*Featured Renault Segredos-Flagras SUVs

Novo Duster continua seus testes no Brasil e chega ainda em 2019

Novo Duster continua seus testes no Brasil e chega ainda em 2019

O Novo Duster foi visto novamente. O SUV compacto da Renault continua seus testes de rodagem por aqui antes do lançamento, que pode ocorrer no final do ano. Com chegada atrasada, o mercado aguarda pela renovação do utilitário esportivo, que faz dupla com o irmão mais recente, o Captur.


Visto pelo leitor Márcio Vegas, o Novo Duster é a segunda geração do SUV da Dacia, que tem como proposta ser um veículo robusto, espaçoso e confiável, mas agora com um design mais elaborado e acabamento melhorado.

O modelo já foi flagrado recentemente na Argentina, mas sua chegada demora devido ao ritmo de produção oscilante em São José dos Pinhais-PR, assim como seu posicionamento no mercado.

Novo Duster continua seus testes no Brasil e chega ainda em 2019


A Renault é a única marca que tem dois SUVs compactos de porte semelhante e na mesma faixa de preço, mas consegue direcionar cada um deles para um público diferente. Ainda assim, é inevitável o fogo amigo entre os dois.

Com frente que lembra o estilo de produtos como da Land Rover, o Novo Duster manteve o tamanho, mas com linhas mais joviais, especialmente o conjunto ótico traseiro, com lanternas quadradas.

Novo Duster continua seus testes no Brasil e chega ainda em 2019

Aqui, o Novo Duster deverá manter o propulsor 1.6 16V Flex com até 120 cavalos de 16 kgfm, utilizando ainda a caixa CVT de origem Nissan, junto com a opção manual. No caso do motor 2.0 Flex, o velho F4R deve sair de cena para a entrada do novo 1.3 TCe que pode ter em sua versão flexível algo em torno de 170 cavalos.

A vantagem desse motor, além da maior potência e torque, é o rendimento energética superior, o que deverá ajudar no consumo e emissão, assim como nas respostas ao acelerador. O propulsor da Renault pode ser utilizado com câmbio CVT, o que reforça ainda mais a proposta do Novo Duster. O motor também deverá ser usado no Captur em uma atualização de meia vida, assim como no Arkana.

Agradecimentos ao Márcio Vegas.

Novo Duster continua seus testes no Brasil e chega ainda em 2019
Nota média 4.6 de 15 votos

  • Paulo Lustosa

    Tô achando mais fácil usarem o MR20DE que era usado no Fluence e ainda é usado no Sentra.

    • Rogério R.

      A Auto Esporte cogitou a dois anos atrás que a Renault do Brasil estava desenvolvendo um novo 2.0 SCe o M4R com várias modificações de origem Nissan, mas ficou nisso, não houve mais comentários a respeito. Já o Autos Segredos diz a tempos que o 1.3 TCe será nacionalizado e equipará o Duster 2 e o Captur no ano que vem. E pensando bem depois do baita investimento na nova fábrica de motores de alumínio que a Renault inaugurou no Brasil e após os vários acertos do AS, eu aposto que teremos o 1.3 TCe nacional.

      • Edson Fernandes

        Rogerio, eles na realidade tentaram adaptar o CVT no motor F4R de origem Renault. Porque isso? Pq ele tem o custo de manutenção mais em conta que o motor Nissan e é bem aceito no nosso mercado.

        Mas a direção da Renault barrou essa atualização para seguir a matriz. O que me espanta e não faz sentido é o Duster receber o motor 1.3 turbo. Tudo bem que ele vende bem, mas eles sempre colocam como fogo amigo entre Duster e Captur.

        E se o Duster de fato melhorar onde precisa (direção elétrica, 1.3 TCe, mais segurança, acabamento melhor) ficará inexplicavel adquirir o Captur depois disso. O que joga contra a marca ainda que em teoria o Captur é uma evolução do Duster (hoje) e isso o deixaria em pé de igualdade ou até superior.

        • Rogério R.

