*Featured Lançamentos Sedãs Test Drive Toyota

Novo Toyota Corolla 2020: Impressões ao dirigir

Novo Toyota Corolla 2020: Impressões ao dirigir

O Novo Toyota Corolla 2020 é um dos grandes lançamentos do mês de setembro e um dos mais importantes do mercado brasileiro neste fim de década. Quase um produto anti-crise, o sedã médio feito em Indaiatuba é um dos players que sempre estão próximos do topo das vendas.


Nessa estreia, o Corolla foca em dirigibilidade, conectividade, segurança, eficiência energética e desempenho, tendo melhorias em todas as áreas para estar antenado com o mercado e, espera-se, crie alguma tendência entre os sedãs médios, que andam sofrendo impacto direto dos utilitários esportivos, em especial os compactos.

Com 42,07% do segmento de sedãs médios em 2019, de acordo com a Fenabrave, o Toyota Corolla é uma espécie de Onix dessa categoria, tendo mais que a soma das vendas de Civic e Cruze, bem como quase as vendas desses dois e do Jetta no período de janeiro a agosto.

Novo Toyota Corolla 2020: Impressões ao dirigir


Assim, o Novo Toyota Corolla 2020 não vem para brincar e aposta na hibridização como futuro para um segmento que já viu de tudo e hoje carece de novidades e atrativos. Elevando os preços a um novo patamar, o sedã não deve sofrer tanto impacto com a alta em suas vendas.

O motivo é que o cliente do Corolla é bem fiel. Com cadeira cativa, ele aprecia a baixa desvalorização e o pós-venda, assim como as características simples e funcionais do modelo, que reúne economia e conforto. Agora as coisas mudam um pouco. Na verdade, mudará muito para os compradores do sedã.

Sabe aquele carro que te atende e não precisa oferecer mais para continuar sendo o ideal? Essa imagem do Corolla se perde completamente nessa nova geração. Ele já havia dado um bom salto no modelo anterior, especialmente em segurança e economia.

Novo Toyota Corolla 2020: Impressões ao dirigir

Também nunca foi páreo para alguns rivais em termos de tecnologia, dirigibilidade e performance. Mas, ainda assim, era o carro que a maioria queria ter na garagem. Só que agora, o Novo Toyota Corolla 2020 quer virar essa página, ainda não completamente, mas já quase deixando aquele perfil no passado.

A nova estrutura TNGA contribuiu enormemente para que o Corolla 12 seja um carro bem mais acertado e realmente melhor. Torcendo menos, o sedã agora está mais no chão com suspensão acertada e multilink atrás. Ele não deixa de ter motor grande, só que agora é um bem mais avançado 2.0.

Até o CVT, que deixava ele manso, foi mudado para dar-lhe uma saída desejável. E mais, com o híbrido, ele reforça a proposta da Toyota de um carro mais eficiente, que em algumas realidades, como a de São Paulo, trará benefício maior, o de ir e vir sem levar multa.

Novo Toyota Corolla 2020: Impressões ao dirigir

Quem seguir a tendência, terá um argumento de vendas na capital paulista, que é um mercado enorme. Mas, ainda assim, o Novo Toyota Corolla Hybrid 2020 é uma forma de inserir o cliente do produto em um patamar tecnológico que pode faze-lo migrar no futuro, abandonando a motorização convencional.

É um trabalho de paciência que a Toyota vem fazendo há algum tempo com o Prius no Brasil. De mil unidades deste por ano, a marca quer pular para 12 mil com o Novo Corolla. Para isso, a garantia de 8 anos ajuda muito e, se a filial brasileira seguir a americana, sua longevidade irá muito além da parte técnica, já provada e aprovada no Prius desde 1997.

Sem mais delongas, o Novo Toyota Corolla é um carro totalmente diferente do antigo. Não só no visual e técnica, mas também ao volante. Para quem já andou em gerações anteriores, ele é estranhamente bom ao guiar.

Impressões ao dirigir

Novo Toyota Corolla 2020: Impressões ao dirigir

Guarujá-SP – A Toyota promoveu nesta quarta (4) o test drive de duas configurações do Novo Corolla, a híbrida e a 2.0 Flex. Começamos pelo Corolla Altis Hybrid.

Com bom aspecto visual, o sedã eletrificado chama atenção nas ruas, especialmente de donos de Corolla. Mas, antes de começar a aparecer, ele fica em silêncio. É assim que se inicia a partida nesta versão.

Tal como no Prius, basta apertar o botão Power para painel e multimídia ligarem, mas sem reação do motor, apenas alguns pequenos barulhinhos eletrônicos, como se estivesse ativando uma aparelho doméstico ou algo parecido.

Novo Toyota Corolla 2020: Impressões ao dirigir

Diferente do Prius, o Novo Corolla 2020 não tem preocupação em expor sua tecnologia para incentivar a economia, como na época das folhinhas verdes… Ele quer parecer um carro “normal” e por isso a alavanca é como do 2.0 Flex.

O cluster análogo-digital tem até econômetro (com faixa de recarga, economia, força e desligamento) com ponteiro físico. O mesmo para o medidor de combustível (que sobe e desce conforme o consumo) e temperatura da água.

O display central de 7 polegadas não fica mudando de tela e nem tem apresentações para impressionar. É bem funcional e mostra o necessário, incluindo os sistemas do Toyota Safety Sense. Apenas uma tonalidade verde marca o modo de eficiência, com o restante em azul.

Novo Toyota Corolla 2020: Impressões ao dirigir

Na multimídia, a famosa animação de motor/bateria/motor (motores, pois são 2) elétrico com os fluxos de energia estão lá, assim como um histórico e um resumo da bateria quando em tela dividida com outras funcionalidades.

O Novo Corolla 2020 resume muito mais as informações que no Prius, sendo assim o ideal para quem não quer ficar trocando de telas incansavelmente. Na alavanca, o modo Brake Force está lá, assim como um botão para os modos de condução (Eco, Normal e Power) e outro só para o EV Mode.

E acabou por aí. É só engatar Drive, “soltar” o freio de mão e deslizar silenciosamente, ouvindo apenas o ruído dos pneus. Como um híbrido comum, sem recarga externa, o Novo Corolla 2020 não demora muito a iniciar o motor 1.8 Dual VVT-i de 101 cavalos no etanol e três a menos na gasolina.

Novo Toyota Corolla 2020: Impressões ao dirigir

O ruído é suave e não se eleva exageradamente quando em uma condução econômica. O Novo Corolla 2020 mantém um bom ritmo nos modos Eco e Drive, com o propulsor “apagando” diversas vezes. Isso varia tanto que após algum tempo só dá para perceber olhando na animação da multimídia.

Ainda assim, se exigido, as duas formas de propulsão não deixam a desejar, mas não é nada esportivo, apenas para manter o ritmo. No modo Power, o Novo Corolla 2020 é apenas mediano, uma vez que não é a proposta a performance elevada. Porém, é suficiente para ultrapassagens e para quem está com pressa.

A transição entre os modos é suave e imperceptível no geral, mesmo no Power, em movimento, é preciso olhar no painel para vê-lo ativado. Bem gostoso de dirigir, o Novo Corolla Hybrid 2020 tem um comportamento diferente do Prius, sendo mais macio ao rodar e com reações imediatas. Ele enfrenta melhor a buraqueira, afinal, foi projetado para rodar aqui.

Novo Toyota Corolla 2020: Impressões ao dirigir

Na cidade, sair nos semáforos é quase sempre usando energia, exceto se quisermos mesmo pular na frente de alguns. Outro ponto interessante é que no modo EV, o Novo Corolla 2020 alcança bem mais que os 50 km/h do Prius no plano, sem ladeiras para poupar o motor elétrico.

Não foi possível calcular a autonomia nesse modo, o que faremos na Avaliação NA. O consumo era bem generoso com gasolina, tendo autonomia sempre em torno de 1.000 km com tanque quase cheio. Com boa posição de dirigir e comandos descomplicados, o Novo Corolla Hybrid 2020 agradou ao primeiro contato.

O sistema TSS funcionou bem na rodovia, mas o alerta de faixa tem correção apenas leve, não centrando o carro na faixa e muito menos podendo fazer qualquer curva. Um aviso sonoro e uma puxadinha sutil no volante são seus indicativos.

Novo Toyota Corolla 2020: Impressões ao dirigir

Já o controle de cruzeiro adaptativo mantém os carros bem distantes, mesmo no nível mais curto de aproximação, que dá 30 metros. Todos os comandos ficam no volante e são fáceis de ativar, deixando assim para trás a lendária haste do velho piloto automático…

No outro extremo da ilha (de Santo Amaro), pegamos o Novo Corolla 2020 em sua versão best seller, a bonita XEi 2.0 Flex. Aqui, a proposta é bem diferente do Hybrid e será a escolha da maioria dos clientes do modelo. Por isso, a Toyota adicionou rodas de tonalidade realmente melhor que aquelas do Altis.

