Finanças Governamental/Legal Mercedes Benz Montadoras/Fábricas

Mercedes-Benz diz que sem Rota 2030 fica difícil produzir carros no Brasil

mb-iracemapolis Mercedes-Benz diz que sem Rota 2030 fica difícil produzir carros no Brasil

O Rota 2030 ainda está parado. Há 11 dias do fim da vigência do Inovar-Auto, o novo programa automotivo nacional ainda está no Ministério da Fazenda e sem previsão para ser liberado. A Anfavea já até desistiu de esperar e diz que um marco regulatório deve ser instituído até o fim do mês em substituição à nova política, que ficará para 2018 ou além.



As montadoras, por sua vez, também aguardam ansiosas pela nova política, mas a Mercedes-Benz alega que sem ela, não será possível manter a produção de automóveis no país. De acordo com o presidente da empresa, Philipp Schiemer, sem incentivos fiscais fica “difícil” produzir os carros em Iracemápolis-SP, pois a planta exigiu R$ 700 milhões em investimentos, mas mediante apenas às condições do Inovar-Auto, que sobretaxou os importados e deu vantagens para a fabricação nacional.

mb-iracemapolis Mercedes-Benz diz que sem Rota 2030 fica difícil produzir carros no Brasil

Como o Inovar-Auto acaba em 31 de dezembro, a Mercedes-Benz vê a necessidade de se continuar com o mesmo tipo de incentivo com o Rota 2030. Schiemer diz: “O problema é acabar com tudo de uma vez. Nós nunca fomos favoráveis à limitação de importações, mas o fato é que fizemos uma fábrica seguindo uma política do País. Se agora vamos ficar sem nada a situação fica difícil”.

Com produção de baixo volume, cuja capacidade anual gira em torno de 20 mil unidades, a Mercedes-Benz fabrica atualmente os modelos Classe C e GLA, empregando cerca de mil funcionários na instalação da região central do estado de São Paulo. Embora boa parte dos componentes seja importada, a planta paulista possui processos de estamparia, soldagem, armação de carroceria, pintura e montagem final.

Porém, a expectativa inicial de produção nunca foi atingida, sendo que a previsão para 2017 é de 7 mil carros feitos em Iracemápolis, número distante até da metade da capacidade local. “Com volume tão pequeno fica inviável”, diz Schiemer. Alegando que é mais barato importar, o chefe da Mercedes-Benz sugere: “Uma das medidas talvez fosse reduzir o imposto de importação de componentes” e completa: “Não achamos que isso seja protecionismo, é preciso ter alguma vantagem para continuar a produzir aqui”.

mb-iracemapolis Mercedes-Benz diz que sem Rota 2030 fica difícil produzir carros no Brasil

 

Schiemer alega que os custos são mais altos do que a demanda local exige e também diz que não adianta exportar para compensar essa queda nas vendas no mercado interno. Por conta disso, a única saída na visão da empresa é mesmo o Rota 2030, que garantiria benefícios fiscais para manter a operação atrativa no Brasil.

Philipp Schiemer defende a nova política: “Tem de sair, porque senão todo um setor vai ficar sem previsão do que fazer. A principal vantagem do Rota 2030 é de trazer previsibilidade para o setor, isso é fundamental para nortear nossos investimentos”. Audi, BMW e Land Rover também apostaram no mercado interno ao instalarem plantas de produção com baixo volume no País.

[Fonte: Automotive Business]

COMPARTILHAR:
  • Wellington Myph13

    Bem vindo ao Brasil Mercedes, um país onde não existe planos de negócio, é tudo feito de ultima hora, e de preferência, com buracos pra se mudar quando der vontade.

    • Raimundo A.

      A Mercedes se sujeitou ao risco porque quis e não é a primeira vez. O Classe A monovolume veio com vantagens fiscais e a demanda baixa associada a forte concorrência dos franceses descontinuou.
      Depois veio o C que chegou a ser vendido in loco me parece, mas optaram por exportar aproveitando a estrutura ociosa do A.
      Esse Inovar Auto criou ilusão de viabilidade para produção local sendo a demanda baixa demais para o alto valor dos produtos, mas quiseram apostar e mais uma vez alegam que produzir só com vários incentivos fiscais. Até quando?
      Abrindo as portas com a Europa via acordo, em algum momento importar esses que estão sendo montados aqui não fará sentido exceto se a demanda crescer muito e exportação também para a operação ainda ser atrativa. Do contrário, será melhor fechar.
      Dessas marcas premium, a única que realmente poderia produzir porque outros produtos ajudariam na viabilidade é a Audi. BMW e MB não deveriam ter criado produção local porque estamos muito longe de 1/4 do que os EUA compra.
      Pra ver, a unidade daqui da MB pode fazer até 20mil ao ano. Em três meses o zerOnix vende isso e nem este ano vão conseguir atingir a metade da capacidade.

