Chevrolet China Mercado Sedãs

Monza é o Chevrolet mais vendido da China – Sedã abreviou o Cruze

Monza é o Chevrolet mais vendido da China - Sedã abreviou o Cruze

O Chevrolet Monza é o mais emplacado da marca americana na China, em meio ao crescente aumento nas vendas de crossovers e SUVs.


Ele assumiu o primeiro posto nos emplacamentos da Chevrolet com 141.795 unidades em 2019, sendo que o mês de maio foi seu melhor com 21.439 exemplares.

Junto com o Onix Sedan, ele faz a nova dupla de sedãs de acesso da Chevrolet na China, mercado onde a GM teve queda de 15,9% no ano passado. Por lá, eles substituíram tanto o Sail quanto o Cavalier, que era uma versão da marca para o Baojun 630.

Monza é o Chevrolet mais vendido da China - Sedã abreviou o Cruze

Além disso, o Monza teria abreviado a vida do Cruze por lá, de acordo com um relatório do site GM Autorithy, onde um dos motivos da saída do sedã médio da Chevrolet teria sido a ascensão do renascido modelo.

Aliás, conta-se ainda que os motores usados no Cruze já não atendiam mais as normas chinesas, bem como as vendas dos crossovers e SUVs fizeram muitos clientes migrarem para modelos como Orlando e Equinox. O Cruze vendeu pouco mais de 10 mil na China em 2019.

Já o Monza, no entanto, ganhou a preferência local, mesmo sendo um carro que tem o mesmo preço inicial que o Onix Sedan: 89.900 yuans ou R$ 55.900.

Monza é o Chevrolet mais vendido da China - Sedã abreviou o Cruze

Com 4,630 m de comprimento, 1,798 m de largura, 1,485 m de altura e 2,640 m de entre eixos, o Monza é maior que o Onix. Ambos têm o mesmo motor 1.0 Turbo com injeção direta, entregando 125 cavalos e 17,5 kgfm, além de câmbio de dupla embreagem de seis marchas. O 1.3 Turbo tem 163 cavalos e câmbio automático de seis marchas.

Tendo suspensão traseira multilink, o Chevrolet Monza fica em um nível acima do Onix Sedan, que possui eixo de torção em “V” na traseira, usando a mesma base VSS-F.

Sem o Cruze, apenas o Malibu XL fica num nível acima destes dois. Por aqui, o Cruze argentino se torna o último do mundo, já que deixou de ser feitos nos EUA, México e Coreia do Sul.

Monza é o Chevrolet mais vendido da China - Sedã abreviou o Cruze

O que virá de sucessão? Sair do segmento médio com um carro que ainda vende bem por aqui, seria um tiro no pé. Afinal, o modelo chegou mesmo a vender mais que o Civic recentemente. Mas, um dia sua vida útil acaba.

Sem um projeto global de mesmo porte, o candidato mais próximo seria o próprio Monza. Num nível de preço abaixo dos sedãs médios da concorrência, mas oferecendo algo próximo, o renascido Chevrolet poderia servir como o Cobalt fez em relação ao Prisma.

Com motor 1.2 Turbo do Tracker, ele poderia ficar acima do Onix Plus ou, quem sabe até, repetir o que a GM faz na China. A sobreposição de preços e segmentos dentro da Chevrolet não é algo novo por aqui. O que acha?

[Fonte: GM Autorithy/Carsalesbase]

Ricardo de Oliveira

Ricardo de Oliveira

Técnico mecânico, formado há 23 anos. Há 12 anos trabalha como jornalista no Notícias Automotivas, escreve sobre as mais recentes novidades do setor, frequenta eventos de lançamentos das montadoras e faz nossos testes e avaliações. Também trabalhou nas áreas de retificação de motores, comércio e energia.

  • Diego Lip

    Isso, a GM traz o Monza, fazendo sucesso, a Ford traz o Escort, haha.

    • David Diniz

      a Vw o Santana a Fiat com o tempra…

      • Gustavo Adriano

        Infelizmente o Tempra foi o único sedã médio da Fiat que funcionou em solo brasileiro né, vai que dá a louca na Fiat e ela acaba construindo um novo sedan (ou até mesmo um SUV) resgatando a nomenclatura?
        Tempra Cross? Tempra X? kkkkk surreal eu diria…

        • Sino Weibo

          Se forem na onda da Ford, irão fazer.

