Finanças Governamental/Legal Mercado Montadoras/Fábricas

Montadoras querem alternativa para obter incentivos fiscais

Volkswagen-Virtus-fábrica-São-Bernardo-do-Campo-2 Montadoras querem alternativa para obter incentivos fiscais

O Rota 2030 ainda não saiu, mas as montadoras estão preocupadas com o futuro do programa automotivo, que foi prometido recentemente para o mês de fevereiro. As empresas do setor querem incentivos fiscais para pelo menos desenvolvimento e pesquisa, segundo a Anfavea, entidade que reúne os fabricantes no país.



Para as montadoras, incentivo fiscal para P&D significará a manutenção dos investimentos em novas tecnologias no país, especialmente no que diz respeito aos biocombustíveis, conforme frisou Antônio Megale, presidente da Anfavea. Sem benefício tributário, não há como manter os investimentos.

“Sem isso, vejo com preocupação que a parte de desenvolvimento iria para fora do País”, explica Megale, dando a entender que os fabricantes deixarão de investir em detrimento da importação de tecnologias, trazidas de outras partes do mundo. Os fabricantes se reuniram com o ministro interino do MDIC Marcos Jorge, que garantiu a aprovação de um regime automotivo para o Brasil e que está já está pronto, ficando apenas a finalização como única parte ainda por resolver.

Volkswagen-Virtus-fábrica-São-Bernardo-do-Campo-2 Montadoras querem alternativa para obter incentivos fiscais

É essa parte que mais preocupa as montadoras, pois se refere à tributação. O governo Temer já deu a entender que não quer mais incentivos fiscais para o setor automotivo. A pasta da economia também reforça a intenção do presidente de não conceder mais benefícios para um setor que esteve intimamente ligado com a administração anterior, o que pode colocar em risco a imagem da atual gestão.

Mas, o MF ainda acrescenta que a indústria automobilística nacional não precisa de uma política específica para o setor, visto que a Lei do Bem já garante descontos no imposto de renda para esse tipo de investimento. Além disso, não há previsão orçamentária para concessão de benefícios tributários para o ano de 2018. Diante desse último, a Anfavea propõe uma alternativa.

Como já existe um consenso no setor de que os créditos poderiam ficar no mesmo patamar de 2017, ou seja, em R$ 1,5 bilhão, as montadoras propõem que esse montante seja descontado dos impostos das empresas em 2019, junto com volume similar também no próximo ano, o que daria de uma vez R$ 3 bilhões em incentivos para P&D. Além disso, daí para frente, esse teto sugerido por Temer seria concedido para a indústria sempre no ano seguinte.

Tanto as montadoras quanto o MDIC defendem que em ano de prejuízos, os créditos de IPI – que somam R$ 1,5 bilhão para o setor – não pode ser utilizado. “A indústria tem capacidade instalada de 5 milhões de veículos ao ano, mas hoje temos um mercado interno de 2 milhões. Nem todas as empresas divulgam balanço, mas todas as que divulgaram tiveram resultados negativos. As empresas estão perdendo dinheiro no Brasil”, sentencia Megale.

[Fonte: Estadão]

 

 

COMPARTILHAR:
  • octavio cesar godoy

    kkkkkkkkkkk, que país é esse? Temos que conviver com o restolho, tudo aqui joga contra o consumidor, lamentável

    • Filipe

      Essas montadoras são um bando de parasitas sanguessugas!!

  • NaoFaloComBandeirantes

    Isso de incentivo em “bio combustíveis” é a maior máfia.

    Vi numa reportagem sobre esse tal Rota 2030 sobre incentivos para motores que sejam mais eficientes no Etanol.
    A principio achei legal. Pensei: legal, Brasil é produtor de Etanol, seria bom um motor que utilizasse melhor o Etanol.

    Aí, com esse recente aumento no preço da gasolina, vi que o Etanol aumentou também.
    E foi exatamente o suficiente para manter aquela relação de aproximadamente 70% do preço da gasolina.

