Lançamentos Mercedes Benz Sedãs

Mercedes-Benz Classe A Sedan 2019 estreia para o mercado mundial

Mercedes-Benz Classe A Sedan 2019 estreia para o mercado mundial

Lançado inicialmente em versão com entre-eixos alongada exclusiva para o mercado chinês, o novo Mercedes-Benz Classe A Sedan 2019 agora faz a sua estreia para o mercado mundial. O novo modelo chega para se posicionar na porta de entrada da gama de sedãs da marca alemã e herda uma série de características dos outros carros da marca, como as tecnologias oriundas do topo de linha Classe S.


No visual, o novo Classe A Sedan segue o mesmo padrão do Classe A hatch de nova geração, em especial pela dianteira compartilhada entre ambos os modelos. Todavia, a traseira tem um formato mais bem definido, com caimento suave do teto e o terceiro volume que segue o mesmo desenho. A traseira do carro é menos saliente que a do CLA, que segue sendo vendido como o cupê de quatro portas da gama.

Mercedes-Benz Classe A Sedan 2019 estreia para o mercado mundial

A carroceria foi desenhada para fazer do Mercedes-Benz Classe A Sedan 2019 o carro mais aerodinâmico do mundo. Ele traz coeficiente de arrasto (Cd) de apenas 0,22, o menor entre todos os automóveis produzidos em série atualmente. Isso graças à área frontal de 2,19 m² e ainda novos conceitos de vedação, revestimento quase completo na parte inferior da carroceria, spoilers otimizados, pneus e rodas mais aerodinâmicos, entre outros.


Ele mede 4,54 metros de comprimento, 1,79 m de largura e 1,44 m de altura, com distância entre-eixos de 2,72 m. Já o porta-malas tem capacidade para 420 litros.

Mercedes-Benz Classe A Sedan 2019 estreia para o mercado mundial

O interior também segue o mesmo padrão do irmão dois-volumes, com destaque para o sistema MBUX com três opções compostas por dois displays (dois de sete polegadas, um de sete polegadas e outro de 10,25 polegadas ou dois de 10,25 polegadas). Há também iluminação ambiente com 64 opções de cores, head-up display, entre outros.

A lista inclui ainda recursos de assistência ao condutor como o Active Distance Assist (ajusta a velocidade quando se aproxima de curvas, interseções ou rotatórias, por exemplo), Active Brake Assist (freia automaticamente para evitar colisões traseiras ou contra pedestres ou ciclistas), Pre-Safe Plus (reconhece uma colisão traseira iminente), Active Lane Keeping Assist (alerta o condutor e até corrige a direção em caso de saída de faixa), sete airbags, faróis Multibeam LED, entre outros.

Mercedes-Benz Classe A Sedan 2019 estreia para o mercado mundial

O Classe A Sedan 2019 estará disponível na versão A200 com um motor 1.4 turbo de 164 cv e 25,5 kgfm, acoplado ao câmbio 7G-DCT de sete marchas e dupla embreagem, e na A180d, com um 1.5 turbodiesel de 116 cv e 26,5 kgfm, também com a transmissão de dupla embreagem.

A novidade sairá da linha de produção de Rastatt, na Alemanha, e de Aguascalientes, no México, e será apresentado ao público durante o Salão de Paris, que acontece em setembro. A expectativa é que o novo Mercedes chegue ao Brasil no primeiro semestre de 2019 sob importação do México.

Galeria de fotos do novo Mercedes-Benz Classe A Sedan 2019

Mercedes-Benz Classe A Sedan 2019 estreia para o mercado mundial
Nota média 4.3 de 3 votos

Leonardo Andrade

Leonardo Andrade

Leonardo atua no segmento automotivo há quase nove anos. Tem experiência/formação em administração de empresas, marketing digital e inbound marketing. Já foi colaborador em mais de sete portais do Brasil. Fissurado por carros, em especial pelo mercado e por essa transformação que o mundo automotivo está vivendo.

