Mercado Montadoras/Fábricas

Mercado: Vendas para locadoras triplicam e concessionárias reagem

Mercado: Vendas para locadoras triplicam e concessionárias reagem

O mercado automotivo nacional está passando por uma mudança que, na visão de alguns, pode ser bem radical e prejudicar uma parte do setor. As vendas diretas subiram bastante nos últimos anos, ainda mais com o ingresso de milhares de consumidores com direito de PCD (Pessoa Com Deficiência).


No entanto, o mercado de PCD nem chega perto daquele voltado para as locadoras de veículos. De acordo com a Anfavea, as vendas cresceram 44% nos últimos dois anos, triplicando os emplacamentos para 520 mil carros em 2019. No mesmo período, as vendas para o cliente comum subiram apenas 14%.

O crescimentos das compras grandes por parte das locadoras não está agradando os revendedores de automóveis, visto que os volumes adquiridos por estas empresas são negociados direto com as montadoras, obtendo assim enormes descontos de uma só vez.

Além disso, as locadoras precisam ficar 12 meses com um carro para obter uma isenção de ICMS na venda do veículo, o que faz com que as lojas dessas empresas entrem no mercado de seminovos com volumes realmente muito grandes, o que também bate de frente com as revendas tradicionais.

VEJA TAMBÉM:

Mercado: Vendas para locadoras triplicam e concessionárias reagem

Essa disputa de poder entre os dois lados é favorecida ainda para as locadoras devido ao crescimento vertiginoso dos motoristas de aplicativos de transporte, que são oriundos de demissões em outros setores da economia, após não conseguirem recolocação.

Muitos não possuem condições de comprar um carro seminovo para atuar nos apps, então alugam das montadoras, que cobram semanalmente desses motoristas, que buscam uma renda alternativa enquanto aguardam nova colocação.

Além disso, a crise também afeta as finanças de empresas que operam frotas próprias, fazendo com que estas vendam seus carros e aluguem diretamente dessas locadoras.

Esse movimento só não aumentou mais, porque o aluguel de carro sob forma de assinatura para o cliente comum, não chegou em um nível de preço atraente para a boa parte das pessoas, que poderiam considerar isso a ter que comprar um carro novo, o que seria outra ameaça à posição das concessionárias.

Nessa luta, as revendas apoiam um projeto de lei que visa elevar de 12 para 24 meses, o prazo para revenda de carros de aluguel com isenção de ICMS, porém, a Anfavea se mostra contra esse movimento, indicando que os clientes de aluguel buscam automóveis mais novos para locar e as frotas ficarão com alta quilometragem nesse período mais longo.

Isso também significaria um volume maior de carros mais baratos no mercado de seminovos após dois anos, o que imediatamente impacta também nas vendas dos novos para os clientes comuns, afetando diretamente as montadoras. Para a Anfavea, locadoras e concessionárias precisam se adaptar ao momento atual do mercado. Você, cliente final, o que acha disso?

[Fonte: InfoMoney]

Ricardo de Oliveira

Ricardo de Oliveira

Técnico mecânico, formado há 23 anos. Há 12 anos trabalha como jornalista no Notícias Automotivas, escreve sobre as mais recentes novidades do setor, frequenta eventos de lançamentos das montadoras e faz nossos testes e avaliações. Também trabalhou nas áreas de retificação de motores, comércio e energia.

  • Willie Cicci

    Esse fator explica muitos fracassos e muitos “falsos sucessos” no ranking de vendas, mesmo com preços as vezes surreais, T-Cross é um excelente exemplo disso.

    • El Gato!

      Bem colocado.

      • omaisbanidodona

        ha ha ha Concessinarias que sempre gostaram de “arrancar o couro” dos clientes com revisoes e serviços desnecessarios e venda de peças super faturadas e desvalorizar os carros que entram como parte do pagamento agora vao provar do proprio veneno , acho otimo,aqui se faz aqui se paga

        • 1 Raul

          Exatamente. Em vez de fazerem promoções, buscando reduzir o preço final, vão atrás de lobby… espero que essa mudança não passe, e essa nova realidade faça os caras se coçarem, beneficiando os consumidores.

        • Toyo_Highlander fan

          Isso. Imagine uma concessionária pegar seu carro só porque é mais velho um pouco, ano 13/14 com baixissima km, tipo 13 mil km e avaliar o mesmo em 17 mil? Falo de um Nissan March 1.6 S.

    • Não acho só TCross. Para o TCRoss as vendas diretas foram a salvação para a VW conseguir os números ambiciosos que tinha.
      Mas se analisarmos um pouco mais, veremos que a fábrica de Goiana é um sucesso a base de vendas diretas.
      Daí olhamos o que acontece com a revenda dos veículos produzidos lá, uma desvalorização considerável o Compass dos produtos de Goiana é o menos pior em desvalorização, por conta do percentual de vendas diretas acima de 70% em média para os modelos fabricados em Goiana ( Renegade, Compass e Toro)
      TCross não vai tão mal no varejo, normalmente disputa o segundo lugar entre os SUVinhos com o Creta.Mas está bem longe das pretensoes da VW com sua tabela salgada e acabamento fraco demais para o valor do carro.