    Conclusão: no dia que os motores forem mais eficientes com Etanol, o preço vai subir precisamente na mesma proporção.
    Isso de biodiesel, de Etanol é sempre preocupação em favorecer o lobby dos usineiros.

    Aí usam aquela máscara de meio ambiente, de ecologia, de carbono, de isso e aquilo.
    No fim, é sempre máfia.

    • th!nk.t4nk

      Por isso apoio a eletromobilidade. Essa semana até a Ikea começou a vender acumuladores residenciais (estilo as baterias Powerwall da Tesla e outras). Vendem também as placas fotovoltaicas e o kit elétrico. Segundo a propaganda deles, com um investimento de 4-5 mil € você tem um corte de 70% na conta de energia, e ainda pode recarregar seu carro elétrico. Tá bem distante da realidade do Brasil ainda, mas seria ótimo se isso popularizasse de uma vez, ainda mais num país com tanto sol. Seria lindo ver esses lobbyistas tendo que procurar outra profissão.

      • Maycon Farias

        Me interessei já.

      • Basil Sandhurst

        Infelizmente no nosso país o incentivo se resume a estocar vento.
        Temos fartura de luz solar e vento, mas não utilizamos nada disso.
        Sugeri a três meses q o meu condomínio instalasse placas fotovoltaicas. Me olharam como se eu fosse um alien.
        Abs

        • Fanjos

          Mas já tem comunista querendo taxar o vento antes mesmo de alguém aproveitar ou estocar.

        • rgrigio

          Imagino que se eu sugerisse algo semelhante onde moro seria recebido da mesma maneira…

        • Thales Sobral

          Como está o preço do material? Início de 2016 eu olhei aqui pro condomínio e ainda estava caro.

        • Marcelo Nascimento

          Onde moro será instalado sem custos para o condomínio para que seja mantida toda a iluminação das áreas comuns (play, garagem e corredores).
          Não entendi como a empresa ganhará dinheiro, mas é possível que seja vendendo o excedente. O importante no momento foi não haver custo de instalação e redução na conta de luz. Com uma proposta dessas acho que você não seria visto como um alien rs

        • Edson Fernandes

          No meu predio quando citei algo assim faltaram me chamar de louco. Disseram que era caro, mas poderiam reduzir e muito nossos custos com gastos do predio. (e isso que é só do predio)

          Paciencia.

      • Leonardo M. G.

        O que atrasa são os cartelões do óleo, tipo irmãos Koch et caterva…

      • Rodrigo

        Aqui no BR (ok em São Paulo) já existe embriões deste tipo. Já até cotei aqui pra casa e sai entre R$10 e R$12 mil, embora ainda não tenha um carro elétrico. Cotei pois a região onde moro é muito sensível a queda de energia e pra mim seria não apenas uma forma de não ficar horas no escuro como também uma forma de reduzir o consumo. Estou pensando seriamente em instalar…

        • T1000

          Se for só para queda de energia, instalar um nobreak fica mais barato

          • Rodrigo

            Pode ser uma alternativa. Qual a autonomia de um nobreak bom atualmente?

          • Edson Fernandes

            Depende.

            Que tipo de nobreak vc vai instalar?

            Se for esses de onda senoidal, isso pode dar problemas aos eletronicos. Precisa verificar qual vai comprar porque os bons são caros mesmo.

            E R$10000 se eu morasse numa casa, eu faria sem duvida.

            • Schack Bauer

              Painel solar pra casa vi um orçamento uma vez de algo em torno de 30 mil mordomos

              • Edson Fernandes

                Faz uns 5 anos qdo fui atrás era isso mesmo. Se for R$10000 eu faria.

      • Guilherme Batista

        Até que essa realidade não está muito distante do Brasil não. O preço dos equipamentos para geração de energia fotovoltaicas, vem caindo rapidamente. Nesses últimos 4 anos que venho trabalhando com isso, vi equipamentos caindo quase 50% no preço.
        Isso é decorrência da entrada de equipamentos chineses no mercado, alias, vários deles de excelente qualidade.