          Concordo com você. Será um baita desafio para a Renault posicionar o Duster TCe e o Captur TCe. O que ela poderia fazer é lançar o Duster TCe 150 cv e o Captur TCe 170 cv e este último com um acabamento superior, mas ainda tem o Arkana que tbém terá o TCe. Com a nacionalização do 1.3 TCe acho pouquíssimo provável que a Renault invista aqui num 2.0 SCe(M4R atualizado), já o F4R apesar de ser um excelente motor, ele já está ultrapassado, é um motor “gastão” e não tem uma eficiência energética boa e sim mediana segundo o INMETRO.

          • Edson Fernandes

            Mas na pratica ele tem o consumo de um M4R…rs

            Ao menos o Duster ou Oroch manual eles são bem economicos para o porte e motor. O que mata esse motor é ser usado na transmissão automatica de 4 velocidades. Mas é um absurdo de barato manter esse motor. O custo de velas, tensionador de correia dentada, bobina, bico injetor é comparavel a carros 1.0 4 cilindros. Sem contar o oleo 10w40 (que o M4R tbm usa) semi sintetico, sem segredos.

            E no F4R usam o oleo motrio que seria uma segunda linha da Renault que eu não coloco no meu Fluence nem a pau.

            • Rogério R.

              Realmente os motores F4R e M4R são bem elogiados. Mas como hoje em dia o lema é eficiência energética, baixo consumo de combustível e baixo nível de emissões de poluentes, creio que o reinado será mesmo dos motores turbo de baixa cilindrada. Os motores aspirados dominarão mais nos carros de entrada.

              • Unknown

                Motores Renault, no geral, são muito bons e duráveis!

              • Edson Fernandes

                Acredito que existirá os aspirados por custos mesmo. Pois nas versões de topo se reparar, quase todas as fabricantes querem colocar o motor turbinado.

        • Unknown

          Para mim o Captur nunca foi superior ao Duster, a Renault que veio com uma ação de marketing forte em cima do Captur, mas para mim é só visual.

        • M7

          A Renault acaba de reposicionar a linha Captur e Duster.
          Desta forma, quem quiser o Captur terá que optar pela versão Intense 1.6 CVT, por R$ 90.690, ou a Intense 2.0 automática, por R$ 91.690.
          No caso do Duster, ele quase perdeu o motor 2.0 de vez. A versão Dynamique passa a ser oferecida somente com tração 4×4 e câmbio manual, vendida por R$ 81.130, tirando de linha as variantes 4×2 manual e automática. Quem desejar o carro mais equipado e com uma opção sem embreagem, terá que escolher o Dynamique 1.6 CVT, por R$ 77.560.

      • Raimundo A.

        O Duster 2 já usa o TCe 150 com tração 4×2 e 4×4. Não há, ainda, oferta de AT para este novo motor. Se tem funcionado aqui e no exterior Captur e Duster com a mesma mecânica, já sabemos que os apelos diferentes dos dois produtos tem permitido a oferta, mas também sabemos que mesmo o Captur sendo um pouco mais equipado que o Duster, precisa entregar mais.

        O Arkana, acredito, só terá aqui o TCe podendo ter duas potências. Considero que a demora no TCe aqui, além do fator flex, é qual transmissão irão usar até pensando no 4×4 caso pense neste para o Arkana em versão topo de linha. O TCe 150 em produtos novos como Clio NG usa dupla embreagem e isso não é bem visto por aqui. O CVT até com 4×4 é usado em modelos como Kadjar, Koleos, podendo ser a melhor opção aqui devido ao andar de baixo, 1.6 SCe, ter.

        Todavia, como o desenvolvimento pode ser global e o Arkana precisa compartilhar itens para ter redução nos custos, este já em desenvolvimento indicaria o que farão em termos de mecânica com o Duster 2 e o Captur usando o TCe 1.3.

      • Unknown

        Inacreditável um motor de 1.3 litros render cerca de 170 CV!!!!

        • Rogério R.

