Montana 2013: motor, preço, consumo, revisão, versões

chevrolet montana ls 2011

A Chevrolet Montana 2013 chegou ao mercado nacional com poucas mudanças de visual e acabamento, sendo oferecida normalmente nas versões LS e Sport, ambas equipadas com motor 1.4 e transmissão manual.


Rival de Fiat Strada e Volkswagen Saveiro, a picape da Chevrolet tinha pouco tempo de mercado, mas já nascera desatualizada e tentou inicialmente medir forças com os rivais.

Entre as mudanças, externamente a Montana recebeu faróis escurecidos, assim como as lanternas, que passaram a ser escurecidas também na versão LS, visto que já eram assim na Sport.

Por dentro, os bancos ganharam nova padronagem com tonalidades e grafismos em baixo-relevo. Além disso, o cluster ganhou visual diferenciado, bem como nova cor do painel e também dos difusores de ar.

A Montana 2013 mantinha as demais características visuais, destacando os grandes faróis de lentes simples, grade dupla e para-choque com arcos laterais e molduras pretas, incorporando faróis de neblina.

Montana 2013 – detalhes

Chevrolet Montana 2019 1

A picape leve da General Motors tinha cabine simples com vigias laterais nas colunas B, além de detalhes pretos externos e caçamba com 1.100 litros, bem como boa capacidade de carga de 758 kg.

Tendo suspensão traseira por eixo de torção, a Montana usava uma velha plataforma, a GM 4200, que surgiu em 1982 na primeira geração ao Opel Corsa. Compartilhando a base com o argentino Agile, ela sempre foi focada no trabalho.

Na época, a picape da GM era oferecida com um pacote de equipamentos razoável, incluindo rodas de liga leve aro 15 polegadas, ar-condicionado digital, direção hidráulica, vidros e travas elétricas, retrovisores elétricos e alarme.

Havia ainda sistema de áudio com Bluetooth e USB, CD player, banco do passageiro rebatível, sensor crepuscular, piloto automático, computador de bordo, além de airbag duplo e freios com ABS e EDB.

Fora esse pacote, a Chevrolet Montana 2013 tinha motor 1.4 econo.flex de quatro cilindros e cabeçote de 8V, que entregava até 102 cavalos e 13,5 kgfm, tendo somente transmissão manual de cinco marchas.

Chevrolet Montana 2019 2

No mercado de usados, é uma picape leve bem valorizada, mais pela marca Chevrolet, que tem mais de 600 pontos de venda no país, bem como mecânica já muito provada e com oferta de peças em todo o território nacional.

Entre as ofertas do mercado, a picape tem preço que variam de R$ 30.000 a R$ 40.000 para a Montana 2013, que provavelmente terá quilometragem alta, assim como condições de uso mais severas, o que obriga a um exame do veículo.

Trata-se de um veículo com boa procura para trabalho, mas que também serve para lazer.

A Chevrolet Montana 2013 vinha com grandes e expressivos faróis de lente simples e máscara negra. Eles incorporavam ainda repetidores de direção e lanternas convencionais. Já a grade dupla tinha barra com logo da Chevrolet e sem cromo.

Já o para-choque tinha alças laterais com molduras pretas que carregavam faróis de neblina, além de grade central inferior. Maçanetas e retrovisores podiam ser na cor do carro, tendo ainda degraus laterais para acesso à caçamba.

Leia também sobre a Montana 2012

Chevrolet Montana 2019 3

Atrás, lanternas verticais e tampa da caçamba lisa, com suporte de placa na parte central do para-choque, rebaixado e na cor do carro. No compartimento de carga, revestimento em plástico reforçado e ganchos para amarração de carga.

Luz auxiliar de freio e luz da caçamba ficavam no alto. A janela traseira podia ser corrediça e havia opção de capota marítima. Já as rodas eram de aço aro 14 polegadas com calotas ou liga leve de aro 15 polegadas e cinco raios.

Estas rodas eram calçadas com pneus 175/70 R14 ou 185/60 R15. Já no interior, a Montana 2013 vinha em cor cinza, com detalhes prateados nos difusores de ar laterais. As saídas de ar eram redondas e o porta-luvas era pequeno.

Já o cluster era analógico com mostradores tendo ponteiros vermelhos, com velocímetro, nível de combustível e conta-giros. Havia ainda um display digital com temperatura da água, hodômetros e computador de bordo.

O volante tinha fundo chato e contava com comandos de mídia e telefonia, além de piloto automático. Ao centro, o painel tinha um ar-condicionado com display digital, além de sistema de áudio 1din abaixo com CD, MP3, USB e Bluetooth.

chevrolet montana 2018 8

A Montana 2013 tinha ainda fonte 12V, bancos em tecido de baixo relevo com assentos elevados, banco do motorista com ajuste em altura, encosto do passageiro dobrável. Havia ainda porta-copos, bem como vidros elétricos one touch.

O sistema ainda tinha descompressão da cabine com abertura parcial e automático de um dos vidros. O travamento central era elétrico, com retrovisores externos elétricos sendo ajustados na porta do condutor.

