*Featured Honda Lançamentos Minivans

Novo Honda Fit 2015: Impressões e detalhes do monovolume nipônico

Novo Honda Fit 2015: Impressões e detalhes do monovolume nipônico

Com 5,2 milhões de unidades vendidas desde 2001 em todo o mundo, o Novo Honda Fit 2015 chega ao mercado brasileiro em sua terceira geração, lançada recentemente no Japão e que em 2015 será feita também em Itirapina/SP. O monovolume nipônico ganhou visual mais sofisticado, adotando linhas mais joviais e com leve pegada esportiva.


No Brasil, o modelo já vendeu mais de 500.000 unidades desde 2003 e agora quer manter o bom desempenho no mercado com a nova geração. O Novo Honda Fit 2015 chega nas versões DX, LX, EX e EXL, todas equipadas com o motor 1.5 i-VTEC FlexOne, que oferece maior taxa de compressão, novo comando i-VTEC e sistema de partida a frio por pré-aquecimento de combustível, dispensando o antigo tanque de gasolina no cofre do motor.

Outra novidade é a nova transmissão CVT que adota o conceito Earth Dream, tornando-se até 17% mais eficiente que o câmbio automático da geração anterior. O equipamento dispõe de conversor de torque e sete posições de marcha. Sem o ECON, o Novo Honda Fit 2015 coloca em seu lugar o modo Eco, que indica o momento de uma condução econômica através de um aviso luminoso nas versões DX e LX, enquanto as EX e EXL apresentam luminosidade do painel que se altera conforme o consumo, semelhante aos Civic, CR-V e Accord, por exemplo.

Novo Honda Fit 2015: Impressões e detalhes do monovolume nipônico


Em termos de estilo, o Novo Honda Fit 2015 ficou mais sofisticado, adotando faróis de formato dinâmico agregados à nova grade em preto brilhante, conferindo um ar de harmonia no conjunto. Os para-choque adotam grades de estilo colmeia nas laterais, assim como da versão japonesa. Faróis de neblina são oferecidos nas versões EX e EXL.

Na traseira, lanternas mais verticais recebem extensões nas laterais da vigia, enquanto a tampa do porta-malas desce mais em direção ao para-choque, que agora fica bem rente à carroceria, criando um aspecto de perua ao compacto. A impressão de minivan – que é bem nítida na segunda geração – foi atenuada com para-brisa mais inclinado, vigias das colunas A elevando-se em direção ao capô e linha de cintura igualmente subindo na parte traseira.

Um forte vinco lateral, associado às maçanetas maiores e mais destacadas, deixaram o monovolume com mais cara de hatch. Essa sensação é percebida também no interior, cujo espaço interno parece mais largo e o teto mais baixo, graças aos novos ajustes da plataforma, priorizando uma nova sensação de volume interno. Os retrovisores possuem repetidores de direção na versão EXL, que juntamente com a EX, oferecem rodas de liga leve aro 16 de desenho esportivo, enquanto a LX as rodas são aro 15. A DX tem rodas de aço aro 15 com calotas.

Novo Honda Fit 2015: Impressões e detalhes do monovolume nipônico

A carroceria ficou 13% mais aerodinâmica e passou de 3,90 m de comprimento para 3,99 m. O Novo Honda Fit 2015 ficou com a mesma largura, apesar da melhoria do espaço interno, continuando a medir 1,69 m. No entre-eixos, o monovolume da Honda passou de 2,50 m para 2,53 m. O tanque de 45,7 litros foi modificado para se tornar mais seguro. De modo geral, o modelo ficou entre 50 e 60 kg mais leve.

Além disso, o Novo Honda Fit 2015 ganhou melhoria no subchassi dianteiro, além de novos braços de suspensão traseira, que continua com o sistema de barra de torção. A direção elétrica agora está com motor mais próximo ao volante e a estrutura geral recebeu mais partes em aço de alta resistência. Em termos de segurança, a versão EXL dispõe de airbags laterais, enquanto o conjunto geral ficou mais seguro.

O painel apresenta bom acabamento e desenho moderno, porém bem prático. Nas versões DX e LX, quem já conhece o Fit de outras gerações, ficará em casa com o Novo Honda Fit 2015. Apesar de quase tudo novo – para não dizer que é 100% modificado, a luz interna central é a mesma da primeira geração – muitos itens remetem à essência do modelo, tais como cluster de cor laranja e com funções semelhantes, assim como comandos dos vidros elétricos/retrovisores, posição dos comandos de ar condicionado, sistema de áudio, etc. A chave também é do tipo canivete nas EX e EXL.

Nas versões EX e EXL, especialmente a topo de linha, o Novo Honda Fit 2015 apresenta um ambiente interno mais sofisticado, adotando quadro de instrumentos com fundo azul e visual personalizado, além de mostrador digital para consumo de combustível e nível do tanque. O conjunto ainda apresenta luminosidade personalizável e indicador de economia também através de tonalidades. Além da regulagem de altura, o volante das duas versões mais caras pode ser ajustado em profundidade.

Novo Honda Fit 2015: Impressões e detalhes do monovolume nipônico

O conjunto perdeu um dos porta-copos, que agora só existe ao lado do motorista e articulado, logo abaixo do difusor de ar. O modelo ainda dispõe de porta-copos duplo sob o painel, assim como também nas portas. O acabamento das versões EX e EXL apresenta detalhes do conjunto em preto brilhante, enquanto o topo de linha tem difusores prateados, volante multifuncional em couro com detalhe prata e comandos do ar condicionado personalizados.

O sistema de áudio das versões DX e LX é do tipo 2DIN com USB/CD/MP3, enquanto as EX e EXL dispõe de um display de 5 polegadas com CD/MP3/USB/Aux/Bluetooth, além de câmera de ré com três visualizações e possibilidade de personalização com imagem de fundo. Nem mesmo o nome ou o logotipo da marca foram inseridos na configuração, justamente para que o proprietário possa colocar a imagem que desejar.

