Etc

Morre João Amaral Gurgel, o fundador da montadora nacional

joao-amaral-gurgel Morre João Amaral Gurgel, o fundador da montadora nacional







O fundador e dono da Gurgel, montadora nacional já extinta, João Amaral Gurgel, morreu nesta última sexta-feira, por causa do Mal de Alzheimer, que o atacava já por oito anos. Ele estava com 83 anos.

Sua montadora, a marca nacional mais conhecida, foi fundada em 1969, e começou a vida fazendo bugues. Sua criação mais conhecida foi o Gurgel BR-800, que dentre 1989 e 1991 teve esse nome, e entre 1992 e 1994 se chamou Supermini.

gurgel-br-800 Morre João Amaral Gurgel, o fundador da montadora nacional

Ele tinha motor de 800 cilindradas, como o nome sugeria, com apenas dois cilindros e 32 cavalos de potência, que incrivelmente impulsionava o carrinho de maneira razoável, graças ao seu peso de apenas 645 quilos.

Isso sem contar que esses carrinhos eram bem econômicos. Publicações da época citavam seu consumo como sendo 10% melhor que o do Mille.

gurgel-supermini Morre João Amaral Gurgel, o fundador da montadora nacional

Entre suas características inovadoras, podem ser citadas a ausência de distribuidor e correias, ignição a microprocessador, suspensão de aço progressiva especialmente projetada para estradas de terra e carroceria de Plasteel.



  • VECCH

    Como o governo pode ter deixado a GURGEL ás traças?ME DESCULPEM,MAS SE ESTIVESSEMOS NA DITADURA,COM CERTEZA A GURGEL SERIA UMA MULTINACIONAL E UM ORGULHO PARA OS BRASILEIROS!

    QUE ESTA PESSOAS FASCINANTE DESCANSE EM PAZ.

    ABRAÇOS.

  • Lucas

    Saudades desse cara amigao meu e do meu primo

  • duhs2dany

    Uma grande perda! :cry:

  • Luis.J.R.

    Era para a montadora existir até hoje se o governo não tivesse negado os US$20milhões, bom parece que uns dos motivo é esse porque a gurgel fechou as portas!O gurgel foi um homem a frente de seu tempo.

  • Stanley

    Uma história muito boa, que é contata em partes no youtube, procure, vale a pena!!
    Esse cara já via há anos atraz a preocupação de meio ambiente, mas infelizmente o GOVERNO não acreditou!!

  • kaique

    realmente uma grande perda, quem sabe hoje estariamos com reais caros de baixa cilindrada e custando o que realmente vale

  • Lucas

    Esse cara tinha muitos planos e queria restaurar sua montadora mais o gover neahh

  • Ricardo Ludwig

    Lamentável! Ah se o BRASIL tivesse investido, hoje a situação seria outra, mas como sempre fechou suas portas para o povo brasileiro, hoje temos montadoras multinacionais que nos roubam descaradamente vendendo-nos carroças! É uma pena! Tem horas que tenho vergonha de ser brasileiro.

  • Tomasturbando

    Infelizmente morreu o ultimo amante do automovel, aquele que nao criou uma fabrica de carros e sim uma fabrica de sonhos ao alcance das pessoas reais, culpa do governo Ciro Gomes que foi o primeiro a nao cumprir o acordo do protocolo assinado entre os governos de Sao Paulo e do Ceará e a Gurgel.
    Triste saber que por culpa do nosso ÓTIMO governo hoje nao temos uma montadora com o coracao 100% brasileiro e somos estorquidos pela multinacionais que abusam do povo brasileiro !

  • Tomasturbando

    LUTO

  • Alex

    Ricardo Ludwig vc falou tudo.

    Uma pena.

    A grande culpa da falencia da gurgel sem duvida nenhuma foi o governo.

    A volks tambem contribuiu para q isso ocorresse.

  • Ricardo Maranello

    esse foi O CARA!

    aqui jaz o sonho do carro brasileiro! e, pior, pra sempre!

  • tonywalker

    E pensar que a 15 anos atrás ele já tinha um carro elétrico de produção que tinha 60Km de autonomia.

    Uma pena que mentes como a do Sr. Gurgel sejam tão mal aproveitadas e humilhadas pelo nosso governo.

    Como pode um visionário desses morrer por uma doença fruto da depressão.

  • Sérgio

    Realmente um visionário, mas que como a maioria deles, morre na obscuridade , para somente mais tarde , nos livros de história, ser reconhecido.Como outros gênios : leonardo da Vinci, Nicola Tesla, Aleijadinho, somente o futuro mostrará o quanto poderia ter sido aproveitado dos sonhos do Sr. Gurgel.
    “Rest in Peace”

  • jonathanBR

    Ainda vejo um ou outro Supermini em perfeito estado rodando pelas ruas…Se eu fosse rico, com certeza eu levantaria a Gurgel denovo…

  • jonathanBR

    A FIat precisa de outro nome para fabricar seu futuro compacto…Pq ela não pensa e não colocaum Gurgel Uno nas ruas?

  • Kokokil

    Um empreendedor, um visionário, realmente a frente de seu tempo.
    Perda irreparável.
    .

    VECCH Diz:

    …ME DESCULPEM,MAS SE ESTIVESSEMOS NA DITADURA,COM CERTEZA A GURGEL SERIA UMA MULTINACIONAL E UM ORGULHO PARA OS BRASILEIROS!
    .
    .
    Permita-me discordar.
    Qual montadora multinacional (com origem no Brasil) surgiu no tempo da ditadura?
    Qual multinacional (com origem no Brasil) de qualquer ramo surgiu no tempo da ditadura?

  • Moriah

    Uma grande perda, sem dúvidas…Merece ser lembrado como um dos grandes brasileiros deste país!

  • wotan

    Esse homem nasceu no país errado, enquanto aqui o governo virou as costas para ele, abre os cofres publicos para as montadoras ESTRANGEIRAS que sugam nossos trabalhadores, exploram nosso consumidor, e enviam todo o lucro para as suas matrizes, sem nos dar nada em troca. A Gurgel era para ser uma potencia nos dias de hoje, assim como a TATA é uma potencia na India. Seu único “erro” foi ter se oposto ao Alcool combustivel.
    João vá em paz o senhor foi um grande homem é um dos maiores brasileiros de todos os tempos, um herói nacional.
    Adeus.

  • wotan

    [Comentario #139308 sera citado aqui]

    Você falou tudo, o Governo Militar sempre apoiou a Gurgel, os militares sempre foram patriotas é uma caracterista deles, enquanto esses neo-liberais como os “Fernandos” e esse pelego sindicalista, abriram as pernas para as multi-nacionais. Que deitam e rolam em cima nós.

  • 100nocao

    Vai com Deus!