      • Cesar

        Permita-me uma correção: O zeronix está vendendo isso em praticamente um mês.

        • Raimundo A.

          Grato e corrigido. É porque beira ao absurdo um veículo inseguro vender tanto, mas a maioria não liga.

      • Louis

        A Honda, vendendo o que vende, não teve coragem de inaugurar sua 2a.fábrica por aqui, mesmo ela estando praticamente pronta. É mais vantajoso vender um pouco menos, do que abrir uma fábrica ociosa.

        • Raimundo A.

          O que ela vende atende a capacidade das unidades ativas , então não é vender menos. Ativar a unidade nova para não atingir o necessário para cobrir custos é melhor adiar, e ainda assim existe um prejuízo porque houve investimento para fazer a unidade, componentes sem uso também se desgastam, etc.

          • Martini Stripes

            Você acha que a Honda pagou por algo ali?
            O que vc entende por subsídios?

        • Eduardo Zacchi

          Mas tá lá!!! Em Itirapina/SP… Moro em Nova Odessa (25km de Campinas/SP) e sempre vou a Bauru a negócios, passando pela fábrica da Honda!
          é uma tristeza só ver aquilo parado quando poderia estar empregando milhares de pessoas e produzindo riquezas para o país!
          Me pego pensando: que m… que o governo anterior fez!!!

        • ObservadorCWB

          Lucrar MUITO em POUCAS unidades…é isso que todos sonham. É o contrário do ideal do capitalismo. Mas Brasil é o país dos contrários mesmo.

        • Filipe

          Corrigindo: é mais lucrativo para as montadoras no Brasil venderem menos com lucro maior por veículo, do que vender muito com um lucro menor! A lei SA oferta e da procura na bananolandia simplesmente não existe

        • Schack Bauer

          Enquanto nosso mercado for fechado do jeito que é, infelizmente vai ser assim. A gente vai sempre ser uma Galápagos automotiva, que qualquer praga dizima metade da fauna local. A gente tem que abrir urgente nosso mercado. Exportar e importar mais, aumentar a escala de produção via aumento do comércio. Não dá pra se confiar só no mercado local como queria Mantega, Diuma e Delfim.

    • Renato Duarte

      Brasil não produz nada de alto valor agregado. Mineração é pequena,, não temos montadora genuinamente brasileira. Brasileiro acha que só trabalhar com excel já dá direito de ter um carro europeu na garagem. Fica dificil desse jeito. Temos que aceitar a realidade de que o brasil não produz alto valor agregado e que isso influencia muito no quanto iremos ganhar em relação aos outros países do mundo.

      • celso

        “Mineração é pequena” ?????????

        • Renato Duarte

          Em comparação com o tamanho do nosso território,, ainda tem pouca,, muito pouca pra transformar o brasil em grande produtor de minerais….

          • th!nk.t4nk

            Fora que o Brasil exporta basicamente minérios de baixíssimo valor, além de usar processos altamente poluentes e ser uma atividade centralizadora de renda (da forma como o setor é explorado no Brasil).

            • Dario Lemos

              Deveriam ter optado por exportarem produtos industrializados (alto valor agregado).

            • Renato Duarte

              Soma se a isso tudo o fato de que as mineradoras importantes, estão sob controle estrangeiro,, ou seja, não adianta muito elas estarem instaladas no nosso território se grande parte da riqueza produzida vai pra fora do país.

          • Marcos Pastori

            A maior produção e reserva de minério de ferro do mundo fica exatamente aqui, em Carajás, PA. É só procurar saber mais sobre a empresa VALE, uma das 3 maiores do mundo, junto com BHP e Rio Tinto.

            Ouro, uma das maiores produções do mundo, ver empresa AngloGold Ashanti.

            Nióbio, 98% da produção mundial e reservas minerais estão aqui no Brasil (Sul de Minas).