Os bancos continuam com a boa ergonomia de sempre, destacando-se os dianteiros com melhor acomodação do corpo (na EXL é revestido em couro), sendo o do motorista com regulagem de altura. O sistema ULT agora é denominado ULTra-Seat nas versões LX, EX e EXL, que além das posições já conhecidas, permite que os encostos dianteiros se encaixem no assento traseiro, criando duas camas. O dispositivo permite também melhor transporte de bagagens. O banco traseiro ainda conta com regulagem de inclinação dos encostos, bem como cinto de segurança central em 3 pontos (retrátil), Isofix e Latch.

Novo Honda Fit 2015: Impressões e detalhes do monovolume nipônico

O Novo Honda Fit 2015 tem estimativa de vendas de 48.000 unidades entre maio e dezembro de 2014, começando as entregas a partir do dia 5 de maio. O monovolume chega com preços sugeridos e mix de vendas de:

DX MT/CVT – R$ 49.900/R$ 54.500 – 3%
LX MT/CVT – R$ 54.200/R$ 58.800 – 49%
EX CVT – R$ 62.90 – 38%
EXL CVT – R$ 65.900 – 10%

O Novo Honda Fit 2015 está disponível nas cores:

Azul Netuno Metálico (novo)
Vermelho Rally Sólido
Preto Cristal Perolizado
Cinza Barium Metálico (novo)
Cinza Iridium Metálico,
Prata Global Metálico
Branco Taffeta Sólido

Novo Honda Fit 2015: Impressões e detalhes do monovolume nipônico

Impressões

O Novo Honda Fit 2015 mantém a boa dirigibilidade das gerações anteriores, mas agora com melhor desempenho e economia, que vieram com o motor 1.5 i-VTEC FlexOne de 115/116 cv a 6.000 rpm e 15,2/15,3 kgfm a 4.800 rpm. O propulsor agora tem menor atrito, assim como mais torque em baixas rotações, além de ficar mais eficiente em consumo.

A transmissão manual de cinco marchas das versões DX e LX ficou 5% mais curta na primeira marcha e 5% mais longa na quinta, tornando-se 8% mais eficiente que a anterior. Já a automática CVT de 7 posições de marcha, que é 16% mais leve que a automática de 5 marchas e também contribuiu para uma performance melhor. O motor potente responde prontamente ao acelerador, cujo câmbio CVT agora está mais esperto em relação ao da primeira geração por ter conversor de torque.

Sem percepção de mudança de marcha, a aceleração é linear e é possível manter 1.500 rpm até 80 km/h, onde o computador de bordo chegou a apontar 14,4 km/litro com etanol no tanque. Em 110 km/h, o giro fica estável em apenas 2.000 rpm, contribuindo para redução de ruído e economia.

Novo Honda Fit 2015: Impressões e detalhes do monovolume nipônico

As retomadas são melhores que no anterior e o Novo Honda Fit 2015 ganha fôlego rápido. Para ter um toque mais esportivo, o câmbio ainda dispõe de modo Sport, assim como o Low para subir ou descer ladeiras íngremes. A direção elétrica ficou mais leve e precisa, enquanto os freios apresentam boa performance. A suspensão apresenta bom ajuste para o nosso piso, além de boa estabilidade. O ruído interno é bom, mas acima de 3.000 rpm ouve-se o motor um pouco além do desejado.

De modo geral, o comportamento do Novo Honda Fit 2015 é melhor em comparação com o anterior. Ficou um pouco mais agradável de dirigir e o prazer ao volante foi ligeiramente ampliado. A boa ergonomia, aliado ao maior espaço interno (130 litros), porta-malas condizente com a proposta, sistema ULT-R, motor potente e câmbio suave e econômico, fazem o compacto da marca japonesa uma opção bem interessante, embora o preço continue sem um dos (poucos) pontos negativos.

Galeria de fotos do Novo Honda Fit 2015:

Viagem a convite da Honda.

Novo Honda Fit 2015: Impressões e detalhes do monovolume nipônico
Nota média 4 de 1 votos

231 Comentários

Clique aqui para postar um comentário

    • Não joguem pedras, mas eu esperava bem mais. A traseira ficou absurdamente truncada, poluída. A frente está “ok”, não é linda, mas moderninha. O interior é pobre, bastante fraco mesmo. Esperava um upgrade maior no motor também. E considerando os itens que perdeu, ficou com um custo x benefício bem ruim. Ponto negativo para a Honda.

      • motor e cambio , melhoraram; mas o estilo nao é tao harmonico quanto o modelo anterior e o interior da versao basica nao anima muito (sem falar na falta de cinto 3pt no banco traseiro) ..

        é torcer pra que a honda nao suba muito os preços desse lançamento ..

  • Gostei muito. Acertaram de cheio no design, na volta do maravilhoso CVT e de quebra mataram o motor 1.4 que era um pouco manco. Pena que os preços continuam altos

      • Sim..isso é. A geração passada (de 2009 até 2014) tinha un interior mais decente, mas também de plástico duro. Acontece que é sempre igual com as montadoras. Adicionam uma coisa (neste caso o cambio cvt) e pioram outra

        • Então… mas podemos dizer sem pestanejar: Olhar um 208 frente a um 207 é notoria a melhoria. Ainda que o C3 não tenha ganho em interior melhorado (ao menos eu que tenho o interior com o painel digital não acho que o cluster analogico seja grande coisa, até porque pioraram as saidas de ar conforme o europeu) ganhou em itens de série se comparado ao modelo que eu possuo.

          O que aconteceu com o Fit? Se considerar as versões base, perceberá que perdeu muito.

          Então para quem deseja o Fit e principalmente teve um dos modelos anteriores, irá reparar na falta dos itens que deveria ter no minimo no modelo intermediario. Esse foi um carro que realmente so tem algo atrativo (ao meu ver) a partir do topo de linha que então, já custa muito caro.

          • Então, acontece que o Fit sempre foi um carro caro. Lembro, na família compramos em 2005 um top de linha cvt 1.5 (EX acho q era) e foi pago R$ 53 mil (muito pra a época), mas tinha um excelente motor-cambio e um acabamento muito bom.
            O problema é que nunca foi um carro médio, mas a Honda cobrou como se fosse, pelo tanto não custa tudo isso. Mas como á japonesa, pode colocar qualquer preço que vai ter fila de espera no início…

            • Isso é verdade… mas fico revoltado é que com tanta informação e parte de alguns rivais, exista a questão de ter todo esse “frisson” pelo produto.