Junto com cores como cinza e prata, o Novo Corolla XEi 2020 chama atenção. Claro, não dá para não nota-lo de longe com seus faróis “triplos” com luzes diurnas em LED duplo. A versão testada estava com alguns acessórios, como calhas nas janelas e engate para reboque.

Novo Toyota Corolla 2020: Impressões ao dirigir

Vestindo bem como o Hybrid, o XEi é mais funcional e quer impressionar menos. O cluster é bem simples e tem um display lateral de 4,2 polegadas suficiente para a proposta. A multimídia com Android Auto e Car Play era algo necessário no Corolla há algum tempo.

Com ambiente escurecido, o botão de partida inicia o Dynamic Force 2.0 de dupla injeção com seus 177 cavalos no etanol e menos 8 na gasolina. Tendo bom torque em alta, ele começa a trabalhar de forma suave e silenciosa até por volta dos 3.000 rpm.

Tendo boa saída de cara, graças ao Direct Shift CVT com engrenagem como primeira marcha e o restante à cargo das polias e suas correias de aço, o Novo Corolla 2020 tem boas partidas, mas não sem uma característica que não agradou nada, a elevação exagerada de rotação, fazendo com que pequenas aceleradas resultassem em ponteiro passando fácil de 4.000 rpm.

Novo Toyota Corolla 2020: Impressões ao dirigir

Nisso, o ronco do Dynamic Force 2.0 já está acima do desejável e a progressão não vem na mesma medida. Como se trata de um motor aspirado e numa configuração focada em economia, já era de se esperar.

Esse propulsor tem potência máxima em altos 6.600 rpm e o torque de 21,4 kgfm aparece pleno aos 4.800 rpm. Nos lembrou o Yaris Sedan, silencioso em baixa e ruidoso em média rotação.

De qualquer forma, pisando fundo para buscar os 177/169 cavalos, o novo 2.0 naturalmente vai corresponder, mesmo com giros acima de 5.000 rpm, como em ultrapassagens curtas, onde é preciso mais força. As mudanças manuais nos paddle shifts entregam liberdade relativa e garantem mais ânimo.

Novo Toyota Corolla 2020: Impressões ao dirigir

Já no modo Sport, este pouco altera a rotação e as respostas. Ainda assim, o conjunto supera o antigo Corolla 2.0 Flex por conta de seus números. Com a filosofia de produto da Toyota, vigente em todo mundo, dificilmente veremos um Corolla 13 com turbocompressor. O caminho será a hibridização plena, sem dúvidas.

Mantendo-se uma condução em cruzeiro, o Novo Corolla 2020 aponta para 2.100 rpm a 110 km/h, o que num câmbio quase múltiplo de 10 velocidades, parece muito coisa, mas indica relações mais curtas para obter melhor desempenho. Aliviando o pé, o sedã passa automaticamente para o modo Eco, priorizando a economia.

Se isso impressionou? Não. O que realmente gostamos não faz barulho (talvez de pneus em piso seco) e não tem dupla injeção. Na sinuosa estrada Guarujá-Bertioga, o Novo Corolla 2020 mostrou que é realmente outro carro. O sedã médio da Toyota agora é um carro com pegada realmente prazerosa.

Novo Toyota Corolla 2020: Impressões ao dirigir

O conjunto é muito bem equilibrado, fazendo o carro curvar com pouca inclinação e estabilidade de um certo concorrente de mesma origem. Sim, ele parece muito com o Civic nessa condição, tendo um handling que realmente empolga. Mesmo forçando um pouco mais, ele mantém a trajetória com uma direção bem atuante.

Em curvas bem fechadas, ele dificilmente apresenta tendência de sair de traseira, contornando sem sustos. Em frenagens fortes, o Novo Corolla 2020 mantém um bom equilíbrio, garantindo assim controle fácil sobre seus movimentos.

O bom ajuste da suspensão e a rigidez 60% maior, assim como uma direção bem acertada, garantem que ele supera em muito o velho Corolla. Então, quem está acostumado com a maciez e despretensiosidade do modelo antigo, vai notar que esse novo carro tem um apelo mais instigante e elaborado. Até agora, é a melhor coisa do Novo Corolla 2020.

Novo Toyota Corolla 2020 – Galeria de fotos

Novo Toyota Corolla 2020: Impressões ao dirigir
Nota média 4.4 de 11 votos

Ricardo de Oliveira

Ricardo de Oliveira

Técnico mecânico, formado há 23 anos. Há 12 anos trabalha como jornalista no Notícias Automotivas, escreve sobre as mais recentes novidades do setor, frequenta eventos de lançamentos das montadoras e faz nossos testes e avaliações. Também trabalhou nas áreas de retificação de motores, comércio e energia.

  • Paulo

    Por mais estranho que pareça, achei o farol triplo do Xei mais bonito que da versão top.

    • Marcelo Ceno Dutra

      A Toyota poderia colocar Leds pelo menos no farol baixo no XEI. Era só catar a mesma lâmpada da Hilux SRX.

    • Pelas fotos, o XEi parece realmente bem mais atraente. Pelo que escreveram no texto, essa impressão parece se confirmar ao vivo.

      • Mas é um absurdo que carros que custem R$110000 não seja xenon, full led ou algo do tipo. Inaceitavel ao meu ver. Pior é ficar renegando a um simples sensor de estacionamento.

        • É Toyota, meu amigo. A estratégia dá certo, o carro vende muito bem, mesmo com a economia feita nesses itens em sua fabricação. O consumidor não exige… vida que segue.

          • Rafaelprado

            O ponto é, o cliente de Corolla não sabe que com 110.000 ele está pagando xénon e não está levando…

            • mjprio

              O perfil do cliente desse carro é do que paga caro pra nao se aporrinhar creio eu

      • Eric PB

        Na minha humilde opinião, o altis é mais bonito. Possui as rodas diamantadas, teto solar e o cromo no contorno das janelas.

  • Mayck Colares

    Poderiam fazer um comparativo de equipamentos, desempenho, consumo e preço entre o prius 2020 e o corolla Hybrid 2020. Eles têm preço, porte e equipamentos muito próximos. A diferença é de 9cm a mais pro corolla.

    • Lucas de Lucca

      O Corolla só de não ter a feiura do Prius já vence, precisa nem comparar hehehe.

    • Ubiratã Muniz Silva

      na minha humilde opinião, o Prius vai “morrer” no Brasil (se não agora, em breve). Não tem sentido mantê-lo no mercado nacional com preços tão próximos. O Corolla Altis Premium , por apenas 3k a mais, é MUITO mais equipado, fabricado aqui e agrada mais (falando de visual mesmo) aos consumidores.Mesmo o Altis hibrido “standard” já e mais equipado que o Prius.

    • Rafael Rodrigo

      Pra mim o prius só teria futuro se ele virasse um corolla hatch…

      • Pedrov154 #BATDAT

        Ou um SUV.

  • TVGLOBONÃOTEMJAPAA

    Eu gosto Corolla e Civic

  • Flávio Ba

    Esse painel e lateral de porta branco, sob o sol do nordeste, vai ofuscar visão do motorista e passageiro legal!!!! Um perigo pra dirigir após um tempo

    • sigma7777777

      Mas o atual já é assim, não? Acho que não há problemas, mas prefiro interior escuro. A combinação com um cinza claro seria melhor.

      • Paulo Lustosa

        Depende da versão, e se não me engano pode escolher entre couro claro e escuro.

    • Rômulo Júnior

      Vdd já dirigi um Corolla atual no sol quente aqui de Pernambuco e realmente reflete muito principalmente no parabrisa, dificulta muito a visibilidade, eu prefiro o escuro.

    • Carlos Henrique Kroeber

      O interior é bege,e não branco

  • th!nk.t4nk

    Como assim? O novo Corolla não é turbo? Em pleno 2020 isso é um tapa na cara do consumidor, ainda mais nessa faixa de preço! Claro que vai ser barulhento, claro que vai elevar o giro em excesso ao arrancar no sinal e fazer ultrapassagens. É tecnologia ultrapassada, com curva de torque ruim. Eu sinceramente não entendo como as pessoas não se revoltam com isso.

    • Marcelo Ceno Dutra

      “o motor 2.0 (Dynamic Force) das demais versões, vindo do Lexus UX 250h. Com sistema combinado de injeção (indireta para baixas rotações e direta para altas), duplo comando variável (com acionamento elétrico na admissão) e elevada taxa de compressão (13:1), ele também atua no ciclo Atkinson para maior eficiência energética,” esse motor é mais moderno que muito turbo por aí.

      • th!nk.t4nk

        Tudo isso tem em grande parte dos motores turbo modernos, inclusive em diversos downsized. Não tem nenhuma novidade tecnológica aí. Leia a análise: o novo Corolla precisa de giros bem elevados pra mostrar força, ficando bem barulhento. Onde que isso é positivo, agradável, moderno? Tirem a venda dos olhos.