  • Raul Cotrim de Mattos

    Carro todo arredondado, mas as lanternas dianteiras com ângulos quase retos. Fora o desenho do capô e do teto, que poderia ser todo de vidro, ou ser melhor desenhado… pra mim ficou bem estranho.

    • Vitor Santos

      Vejo que temos especialistas em designs aqui! kkk O carro tem a melhor aerodinâmica do mundo justamente por causa dessas linhas…

      • Raul Cotrim de Mattos

        Aí é questão de opinião. Eu não gostei e ponto, por isso escrevi ‘PRA MIM’. Mudar um pouco esses elementos que citei não mudaria significamente a aerodinâmica. É só ver os comentários abaixo para ver q não sou o único.

    • catucadão

      carro é bonito mais não vejo sentido nisso é uma classe que não deveria existir

  • cepereira2006

    Acertaram a traseira, mas essa frente caída tá medonha.

    • th!nk.t4nk

      Pior que pessoalmente não parece caído. É que eles fazem essas fotos de ângulos horríveis. Nas ruas ele me parece bem diferente, com faróis espichados, frente bicuda, bem esportivo. De qualquer forma é o mini-sedã de entrada da Mercedes, não é pra ser carrão, e sim o produto mais simples deles. Considerando isso, ficou bom até demais. Por 20 e poucos mil €, vai vender bem pra jovens.

      • Não sou muito chegado no conceito de design da Mercedes, mas esse ficou muito bonito, na minha opinião.

      • fschulz84

        Exato… Eu particularmente gostei… E nesta faixa de 20 e poucos mil Euros, realmente será interessante no mercado europeu…

    • Guilherme Gimenes

      ha meses atrás vi o hatch com essa mesma frente, e fico bonito sim..as x a foto nao valoriza..ao vivo sao outros 500

    • catucadão

      gostei do interior com linhas azul maneiro

    • Wilson Junior

      E mesmo assim é um dos que tem o desenho mais acertado, comparado ao resto da linha MB.

  • Alexandre

    Carro muito bem desenhado pela MB, porém no Brasil chegará com aquele precinho camarada que será complementado com o Lucro-Brasil e turbinado pela alta carga tributária.

    • Não concordo com o termo “lucro-Brasil”. Vendas industriais funcionam da seguinte forma: a empresa estima quantas unidade quer vender aproximadamente e estabelece um preço com alguma margem de lucro que a apeteça. Se vender mais que o estimado, há margem para subir o preço, se vender menos, há necessidade de ajuste por intermédio de descontos ou algo do gênero para tentar alavancar seu comércio.
      Acaba que é o mercado que regula o preço do produto, em especial para carros de alto preço e baixíssimo volume de comercialização, como é o caso dos produtos de marcas premium.

      • Eduardo Brito

        Mas que o lucro aqui é mais alto que de outros países isso é fato.

      • Alexandre

        Discordo por três fatores
        1 – O lucro-Brasil é bem superior ao lucro-Alemanha, lucro-EUA, lucro-Japão, etc.. A própria Auto Informe Molicar fez estudos que demonstram que o lucro-Brasil gira em torno de 30%, enquanto na média global fica próximo aos 15% (ou seja, montadoras estão lucrando o dobro aqui). Não atoa, na crise financeira do Subprime nos EUA em 2008/2009, as montadoras estadunidenses (Ford e Chevrolet) arremeteram mais de 2,5 bilhões de dólares (de lucro) para os EUA para ajudar no rombo e impedir que elas entrassem em concordata (Chapter 11);
        2 – A própria FIPE (quem estabelece a referencia do preço médio de veículos no Brasil), sugere que os primeiros 3 anos de uso do veiculo recebam a maior parcela de desvalorização. Ou seja, a FIPE sabe que o preço do 0km estava muito alavancado e penaliza nos anos seguidos para se equiparar com o mercado global. Dai vem alguém e fala: “Ah, mas na Alemanha, Canada e EUA também tem uma desvalorização mássica nos primeiros anos”. De fato tem, mas nada comparado aos números no Brasil.
        3 – Os empresários aqui sofrem muito com a carga tributaria (isso é um fato), porém no intuito de aumentar sua lucratividade eles botam a culpa no governo (carga tributaria). Ao melhor estilo: “Bom, já está tudo cagado eu vou ter que arrancar minha fatia maior e botar a culpa no governo”. Podemos ver claramente isso no seriado “O Mecanismo”, em determinado episodio, Selton Mello vê que o sistema brasileiro (tanto politico como econômico), está dependente de aditivos e um acaba culpando o outro para justificar “seus erros”. No final das contas, consumidores finais pagam por todos os erros do sistema.