        • David Diniz

          Tempra funcionou naquelas… Se lembra do “kit tropicalização” que tinha para ele?

          • 4lex5andro

            Os dois Marea (sedã e station) foram os melhores Fiat brasileiros de todos os tempos.

            Porém por ter uma motorização importada (5 cilindros multiválvulas italiano) e falhas tanto em equipamentos (inadmissível falta de câmbio at mesmo como opcional, só corrigido perto de sua retirada de produção) quanto no planejamento de sua manutenção preventiva destruíram sua reputação.

            Depois disso, a Fiat desistiu do segmento dos médios (no Brasil, e depois, na matriz).

            • mariostefa

              Sem contar os “mexanicos” especializados. Tive 3 Mareas. Nunca tive problemas.Excelente carro.

              • Eduardo 1981

                Excelentes carros novos…

            • Victor Freire

              problemas crônicos à parte, eu sou da opinião que não existe carro ruim, existe carro sem manutenção adequada (e verdade seja dita, nisso a fiat ajudou, recomendando trocas de óleo aos 15 mil km quando o correto seria aos 5 mil km).

              de toda forma, o correto seria a fiat, de fato, deixar o segmento dos médios e tentar emplacar nesse segmento alguma outra marca do grupo. se eu estivesse na posição do ceo do grupo, criaria uma linha de produtos pra ficar entre os fiat e os alfa/chrysler, podendo ter a marca dodge nas américas/austrália e lancia na europa/índia/china. seriam, por exemplo, hatches, sedãs e suvs médios e eventualmente algum mais crescidinho.

        • Malvino Jose Moreira Junior

          A Fiat tinha o viaggio , dodger dart, chrysler 200c para usas como base no mercado nacional e não trouxe , preferiu retilizar o Linea. Infelizmente a Fiat não tem jeito para médio no Brasil;

          • Dario Lemos

            Para mim a marca Fiat não tem vocação para isso, o melhor mesmo é focar nos segmentos em que ela melhor entende: compactos. E olha que tivemos 2 Tempras e 1 Marea que, aliás, deixaram ótimas lembranças mesmo com alguns problemas no 2o. Tempra.

      • RenanR

        Lembrando que já tem o Tipo na Itália, como um argo mais premium

        • David Diniz

          Vai ser FOGO com a fama do Tipo por aqui…

    • Luis Fernando Pozas

      E a Gurgel renasce das cinzas…

      • 4lex5andro

        Um br800 repaginado a ”la” Obvio 828h, e elétrico.

        https : / / timeline . canaltech . com . br / 101025.700 / grupo-revive-projeto-para-fabricar-carro-eletrico-nacional . jpg

        Pq não?!

        • Luis Fernando Pozas

          Acho que nem precisa ser elétrico… Pega aquele motorzinho do BR800 que já era bom (em transito urbano), dá uma modernizada, uma injeção direta, otimiza para uso com alcool… Acho que fica show!

          • mjprio

            Pois é , a Fiat tem o seu bicilíndrico de 900cc que faz maravilhas. Equipou até o Punto la na Itália se nao me engano

  • Sino Weibo

    Agora o Brasil sempre vai ter de observar os mercados da China ou Índia, pois será o que terão aqui daqui pra frente.

    • Rogério R.

      Mercados do leste europeu também. Será uma tendência já que os futuros projetos de carros europeus se tornarão cada vez mais caros para serem oferecidos em mercados emergentes como o nosso.

  • Aristênio Catanduva

    vendeu 9.644 unidades em Dezembro mês que deveria vender acima da media de 15000 unidades

  • th!nk.t4nk

    No Brasil é capaz de simplificarem ainda mais, daí pode chamar de Chevette direto.

    • 4lex5andro

      Não virão. Os médios estão acabando no Brasil. O mercado nacional ficará restrito a suv, hatchs compactos e picapes.

      • Eduardo 1981

        E Sedan compacto, as famílias menos abastadas precisam de carro barato e de bom porta malas.

      • Diego Lip

        Diz isso pra Toyota com o Corolla.

    • Raul Mafra

      kkkkkk nao duvido, vai que tragam algo abaixo do onix plus, tipo o corsa classic, façam umas manolagem pra mudar um pouco e venha com nome de chevette kkkkk

      • mjprio

        🤣🤣🤣

  • Gabriel

    Vão trazer um carro inferior pelo mesmo preço ou mais.