          Incrível mesmo. O mesmo que eu penso qdo acesso a TV e a internet no meu celular. Na minha infância telefones eram somente fixos e somente ricos tinham telefone fixo sem fio. hehehe

  • Louis

    O que eu não gosto neste carro, e vai continuar neste facelift, são as portas de Sandero, com essas molduras largas nas janelas. Até o popular subcompacto Kwid tem molduras finas nas janelas.

    • Luconces

      Você não gosta de nenhum carro com colunas B mais largas?

      • Louis

        Falo principalmente da parte superior das janelas, não da coluna B.

        • Eskarmory .

          De que parte do veículo se refere afinal? Não entendi.

          • Louis

            Nas portas, olha o tanto de lata que há circulando as janelas. Na parte de cima, há uns 4 dedos de lata grosseira para contornar os vidros. Normalmente os carros mais refinados tem uma moldura bem fina, normalmente preta. Alguns carros importados caros chegam a vir sem moldura nos vidros das portas. Se ainda não conseguiu “visualizar”, compare as molduras das janelas de um Fiat Argo com um Fiat Tipo 2019 europeu.

            • Eskarmory .

              Agora entendi. Talvez comece a reparar daqui pra frente…

            • invalid_pilot

              Carrocerias mais rigidias e com acho de melhor qualidade permitem molduras menores e até inexistentes .

              Esse detalhe diz muito sobre a construção do monobloco de um carro .

              • Rogério R.

                Se pensar assim Corcel I 2p e Opala 2p tinham rigidez torcional de carroceria bem superiores a de carros atuais. Punto I, Tempra e Tipo I tinham o mesmo tipo de moldura de janela nas portas e tinham bons níveis de rigidez torcional de carroceria.

              • Stéfano

                Absolutamente nada a ver. É mais uma questão de custos. É cada uma…

                • invalid_pilot

                  Explica porque super carro não tem moldura de porta?
                  Porque são feitos em monocoque que são rigidos, com isso a porta não precisa reforçar a estrutura.

                  Agora um Dacia precisa de moldura de porta larga para reforçar o monobloco.

                  Não é questão de escolha pura e simples.

                  • Stéfano

                    Então deixa eu ver se entendi: Uma porta possui três pontos de apoio quando fechada (2 na coluna A e 1 na coluna B) e a moldura superior que é flutuante é que dá rigidez pro monobloco todo.
                    Tá certo, nem vou zuar, vai que é doença.

                    • invalid_pilot

                      Lógico que só a porta não faz a estrutura do monobloco, ohhh nobre engenheiro, mas o formato dela influência. Fora questão de maquinário e redução de custos por ter um formato determinado.

                      Quanto Opala e Corcel, são carros cujo projeto tinha ZERO compromisso com estabilidade da carroceria e absorção de impacto, então tanto faz o formato de porta.

                      Entedeu ou quer que desenhe?

                  • Stéfano

                    Obs.: Não sabia que o monobloco do corcel 1 de ir pra roça era tão rígido assim. Ainda bem que temos engenheiros como você por aqui kkkkkkkkl

            • Andre Pestana

              Esse qualidade construtiva acaba deixando o preço do carro mais caro, veja os carros da VW( Up, Polo, Golf, Jetta) que tem isso acabam sendo mais caro que os com recorte em lata (Gol, Voyage, Fox), o UP por exemplo e mais caro que um Gol e Fox mesmo o UP sendo até um pouco menor que eles.

          • vicegag

            Normalmente chamam esta parte de “ cajado da porta”, projetos modernos e mais sofisticados normalmente utilizam cajados mais finos, projetos de baixo custo os mais largos, ( não me venham falar que VW Brasília era sofisticada).

            • Fernando Bento Chaves Santana

              Ser barato não é sinônimo de ruim ou de pouco sofisticado. Este cajado largo, ou portas do tipo autoclave, só estão fora de moda. Acho que suas primeiras aplicações foram feitas pela Italdesign no DeLorean DMC-12 em 1981 e de maneira simplificada no Isuzu Piazza de 1982. Mas foram popularizadas no FIAT Uno e depois copiadas por todo mundo por quase 30 anos.