        • Wilson Junior

          Realmente, se for verificar por quanto um mesmo modelo é vendido nos EUA, a conta não fecha. Lembrando que esse o valor MSRP já está incluso o lucro da montadora.
          Isso sem contar que depenam o carro pra vender aqui.
          Mas uma coisa é fato, o americano é muito mais exigente e valoriza muito mais seu trabalho que qualquer brasileiro. Eu não consigo processar o quanto de carro zero está sendo vendido mesmo praticando preços astronômicos! Os preços mais caros do mundo e os carros mais defasados!
          Até na Índia os carros são lançados antes que no BR.

        • São marcas demais atuando no nosso mercado para acreditar na possibilidade de todas elas conseguirem se alinhar para praticar preços com sobre-lucro. Há que se analisar nossa insegurança jurídica, a imprevisibilidade total de regras, a imprevisibilidade dos custos trabalhistas futuros… essa margem avaliada de 30% é um tanto quanto otimista, considerada diretamente na venda do produto. Esquecem de avaliar que anos após a venda os custos de um produto continuam crescentes, via de regra, em especial na produção automotiva.
          No fim, se o lucro fosse tão elevado, muito fácil seria uma montadora entrar aqui com preços bem agressivos e ganhar uma fatia grande do mercado. Vemos que mesmo as que praticam preços mais módicos buscando um lugar ao sol, o fazem muito timidamente, em percentuais não muito significantes com relação à concorrência.
          Vale frisar que os custos de produtos industrializados em geral no Brasil são elevados em praticamente todos os produtos por aqui produzidos. Não é um fenômeno restrito ao mundo automotivo.

          • Alexandre

            Todas elas estão embaixo do guarda-chuva da ANFAVEA, um gigantesco oligopólio que só sabe pedir mamata para o governo central. Você mencionou sobre insegurança jurídica e imprevisibilidade de regras. Se fosse assim Russia e Ucrânia estariam com preços abusivos de veículos (que se comparado ao Brasil – salario minimo e PIB per capita – estão bem abaixo). Os custos de produção aumentam de fato (por isso há inflação), só que estudos mostram que os custos de produção não aumentaram na mesma proporção da elevação de preços recentes. Vamos lembrar que nos últimos 4 anos tivemos sucessivos aumentos nos preços dos carros não apenas relacionados a inflação, mas também a retirada do IPI majorado. Que cá pra nós, que sentido faz esse Rota 2030? Nenhum. Estamos caminhando para o inicio da terceira década do seculo XXI e o governo brasileiro está “investindo” em basicamente combustíveis fosseis. Enquanto o mundo está preocupado com energias renováveis.

            O Brasil é um mercado peculiar em todos os aspectos, se botarem preço muito alto, brasileiros não compram porque não temos dinheiro, muito baixo idem (é o caso dos chineses que perdem na credibilidade). No final das contas, na salinha da ANFAVEA todos os representantes sentam na mesa redonda e estabelecem uma margem bem gorda (oligopólio) e o governo venda os olhos porque sabemos que está cheio de lobbysta automotivo em Brasilia.