    • Verdades sobre o mercado

      tem modelos que estão praticamente mortos no varejo e altamente dependentes de locadoras: Uno, Logan e Voyage. Ka Sedan até vende alguma coisa no varejo, mas vende mais para locadoras.

      • D34D P00l

        A ainda existência desses alguns desses modelos no nosso mercado eu julgo como o pior efeito colateral desse boom das locadoras.
        Modelos como os Dacias eram ou para estarem extintos, ou para estarem vendendo quase a preço de custo dado o tamanho do gap que eles possuem frente aos modelos dignos. TCross idem, se não existissem locadoras, acho que a VW ia pensar 2x em querer cobrar 125k naquele monstrinho de plástico, e ia vir com preços bem mais coerentes.

        • Verdades sobre o mercado

          Eu acho válido modelos como os Dacia, só que deveriam custar menos, como na Europa.

          O T-Cross vendeu 3.600 unidades em janeiro praticamente sem venda para locadoras. A VW errou no preço mas está conseguindo agradar ao mercado, mesmo com aparência dos plásticos internos fraca. Automóvel não é só aparência.

          • D34D P00l

            Isso, me expressei errado no caso dos Dacia. Era pra eles serem uma alternativa low cost, entregando menos e custando menos, não entregando menos e custando igual como é hoje. A Dacia tem a moral de cobrar 75k no stepway.
            Do Tcross, ele é bom sim, o problema é querer cobrar 125k(consideravelmente mais que os concorrentes) sendo que ele não é absolutamente melhor que os mesmos:
            – Renegade: Acabamento(céu e o inferno comparado ao TCross), suspensão independente.
            – Creta: Porta malas e 5 anos de garantia, “status” da marca, pós venda.
            – HRV(1.8): Acabamento, porta malas, modularidade, “status” da marca, pós venda.
            – Kicks: Acabamento(de leve), porta malas, frenagem autônoma.
            – Cactus: Performance

            Sim, ele tem pontos positivos frente a esses também, mas dado que é mais ou menos parelha a coisa, o gap de preço é gigantesco, evidenciado pelo “desconto” de 20k dado na versão PCD.

          • Edinaldo_Tapica

            Rapaz, ano passado fiz essa comparação dos Dacia de lá com os Renault daqui, bem como os Nissan dos EUA (Versa e Sentra) e daqui… Realmente antes tinha diferença, mas agora tá quase igual. O problema é outro: Poder de compra que nós não temos. Produto por produto, Renault-Nissan cobra praticamente o mesmo preço aqui que lá fora…

            • Verdades sobre o mercado

              Um Sandero com kit dignidade custa 10500 euros. Um Polo parte de 16.900 euros. Preços de Portugal. O Sandero é 38% mais barato. No Brasil o Sandero equivalente custa 47990 e o Polo 53.590. O Sandero é apenas 10% mais barato. Ainda que se considere as ofertas atuais de 42.990 para o Sandero e 49.990 para o Polo o Sandero é apenas 14% mais barato. É muita diferença.

              • Luis Burro

                Mas acontece q o pivo sabe q lá é Dacia e ele ñ é vendido como Renault como ocorre no Brasil, e falar da qualidade de construção sendo q no Brasil é quase a msma coisa entre as montadoras!

              • Edinaldo_Tapica

                Não sei que cotação é essa que você tá usando. O Google tá me dizendo que €1 tá dando R$4,70 (isso sem contar lucro da casa de câmbio). Pois bem €10500 x 4.70= R$49.350, então acima do que é cobrado aqui segundo você (R$47.990 preço cheio, preço de tabela lá por preço de tabela aqui )… Você não tá fazendo as contas… Volto a falar, o problema é poder de compra, preço por preço está igual a Europa e Estados Unidos

                • Verdades sobre o mercado

                  A diferença entre um Sandero europeu e o Polo de entrada europeu não é tão maior que a diferença entre um Sandero BR e Polo BR. Ou o Sandero BR tem sua margem de contribuição muito alta ou o Polo BR tem a margem de contribuição muito menor que o Polo EUR

                • Toyo_Highlander fan

                  Vc esqueceu que o povo europeu recebe em Euro? Se fossemos calcular sua conversão o salário mínimo português que é o mais baixo da zona do euro é de 600 euros (2870 reais). Isso quer dizer que em Portugal um Sandero equivale a um ano e meio de trabalho mínimo de salário. Enquanto no brasuca um Sandero mais simples equivale a 50 salários mínimos.

                  • Edinaldo_Tapica

                    Não só não esqueci como argumentei que é a única diferença: O poder de compra diferente do brasileiro e do europeu… Você que não quis ler…

          • Luis Burro

            Volks se beneficia do Sul grande presença de descendentes germânicos, tanto q é a região onde o TCross mais vende!