              Se bem desenhadas ficam elegantes. Sua principal virtude estética é camuflar a largura excessiva das colunas quanto utilizadas para separar superfícies cobertas com vidro. E ficam ainda melhor se o teto for de vidro ou pintado de black-piano. O Isuzu Piazza, o Tipo 2 portas, O Alfa Romo 145 e o Punto são bons exemplos de portas do tipo “auto-clave” bem desenhadas. Mesmo no Golf IV, com suas largas colunas ficam bem por que o recorte das portas foi bem executado.

    • SDS SP

      Transpira baixo custo. Poderiam disfarçar melhor.

    • Alvaro

      É verdade, concordo plenamente, é um pequeno detalhe que demonstra falta de refinamento do projeto. A fora a questão estética que fica muito prejudicada.
      Além do Sandero, noto bastante no Fiat Argo que as bordas excessivas das portas faz transparecer uma impressão de carro simples.

    • Edgar

      Estilo espartano do carro, quem nao curte esse estilo, quer algo mais clean, vai de Captur…

  • Raimundo A.

    Eu acho uma incógnita qual a transmissão será usada se os Renault daqui usarem o 1.3TCe. Produtos como Koleos tem CVT AWD e não se sabe ainda qual transmissão o Arkana irá usará podendo este mesmo sendo lançado depois determinar o powertrain provavelmente compartilhado com Duster e Captur em versões mais caras.

    Se for pensar na ótica de custos, o CVT, que pode ser variante diferente do usado no 1.6, se fazer presente no Duster e no Captur caso usem o 1.3T, mas este pode não ter a potência máxima que ficaria para o Arkana. Duster e Captur poderiam ter AWD CVT, mas talvez a oferta se limite ao Arkana por conta da faixa de preço e aí, como já convivemos, Duster com 4×4 só com MT6 mesmo na nova geração.

    • Edson Fernandes

      O unico problema é que o Koleos usa um motor 1.2 turbo ou 2.5 aspirado. (e esse é o de topo)

      O modelo que foi testado no Brasil é o 2.5 com CVT. E esse CVT é da geração do Sentra (sem o recurso D-step mas conta com trocas sequenciais simuladas, são 6 posições).

      E a Renault quer trazer o 1.3 turbo que irá estrear no Duster e irá equipar Captur e Arkana que tem a mesma plataforma e soluções eletro-eletronicas. Creio que apenas um ajuste fino para cada tipo de produto no máximo.

  • Será mesmo que vem esse ano?
    Então o motor 1.3 TCe Flex virá importado??

    • Roberto

      Não. No máximo lançado no fim do ano com vendas em fevereiro.
      A Renault acabou de mudar Duster, Oroch e captur para modelo 2020, cortou versões, etc.
      Menos que a Renault pense em ter 3 SUVs… O que eu não duvidaria…
      Duster Expression na versão antiga.. 66 e 71k as versões manual e cvt
      Duster intense na versão nova 76 e 81k
      Captur intense 89k

  • CanalhaRS

    Estão chamando esse carro de nova geração, mas na verdade a Dacia fez uma meia sola nele, já que a que plataforma e outras coisas serão mantidas. Ou seja, mais uma enganação da Renault para cima dos brasileiros.

    • Luconces

      Ainda assim é bem vindo, mesmo usando a mesma plataforma e a motorização de entrada, vai ser uma evolução grande ao modelo atual.

      O Duster é robusto e espaçoso, não vejo motivos para mudar isso. O novo visual externo agradou bem e o interior finalmente é digno do carro, fora novas tecnologias. Se vier com o 1.3 Turbo mesmo, vai ser um excelente custo-benefício.

      Lembrando que a Renault era uma das únicas que tinha uma linha global no Brasil lá pros anos 98 mas brasileiro comprava? Não, iam de Palio ou Gol.