            Posso ficar a noite inteira aqui citando bens minerais que produzimos e exportamos.

            Maior despaupério que já ouvi na vida.

            Trabalho na Mineração, e você está muito desinformado, assim como grande parte do Brasil, sobre nossas reservas e números de produção.

            • Ronaldo

              Pena que vendemos a preço de banada, está o exemplo do Niobio

            • Renato Duarte

              Acabei de pesquisar aqui e não é o brasil o maior produtor de minério não,,, Tem China e Austrália na nossa frente como maiores mineradores,, INFELIZMENTE sua informação está um pouquinho desatualizada. E se o seu ramo de trabalho não se cuidar,, vai acabar sendo ultrapassados pelo Canadá. Ah,, pelo que eu andei pesquisando aqui,, todas as empresas que você citou, estão atualmente sob poder de capital estrangeiro, inclusive “PARTE” das ações da Vale,, ou seja, nossa riqueza está indo para outros países ( um desperdício ).

              • Marcos Pastori

                Minério de Ferro sim é a maior produção do mundo.
                Caso não saiba, vivemos um sistema chamado capitalismo. A Vale é uma empresa de capital aberto, qualquer um pode comprar e vender ações. Você acha que os australianos e chineses são donos de TODO o capital de suas empresas ?
                Não vamos ser ultrapassados pelo Canadá. Vale acabou de abrir a mina S11D em Carajás, maior produção do mundo e em uma única mina. Ela simplesmente vai inundar o mercado de minério, os australianos e canadenses e etc, já estão preocupados.

                Quem é de fora como você continua não conhecendo o mercado.

                • Renato Duarte

                  Meu cheque mate fica por conta das remessas que essas mineradoras vão enviar pra fora,, fazendo com que o PIB brasileiro fique abaixo de 1%. Adianta pouco elas explorarem,, fazer o capitalismo em solo brasileiro existir “na teoria”, se tudo vai pra fora. O minério brasileiro pode render TRILHÕES, mas não é suficiente justamente por isso. Nosso capitalismo foi vendido pelo governo socialista,, e assim ainda dependemos mais de carne e soja do que do minério. Essa sua aula de economia aí,, eu já tô calejado de tanto assistir no Jornal da Globo.

      • carroair30

        Aqui é um dos poucos paises do mundo onde as empresas e principalmente as montadoras querem algum beneficio do governo,tem que ser como nos EUA e em algums paises da europa:QUER MONTAR UMA EMPRESA ? SE VIRA,QUEBROU…FDS….e se a MERCEDES acha que nao é viavel o BRASIL ,PEDE PRA SAIR…

        • Renato Duarte

          Se for assim como você menciona,,, aí é que o brasil se torna mesmo uma verdadeira horta de 8 milhões de km quadrados.

          • Costarlc

            Com certeza. Qualquer negócio visa lucro e despesas pagas. No Brasil, o samba do crioulo doido, impera. Nada acontece. Com excesso de burocracia, impostos, custo elevado de mão de obra e energia, tudo se torna difícil e para ajudar, as regras são criadas e mudadas. Cabe lembrar que é um avanço se produzir Audi, MB, BMW, Land Rover em nosso território e de fato se não fechar a conta, as montadoras fecharão e se adaptarão a nova realidade, como já aconteceu quando o antigo Classe A foi descontinuado em Juiz de Fora e o ônus ficará com os desempregados diretos e indiretos. Nosso Brasil precisa de reformas, de mudança desse modelo ridículo de governo, de redução de impostos e redução da máquina pública com a finalidade de se dar condições das empresas prosperarem, de se ter trabalho que por consequência tudo vai funcionar, mas não com esse modelo político que ora atua.

            • Renato Duarte

              concordo com você,, é assim que penso também.

        • “Perguntador”

          “,tem que ser como nos EUA e em algums paises da europa:QUER MONTAR UMA EMPRESA ? SE VIRA,QUEBROU…FDS” não é bem assim né, o governo americano ajudou as montadoras deles no auge da última crise nos EUA senão a GM (ou a Ford, não lembro) teriam quebrado, isso foi noticiado na época. A questão é que a indústria automotiva gera muito emprego e impostos para o país, não é tão simples “deixar quebrar”. No mundo ideal nenhum setor teria mais incentivos que outros, mas em nenhum lugar do mundo é assim.