              Mas o importante é que realmente eu não compraria um mesmo. Achei mto pobre.

    • Perdeu tanta coisa.. Algumas absurdas até
      – Ar digital (EX/EXL)
      – Freio a disco na traseira (EX/EXL) – ABSURDO!!!!
      – Limpadores – Palhetas Flat Blade – Pq Honda??
      – Apoio de braço nas versões AT
      – Pisca no retrovisor (EX)
      – Bancos ULT (DX)
      – Econômetro (DX/LX//EX)
      – Para-brisa degradê (EX)

      Ganhou
      – Airbags laterais (EXL)
      – Bluetooth (LX/EX/EXL)
      – Tela multimída (EXL) – que por sinal é incrivelmente pior que a verão japonesa/européia, sem touchsreen e GPS – Absurdo! (qualquer Mylink, 208, Sandero tem)
      – CVT
      – Tecnologia Flexone

      • Caramba! Aonde tá a informação q retiraram os freios a disco traseiros? Absurdo.
        O Fit tinha econômetro? Acho que vc quis falar do indicador de consumo instantâneo. Acho que no pc de bordo deve ter.

          • Depende. O econômetro que tem nos FIATS apenas indica se vc tá economizando ou não, com suas faixas verde, amarela e vermelha, sem indicar os numerais.
            Já o consumo instantâneo, no caso dos carros da Honda e da BMW (e de outros que não me lembro agora), tem a mesma barrinha que tbm indica o consumo naquele momento, facilitando a visualização.
            No resto dos carros, como vc sabe, o consumo instantâneo é indicado através de número, o que dificulta bastante a visualização rápida pra saber se tá pisando muito ou pouco, porém, é extremamente preciso pois indica até as casas decimais.

      • O ar sendo digital ou analógico, se não é automático não é a mesma coisa?

        Qual o problema de não ser digital? Só porque não tem um númerozinho indicando uma falsa temperatura?

        • O ar condicionado digital a temperatura mostrada não é falsa. Inclusive a regulagem varia de meio em meio grau. É mais eficiente, e em um carro tão caro deveria estar presente.

        • Vocês estão confundindo os termos. Todo ar digital é automático. Não há razão alguma em colocar um display com a temperatura se o aparelho jamais desliga ao atingir a temperatura selecionada.

            • Quase, mas o ar do Agile não mostra a temperatura. Ele tem uma barrinha que acompanha a posição do botão, não a temperatura de fato. É só pra dizer se o botão está no meio, mais pra esquerda, mais pra direita… Coisa que você pode fazer olhando diretamente pro botão, por isso é totalmente inútil :)

            • Pelo que lembro o do Agile é digital mas não mostra temperatura, só barrinhas de gelar mais ou menos ( similar ao ajuste que vemos nos botões de girar, mas numa telinha), justamente por não ser automático.
              No Fit por custar mais de 50 mil já abre no Brasil uma faixa de preço onde digital e automatico deveria ser obrigação. No EXL até dual-zone deveria ser visto até Fluence ter isso por esse preço.

              • Só lembrando que inclusive, o Fit lá fora possui justamente na versão de topo que possui ar condicionado digital e bizone. Se o Civic foi igualmente depenado (em relação a variantes de outros paises) aqui é igual.

                Ainda que a parte do ar seja de uma zona no Civic de qualquer lugar.

          • Sempre achei que qualquer ar condicionado fosse automático. Atingindo a temperatura escolhida, ele “desliga” – pra isso serve o termostato. Pelo menos é assim que funciona qualquer ar condicionado de parede, mesmo aqueles bem velhos. Mas realmente não é o que percebo nos veículos, e já tivemos vários com AC, de diversas marcas, analógicos e digitais… nunca percebi entrarem em stand by.

            • Então te digo do meu Xsara 2001: Ele NÃO É digital, mas é automatico. E nesse caso, o meu ao atingir a temperatura, ele desliga o compressor.

              A depender do dia, ele chega até a deixar a ventilação praticamente fraca.

              Outro que eu já vi e foi alvo de meu amigo reclamar e vi na pratica é o do Polo (denominado Climatronic). Só que ele é digital mas desligar o compressor e diminui o ventilador ao minimo.

              Nas duas situações eu vi ele agindo dessa forma.

              • Exato, o que caracteriza o ac automático é o ajuste da temperatura e ventilação autônomos. Exemplo: Num dia quente, você regula a temperatura para 21°, o sistema identifica que precisa de alto desempenho para chegar à temperatura desejada e o ventilador é automaticamente ligado no máximo. Uma vez que a temperatura desejada é atingida, o ventilador vai reduzindo a velocidade, até estabilizar. O fato de ser digital é só para um controle mais preciso.

            • Entendo que digital é o comando, ou seja, além de escolher a temperatura o direcionamento do ar tem comando eletrônico e não puramente mecânico. Dualzone, trizone, são sofisticações do controle do ar digital.

        • Eu quís dizer AC digital com controle de temperatura automático e não aquela gambiarra que vem no Frágile apenas com um mostrador digital, por que não tem coisa pior do que num trânsito de anda e para que você precisa ficar ajustando o tempo todo a temperatura. Todo carro quando você anda com ele o AC fica mais forte e quando você para ele fica mais fraco, então um digital de verdade já faz esse controle pra você.

          AC analógico é para os carros populares de entrada, mas aqui no Brasil é ao contrário, carro popular de entrada nem isso vem…

  • Para mim,as lanternas verticais que se estendem no vidro,sao bem estranhas,preciso ver esse carro na rua.Ademais,o carro evoluiu muito,mas não gosto muito do Fit,ainda acho ele muito voltado ao publico feminino e familiar.
    Prefiro o CIVIC hatch,mas a Honda jamais vai trazer para o Brasil,teria o mesmo preco do FIT.
    Sobre um outro post sobre a Honda,o CIVIC ficou legal,mas essa decima geracao,agora com o primeiro face lift,esta pior que o novo Corolla,q evolui mais nessa geracao,independente de ter ESP ou nao.
    Antes que critiquem,tenho o Civic atual,acho o carro excelente ate o momento.

  • O interior ficou com o visual pobre demais, mesmo na versão topo de linha…ainda mais considerando o preço alto que vai ter. Também não gostei desses prolongamentos das lanternas na traseira, pra mim, ficou de péssimo gosto. A honda deveria ter caprichado mais nesse carro.

