Etc Longform

O cheiro da tecnologia

O cheiro de carro novo é uma sensação inigualável, pode ser o pior carro da categoria, mas com certeza o “cheirinho” dele vai fazer a pessoa ficar um tempo a mais dentro do carro, nem que seja para passar um pouco da essência para a roupa. O cheiro do carro 0km é tão distinto, que até mesmo dentro de um estacionamento é possível distinguir aquele carro zerinho parado em algum lugar.

Faça o teste você mesmo, comece a andar em meio a uma multidão de carros parados em uma tarde de domingo no estacionamento de algum shopping, garanto que em questão de segundos, mesmo com todos os carros fechados, será possível identificar o bendito cheirinho de novo. Alguns especialistas no assunto garantem que o cheiro influencia tanto no sentido das pessoas, que chega até atrapalhar seus julgamentos, como por exemplo, na hora de comprar ou avaliar um carro.

Aquele que tem melhor cheiro poderia fazer o jornalista, ou o consumidor, suavizar levemente suas impressões. No caso dos carros populares isso é ainda mais forte, já que a quantidade de plástico e borracha, além do tecido dos bancos, vem em quantidade diferente dos modelos mais requintados, basicamente por questão de materiais de acabamento.

Recentemente tive a oportunidade de passar uma semana com um Peugeot 308, ele tinha seus dois mil km rodados. Como os bancos eram de tecido, o cheiro na cabine continuava forte como em um Chevrolet Celta. O painel tem um acabamento simples, mas bem construído, os detalhes em tonalidades diferentes, cromado e alumínio, também dão um toque “Premium” ao modelo, mesmo que a lateral das portas seja composta majoritariamente por um plástico comum.

Não há necessidade de bater as portas dianteiras, basta soltá-las no último estágio que elas fecham sozinhas. É um sistema diferente do usado na Mercedes-Benz, Bentley e outras marcas de luxo, que ao invés do funcionamento elétrico, é um mero conjunto de borracha e fechadura que proporcionam tal perfumaria.

O farol também tem acendimento automático, o rádio abaixa o volume à medida que o carro diminui velocidade, os vidros sobem e descem com um toque no botão, o alarme é ativado após alguns segundos que o motorista sai do carro e o sistema elétrico desliga os componentes de som quando a chave fica muito tempo fora da ignição, com intuito de não descarregar a bateria. É um carro diferenciado quanto aos pequenos luxos para agradar o motorista.

É tudo muito maravilhoso enquanto o carro está parado, chega a ser encantador ter a experiência de se sentir em um modelo que seria considerado “extremo luxo” nos anos 80 ou 90, já que estamos nos referindo a um popular europeu. A tecnologia embarcada é marcante, onde os olhos batem é possível ver algum “gadget” ou acessório que seja possível configurar para a comodidade do motorista.

Obviamente, inúmeros carros hoje em dia contam com tais apetrechos eletrônicos, mas o grande “problema” não é esse. Sim, há um problema no excesso de eletrônica. Como eu disse anteriormente, é tudo maravilhoso quando o carro está parado, mas algumas funcionalidades eletrônicas não são tão convenientes assim quando estamos no controle do carro, ou melhor, quando a parte mecânica tenta conversar com a eletrônica.

Hoje a maioria dos veículos comercializados são equipados com o acelerador eletrônico, ao invés do convencional sistema de cabo. Segundo as montadoras, existem diversos argumentos que fazem do eletrônico ser tecnicamente superior ao tradicional, a começar pela economia de combustível e redução de custos, fatores que são otimizados em motores equipados com o drive-by-wire (DBW).

Muita gente deve se identificar com o que irei dizer agora, o grande problema do DBW é a falta de sensibilidade que se deixa de ter no pedal, isto é, há um atraso na reação do carro desde o momento em que se toca no acelerador até a resposta do motor, tempo que varia desde milésimos de segundos até um segundo, dependendo do ajuste e do orçamento pelo qual o carro precisou passar para ser fabricado.