        O maior problema para nós ainda é o preço das baterias.
        Não faz muito tempo que especifiquei um sistema de painéis + baterias para produzir e armazenar uma quantidade de energia equivalente à porwerwall mais vendida da Tesla (que produz em tono de 24kWh/dia) e iria ficar em menos de R$ 20.000. Excluindo a mão de obra.

        Se considerar que a tesla cobra cerca US$ 6.200 e você disse que na europa custa cerca de 5 mil €, o valor não esta tão diferente assim.

    • Rodrigo

      Você sabia que a maioria das usinas sucroalcooleiras instaladas no país pertencem a empresas estrangeiras?
      E que muitas delas priorizam o açúcar para exportação em detrimento ao álcool?

      Portanto se o mote for privilegiar o etanol como combustível limpo e gerador de divisas para o país sinto informar que isso é uma falácia…

    • Filipe

      Lobby dos usineiros, que dão propina para os políticos. Sempre que a gasolina aumenta, o álcool sobe também.

  • Jefferson Ferreira

    Só queria saber que tecnologia que o huezil exporta com as décadas de incentivos que essa indústria teve ? O que foi feita de inovação aqui que é adotado pelo resto do mundo ? os motores “frex” kkkkkkk !?!?!?

    • ObservadorCWB

      Também fiquei intrigado. Talvez as placas amarela, branca, cinza, cinza refletia e MERCOSUL ? Talvez o extintor ABC (poucos países usam). Talvez o super hiper mega blaster estojo de primeiros socorros ? Os caras fabricam carroças. Conseguem vender a preços estratosféricos. Já houve anos que o lucro-Brasil sustentou operações das matrizes e querem MAIS incentivos ? Vão trabalhar bando de vagabundos.

    • Fellipe Borges

      “Tecnologia” de vender o carro por muito mais do que ele vale. Nisso somos profissionais :)

  • Fanjos

    Se for por falta de tchau…
    Tchaaaaaauuuuuuu

  • Ricardo

    Incentivos de cú é rola! Já pensaram em diminuírem os superlucros, cobrarem preços mais justos, consequentemente vender mais carros e lucrarem mais!!??

  • Louis

    Que abra a importação logo, pra acabar com a choradeira.

  • Leonel

    O mesmo papo furado de sempre. A quem realmente querem enganar? Governo pode reduzir em 50% tudo, nunca estes mesmos 50% vão chegar ao consumidor. Capaz de no mês seguinte ter aumento ainda, baseado na “inflação” (direção do vento ou sei lá o quê)…

  • Gutto Morais

    Quem acredita nesta falácia das montadoras??? Isso aí é a típica formação de cartel. Passaram décadas mamando nas tetas de governos corruptos e se acostumaram a vender carros defasados e super faturados e agora que a realidade bateu na porta estão com esta choradeira pra não perder as mamatas. Chega deste protecionismo. em quase 70 anos de industria nacional, não vimos grande evolução em termos de oferta e qualidade, nada além do mínimo necessário.

    • Schack Bauer

      Só melhoram quando sofrem concorrência externa. Toda vez que rola protecionismo, os carros pioram de novo.

  • yurieu

    Montadoras de veículos e Governo Federal, um casamento perfeito. Preços baixos e modelos inéditos? JAMAIS. Melhor ir à Colombia comprar um Traverse 2018 e vir passear com ele aqui(proibido também).

  • Alexandre Maciel

    E nos anos em que tiveram resultados positivos expressivos, divulgaram?

    A alternativa: otimizar a linha de produção e começar a ganhar na economia de escala, obviamente com redução de preço da unidade. No mais, tecnologia aplicada aqui, em geral, sempre foi importada.

    Se não tiverem interesse, podem baixar as portas. Certamente vem algum chinês para ocupar o lugar do insatisfeito.

    • yurieu

      É bem claro para mim que a produção em escala significa prejuízo. Impostos elevados na fabricação, nota fiscal com 50% de imposto, transporte, pós venda, funcionários, crédito, concessionárias, marketing… chega a um ponto que o prejuízo é maior pelo aumento da quantidade.