  • As rodas da versão intermediaria me lembraram as do hb20 , para choque traseiro me lembrou o i30. Nenhum item justifica um preço tão elevado

  • gostei até… bom espaço, e dá pra levar as compras da madame nos fins de semana, aparente bom acabamento, mas o povo da banânia precisa aprender que honda e toyota não são de maneira nenhuma marcas “premium”, porque nada justifica 65k em um fit, está 65k porque o povo compra, 55k na versão TOP para nosso atual mercado estaria mais do que bem pago, vejo ele a nível de new fiesta e 208 por exemplo…

        • No mundo todo ele é hatch compacto. Aqui por ele ter um pouquinho mais de espaço, a Honda colocou ele a concorrer nos monovolumes, justamente pra justificar o preço com a concorrência. Ele é tão pelado que parece piada ver a lista de equipamentos dele na versão EX e EXL por mais de 60mil. Não são mesma categoria, é claro, mas temos sedãs médios que são muito maiores e bem equipados, tambem AT por 66mil.

          • O problema no caso do Fit com os sedans é o fato de quem quer espaço interno em um compacto, terá mais dificuldades se tirar o Fit da jogada.

            Mas quem pode fazer toda a diferença é o Onix em espaço interno para ocupantes. Ainda assim, não deixa de ser caro para o que oferece. A unica justificativa para compra é ter espaço interno enorme para um compacto.

            Agora, está dificil pensar em preços de hatches em geral. Curiosamente em praticamente a totalidade é que os sedans estão mais atrativos.

        • O perfil de consumidor é o mesmo.

          Uno e DS3 são hatchbacks compactos mas ninguém em sâ consciência fica em dúvida entre um Uno Sporting e um DS3.

          A não ser que você diga que só a Citroën acha que o DS3 é um carro esportivo.

      • Daqui a pouco vão reclamar que você falou do Golf, como virou mania reclamarem de quem fala do mesmo. Não sou fiel a nenhuma marca, mas a verdade é que o Golf veio apresentando muito mais do que o mercado oferece nessa faixa de preço.

        • O problema é que vc escolheria a versão manual dele. E isso seria mais uma justificativa para isso.

          Minha amiga comprou um City usado LX 2012 e como “promoção” por R$49000. (era R$53000)

          Ela pagou na revisão de 20000km R$700 e disse que isso é para trocar O OLEO do cambio A CADA 10000km para preservar a durablidade. E ela ficou feliz da vida dizendo que é caro, mas pelo menos os japoneses serão robustos.

          Sério, robusto precisando trocar a cada 10000km o oleo do cambio? Nem precisa dizer o que eu pensei. Ainda assim, disse para ela ver no manual de revisão se isso faz parte. Porque pagar R$700 por revisão é dose (nem sedans médios mais bem equipados tem esse valor absurdo).

  • Muito bonito por fora, a frente espetacular, a traseira é questão de acostumar. Já o interior eu achei bem pobre, faltam detalhes para chamar à atenção como no Civic. E cara, essa central multimídia ficou horrível, tela muito pequena e acabamento chinês!

  • Desculpe dona Honda, mas ficarei com meu EX 2007 msm, não vi evolução suficiente pra troca-lo agora, ainda mais q parece que estão depenando o carro e cobrando pelas partes q tiraram.

  • Eu acho que a criatividade dos Japoneses em fazer painéis modernos esgotou-se,pois o do novo Fit não acompanha a modernidade do resto do carro,´muito antiquado.Fora isso,o carro está bom,acho que as maiores virtudes do novo Fit está onde não se vê,que é a dirigibilidade,economia….

  • Os carros agora são todos assim, a diferença entre as versões mais básicas e as Top são gigantescas em termos de visual e acabamento.
    Gostei do jeitão da Top. E achei pobre demais a outra.

  • Não achei os preços ruins para o mercado atual.
    Um Fit EX Automático está no preço do EcoSport Freestyle 1.6 manual (em torno de 62 mil).
    E a versão básica DX Automática custa o mesmo que um NFiesta SE PS (em torno de 54 mil).
    Levando em consideração qualidade construtiva e o pós-venda infinitamente melhor da Honda, o Fit está com preços razoáveis no atual cenário brasileiro…

    • Você conhece realmente um Fit DX??? Minha mãe tem um, 2011, e é tão “pelado” quanto um popular básico. Calotas nas rodas, sem rádio, sem nada. E custa mais de 50 mil!!! Entre num DX e depois faça a comparação de novo.

      • Não conheço, nem pretendo. Não é meu estilo de carro e motorização.
        Mas não é mais negócio do que um Gol Rallye 1.6 I-motion gambiarra (mais de 50 mil) ou outros carrinhos mal feitos e com pós-venda mequetrefe?
        Eu ao menos consideraria a compra, Fernando.

        • De forma geral sim, mas infelizmente a construção dos Honda está longe de ser essa perfeição toda. O que já vi de Honda Fit batendo todo o acabamento com pouco tempo de uso, não é brincadeira. Pelo que a Honda cobra, eu sinceramente esperava mais.

        • Pera lá…. então vamos comparar com carros inferiores? Podemos citar um monte deles.

          Agora vamos pegar carros que batem diretamente com ele?

          Tem aí, Golf, Focus, 308, Cruze, entre outros. Porque então, devo ficar pensando em um Fit ? Isso nas versões de topo.

          Agora, temos se não for a questão de espaço interno, outros modelos que são mais equipados e a comparação de assistencia, não podemos sugerir apenas que a Ford (porque sei que vc teve pessima) como sendo as demais.

          Pois daqui a pouco, só vai existir Honda com esse pretexto. Se olhar a questão de clientes satisfeitos com as CCs, podemos colocar a Renault na jogada e pronto, acabou todo esse encanto.

          • Lógica textual ruim de entender, texto sem dinâmica.
            Mas veja: muitos, mas muitos consumidores ainda compram carros pelo valor orçado. Mudam de categoria se conseguem descontos ou se rejeitam certa marca.
            Isso é normal em mercados imaturos, como o nosso, não obstante aconteça igualmente em cenários mais exigentes, como o norte-americano.
            Só para situar, minha irmã trocou uma BMW X5 2006 lá nos EUA por um Passat zero km. Optou em mudar de segmento pelos preços de aquisição, seguro e custos do pós-venda (lá incluídos no plano de compra).
            Em suma, é normal comparar segmentos diferentes, mas que tenham preços parecidos, pois o mercado de consumo faz isso a todo momento..