    • celso

      …E onde o lucro é exorbitante.

    • Ubiratã Muniz Silva

      Insegurança jurídica aqui é mato.

      • Alexandre Maciel

        A lei tem prazo para parar de produzir efeitos. Qualquer fabricante sabia disso. Falar em insegurança POLÍTICA é muito mais apropriado já que a legislação sempre previu o fim dos incentivos.

    • Filipe

      Basta molhar a mão dos governos! Sempre foi assim e assim será!! Que diga a CAOA!!

    • carroair30

      O MERCEDES aqui ja tem muita MONTADORA COM O “CHAPEU NA MAO” NAO PRECISAMOS DE MAIS NENHUMA

    • Robert Dniro

      O que da mais raiva esse maldito governo desesperado com a reforma da previdência, e o Rota2030 parado.

  • Louis

    Caíram no conto do vigário de Garanhuns…

  • vicegag

    O Brasil não é um país sério.

    • Dario Lemos

      Você esperaria algo de diferente com a índole de um povo que quer ser sustentado pelo Estado?

  • Elfo Safadão.

    Caraca, mas já sabemos que se eles deixarem de pagar imposto quem vai pagar é povo….

    • Bufallobill

      Eles não pagam impostos, pois os impostos (custos) são repassados para o consumidor no preço do produto, logo no final quem paga imposto é o consumidor.

      • Elfo Safadão.

        Me referia ao fato que se o governo corta de um lado (da incentivos) aumenta de outro (aumenta alíquota dos demais impostos pra compensar uma eventual perda na arrecadação)…
        Bem, no final que se lasca é a população.

      • Ronaldo

        Mais pura verdade… No brasil o poste mija no cachorro….

  • Alexandre TRE

    Corajosos, isso é terra de ninguém.

  • CanalhaRS

    A velha ladainha dos fabricantes. Sempre ameaçando ir embora caso não sejam satisfeitas suas vontades.
    Produzem veículos aqui a 60 anos, passaram por várias crises e sem incentivos, agora fazem esse dramalhão mexicano.
    Duvido alguma marca fechar plantas e abandonar o país.

    • Filipo

      Eu não duvido, pois é fato que têm vendido pouco, mas concordo que a maior parte desse discurso seja uma ladainha, como de costume. É muito “mimimi” dos fabricantes aqui no Brasil!

    • Ronaldo

      E eu apoio que continuem a “Chorar” só assim pra esse governo dar atenção para a ROTA 2030, caso contrário vai ficar na gaveta até quando ?

  • Bruno_Mgá

    É muito MIMIMI, sabemos que o Brasil contempla uma das maiores margens de lucro por unidade vendida.
    PORÉM, concordo que o custo por unidade fica muito mais alto em uma planta ociosa, que produz só 7mil carros por ano, que uma na Alemanha produzindo 100, 200mil.

    • carroair30

      Eu nao tenho DO QUE A MERCEDES ESTUDE O NOSSO MERCADO E SE ENQUADRE NELE,NAO PODE TER NENHUM INCENTIVO FISCAL,QUEM NAO TEM CMPETENCIA QUE NAO SE ESTABECA

      • Esquilo Tranquilo

        hã?

  • Esquilo Tranquilo

    Não existe vantagem local, só existe uma política que inviabiliza a importação para parecer que vale a pena montar aqui na Banânia.

    • jonases

      Exato, não existe vantagem pra ninguém. Existe só desvantagem, que o governo cria pra parecer que os demais tem vantagem.
      Mas todos que começam a produzir aqui entram logo na dança, e torcem pra que o governo ferre quem traz de fora, pra manter sua “vantagem” relativa. Pois aqui sempre foi e sempre será péssimo produzir.

  • Nicolas_RS

    Ainda sonho de noite que um dia empresas que se fazem de vitima vão levar uma multa equivalente a 6 meses de lucro.

    • Esquilo Tranquilo

      Difícil né, enquanto os poderosos da indústria mandarem no país e usarem o orifício do presidente como parque de diversão, nada mudará. Se algo prejudica os lucros, eles choram e a presidência já faz algo pra eles sossegarem.

  • Sérgio Barbosa

    Tomara que o Rota 2030 não venha mesmo. Ainda mais para salvar uma plantinha de mil funcionários que produz 7k carros por ano.