  • Raphael P

    Duvido que venha

    • Rodrigo Pasini

      Prefiro que deixem o cruze do que trazer esse carro pra cá e jogar ele no mesmo patamar de preços do cruze .

  • Leandro

    Se a Chevrolet quiser continuar no segmento de sedãs médios aqui no Brasil, a única opção disponível é esse Monza, visto que o Cruze já tem seus dias contados. Ou a Chevrolet traz o Monza ou abandona o segmento no Brasil.

    • Filipe Augustus

      Sem contar que o Cruze será o último Opel/GM que tivemos aqui, apesar de algumas diferenças ele não passa de um Astra sedan, inclusive a plataforma e a mecânica!

      • Eduardo Brito

        De Opel, o atual Cruze tem somente a plataforma e o motor ecotec. O projeto foi desenvolvido pela matriz americana.

        • Filipe Augustus

          Foi o que eu disse, plataforma e mecânica! Eles tem bastante semelhança, até em design, tanto que na Austrália ele era vendido como Holden Astra!

    • Eduardo 1981

      Exatamente Leandro, ou será isso ou não será nada… Ou que o “nada” nem é tão distante, vai que o Onix Plus cresça mais uns centímetros e ganhe um pouco mais de refino na próxima geração.

    • Vinicius LMS

      Ou traz uma nova geração do Buick Excelle GT com outra frente.

  • 😎.

    Mesmo preço inicial do Onix , assim o modelo menor não faria o menor sentido.

  • Natán Barreto

    Como no Brasil, matam um modelo superior e realmente do segmento médio por um modelo mais simples e menos equipado.
    Fizeram isso com o Golf aqui em prol do Polo, a GM repetiu o feito na China.

    Pior é o NA sugerindo fazer isso aqui tbm.

    • Eduardo 1981

      Amigão, o Cruze morrerá em final de 2022. É a projeção. Portanto, tem quase 3 anos pela frente.

      Depois, teremos a fábrica de Rosário na Argentina, ociosa e nosso mercado com somente o Onix Plus como opção de Sedan.

      Isto posto, tem-se que, ou vem o Monza, ou não vem nada. E certamente virá com o 1.0T e o 1.2T da Tracker para baratear, nada de 1.3T. Como será um carro mais leve do que o Cruze, esse 1.2T vai dar conta do recado.

      • Eric PB

        Concordo com o que vc disse, mas virá a preço de cruze (se vir) e é de categoria inferior, foi isso que o outro colega quis dizer.

        • Eduardo 1981

          Virá intermediário creio eu, uma espécie de Cobalt. Acima de Onix Plus e abaixo de Corolla, Civic, Jetta. Lembrando que daqui a 3 anos, esses carros supracitados estarão na casa de 140 a 170 mil (corolla hibrido), logo, esse Monza deve ficar entre 100 – 120 e o Onix Plus de 70 a 100. A idéia seria justamente roubar vendas do segmento médio, coisa que o Cruze faz não faz por ter preço semelhante.

          • Eric PB

            Espero q a inflação na casa de 4% não permita esse horizonte. Se o preco de um jetta rline for assim, será ganancia das montadoras e bastará o consumidor parar de adquirir carro zero km

            • Eduardo 1981

              Idem, os valores são fictícios, chutei por alto apenas para fins demonstrativos pois estou a trabalhar enquanto “fujo” aqui pro sítio do Notícias Automotivas.

              kkkkkkkkkk

  • Piston head

    Obrigado, prefiro o Cruze mesmo…

    • Eduardo 1981

      Eu também ,se vier custando um pouco menos, e deve vir, passa a ser opção.

      • Jonas Brother

        concordo e recentemente comprei um cruze top de linha premier com o teto solar cheio dessas tecnologia e segurança e não troco nem a pau por esse monza sem grife

  • Filipe Augustus

    Acho que ele faria sucesso aqui, mas teria que refinar ele um pouco e melhorar a potência desses motores, se não ficaria posicionado de maneira errada igual o Fiat Linea, que nem era médio e nem compacto! Mas acho que dependendo da estratégia uma versão hibrida pra brigar com o Corolla e um pouco de refinamento o Monza faria sucesso aqui no Brasil!

  • Cristiano

    Só lembrando que a plataforma do Monza é a do Cruze modificada, nada de VSS-F.