    No mundo automotivo sempre serás lembrado, como um grande Brasileiro!

    Uma pena, o Governo na época nada fez pra ajudar a GURGEL, e agora ele ta ficando de quatro para GM, FORD e CIA LTDA.

  • eduardo

    O senhor João do Amaral Gurgel no Brasil, assim como o senhor Preston Tucker nos EUA, foram visionários sonhadores que foram “mortos” pelas grandes montadoras dos EUA…aqui no Brasil a GM e a Ford também tiveram a ajuda da VW da Fiat para acabar com o Gurgel.(a pressão das MULTI sobre o gov. de SP, na época, foi monstruosa) Mas o Gurgel cumpriu seu papel, chegando a exportar seus carros para América Central e Caribe e tb tendo fabricado o 1º carro 100% nacional, portanto cabe a nós apaixonados por automóveis seguir seus passos e criar as novas oportunidades para o surgimento de uma nova GURGEL. Que este maravilhoso brasileiro descanse em paz!
    OBS: Por uma ironia do destino, o cara que levou os sonhos de criança a vida adulta terminou seus dias de certa forma como uma criança…

  • JBAFilho

    Desconfio, que o governo não liberou aqueles 20 milhões por pressão das montadoras multinacionais.

  • ACB

    Sonhando com o carro nacional

    Desde sua juventude, sonhava em fazer um carro brasileiro, tanto que em sua formatura da Escola Politécnica de São Paulo, apresentou um pequeno veículo de dois cilindros, batizado Tião. Como projeto pedido foi um guindaste, quase é reprovado. Ouviu então de seu professor: “Carro não se fabrica, Gurgel, se compra “.

    A história da Gurgel Motores se inicia em meados da década de sessenta, quando seu fundador, João Augusto Conrado do Amaral Gurgel, começa a produzir minicarros para crianças e karts.

    Em 1969, Gurgel, que era engenheiro formado pela USP, lança seu primeiro utilitário, o Ipanema.

    Seguiram-se então os lançamentos do pequeno off-road X-10, e mais tarde do X-12, que utilizava um inédito sistema de construção, em que o chassi tubular era reforçado por componentes de fibra de vidro. O carro era equipado com o motor Volkswagen a ar e logo tornou-se um sucesso. Não dispunha de tração integral mas seu diferencial tinha um sistema exclusivo que permitia que uma das rodas fosse bloqueada (uma espécie de “diferencial blocante de acionamento manual”).
    Em 1981 é inaugurada a fábrica de Rio Claro.

    Amaral Gurgel sempre foi cético com relação ao Pro-álcool, achava que terras férteis deveriam produzir alimentos e que não fazia sentido subsidiar álcool enquanto o Brasil exportava gasolina barata. Para ele, a energia do futuro era a elétrica, por isso a Gurgel Motores sempre pesquisou essa tecnologia, desde o princípio.
    Ainda em 1981 a Gurgel Motores lançou o Itaipú, uma van elétrica. Para sua recarga bastava conectá-la a uma tomada doméstica, mas o desempenho era fraco (vazia não superava os 70 km/h) e as baterias (que representavam 1/4 do preço do carro) tinham vida útil curta. O carro acabou um fracasso de vendas e foi descontinuado no ano seguinte, mas a empresa continuou desenvolvendo protótipos elétricos, sem nunca chegar a um economicamente viável.

    Em 1986 são lançados o Tocantins (um X-12 melhorado) e o Carajás. Este último um sport utility de grande porte que se utilizava do motor VW 2.0 a água e tração traseira com o mesmo sistema de bloqueio de diferencial já empregado no X-12. Esses carros também foram bem em vendas e conquistaram consumidores fiéis entre órgãos públicos e polícias.

    Mas foi entre 1984 e 1988 que a fábrica de Rio Claro desenvolveu o que talvez tenha sido o projeto mais ambicioso de uma empresa brasileira em todos os tempos. Esse projeto, denominado CENA (Carro Econômico Nacional), visava criar um carro totalmente projetado e manufaturado no Brasil, que fosse econômico, e tivesse ainda manutenção simples e barata. Esse carro deveria ser para a Gurgel o que o Modelo-T fora para a Ford e o que o Fusca fora para a VW.

    No final de 1987 unidades pré-série foram ter às pistas de testes para definir os últimos acertos e em 1988 o carro rebatizado como BR-800 começou a ser produzido em série. O Governo Federal, num louvável gesto de apoio à indústria nacional, concedeu ao carrinho o direito de pagar apenas 5% de IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados), enquanto os demais carros pagavam 25% ou mais dependendo da cilindrada.
    O pequeno automóvel tinha a carroceria de fibra de vidro construída sobre um chassi tubular. O motor tinha dois cilindros contrapostos horizontalmente (boxer), era refrigerado a água, alimentado por carburador e movido a gasolina; desenvolvia 33cv e 6,2kgmf.

    m dos objetivos principais do projeto não foi atingido, o preço. Nos dois primeiros anos, todas as unidades eram destinadas a quem comprasse um lote de ações da Gurgel. Mesmo assim o sucesso foi imediato, quem conseguia o carro recendia-o com até 100% de ágio facilmente. É que a idéia de um carro totalmente brasileiro despertara um generalizado nacionalismo ufanista.

    Em 1990, quando o carro começava a ser vendido sem o pacote compulsório de ações, quando parecia estar surgindo uma nova potência (tupiniquim) no mercado automobilístico, o Governo isenta todos os carros com motor menor que 1000cm³ do IPI (numa espécie de traição à Gurgel). Assim a Fiat lançou quase instantaneamente o Uno Mille, pelo mesmo preço do BR-800, mas que oferecia mais espaço e desempenho.

    Em 1991 o BR-800 passou por aperfeiçoamentos no desenho, interior e transmissão, passando a chamar-se BR-Supermini. Mas a empresa já não estava bem financeiramente.
    Em 1992 a Gurgel Motores entrou em concordata, e os lançamentos do Chevette Junior e Gol 1000, em 1992 e 1993 respectivamente, ambos desfrutando da mesma vantagem fiscal do Uno Mille, deram o golpe de misericórdia na empresa brasileira.

    Trabalhando com quadro de funcionários reduzido desde o pedido de concordata, a Gurgel, com uma dívida superior a 3 milhões de dólares, vem a falir em 1995. O sonho acabou….

    “Posso ir a falência por incapacidade, erro de mercado, mas me recuso a ir a falência por decreto”

    João Augusto Gurgel

    FONTE : http://www.doutrina.linear.nom.br/Artigos/Antigos/Gurgel.htm

  • DBS

    Nesse País vergonhoso que eh o Brasil, os estrangeiros tem inumeras vantagens em tudo. vcs ja foram em algum lugar onde turistas estrangeiros frequentam? ja notaram a diferença no tratamento?