        • TchauQueridos

          Como se motor turbo fosse o supra-sumo.
          Como a própria matéria já disse hibridização é o futuro!

          • th!nk.t4nk

            Ahm só lembrando que carro híbrido também tem motor a combustão.

          • Lucas de Lucca

            Turbo-híbrido até pode ser o futuro, isso aí é pega bobo. Basta ver os números divulgados de consumo e desempenho pífios.

          • Rômulo Júnior

            Mas eu já tive um Corolla cvt 2.0 e hoje tenho um carro turbo 1.4 e o consumo, torque em baixo giro e silêncio a bordo do turbo é muito superior, por esse motivo não pretendo ter um aspirado novamente.

            • leandro

              Tem que ver q não é o turbo.que faz toda diferença e sim a injeção direta vide Focus 2.0 que é bom em desempenho e consumo.

              • Rômulo Júnior

                Injeção direta mais o turbo e um câmbio eficiente é q faz toda diferença, eu troco muito de carro gosto dessa vida kkkk, eu já tive um focus sedan glx 2.0 manual 2013 e também um powershift 2.0 hatch 2015 e os dois andavam praticamente igual, talves pq o câmbio powershift é ruim( minha opinião).

                • leandro

                  Pode andar parecido mas o consumo é muito diferente e o ficus G3 é muito eficiente
                  , Esse Corolla deverá ser muito econômico com essa tecnologia. Abraço.

          • Cláudio Modesto

            Desculpe, mas eletrificação total é o futuro.

        • tiago

          Para a recarga de baterias não sei se turbo é vantagem.

        • Eva M

          Não há um só caminho. Toyota e Mazda não aderiram ao downsizing, e isso é bom. Diversidade é bom. E não há só benefícios nos motores turbo (mais pesados, mais complexos, peças tendem a ser mais caras, etc). Potência e torque muito bons nesse 2.0 apresentado.

          • th!nk.t4nk

            Eva, não é minha experiência. Mesmo os aspirados da Mazda deixam muito a desejar em desempenho comparado aos turbo modernos. E a própria matéria destaca que é preciso elevar bem o giro nas ultrapassagens, uma situação desagradável num veículo dessa faixa de preço. A meu ver esse jogo de mercado das duas marcas é pra mexer mais com o psicológico de quem ainda tem medo de motor turbo (caso de muita gente nos EUA e dos mais conservadores em outros países, como é o caso do Brasil). Mas tecnicamente apresentam desempenho abaixo do esperado.

        • leandro

          Calma se o 1.8 do hrv já é econômico imagina esse injeção direta vide Focus 2.0 direct que é ótimo em desempenho e econômia.

      • Pedro Santos

        Tbm fico revoltado com isso amigo!! Motor aspirado num carro desse preço é vergonhoso rsrs
        Turbo são mais econômicos e com bastante torque disponibilizado logo cedo, uma delícia de dirigir
        Nem vou comentar no Yaris e seu SUPER motor de 105 cv custando 90 mil kkkk

        • Marcelo Ceno Dutra

          Isso do Yaris é palhaçada. A Toyota podia muito bem colocar o motor 1.8 do Corolla, não aquela enceradeira.

        • Pedrov154 #BATDAT

          O pior não são nem os 105 cv e sim os 14 kgfm de torque. “Simplesmente” 6 kgfm a menos que o Polo TSI.

      • Cláudio Modesto

        Meu polo 1.0 anda mais que esse Corolla e faz 14Km/L com gasolina. Motor do Corolla é ultrapassado sim,

        • Paulo Lustosa

          Polo é um carro menor e mais leve que o Corolla, logicamente anda mais. O que não entendo é o Polo Sedan, vulgo Virtus, com o mesmo motor 1.0, andar menos e gastar o mesmo que o Cobalt e seu jurássico motor 1.8 F1, com curvatura de torque que após 3500RPM é somente ladeira abaixo.

        • Carlos Henrique Kroeber

          Engraçadão: hatch compacto de 1.100 quilos contra sedan médio,bem maior com 1.296 (antigo) e quase 1400 o novo. Ok,o Corolla faz mais de 20 km/l na cidade. O anda-e-pára recarrega a bateria e outra:com a altíssima pressão que o TSI faz na turbina,seu carro não vai durar nem 10 anos. Enquanto daqui a 10 anos,o Corolla estará firme e forte.

          • Paulo Lustosa

            O mais engraçado que o Polo e Virtus na prática anda menos que um sedan da GM que tem menos itens de segurança e motor ultrapassado com projeto de 1982.

            • Carlos Henrique Kroeber

              Eu RI MUITO ao saber disso. “MINI-GOLF” KKKKKKKKKKKKK
              Perderam para um motor Opel dos anos 70, comando único de ferro fundido,injeção eletrônica,8 válvulas de 108 cavalos!

              • Paulo Lustosa

                Família 1 é de 1982, saiu quando lançaram o Ascona na Europa (nosso Monza) e cabeçote de alumínio. Eu achei muito engraçado quando vi na prática o 1.0 TSI levando ferro do Família 1 em desempenho e retomada, e a crise de riso aumentou quando foi o 1.6 16V de 117 cv (até o Voyage e Gol tem 3cv a mais). Eu só imagino se na época o Onix tivesse saído com o motor 1.8 apenas na Effect como seria engraçado.

    • sigma7777777

      A Toyota tem um 1.2 turbo lá fora. Talvez o traga para equipar uma futura versão XRS.

    • Hendel Marques

      Não entendi a “revolta”. É um produto que vende horrores, vai ser caro e terá fila de espera. Quem se “revolta” precisa entender que se um produto não te agrada, não se compra. #pas

      • Ernesto

        Ele mora na Alemanha e vive criticando os carros brasileiros. Não vejo muito problema nisso, mas a forma que ele faz me parece um tanto arrogante. Até porque ele sabe muito bem da realidade brasileira, bem diferente da atual dele, na Alemanha.

        • th!nk.t4nk

          Ah e chegamos ao ponto: por que o mercado automotivo brasileiro trata os consumidores como segunda classe? A resposta é essa: porque o consumidor é pouco exigente e está contente com o que tem. Vão empurrar motores aspirados e veículos inseguros goela abaixo do povo eternamente por conta disso.

          • Dario Lemos

            Países subdesenvolvidos são pouco exigentes mesmo. Muitos ainda compram aquela ideia de “produto para mercados emergentes” como algo de se ter orgulho de ser agraciado com um produto exclusivo.

            • Ernesto

              Por acaso você leu que eu escrevi não ver problemas no th!nk.t4nk em criticar os carros brasileiros?

              • Dario Lemos

                Meu comentário é generalista e nada ter a ver entre a conversa entre vocês dois. É verdade que nossa realidade é bem diferente mas em algum momento temos que começar a mudar mas parece que não é muito a “praia” do brasileiro.

          • Ernesto

            Vou repetir aqui o que você deixou de lado para fazer o seu comentário: “não vejo muito problema nisso (criticar os carros brasileiros), mas a forma que ele faz me parece um tanto arrogante”.
            Pelo jeito eu estou certo em relação à sua arrogância, já que nem levou em consideração o que escrevi.

            • TRIPÉ

              O cara é um xarope mesmo, tenho vários familiares que trabalham/moram na Alemanha e não existe essa ideia que ele pinta de que lá TODO MUNDO anda de Golf MK7, Passat etc.

              É claro que lá existe muito mais estrutura, mas também é cheio de manolo com Golf mk3, rebaixado e com rodão. A maioria vai trabalhar de bicicleta nas cidades pequenas… Muita gente na europa anda com carro velho e todo estourado por fora, não liga muito.

              E nós não temos carros ruins porque somos pouco exigentes; temos porque o nosso dinheiro frente ao euro e ao dólar não vale NADA. Nós não produzimos carro nenhum, e a Alemanha tem uma das maiores fábricas de carro do mndo, se não for a maior.

              Todo alemão tem um tio/primo/avô que trabalha ou é aposentado pela VW, por isso eles amam os carros da marca. Mas no resto do mundo não existe esse hype todo.