            • Verdades sobre o mercado

              Seu pensamento está correto parcialmente. Os descendentes germânicos estão presentes em SC e RS(mais forte em SC), e isso tem alguma influência sim, mas há diversas regiões dos 2 estados onde a forte descendência é italiana(mais forte no RS), então isso não é única explicação para a maior venda no Sul. No estado de SP o T-Cross também vende bem. No Paraná a influência germânica é bem reduzida e ainda assim o T-Cross vende bem por lá (mesmo descontando as vendas para a locadora Ouro PReto que comprou muitos T-Cross no ultimo trimestre de 2019). Existem outros 2 fatores que influenciam a venda da VW no sul, e estão ligados sim à descendência italo-germânica que é a questão da racionalidade. O VW é um carro menos emocional do ponto de vista de impacto visual interno e externo, porém aposta em atributos mais racionais como dirigiblidade e segurança, além de ainda ter uma boa imagem de durabilidade na linha Gol e espaço no Fox. Pesa também a favor da VW na região Sul uma rede de css de qualidade bem superior à média nacional das css VW. Falo isso porque vivenciei o mercado do Sul como gerente de vendas de css VW.

              • Luis Burro

                Sim, tbm há o fator da Fabrica em SJ dos Pinhais PR … mas RS é uma mistura de germânicos e italianos ñ?

        • Luis Burro

          Nd a ver, ela já começou cobrando isto, e se coisa q todos sabemos é q dificilmente uma marca abaixa seus valores (ainda mais a Volks), o máximo q elas fazem é segurar mais tempo o valor antes de aumentar!

        • Pedro Camargo

          Falou pouco mas falou incongruência.
          TCross vende pois baixou de 10 a 15k o preço por versão na concessionária.
          50% das vendas de carro VW é direta, pois é venda com faturamento PJ e desconto. VW sempre teve políticas agressivas para PJ devido a vantagens tributárias. Nesse bolo tão as vendas de locadora, que não representam nem 20% da venda total do veículo.

    • Adriano Gomes

      Exartamente. O Jeep Renegade também é um exemplo. Olha o quanto vende no PCD e na venda direta, mas no varejo não.

    • Janio O’ brien

      justamente pois nos primeiros meses o T cross não tava nem entre os 20 mais vendidos depois das locadoras ele deu uma impulsionada fake mas deu… tanto que agora já caiu

    • TijucaBH

      O grande problema que eu vejo dessas vendas expressivas pra locadoras é que isso impacta diretamente no preço do varejo. Como? Nao existe almoço gratis, se as montadoras vendem com o preço no osso pra localiza, movida e unidas, ela precisa rentabilizar de alguma forma e rentabilizam no varejo.

      Por outro lado trocar de carro a cafa 2 anos é muiti tempo para ficar com o carro locado.

  • Zé Mundico

    Não é a toa que hoje as locadoras disputam o mercado de usados com larga vantagem, inclusive com financiamentos bem diferenciados do resto do mercado.
    Semana passada ví uma Duster 2018/2019 automática na Movidas por 55 mil, e com apenas 28 mil km rodados. Confesso que fiquei balançado para comprar para a patroa mas desistí.

    • Cristiano

      Talvez varie conforme o lugar, mas o preço dos usados das locadoras anos atrás tinham um bom desconto, agora estão quase alinhados à tabela FIPE.

    • SK15

      Fui ver uma dessas a um tempinho atras e serio pelo menos as que vi tava pior que um carro de 100.000Km foi broxante e nunca mais nem fui olhar ….

    • Toyo_Highlander fan

      Pessoalmente não gosto de carros de locadora. Muita gente já pegou na direção e não é dificil comprar um que tenha sido mal tratado por uns e até sofrido acidentes.

  • Magnamox

    A Toyota ja esta se mexendo em relação a isso, entrando no mercado de alugueis de carro e parece que a VW também esta começando, As demais também deveriam entrar, pois a montadora repassaria o carro dela praticamente a preço de custo (com desconto de impostos) para sua própria locadora, rodaria por um ano e após isso venderia um carro com garantia de concessionaria…..

    • Luis Burro

      Elas ñ tem do q reclamar, ideia ñ falta, o q flta a elas é algm q diga Ñ e q se elas quiserem elas msmas q solucionem!

  • Luiz Schuchter

    Esse tipo de mudança é inevitável…além do enorme custo-Brasil e impostos absurdos que nós consumidores temos que arcar, os atravessadores ainda querem manter a boquinha!!!

  • Deckard

    Isso sem falar no fator “caindo a ficha, aprendendo a fazer contas”, dependendo do quanto se roda é financeiramente mais vantajoso se locomover de app/aluguel a manter os altos custos de um carro próprio.

    • Daniel

      Estou caminhando para isso! Tenho hoje um Peugeot 208 1.6 2014 que fica 90% do tempo com minha esposa para levar nossa filha para escola e trabalhar. Já eu, vou e volto do trabalho de Waze CarPool (recomendo).

      É a primeira vez que temos em casa um hatch. Porém, quando viajamos o carro se mostra pequeno para o tanto de coisa que levamos. Diante disso, decidi vender e voltaria para um sedã, como o Civic 2013 que eu vendi para pegar o 208 por questões financeiras.

      Porém, decidi que vou vender o 208, pegar um Uno, Gol ou Sandero, seminovo, 1.0 e alugar um carro quando for viajar. Na ponta do lápis, sei que valerá muito a pena, ainda mais que uso o carro para viajar no máximo 2x por ano.

      • Leonardo F J

        Estou nesse mesmo movimento. Saí de um SUV para um hatch 1.0. E quando for viajar, alugo. Considerei também, ao invés de comprar, fazer aluguel mensal.