      • Rômulo Júnior

        Mas o designer era horrível para o “padrão Brasil” e a manutenção era difícil por conta da nossas oficinas despreparadas ,peças caras e difícil de achar.

        • Luconces

          Concordo plenamente mas nós tivemos dois Clios sapinho, quando lançaram. Nunca precisamos de peças ou dependemos de mexânico.

          Os carros eram bem cuidados e sempre repassamos para familiares depois.

          Pegar a trajetória da Renault e ver como tratavam o Brasileiro antigamente e agora, é de se entender muito o gosto do Brasileiro.

          Quanto ao Design, discordo. Eram modelos já com identidade própria, enquanto Fiat e VW era um modelo de com uma cara distinta, sem family face nenhum.

          Fora que a marca já oferecia de série os airbags. Isso em 98.

        • Ananias Anacleto

          Mas qual o problema do designer ser feio? Desde que essa pessoa desenhe um carro bonito é o que vale.
          A aparência física do designer não importa.

          • Cesar

            Acho que ele queria levar o cara para casa. Feio não dá para encarar.

    • Vinicius LMS

      A plataforma é melhorada e tem bastante alterações, não é um facelift comum.
      Repara que as portas e as janelas dianteiras são iguais aos do Sandero e Logan atuais, e apesar do desenho ser parecido, toda a carroceria é nova, só a mecânica e parte da plataforma são iguais ao anterior.

    • Dod 2019 New Era

      É dito que é uma nova geração ATÉ NA EUROPA e ninguém contestou isso por lá.

    • Cesar

      Ele trocou de plataforma. O Antigo usa a B0 este passará a usar a M0.

    • Edson Fernandes

      Essa Duster na Europa recebeu muitas melhorias.

      Permitiu o uso de 6 air bags(“o nosso” atendia a 4 air bags apenas), recebeu ESP de série, tem opção a ar automatico, ganhou direção elétrica, melhorou o interior e teve melhor revestimento acustico(inclusive item elogiado), além da nova central que agora admite android auto e apple car play.

  • Charles Almeida

    Em termos de design (esquecendo mecânica e etc), tirando as lanternas traseiras que claramente foram “inspiradas” no Renegade. Gosto bastante do formato do carro, ele cria uma sensação de ser grande e “parrudo”, carracteristica que pra mim é o que dá sentido a existência de um SUV. O que me incomoda é a coluna “C” na cor do veículo, quebrando a sensação de continuidade da área envidraçada, se recebesse o mesmo aplique preto da coluna “B” já geraria uma sensação estética mais agradável.

  • RKK

    E finalmente a direção elétrica no Duster. Sem contar o novo propulsor 1.3 TCe.

  • LArtur

    virá com versão 4×4?

    • Baetatrip

      ….Acredito que nao terá ….
      Quase nao tem rodando por ae…..
      Sistema da 4×4 e bem interessante…!
      Tem novo Duster lá fora com 4×4… Vamos ver se virá…!

      • LArtur

        Sim, seria um 4×4 a se considerar, da pra modificar um pouco.

    • rgrigio

      Duster (não Oroch) já existe 4×4 no Brasil, mas apena manual 6 marchas.

  • RicLuthor

    Uma coisa que visualmente melhorou bastante nesse novo Duster é que a largura da parte central da carroceria ficou com medida bem próxima a da parte dianteira e traseira. No atual, o modelo parece um buggy, com os paralamas dianteiro e traseiro bem largos enquanto que a seção central da carroceria é estreita.

    Outro mero detalhe e que me agradou é que na base do retrovisor há a cobertura plástica, e não a chapa metálica aparecendo, característica horrível no Duster atual e na 1a geração de Logan e Sandero.

  • Eskarmory .

    Parecido com Land Rover? Em nenhum momento me lembrou, em nada. Estão falando em facelift, mas pelo que me consta é de fato uma nova geração. Achei interessante que mantiveram os traços do carro corrigindo todos os ”defeitos” esteticos, realmente uma evolução.