            • Isso eu entendo. O que eu coloquei no meu comentário é que simplesmente vc determinou uma compra apenas por assistencia pos venda, sem colocar qualquer outro ponto interessante do produto em pauta.

              Eu particularmente procuro numa compra aliar tudo que exista referente a compra do carro. Então para mim, há o seguro, gastos com manutenção (onde novamente isso é um ponto negativo da Ford), itens agregados ao veiculo, entre outras coisas.

              De forma alguma, eu vou aceitar pagar tão caro se o produto no minimo não ofertar algo que vá além do atendimento. Acho inaceitavel a compra do produto com o cliche que ele que possui boa assistencia e dei como exemplo a Renault como uma das bem faladas nesse aspecto.

              Mudar de porte de modelo é super comum, a diferença no Brasil está ligada diretamente a qualidade construtiva de um modelo que pode ser superior a outro. E olhando os carros no Brasil, as pessoas pagam mais caro e na maioria das vezes por um veiculo maior, porque igualmente o modelo menor (ou de porte menor) possui um acabamento ou qualidade construtiva que nem se compara aos maiores.

              Só exemplificando, entendo se alguem justificar a compra de um Fit perante um 308 com a premissa de espaço e mal atendimento da Peugeot, o que não acho aceitavel é dar como um “Honda” um carro perfeito sem qualquer parametro.

              Agora, se eu tenho bom atendimento numa Peugeot, porque iria escolher um Fit? O 308 no mesmo exemplo, cai muito bem em um carro com boa montagem, alguns itens de série atrativos e a depender do preço, pode-se ter uma motorização superior ao Honda. Por produto eu escolheria o 308.

  • Como sempre, mecânica invejável. Parabéns a Honda pelo carro, só achei que a versão de entrada poderia ter o quadro de instrumentos igual da versão top. Esse laranja me lembra os Fiat de 2003-2007.

  • O conjunto mecânico parece que evoluiu com esse câmbio novo. O que tinha regredido na versão anterior, em relação a primeira se redimiram agora, mas esse interior pelo que cobram do carro, podia ser melhor. Ta muito simples e cade o AC digital? Não tem ESP, suspensão continua como barra de torção, tudo bem que deve ser bem acertada, mas pelo que oferece o preço devia ser menor. Abaixa R$ 15 mil que fica razoável.

  • Nossa!a cada geração que passa a qualidade do material usado no interior do Honda Fit está cada vez mais baixa.
    Nem se compara com a qualidade do material usado no Honda Fit da primeira geração.
    Vou continuar com o meu Fit EX CVT 2007,mesmo sendo perguntado várias e várias vezes na cidade de pessoas perguntando se quero vender o meu Fit.

      • Sinceramente, até a internacional esta PORCA. Do nosso EXL isso ai só tem diferença no ar que é digital e MUITOOOO tratamento de imagem, coisa que nas fotos da noticia não tem por ser foto digamos que reais. Isso é carro popular no mundo todo e aqui a Honda cobra caro e nem disfarçar disfarça.

        • Mas ainda assim estaria “menos injusto”.

          Repare que mesmo a versão de entrada tem ar digital, velocimetro na cor azul (que pelo menos deixa a familia de modelos com o mesmo tom), volante com parte multifuncional para funcional de bordo do modelo (que no nosso não tem nem função) além daquela tecla vermelha de partida por botão. Isso ainda sem contar o botão econ.

          Algo que critico por ser um produto tão caro é a falta de trocas sequenciais de marcha. A Honda até nisso tira do Fit.

          Ao menos como “consolo” colocou as funções Sport para reter marcha e Low para freio motor.

  • No geral eu achei que mudou bastante, melhorou em alguns aspectos e piorou em outros. Achei a frente como uma minivan do Logan, porém, bem resolvida. A traseira ficou estranha para a proposta do carro, que é ser um carro discreto como sempre foi, e aquelas saídas no para-choque traseiro matou o design. O preço dele eu compraria um carro mais interessante e mais equipado. Enfim, não compraria ele.

  • Na minha opinião o único defeito do Fit é esse preço exagerado. O carro é muito legal e espaçoso e ficou com um desenho bem interessante, embora eu ache o atual mais bonito. A boa notícia é que a geração atual vai começar a desvalorizar mais, eba!

    • Uma coisa que eu sinto muita falta na versão (agora) antiga é a falta do bluetooth, pra mim é um item de segurança e conforto para atender ligações ou ouvir músicas armazenadas no meu celular, a Honda vende como acessório, mas é um bluetooth que vai “colado” na coluna, ou seja, até onde entendi, não tem interação com o rádio.

  • Daqui a pouco carro da Honda vale mais do que ouro …
    Ele tem a sua clientela e seu nicho de mercado, mais o preço é abusivo.
    Não compraria um fit sabendo que existem tantas outras opções no mercado muito SUPERIORES e até com preço melhor.

    • Concordo que cobram o que querem porque brasileiro paga independente do preço agora sobre a questão de ter opção melhor na mesma faixa de preço se analisar bem vai concluir que não existe nenhum modelo a venda neste pais com a mesma versatilidade do Fit de ampliação de espaço na faixa de preço.

  • Otimo carro, porem pagar 50 mil reais num carro sem farol de neblina e roda de calotas, fica complicado. Isso deveria ser de série, principalmente por ser um Honda.

  • Excelente conjunto e opção. Como ponto fraco e corrigível, parece que a tampa do porta malas fica muito vulnerável em qualquer encostada na traseira, em virtude do para choque ser pouco saliente.