      • Murilo Soares de O. Filho

        Adoro automóvel, desde criança, porém confesso que está cada vez mais difícil manter um, o carro novo custa caro, seguro, revisão, IPVA, combustível, pedágio, estacionamento. Eu mesmo vendi meu carro, 2018 tirado zero, fui para um 2009, em bom estado e mais espaçoso. Como viajo uma vez só ao ano, e nem sempre vou de carro, não há necessidade de carro novo, viagens, quando precisar de carro, alugo um.

    • Prosecutor

      Além da boa e velha bicicleta, combatida duramente pelos capachos / capangas virtuais das montadoras.
      (geralmente executivos aposentados em seus blogs).
      Tentam desqualificar o excelente veículo – inclusive para a saúde – afirmando que a pessoa vai chegar toda molhada ou suada no trabalho entre outras coisas de menos importância.
      Eu só não uso mais a bicicleta dentro da cidade por falta de segurança. Essa é que é a verdade… Faltam ciclovias.

      • Guedes

        Isso é uma visão romantica de locomoção. Muita gente mora a muitos kms do trab e bicicleta nunca será opção. Nem carro
        Solução é transporte de massa

        • Cesar

          Em Brasilia eu estou para conhecer o maluco que topa andar 30/40 km de bicicleta para trabalhar e ao final do dia, cansado topa andar os mesmos 30/40 km para voltar para casa.

        • Prosecutor

          Ônibus pra quem mora longe, bicicleta pra quem mora perto.
          Tem um certo paisinho que funciona assim… Qual é mesmo?
          Ah, lembrei. Alemanha

          • Guedes

            Olha o tamanho da Alemanha e olha o tamanho do Brasil. E são realidadea diatintas. A grande massa de trabalhadores aqui mora no subúrbio e periferia. E a minoria que mora perto, quer luxo de carro. Aqui no rj, o centro é do lado da zona sul, área nobre. Quem mora lá tem metrô mas tem mta gente que ainda assim prefere vir de carro pro centro.
            Tinha que lascar pedágio 3m áreas centrais

      • SDS SP

        No frigir dos ovos, bicicleta é mais para quem mora perto do trabalho e normalmente é o mais rico que tem esse privilégio. Aqui em SP é quase impossível se deslocar de bairros periféricos para o trabalho de bicicleta. Não tem jeito, o negócio é o transporte coletivo mesmo.

        • Prosecutor

          Nas cidades menores, a lógica se inverte: a bicicleta é veículo de pedreiros, jardineiros e pintores autônomos.

          Voltando a São Paulo, muitas pessoas têm medo de ter seu braço arrancado e jogado no próximo rio por um motorista bêbado, já que não há ciclovia com segurança. Isso aconteceu com um lavador de janelas.
          Tinha que ter não só aqueles tachões, mas uma guia (meio-fio) separando os espaços dos veículos.

  • Verdades sobre o mercado

    Situação complicada e de difícil equação. Imagino o quanto estão sofrendo as css Renault com esta história de locadoras, pois a Renault está muito forte neste segmento e até o Kwid que até 2019 quase não era vendido para locadoras, em janeiro já teve volume significativo para elas.

    • D34D P00l

      Não é nem estar muito forte nesse segmento, é no segmento de venda normal que está muito fraco quase morto.
      Mas também pudera né, não investem um cazzo nos modelos, e são os piores em contar feijões também. Renault ainda não abriu os olhos que já acabou a época do Gol/Palio. O benchmark agora é onix/hb20/polo, etc

      • Verdades sobre o mercado

        VErdade, a maior parte das marcas apostando em produtos cada vez mais evoluídos (sofisticados seria exagero) e a Renault na mesma receita. O interior destes carros é de chorar. E a plataforma Dacia também…

  • 1945_DE

    Essa é mais uma bolha no nosso mercado automotivo que vai causar mais uma crise. O mercado interno está sendo sustentado pelas locadoras de carros, e quando eles pararem de comprar, por não ser mais vantajoso, a produção vai voltar a cair novamente. Espero que se as montadoras entrarem nessa de ter a sua própria agencia de aluguel, isso possa compensar a redução e minimizar a crise.

    • Verdades sobre o mercado

      Parece-me que este caminho da locação é um caminho sem volta. Ou vai se ampliar o prazo para isenção de ICMS na revenda dos veículos ou os próprios fabricantes vão entrar neste mercado. A primeira opção vai enfraquecer as locadoras e isso trará consequências para todos (boas e ruins). A segunda tende a concentrar o poder econômico nos fabricantes. Em ambas me parece que as css continurão sem uma boa solução para seu negócio.

      • Zé Mundico

        A única solução para as concessionárias é trabalharem associadas e adotar a venda multimarcas, onde uma loja vende modelos de diversas montadoras. Esse modelo já é bastante adotado na Europa, sendo comum você entrar numa loja independente para comprar Renault, Audi, Honda, Skoda, Mercedes, Ford, Citroen, Bmw, etc., etc.
        Aqui no Brasil isso precisaria ser regulamentado pois afetaria o ramo de financiamentos, tributação, garantias, seguros e outras variáveis comerciais.

        • Edson Fernandes

          Isso seria um problema maior. Permitir vender produtos de outras fabricantes, poderia trazer a falta sensação de manutenção de qualquer marca em qualquer lugar.

