidade absoluta, mas é uma MÉDIA que tenta refletir a realidade.

                  A questão do salário mínimo foi bem colocada por você, mas envolve também muitas outras questões que não cabem aqui.

                  • Mesmo assim, você escolhe um candidato só. Independente de ter duas opções (Ou nenhuma, como são nossas eleições! Hehehe). ou dez. Cada pessoa é um voto. Se cada Tempra ficar na fábrica em Betim e outro rodar 5 milhões de km, teríamos 5 mil carros com 1.000 km rodados cada. Mas no final teríamos 4.999 carros com “pelinhos” no pneu e outro que ia estar tão “conservado” quanto aqueles que quero comprar.

                    • Bom, pra começo de conversa você teria que aceitar o termo “média”.

                      Se bobear nem ‘velocidade média”, “consumo médio” devem existir pra você.

                      Se você não aceita, não sou eu que vou fazer com que você aceite.

                      Ninguém quer saber de média de UM Tempra em si, queremos saber a média de lm dos carros.

                      Se esse Tempra rodaSSE 5 milhões de km ( o que pra começo de conversa é impossível)
                      ele vai contribuir pra média, mas são 40 milhões de veículos, um veículo só não vai mudar o todo.

                    • Guedes, mas velocidade média e consumo médio são coisas mais simples de fazer! Nada tem a ver com quilometragem média de uma frota! Você percorreu quantos quilômetros em quanto tempo? Pronto, velocidade média! Consumiu quantos litros em quantos quilômetros? Pronto, consumo médio! Agora, se for aplicar isso para uma frota, não dá para dizer que se o consumo médio é 10 km/l, que a MAIORIA dos carros faz essa média! Esse é o verdadeiro sofisma que você atribui a mim. Você está se perdendo nos exemplos atribuindo a mim, coisas que eu não disse, que eu não penso para tentar justificar seu pensamento inicial incorreto. Média de quilometragem não significa que a maioria vai ficar nessa faixa! Como salário médio que exemplifiquei, e se falasse que a maioria ganha 1100 reais eu diria que você está mentindo, usando como fonte o mesmo lugar de onde tirei o salário médio. Falar que brasileiro anda em média de 12 a 15 mil km por mês não significa que a maioria dos carros encontrados terá essa quilometragem. Significa que entre os carros encontrados, a média será essa, sem que necessariamente tenha um carro sequer nessa faixa. Você na impossibilidade de atacar meu raciocínio está tendendo a me atacar, e sei que você não é disso. E acho que já ficou claro a todos aqui nossas ponderações. Abraço.

                    • Só um adendo, eu -talvez por milagre divino- rodo em média 12 mil km por ano.

                    • Não é milagre, e desafio você a achar um ponto onde tenha escrito isso. Certa vez fiz isso em um mês, mas mesmo para mim foi um mês atípico. Já peguei taxista que tinha feito 200 mil em 6 meses (Ele falou que trocava de óleo a cada 15 dias. Imaginei que era que nem aqueles ônibus de viagem que troca motoristas, mas passa 2, 3 dias sem desligar o motor). Rodo em média 35 mil km. Meu ex sogros de quem comprei um carro rodavam 15 mil também… Em 6 anos… E isso é completamente diferente de dizer que a maioria rodará 15 mil km por ano. E só não falo para você ir em uma concessionária ver a média de rodagem dos carros porque lá não importa: 2, 3, 4, 5, 6, 10 anos? Vão estar todos com 60 mil km! Heheheh.. Abraços.

                    • Eduardo Gregório

                      Alessandro, preciso concordar com o Guedes.
                      A amostra é muito grande, da mesma forma que tem carros rodando 100 mil km/ano, tem carros rodando 5 mil/ano.
                      De uma maneira geral o brasileira roda sim 1500 km/mês. É o normal: vai e volta do trabalho, supermercado, viaja 1x ou 2x por mês para cidades de até 200 km.
                      Em um universo de 10 milhões, 1 milhão que rodam muito ou muito pouco são minoria.