As portas tinham acabamento em tecido e vinham com maçanetas sem molduras, mas na versão LS básica, não tinham acabamento em tecido e os bancos eram bem mais simples. No teto, espelho no lado direito e documento no esquerdo.

O espelho interno era dia e noite, tendo ainda uma luz interna da cabine. O freio de estacionamento manual era preto e a alavanca de câmbio tinha acabamento prateado. Havia ainda comando dos faróis com sensor crepuscular e temporizador.

Os vidros eram verdes e o para-brisa era degradê. No sistema de som, dois alto-falantes e dois tweeters, além da antena no teto, que na versão Sport era acompanhada por um rack.

Com 1.100 litros, o compartimento de carga era acessível apenas por fora e tinha trava da caçamba própria. Além disso, a picape tinha capacidade para 758 kg. Para pequenas bagagens, havia um espaço restrito atrás dos bancos.

Montana 2013 – versões

chevrolet montana 2018 9

  • Chevrolet Montana LS 1.4 manual
  • Chevrolet Montana Sport 1.4 manual

Equipamentos

Chevrolet Montana LS 1.4 manual – Motor 1.4 litro e transmissão manual de cinco marchas, mais faróis escurecidos, grade dupla, rodas de aço aro 14 polegadas, calotas integrais, pneus 175/70 R14, retrovisores e maçanetas em cor preta, protetor de caçamba, ganchos para fixação de carga na caçamba, degraus pretos, vidros verdes, desembaçador traseiro, para-brisa degradê, banco do motorista com ajuste em altura, direção mecânica, ventilador de três velocidades, preparação para som com alto-falantes e antena, aquecimento, protetor de cárter, lanternas escurecidas, retrovisor interno dia e noite, para-sois com porta-documentos e espelho, fonte 12V, bancos reclináveis, vidros manuais, retrovisores externos com controle interno, travas manuais, cluster com conta-giros, luz auxiliar de freio, cintos de segurança de 3 pontos, bancos com apoio de cabeça, entre outros.

Opcionais: Rodas de liga leve aro 15 polegadas, pneus 195/60 R15, faróis de neblina, chave-canivete com telecomando, vidros elétricos com one touch, retrovisores externos com ajustes elétricos, travamento central elétrico, alarme, sistema de áudio com Bluetooth e USB, computador de bordo, direção hidráulica, ar-condicionado, para-choques na cor do carro, airbag duplo, freios com ABS e EDB, cintos dianteiros com pré-tensionadores, banco do passageiro dobrável, janela traseira corrediça, maçanetas e retrovisores na cor do carro, entre outros.

Chevrolet Montana Sport 1.4 manual – Itens acima, mais sistema de som com CD player, sensor crepuscular, capota marítima, tweeters, piloto automático, rack no teto, entre outros.

Preços

chevrolet montana 2018 5

  • Chevrolet Montana LS 2013 1.4 manual – R$ 32.546
  • Chevrolet Montana Sport 2013 1.4 manual – R$ 45.341

Montana 2013 – motor

chevrolet montana 2018 12

O motor da Montana 2013 era o GM Família I 1.4 econo.flex, que já vinha da linha de compactos da Chevrolet. Esse propulsor nasceu em 1982 para equipar o Opel Corsa A e compartilhava a técnica com a Família II, a mesma do Monza.

Enquanto a Família II chegava em 1983 a bordo do Chevrolet Monza, o Família I existia somente no exterior, dado que o Chevette usava um motor dos anos 60. Então, a partir de 1994, o propulsor dessa linha chegou ao Brasil.

Após atualizações, como coletor de admissão em plástico, mudanças no coletor de escape, novos pistões, bielas, juntas modificadas, comando de válvulas roletado e injeção multiponto recalibrada, o 1.4 8V chegou à Montana.

Com bloco de ferro fundido e cabeçote de alumínio, o 1.4 tinha comando acionado por correia dentada, movendo assim duas válvulas por cilindro, bem como seus tuchos hidráulicos. Tendo bobinas individuais, o propulsor ainda tem cabos.

De concepção antiga, o propulsor recebeu ainda duas atualizações posteriores à Montana, chegando aos modelos atuais, mas não alterando seus números, porém, deixando o motor mais econômico. A picape não recebeu essa atualização.

Com 1.389 cm3, o 1.4 tinha 12,4:1 de taxa de compressão e entregava 97 cavalos na gasolina e 102 cavalos no etanol, ambos a 6.200 rpm, com torques de 13,2 kgfm a 3.200 rpm e 13,5 rpm na mesma rotação.

Além disso, trazia a transmissão manual F15.5 com cinco velocidades e embreagem de acionamento hidráulico. A Montana 2013 só teve um único motor.

Desempenho

chevrolet montana 2018 11

A Montana 2013 tinha um desempenho bom, fazendo de 0 a 100 km/h em pouco acima de 12 segundos, alcançando 170 km/h. Com peso compatível para sua proposta, o motor 1.4 é dimensionado bem para o conjunto oferecido.