    Com o governo nao é diferente, vcs sabem quanto custa o IOF para emprestimos feitos por Brasileiros? sabe quanto é para estrangeiros? 0,00% eles tem acesso ao capital, se vc quiser terá de pagar muito caro :pao: :pao:

  • pablorocha

    Grande Brasileiro sem dúvida,mas o pior de tudo foi aquele picareta de MG que lhe roubou a marca, comprou uns moldes do jipe Tocantins e quer refazê-lo à revelia da Família Gurgel.

  • Silveira

    O senhor Gurgel, assim como qualquer pessoa que tenta levar o nome do Brasil para o exterior foi desvalorizado!!!!!!!! Uma perda irreparável para o país que apenas dá valor ao Futebol!!!!!!!!! Não apenas um visionário, mas um homem de idéias que antecipou e disponibilizou tecnologias antes das grandes marcas.O City car, uma moda nos dias de hoje, foi feito por ele inclusive numa versão elétrica( também em voga ) que nunca saiu do protótipo. Os primórdios do Locker tbm foi ele q fez algo tão rústico e ao mesmo tempo brilhante. O mal do senhor Gurgel não foi ser um sonhador,foi nascer num país onde o governo não investe e o povo ridiculariza os grandes atos!!!!!!!!!!!

    Descanse em Paz seu Gurgel, pois no mundo dos carros o senhor sempre será lembrado com carinho e admiração!!!!!!!!!!

  • ACB

    Que Gurgel é esse?

    O EMPRESÁRIO NÃO É MINEIRO, MAS SIM PAULISTA DE PRESIDENTE PRUDENTE !!!!!

    Empresário registra o nome da falida montadora à revelia da família Gurgel.
    A briga vai parar na Justiça

    Aos 11 anos ele vendia chiclete na escola.

    Aos 17, tentou a sorte como comerciante de tintas em Presidente Prudente-SP.

    Aos 25, montou uma factoring e levou um calote tão grande que foi obrigado a se desfazer de uma pequena fazenda dada pelo pai para não ir à lona. Com dinheiro no bolso, foi para Hong Kong buscar novidades. Voltou com dois produtos na bagagem: ferramentas pneumáticas e um super-rodo absorvente. Encantado com o comércio bilateral com a Ásia, no ano 2000 decidiu importar triciclos agrícolas chineses. Hoje, vende 2 triciclos por mês para pequenos agricultores. Eis, em poucas linhas, a saga de Paulo Emílio Freire Lemos, empresário de 36 anos que promete “em breve entrar para a história”. Não com ferramentas, rodos ou triciclos, mas com algo bem mais ousado: a produção de carros populares genuinamente nacionais. Em 16 de abril deste ano, silenciosamente, em mais uma de suas aventuras corporativas, Lemos começou a dar forma ao projeto ao registrar em seu nome a marca Gurgel, cujo prazo de validade no Instituto Nacional de Propriedade Industrial havia expirado em 2003. Gastou R$ 850 no processo. “Registrei e fiquei quietinho até vencer o prazo de contestação”, conta Lemos.

    Fundada em 1969 pelo jovem engenheiro João Augusto do Amaral Gurgel, a montadora produziu 43 mil veículos durante os anos 70, 80 e início dos 90. Mas o homem que queria ser o Henry Ford brasileiro contraiu dívidas, embarcou em parcerias equivocadas (comenta-se que o governo do Ceará o deixou na mão depois que ele havia investido milhões numa fábrica em Fortaleza) . A Gurgel faliu em 1994 e agora, uma década depois, sem pedir licença, Paulo Lemos entra na história e apropria-se da marca.

    A manobra do empresário de Presidente Prudente não é ilegal. De acordo com Adriana Brunner, da empresa Edmundo Brunner, especializada em marcas e patentes, qualquer um pode registrar marcas cujo prazo de validade tenha expirado no INPI. “Mas há que se levar em conta a parte ética. Como se trata de um sobrenome de família notoriamente conhecido dentro deste ramo de atividade, Lemos pode ser acusado de agir de má-fé”, diz Adriana. É isto que Maria Cristina do Amaral Gurgel, filha de João Gurgel, pretende provar. “Pode não ter sido ilegal, mas foi imoral”, disse ela à DINHEIRO. “O nome de meu pai não pode ser usado pelo primeiro sonhador que aparecer.” João Gurgel tem hoje 78 anos e passa os dias sob os cuidados de dona Carolina, sua mulher. Ele sofre do mal de Alzheimer.

    A família, por meio de seus advogados, decidiu entrar com uma notificação sugerindo ao gestor da massa falida da Gurgel, o advogado Jaime Marangoni, que tente im-
    pugnar o registro de Lemos. “Vamos entrar com uma ação de nulidade desse regis-
    tro”, diz Marangoni. “Uma marca desse quilate não pode ser adquirida por R$ 850”.

    Alheio a todo esse imbróglio jurídico, Lemos sonha. Diz que “a família deveria estar agradecida por ele ter resgatado o nome”. Numa conversa telefônica ríspida com Maria Cristina, o empresário filosofou: “O que seria de Charles Goodyear se alguém não tivesse patenteado a borracha vulcanizada e criado uma empresa em sua homenagem?”. Também contou que registrou uma marca chamada Romizzeta – qualquer semelhança com a Romi-Isetta dos anos 50 não é coincidência. A propósito: o nome Romi-Isetta conta como extinto desde 1980 no INPI. “Vou reerguer esses dois ícones”, promete Lemos. Ele diz que o investimento para produzir os carros virá da reaplicação dos lucros da venda de ferramentas, rodos e triciclos. “Não sei se tenho pena ou raiva desse Lemos”, diz Maria Cristina.

  • The_mal_voltou

    [Comentario #139326 sera citado aqui]

    não manche o nome do Sr Gurgel…
    ————-
    Acho válido reviver as marcas gurgel e romizetta…
    mesmo que a família seja contra, o legado do gurgel merece ser desenvolvido e não esquecid numa prateleira de biblioteca ou nos sebos da vida.

  • ACB

    ÉBER ,

    COMO AMANTE DE CARROS QUE SEI QUE ÉS, PEÇO EM NOME DE TODOS SEUS LEITORES E PARTICIPANTES, QUE MANTENHA – EM HOMENAGEM AO FALECIMENTO DO GRANDE BRASILEIRO, JOÃO AUGUSTO DO AMARAL GURGEL – ESSE POST EM EVIDÊNCIA POR ESSA SEMANA, como mostra de respeito, admiração e orgulho pela existência de tão nobres compatriotas.

    Certo que seus leitores entenderão, desde já

    OBRIGADO.

  • Roger

    É uma pena o fato de uma montadora genuinamente nacional, como a Gurgel, não ter obtido o merecido êxito. A marca e seu fundador não mereciam o final que tiveram.