          E ficaria desproporcionar vc dar para algumas fabricantes, um montante maior para suprir de manutenção e fornecimento de peças. Além do que, pense que é um ganha pão importante para uma fabricante em uma cidade onde tem 1 ou 2 marcas de automoveis.

          • Verdades sobre o mercado

            Em Natal um grupo que operava Kia agora está operando Peugeot e Citroen com 3 show-rooms contíguos no mesmo prédio e utilizando a mesma estrutura de pós-vendas para as três marcas.

            • Edson Fernandes

              Eu entendo que exista donso de concessionaria que façam isso, só estou dizendo que nem sempre isso é tão interessante em diversos pontos do pais pois para o fabricante isso significaria vc ter feito uma parceria em que teve toda a estrutura que agora é usada como multimarcas. É até um modo de controlar um mercado mais distantes de grandes centros ou cidades maiores.

            • Borges

              Aqui em Maringa-PR esta igual. Sao 2 grupos. 1º tem 3 marcas no mesmo espaço (só é separado por umas divisórias) GM, Jeep e Audi. 2º tem Renault e Ford.

          • Zé Mundico

            Nada a ver. Hoje toda montadora tem alcance nacional e as vendas multimarcas ajudariam a disseminar ainda mais as marcas por todo o país.
            Claro que isso iria forçar uma maior concorrência entre as montadoras por melhores preços e prazos, o que seria excelente para estimular a concorrência e baixar preços e juros.
            Imagine você entrar numa loja independente e ter 4,5,6 opções de um determinado modelo a sua escolha. Aí você poderia escolher o que melhor caberia no seu bolso, o melhor juro, o melhor prazo, a melhor garantia.etc.
            Enfim, teríamos CONCORRÊNCIA de verdade, e não esse mercado cartelizado e viciado por práticas abusivas que temos hoje.

            • Verdades sobre o mercado

              Não existe mais cartel neste mercado(macro) faz tempo. Existem ainda no ambiente micro(algumas praças). O que existe é um oligopólio, mas as marcas concorrem entre si por maior espaço ao sol. A grande prova disso aconteceu no período de 2008 a 2013 onde o mercado estava em franca expansão (e portanto fácil de absorver reajustes de preços) e os preços dos automóveis ficaram estagnados. Se fosse cartel todos teriam aumentado seus preços e lucrariam mais, era o momento propício para isso.

            • Edson Fernandes

              Sim, a pergunta que te faço é…. as fabricantes iriam aceitar perder sua exclusividade para permitir no espaço criado e ajudado pela fabricante para vender outros produtos. ?

            • Sabe que até hj não entendo porque uma mesma concessionária não vende carro 0 de duas marcas diferentes. E mais, em algumas cidades o dono de duas concessionárias de bandeiras diferentes é o mesmo, mas em prédios separados. Porque não unir tudo no mesmo local e assim diminuir os custos.

              • Cesar

                Exclusividade

          • Eduardo 1981

            Não tem nada a ver. Visão “curta” de mercado.

            Para os fabricantes ampliariam sua rede de venda, tendo no mínimo um revendedor em cada município do pais.

            Para os concessionários também seria melhor, pois teriam muitos mais “produtos” em sua “prateleira” para ofertar ao consumidor, gerando assim uma chance de venda muito maior.

            Enfim, ganham todos: fabricantes, concessionários e clientes.

            • Edson Fernandes

              Só quero ver se a exclusividade iria permitir tal situação…

              • Eduardo 1981

                A exclusividade realmente não permite, mas aí entra a reengenharia de vendas. Amplia os horizontes.

                O fabricante que muito quiser exclusividade, em um modelo de vendas de mais ampla concorrência pode até perder o concessionário, que vai preferir fabricantes que permitem vendas de conglomerados ou, até mesmo, trabalhar com seminovos. Inclusive já tem um movimento a esse respeito, o dos seminovos.

                Por outro lado, o que aceitar, ganham uns 3500 pontos de venda! São 5570 municípios em nosso país. As marcas com mais concessionários, por exemplo, tem de 450 a 500 pontos de venda. Nada mal passar a ter 700% de aumento nisso.

    • Pedro Camargo

      Locação é caminho sem volta, por conta dos aplicativos e uma parcela crescente da população que aluga carro ao invés de comprar, tendo em vista que a aquisição está cada vez menos lógica.

  • Antonio_Brust

    A quantidade de pessoas que estão alugando veículos para trabalhar como motoristas de aplicativo é surreal, seja por querer poupar o veículo próprio ou por não poder adquirir um veículo dentro das condições exigidas. Creio que aqueles que alugam para necessidades pessoais sejam minoria. Daí que está vindo a gorda margem das locadoras, que já estão passando a investir na locação de veículos com GNV. Tenho conhecidos que trabalham nessa escravidão… rodam pelo menos 12h por dia e, descontados a porcentagem do aplicativo + aluguel do veículo + gastos com combustível, sobra um montante que praticamente não compensa a informalidade. Tristes reflexos de uma realidade econômica onde poucos vendem lenço pra quem tá chorando.