            • Então tá certo. A gente continua replicando o discurso socialista dos nossos governos travestidos de capitalistas de que a culpa é sempre do empresário, e segue o barco, nada vai mudar nunca na Banânia.
              Vale lembrar de que até nossos liquidificadores são caros. Todos os produtos manufaturados no Brasil são caros, até artesanato no Brasil é caro.
              Nos grandes eventos esportivos ocorridos aqui em 2014 e 2016, o que mais chamou a atenção foi o fato de os gringos não consumirem absolutamente nada industrializado por aqui, simplesmente pelo fato de tudo que é preço ser absurdamente elevado. Há grandes oligopólios em todas as cadeias produtivas industriais então, é essa a conclusão?
              Um carro de luxo custa o equivalente a 20 I-phones no Brasil, companheiro. Se olhar por esta ótica, o automóvel até parece muito barato.
              O problema está muito além da possibilidade quase fantasiosa de tantas empresas distintas atuarem em um mercado e conseguirem acordo para estabelecer preços abusivos. Você acredita mesmo que uma PSA, por exemplo, se sente como cordeirinho na mesa da ANFAVEA pra acordar os preços de seus carros com uma participação de menos de 2% do mercado nacional? Não dá né.
              Há baixa produtividade, custos elevadíssimos de energia, transporte, impostos, leis sociais, a já citada insegurança jurídica (é elevadíssimo o custo com corpo de advogados em qualquer empresa brasileira hoje), dentre muitas outras coisa. Não estou dizendo que a margem seja de lucro seja baixinha. O que estou dizendo é que as margens estabelecidas, na grande maioria dos casos, não caem de para-quedas do céu. Enquanto se grita alto de que o empresário brasileiro vive de margens absurdas, ano após ano nosso parque industrial diminui, com o nosso segundo setor tendo cada vez menos participação na economia. Deve mesmo ser a primeira vez na história da humanidade que um setor que trabalha com lucros abusivos vá encolhendo de tamanho. Aqui se produz mesmo tantas aberrações econômicas… tudo é possível.

              • Alexandre

                Percebi que você gosta de dar a ultima palavra, pode ficar com ela então… Agora, é sério que só porque falei sobre lucro-Brasil você “supunhetou” que sou de esquerda? kkkkkkkkk #TaSerto #PodeÇim

                • Em nenhum momento supus ou mencionei que você seja de “esquerda” ou “direita”. O que fiz foi dizer que o Brasil é um país semi-socialista que se diz capitalista, com quase toda a economia tendo que passar pelo Estado, e que a ideia de demonizar o empresariado e poupar o Estado pelas mazelas é sim, um tanto socialista.
                  E não, não gosto de dar a última palavra, tanto que estou lendo atentamente sua opinião e considerando-a com carinho, caso contrário não estaria respondendo. Isso é consideração, e não contraposição pura e simples. Você está argumentando de forma clara, e eu estou fazendo as respostas cabíveis também de forma clara, tentando justificar meu posicionamento. No diálogo, se você não explicar bem sua opinião, não tem sentido.
                  Sinceramente, eu não vejo com clareza o tão propalado “lucro Brasil”. Noto bem mais claramente o “custo Brasil”. Enquanto ficamos aqui bradando que as empresas estão lucrando demais, a maior parte dos carros de maior valor agregado vendidos em nosso mercado já são importados de México, Argentina, Europa… no Brasil mesmo, o parque industrial já se resume (raras exceções) à montagem de veículos das categorias mais básicas ou montados sobre plataformas compactas. Isso não seria normal em um mercado onde o lucro do setor automotivo é dito como absurdo.
                  Desculpe se não me fiz compreender. Abraço.

              • Daniel Thomé

                Ubaldir, agradeço imensamente a sua paciência de escrever aqui! Eu mesmo já pensei e até iniciei digitar toda essa explicação…mas no meio do caminho simplesmente desisto porque sei que a grande maioria aqui prefere acreditar nas teorias “conspiratórias” e “monopolistas” do capitalismo e ainda vão te demonizar. Simplesmente não entendem o custo de um quadro político-econômico instável. Recomendo a tríade estudar-trabalhar-empreender para quem quer entender tudo isso. É a melhor escola!

  • Dod

    Não ficou exatamente feio mas a traseira poderia ser um pouco mais alongada, combinaria melhor com a frente e deixaria o desenho mais fluido.