              Esse povo tem uma mania de vira-lata intrínseca na mente como um vírus, e SÓ vão embora do País pra tentar sanar essa deficiência psicológica mal resolvida com a própria vida. É doentio.
              Tenho familiares e amigos que gostam de lá, dizem que é mais seguro e tal. Mas quando o cara fica só tentando desqualificar o País de onde saiu, é porque deve ter sido pisado a vida inteira e agora tenta “se vingar”

          • Eric PB

            Vc tem q entender que certos motores e tecnologias são caras para a realidade do mercado brasileiro. Muitos carros aí na alemanha não estão aqui pelo custo. Nossos renault são dacias, a vw depena o acabamento dos polos aqui vendidos, a gm fazendo quase q toda sua safra até 100k para mercado indiano, chines, brasileiro e por aí vai. E isso engloba custos. Prefiro mil vezes um motor aspirado (cá entre nós, o carro aqui é usado 90% em cidade, não se faz necessário o turbo para ultrapassagens nestes trechos) e um carro com bom acabamento e itens como a toyota está fazendo no corolla do que apostar na tecnologia turbo e depenar o acabamento como a vw faz no polo e tcross. E sim, o motor turbo é muito bom, ja tive um thp, porem por custos de manutenção após garantia o aspirado ainda tem e terá sua boa fama.

          • 4lex5andro

            Ou também por quê o mercado é, historicamente, fechado pelo governo federal em conluio com a Anfavea, prejudicando (inovar-auto em 2010) ou até mesmo proibindo (como nos anos 80) as importações, seja de carros prontos, seja de peças.

            Problemas complexos nunca tem uma única causa, mesmo que tenha uma principal (o baixo nível crítico do brasileiro em geral).

      • TchauQueridos

        A felicidade dele é entrar no site todo dia pra mostrar que na Alemanha é melhor, na Alemanha anda a 200km/h, etc…
        Critica todos mercados automotivos, inclusive dos EUA.
        Como se o mercado Europeu fosse o melhor e agradasse a todos.
        Muitos produtos europeus não fazem sucesso em outros mercados por não agradar ao publico.

        • th!nk.t4nk

          Ops, achamos o fã da Toyota. Desculpe ter ferido os sentimentos. Me retrato: motor aspirado gritador num carro de mais de 100 mil é lindo, tendência, tá certinho. Não merece crítica alguma não, que isso.

          • Lucas de Lucca

            Mas é aquela história, por mais absurdo que seja, o povo aplaude porque é Toyota. Se fosse qualquer outra marca insistindo em aspirado em 2019 pra 20 o povo já iria estar caindo de pau. Mas Toyota pode, até ontem vendia Corolla sem ESP e o pessoal falava que não precisava, que era tudo piloto bom de braço. O importante é sustentar o mito do “inquebrável” e não falar mal, jamais, da queridinha Toyota.

            • Anderson Dahm

              Ao contrário, os “pilotos de teclado” dos fóruns de internet odeiam a Toyota, é só ver as matérias aqui do NA antes do lançamento. Agora a queridinha é a dona VW, os chamados “Volkslovers” tão aqui sempre.

              • leomix leo

                Essa galera tá boa de se juntar e ir em um puteiro, fica melhor discutir, ver raparigas, do que ficar aqui se matando por marca A e B. A vida é curta de mais pra poder querer ficar se gladiando por causas de marca que não tá nem aí pra consumidor.

            • Carlos Henrique Kroeber

              Uma ova!
              Estão caindo no pau! Não caem no pau nem da Fiat e nem da VW… que depenou o Polo,e ninguém falou nada. Lançaram o T-Cross que tem acabamento péssimo e é pouco equipado,fora que não tem capacidade off road nenhuma e vende bem

    • Ernesto

      Como assim? Você está surpreso? Você está todo dia aqui no NA e todas as matérias falavam de motor aspirado e híbrido. Não sei o porquê da surpresa.

    • RPM

      Acho que a Toyota vai pular essa etapa do turbo aqui no Brasil….penso até que na próxima geração venha um corolla 100% elétrico …..mas é um achismo meu…rs

    • Paulo Lustosa

      É igual ao mercado americano a oferta de motores do carro, mas sobre a curvatura de torque, melhor ver a curvatura quando for divulgado, pois eu lembro que o motor anterior de 154 cv a curvatura de torque era boa, a ponto de não precisar exigir do acelerador e o carro andar muito bem.

      • TRIPÉ

        O Corolla inflex com 143 cv e câmbio de 4 marchas já bastava pra viajar com toda a tranquilidade.
        Um motor 1.4 ou 1.5 turbo e um motor 2.0 16v têm desempenho semelhante para ultrapassar, que é onde se usa a potência.
        De resto é super trunfo desses punheteiros de teclado. Eles não dirigem, só punhetam dados de 0-100 o dia inteiro na internet.

        Não to dizendo que motor turbo é ruim, é ótimo, mas a principal vantagem é a economia.

        Mas se faz -0,5s no 0 a 100 é o que basta para os motoristas punheteiros (não dirigem, só masturbam números de 0 a 100 na imaginação) se regozijarem

    • Charlis

      Mesmo eu sendo um amante de carro turbo, considerando que meus últimos carros 4 carros foram turbos, e o atual, também é turbo. E considerando ainda que dificilmente eu voltarei a ter um carro aspirado, permita-me discordar um pouco de você.

      O Corolla antigo, tem os números de aceleração e consumo muito, mas muito próximo aos seus dois concorrentes turbos, o Jetta e o Cruze.
      Neste carro, o motor está com muitas evoluções comparado ao motor antigo, conforme o outro amigo comentou.
      Então, certamente, o este Corolla vai andar tão bem, ou até um pouco mais, que seus concorrentes turbos (Jetta e Cruze).

      Nós devemos ficar revoltado com o que a Honda fez no lançamento deste Civic X
      Mantendo o motor 2.0 SOHC da década passada, sem mudar um único parafuso deste, entre as gerações G9 e G10.
      E pior, tendo um motor aspirado bem melhor, o K20C2 lá nos USA.
      Eu tive 3 Civics, o G7, G8 e G9, amei o G10 esteticamente… mas o powertrain dele estragou a compra do G10.

      Leve em consideração também, que o forte do Corolla é o mercado americano, que no qual, juntamente no BR, eles ainda tem resistência ao turbo.

      Ao meu ver, a Toyota fez a lição de casa com exatidão.
      Manteve a tradição do aspirado, melhorou e MUITO o motor que já era bom, agora está excelente.
      Vai continuar reinando o primeiro lugar, vendendo mais que o dobro do Civic, e umas 5x mais que o Jetta/Cruze, rs.

      []s

      • Rafael Alves Dos Santos

        Só tem um pequeno problema, números de aceleração, 0 a 100 e retomadas são lindos no papel, até o Renegade em teste padrão tem números aceitáveis, mas vamos para a prática, o dia a dia tem aclives, tem peso extra dentro do carro e outros inúmeros fatores. Pegue esse mesmo Corolla que tem números de desempenhos parecidos com um Jetta 1.4, coloque 5 pessoas mais bagagem e a diferença de desempenho passará a ser gritante de um para o outro apesar da ficha técnica, o Jetta provavelmente mal sentirá o peso extra pelos quase 4kgf de torque extra em baixíssima rotação enquanto o Corolla precisará de um tempo bem maior para o 0 a 100 e retomadas.

        • Charlis

          Concordo e faz sentido.
          Por isso que o ideal é termos sempre as opções.
          No meio cenário, é impossível eu fazer isso (colocar 5 pessoas e viajar em um carro).
          Mas se for realidade da pessoa, obviamente o ideal é a pessoa focar em um carro com torque maior.

          []s

        • Ernesto

          Olha Rafael, eu tenho um XEi 2.0 13/14, aquele com AT4. Viajo com certa frequência para o Sul de Minas Gerais, região com estradas de pista simples, muitas subidas e descidas. E quando vou para lá é uma mudança pois minha mulher que levar trocentas coisas. E te digo: nunca senti falta de motor nestas condições. Imagino então que este não terá problema algum em andar carregado.

          • João Silva

            Ernesto, entendo que para suas necessidades seu carro lhe satisfaz plenamente. Mas para quem está acostumado com um turbo como eu, (Cruze turbo e antes C4Lounge THP) o desempenho do Corolla deixa muito a desejar. Tenho familiares e amigo com Corolla, e o desempenho superior aliado a um consumo também melhor não me fariam ir de Corolla ou Civic de modo algum.

            • Ernesto

              Sim, exatamente isso. Para as minhas necessidades o Corolla é suficiente.
              Sobre essa questão, quem tem ou teve um Jetta TSi 2.0 talvez não se satisfaça com um Cruze ou C4 THP.
              Tudo é questão de mercado. Se tem até sedã médio com motor 1.6 aspirado (Kia Cerato), além de outros players com 2.0 aspirado também (Civic e Sentra), não está de todo mal o Corolla. Vale ressaltar que o maior mercado do Corolla é os EUA e lá a Toyota também oferece o carro sem turbo.

          • Rafael Alves Dos Santos

            Eu tinha um Focus 1.6 PS e viajava de boas tbm, sem sustos e hoje tenho um Golf TSI, o que estou querendo dizer é que em comparação de uso na vida real, o modelo turbo terá sempre um desempenho melhor em todas as condições de uso comparado ao seu semelhante aspirado, não sou contra o motor aspirado, inclusive sou fã dos antigos Civis SI 2.0 de 192hps e seu motor aspirado girador. Já no caso desse 2.0 novo da Toyota sua potência e torque são mais que suficientes para um uso familiar, porém, para ele ter algum brilho, só em altíssimas rpms ao que parece, já que o pico de potência e torque é bem alto, o que avi gerar bastante desconforto e ruídos.