  • Mr Tony

    Sempre gostei do Duster. Se vier esse motor 1.3T e um interior melhorado, pra quê Captur?

    • Baetatrip

      Sim…. Captur usa o mesma plataforma do Duster e acho estranho….
      Prefiro Duster mesmo……..!
      Captur tem angulo de ataque ridiculo que raspa a frente facil!

      • Raimundo A.

        A proposta do Captur é diferente, então não pode ser cobrada a mesma disposição off-road do Duster só porque usam a mesma base.
        Você acha que o 500X, feito na mesma arquitetura e com conjunto mecânico similar ao Renegade, tem apelo fora de estrada? Não tem e estão no mesmo segmento, mas em marcas diferentes, como a VW tem vários SUVs na mesma categoria, com a mesma base, propostas até similares, em marcas diferentes, e o povo não reclama.
        Na Europa, o Captur do Clio mesmo sendo menor é mais caro que o Duster. Claro, há muita coisa para justificar isso. O Captur do Duster agrega mais equipamentos, design mais jovial, forçando valor superior.
        Essa questão do ângulo de ataque no Captur ser pior, o que dizer do Renegade, concebido para proposta mais fora de estrada, ter para-choque frontal “urbano” que raspa fácil mesmo com a tração 4×4 – em outros países? Aqui, as unidades 4×2 que usavam esse para-choque apresentavam esse tipo de problema graças às condições ruins de acesso e pavimentação. Por este motivo e redução de custos, o modelo 2019 passou a adotar os para-choques fora de estrada, que antes só eram para a configuração 4×4 diesel. O Kaptur russo tem 4×4, mas não tem a mesma qualificação que o Duster 4×4. Precisa do 4×4 tem a oferta. Se vai atender melhor ou pior é outra questão.

        • Edson Fernandes

          Se for citar da forma que vc disse, nem o Renegade encara o fora de estrada. E não é pela altura: É pela entrada de ar baixa que foi feita na versão diesel considerando a entrada da versão flex.

          E o Captur possui o AT4 ligado a ser AWD. Ou seja, grande serventia na neve, nem tanto na lama (ainda superior a carros 4×2 obviamente)

  • Leo

    O que podemos esperar desse carro em termos de segurança estrutural? O atual já foi testado pelo LatinNcap?

  • Samluzbh

    Se fosse apenas um facelift não precisaria de tanto teste, deve vir coisa boa por aí.

  • IPZ.4

    Ô loko, se vier o 1.3 TCe nessa meia vida do Duster já sera um enorme avanço.

    Não sei a qualidade da fonte, mas eu ainda chuto que o 2.0 permanece e o TCe só de 2020 pra lá.

  • Raimundo A.

    É tendência, meu caro, embora algumas coisas parecem demais. As lanternas no Renegade são uma releitura de veículos do passado, claro, estilizada para ter elementos do clássico Jeep. Se você observar alguns esportivos, verá que o desenho da roda é similar a de outras marcas, evolução de desenhos do passado. Hoje em dia, pouco se cria.

  • rodpe

    Infelizmente a central multimídia é a mesma e fica no mesmo péssimo lugar…

    Mas o carro em si é bonito e esse motor 1.3 turbo me chama a atenção.

  • lmp7

    Se vier com motor novo e mais econômico é bem vinda.

  • Alexandre Nozawa

    Podem lançar qualquer SUV novo com desenho exdrúxulo porque vai vender, o brasileiro entende nada de design, basta lançar com comerciais com a Anitta e mostrar que ate a sogra entra no porta-malas confortavelmente. Começam a “refinar” o desenho, deixando o desenho mais “europeu”, é aí que param de vender, estilo Ecosport sem estepe.

    • XandeeM

      Os pneus Runflat usados pela Ecosport não agradam,isso sem considerar que o espaço interno pra um “SUV” é ridículo.Alias,com exceção do Ka,todos os modelos da Ford abaixo do Fusion têm o mesmo problema.