    Quanto aos comentários favoráveis ao período de governos militares, sempre pensei que aqueles ditadores e o PT fossem iguais, só eles é que não se deram conta disso (agora que veio um defensor daquele período de atraso com o mesmo discurso antiliberal do PT – e do PSOL, PSTU, PCO… – como se isso fosse o problema do país, e não o contrário).

    Enfim… :nanao:

  • rainer

    maldito alemão invejoso…

    mato nosso brasileiro…

  • VECCH

    [Comentario #139357 sera citado aqui]

    INFELIZMENTE,SE NÃO FOSSE A DITADURA,NÃO TERIAMOS NADA NO BRASIL.EX.:PONTE RIO NITEROI.

    ATÉ UMA ESTRADA TRANSAMAZONICA SERIA FEITA…DEFENDO A DEMOCRACIA,MAS AQUI NO BRASILSILSIL ISSO NÃO PEGA.

  • Kokokil

    VECCH Diz:

    INFELIZMENTE,SE NÃO FOSSE A DITADURA,NÃO TERIAMOS NADA NO BRASIL.EX.:PONTE RIO NITEROI.

    ATÉ UMA ESTRADA TRANSAMAZONICA SERIA FEITA…DEFENDO A DEMOCRACIA,MAS AQUI NO BRASILSILSIL ISSO NÃO PEGA.
    .
    Você fala por desconhecimento.
    A Transamazônica foi um fracasso muito caro.

  • sergio

    [Comentario #139355 sera citado aqui]

    Eber ,

    Concordo com o comentário 30 . e que tal deixar uma seção João Gurgel todas as vezes (serão raras) em que surgir alguma iniciativa genial no setor de automotivo nacional ?
    Creio que todos os leitores apoiarão.
    Assim. voce usaria o nariz de palhaço para premiar a mediocridade e falsa esperteza e o “TROFEU jOÃO GURGEL ” para premiar quem merece.

  • Lucas Mello Angra-RJ

    Os carros da marca Gurgel não prestavam e, deste modo, a montadora faliu para o bem dos consumidores brasileiros. Sinto muito pela morte do fundador, mas a verdade que a burlesca fabricante deveria quebrar mesmo. Abraços. Obs.: é esta a minha opinião e daí?

  • mister m

    [Comentario #139366 sera citado aqui]

    [Comentario #139366 sera citado aqui]

    Você por acaso é o Lucas – Angra dos Reis que comenta no blog do PCG na QR? Respeito sua opinião sobre o Gurgel, porém, não concordo.

  • ACB

    [Comentario #139366 sera citado aqui]

    Os PRIMEIROS carros da GURGEL deixavam a desejar, MAS O QUÊ DIZER DOS…

    PRIMEIROS VWs ?
    PRIMEIROS HIUNDAY ?
    PRIMEIROS AUDI ?
    PRIMEIROS HONDA ?
    PRIMEIROS TOYOTA ?
    PRIMEIROS FORD ?
    PRIMEIROS MERCEDES-BENZ ?

    E porquê não falar – já que está em ANGRA – DA PETROBRÁS e da sua ALTÍSSIMA TECNOLOGIA DE PROSPECÇÃO EM ÁGUAS ULTRA-PROFUNDAS ?????

    TUDO TEM QUE TER UM COMEÇO , E O MAIS IMPORTANTE , SUPLANTAR OS CRÍTICOS DE PLANTÃO COMO VOCÊ, QUE NÃO AGREGAM NADA, SÓ SABEM DESTRUIR COM SEUS COMENTÁRIOS ESTÚPIDOS E FORA DE PROPÓSITO.

  • speedboy

    [Comentario #139366 sera citado aqui]

    vc deve ser uma criança para fazer um comentário idiota desse.

    Não tem a minima noção do que é a fabricação e concepção de um automovel.

    bata na boca antes de falar de nomes como este.

  • renato

    [Comentario #139382 sera citado aqui]

    bem, se ele é criança eu não sei. realmente tá cheio de criança aqui nesse blog.
    mas q os carros da gurgel eram um lixo, aaah meu amigo, isso eles eram. um lixo!
    um lixo podre mm, carros feios, poluidores, ineficientes em todos os sentidos.
    tanto q deu no q deu, faliu, quebrou, sumiu.
    o tiozinho morreu….. q pena, acho q devem ter morrido alguns milhares de tiozinhos por esses dias aí…

  • Kaique L. Andrade

    [Comentario #139358 sera citado aqui]

    auhuhauhahuahuahuahuhuauhauhuha, essa foi boa! :teeth2:

  • Commando

    [Comentario #139384 sera citado aqui]

    Entre as crianças do blog vc está incluso não é?! Deu pra perceber pelo nível do seu comentário.

    Comentário totalmente preconceituoso.

    Vc acha que o Gurgel queria fazer carros feios, poluidores e de pouca qualidade?
    Raciocina só um pouquinho! Se ele tivesse apoio do governo como as marcas chinesas, coreanas a até as genuinamente russas, os carros da Gurgel seriam tão feios, poluidores e de baixa qualidade?

    Ele não tinha nada e era um visionário. Construiu carros com o mínimo que tinha e ganhou respeito de grande parte dos brasileiros conhecedores de automóveis.

    Que o Sr. Gurgel descanse em paz e realizado por se tornar um brasileiro admirado!

    E que Deus perdoe as idiotices que o renato diz…

  • sergio

    [Comentario #139384 sera citado aqui]

    Para os comentários estúpidos, nem sempre o produto final indica a genialidade , pois por falta de recuros ou outro problema, acaba-se não chegando a um padrão de qualidade alto.O que se lamenta aqui , é que com apoio a Gurgel acabaria fazendo carros melhores e além disto, o lançamento de conceitos como o uso de materiais plásticos e motores elétricos demonstra estra a frente de seu tempo.

    AGORA CONVENHAMOS OS DESRESPEITOSOS DE PLANTÃO :
    1-A FIAT NÃO COMEÇOU COM O 147 QUE NÃO PRESTAVA E MELHOROU?
    2-A VW NÃO TINHA KOMBI QUE PEGAVA FOGO E PASSAT ALCOOL QUE VIVIA QUEIMANDO A JUNTA E FOX CORTA DEDOS?
    3-a gm NÃO LANÇOU O CHEVETTE JUNIOR QUE NÃO SUBIA NEM INCLINAÇÕES DE 15 GRAUS ?

    E POR AI VAI .A GENIALIDADE E O SONHO DE UMA PESSOA VANGUARDISTA NÃO SE MEDE SOMENTE NO PRODUTO DELE , MAS NOS CONCEITOS LANÇADOS, MAIS UMA VEZ ! AS PESSOAS PODEM ATÉ NÃO GOSTAR DO GURGEL CARRO, COMO EU TAMBÉM NÃO GOSTO, MAS O QUE SE ESTÁ DISCUTINDO AQUI É OUTRA COISA. BANDO DE IGNORANTES!