                    • Eu acredito nisso. Desde que me provem. Veja bem, nem dos 12 ou 15 mil eu sei a fonte, mas conhecendo os comentários do Guedes, acho que ele não inventaria esses números, e então tomei-os como real. Afinal, não duvidando dos números, mas questionando-os. Qual a fonte para os mesmos? Venda de combustível, atendimento em concessionária… Existe alguma fonte confiável para essa média? Agora olhemos os carros da lista: Gol, Uno, Saveiro… Essa média de 15 mil vale para eles, e seria a mesma para um Civic, um Corolla, um Fusion, S10, um Focus? Esses podem ser muito bem carros utilizados como segundo carro de quem tem um médio ou uma pickup ou como único carro de uma família que o utiliza para tudo. Mas a questão é que você está cometendo o mesmo dele. A questão não é quantos carros puxam a média para os extremos e sim o quanto eles puxam a média para os extremos. Que fossem mil carros: Se eles somam 1 trilhão de km juntos, independente de serem 1% ou a metade, eles influenciarão a média. Você viu meu exemplo de renda salarial no Brasil? Pois bem, ela é de 1100, mas mais da metade, 60%, vive com menos de um salário mínimo. A questão não é quantos % puxa a média para cima, mas quanto eles puxam a média para cima. E olha que estou falando de um universo maior que dos proprietário de carros. E a título de comparação, no caso salarial, em um universo maior que dos motoristas, quem puxa a média para cima é menos de 1% da lista? Triste, não é? Eu não duvido que o brasileiro rode em média 15 mil km por ano, ao contrário do que o Guedes quis imputar nas minhas palavras. Eu quis dizer que brasileiro ter essa média é completamente diferente de dizer que a maioria dos carros terá rodado isso por ano. Isso que eu questionei. Mas acreditarei no contrário. Basta me provar.

                    • PEDAORM

                      Idem

                  • E para complementar a resposta: Sabe qual será a média entre os eleitores de eleitor/candidato selecionado? Um candidato selecionado por eleitor. Por isso não se pode usar esse dado para comparar.

            • Felipe Gomes

              Acho que , o que ele quis dizer é que a maioria das pessoas roda 12-15 mil km por ano. Eu rodo 13.000 Km.

              • Sim, foi exatamente o que eu entendi. Mas discordei. Os carros terem essa média é completamente diferente de dizer que a maioria rodará isso.

          • alexandre

            Pois é Guedes, mas ainda estou pra ver uma Concessionária que chame aquele carro à venda, com 5 anos de uso e 100 mil km, de USADO. Vai chamá-lo de SEMINOVO e pronto. Esse termo seminovo é uma tremenda frescura…rsrsrs

            • Chamar carro de 5 anos de seminovo é calhordice, de fato.
              o consenso é que até três anos é semi-novo. Passou disso, é usado.
              Não sou eu quem diz isso, mas o mercado.

      • PEDAORM

        Exato, seminovos em sua maioria se encontram com baixíssima km e com garantia de fábrica. São os que considero comprar. É diferente de um carro realmente usado, o bem ainda está bastante distante do fim da sua vida útil. Considero uma terminologia mercadológica adequada.

  • Fernando S.

    Eu tenho uma dúvida sobre esses usados que gostaria que alguém pudesse me esclarecer.

    Por exemplo, eu levo meu carro carro na concessionária pra pegar um zero, dessa forma passo meu antigo veículo pra concessionária (1ª venda de usado) e, dias depois, a concessionária vende meu usado pra uma outra pessoa (2ª venda). A contagem é feita dessa maneira? Porque se for, os números podem ser muito mentirosos.

    • José Eduardo D’Acampora Guazzi

      Normal é você deixar uma procuração com a concessionária, responsabilizando a mesma por todos os custos a partir da data que deixou o carro e permitindo que a mesma execute a transferência de dono do veiculo. Desta forma ela fica só como intermediária na transação, como se você estivesse vendendo diretamente a outra pessoa.

      • alexandre

        Cara, aqui no Rio nunca ouvi dizer em Concessionária que não compre e transfira para si o seu usado dado na troca. É muita chateação e risco desnecessário vc vender um veículo e não tê-lo transferido na hora.

    • Fernando, semi novo teoricamente não teria a ver com número de proprietários ou de vendas, mas com rodagem e idade. Mas como não se há padronização sobre o que significa exatamente o termo, é usado para valorizar o carro.

      • Fernando S.

        Fala, Alessandro. Até esse ponto, eu até entendo… mas a minha dúvida é outra. Quero saber se pra contagem de vendas, um carro que eu vendo hoje pra concessionária e 10 dias depois é vendido para outra pessoa entra como 2 vendas (pois houve uma venda pra concessionária e depois a venda pra outra pessoa do mesmo veículo), isso aumenta muito o número de vendas desse mercado.

        • MauroRF

          Teoricamente sim, Fernando. É como se fossem duas vendas, porque houve transferência. Eu pelo menos entendo assim.

    • Bruno Wendel Marcolino

      Cara, seminovo basicamente é termo para carros de no máximo 2 ou 3 anos, talvez até 4.

      Independente de quantos donos, independente da km, é tudo livre, só serve pra tentar valorizar.

      Se um carro é ano 2000, de único dono, pouco rodado ele é usado, mas se um carro é ano 2014, 3º dono com 130 mil km rodados é seminovo….

      • Fernando S.