      • Alexandre Nozawa

        Nunca tive carro com Runflat para opinar sobre ele, mas tirar o estepe do Ecosport não ficou bom visualmente para um carro que nasceu com ele, deixou-o com a impressão de estar faltando alguma coisa. Na minha opinião todos os modelos do Ecosport deveriam vir com estepes em capas rígidas estilo TR4, tiraria essa sensaçao de algo que deveria ficar oculto. Se fosse lançado na Europa, desde o início sem o estepe, OK. Só que muita gente aqui não tem noção “espacial” do mercado local. No Japão ou na Europa, as garagens são minúsculas e estreitas, aquele espaço do estepe ou o diâmetro de abertura das portas são até decisivos, por isso o sucesso das mini-vans com portas de correr.

  • zeh

    ainda em fase de adaptação sobre a carroceria velha?….kkkk

    • klaus

      tava pensando agora nisso. pra quê fazer teste?

    • Cesar

      A carroceria é nova. A plataforma é outra

  • Danilo

    deus me livre…. renault, dacia…. tudo porcaria. aqui na alemanha o kit de ferramentas no porta malas vem num isopor branco…. medonho o acabamento desses carros. Aqui ainda custa barato, ai no brasil eh exploração o valor dessas carroças

  • Rogério R.

    O Duster 2 está chegando, até que enfim! Esse dará trabalho para a concorrência dependendo dos preços das versões. O Autos Segredos diz que a Renault irá lançá-lo ainda no início do ano que vem, porque a marca irá priorizar neste ano o lançamento dos novos Sandero e Logan. A Auto Esporte cogitou a dois anos atrás que a Renault poderia lançar um novo motor 2.0 SCe o M4R com várias modificações de origem Nissan, mas ficou nisso e não houve mais essa cogitação e o AS atualmente diz que o novo motor 1.3 TCe será fabricado no Brasil para equipar seus carros top de linha e talvez até o equipar alguma versão do Mercedes classe C nacional, e após ver vários acertos do Autos Segredos eu realmente boto fé na nacionalização do motor 1.3 turbo ainda mais depois do alto investimento que a Renault fez inaugurando a nova fábrica de blocos e cabeçotes de alumínio aqui. Pelo que eu li no UOL Carros recentemente o maior desafio da Renault atualmente está em manter ou não os nomes Sandero e Logan na marca do losango qdo os novos hatch e sedan inspirados no Clio V chegarem aqui. Eu apoio a conservação dos nomes atuais.

  • Nana

    Caramba, achei que tinham desistido dele.

  • Flavio Cassaro

    Com estes motores, antiquados, melhor nem lançar…. carro dos flintstones

    • Alexandre Nozawa

      somos flinstones e qualquer coisa que lançarem parecendo um SUV vai vender

  • Francisco

    Talvez por isso a Renault está dando descontos de até 10 mil na Duster. Não acredito que vão colocar esse motor 1.3 turbo. Tenho 1 Duster 2.0 há 5 anos e não tenho do que me queixar.

  • Licergico

    cvt nissan … justo o que acho o pior de todos os cvt´s …

  • Valter Junior

    Este carro ainda existe ? nunca mais vi. Alguem ainda compra ?

  • Rocha Charo

    Quero saber dos itens de segurança, 6 airbags no mínimo

  • Marcus Vinicius

    O Captur deveria usar o 1.3 TCE de imediato antes da chegada do novo Duster

  • Diógenes P P Filho

    É um bom carro, mas realmente falta um câmbio melhor e um acabamento mais esmerado. Fora isso, vale a pena ter um

  • Matheus Conrado

    O Nissan Terrano(versão nissan do duster atual),tem aplique preto na penúltima coluna,e ja vi alguns duster com esse aplique por aqui,se eu adquirisse um,seria uma das primeiras modificações que faria

Quem somos

O Notícias Automotivas é um dos maiores sites automotivos do Brasil, trazendo todas as novidades sobre carros para mais de 450 milhões de pessoas, por mais de 12 anos. Saiba mais.

Notícias por email