    • TFSI

      Exatamente um ponto que eu iria comentar, o balanço traseiro não acompanha o design como um todo do carro. Parece que alguém passou a colher e comeu a traseira. Merecia um pouco mais de lata.

    • Allan Guimaraes

      Para isso tem o CLA, certo?

  • Jorge Osório Cortese Magalhães

    Painel ‘prateleira’.

  • Robinho

    Não consigo gostar deste painel…

    • Mambo Ted

      Por foto tinha achado o do classe e feio tb , porém em uma viagem peguei um táxi com classe e 2018 , sensacional. Painel fantástico.

      • Robinho

        é pode ser que quando eu ver um ao vivo, mude de opnião…

    • Johnalton Hermes

      Pegaram dois tablets, colaram um no outro e colocaram no lugar do painel. Como é mercedes-benz ninguém fala, mas tá horrível. A ideia é boa, mas não da forma como fizeram.

    • mariombneto

      Achei o painel medonho!

  • rodrigosr

    Lindo por fora, mas ainda não consegui gostar desse painel.

    • Lucasss

      Cara, esse painel pessoalmente é um espetáculo, eu lhe asseguro. É aquele típico interior que por foto é uma coisa e pessoalmente muda totalmente. A impressão de luxo grande, cheio de couro, black piano e aço escovado.

    • th!nk.t4nk

      Cara, já dirigiu um Classe E? É a experiência mais próxima do MBUX disponível no Brasil atualmente. E é sensacional. Você tem acesso a todas as informaçoes praticamente sem tirar os olhos da estrada. O acabamento também é espetáculo. Enfim, pessoalmente (e principalmente dirigindo o carro) acredito que você mudaria totalmente de opiniao.

  • Bruno Silva

    Espetáculo, o A3 vai ter que mudar logo pra acompanhar. É interessante, cada geração nova BMW, Mercedes e Audi, um vai superando o outro, é uma briga interessante. O Classe A Sedan tem tudo para virar um sucesso se vier competitivo.

  • Mauro Banqueiro

    A audi manda lembranças

  • Joaquim Grillo

    Lindo como 90% dos MBB

  • CanalhaRS

    Algum grande designer ajude a MB, por favor!
    Que carros medonhos que andam saindo de lá.
    Nesse caso do classe A sedã, além da traseira genérica (que repete o problema do hatch) ainda está curta demais (reparem no balanço).
    No painel esse tablet, sem nenhuma cobertura por cima, dá uma aflição. Parece que foi improvidado lá e deve dar trabalho para visualizar com o sol batendo no interior.

    • Charlis

      Pensei que fosse o único, mas fico feliz que não!
      Achei medonho essa nova geração.
      Pior que eu sou fan da antiga.
      Conseguiram acabar com o carro, por dentro e por fora.

      []s

      • th!nk.t4nk

        Palavra de quem já usou os antigos e novos Mercedes: não olhem só o visual. O que interessa nesse caso é a ergonomia. A tela flutuante permite ter acesso a todas as informaçoes sem tirar os olhos da estrada, praticamente. Nem o melhor HuD do mercado hoje é capaz de dar tantas informaçoes ao motorista quanto esses novos Mercedes, na altura certa dos olhos. Hoje se dirijo um carro com as telas lá embaixo, me dá uma aflição. Parece que entrei num modelo dos anos 90, onde a eletrônica nao faz parte da conduçao praticamente, nao é devidamente integrada ao veículo. Enfim, minha sugestao é: usem o carro antes de tirarem conclusoes. No fim das contas a beleza acaba virando um item de menor importância, à medida em que você tem a possibilidade de usufruir do que o carro tem de melhor.

        • Esquilo Tranquilo

          E é tendencia visto que facilita o emprego destas telas nos carros, pois dispensa uma “traseira” no display.

        • Charlis

          Eu não concordo em totalidade.
          Pra mim a beleza tem que estar sim em evidência se tratando de um Mercedes.
          Do contrario, compraria um Prius.

          E mesmo assim, ainda estamos só dentro do carro.
          Eu também detestei ele por fora, rs …

          []s

          • th!nk.t4nk

            Prius? Caramba Charlis, entao pra você a diferença entre um Prius e um Mercedes é só o visual? Hehe. Aí complica cara.