        Certo, mas a minha dúvida é outra kkkk. Quero saber se pra contagem de vendas, um carro que eu vendo hoje pra concessionária e 10 dias depois é vendido para outra pessoa entra como 2 vendas (pois houve uma venda pra concessionária e depois a venda pra outra pessoa do mesmo veículo), isso aumenta muito o número de vendas.

        • Ah, entendi. Acho que conta duas vendas: O carro que você está levando e o seu, pelo antigo proprietário. Afinal, sua venda para eles foi como entrada de mercadoria, não saída.

        • Bruno Wendel Marcolino

          A sim, certamente é contado duas vendas.

  • Um detalhe a ser observado. Muitos clientes que compraram o carro zero a 2 anos não estão mais arcar com o custo (manutenção e financiamento ) e estão vendendo o carro e pegando um mais em conta. em alguns casos muitos estão ficando a pé mesmo. A cinco anos atrás quase todos que vendiam um usado compravam um zero. Por isso a queda nos zero e aumento dos usados.

  • Natural no mercado. Os novos puxam o preço dos usados. Mas e aquela galera que dizia que era idiota quem comprava carro zero por causa dos aumentos? E aqueles que diziam torcer para o preço do carro zero subir mais porque ia continuar comprando semi-grávido?

    • AugustoSeide

      aushuahsuahsuahsuhau.. um mais esperto que o outro.

    • Bruno Wendel Marcolino

      Depois do 0km que comprei, só compro usado com no máximo 50 mil km e revisões carimbadas.

      Fora que geralmente são carros inteiros com manutenção e notas comprovadas e custam muitas vezes uns 10 a 15 mil a menos que um 0km, dependendo da situação.

      Sou da turma que prefere um usado mais completo do que um 0km mais pelado.

      • Eu na verdade não faço distinção entre novo e usado. Procuro o melhor negócio, independente da prateleira do mercado que vou encontrar. Nosso mercado já é tão limitado, vou ficar me limitando por dogmas que podem não fazer o mínimo sentido na prática (Falar de antemão que não compra carro usado ou novo)?

        • Bruno Wendel Marcolino

          Pois é, nunca descartei nenhum tipo de negociação, novo ou usado, mas depois da experiencia que tive com 0km, prefiro muito mais um usado.

          • Ah, eu não tenho preferência. Mas eu queria um Jipinho para escapar de um pedágio aqui da minha região por estrada de terra e ir até um mirante em outra cidade, e escolhi que meu carro teria que ter:

            -Teto Solar, já que não achei conversível que preste
            -Automático
            -Ar tinha que estar funcionando
            -Tinha que ter tração 4×4

            Quando ficaria o carro zero mais barato com isso? Usado eu achei: Nissan Pathfinder. Como não seria o carro de dia a dia, achei que podia encarar, mas achei o preço (12 mil reais) meio salgado para um carro tão velho.
            Peguei um menos velho, manual e sem teto pela metade do valor.

            • Bruno Wendel Marcolino

              Ai sim, Pathfinder eu acho show de bola, mas 12 mil está no preço das Pathfinder 94 mais ou menos.

              Sabe qual carro conversível achei por 19.900? Um Suzuki Swift conversível, ano 93 com apenas 70 mil km.
              http://rs. olx. com. br/regioes-de-pelotas-rio-grande-e-bage/veiculos/carros/suzuki-swift-54827556

              Achei demais o carro. Porém nas condições que tu citou, não lembro de nenhum conversível 4×4 kkkkk

              Alias, que carro pegou por 6 mil que é 4×4? Lada Niva? hehe

              • Ah, na verdade era ou Conversível ou 4×4. Porque eu podia até pagar o pedágio, mas seria com estilo! Hehehe
                Meu “novo” caro é Kia “Excadrill” Sportage 97 gasolina.

                • Bruno Wendel Marcolino

                  A bom hehe, ai assim sim. Compra o Swift ai, de barbada!(ele é usado ou seminovo hehe)

                  As Sportage são bacanas, tem versões a turbodiesel também que são bem econômicas.

                  • Heheh… Pior que esse carro é original! Já tinha visto Civic, Mégane e 206. O Swift não!

                    • Bruno Wendel Marcolino

                      aham, originalzinho, nunca tinha visto um tão novo em anúncios. Por isso me chamou atenção.

                      Outros que vi em anuncio esses tempos que são raros foram um Nissan Maxima 98 e um Mitsubishi Diamant SW, acho que ano 99, carros sensacionais.

                    • Esses dias achei uma Camry de 7 lugares. E um Chrysler que nem me lembro mais, mas que não sabia que vendia aqui.

                    • Bruno Wendel Marcolino

                      Ba, acho show de bola esses carros mais difíceis, porém não tenho coragem de comprar, até porque não manjo de mecânica, ai fica caro manter hehe

                      Mas falando sobre carro novo, tinha um desses prata estacionado perto de onde almoço, é um Genesis Coupe da Hyundai, o carro é fenomenal.
                      Pena que a Hyundai não vende ele oficialmente.