    • Janio O’ brien

      Vi muitos motoristas de aplicativo em SP trabalhando sem parar para cobrir as despesas totais, nós brasileiros temos que suar muito, por muito pouco é triste mas é real

    • Nelson Oliveira

      E é isso que não entra na cabeça da população. Tem gente achando que o cara quer trabalhar de motorista de APP (tendo essa porrada de gastos, fora o enorme risco de assaltos) porque o cara simplesmente quer. Eu digo que tenho conhecidos que ganhavam (antes do desemprego) algo em torno de 9 mil reais mês e tão ralando com Uber pra pelo menos pagar as despesas básicas de casa. Tem gente que não tem noção da realidade de vida do povo e fica comentando besteira na internet

      • luis32xyz

        Sensacional teu comentário, o desemprego teve um mínimo histórico em 2014, antes do impeachment e da reforma trabalhista, disseram que com a reforma trabalhista ia chover empregos e pelo contrário, diminuiu e aumentou a precarização. Esse exemplo do teu conhecido diz tudo, antes da reforma trabalhista ganhava 9 mil, e agora é motorista de App.

    • Ricardo Silva

      Estava demorando esse tipo de comentário … Melhor mesmo é ficar desempregado … tá certo …

      • Pedro Camargo

        Pois é. O cara é um sem noção

    • Pedro Camargo

      Cala boca Antonio. Seu comentário não condiz com a realidade.
      Conheço gente que tira mais de 4k mês depois de todos custos, e que estava desempregada antes.
      Seu comentário é sem noção

  • Fábio

    Acho que a melhor coisa é deixar a briga de concorrência ser livre. Concorrência é receita para o desenvolvimento, melhorias é melhores condições para o cliente.

  • Antonio Marcelo Oliveira Carva

    Como consumidor final está impraticável comprar carro zero km… Só se usar muito e ficar com ele 5 anos.

  • Janio O’ brien

    O mercado nacional tem inviabilizado totalmente que o consumidor brasileiro tenha condições de ter um carro 0km, como já mencionei em outros comentários a tendencia é que o brasileiro mais jovem vá deixando de achar que possuir um carro seja algo desnecessário no momento.

    • Zé Mundico

      O que não deixa de ser verdade. Ter um carro hoje em dia é uma fonte de gastos e prejuízos que poucos podem suportar.

      • Janio O’ brien

        Mas é isso mesmo, comprei dois carros 0km em 2018 e outro em 2015 E HOJE eu jamais teria coragem de repetir esse feito tendo em vista a quantidade de despesas geradas de forma absurda, provavelmente compraria um semi novo e se morasse em uma cidade como SP nem sequer compraria.

        • RPM

          Rapaz…..já cheguei a ter 3 carros,hj, tenho 1 e se pudesse o venderia….carro é fonte de rasgar dinheiro…rs

          • Janio O’ brien

            Totalmente, não conto as viagens que deixei de ir por conta das despesas com ipva , revisão na css seguro entre outro deméritos oriundos desse pais

    • Nelson Oliveira

      Pois é. É uma coisa que nunca entendo esse sensacionalismo de falar que as vendas de carro 0 ainda continuam boas. Tem concessionária da chevrolet da minha cidade que ainda tá com um monte de onix antigo mofando no estoque; imagina as demais. Se você contar financiamento, IPVA, combustível (que tá muito caro), a conta fica muito alta, sem contar que o brasileiro está com a renda totalmente estagnada.

      • Janio O’ brien

        População com renda Super estagnada, praticamente com salário contado, muitas dívidas, entre outras as coisas…

  • Alvarenga

    Este é o pais das distorções. Outra coisa que deveriam legislar é contra o lançamento de anos modelo novo logo no começo do ano. devia ter um limite mínimo como setembro ou outubro por exemplo pra poder virar o modelo.

  • G. de F.

    Locadoras, pelo volume de compra, mandam e desmandam no mercado de seminovos, e de novos em alguns casos também. Essa é a realidade. E o que antes se resumia a veículos de “entrada”, hoje não é mais. Basta ver nos site de seminovos das principais locadoras do país para ver C180, BMW 320, Audi A4, Passat e outros mais em menor quantidade.

    Ou as revendas descobrem um caminho para tentar vencer a concorrência das locadoras, ou essa disfuncionalidade do mercado só tenderá a aumentar.

  • Carlos AM

    Outro problema que enxergo além dos que já foram abordados nos comentários é o preço do semi-novo.

    A locadora já compra bem abaixo da tabela (descontos, isensão de imposto, etc).

    Rodam os 30k anuais e depois colocam à venda.

    Esses descontos refletirão no valor de venda, afinal eles terão margem.

    Mas quem sai perdendo é o consumidor comum, que comprou o veículo com preço cheio, rodou pouco, cuidou muito do veículo e na hora de vender poucos vão valorizar isso. O preço será fator decisivo e vão acabar indo nas lojas de semi-novos das locadoras.

    Isso está criando uma bolha no mercado de semi-novos “puxando para baixo” os valores.

    • Verdades sobre o mercado

      Locadora não tem isenção de imposto na compra de veículos.

    • Guedes

      Sim sim. Tá osso vender carro usado.

    • Nelson Oliveira

      Mas as proprias lojas de semi-novos também não facilitam. Eu comprei um hb 18/18 na Movida, com 34.000km por R$ 33.000. Nas lojas que pesquisei, ou os carros estavam totalmente maquiados ou eram modelos parecidos, com mais tempo de uso e km maior.