  • Continuo dizendo: Esse carro tem um “sobrepreço” de R$ 10.000! Tire isso dos valores divulgados e você terá um carro com preço compatível. Com os preços “normais”, por mais que seja um excelente carro ele é absurdamente caro, mesmo para o “padrão Brasil”. Basta comparar o EXL com o FIesta Titanium e a gente vê o tamanho do buraco…

  • Por que um carro que já vem com display não agrega GPS ? Até um xing ling comprado por 100 pila funciona muito bem. Deram uma bela maquiada no carro. Melhoraram a mecânica. Mas “etiozaram” o seu interior. A Honda nunca acerta tudo, muito menos o preço. No preço eles “Hyundainizaram”……

  • Prefiro o desenho do atual!!! Vejo tbém que o carro vai continuar sem iluminação interna, não tem coisa pior que entrar em meu Fit 2009 num lugar escuro e ter de ligar os faróis para saber onde estar o cambio e tomada dos vidros!!! Sem falar que um carro de seus R$ 60 mil merecia alguns itens a mais de comodidade. Carro meia boca.

  • Duvida… se botar turbo(aftermarket) num cambio cvt, ele se adequa automaticamente aos novos valores de torque e potencia, ou tem que fazer uma reprogramaçao?

    • Turbo somente é interessante em carros com câmbio manual ou se já vier de fábrica! Carros automáticos, ainda mais do tipo CVT, não possuem características de robustez e durabilidade compatíveis com motores com turbo adaptados, fora o fato de que não conseguirão entender os novos padrões de torque e potência.

    • Primeiro que para se colocar um turbo em um cambio automatico (seja de qual tipo for), tem que saber muito bem as especificações.

      Segundo que para ajusta-lo a nova curva de torque principalmente para um cambio CVT, seria um trabalho arduo. Se reparar, não há no mercado (mesmo internacional) muitos modleos com motores turbo e CVT (ainda que no Brasil o A4 tenha o multitronic que é um modelo que teve problemas no passado).

      Imagine um Aftermarket? O negocio é se contentar com o que tem, ou partir para outro produto mesmo que esse não tenha o que talvez seja esperado por ti, como um desempenho ligeiramente superior com a economia proporcionada pelo CVT. Lembre-se ainda que esse tem variações fixas de marchas, outra complicação para o tipo de cambio.

    • Se vc já dirigiu um Sentra ou Fluence, nesse aspecto vc já conhece.

      É o que pessoal “acha sem graça”… em que ele se ajusta a dar o torque solicitado. A diferença é que no caso do Fit ele possui relações fixas. E então, como funciona o conversor? Ele que “traduz” o comando (pulso) da aceleração, converte ao motor para entregar o torque. (as rodas)

      Como esse possui relações fixas, deve ter um bom limitador da atuação do conversor por aproveitar bem as variações determinadas.

      No que influi essa limitação? Em evitar a falta de força, só que usada de forma combinada e sem perda de performance.

      Esse limitador ajuda diretamente no consumo. Quanto maior a limitação e menor uso do conversor, melhor será a economia.

  • Ar analógico, sem freio a disco traseiro, sem ESP, palhetas do limpador convencionais… Tudo isso por uma trasmissão mais simples e bancos que deitam.

  • ficou impressão que falta algo a mais nesse carro por esse preço. É bonito porém não tem um tchan(kkkkk) a mais que me faça pagar esse preços.

  • Um carro de 65.000 sem um apoio de braço na versão top automática? O que é isso? Aí vem falar em um novo Cívic melhorado, mais refinado?! Hanran! Credo, não sei o que é pior. Tenho que comprar um carro nos próximos 6 meses, com menos de 70.000, cada montadora tem uma bomba para empurrar. A verdade é que tenho que analisar qual o menor pior.

  • A Honda c*gou no pau com essa estratégia de marketing do New Fit.
    Já que as versões “melhorzinhas” são EX e EXL, deveria ter lançado somente essas com essa carroceria, relegando às DX e LX a versão atual com mais equipamentos… Qual a vantagem de comprar um carro peladasso por R$50 mil (e manual ainda por cima)?

  • R$ 65.900 na versão EXL CVT é muito dinheiro. Da pra pegar um New Fiesta PowerShift por R$ 59.000, além de ter o airbag para o joelho do motorista, tem controle de tração e ar digital. Mesmo a opção de entrada por 50k está muito caro.

    Resumindo, é um carro bem montado, materiais de boa qualidade no interior, excelente motor e câmbio. O visual externo ficou legal, o interior ficou horrível e o preço muito alto. Há opções melhores no mercado.

    • O problema do new fiesta, para mim, são dois: espaço interno, basta ter mais de 1,80 para se sentir extremamente desconfortável dentro; e a qualidade de montagem e de acabamento, mesmo na versão top os plásticos internos passam a impressão de baixa qualidade. No quesito segurança, concordo, o new fiesta dá exemplo.

    • Com R$65.000,00 você pode comprar um carro de verdade. New Fiesta não te dá segurança nem com 30 airbags. Não adianta em carrinho pequeno. Brasileiro ainda compra caixinhas de fósforos motorizadas.

  • Realmente fiquei impressionado com o consumo 14km/l com etanol
    Mas acredito que o fit deveria vir com o motor com injeção direta que existe lá fora, e digo o mesmo para os outros carros da honda, mas vamos continuar com os aspirados com injeção multiponto ):

  • Ninguém vai falar que prefere um modelo usando por esse preço .
    As qualidades quanto ao espaço interno e porta malas são inegáveis. Mas o painel dá a impressão de ser de um modelo muito mais barato. Se fosse um Fiat, VW já estariam caindo em cima. Até o New Fiesta tão criticado não parece tão diferente. Não vou nem falar da ausência de itens de segurança. Já que quando se trata de algumas marcas isso não parece importar. Mas segundo a AE, faltam até luzes no porta-malas e porta-luvas de algumas versões. R até o espelho no para-sol fica no escuro. A ausência do GPS em um carro que chega a custar mais de 60 mil reais é outra coisa me chama a atenção.
    Como eu disse o carro tem suas qualidades. Mas pelo preço pedido as ausências me chamam mais a atenção.

  • Estou achando muito carregado os novos Honda. Quando lançaram a geração anterior estava muito bonita ai no facelift já carregaram mais a dianteira e agora mais ainda. Não é totalmente feio, mas parece muito poluído o visual.
    Agora o interior do carro é pra quebrar de feio.

  • A qualidade é inquestionável , o carro externamente ficou bonito mas este acabamento interno aí é compatível com palio fire , uma pena . . . . .