      • João Silva

        Concordo com a sua posição em relação ao Civic. Por isso cada vez mais ele tem perdido mercado em relação ao Corolla e em relação ao próprio fogo amigo do HRv, muitos fãs da marca tem migrado para o SUV.
        Os números do Corolla são até satisfatórias, mas em função de estarem disponíveis em alta rotação, não fazem andar junto com Cruze e Jetta que são turbo. Em relação ao consumo, o 1.8 atual que é bem mais economica que o 2.0 atual fica longe do Cruze turbo (tenho um). Em viagem com um amigo, o Corolla dele consumiu quase 20% mais que o meu Cruze, além da dificuldade de acompanhar em ultrapassagens, morros, etc…
        Tenho Cruze Turbo, antes C4L THP, e não volto a aspirado. Como consumidor de sedã médio, sei que sou minoria e o Corolla vai vender muito, mas só iria para a Toyota abrindo mão de desempenho se o híbrido for mesmo arrebatador no consumo. A longo prazo o valor maior se pagaria!
        Quanto ao Civic o único interessante é o Touring, com turbo mas com o preço irreal praticado (135) vai continuar longe da minha garagem.

      • Carlos Henrique Kroeber

        Lembre-se da gasolina a 5 reais e que o carro faz mais de 20 km/l. Além disso,VW,PSA e GM operam a altíssimas pressões no turbo. Seus carros não durarão nem 10 anos. O Corolla dura. O Civic,está com recall do 1.5T nos EUA,que ainda não chegou aqui

        • Charlis

          Isso é suposição sua, mas respeito.
          Eu, particularmente, não concordo e não tenho o menor medo.

          []s

    • Felipe

      Meu carro atual é turbo, eu eu dificilmente voltaria a ter um carro aspirado. Mas não achei muito coerente esse comentário. Na Europa é ofertado o Corolla com motor 1.8 de 121 HP e o 2.0 de 153HP. Nem todo mundo é aficionado por carros e o desempenho ofertado nessas versões é plenamente suficiente pra grande maioria dos usuários.

    • Carlos Henrique Kroeber

      Com gasolina a 5 reais e o carro fazendo 20 km/l para cima,ninguém quer saber em arrancar forte,como em carros turbo. Além disso, você deve saber que brasileiro tem pouco dinheiro para manter um carro. Não quer ter gastos e nem dores de cabeça. Logo, ele quer confiabilidade. Vai confiar na PSA? Que tirou as barras de proteção laterais dos seus carros nacionais? Onde o motor BMW tem problema crônico no coxim,faz barulho na direção e quebra a polia do virabrequim?
      Vai confiar na VW? Que seus 1.4 TSI possuem um altíssima pressão na turbina,e assim,o carro não vai durar nem 10 anos? Em que a bomba d´água é de plástico e simplesmente racha e vaza aos 60 mil kms? Em que a troca de canister é cara? Em que tem problema de carbonização precoce das válvulas? Em que forma uma crosta nas válvulas com o tempo? Em que consome muito óleo?
      Vai confiar na Chevrolet,que acabou de tirar o Cruze de linha nos EUA? Onde a própria marca vai mal nos indices de confiabilidade?
      Sinto muito,mas você precisa entender a realidade dos brasileiros.

  • Efeito colateral imediato: quem vai comprar um Prius?

    • sigma7777777

      Pesquise por “Prius SUV” no Google Imagens que saberá o que vem por aí. Lá tem a mula de testes e projeção.

      • Se for um modelo para ser montado aqui, com cara de SUV, aí eu mudo minha pergunta: quem vai comprar Corolla?
        Na minha humilde opinião, são dois produtos que não vão coexistir pacificamente dentro da mesma linha. Se a Toyota lançar um SUV com as mesmas caracterísiticas do Corolla em termos de mecânica e preços, o sedã míngua as vendas. É um jogo de xadrez complexo.

        • sigma7777777

          Não é, e digo o por quê: ele entraria na faixa de R$ 135 mil indo até pouco abaixo da RAV4, ou seja, uns R$ 160 mil em uma versão mais completa. Por isso não canabilizaria as vendas do Corolla, mas vale dizer que HR-V e Civic convivem pacificamente.

          • Discordo do dito “convívio pacífico” entre H-RV e Civic. Quem acompanha a trajetória do sedã da Honda sabe que ele sempre rivalizou de igual para igual com o Corolla em números de vendas, com os modelos se alternando na ponta da categoria a cada lançamento de nova geração, que sempre foi alternado entre as duas fábricas, com uma lançando sua nova geração no meio da vida da outra.
            Após o lançamento do H-RV essa realidade se esgotou, com o Civic se estabilizando na casa das 2000 unidades/mês, independentemente de lançamento de nova versão. E olha que a última geração foi gestada com vistas a causar um grande impacto visual.
            Agora, se o lançamento do SUV da Toyota se der nessa faixa de preço que você citou, aí ele perde sentido. O mercado hoje pede um SUV compacto na faixa de preços de pouco abaixo dos 100 mil até 125, mais ou menos no mesmo patamar dos sedãs médios. Um modelo com essas características e uma versão topo híbrida tem muito potencial para ser sucesso de vendas e… complicar absurdamente as vendas do Corolla.
            Já em caso de ser um modelo exclusivamente híbrido e vir em um patamar de preço acima da versão de topo do Corolla, aí vira um Prius nas vendas, com coisa de 1000 veículos anuais. Só mesmo importado para fazer sentido, pois não há viabilidade para implantação do ferramental para um produto de nicho como esse.
            Não é fácil como você imagina. A Toyota está “quebrando a cabeça” com relação a um possível SUV compacto em sua linha, pode apostar nisso. Ela está calculando incansavelmente a hora certa de lançar um produto desse padrão por aqui. Os japoneses sabem que esse modelo vai complicar muito as vendas do Corolla, mas sabem também que não vão conseguir fugir da onda SUV indefinidamente, sob o risco de perder clientes para a concorrência, como é notável que vem ocorrendo com relação ao Compass ou mesmo H-RV e Kicks. Ou você acha que a Toyota já não observou que o patamar histórico de mais de 6000 veículos por mês que o Corolla ostentava já caiu para a faixa dos 4000 nos últimos tempos?

      • Ubiratã Muniz Silva

        pra que um Prius SUV quando a Toyota já tem o RAV4 híbrido?

        • sigma7777777

          Simples: porque a RAV4 começa em uns R$ 170 mil e a Toyota pode oferecer algo abaixo disso, por exemplo, entre R$ 135 mil e 165 mil. E ainda pode oferecer outro, na faixa dos R$ 90 a R$ 130 mil.

    • Ernesto

      Mas a ideia é popularizar o sistema híbrido, coisa que com o Prius seria bem mais complicado.

      • Verdade. Mas eu não tenho dúvidas de que, qual como está, o Prius perde totalmente a sua atratividade (já parca) com o Corolla híbrido no mercado a um preço equivalente. Não acho que será viável por muito mais tempo a manutenção da importação do Prius.
        Bem, provavelmente isso está nos planos da Toyota.

        • Ernesto

          Sim, tem razão Ubaldir. Não sei se isso ocorre nos EUA (canibalização por parte do Corolla híbrido em relação ao Prius), até porque o Prius lá é muito conhecido e as pessoas gostam de passar essa imagem de pessoa preocupada com o meio ambiente. Tem a questão de preço também que eu não sei se estão tão próximos assim como é aqui no Brasil.

          • Libertario

            Sim, o Prius tem tido queda nas vendas desde o lançamento dos demais carros hibridos da marca, mas possivelmente mais pela “febre” SUV do que propriamente por uma troca pelo Corolla.
            A RAV 4 é o hibrido mais vendido atualmente por lá.
            O japão é o maior mercado do Prius, com mais de 70 mil unidades vendidas por ano.

            Edit: Só até o mês de Julho o Prius ja havia vendido mais de 80 mil unidades na terra do sol nascente.

            • Ernesto

              Dois mercados bem diferentes do brasileiro.
              Legal saber. Obrigado pelas informações.

        • Libertario

          É uma possibilidade, mas o Prius é um carro conceito para a marca.

          É dele que originam as mudanças para os demais carros da Toyota.

          Muitos previram que o Prius iria morrer já na chegada do novo Corolla, e contrariando as perspectivas a Toyota trouxe a atualização do carro.

    • Eric Locatelli Martini

      As vezes a pessoa prefere carro feio ué rsrsrs

    • Ducar Carros

      Como o design do Prius é mais chamativo, seu público tende a ser mais jovem, e achar o Corolla carro de tiozão.