      • Alexandre Maciel

        Ter isso como premissa leva a crer que, por exemplo, o Onix é um veículo que traz prejuízo à GM. Será que traz? Impostos são os que estão aí e o montante é cobrado de mil, dez mil ou cem mil unidades. Pós-venda, funcionários, crédito, concessionárias, marketing: já pensou que os concessionários têm desejado isso há tempos? De salões movimentados para locais vazios, afora os que foram fechados em razão da diminuição da demanda. Também, a matéria é clara ao indicar que há um parque industrial para produção de 5 milhões de unidades, sendo que o mercado consegue absorver 2 milhões. A culpa é dos impostos apenas? Com Corolla batendo 120 mil reais, os impostos são os vilões, por exemplo, das vendas pífias de outros sedãs médios? Ou será que a tentativa tola de equiparar valores por categoria é determinante? Preço de carro tem subido no ritmo dos aumentos dos planos de saúde, mesmo com índices de inflação e de reajuste de salário muito inferiores. Por fim, no que diz respeito a transporte, por que não aproveitam o lobby e cobram efetivo investimento em ferrovias e navegação de cabotagem?

  • Bruno Costa

    Não tem que incentivar nada mesmo. A produção nacional tem que valer a pena por vários outros fatores, não por mero incentivo fiscal ou nunca sairemos do fundo do poço da qualidade dos carros nacionais. A tributação tem que ser igual entre nacionais e importados, o que tem que fazer um ou outro valer mais a pena para as empresas devem ser os investimentos em infraestrutura das empresas e do governo para baixar os custos de produção e não uma assinatura que além de não incentivar a melhoria dos produtos prejudica a concorrência. Além de que o Brasil tem que parar de nadar na contra mão do mundo, o bonde dos biocombustíveis já passou, já está mais do que claro que pro resto do mundo não é viável produzir e o Brasil não tem capacidade de produção pra atender nem a própria demanda, menos ainda exportar em volume relevante. O mundo caminhando pra eletrificação e o Brasil falando da eterna promessa do etanol… Nesse ritmo ainda teremos motores 8V quando a Europa já terá banido motores a combustão há anos.

  • Razzo

    “Para as montadoras, incentivo fiscal para P&D significará a manutenção dos investimentos em novas tecnologias no país, …Sem benefício tributário, não há como manter os investimentos.”

    ““Sem isso, vejo com preocupação que a parte de desenvolvimento iria para fora do País”

    “fabricantes deixarão de investir em detrimento da importação de tecnologias, trazidas de outras partes do mundo”

    –> Não se tem que reinventar a roda, as leis da física atuam no terceiro mundo da mesma forma que no primeiro. O que se tem que fazer é estimular a aplicação de novas tecnologias também aqui no Brasil, seja através de benefício fiscal ou uma opção mais eficiente: abertura do mercado à concorrência externa (redução drástica de tributos de importação).

  • Ricardo

    Incentivos para que! Já pensaram em diminuírem os superlucros, cobrarem preços justos, consequentemente aumentarem as vendas, gerarem mais empregos e faturarem mais!!??

  • Edu.ch

    O Brasil tem um mercado de usados de 9 milhões e praticamente não foi afetado pela crise. Ou seja, boa parte desse potencial do mercado de usados poderia se tornar novos e é exatamente por isso que essas montadoras nunca irão embora. Podem espernear e ir embora se quiserem (lógico que não vão). Os preços dos carros subiram a níveis incompatíveis e os importados são necessários para deflacionar o mercado.

  • SK15

    “[…] perdendo dinheiro no Brasil” com esses preços obscenos?
    Políticos + Montadoras farinha do mesmo saco, bandidos da mesma moeda. Que ficasse sem incentivo, que o imposto dobrasse se é pra por nas costas dos consumidores que seja pra valer.

  • M7

    Dar incentivo para aumentar a margem de lucro das montadoras, pq nenhuma vai reduzir os preços ao consumidor, lembro bem da época que o governo reduziu o IPI, tínhamos aumentos semanais nos preços dos automóveis, pura enganação!