  • kirig

    Para eles pagarem preço baixo, sobra para os “outros”, que somos nós. Mais uma boquinha bancada com o dinheiro de pagadores de impostos.

    • Verdades sobre o mercado

      Você está equivocado. Qualquer comprador de qualquer produto consegue preços mais baixos quando compra em quantidade e ainda mais com frequência

      • kirig

        falo de mamatas tributárias

        • Verdades sobre o mercado

          As locadoras pagam os impostos normalmente na compra

          • kirig

            Então pague imposto cheio para os Pj’s terem desconto. Seja feliz

            • Verdades sobre o mercado

              Vantagens tributárias na compra de veículos novos é exclusividade de PCD, taxistas e embaixadas.

  • Prosecutor

    Eu estou pensando seriamente em alugar um veículo pelos próximos 2 ou 3 anos para experimentar.
    E isso se dá pelo seguinte: o fato de que as concessionárias derrubam o valor do carro usado na hora da troca.
    Então a culpa é deles mesmos…

    • Ralex

      Fiz isso. O modelo q iria comprar custava 120k. Se eu ficar 2 anos, qusndo for vender sera algo prox a 90k (30 de perda) conforme se comporta o mercado, alem desses 30, teria 2 ipvas e 2 seguros (aprox 15k no meu perfil/cidade). Entao em 2 anos foram 45 de perda + manut.
      Aluguel. 24x de 1980. Sem incomodo com seguro, manutencao incluida, .. sem sofrer ou ter trabalho pra revenda e a cor que eu quiser.. sem se preocupar em preto prata ou branco pela venda depois.

  • Paulo Vítor

    Ótimo mercado para as LOCADORAS, que vendem o veículo um ano depois por um preço mais alto do que pagaram, fora os lucros com o aluguel. Péssimo para o consumidor porque essa grande oferta de usados (e as condições de venda das locadoras) derrubam o preço do semi-novo. A tendência é o consumidor ficar mais tempo com o carro, o que se volta contra as montadoras…

    • Verdades sobre o mercado

      Não vejo este preço de usados ser derrubado pelas locadoras não. Os preços praticados por eles são normais com o mercado, exceto algum lote grande cujo mercado daquele modelo esteja fraco.

  • Fabio Marquez

    Nós consumidores estamos nos ferrando, compramos sem descontos para locadoras ou grandes frotas, quando vamos revender nossos carros eles estão ainda mais desvalorizados, pois não é respeitada a tabela fipe na hora da negociação. Nosso mercado automotivo está destruído, quero ver quando a bomba estourar, em quem vão bota a culpa…

    • Guedes

      Exato. Tá surreal vender carro usado. Td mundo só quer pagar 20% menos do que a FIPE . Antigamente er só concessionárias que tinham essa conta…

      • Vinicius Gamer

        Vc paga FIPE em um carro? Em qualquer época sempre se negociou o preço do carro abaixo do preço de tabela.

        • Selsu Brass

          Mas quem é esse “deus” FIPE que todo mundo tem que andar de 4 para a avaliação deles????? Na minha opinião essa FIPE devia ser fechada, estou notando que quem paga um “jabá” p eles os carros estão super valorizados, enquanto outros, é queda livre todos os meses……

        • Prosecutor

          Isso só funciona quando o preço de compra é barato.
          Nos Estados Unidos um carro cai pra 40% do valor inicial em poucos anos. Mas pra comprar um carro zero custa 30 mil dólares, e ainda um belo carro.
          Aqui um carro familiar de tamanho médio está na faixa dos R$ 100 mil.

          Observe quais os fatos que ainda mantêm as vendas de carro no Brasil pra Pessoa Física….
          Baixa desvalorização, boa revenda, baixa manutenção. Veja quais são os carros mais vendidos no varejo (descontando PCD e locadora): Corolla, HRV, Hilux…
          Então a questão da desvalorização é cada vez mais importante para o consumidor.

        • Guedes

          Quando comprei meu Golf usado, fipe dele era 67. Paguei 63.500. À época tinha gente quw vendia golf acima da fipe. Hj a realidade é td mundo querendo pagar 20% menos que fipe.

    • Ricardo Silva

      E quem disse que a FIPE deve ser respeitada em algum momento? FIPE serve apenas como uma base de negociação … se você compra carro pagando a FIPE, tá rasgando dinheiro …

  • Fabio Marquez

    Únicos números que podemos levar a sério no mercado são da Honda e Toyota, que não entraram na mafia do PJ, pois ele não é lucrativo. O resto é tudo inflado por falsos emplacamentos e carros vendidos a lucro zero para morfarem em patio de locadoras.

    • Pedro Camargo

      Você acha que venda pra locadora tem lucro 0?
      kkkkkkkk Inocente.

  • afonso200

    essas fotos do NA, sao la de 2011 …… ta velha essas fotos

  • PH Sacchi

    As concessionárias poderiam exigir melhores preços para poder vender, mas a ganância das montadoras não deixa aí querem reclamar das locadoras, o mais interessante é que quando querem promovem reduções de preço de determinados modelos que ás vezes beiram os 10 mil e duvido que não tenham nenhum lucro…

  • Leonardo

    ANFAVEA recebendo uma propina fudida das Locadoras, até que tô gostando.