    • joao vicente da costa

      Produziu mais que a Venezuela inteira… hehehe

      • Bruno Turola Felicio

        Mais do que muitos paises europeus também

  • bbmp_

    O custo fixo de uma planta no altera devido as vendas. Sendo assim, eles tem SIM prejuizo ao operar com 30, 40, 50% da capacidade.
    Nao podemos ser contra a reducao/politica de isencao de impostos para qualquer item que seja, pois isso em cadeia gera mais riqueza/empregos.
    Se continuarmos com o MIMIMI de que no Brasil se tem o maior lucro por veiculo, etc, cada vez menos teremos menos produtos e sem alinhamento com o resto do mundo.
    Devemos estimular o governo a arrecadar menos e a gastar menos e nao ferrar empresas, que apesar de serem voltadas sempre ao lucro – logica do capitalismo – sao a base de sustentacao para empregos, impostos, previdencia, etc…

    • celso

      Será que Toyota e Hyundai também estão operando com 30, 40, 50 % de capacidade ?
      Se uma empresa constrói uma planta para produzir 30 mil veículos/ano e produz somente 7 mil, problema dela.
      Isso é mercado, e o risco é inerente.

      • Filipo

        Pois é, que abaixem os preços!

        • Cláudio Modesto

          Se o preço não fosse rediculo eu compraria uma 320i ou c200, um A4. Vc compra e a revisão básica custa 4000.
          Não dá.

  • Fernando Bento Chaves Santana

    As fabricantes estão chiando muito sobre custos e ociosidade das plantas instaladas no Brasil. Meu palpite é no médio prazo muitas da marcas aqui instaladas poderão vender suas unidades fabris para investidores locais para posteriormente apenas subcontratar o fabrico/montagem. Assim poderemos ver na industria automobilística local a generalização da subcontratação para a produção muito comum na industria de eletrônicos. Poderemos ter unidades fabris genéricas, ao estilo Foxconn, que poderão fabricar sob demanda produtos para quaisquer marcas de automóveis. Seria o aumento da escala de estratégia semelhante à da CAOA e da Souza Ramos, mas sem interferências do parceiro local na concepção e distribuição do produtos.

  • Rodrigo Fonseca

    o mercado sempre sábio.

  • Edu.ch

    Isso é conversa. Criaram o Inovar-Auto para preservar os empregos. O resultado é que o setor de importados foi quase reduzido a nada e muita gente perdeu emprego. Além da indústria nacional ter sofrido demissões em massa igualmente.

    Com o Euro a R$ 3,90 + IPI sem a sobretaxa não conseguem ser competitivos, então tchau. Duvido que importar seria mais barato do que produzir aqui.

    Se incentivo for eliminar a sobretaxa do IPI e ainda baixar o IPI normal, concordo. Se for continuar sobretaxando os importados, isso não faz o menor sentido.

    • Schack Bauer

      Pra eles é inviável produzir naquela fábrica sim. Vão “produzir” apenas 7 mil carros. Ora, isso não é nem metade do que a GM fabrica de Onix num mês! Evidente que não tem escala! E por produzir é pegar a esmagadora maioria dos componentes importados e apenas montar o carro. Francamente, não sei qual a vantagem de se dar incentivo pra isso.

  • Matafuego

    ” mas o fato é que fizemos uma fábrica seguindo uma política do País.” – bem feito, foram acreditar em políticos.

    Estes 1000 empregos foram criados de forma artificial, através de “incentivos” e não a partir de demanda orgânica. A tendência é que desapareçam, do mesmo modo que a loucura do crédito a rodo desapareceu.

  • Bufallobill

    Claro que estão defendendo o protecionismo de mercado, afinal outras empresas trazendo carros importados melhores e MAIS BARATOS, vai atrapalhar o negócio de quem gosta de vender carro CARO, pois esses modelos ditos luxuosos no Brasil, estão a preço de UNO no EUA e CHILE, países que evitam estes protecionismos não havendo distinção entre importados e “nacionais” (no Brasil não existem nenhuma montadora de origem nacional).

  • lucas

    olha só que presidente nojento e hipócrita, qq isso. Esse bossal só reclama, apenas isso.
    olha ele falando em uma reportagem aqui no NA https://www.noticiasautomotivas.com.br/mercedes-benz-ve-risco-de-extincao-do-setor-automotivo-no-brasil/
    “Para Schiemer, o governo deveria ter deixado o setor privado caminhar livremente sem incentivos, mas continuou a alimentar a atual gestão de negócio, que agora indica um cenário obscuro para o futuro, com a possível extinção do setor automotivo no país e igualmente de outros setores da indústria.”
    na boa, nosso país é zuado mas esse alemão é hipócrita nojento.