  • Essa frente ficou semelhante do CR-V, e pra piorar rechearam a traseira de lanternas do tipo “sei lá como explicar”, e se as lanternas tivesse inspiração nas do CR-V daria um ar de robustez e requinte ao carrinho. Ao invés dessas lanternas, prefiro as do anterior.

  • Achei que ficou bonito, mas esperava mais, como um motor mais forte nas versões mais caras. Também acho que deveria ser mais equipado, principalmente pelo preço cobrado (neste ponto, sinto o mesmo em relação a qualquer modelo de qualquer marca vendido por aqui). Lamento a perda do ULT na versão de entrada. O vermelho e o azul caíram muito bem nele.

  • Ficou devendo muito para o que se tem lá fora, como sempre, e, há de se concordar que o topo de linha dessa versão ficou MUITO inferior ao da anterior (2010-2014), limou-se muito do acabamento e do que já era de série.
    A nossa central é muito espartana e a falta do ar condicionado digital, que é lindo no Fit 2015, ajudou mais ainda a passar a imagem de “involução” do interior. A central lá de fora além de mais harmônica com o conjunto, tem tela maior, totalmente touchscreen, inclusive botões capacitivos, HDMI e um sistema com mais funções como reprodução da tela do celular.

    http://cdn.slashgear.com/wp-content/uploads/2014/04/2015-honda-fit-sg-44.jpg
    http://cdn.slashgear.com/wp-content/uploads/2014/04/2015-honda-fit-sg-51.jpg
    http://www.cars.com/crp/vp/images/15honda_fit/Lanewatch_inset_KM.jpg
    http://cdn.slashgear.com/wp-content/uploads/2014/04/2015-honda-fit-sg-52.jpg
    http://1.bp.blogspot.com/-OU_BxhKtdds/UkBIXZwvX6I/AAAAAAAANqc/mAU4-ymbBF8/s1600/2015_2014_honda_fit_jazz_new_photos_gallery_dual_zone_climate_controls.jpg
    http://image.automobilemag.com/f/64668582+q100+re0/2015-Honda-Fit-RS-hatchback-interior-view.jpg

  • Meu Deus! Que carro medonho! Por fora ficou até bonito, embora um pouco exagerado. Por dentro parece aqueles carros futuristas dos anos 80. Horroroso! E a Honda cospe muito na cara do brasileiro mesmo! Tirou mais do que pôs no carro. O Fit era o segundo pior custo/benefício do mercado (só perdia pra insanidade chamada City). Com essa geração ele vem com grandes chances para levar a taça (de pior CxB, claro).

  • Fiquei na dúvida, no slide honda da foto apresenta: “Painel de instrumentos em tom âmbar para as versões DX/LX/EX” e no texto do NA fala que o tom azul é da versão EX/ELX. Finalmente a versão EX fica com tom âmbar (mais simples) ou azul (completo)?

  • Tenho a impressão que essa matéria ficou imprecisa. O site da honda aponta certos equipamentos presentes de forma diferente em cada versão.
    E quanto às marchas virtuais, é verdade? É a primeira vez que leio sobre ela no fit. Curioso é que o final do texto sugere que elas não estão presentes. Haja imprecisão…

  • Observando os detalhes, a Honda empobreceu este carro.

    Alguns detalhes me chamaram atenção. O Fit de primeira geração possui borrachas tanto na guarnição das portas quanto nos portais tbm.

    Este novo Fit, não possui borrachas nas guarnições das portas dianteiras e, nas traseiras, possui apenas na metade das portas.

    Isso desfavorece o isolamento acústico, que no Fit nunca foi um primor.

    Além disso, a Honda sequer se deu ao trabalho de cobrir os pontos de fixação dos trilhos dos bancos com um acabamento em plástico como era feito no primeiro Fit. Aqueles ferros com os parafusos a mostra ficaram feios e pobres.

    O EX perdeu o ar digital.

    O painel de instrumentos do DX/LX é uma lástima. Até o cluster do meu antigo Fit LXL de primeira geração é mais bonito.

    Sem falar que o painel da versão básica ficou muito fraco. Neste aspecto o Fit de primeira geração ganha disparado com detalhes em prateado, com plásticos de textura lisa e mais elaborado.

    A exceção vai para o avanço técnico, com o novo câmbio CVT e um acerto mais esportivo e que favorece o prazer ao dirigir.

  • O fit DX CVT de 54 mil parece ser um opção atrativa dentro do segmento, mas achei o interior um pouco pobre, principalmente painel, mas as impressões verdadeiras mesmo, só vou saber quando ver o carro ao vivo e fazer um test-drive

  • Eu ví um sábado na Praia Grande em cima de uma plataforma, até que ficou simpático, e os para choques com essas partes pretas não ficaram esquisitos visto ao vivo.

  • Gostei das mudanças dessa nova geração do Fit. Bem que a Honda poderia ter equipado pelo menos o mais caro EXL com controle de tração, pois os preços desse modelo sao bem salgados.

  • Por essas e outras que continuo com o meu New Fit… esperava muito mais da Honda com esse carro, é só olhar o projeto no Japão por exemplo… custava a Honda trazer o projeto pra cá? Quem comprar esse modelo vai ser só por causa do visual externo, por dentro ficou pior que Gol… e antes que me xinguem, sim, o New Fit também deixa a desejar no painel… rs

  • e estes botões gigantescos com essa alavanca de recirculação, coisa mais podre!!!
    acompanho sites americanos, não sei ao certo o que mudou, mas o honda fit americano me agradou muito, agora o modelo Brasileiro, o inteiror foi cagado, uma decepção absurda!!!
    a EX q é a melhorzinha 62,900???
    tá louca a honda espero que encalhe!!!
    tinha interesse no novo honda fit, para um futuro proximo, mas pelo que vi eu passo!

  • Como eu já previa, estragaram o painel. O do atual é muito bom, com botões bem posicionados e bonito.

    De qualquer forma, a volta do CVT é mesmo um avanço, bem como a exclusão do motor 1.4.