      • PEDAORM

        Comprei meu usado com 11 mil km rodados, na garantia de fabrica e cerca de 1 ano de uso. R$15 mil a menos da negociação que tentei no mesmo carro 0km. Minha premissa é a questão da garantia, garante minha paz de espirito.

        • Bruno Wendel Marcolino

          Que modelo é?

          Pelo visto é um modelo com desvalorização inicial bem alta. É o tipo de carro que vale muito a pena “seminovo”, e esse teu até merece ser usado esse termo, o grande problema é chamar de seminovo carros com 1 ano de vida que já passaram por 2 donos e com km alta como acontece normalmente.

          Quanto a garantia é sempre bom ter, porém se fosse um VW eu até preferiria fazer as revisões por fora, porque é ridículo ter que fazer de 6 em 6 meses, ainda mais pra quem roda pouco.

          • PEDAORM

            Focus 1.6 SE Powershift 14/15, que custava na tabela à época salgados R$ 78.900,00 , porém estava sendo oferecido com generosos descontos devido ao facelift eminente, de qualquer forma, bem distante dos R$ 58.00,00 que paguei no usado, além da melhor avaliação do meu finado Fox Prime.
            Estou argolado na revisão de 6 em 6 meses até 2019, mas procuro manter a garantia sempre, principalmente se tratando de Powershift.

            • Bruno Wendel Marcolino

              pois é, complicado.

              Mas é estranho, pois que eu saiba, nesse teu ano modelo, só a primeira revisão era com 5.000, depois vinha a de 10.000 e depois pulava para 20.000.

              Dei até uma conferida no site e realmente é isso:

              www . ford . com . br/ford/servico-ao-cliente/revisao-preco-fixo/veiculos2015/3a-revisao

              • PEDAORM

                Perfeito Bruno, erro meu.

                • Bruno Wendel Marcolino

                  a bom, menos mal então, não tá tão mal quanto os donos de Golf e Jetta que são de 5 em 5…hehe

    • SDS SP

      O preço do usado é tão alto quanto o do 0km.

      • Bruno Wendel Marcolino

        Sim, sem duvidas. Pra você ver como o preço do 0km é ridículo no Brasil.

      • Exato. Mas eu nunca vi os que defendem a aquisição de semi-virgem como prova de inteligência usando como base o preço do carro zero km em outros países, fazerem o mesmo com o preço do semi-deus nesses mesmos países.

        • SDS SP

          Sabe como é a vida nos fóruns de internet, todos fazem excelentes negócios e tratam suas realidades como verdades absolutas.

          Em tempos, se eu tivesse uma vida financeira folgada, só compraria 0km, pois não tem coisa melhor do que o cheirinho de novo rs

  • Michel Soares Pintor

    “Completo” -ar rs

  • Snoop Dogg

    UE ? Cade os super Corollas nessa lista ? abriu a boca vendeu, carro facil de comercio, o mais vendido da categoria etc etc

    • Fernando S.

      A tendência é que os carros mais vendidos em anos anteriores tenham mais saída no mercado de usados, o Prisma hoje vende muito bem zero km, mas observe que ele não está na lista dos 10 usados mais vendidos, entretanto é provável que daqui 3 anos ele esteja.

  • thi

    que mer1234 hein,sabia não

  • zeh

    alta nos usados..????o mercado caçando cliente a todo custo…em alguns sites de procura …nota-se que até os preços de particulares estão abaixo da lojas de usados…talvez as lojas estejam pagando tão pouco..que preferem vender no particular…tem loja que nem tem pego determinados usados na troca…

  • Renan

    Eu concordo com o William só tem mula nesse país quando o assunto é carro. Por isso pagamos tão caros por carros medíocres.
    Desculpa mas eu não troco nem um Honda civic ou um toyota corola usado com um pouco mais de idade por nenhum carro dessa lista de usados.
    Com 30 mil eu compro um civic completo automático, com airbag é tudo mais. Aí vcs querem me convencer aí comprar um ônix completo mais caro que isso só pq é mais novo !!!! Aaaa pelo amor de Deus

  • Martins Junior

    Só acho…carro usado para mim, só até modelo 2002 pra não pagar IPVA e comprado de particular.
    Esse é o problema do usado:
    Quem tem um carro de 40 mil e levar na agência de usados pra trocar o cara te paga 20 mil…e quer te vender o carro de leilão dele pelo preço da Fipe!

  • Italo Pereira

    Em maio meu amigo comprou meu Celta 2008, eu comprei um Fox Bluemotion 2014 e os dois carros estão na lista. Hehehe ;-D

  • Marcelo Henrique

    Carro popular no Brasil = carro usado.



Send this to friend