  • No_Name

    Eu não torço para que a Mercedes “se foda” como alguns aqui nesses comentários. Torço para que continue sua produção local, assim como BMW, JLR etc para trazerem novas tecnologias, tentarem nacionalizar cada vez mais os componentes, aperfeiçoarem a qualificação da mão de obra etc. Acho muito benéfico para a indústria local (e para o país, portanto) ter essas fabricantes instaladas aqui, elas estão um nível acima das outras (generalistas) em tecnologia, qualidade etc e isso dá uma melhorada no mercado em geral. Nós precisamos disso, nossos carros são boquetas (como diz o Carlota), mal montados, mal pintados, peças de especificação/qualidade inferior, é necessário que o Brasil melhore, até porque tem aspirações de se tornar exportador, mas desse jeito só produzindo carroças como é atualmente é difícil.

    • joao vicente da costa

      Com todo respeito, não concordo com essa parte de “trazerem novas tecnologias”: se ao menos fosse como na China, em que o país se torna co-proprietário das patentes, aí ainda vai. Mas receber tecnologias prontas, sem o know how correspondente e a possibilidade de usá-lo livremente é a mesma coisa que trazer o carro prontinho de fora (não agrega nada ao conhecimento tecnológico brasileiro).

      • FrankTesl

        Mas lá em troca o governo central do Partido Comunista Chinês literalmente oferece o c# da mão de obra local para os investidores estrangeiros, (não tem essa de CLT ou sindicato fazendo greve), sem falar em regras tributárias firmes e estáveis (lá não deve ter essa história de governador provincial fazendo guerra fiscal para roubar empresa de outra província, mandatário local que mija fora da bacia determinada pelo governo central é sumariamente removido ou até pior), garantia de fornecimento de energia (lá não aparece ecologista reclamando da poluição das usinas térmicas – se aparecer, ganha estadia permanente grátis nos cafundós dos desertos do oeste), e várias outras questões de infraestrutura, legislação e ambiente de negócios que aqui no BRasa parecem que são insolúveis desde sempre.
        Em troca, as empresas estrangeiras são obrigadas a liberar patentes, fornecer tecnologia, treinar mão de obra

        • Cosi fan Tutti

          o que pode ser um tiro no pé das empresas, mas é o capitalismo velho e eficaz, os chineses com a grana que estão ganhando e know-how ja estao comprando muitas empresas ocidentais, e planejam ter pelo menos 4 montadoras mundiais e serem pioneiras em eletrificação total e até carro voador investem. Eles tem projeto…

  • yurieu

    Diziam que o Brasil era um país cheio de riquezas… abundância… mas perde para qualquer país europeu.

  • Renato Almeida

    Entra ano, sai ano, e a ladainha continua. De um lado, a choradeira da indústria por “incentivos” financiados com dinheiro público. Do outro, um governo sem planejamento e sem ações concretas para tornar o Brasil um país com capacidade de brigar no mercado internacional. É mais fácil pedir e dar “incentivos” do que aumentar de forma estrutural a competitividade das empresas instaladas no país. No final, quem paga a conta é o povo, seja com produtos ruins e caros, seja com impostos escorchantes para financiar a ineficiência.

  • Alexandre Maciel

    A lei atual sempre teve prazo limitado de vigência e nunca, jamais, houve qualquer garantia de que incentivos fiscais seriam renovados. Essa argumentação é bem típica de toda e qualquer montadora, dado que “incentivo”, isto é, RENÚNCIA FISCAL, constitui uma fatia extra de lucratividade. Também não se pode esquecer que a renúncia do governo acarreta elevação de tributo sobre outra parcela de contribuintes com o fito de compensar a perda.

    No mais, há aqui quem indevidamente fale em segurança jurídica. A segurança jurídica existe no Inovar-auto até o termo final de produção de efeitos da lei. Quero saber onde está a temeridade da situação se todos já tinham conhecimento da data em que os benefícios deixariam de existir. Enfim, segurança jurídica não é sinônimo de incentivos eternos!