    • Selsu Brass

      Igual a FIPE, uns modelos eles aumentam o preço, outros, despenca todos os meses….

  • Sem interferência do governo nesse caso, por favor.

  • HENRY ME

    Um dia vai chegar fim da maioria das concessionárias

  • RicardoVW

    Como tudo no Brasil, vendas diretas virou safadeza, na maioria dos casos!
    Empresários comprando com CNPJ e não usando o carro para a empresa!
    Agricultores comprando com desconto para ir ao shopping!
    Homem comprando carro para si em nome da mulher com deficiência!
    Deficiência mínimas dando direito aos descontos!
    E quem paga toda a conta? A grande maioria dos trouxas!

  • Joao Silva

    Dependendo de onde a pessoa mora é o que ela faz , não vale apena ter carro ;melhor aluguel .

    • Prosecutor

      Se for pra financiar e pagar juros, alugar dá quase na mesma.

      • Pedro Camargo

        Aluguel compensa mais até que aquisição a vista. Só fazer conta de custo de oportunidade do capital, desvalorização, seguro, IPVA, manutenção, e ainda opção de compra no final do carro com um puta desconto, que dá para até arriscar comprar ou pra ficar ou revender. Mercado de compra de carros vai enxugar. Mas o certo não era concentraar locação nas locadoras e sim os bancos de montadora fazerem isso, como é nos EUA. O famoso leasing operacional americano.

  • SDS SP

    É um caminho sem volta e o mercado tradicional vai ter que se adaptar a nova realidade.

    • Prosecutor

      E a resposta é clássica: tecnologia.
      As concessionárias vão ter que cortar custos (grandes show rooms, grande número de funcionários) e passar a trabalhar mais com vendas virtuais.

      • Ricardo Silva

        Se melhorassem o atendimento já seria um grande avanço …

  • paulo loyola Loyola

    Isso não está pior, por quê aqui no Brasil, carro por assinatura ainda é inviável para pessoas físicas, ainda mais com as condições impostas pelas locadoras, como o limite de Km e etc. Então, se um dia, ficar acessivel carro por assinatura, aí sim as CCS e revendedoras de usados vão ter que se reiventarem. Fiz uma simulação de carro por assinatura, e confesso que ainda está muito longe de ser bom negócio. Quem sabe um dia……

  • Helder

    O exército de sub emprego de motorista de aplicativos cada vez mais vai aumentar, isso já era previsto neh, enquanto o resto dos empregos vao colapsando , cada vez mais carroças alugadas circulando no nosso trânsito, infelizmente estamos talvez em um caminho sem volta

  • Luis Burro

    Mas estas montadoras são umas antas, pra q vender pra locadora se elas msmas podem alugar seus carros e vender depois de um ano???
    Pra variar elas tão sempre reclamndo e culpando os outros pelos erros próprios!!!

  • thiago m

    Na minha visão, a tendência é a figura do concessionário (que no fundo atua como atravessador e mecânico chancelado) desaparecer. Timidamente montadoras estão vendendo pela internet, como a Citroen com o C3 start, e começando a alugar os próprios carros, como a Toyota. Se eu estivesse na posição de concessionário começaria a considerar seriamente uma transição para outra vertente do mesmo mercado.

    • Ricardo Silva

      Também não entendo essa obrigatoriedade de existir um atravessador (concessionário) na venda de um carro 0.

      • Guedes

        É tipo frentista kk

  • Luis Burro

    Tbm acho q o prazo de ICMS deve ser extendido ou revogado e psgar como todo mndo… e como os veículos passam por diferentes condutores dá pra confiar no estado do carro e q a manutenção está em dia???

  • Ralex

    Isso influencia também PF que compra certos modelos. Coitado de quem comprar um Renegade e tentar vender daqui certo tempo. Alem do mercado comum terá como concorrente a Localiza Movida entre outras dando procedência e ipva. Vai ser dificil conseguir boa venda em certos modelos queridinhos das locadoras

  • Ricardo Silva

    Hoje até quem tem unha encravada está comprando PCD …

  • daniel ferreira

    nesse jogo de gato e rato as montadores levam levam sua fatia, seja incentivando locadoras, pcd…..coitado do ZÉ que vai na loja e compra um zero pagando cada centavo, se tiver sorte ganha um joguinho de tapetes kkkkkkk, esse é a PÁTRIA AMADA BRASIL &&&&&&

  • Toyo_Highlander fan

    As revendedoras tem tornado o sistema de “compra fácil”, um termo dado ao sistema de leasing a qual vc dá uma entrada, paga uma “pequena” parcela e no final uma parcela residual de 30% do carro aproximadamente. Para quem pensa em trocar de carro a cada três anos pode ser uma boa, mas tem o lado ruim de ter que reservar todo o mês uma quantia considerável para pagar a mensalidade, fora outros custos como combustíveis, revisão e os malditos IPVAs, licenciamento e o seguro obrigatório. Possuir carro no Brasil se tornou uma coisa financeiramente inviável.

Quem somos

O Notícias Automotivas é um dos maiores sites automotivos do Brasil, trazendo todas as novidades sobre carros para mais de 450 milhões de pessoas, por mais de 13 anos. Saiba mais.

Notícias por email