            • Charlis

              Fui hiperbólico aqui, e expliquei meu ponto de vista no comentário que acabei de fazer pra ti.

              []s

        • Tinha muito preconceito com estas telas na parte superior e flutuando. Dirigi uma por 15 dias e achei muito bom e teria um carro assim tranquilamente. Mas olhando por fora do carro continuo achando feio.

      • Guilherme Gimenes

        veja ao vivo.. gostará mais do q nas fotos

        • Charlis

          Possivelmente semana que vem terei essa experiencia.
          Posso morder a língua, mas plena certeza que não vou gostar.

          []s

  • Razzo

    Este design externo caiu melhor no sedan que no hatch.
    Em tempo, este painel MBUX é show !

  • A.Lai

    Achei muito bem resolvido, pena deve vir a preço de classe C, enquanto este deve ficar para mais de 200k

  • Júnior Nascimento

    O banco concha seria um grande diferencial.

  • Isaac Barreto

    Só não curtir essa painel de instrumentos acoplado com a central multimídia, não tem harmonia com o resto do conjunto.

  • Iran Borges

    Adorei. Me lembrou o lancer de alguma forma.

  • V12 for life

    Nesse mar de SUV’s é bom ver o lançamento de um sedã, até essa dianteira está parecendo menos feia.

  • Allan Guimaraes

    CLA + Audi A3 = Class A Sedan. Simples assim.

  • Lucas Teixeira

    me apaixonei por esse carro, e o melhor de tudo é que vai ser um “carro de entrada” da marca, vai ser bom se as configurações de compra dele forem amplas, porque se tiver uma versao mais basica dele que nao tenha esses velocimetro e o conta giros, até se fosse um fisico esse painel ficaria muito mais lindo

  • Alexandre Furtado

    Esse 1.4T já é o motor de origem Renault-Nissan ?

  • BMWM

    Lindo carro, mas o design frontal da classe A e CLA são imbatíveis até agora.

  • catucadão

    não vejo sentido e tem sedã compacto médio Premium isso é estranho….

  • Maycon Farias

    Esse carro é realmente incrível. Que interior fantástico! !!

  • fsjal

    A traseira da primeira CLA era melhor resolvida

  • Vitor C

    A traseira curta deixou ela um pouco desproporcional, parece muito o que acontece com os sedãs compactos, não ficou bom.
    Se tem uma coisa que eu aprendi na facul de design é faça primeiro o sedã e depois o hatch pra não acontecer isso…

  • Valter Silva

    O que mais me incomodou foi esse “mega tablet” no painel. Na minha opinião um painel mais pro tradicional cairia melhor.

    • Johnalton Hermes

      Pensei a mesma coisa, parece que colaram dois tablets um no outro, dá a impressão de coisa improvisada. A ideia é boa, mas não da maneira como fizeram.

  • Eduardo Edu

    Pois é…

  • Regis Mantovani

    Nas fotos pelo menos aparente ser o melhor design que a Mercedes lançou, agora em termos de painel eu já melhores.

  • Fernando Bento Chaves Santana

    O melhor desenho da MB desde o primeiro CLS. Seria bacana a MB voltar a acertar uma série longa e consistente de bons desenhos, como foi entre os anos 60 e 80, pois desde a metade dos anos 90 o design da marca foi marcado por altos e baixos.

  • Gannicus

    Pra quê um A alongado se já existe o C?? Chinês tudo xarope.

  • Ricardo Blume

    Achei lindão, só preciso me acostumar com o painel.

  • Unknown

    Bonito por fora. A frente está lembrando, vagamente, a do Mustang (somente em relação ao caimento dos faróis). Mas este painel com dois tablets na horizontal não me apetece…

Quem somos

O Notícias Automotivas é um dos maiores sites automotivos do Brasil, trazendo todas as novidades sobre carros para mais de 450 milhões de pessoas, por mais de 13 anos. Saiba mais.

Notícias por email