  • leitor

    Só se vê fábrica chiando. Também com um política e um governo desses, cheio de malandro passando a perna no país, esperar o quê?

  • Schack Bauer

    Em resumo: por causa das distorções geradas pelo Inovarauto, temos que distorcer cada vez mais nosso mercado. “tá serto”!

  • Bruno Silva

    Já passou da hora de nacionalizar boa parte dos componentes. Deixa vir de fora só o motor e transmissão, o resto tem que ser fabricado aqui. Não só isso como carros colocar modelos competitivos, a Mercedes teria potencial para vender muito mais, mas quer cobrar 170mil no GLA e 177mil no Classe C.

  • nbj

    Sob o prisma do consumidor, não vi vantagem nenhum na produção nacional dessas montadoras ditas “premium”. Não abaixaram os preços e criaram mais um oligopólio no setor.

  • Alvarenga

    Mas como choram, que encheção, não precisa de rota nenhuma, nunca precisou, basta fazer veiculos bons e eficientes a preço justo e pronto.

  • afonso200

    imposto ZERO pra importados,,,,,,epoca que azera V6 era mais barato que Fusion 4cilindros em 2011……i30 e Cerato vendendo que ne banana

  • Alex

    O choro é livre. Caiam fora. Quem quiser Mercedes Benz que pague o preço do importado. São pouquíssimos comparados ao mercado de carros do Brasil. Já passou da hora do governo tomar decisões em favor do consumidor. Não fabricam nada aqui. Montam tudo em regime de CKD. Não compartilham tecnologia. Só querem explorar. Adeus!

  • octavio cesar godoy

    Se não mudar essa politica de impostos, isso no geral, não só para carros, logo teremos 20 milhoes de desempregados, se não mais.
    Um governo que gosta de acabar com tudo que gera empregos, merece isso mesmo, infelizmente os trabalhadores arcam com tanta irresponsabilidade

  • octavio cesar godoy

    Mais da metade do preço de um carro, são impostos, absurdos 50 por cento ou mais, então um carro de 130 mil, metade ou seja65 mil são impostos, um absurdo.Daqui a pouco só teremos carros de rolemã por aqui

  • Cosi fan Tutti

    Mercedes, faz igual a Chery e vende a operação pra CAOA! Pronto, ta resolvido seus problemas, nem precisara pagar os emprestimos do BNDEs.

  • Ricardo Blume

    A Mercedes não é aquela que encerrou a produção de automóveis no Brasil e anos mais tarde voltou a fabricá-los? Mimimi.

  • ChalMust

    Mercedes, aqui vcs tem os maiores LUCROS do planeta. Essas oscilações de mercado podem ser absorvidas pelo vosso Plano de Negócios. Passar bem!!!

  • Pablo Cesar

    O mais cômico desta situação é que qualquer criança de 5 anos já sabia, desde o início, que estas fábricas de veículos de luxo não atingiriam volumes suficientes para se manter. Quando falaram em produzir Minis e Land Rovers no Brasil, então, deu vontade de rir. Mas eles foram adiante. E agora reclamam das mudanças na legislação? E não sabiam que a legislação local muda conforme o vento? Justo a Mercedes, que inclusive já produziu carros e veículos grandes aqui há tanto tempo? É pra rir, mesmo, viu…

  • V12aero

    Se quer ir embora. Vá com Deus.

  • Sérgio Barbosa

    Ah tá, vamos então criar uma política protecionista para salvar uma
    fabriqueta de 1000 funcionários que produz 7 mil carros por ano (na
    verdade só monta) em detrimento de reduzir as opções de escolha de 100
    milhões de consumidores. Legal, hein!

  • Alberto

    se a anfavea e algumas montadoras estao reclamando, isso quer dizer que o caminho e esse. ou se adapta ou deixa outras empresas produzirem. O engraçado que so a Anfavea e seus afiliados reclamam. quando e a favor do consumidor eles se revoltam.

  • Luccas Stringger

    Produção Nacional ? Ou Montagem Nacional ? Montadoras apostaram no mercado interno ao instalarem plantas de produção. O correto seria Plantas de Montagens,para ganharem vantagem fiscal.O carro vem desmontado,é montado no Brasil e ganha o selo Made in Brazil.

Quem somos

O Notícias Automotivas é um dos maiores sites automotivos do Brasil, trazendo todas as novidades sobre carros por mais de 12 anos. Saiba mais.

Notícias por email