Manutenção

Molas do carro: como saber se estão boas e quando trocar?

Molas do carro: saiba tudo sobre o sistema.

Molas do carro: como saber se estão boas e quando trocar?


O sistema de suspensão veicular é composto por itens como: amortecedores, bandejas, barra estabilizadora e molas.

Todos esses componentes são responsáveis por garantir que as rodas estejam em contato com o solo, promover estabilidade em curvas, absorver impactos e permitir conforto ao motorista e passageiro.

Molas do carro: como saber se estão boas e quando trocar?


Ligando o chassi com as rodas, podemos ver a importância desse equipamento para o automóvel.

Quando estão em más condições, poderá comprometer outras peças e até mesmo a segurança dos ocupantes.

Outro fator que prejudica a suspensão do seu carro são os buracos na pista. Um velho problema na vida dos motoristas brasileiros.

No entanto, ao cair num buraco, obviamente que a culpa não é sua, afinal, você paga impostos para que as vias estejam em perfeitas condições.

Molas do carro: como saber se estão boas e quando trocar?

É por esse motivo que o Código de Trânsito Brasileiro (CTB) determina o pagamento de indenização à vítima que teve seu carro prejudico. Em vias públicas, a responsabilidade é do órgão municipal, ou seja, a prefeitura.

Caso seja em trechos administrados por concessão, como em rodovias, o motorista deve procurar a empresa responsável.

Molas do carro: como saber se estão boas e quando trocar?

Veja a seguir mais detalhes sobre as molas, como saber se elas estão em boas condições e quando é a hora de substituir.

Função das molas do carro

Molas do carro: como saber se estão boas e quando trocar?

No conjunto de suspensão, há dois tipos de mola: feixe de mola ou helicoidal. Sua função é controlar a altura do carro e estabilizar a condução conforme a superfície da via.

Por exemplo, ao passar sobre uma lombada, o equipamento atua sendo encolhido. Se for um buraco, as molas são esticadas.

Conectada no chassi com a carroceria, as molas não só funcionam com o veículo em movimento. Mesmo parado elas suportam cargas e peso dos motoristas e ocupantes.

Como identificar se há problemas com as molas do meu carro?

Molas do carro: como saber se estão boas e quando trocar?

Identificar o problema é relativamente simples, pois, o próprio veículo apresenta sinais de que algo está errado. Listamos abaixo algumas situações que podem indiciar problemas nas molas:

• Perda de altura do automóvel;
• Perda de estabilidade;
• Balanço nas acelerações e frenagens;
• Ruídos, batidas e trepidações;
• Pontos onde há ferrugem;
• Batente do veículo com danificação;
• Regiões trincadas ou descascadas;
• Desgaste excessivo dos pneus;
• Impacto forte ao passar por uma lombada ou qualquer outro desnível.

É bom destacar que, nem sempre o que está ruim faz barulho, e isso vale para a suspensão/mola.

Mesmo não fazendo barulho, o equipamento pode precisar de manutenção. O indicado é realizar a cada 10 mil km um check-up para avaliar a suspensão de forma completa.

Mola modificada: há risco para o automóvel?

Molas do carro: como saber se estão boas e quando trocar?

Além do desgaste natural, a irresponsabilidade do motorista também pode afetar a integridade das molas. “Tunar” o carro irregularmente, como, por exemplo, cortar ou aquecer as molas para deixá-lo rebaixado, não é permitido por lei.

Além disso, afeta o conjunto de suspensão e prejudica a segurança, com risco de ocasionar acidente.

Molas do carro: como saber se estão boas e quando trocar?

Para você que deseja fazer alterações, rebaixando o automóvel, existem molas específicas e permitidas pela legislação. Lembrando que elas devem atender às especificações do fabricante do seu carro.

O recomendado é adquirir a peça original e com garantia. Antes de trocar, não deixe de analisar se a modificação não irá afetar a estabilidade, segurança e o conforto.