  • Celso

    Eu sei que não tenho autoridade a falar do assunto, mas é realmente difícil de acreditar que com os preços cobrados aqui as montadoras estão no prejuízo. Agora, o que realmente é abusivo no Brasil, de longe, muito pior q preço de automóveis, são os juros praticados pelos bancos.

  • fabricioaguirre

    Deveria haver incentivo para quem investe no esporte, como em outros países. Redução de 1% na taxa de IPI para o modelo que participar de alguma competição nacional já seria um impulso e tanto. Sem isto jamais teremos uma TC 2000.

  • zeh

    ….enquanto não chega ” incentivo fiscal”…vão dando aumentossss por conta….só neste país mesmo…e empresas não divulgam balanço, mas todas tiveram resultados negativos??????. e dizem que estão perdendo dinheiro no Brasil….serio????…mas ???…não querem ir embora…

  • Rodrigo

    “Tanto as montadoras quanto o MDIC defendem que em ano de prejuízos, os créditos de IPI – que somam R$ 1,5 bilhão para o setor – não pode ser utilizado. “A indústria tem capacidade instalada de 5 milhões de veículos ao ano, mas hoje temos um mercado interno de 2 milhões. Nem todas as empresas divulgam balanço, mas todas as que divulgaram tiveram resultados negativos. As empresas estão perdendo dinheiro no Brasil”, sentencia Megale.”

    Pena que essa pérola ficou para o fim da notícia. Se tivesse colocada no começo nem teria me dado ao trabalho de ler até o final.
    Senhor Megale: se o BR desse prejuízo vcs já teriam ido embora sem nem dizer tchau. Por que não vão produzir lá na Austrália (modo mega sarcástico ON).

  • afonso200

    bicombustivel, pior LIXOOOO,k só atrasa as montadoras que nao querem investir nisso

  • Cosi fan Tutti

    Incentivo fiscal para montadoras proporcionalmente igual nabo na b***da dos brazukas!

  • Peerre

    “As empresas estão perdendo dinheiro no Brasil”, sentencia Megale.”

    Seria cômico se não fosse trágico para nós, consumidores de carros caros e muitas vezes inseguros e ultrapassados quando comparados com os carros, dessas mesmas empresas, vendidos em outros países…

    Brasilsilsil…

    • Fanjos

      Aí o pessoal em vez de brigar pela reforma tributária, briga para mais protecionismo.
      É quase como aquele bandido que é pego roubado e fala : não era eu não Douto.

  • Marcos

    Tá perdendo dinheiro? Se tá tão difícil vender, por que aumentam os preços praticamente todos meses? Se não tá bom, vão embora e liberem as importações. O que não pode é haver um mercado interno que só explora o consumidor brasileiro.

  • Marcos

    As montadoras tem lucros absurdos aqui e sempre choram no colo do governo pedindo mais incentivos e bloqueio aos importados, enquanto que o consumidor brasileiro continua sendo estuprado nos preços dos carros 0km, no IPVA abusivo (aki é 4%), na revisão anual do carro e no seguro caríssimo, porque se roubarem, já era a sua carroça a preço de supercarro. Adivinha quem “vamos” continuar se ferrando?

  • heliofig

    Eu também quero incentivos fiscais!!!

  • Léo Faria

    E os trouxas falando em livre mercado. Ninguém quer livre mercado, mané. As grandes empresas só defendem liberalismo econômico pra enrabar a população.

  • Antonio Lima

    Por mim, que fechem as portas e abra para o importados…. Sem emprego o povo não vai ficar, o mercado se auto ajusta…. A um tempo atrás era comum muitas pessoas trabalhando na roça, hoje temos maquinas que fazem o serviço e muitos perderam os empregos, mas, foram buscar outra fonte de renda. De que adianta uma minoria ganha bem trabalhando na industria de veículos para o país todo pagar mais caro em caroças porque o governo passa a mão na cabeça desse cartel.

Quem somos

O Notícias Automotivas é um dos maiores sites automotivos do Brasil, trazendo todas as novidades sobre carros por mais de 12 anos. Saiba mais.

Notícias por email

receber-noticias Notícias por email