  • smELO

    Eber,

    um pais que menospreza seus valores e seu passado nunca chegará a lugar algum .
    Sugiro alguma homenagem permanente em alguma galeria do blog, como alguns comentaram acima , para toda vez que aparecer alguma atitude louvável ou fato genial.
    Seria mais ou menos como o grande Juca Kfouri faz em seus blogs e na rádio CBN , em homenagem ao narrador Osmar santos ele toda semana indica quem se destacou como ganhador virtual do trofeu .

    Seria mais um ponto para marcar o Noticias Automotivas, que tal ?
    Voce marcará um gol de letra , imagine que por exemplo um brasileiro ganhe a fórmula 1 , voce comentaria que o site confere o trofeu João gurgel.
    Algum brasileiro desenvolve uma nova tecnologia e o site também comentaria que o mesmo merece o trofeu João Gurgel.
    Assim o Trofeu João Gurgel serviria como homenagem e o nariz de palhaço para as picaretagens.

  • Jonas

    Concordo com a turma acima .Grande João Gurgel realmente foi como o Tucker na América do Norte .
    A turma fez de tudo para matar as idéias dele

  • Ricardo de Oliveira

    Fui dono de um automóvel da Gurgel e garanto que o melhor para o país foi a falência da mesma. Tratava-se de uma “carroça” e me arrependo muito de ter jogado dinheiro fora. Lamento pelo falecimento do Sr. Gurgel, mas não sou de ficar dando ataques ridículos de nacionalismo. Quem não concordar comigo, que se dane!

  • Renata Fraga Santos

    Ninguém é obrigado a concordar com a opinião do outro e eu, também, acho que os veículos Gurgel não tinham qualidade alguma. Tem leitor que apenas sabe depreciar a mensagem do outro e, além disso, alguns insultos correm solto por aqui, sem o dono do NA tomar qualquer atitude. A liberdade de expressão é, inclusive, uma garantia constitucional, sendo uma cláusula pétrea. Estou de acordo com o Sr. Lucas Mello e não vejo qualquer problema na carta dele.

    Se não gostam do que os outros missivistas escrevem no NA, então, deixem de visitá-lo. Todo mundo tem a sua opinião. Ninguém é obrigado a pensar igual. Sou uma pessoa livre.

    Repito: os autos da Gurgel não eram bons.

  • Alex

    Que ele descance em paz, mais um brasileiro que é praticamente morto pelo governo!

    foi assim com a Puma, Wyllis e Gurgel, até a Troller se rendeu e vendeu a fabrica pra Ford, malditos Americanos, Alemães e Italianos, que sempre destroem o sonho brasileiro seja qual for, os poderosos acabam com tudo e todos para rancar dinheiro do povo brasileiro, e nosso governo ajuda! lamentavel esse país,

    []’s

  • Melo

    Todo nós Brasileiros estamos de luto, o engenheiro de
    automoveis mais inteligente que eu já vi neste pobre Brasil!

  • MARCOS MESQUITA – Belo horizonte

    SOU UM BRASILEIRO FELIZ: T E N H O U M C A R R O D A G U R G E L,
    É um GURGEL CARAJAS 86, não vendo, não dou, não empresto, é meu amigo, é feio, é bonitão, é quadrado, é espaçoso, é cheio de soluções interessantes, é admirado, é B R A S I L E I R O – É O ÚNICO CARRO TOTALMENTE BRASILEIRO QUE EXISTE, NÃO É….me perguntam……..eu digo que SIM, apesar da mecãnica ser totalmente VW.
    SOU FELIZ POR TER CONHECIDO A SAGA DESTE SUPER BRASILEIRO: JOAO AUGUSTO CONRRADO DO AMARAL GURGEL.
    VAI SEU JOÃO…….CONHECER ESTE INFINITO UNIVERSO, QUEM SABE UMA DE SUAS REVOLUCIONARIAS IDEIAS NÃO VIRÁ A CONSERTAR ESTE NOSSO CAÓTICO MUNDO.
    POR AQUI A SUA MISSÃO FOI IMENSAMENTE CUMPRIDA.

  • Claudio

    Realmente foi um cara alem de seu tempo!
    Seu mal, não ter dinheiro e apoio do seu País!
    Seus carros não eram bonitos e talvez nem grande coisa como dizem, mas considerando as verbas que ele tinha para aplicar, pode dizer que éram bons carros!
    Sobreviver por tantos anos no mercado, foi outro grande feito!
    E se não tivesse nenhum futuro, não teria sido podado como foi!
    Até os carros de hoje seguem seu padrão, basta ver os arcos das rodas nos paralamas, grossos e largos, assim como éram os Gurgel!
    Tem uma foto do Gurgel longo, uma perua de 1990, estilo adventure, como os de hoje, só não foi lançado!
    Quarenta mil carros, ja da pra ele dormir em paz, num pais que só tem gente que se vale pelo dinheiro, até que demorou para ele ser tombado!
    E o cara la em cima disse certo, se na época ele fizesse um veículos para o exército ai receberia credito para desenvolver um carro nacional barato e estaria coberto!Mas ninguém vive de se…
    Então parabéns Gurgel e um puxão de orelhas na família que deixou a marca de lado e agora tem que brigar na justiça para tela de volta!
    Que tal ao invés de brigar, entrar em contato com o cidadão que comprou a marca e ver o que ele tem de concreto para realizar, de repente pode até sair uma sociedade interessante!

  • vitor_gf

    esse é um grande exemplo a ser seguido :tongue:

  • tiago brito

    [Comentario #139413 sera citado aqui

    Olha so que legal a 1ª mulher que vejo aqui no NA, seja bem vinda isso mostra que mulher tbm gosta de carro, que venha a mulherada pro blog tbm :clapp: :clapp:

  • Claudio

    Até hoje o Fusca e o Jipe são os melhores carros para se andar em terrenos ruíns,e se comparados com os carros de hoje são lixo!
    Então o que é exatamente carro bom?
    Todos os nossos carros feitos aqui tem um péssimo acabamento e qualidade de peças, estão desmanchando em belas vias asfaltadas!
    A maioria dos flex são beberrões, e olha que estamos no ápice da tecnologia!
    Coisas pra se pensar!

  • diego_german

    [Comentario #139353 sera citado aqui]

    é um tema delicado…
    Mas se eu fosse membro da família, jamais aceitaria o uso de um lunático que registrou “romizzeta”

    Lamentavel!

  • diego_german

    [Comentario #139334 sera citado aqui]

    Exatamente.
    Naquela época, pelo menos, o governo era nacionalista.