Outras mudanças em equipamentos do veículo podem exigir a troca das molas.

Quanto tempo dura as molas do veículo? Quando trocar?

Molas do carro: como saber se estão boas e quando trocar?

Esta é uma dúvida recorrente, contudo, falar sobre durabilidade é um pouco complexo, isso porque depende de alguns fatores: o cuidado do motorista nas vias a fim de evitar passar sobre buracos, portanto, o modo de dirigir; e a situação em que se encontra a suspensão.

Os especialistas recomendam que a verificação e substituição precisam ser feitas a cada 40/50 mil quilômetros rodados. Há casos em que kit suspensão/mola pode durar mais de 100.000 km.

Quais são os tipos de molas mais comuns?

Molas do carro: como saber se estão boas e quando trocar?

• Mola de torção

Com composição em aço, a mola de torção ou barra de torção, tem formato circular, de forma helicoidal. O modelo é utilizado geralmente em automóveis de passeio.

A de torção pode ter características distintas de acordo com o modelo, formato, faixa bitola, diâmetro, altura, constância elástica, e até o mesmo o preço variável.

Entre os benefícios, está a sua resistência e o tempo de vida útil. Por outro lado, está o peso como ponto negativo, já que chega a superar se comparado com outros modelos de molas.

O adequado é comprar de empresas especializadas.

• Mola de flexão

Fabricadas em aço, a de flexão é representada por feixe de molas semi elípticas, parabólicas e lâminas. Esse tipo de mola é bem conhecido no mundo do automobilismo, pois, equipou inicialmente as carruagens.

É utilizada em veículos grandes, pesados e em alguns modelos de picapes. Elas são rígidas e menos confortáveis, porém, chega ser mais resistente que os demais modelos de mola.

Sua fixação é realizada diretamente ao chassi pelos seus extremos, acompanhado de elo e buchas de borracha.

• Mola helicoidais

Produzida em arame de aço, esta é uma das principais molas atualmente. Ainda assim, existem variações à venda no mercado: molas de tração; molas de compressão; molas de torção. Os três modelos são os mais requisitados.

As helicoidais são mais simples e leves. Não é necessário de muito espaço para ser utilizada, em vista disso, consegue se adaptar em diversas suspensões.

O bolso do motorista também agradece. As molas helicoidais têm preço acessível e isso não é sinônimo de baixa qualidade.

Qual o valor para trocar a mola do carro?

Molas do carro: como saber se estão boas e quando trocar?

No conjunto de suspensão, cada peça tem o seu valor. As molas podem custar de R$ 80 e chegar até R$ 1.000.

Já o amortecedor fica entre R$ 80 e R$ 600 – eles passam por testes antes de chegar às lojas, por isso, a peça deve conter o selo do Inmetro (Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia).

As buchas e pivôs são vendidos entre R$ 100 e R$ 200.

Como sempre destacamos aqui no Notícias Automotivas, não deixe de procurar por oficinas especializadas e de confiança para a realização das manutenções e a troca das molas, se for o caso.

Adquira equipamento original e fique atento às fraudes que circulam pela internet. Comprar peça usada também pode ser arriscado.

Molas do carro: como saber se estão boas e quando trocar?
Nota média 3.3 de 4 votos

  • O meu depois de 5 anos de uso – desde 0 km – começou a mostrar sinais da suspensão

  • Emygdio Carlos

    Parabéns por mais essa matéria NA!

  • RKK

    “Os especialistas recomendam que a verificação e substituição precisam ser feitas a cada 40/50 mil quilômetros rodados”

    -> Piada, né ?

    • Redrum

      Lembrei da cofap que queria que trocássemos os amortecedores a cada 10mil km…

      • Retrato do Papai

        aproveita que tá trocando o óleo e já troca tudo

    • Al

      Pagando 80 reais numa mola e mais 80 num amortecedor, é moleza. Só esqueceram de avisar onde a gente consegue essas peças neste preço. Acho que nem importando da China.