      O Prius tem a vantagem de ser mais compacto (para quem tem problemas de garagem) e de ter a abertura das malas como a de um hatch.

      • Eu já acho o principal “calcanhar de Aquiles” do Prius está exatamente no design. Ele acaba sendo mais chamativo não por ser jovial, mas por ser por demais controverso, e não deixa de ter ar de “Tiozão” por ser modernoso.
        E em termos de comprimento, são meros 4,5 cm de diferença de um para o outro, o que convenhamos, não vai fazer diferença para quem tem menos espaço na garagem.
        Além do mais, há o percalço com relação a uma questão que o próprio texto desta matéria traz: o Prius é menos preparado para nossas ruas e estradas que o Corolla, tendo um comportamento significativamente mais desconfortável que o do novo sedã médio em nosso pavimento lunar. Como não tem atrativo nem no preço, acho muito complexo que vá atrair um possível consumidor que busque a concessionária e veja o Corolla Híbrido ao lado.
        Tendo a acreditar que as já parcas 1000 unidades anuais do importado tendam a zero com a briga instituída dentro da marca.

        • Ducar Carros

          Segundo o carros na web, a diferença entre eles é de 9 cm no comprimento a mais para o Corolla.

          Então, justamente por ser controverso que o design do Prius atrai os jovens. Mal comparando, é que nem as pessoas que pintam o cabelo de roxo ou laranja, não é para ser bonito, é para chamar a atenção (alguns velhinhos também fazem isso, rs). Fora a questão da exclusividade, ter um carro que poucas pessoas têm (ao contrário do Corolla).

          O Prius foi renovado, mas acho que tem espaço para ele manter as mil unidades, pois creio que os públicos dele e do Corolla híbrido não sejam exatamente os mesmos.

          • 4,575 o comprimento do Prius contra os 4,62 do Corolla. Não tem muito segredo.
            Mas mesmo que fossem 9 centímetros, não vai alterar muito o veredicto de que em uma garagem, essa diferença puco vai alterar o conceito de quem procura um carro que realmente seja fácil de encaixar em uma vaga mais diminuta.
            Quanto ao “consumidor jovem”, confesso a você que nunca consegui ligar o estranho design aliado ao seu preço de sedã médio top de linha do Prius aos jovens. Ao menos no Brasil, não é o perfil observável de consumidor que procura o modelo. Talvez nos EUA, onde o Toyota é realmente um carro “pequeno” e com preços módicos com relação ao mercado em geral.
            Vamos observar. Nos moldes de hoje, com o Prius custando o mesmo que um Corolla Altis e vindo por importação, acho que ele não se sustenta em nosso mercado. A observar.

    • Libertario

      Acredito que as pessoas que prefiram um carro fabricado no Japão, que optem por (ainda mais) economia de economia de combustível, que queiram um LiftBack ao invés de um sedan e aqueles que simplesmente, que nem eu, acham o Prius mais bonito que o Corolla.

    • Carlos Henrique Kroeber

      Galera que compra Prius não compra Corolla e vice-versa. Prius desvaloriza muito,totalmente o oposto do Corolla.

      • Pois é, mas com a opção do Corolla, que desvaloriza pouco e passa a ter mesmo conjunto mecânico, com mesmo preço… será que não vai chamar a atenção de quem atualmente compra o Prius?

  • Hendricx Souza

    a versao pcd esta saindo por 82 mil mas vem pelada segundo o vendedor..mas o motor empolga 177 cv

    • sigma7777777

      Não é a GLI 2020? Ou então lhe ofereceu o Corolla 2019. O GLI 2020 tem bancos parcialmente em couro, acho que só no meio que é em tecido, então deve ter boa aparência. Deve ser fácil completar o couro em serviços de terceiros.

  • sigma7777777

    Lá fora todos os comparativos apontam o Civic como sendo melhor. Podem pesquisar Corolla versus Civic no YouTube e sites gringos (Canadá e EUA).
    Faltou comentar sobre a altura do solo. Me pareceu mais baixo. Se o for, deverá raspar em algumas situações.
    Também faltaram comentários críticos sobre o freio de mão manual e ausência de saída de ar para os bancos traseiros.

    • Ernesto

      O “nosso” Civic é igual ao de lá? Tem a mesma mecânica? Todos os equipamentos?
      Teremos que aguarda algum comparativo local entre os dois para saber qual deles é melhor. E mesmo isso é algo bem relativo, já que alguns priorizam esportividade, outros conforto, entre outras características.

      • Eu não entendo isso. O pessoal colocar o mesmo modelo só que tendo diferenças tecnicas e até de itens significativos entre eles.

        Se não bastasse, tem gente querendo comparar mercados onde a palavra tecnologia é melhor difundida porque o custo tbm de manutenção é mais aceitavel.

    • TchauQueridos

      Porem o Civic brasileiro é depenado e os preços nas alturas!
      Honda Sensing só em sonho.

    • Paulo Lustosa

      Negócio que lá fora o Civic já usa motor K20 Earth Dreams de injeção direta em todas as versões. Aqui ele continuou com o RA20 que surgiu no Brasil em 2006 com o lançamento do CR-V.

    • Carlos Henrique Kroeber

      O mercado é diferente!
      O Civic usa o 2.0 SOHC. Assim que ele chegou em 2016,ele perdeu em desempenho e consumo pro Corolla,porque o casamento motor e câmbio do Corolla é excelente. Além disso,o Corolla é DOHC. O 1.5T era caro demais para ser comparado ao Corolla. Lá nos EUA e Canadá,o kit de tecnologias de segurança ativas e passivas existe desde o Fit,de 15 mil dólares. Aqui,ele só existe no Accord, que custa 200 mil reais. Nem na CR-V de 194 mil,ele existe. Depois,o Civic foi depenado por aqui. Tiveram a ousadia de oferecer o EX sem farol de neblina,e o EX-L com. Enquanto o novo Corolla chegou com tudo…

  • Fábio

    O visual externo, principalmente a traseira, me lembra um hyundai Elantra

  • Chris

    Cadê o reloginho no painel? Sem ele não venderá!! #Decepção.

    • Hendel Marques

      Verdade! O famigerado reloginho finalmente sumiu!

    • Gabriel M. Vieira

      Sai o reloginho, entra a TV de tubo…. kkkkk

  • cobaiao

    Sem querer chato mas me chamou muito atenção esse “breque de mão” nesse nível de carro hahaha

    Mas para não desmerecer a montadora que sempre é conservador (aqui no Brasil) em oferecer novidades, trouxe avanços com o Safety Sense, imagino que deve forçar a outras montadoras a correr atrás já que as conterrâneas como a Nissan e Honda já oferta o sistema para todo o line-up no Japão.

    • Carlos Henrique Kroeber

      Quando o Golf MkVII tinha freio de mão,ninguém reclamou. Quando a 320i tinha,ninguém reclamou.

    • Carlos Henrique Kroeber

      Acho difícil. Nissan no Brasil está muito mão-de-vaca. E a Honda mais ainda. RAV4 veio com TSS,Corolla veio com TSS. Honda não equipou o Sensing a partir do Fit,como é nos EUA. Nem a CR-V,mesmo após o lançamento da RAV4,passou a oferecer. Nem o Civic. O resultado é:já foram vendidas mais de 562 RAV4s contra 72 CR-Vs em agosto.

  • Abdallah

    Achei bonito o carro, mas o banco bi-color ficou sinistro.

  • Léo Dalzochio

    Belo. E continuará no pódio. Só não entendo essa tara por rodas enormes e pneus sem ombro, se as rodovias brasileiras com bom pavimento se resumem à meia dúzia.

  • Paulo Lustosa

    Não sei se foi somente eu que reparei, mas além de terem capado o freio de estacionamento eletrônico à moda do Golf quando foi tropicalizado, também tiraram o ar dual zone que é oferecido na Europa.

    • Bruno

      Tem ar dual zone no Altis e Hybrid.

      • Paulo Lustosa

        A foto que vi do Hybrid e do Altis era de uma zona apenas, pode conferir direito na foto.

        • Bruno

          Da uma conferida na foto do Hybrid que tem um botão redondo escrito Dual

  • Charlis

    Caso não aconteça nada catastrófico no mercado dos automóveis aqui na Terra da Banana, tal como essa bolha que está por estourar, acredito que as vendas desse carro, será um negócio absurdo.
    Ele vai vender tanto, que muito em breve, já vai ter aumento de preços.

    O Corolla anterior, já tem sua performance muito próxima a do Jetta e Cruze 1.4.
    Eu acredito que este vá andar levemente mais, principalmente em altas velocidades (talvez no 0 a 100 ainda fique atrás). O consumo idem… já era bom, vai ficar quase 10% melhor, então em resumo no Powertrain teve um ganho gigantesco.