    Coisa que hoje, nem o PT na sua “esquerda” consegue ser…

  • diego_german

    [Comentario #139391 sera citado aqui]

    Concordo plenamente…
    Neste caso vale lembrar o curioso dia em que o 147 foi apresentado à imprensa, no qual nas primeiras curvas realizadas nos carros pelos jornalistas, os para-brisas ridiculamente trincavam devido à torção na carroceria…

    Isso sem contar que meu pai mesmo quase virou vitima da sua querida Variant 1976, no qual em um erro de projeto GRITANTE o distribuidor era montado acima do bloco do motor, cada minimo vazamento era o começo de um incendio…

  • Pardal

    [Comentario #139364 sera citado aqui]

    APOIADO!!!
    Gurgel, foi um grande homem, um visionário. O Brasil precisa urgentemente de outros filhos como esse foi. Acredito que, se tristes fatos não tivessem ocorridos, pode ser que estivéssemos hoje falando de algum novo modelo do Gurgel, algum carro 100% brasileiro. Mas sei que seu ideal, ele deixou entre nós. GRANDE BRASILEIRO. GRANDE GURGEL.

  • Comanche

    [Comentario #139380 sera citado aqui]

    Sem acento – TC Note –

    E Lucas, acho que vc. nao consegue entender que nada nasce perfeito, tudo atinge sua perfeicao ao longo do tempo.
    Vc. consegue lembrar da linguagem da informatica base, do primeiro windows da microsoft, dos celulares motorolas pt500, da tv de tubo com acabamento em madeira e sintonizador giratorio e pes (rack), das hds e processadores de computadores que chegavam a ocupar uma sala inteira, dos telefones fixos de madeira, dos toca-fitas e suas fitas de musica do tamanho das antigas fitas de filme de video cassete…,…?????

    …AH E DO AVIAO DO SANTOS DUMONT???? LEMBRA???

    Tudo na vida e progresso constante, tudo se comeca por baixo, se alguem nao comeca por baixo, e por que alguem adaptou ou deu progresso no processo anterior de outro, a transformacao e constante e o apoio e fundamental no comeco de cada (lancamento).

    Alias o brilhante, a esmeralda, o marmore, o granito…tudo tem sua transformacao ate chegar a sua forma bela e perfeita.

    O Sr. Gurgel, apenas precisava de dinheiro, apoio governamental e tempo para atingir o que muitos conseguiram.

    Vc ja se colocou fazendo a ponte aerea Rio-SP num 14bis? Vc. acha que teriamos Cacas F16 … sem o 14bis no inicio?

  • Tadeu A. Santos

    A minha esposa teve um Gurgel e o motor Enertron foi para o espaço em três meses… Aliás, como era barulhento o carro… O meu amigo tinha um Carajás que era, também, muito rumoroso e tinha problemas de vedação. No entanto, está de parabéns pela tentativa de instalar-se uma montadora nacional. Digo, porém, que os automóveis eram precários, muito ruins.

  • Paulo Ramos Barreto

    Honestamente, não costumo escrever em fóruns, blogs, comunidades do Orkut, sites de notícias etc. Adoro carros e leito todos os dias o Notícias Automotivas, o Auto Esporte, a Quatro Rodas, o Auto Diário, o Carro On Line etc.

    Não faço comentários, pois há muita grosseria, além do péssimo nível cultural e intelectual da média dos internautas. Mas devo concordar com a leitora Renata, no sentido de que todos devem respeitar a opinião alheia, afinal de contas ninguém é senhor da verdade. Ademais, este espaço é destinado, justamente, para se trocar idéias, debater de forma adulta, civilizada.

    Deste modo, penso que a pessoa tem todo o direito de criticar os carros da Gurgel e fazer comentários, que destoam dos demais. Quem não tem capacidade de entender isso, deve criar uma comunidade no Orkut, fundar um fórum, um blog etc. em que só serão aceitas opiniões em certo sentido.

    Creio que o Sr. Eber do Carmo, que é um rapaz perspicaz, atilado, sabe que, neste espaço, todos são livres para manifestar o seu pensamento. Afinal, somos NÓS que “damos vida” ao NA. É patente, todavia, que isso tem de ser realizado de forma cordial, polida.

    Se não gostaram do que o outro redigiu, faça que eu disse anteriormente ou saia para beber uma gelada, para ir ao cinema ou à praia, namorar etc, ao invés de tentar impor o seu pensamento. Aprendam a respeitar “cabeças diferentes”, pois isto é demonstração de inteligência, maturidade e democracia. Aliás, não bastava, simplesmente, ignorar o que o outro escreveu e você (ou eu) não gostou?

    Eu, por exemplo, sou negro e contra as cotas nas universidades públicas. Certa vez, quase apanhei de amigos que são integrantes do movimento negro… Mas é, sem dúvida, a tão necessária liberdade de expressão.

    Falar bem ou mal da extinta Gurgel e dos seus veículos é um DIREITO de qualquer um.

    Abraços.

  • L. CAPEZ

    [Comentario #139504 sera citado aqui]

    Nota dez para o seu comentário!

  • CARLOS ANDRÉ

    Fui proprietário de um Gurgel, um Fiat Tipo, um VW Gol e, atualmente, possuo um GM Vectra. Eu falo mal de todos eles, sem o menor constrangimento e independentemente de ser marca nacional ou estrangeira. Parece-me, entretanto, que alguns não aceitam que se critiquem a falidas Gurgel e Puma. Alguns vêm com discursos apaixonados e, sobretudo, nacionalistas.

    Olha, o que eu quero ao comprar um produto é qualidade, seja de marca X ou Y, produzido aqui ou na China. Odiei o Gurgel e o Tipo e o meu Chevrolet bebe demais, além de adorar uma oficina. Daqui a pouco, provavelmente, vão citar esta minha mensagem para me xingar e elogiar a antiga fabricante nacional…

    Fica parecendo que não posso censurar Gradiente, Havaianas, Petrobras etc por serem companhias brasileiras, mas posso criticar Samsung, HP, Siemens etc, que são estrangeiras. Diga-se de passagem, que encontrei muitos norte-americanos ridicularizando as Três Grandes de Detroit, na minha derradeira viagem aos EUA (dezembro).