  • Chevrolet Montana 1.4 manual – 0 a 100 km/h – 12,1 segundos
  • Chevrolet Montana 1.4 manual – Velocidade máxima – 170 km/h

Consumo

chevrolet montana 2018 10

Já o consumo da Montana 2013 era alto com etanol, não chegando a fazer 7 km/l na cidade e pouco mais de 8 km/l na estrada. No caso da gasolina, a picape da GM faz 9,5 km/l na cidade e mais de 11 km/l na estrada.

O modelo era bem eficiente nesse último combustível, dado que o câmbio tem relações mais curtas para melhorar o desempenho com carga, o que normalmente aumenta o consumo.

  • Chevrolet Montana 1.4 manual – Cidade – 6,8/8,2 km/l
  • Chevrolet Montana 1.4 manual – Estrada – 9,5/11,4 km/l

Montana 2013 – manutenção e revisão

chevrolet montana 2018 7

A rede Chevrolet tem plano de manutenção para a Montana 2013 com revisões a cada 10.000 km ou 12 meses, com custo total de 60.000 km em R$ 4.244,00. A revisão mais barata custa R$ 320,00 e a mais cara é de R$ 996,00.

Na rede Chevrolet as revisões incluem troca de óleo, filtro de óleo, filtro de combustível, filtro de ar do motor, filtro de ar da cabine, velas, fluido de freio, entre outros. Também substituem itens de desgaste natural.

Nesse caso, pastilhas de freio, discos de freio, lonas de freio, rolamentos, batentes das torres, amortecedores, molas, pivôs, palhetas dos limpadores, buchas de balança, coxins de motor e câmbio, entre outros.

As concessionárias ainda possuem serviços de funilaria, pintura, higienização, limpeza oxi-sanitária, recall, instalação de acessórios, entre outros. Na revisão ainda são inspecionados diversos itens de motor, câmbio, suspensão, direção e freios.

Revisão10.000 km20.000 km30.000 km40.000 km50.000 km60.000 kmTotal
1.4 8VR$ 320,00R$ 688,00R$ 812,00R$ 572,00R$ 996,00R$ 856,00R$ 4.244,00

Montana 2013 – ficha técnica

chevrolet montana 2018 6

A Chevrolet Montana 2013 foi um projeto de baixo custo numa época em que a General Motors não tinha recursos para investir em produtos mais modernos. Além disso, a estratégia global pedia uma linha para mercados emergentes.

Com isso, os produtos de origem Opel foram trocados por modelos de desenvolvimento local. Durante o período de falência da GM, a filial brasileira utilizou-se da plataforma GM 4200, nascida em 1982 com o Opel Corsa A.

Ela chegou ao Brasil com a segunda geração do mesmo em 1994, o Corsa B. Após sustentar a família do compacto nos anos 90, a 4200 foi usada no Celta, um carro de baixo custo. A partir dele, a GM criou o Agile, feito na Argentina.

Para manter o custo extremamente baixo, a GMB recriou a Montana, gerando uma segunda geração da picape, que na anterior, era derivada direta do mais recente Corsa C e derivados, como a minivan Meriva.

Por isso é dito que a Montana involuiu, deixando uma base dos anos 2000 por outra nascida nos anos 80. Assim, feita em São Caetano do Sul, a picape leve seguiu seu curso e comenta-se que gerou até a renúncia da então presidente da GMB.

Feita em monobloco, a Chevrolet Montana seguiu por 10 anos sem mudanças importantes, virando apenas uma coadjuvante dentro do mercado de picapes leves. Recentemente, o modelo foi retirado de linha em prol de um novo.

Este produto ocupará o espaço da linha de montagem da Montana, vindo a ser um rival da Fiat Toro, mas dificilmente adotará o mesmo nome, visto ser um produto muito diferente, com base na plataforma VSS-F de Onix e Tracker.

Motor1.4
Tipo
Número de cilindros4 em linha
Cilindrada em cm31389
Válvulas8
Taxa de compressão12,4:1
Injeção eletrônicaIndireta
Potência máxima97/102 cv a 6.000 rpm (gasolina/etanol)
Torque máximo13,2/13,5 kgfm a 3.200 rpm (gasolina/etanol)
Transmissão
TipoManual de 5 marchas
Tração
TipoDianteira
Direção
TipoMecânica ou hidráulica
Freios
TipoDiscos dianteiros e tambores traseiros
Suspensão
DianteiraMcPherson
TraseiraEixo de torção
Rodas e Pneus
RodasAço ou liga leve de 14 ou 15 polegadas
Pneus175/70 R14 e 185/60 R15
Dimensões
Comprimento (mm)4.514
Largura (mm)1.700
Altura (mm)1.579
Entre eixos (mm)2.669
Capacidades
Caçamba (L)1.100
Tanque de combustível (L)54
Carga (Kg)758
Peso em ordem de marcha (Kg)1.152
Coeficiente aerodinâmico (cx)ND

Montana 2013 – fotos

Autor: Ricardo de Oliveira

Técnico mecânico, formado há 26 anos. Há 15 anos trabalha como jornalista no Notícias Automotivas, escreve sobre as mais recentes novidades do setor, frequenta eventos de lançamentos das montadoras e faz nossos testes e avaliações.