    Vai melhorar e muito a estabilidade desse Corolla em alta velocidade com a nova suspensão Double Wishbone (eu sou fan dessa suspensão, já tive no Civic G8). Se eles conseguirem manter o conforto, também vai ter outro grande ganho aqui.

    Os itens de segurança, depois de muitos anos no débito, agora está na média, ou até acima.

    Sobre a beleza do carro, este ponto é subjetivo e pessoal.
    Conheci o sedan pessoalmente no começo de Agosto na Europa.
    Eu particularmente, não me apaixonei, é um carro bonito, mas apenas isso. Ainda prefiro o Civic, e até o Jetta.
    Isso considerando a versão que conheci, a europeia. Já a versão americana, apenas por foto, já me parece mais interessante para meu gosto.
    Uma pena que a versão Wagon não existirá aqui, essa certamente seria minha escolha, está MUITO bonita.

    Sobre o interior, eu nunca deixo minha opnião, antes de entrar no carro. No caso, eu ainda não o fiz.

    Enfim… é certo que ele vai reinar o primeiro lugar.
    Talvez até melhorar a média de vender o dobro do número do Civic.

    A Honda começa a se arrepender de não ter trazido o motor do Civic americano, o K20C2, pois iria passar menos vergonha nos testes comparativos que estão por vir.
    Quem sabe, abre-se uma brecha para a Honda descer do salto, e disponibilizar o motor 1.5T para a versão EX-L.
    Essa é minha visão.

    []s

    • Eu acho que só colocariam o motor 1.5 no EX-L se flexibilizarem o motor. Caso contrário ficará restrito. Eu acho que a Honda deveria tbm pensar nisso pq isso pode ser ponto para não venda de um produto.

      E pelo conjunto ofertado, lhe confesso que se fosse olhar, ficaria com o Jetta R-Line que tem um desconto gordo sobre a tabela.

      • Charlis

        Sobre o motor do Civic flex, eu concordo 100%.
        Na Terra da Banana, que a gasolina tem 30% de etanol, é tenso motor mono combustível.

        Sobre o Jetta, de todos os sedans, a minha primeira opção ainda seria ele.
        Porém, eu iria na Comfortline mesmo.

        []s

        • Eu iria na R-Line pela diferença de preço ser pequena em relação ao Comfortline e ter o ACC(que pra mim é um item mto interessante).

          Só que ele consegue mesmo na comfortline ser tão bem equipado ao Corolla (exceto os itens do Altis que o R-Line deixa mais equipado)

  • Seguindo as tendencias atuais, os carros com rodões que só servirão para cobrar mais nas reposições… mas… “fica bonito na foto”.

    Faltas INACEITAVEIS ao meu ver para o porte de carro:
    – Sensor de estacionamento
    – Versão XEi DEVERIA vir com um conjunto de farol superior
    – Manter o freio de mão elétrico do carro

    “Ah mas ele veio bem equipado”. Em qual versão? É bonito falar dos modelos… mas estamos falando de um que alcança até R$130000!

    A justificativa ridicula da Toyota do GLi para o XEi é ridicula. Não faz o menor sentido a enorme diferença de R$10000 entre os dois. E deixa de lado coisas que o GLi já deveria ofertar. Ainda acho que diante dos preços, esse carro no futuro deve perder a versão GLi e ter apenas XEi e Altis(incluindo a hibrida). Pois apesar de ser atrativo na Altis, o preço é mto salgado.

    E aí me vejo olhando os carros:
    – Cruze LTZ2
    – Jetta R-Line
    – Civic Touring

    Pq estou olhando esses carros? Pq estou considerando que são os lançamentos desse nicho. Porque estou desconsiderando :
    – C4 Lounge
    – Cerato
    – Focus
    – Elantra

    Porque são carros que quando tem bons atributos, tem algo no momento a depor contra. Só para citar um exemplo: C4 Lounge…

    Nesse facelift, eles retiraram mtos atrativos do carro e esse custa R$101000. Curiosamente, melhor equipado que o Corolla XEi e GLi. Mas essa retirada de itens foi ruim para o modelo. Seguindo outro exemplo: Focus.

    De Longe, na minha opinião é um concorrente de peso que está prestes a sair de linha(e eu não vi até agora a Ford ofertar boas promoções nele, mesmo que fosse em negociação, ela está ruim como se o carro fosse continuar em linha).

    E esse é o problema do Focus que eu teria facilmente.

    E agora me voltando aos que selecionei…. no preço de tabela, há mto semelhança em preço, mas no preço pratico de comercialização, há uma redução enorme de Jetta e Cruze. Visto dessas forma, fica dificil se convencer que uma compra benéfica seria o Corolla. Foi citado por quem comenta aqui, que o Corolla é economico. Na boa… precisam entrar em um acordo de verdade.

    Já vi que o consumo dele é SEMELHANTE ao Fluence. Então de duas uma: Ou o carro é economico e o Fluence citado como beberrão é economico ou os dois são beberrões. Fico inconformado com isso. Não pq eu tenho o carro, mas ao olhar outros sedans, ele consome mais e como pode ser citado como economico ? O proprio Civic 2.0 é mais economico. (anda menos tbm)

    Imagine o 1.5 turbo. Então colocando aqui os modelos downsizing: PELO MENOS Cruze e Jetta tem de fato consumos incrivelmente baixos. Médias na gasolina acima de 10km/l na cidade com transito e mais de 16km/l na estrada são comuns em relatos. (vale para o civic 1.5 turbo tbm)

    Voltando ao que eu digo sobre Cruze e Jetta, além de bem equipados, são melhor equipados que inclusive o XEi e o Jetta mais que o Altis. O Cruze fica semelhante pq tem itens que o Corolla não tem e o mesmo no inverso.

    Porque então eu vejo o Civic nessa lista? Ficou claro pra mim o que vai acontecer entre os conservadores: Terá a opção do Corolla 2.0 que certamente se não agradar aos interessados, poderão ainda ficar no hibrido como proposta de economia e tbm quem mora em SP, não deixar de usar em dia de rodizio. Mas quem optar por performance, irá de Civic Touring. E é aí onde mora o motivo por ter colocado ele na lista. Outro carro que não aceita negociação e é isso que os donso desses carros parecem gostar, já que depois de pelo menos 1 ano, irá perder R$20000 tranquilamente(que é a faixa de venda do Civic Touring visto em classificados).

    Eu sou o tipo de pessoa partidário de ter mais por menos. Só que aqui cabe considerar custos de manutenção, seguro e consumo. E vejo aqui que o modelo que mais fica interessante nesse equilibrio é o Cruze. Inclusive com uma margem de revenda parecida percentualmente aos melhores vendidos. O proximo NA MINHA LISTA é o Jetta. Certamente é o mais caro dos médios para manter. Talvez nesse aspecto para quem irá ficar durante anos e rodar boas quilometragens, ele seja o mais caro de manter. O seguro hoje é semelhante… mas ele se sobrepoe em consumo e o mais equipado deles. Por fim fica uma briga maluca entre Civic e Corolla.

    Não sei se conseguiria optar pelo Civic porque acho que faltam itens que me deixariam pensando em outro sedan. E eu gostaria de fazer um test drive no Corolla hibrido para ver como se comporta. Ainda penso que talvez ele seja mais um daqueles carros que todos chamarão de manco, mas que tem uma potencia satisfatória, sendo o modelo 2.0 de melhor resposta, mas cobrando o preço em consumo.

    • Lucas de Lucca

      Cara estou trocando o meu Cruze atual por um Jetta R-Line com teto, valor pago na nota: R$ 109.500,00. O Cruze na época que comprei em 2017 também paguei bem abaixo da tabela, ou seja, é o que você falou, na GM, VW e Fiat o preço de tabela jamais é o praticado, já na Honda e principalmente Toyota isso não acontece, é “malemá” uns R$ 1.000,00 de desconto e olha lá (a não ser em ofertas de pré facelift como houve no Civic), por isso quando vou trocar eu fujo dos japas, sempre aquela impressão de que por lá se paga mais por menos. Aí analisando esses fatos, eu me pergunto como pode vender tanto um carro apenas pelo mito, pela fama, pelo status que alguns acham que a marca Toyota traz? Fazendo contas, verá que o japa não vale a pena. Enfim…

  • Renato Otto

    Carro de 100 mil com o trilho do banco aparecendo kkk

    Aqui é vendido como “carro de luxo”

    Em outros países não passa de carro popular

  • A traseira até gostei, achei ousada para o Corolla tiozão. Mas não adianta, não consigo gostar de nada que venha da Toyota…

  • Gabriel M. Vieira

    Eu particularmente achei o carro bem resolvido. É bonito. Mas o interior… sei lá, teria que ver pessoalmente. O problema todo são os preços (o que é chover no molhado, já que carro por aqui não tem mais limites). Eu consideraria a versão Hybrid por causa da economia de combustível e lista interessante de equipamentos. Seria uma compra “racional”, mas mesmo assim… não consigo abandonar a ideia de que custa muito mais do que realmente vale. Trocar de carro por aqui tá cada dia mais desanimador!