    Empresas quebram em todos os países (ricos ou pobres). A Gurgel se foi e esta é uma realidade. Parece até o parto da montanha tanta choradeira…

  • Sérgio

    [Comentario #139539 sera citado aqui]

    Carlos ,

    A crítica não é pelos leitores que não gostam de Gurgel , o carro, mas o que deve ser respeitado sem excesso de nacionalismo, porém com o mínimo , como todo europeu e americano faz , é reconhecer que o Sr. João Gurgel estava a frente de seu tempo enquanto mente genial e solitária. Infelizmente seus produtos não foram o padrão de qualidade,mas quando tentou usar materiais alternativos ou lançar o carro elétrico e a idéia do compacto com alta autonomia , revelou a pura disposição de levar a frente seu sonho .Portanto, com direito de liberdade ou não, critiquem o carro e a marca, mas dizer que o Sr. João Gurgel não era uma mente brilhante é cair no fosso da ignorância .O mundo sempre está sedento de mentes vanguardistas que desejem mudar a forma como as coisas são !

  • Alex

    Fiascos todas as montadoras tem e vale lembrar que o Gurgel qse não os tinha! os carros eram Feios? Depende do Gosto de cada um, é um sério problema do brasileiro, desvalorizar o que é nosso e pagar pal pros gringos!

    Os Gurgels eram feios? Sim! mas não soltavam roda como o Stilo, não tinha aerofolio coladocom superbonder igual o Golf, não queimava embreagem como os Chevrolet, não precisa trocar meio carro em caso de colisão como esse novo vectra! não pegava fogo como, Kombi, Fusca, Variant, TL, Zé do Caixão, entre outros malditos Volkswagem a ar, e não cortavam dedos como o Fox, não tinha luz de neblina montado no lugar errado por desleixo dos operarios! não rebemtava mangueira da direção idraulica como o Tipo! e tinha vergonha na cara cada ano renovava os desenhos de seus carros, ao contrario da VW da Fiat que deixam o Uno e Kombi ai, como anciãos no mercado brasileiro, Kombi parece o matzulem desde 75 com o mesmo desenho soh trocando o teto e a porta lateral, e voltaram com o Radiador na frente, o Uno sempre foi e sempre será a caixinha de sapatos KLIN, apenas com alguns face lift’s.

    Os GURGEL ERAM MONTANDOS COM DEDICAÇÃO, SATISFAÇÃO E CARINHO COM CADA COMPONENTE POIS ERA UM SONHO SE TORNANDO REALIDADE IMPEDIDO POR UM GOVERNO COVARDE E CORRUPITO!

  • mario

    Já foi tarde. Não vai fazer falta nenhuma para o país. Um incompetente, sem talente, sanguessuga de dinheiro público a menos neste país.

    Realmente, brasileiro tem memória curta.

    O governo Sarney deu os subsídios que pudia e os que não podiam também para esta joça. Até os carros dos correios eram gurgel.

    A fabrica quebrou porque os carros não prestavam. Aí veio o Collor e cortou toda a mamata do dinheiro fácil e a fábrica quebrou.

    PAra todos os iludidos que acham que gorverno produz riquezas e multinacionais só digo uma coisa:

    O GOVERNO NÃO FAZ PARTE DA SOLUÇÃO, SIMPLESMENTE, PORQUE ELE É O ÚNICO PROBLEMA.

    O QUE FEZ A HYUNDAY E KIA, DAEWOOD E O CARALHOA4 CRESCEREM FOI LIBERDADE ECONÔMICA (MENOS IMPOSTOS PARA BOLSA ESMOLA E MENOS BUROCRACIA). ESSA É FÓRMULA PARA UM PAÍS PROSPERAR. DAQUI 30 ANOS TODAS ESSAS MONTADORAS CHINESAS ESTARÃO FECHADAS…

  • mario

    Mas uma bobagem, a Troller foi erguida, do nada, com dinheiro público. MAis 2 sanguessugas do dinheiro público fizeram uma casca bonitinha e sem vedação, jogaram um motor Vw dentro e pediam o preço de um mitsubishi – e o pior – achavam. O carrinhos caíram no gosto da galera, mesmo como o preço exorbitante, porém, como os donos ergueram a fábrica, do nada, com um dinheiro que não eram deles(não tinham paixão pela fábrica, simplesmente porque não soaram nada para construíla) , quando o negócio começou a dar certo aceitaram a 1ª proposta oferecida pela fábrica, enxeram o c… de dinheiro e se mandaram para o exterior. Esse é o retrato do Brasil.

  • maxluppe

    Voltaire disse “Posso não concordar com nenhuma das palavras que você disser, mas defenderei

    até a morte o direito de você dizê-las”. Estejam certos de que da mesma forma que temos o

    direito de dizer o que pensamos, devemos estar preparado para ouvir as críticas.

    Expressar a sua opinião pura e simplesmente para denegrir algo ou alguém, sem se basear em

    fatos e/ou argumentos concretos, é visto como uma forma de agressão e discriminação.

    Creio que uma pessoa que diz “Obs.: é esta a minha opinião e daí?” demonstra claramente que

    não é uma pessoa sensata e aberta ao diálogo. Gosta de impor sua opinião sem medir suas

    palavras.

    Para dizer que “Os carros da marca Gurgel não prestavam” esta pessoa deve, no mínimo, ter

    possuído um, caso contrário estará emitindo uma opinião sem fundamentos, totalmente

    preconceituosa.

    Dizer que “a montadora faliu para o bem dos consumidores brasileiros” significa chamar os

    próprios consumidores de ignorantes, que não conseguem escolher o querem para si.

    “Sinto muito pela morte do fundador”. Se realmente sentisse, deveria escolher melhor as

    palavras para não ofender a pessoa em si. O tópico deste blog é sobre a morte do eng. e nesse

    aspecto a discussão deveria ser mantida, mas sempre aparecem pessoas para falar dos carros e

    da fábrica.

    No que se basearia para dizer “mas a verdade que a burlesca fabricante deveria quebrar mesmo”?

    Nada além de preconceito e insensatez.

    De 1969 até a década de 1980, a Gurgel se transformou na maior fabricante de veículos utilitários, não pela qualidade dos seus carros, mas pelo fato das multinacionais não terem interesse em produzir veículos neste segmento, por não ser lucrativo. Gurgel preencheu uma lacuna que foi deixada pelas multinacionais e mesmo assim não produziu veículos de baixa qualidade ou rudimentares. Produziu veículos que atendiam às necessidades dos consumidores deste segmento.

    No final da década de 1980 a Gurgel resolveu atacar outra brecha deixada pelas multinacionais, a dos carro econômicos e populares. Não chegou a alcançar seus objetivos, mas creio que estava no caminho certo. Tanto é verdade que se alguém comprou um carro 1.0 novo na década de 1990, deve isto à Gurgel, que deu início a este segmento com o BR800.

    Portanto, se querem criticar, que o façam argumento. Se querem falar mal, que o façam com com respeito. Carro bonito ou feio é uma questão de gosto. Não posso querer impor uma opinião pessoal como verdade universal. Carro bom ou ruim depende para qual uso ele se destina. É a mesma coisa que dizer que carro 1.0 é ruim porque não presta para viajar. Ele não foi feito para isso.