    Acrescentando (?):

    – removeram o porta-luvas superior
    – removeram, como dito no texto, o porta-copos do passageiro
    – removeram o ar digital das versões EX e EXL
    – removeram a troca de marchas no volante com indicador no painel (existente na EXL até, salvo engano, 2010)
    – os vidros continuam normais, sem função um toque para passageiros e, consequentemente, sem fechamento global pelo alarme
    – continuam equipando o carro com pneus vagabundos (que tal oferecer michelin? Ou pelo menos Pirelli que dura uma vida?!)
    – continuam sem oferecer controle de tração e estabilidade para as versões mais caras
    – removeram o freio a disco das versões mais caras (existia nas LXL, LX e EXL no lançamento e, salvo engano, até 2010)
    – removeram o para-brisa degradê de todas as versões, com exceção da EXL.

    Depois de tudo isso, ainda cobram 65900 pela EXL?!

    E quem vai comprar olha para o Civic por 69900 e pensa o quê?

    Já que as versões de entrada, com esse painel de péssimo gosto, não são nem um pouco atraentes, iria de Civic LXS sem pensar. As propostas são diferentes mas o Civic tem mais motor, mais espaço, a mesma câmera de ré, banco em veludo e mais conforto.

    Paciência, Honda, mas você acabou de defecar num carro que poderia ser um belo exemplar em design e tecnologia, mesmo com os preços extorsivos que pratica.

  • Será que só eu achei o design do sistema multimídia horrível e fora do contexto do painel? Parece que quando acabaram o painel falaram: “Xiiii esquecemos a central multimídia!!” e adaptaram ali…de resto o carro é bom e ficou mais moderno por fora, mas acho que a Honda cobra um pouco a mais do que entrega, se fosse pouca coisa mais barato pensaria em um no futuro.

  • Estou precisando trocar o carro e considerava o FIT como opção.
    Ao ver o modelo, gostei bastante do design externo e, pela primeira vez, posso dizer que achei o carro atraente. Em contrapartida, por dentro decepciona. Pra quem vem de um popular, não quero pagar caro pra me sentir dirigindo um popular, de modo que a única versão que dá pra engolir o interior é a TOP DE LINHA, que não vale 66000. O que matou foi esse ar condicionado manual. Pior: manivela de recirculação de ar no lugar de um botão de acionamento eletrônico. Dá tristeza… Isso é coisa de popular oficial. Lamento. E por esse motivo (preço elevado demais da única versão que me interessa), o FIT está descartado.

  • Depois de ter pago 51800 num city LX no final de 2012, pensarei 51800 vezes antes de comprar um carro desta marca.
    Motor fraco, isolamento acústico ridículo (vale tb para fit e civic), entre outras coisas.

  • Interior de muito mal gosto na versão de entrada.
    Lateral tentou adaptar os vincos da linha HB20. Só que o carro não é um hyundai – dá a impressão de improviso, do tipo “ah temos que mudar alguma coisa, então vamos adaptar as linhas da hyundai que está vendendo bem”.

    Ridículo.

  • Caso a Honda inclua, novamente, os freios a disco na traseira, inclua controles BAS/EDL/ASR/ESP neste Fit ai sim eu vou pensar, caso contrario, esqueça minha grana Honda.

  • Preço não é bom,como sempre foi no Fit,mas pra mim a melhor versão é DX CVT,dou prioridade ao câmbio,então o carro alia o câmbio ao preço de uma versão superior,mas infelizmente,se perde som,rodas de liga,etc.

  • Francamente, não entendo como alguém paga, em média, 56 mil reais por essa caixinha de fósforos. Num acidente envolvendo essa miniatura e um bicicleta em rota perpendicular, os ocupantes do carrinho correm sério risco de lesões, ou até de morte. Que alguém precise se submeter a comprar uma miniatura (palio, gol, etc.) por 25 mil reais, por não dispor de mais recursos financeiros, é compreensível. Porém, quem pode pagar quase 60 mil por um veículo, deveria comprar um carro de verdade, e não esse casulo. Já andei no banco traseiro de um Fit (tenho 1,75cm e peso 77 kg) e me senti andando num brinquedo de parque de diversões. Que péssima relação custo-benefício tem esse Fit. Dinheiro muito mal empregado.

  • Essa traseira imitando lanternas de volvo xc60 ficou muito sem harmonia com o tamanho do carro. Já o vi pessoalmente o acabamento e o conjunto é muito simples! A concorrência está ganhando! O problema são os “hondistas” e toytistas” que ainda compram um projeto de hatch desses e saem falando que fizeram o melhor negócio com o honda “shit” e toyota “fetios”!

  • Ficou muito bonito. Carro econômico, seguro acessível e boa revenda! Acredito que ar digital na versão top, seria um bom item de série e melhoria no painel das versões entrada. Porém ainda mativeram o preço alto, baseado na confiabilidade nipônica.

  • Fiz um test-drive hoje. A acústica é excelente, os bancos confortáveis e bem desenhados, o câmbio cvt é bem resolvido parecendo com uma marcha só, o design externo muito interessante, um ótimo carro. Só não compraria porque a altura do solo continua baixa para um cidade com muitos quebra-molas, o acabamento interno parece que foi feito pela JAC Motors pelo plástico feio em excesso, alguns aparentam ser de baixa qualidade e, consequentemente, seu alto preço.

  • o preço esta ótimo, tem gente que esta comprando prisma 1.0 defasado por 42k. Mas acredito que esse seja o preço de lançamento e que nos proximos 3 meses a honda irá elevar esses preços.

  • Visitei uma concessionária ontem. Vou fazer o teste drive hoje (16/05). Também achei o acabamento do interior absurdamente simples, parecendo carro popular, afinal ele custa mais de 50 mil!!! E uma informação importante para todos: na concessionária havia o modelo anterior ao lado do novo 2015. O vendedor (sem querer) deixou escapar que, quem vai ver o 2015, acaba levando o modelo anterior, principalmente por causa do interior!!! É Honda! Abre o olho!!!

  • Como muitos aqui fiquei decepcionado com o carro, o top, freio a tambor atrás, ar cond. manual, e não automático, ou seja só deliga no botão. Isso tudo no top. E o preço quase de um corola, assim realmente não dá, estava esperando para trocar, mas vou pesquisar melhor.

Quem somos

O Notícias Automotivas é um dos maiores sites automotivos do Brasil, trazendo todas as novidades sobre carros para mais de 450 milhões de pessoas, por mais de 12 anos. Saiba mais.

Notícias por email