  • Piston head

    Não vem o hatch? Tanto faz então.

  • Renato Pereira de Oliveira

    creio que agora o carro hibrido decola no Brasil.

  • Luis Burro

    Por ser híbrido vai compensar abastecelo mais com etanol q gasolina???

  • Eva M

    Nada mais simbólico do público desse carro que a “bola” atrás e as calhas nas janelas: conservador e protetor do patrimônio (mesmo que ferre o dos outros, no caso do engate que nada engata, nunca). Quase um ícone de nossa classe média atual.
    Potência e torque do motor 2.0: nota dez. Pena que parece não ter um câmbio que traduza esses números em emoção.
    No conjunto, parece que realmente melhorou e isso é bom.
    O modelo anterior não passava nenhuma sensação de requinte.

  • Um canal do YouTube (concorrente) fez 16 km/l ma CIDADE rodando com ETANOL

  • Miguel

    O carro veio com calhas nas janelas (!!)

    Desculpa aí mas isso é coisa de Coroa…quer dizer, Corolla mesmo! kkkkk

    • Ernesto

      Se você ler novamente a matéria entenderá que são acessórios colocados no carro, assim como é o engate. Ou você acha que o Corolla virá com engate de fábrica?

      • Miguel

        Isso não deveria existir nem como acessório!

        • Ernesto

          Sua opinião é essa, a minha opinião é de que todos são livres para colocarem ou não em seus carros os acessórios disponibilizados, gostem os outros ou não. Afinal, quem está pagando são eles, não um qualquer que opina na Internet.

          • Miguel

            Isso aí, minha opinião. Se entendeu não sei pq a raivinha.
            Parece até que tem um igual e com calhas…

            • Ernesto

              Raivinha?
              Nem um pouco, criança.

  • Diego Antunes da Silva

    Comprei um seminovo em 2017 por oportunidade de negócio, apesar de nao ser um carro que me atrai, nao possso negar que seja umnotimo carro.
    Pra mim a pior parte é a qualidade do som, nem ligo pra cor do farol por exemplo, ele ilumina muito bem. Mas o som é ruim.

  • hinotory O

    O último remanescente de uma categoria que está sumindo.

  • Speed Racer

    Pelos vídeos que vi achei extremamente manco, quem andar nos modernos motores turbo de Cruse, Civic e Jetta certamente vai pensar duas vezes antes de comprar o Corolla. Já os equipamentos me agradaram no GLi e no Altis, o XEi ficou a pior opção a meu ver.

    • Maycon Farias

      Levando em conta a surra de vendas que o Corolla da na concorrência turbinada tenho plena certeza que os clientes estão pensando apenas uma vez em quem comprar.

    • delvane sousa

      Sabe o mito das cavernas de Platão? comprador de Corolla e a mesma coisa. Não sabem o que motor turbo, então pra eles qualquer aspirado manco tá bom.

      • Carlos Henrique Kroeber

        Com gasolina a 5 reais,e o carro fazendo 20 km/l…prefiro ficar na caverna mesmo!

  • brunoxeca

    Interior parece taxi

  • Alexandre Maciel

    Carro sem grandes novidades. Toyota continua oferecendo apenas o básico a preços que deveriam corresponder a um pacote mais recheado. Motor aspirado e CVT é receita que nem minimamente me atrai.

  • oscar.fr

    Ao vivo, parece bem menor que a versão anterior. É mais bonito, mas parece um carro menor e mais simples.

  • João Senff

    Toyota parabéns a cor do seu banco é feia. Corolla ou novo A sedan ? Ou então a CLA … Pera quem compra toyota quer confiança por isso compra . Tá certo Mercedes zero km não é confiável. Linda luz alogena e pra fechar o brinde a calha de chuva sensacional faz você economizar ar condicionado em dias chuvosos. E o supra sumo é o câmbio CVT que simula marcha pq brasileiro gosta da sensação de trocas de marcha. Geralmente quem quer CVT é pela economia e já compra sabendo que não troca a marcha diferente de um automático com conversor de toque . Mas vamos ver ao vivo na rua quem sabe seja bonita mas nessas fotos tá longe de ser bonito acho que deve ser esse brinde de calha de chuva. Aliás a Toyota não dá brinde afinal é um Toyota certeza que essas calhas iram custar 499.90 na promoção kkkkkkkkkkk. Sério oq as calhas ?

    • Carlos Henrique Kroeber

      Sim,Mercedes não é confiável. Cesta de peças passa facilmente 21 mil. A Mercedes detém o monopólio das peças,logo o único lugar em que você as terá é na concessionárias. A Mercedes tem seríssimos problemas de suspensão e de vazamentos. Suspensão traseira quebra muito. Motor 1.6 turbo pra lá de xoxo. CLA é o carro mais duro deste segmento. Num lugar,onde você raramente passará dos 80 km/h,é totalmente inútil. Portanto sim,é melhor querer andar macio,devagar e fazendo mais de 20 km/l. Até porque,a gasolina está mais de 5 reais.

      • João Senff

        Para nós que ficamos com o carro com no máximo 40 mil km ou 3 anos os preços de peças não nos assusta. Lógico que tem pessoas que compram e ficam vários anos e km esse sim seria uma compra bem racional mas para ao perfil de quem fica pouco tempo a Mercedes é muito mais negócio porém também é questão de gosto .

    • Ernesto

      “o carro estava com alguns acessórios como calhas nas janelas e engate”. Por acaso você acha que engate também é de série? Ou é equipamento disponibilizado em concessionária?

      • João Senff

        Com toda certeza vai ser disponibilizado na concessionária mas não deixa de ser feio.

  • Danilo

    Interessante é ver montadoras diferentes com soluções diferentes para o futuro. Algumas apostam no turbo, a toyota aposta no Hibrido, A Fiat aposta no etanol, e esses dias eu vi uma notícia que me chamou muito a atenção que a Mazda desenvolveu um motor a gasolina com ignição por compressão, essa sim será uma novidade, o que colocará ainda mais fogo no mercado futuramente. O tempo nos dirá o que é melhor.

  • 4lex5andro

    Com painel analógico, por favor..

  • T. Boris

    Ainda não vi ninguém comentar sobre o preço de reposição das baterias da versão híbrida, nem nas matérias nem nos comentários dos fóruns… Ah, mas tem 8 anos de garantia do sistema híbrido, mas é contra defeitos de fabricação – se as baterias pararem por outro motivo, a garantia não cobrirá os custos. E tem outra: geralmente, a troca dessas baterias (o mesmo sistema híbrido do Prius, que já está há bom tempo no mercado americano e europeu) ocorre entre 9 e 10 anos. Não por acaso, a garantia da Toyota é de apenas 8…
    Agora, tente revender um carro híbrido no mercado de usados do Brasil, se você conseguir, já será um grande feito. Não vou nem falar em desvalorização. E não venha me dizer que ninguém compra carro pensando em revenda, custo/necessidade de manutenção e desvalorização porque o comprador de Corolla pensa, sempre pensou…

  • T. Boris

    Ainda não vi ninguém comentar sobre o preço de reposição das baterias da versão híbrida, nem nas matérias nem nos comentários dos fóruns… Ah, mas tem 8 anos de garantia do sistema híbrido, mas é contra defeitos de fabricação – se as baterias pararem por outro motivo, a garantia não cobrirá os custos. E tem outra: geralmente, a troca dessas baterias (o mesmo sistema híbrido do Prius, que já está há bom tempo no mercado americano e europeu) ocorre entre 9 e 10 anos. Não por acaso, a garantia da Toyota é de apenas 8… Agora, tente revender um carro híbrido no mercado de usados do Brasil, se você conseguir, já será um grande feito. Não vou nem falar em desvalorização. E não venha me dizer que ninguém compra carro pensando em revenda, custo/necessidade de manutenção e desvalorização; porque o comprador de Corolla pensa, sempre pensou…
    Esta é a “imprensa especializada”: tudo é lindo na Terra de Oz!

  • Schlatter70

    A mesma Toyota de sempre. Cobrando mais e oferecendo menos que a concorrência. Vive da fama de inquebrável e de boa assistência técnica. Se fosse gastar essa fortuna em um carro, ainda iria de Civic.

  • ALEXANDRE Carvalho

    XEI com painel simples, sem rebatimento dos retrovisores, lanternas sem led, luz diurna simples e cmm na média.
    Civic EXL mais interessante.

Quem somos

O Notícias Automotivas é um dos maiores sites automotivos do Brasil, trazendo todas as novidades sobre carros para mais de 450 milhões de pessoas, por mais de 13 anos. Saiba mais.

Notícias por email