    Desejo que saibamos separar entre o sr. Gurgel, pai, esposo, compenheiro, que faleceu no dia 30/01/2009, do eng. Gurgel, empresário visionário e sonhador, que realizou seus sonhos e que não estava entre nós há mais de uma década.

  • Roger

    [Comentario #139597 sera citado aqui]

    Concordo contigo, apesar de eu ter sido mais bondoso com o Gurgel, no meu comentário. Por isso, parece-me que a ditadura militar tinha muito a ver com o PT de hoje… Estado pesado, burocrático e cheio de vícios. Se os militares fizeram alguma “obra” no país, foi graças ao Juscelino Kubitschek, que deixou o país em melhores condições para eles. Mas, hoje, eles já se identificam: o PP (ex-ARENA) já faz parte do governo Lula, além de ambos os partidos terem juntado-se para tirar o Collor da presidência.

    Estes dois comentários abaixo comprovam que um petista e um “direitista” da ARENA pensam de modo muito semelhante:

    [Comentario #139334 sera citado aqui]

  • maxluppe

    [Comentario #139597 sera citado aqui]

    Cara, mostra onde ele foi “um incompetente, sem talente, sanguessuga de dinheiro público”. Do governo Sarney ele só conseguiu a redução do IPI para carros de 800cc. Isso ele fez quando a empresa estava no auge. Todos os financiamentos que a empresa conseguiu foi de forma normal, como qualquer empresa poderia ter. E pagou todos, até levar uma rasteira na década de 1990.

    Vc fala do que aconteceu na década de 1940, mas a empresa existia desde 1969. Brasileiro tem memória curta, mas o pior são aqueles que ficam arrotando impropérios ser ter feito ao menos uma única pesquisa histórica, coisa que, aliás, ninguém está acostumado a fazer. Até mesmos os mais “renomados” meios de comunicação não souberam dizer de forma correta, nas reportagens a respeito da morte do sr. Gurgel, o ano e local de fundação da empresa.

    E o Collor não quebrou apenas a Gurgel, e confiscou a grana de muita gente, causando até algumas mortes.

  • maxluppe

    [Comentario #139597 sera citado aqui]

    Cara, mostra onde ele foi “um incompetente, sem talente, sanguessuga de dinheiro público”. Do governo Sarney ele só conseguiu a redução do IPI para carros de 800cc. Isso ele fez quando a empresa estava no auge. Todos os financiamentos que a empresa conseguiu foi de forma normal, como qualquer empresa poderia ter. E pagou todos, até levar uma rasteira na década de 1990.

    Vc fala do que aconteceu na década de 1990, mas a empresa existia desde 1969. Brasileiro tem memória curta, mas o pior são aqueles que ficam arrotando impropérios ser ter feito ao menos uma única pesquisa histórica, coisa que, aliás, ninguém está acostumado a fazer. Até mesmos os mais “renomados” meios de comunicação não souberam dizer de forma correta, nas reportagens a respeito da morte do sr. Gurgel, o ano e local de fundação da empresa.

    E o Collor não quebrou apenas a Gurgel, e confiscou a grana de muita gente, causando até algumas mortes.

  • Raimundo Souza Gomes

    A Gurgel quebrou, porque fabricava carroças imprestáveis. Não se adequou, portanto, aos anseios do mercado consumidor nacional. Dinheiro público não é para salvar empresário que não deu certo. Falem mal, mas falem de mim. Citem-me quantas vezes quiserem.

  • Gabriel

    [Comentario #139662 sera citado aqui]

    Só na tua cabeça. Os jipes Gurgel estavam entre os melhores na época. Ele fez os verdadeiros veículos populares e só não cresceu a patamares maiores pela mania colonial do brasileiro de achar que só porque é feito aqui, não presta.

    Seus projetos foram inovadores para sua época, inclusive o BR 800 se anteve à onda de minicarros que surgiu muitos anos depois.

    Enquanto o brasileiro achar que só o que vem de fora presta (não em carros, mas em tudo, até caipirinha de vodka dizem melhor, ridículo), nós vamos ter que amargar a derrocada de nossos visionários.

  • Sérgio

    [Comentario #139603 sera citado aqui]

    Concordo com tudo acima .Pessoas que simplesmente falam : é minha opinião e dai ? demonstram total falta de maturidade de basear-se em fatos e aceitar réplicas .Ficam como crianças dizendo : Não quero porque não quero !
    De novo, pela ducentésima vez : o post é sobre a morte de João Gurgel .
    Daqui a pouco vem alguem ai e fala que as estátuas de Aleijadinho em Congonhas não são de um gênio , que são somente umas esculturinhas em pedra sabão …e no final vão dizer : é minha opinião e dai ?
    Sempre pode-se discordar de algo, mas de maneira educada , argumentativa e lúcida. Dizer que qualquer coisa é uma merda, que não presta , que é filhote da ditadura, etc, demonstra rancor, falta de cultura …

  • ANDERSON NETO

    Antes de mais nada, já vou afirmando que, se me insultarem, eu digo a mesma coisa para o agressor. Escrevo o que penso, sem cair no patriotismo vazio e no ufanismo caricato, típicos do nosso povo (especialmente em épocas de Copa do Mundo e outras futilidades, como concurso de Miss Universo).

    Sou daqueles que acreditam que a Gurgel foi vítima de péssima administração e projetos obsoletos de carros, incapazes de conquistar o mercado nacional. Automóveis fracos, frágeis, barulhentos e com design antiquado constituíram um “tiro no pé” no presidente da montadora.

    Há quem mencione, até mesmo, que a culpa pela quebra inevitável da Gurgel teria sido, outrossim, do próprio brasileiro. Tal fato mostra-se, flagrantemente, absurdo, uma vez que qualquer pessoa pode adquirir o carro que desejar, seja de qual emblema for. Tenho, de fato, um Audi e daí? Se eu posso, por que não?

    Quem não concordar comigo – e tem todo o direito e eu respeito -, o problema não é meu. Aliás, se ficar colérico com que eu escrevi, que tal bater os pés, morder o dedo, bater a porta da geladeira etc. para descarregar a raiva? Está furioso? Toma chá de camomila e suco de maracujá que passa!

    Anderson Moreira Neto

  • diego_german

    [Comentario #139597 sera citado aqui]

    Também não sem se você se recorda, mas Collor fodeucom praticamente TODO MUNDO!
    Defendo 10mil vezes o trabalho sério de um engenheiro vanguardista, do que um politico ladrão, corrupto, insano e incompetente!

    Eu que digo… brasileiro tem memória curta meu deus…

  • ZOINHO

    É impressão minha ou tem gente querendo comparar o Gurgel com o Henry Ford, o Daimler, o Benz, o Peugeot? Fala sério!


Send this to a friend