  • RKK

    “Com 4,630 m de comprimento, 1,798 m de largura, 1,485 m de altura e 2,640 m de entre eixos, o Monza é maior que o Onix. Ambos têm o mesmo motor 1.0 Turbo com injeção direta, entregando 125 cavalos e 17,5 kgfm,além de câmbio de dupla embreagem de seis marchas. O 1.3 Turbo tem 163 cavalos e câmbio automático de seis marchas.

    Tendo suspensão traseira multilink, o Chevrolet Monza fica em um nível acima do Onix Sedan, que possui eixo de torção em “V” na traseira, usando a mesma base VSS-F.”

    -> Tendo suspensão traseira multilink, o Monza passa a ser mais moderno que o Cruze.

  • radiobrasil

    Não é “se”, mas “quando” o Cruze vai morrer… aposto que o substituto será esse Monza… Vide o novo Onix, Tracker.. tudo projeto chines pra maximizar os lucros

  • Luan

    RIP sedans médios!

    Mas não dúvida que a GM traga o Monza com essa suspensão multilink e completão pra cá pra substituir o Cruze.
    Usa o 1.2 turbo do Tracker e o 1.4 turbo do atual Cruze e segue por mais uns anos.

    Se bem que o congresso aprovou a proibição de veículos a combustão (gasolina e diesel) a partir de 2030, então talves tenhamos uma reestilização do Cruze até lá e só. kk

  • Hiluin

    Bonito, mas não acho que venha.
    GM deve apostar em mais um crossover. A Trailblazer coreana ou algum derivado do Tracker.

  • Wil Vila Carmosina

    Legal ressuscitar o nome em homenagem ao Monza, esse novo é um carro bonito, mas Monza tem seu charme e dificilmente haverá um carro com tão marcante e imponente como ele. Tenho dois Monzas tubarões e não troco por nada.

    • Holandês Louco

      Na época que a Opel fazia parte do grupo GM, existiram entre 1978 e 1986 dois coupés com o mesmo nome de Monza, porém eles eram feitos sobre a plataforma do Opel Senator, ainda maior que o “nosso” Omega.
      Além dele, existiu um protótipo apresentado pela Vauxhall, outra empresa do grupo GM na época, com o nome Monza em 2013, era coupé 2+2 e híbrido.
      Por fim, o “nosso” Kadett foi vendido na África do Sul com o nome de Opel Monza.

      • Guilherme Macieski

        Existiram vários Monzas na GM:
        Chevrolet Monza americano de 1975 – era um coupé 2 + 2 baseado no também americano Chevrolet Vega;
        Opel Monza – era um coupé grande com motor 3.0 (o mesmo do Omega nacional) – ele foi o sucessor do Commodore (nosso Opala 2 portas) e era derivado do Opel Senator, um sedã maior que o Rekord (antecessor do Omega).
        Chevrolet Monza Nacional lançado em 1982 – derivado do Opel Ascona.
        Opel Monza sul africano – derivado do Opel Kadett E.
        Opel Monza concept – exibido em 2013 no salão de Frankfurt.
        Chevrolet Monza chinês atual.

  • Rogério R.

    Não sei não, mas acho que o Monza seria um sedã que teria capacidade de dar trabalho para o Corolla aqui.

    • mjprio

      O problema pra mim é pós venda. Nessa faixa de preço o consumidor quer algo que não lhe de3 dor de cabeça. Por isso o Vovorolla ( sem desdouro) vende feito pão quente. O carro é honesto no que faz sem muita firula e, quando visita a css, elas fazem um bom trabalho

  • andrevilsonpereira

    a Gm tem até 2022 para decidir o que vai no lugar do Cruze até lá esse Monza pode estar mudando de geração, migrando para a GEM ou mantendo a mesma plataforma ou indo para a VSS-F, a GM daqui pode fabrica esse Monza na Argentina? pode, isso vai acontecer? talvez pois não se sabe qual modelo é esse de maior valor agregado que vai ser fabricado na Argentina pode ser a nova geração da Montana que será uma anti Toro, pode ser o Anti Compass deles, ou pode ser o Monza mesmo já que o Cruze tá tendo boas vendas e o Monza na china parace que está tendo bons resultados também, reviver o Monza no Brasil ao meu ver seria uma (mantendo o nome) seria uma boa idéia pois tem o fator nostalgia pois tendo um bom nome o povo vai comprar

Quem somos

O Notícias Automotivas é um dos maiores sites automotivos do Brasil, trazendo todas as novidades sobre carros para mais de 450 milhões de pessoas, por mais de 13 anos. Saiba mais.

Notícias por email