Combustíveis Ecologia Europa Mercado

Novo Polo e C-HR mostram que o diesel entrou em declínio na Europa

novo-vw-polo-2018-49 Novo Polo e C-HR mostram que o diesel entrou em declínio na Europa

O Novo Polo chegou, mas uma observação interessante deve ser feita em seu lineup europeu. O compacto da Volkswagen, marca protagonista do Dieselgate e uma das que mais vende carros diesel no mundo, anunciou seu clássico de entrada com uma oferta de sete motores, mas apenas dois deles são diesel.



Em realidade, se considerarmos os outros cinco como motores independentes (1.0 MPI, 1.0 TSI, 1.5 TSI, 2.0 TSI e 1.0 TGI), então o Novo Polo tem apenas um diesel, já que o 1.6 TDI é ajustado apenas para 80 cv ou 95 cv. Mas no âmbito da União Europeia, o hatch da VW não está sozinho ao indicar um declínio na oferta de diesel.

A Toyota com seu crossover C-HR, deixou de lado qualquer “D4-D” da vida e se concentrou em duas coisas: gasolina e híbrido. No primeiro caso, apenas 20% das vendas são do 1.2 Turbo, enquanto a opção com propulsor elétrico ao lado do 1.8 Atkinson, tem 80% da preferência. E mais, o modelo vende muito bem para um produto sem diesel na Europa e teve projeção de vendas revista para cima: 110 mil por ano.

A dupla tem propostas bem diferentes, mas indicam o mesmo. Temendo futuras restrições para carros diesel, o consumidor europeu já está mudando de ideia na hora de comprar. O problema é que várias capitais e importantes cidades do continente estão com planos para banir os veículos de ciclo diesel, pelo menos os de passeio. Até 2025, Paris, Madrid, Atenas, Stuttgart e até Munique devem estar livres de carros com esse combustível.

toyota-c-hr-buenos-aires-NA-1 Novo Polo e C-HR mostram que o diesel entrou em declínio na Europa

Só a Alemanha, país que lidera as vendas de diesel, o percentual caiu de 48,1% em 2012 para 40% no mês de março. Na Europa, os emplacamentos caíram de 50% para 46%. A tendência é de maior queda, ainda mais com a proximidade das novas regras de emissão, cuja média por fabricante deve ficar em 95 g/km de CO2. Este não seria um problema para motores diesel modernos, mas o NOx sim. Evitá-lo significa injetar mais dinheiro.

Com mais gastos para manter motores diesel limpos, os fabricantes têm de aumentar os custos de produção e o valor dos carros abastecidos pelo óleo combustível. Assim, como os carros de menor valor agregado são os mais sensíveis. Modelos como o Novo VW Polo, por exemplo, tendem a perder as opções “TDI” mais adiante. Por isso, o novo compacto agora só tem um motor diesel com duas potências.

Mas o temor de que daqui a três anos – previsão para restrição em Paris, Stuttgart e Munique, por exemplo – será proibitivo ter um carro diesel em certos lugares da Europa, já tem um efeito grande sobre os compradores, que mantém sua busca pela eficiência energética e baixa emissão, mas agora trocando o diesel pelo híbrido, como no caso do Toyota C-HR. Estes são só dois exemplos recentes de uma mudança que está apenas no começo dentro do mercado europeu.

Escândalos como da Volkswagen atingiram o diesel em cheio e ainda continuam a tornar o mercado do óleo combustível cada vez pior, visto que outros fabricantes já estão sendo investigados e punidos, inclusive fora do continente. Dessa forma, daqui em diante, veremos menos opções diesel para compactos e mais carros híbridos – e também elétricos – com vendas em elevação na Europa.

Leia avaliações, notícias sobre carros e compare modelos em NoticiasAutomotivas.com.br.

Quem somos

O Notícias Automotivas é um dos maiores sites automotivos do Brasil, trazendo todas as novidades sobre carros por mais de 11 anos. Saiba mais.

Send this to a friend