  • Mayck Colares

    Gostaria de ver o comentário de alguém que teve pneu ou suspensão prejudicada pelos buracos e conseguiu ser ressarcido pelos órgão públicos.

    • Highlander

      Desconheço alguém que foi ressarcido!

    • Gabriel

      Alguém sabe como funciona o procedimento para acionar a prefeitura? Estava pensando nisso recentemente.
      Não sei vocês, mas para mim a situação das ruas piorou muito nos últimos anos. E falo de modo geral em toda a cidade de SP, em diferentes zonas.
      O programa “asfalto novo” é uma piada, tendo recapeado apenas 200km de vias em mais de 20 meses de operação, ou seja, menos de 10km por mês!
      Pensei, portanto, que caso o processo fosse fácil para acionar a prefeitura, e se o número de acionamentos aumentasse consideravelmente, este problema começaria a incomodar a prefeitura e seus administradores a ponto de começarem a resolver os buracos em definitivo.

      Por favor, dissertem sobre esse tema…

    • leomix leo

      A demora vai ser tão grande, que nem os netos do cidadão vão usufruir do reembolso do dano. Melhor trocar o que foi danificado e vida que segue.

    • Asdrubal Trombone

      em curitiba, danifiquei um pneu e pivô num buraco. A prefeitura não faz absolutamente nada para lhe ajudar a ser ressarcido. Tudo é na base do papel e ninguém lhe explica exatamente o que precisa fazer. Você tem que ir pessoalmente até um departamento de protocolo municipal com pessola que lhe atende mal, não tem um documento explicando o procedimento, peguei um papel em branco e disse “pode ditar que eu anoto o procedimento”, ficou bravo! Me deu um formulário em xerox para preencher, e para anexar fotos eu tinha que imprimir… enfim, se quiser passar raiva e pereder tempo, pode tentar.

  • Baetatrip

    ….Depende muito do dono do caro…..!
    Meu carro é ano 12, peguei em 15!
    Peguei com 44 mil km…. Atual quase 131 mil km….. Suspensao zerada, pois pego muita estrada e terra tb…. (ja levantei 1.25″, ja outra mola traseira e calco dianteiro),
    Pego buraco, etc etc
    é SZK GV3 4×4, a suspensao e excelente…… Bem duravel do que maioria que ve na rua!

  • Retrato do Papai

    esses dias pude comprovar a idoneidade e confiabilidade de uma empresa que costumo fazer as manutenções no meu veículo (que eu já tinha uma certa confiança antes disso)… eu fui lá por conta de ruídos na suspensão e diagnosticaram problemas nos pivôs e coxins com rolamento dos amortecedores, mas antes de trocarem estas peças eles fizeram um checkup no veículo e, dentre bateria, fluido de freio etc, verificaram os amortecedores com uma espécie de microfone acoplado a um aparelho android, só que pela km do carro (52 mil) poderiam simplesmente não fazer o teste e dizer “seu carro já está com 52 mil, o recomendado é trocar os amortecedores com 40 mil”, mas ao invés disso fizeram o teste e constataram que os amortecedores estão em bom estado…

    para quem se interessar, a empresa é a dpaschoal

  • Asdrubal Trombone

    nenhuma oficina, nem concessionária até hoje me convenceu sobre a necessidade de troca das molas. É tudo na base do “olhômetro”, com argumentos duvidosos. É claro que molas usadas apresentarão alguma ferrugem superficial em algumas pequenas partes, mas isso não é justificativa para troca.Ai vc troca os amortecedores, aparece algum barulho por estarm mal instalados e o mecânico se esquiva culpando as molas.

Quem somos

O Notícias Automotivas é um dos maiores sites automotivos do Brasil, trazendo todas as novidades sobre carros para mais de 450 milhões de pessoas, por mais de 12 anos. Saiba mais.

Notícias por email