No caso do 308, acredito que o tempo de reação chegue na casa de um segundo, pois é frustrante pisar no acelerador e o carro, literalmente, não estar nem ai para a ordem que está sendo dada. Experimente ligar o ar-condicionado e verá uma rebeldia maior ainda, é necessário certo tempo para se acostumar com o sistema, em outras palavras, é a eletrônica estragando um carro que tinha tudo para agradar ao motorista.

Mas a “maldição” da eletrônica mal feita não acaba ai, há também o caso da direção elétrica. Primeiramente, vamos combinar algo: por mais “hardcore” que a pessoa seja, não existe coisa mais deliciosa no mundo do que um volante macio na hora de esterçar o carro em vagas de estacionamento.

Na verdade existe sim, é o ar-condicionado nos dias de sol, mas a direção macia está ali lado a lado. Com o 308 eu não tenho do que reclamar, ela funciona perfeitamente em velocidades baixas ou transitando normalmente pela cidade, mas por eu estar falando isso você deve estar pensando: “Imaginei que ele iria reclamar da direção”. Eu não reclamaria se não tivesse tido a oportunidade de utilizar o carro em rodovia, ou melhor, se eu sequer tivesse passado dos 80km/h.

A Peugeot desenvolveu um sistema de direção elétrica progressiva, isto é, ela vai “adicionando peso”ao volante na medida em que a velocidade do carro sobe, com intuito de aumentar a precisão em velocidades mais altas. Na teoria, isto funciona maravilhosamente bem, o problema é que acima de 100km/h a direção parece estar conectada a uma âncora de navio.

Não há outra maneira de descrever isso: é algo extremamente artificial. Com cerca de uma hora de viagem meus braços já estavam cansados de segurar o volante e precisei recorrer ao encosto lateral, pois o peso do volante é tão inconstante que dá a impressão de que o carro está com algum pneu furado ou o fluido da direção esgotou.

Claro que a engenharia não vem somente para “estragar” o carro. Por se tratar de um projeto moderno, o 308 se mostrou extremamente estável quando conduzido de forma dinâmica na rodovia. Mesmo com um ajuste focado no conforto, o trabalho da suspensão permite que o motorista tenha segurança durante as curvas, em momento algum o carro mostra sinais de querer sair de frente ou de traseira.

O chassi tem pouquíssima rolagem e os freios (disco nas quatros rodas) não reclamam em momento algum quando são exigidos com certo vigor, sem nenhum vestígio de desestabilização ou “fading”, ou seja, a maturidade tecnológica também traz benefícios que se acumulam com o tempo, pois algo assim não era encontrado no antecessor 307.

Comparado a um carro de projeto mais antigo e focado na dirigibilidade, como um Civic ou Focus, o 308 se mostra em um bom nível de desenvolvimento, já que no passado, tal comparação seria um tanto absurda. Essa experiência me fez pensar no tipo de prioridade que estão dando aos carros hoje em dia.

O cheiro é excelente, o acabamento é bom, a perfumaria é invejável e o design é apaixonante, no entanto, tudo isso (quase) vai por água a baixo quando se convive com o carro. Se me perguntassem na rua sobre o 308, eu não hesitaria em dizer que é um bom carro, mas somente recomendaria caso a pessoa não fosse muito exigente com dirigibilidade, pois fora isso, a tecnologia, a engenharia e a eletrônica vem de braços abertos para receber o consumidor que busca um automóvel com um requinte diferenciado, que junte conforto, segurança e certas quantidades de luxo.

Só espero que algum dia seja possível aliar tecnologia, eletrônica, prazer ao dirigir e sensibilidade ao volante, tudo isso em um hatchback popular.

Por Julio Cesar Molchan de Oliveira





  • Renatc_

    Pena que na maioria de nossos modelos, esse cheiro é só ilusão.

    É melhor não sentir o cheiro e comprar um bom usado (as vezes ainda vem com o cheiro, se o dono for cuidadoso, higiênico e livre de vícios – o que é raro).

    • sergiopsy

      Em 2007 comprei um Palio 1.0 16v ELX ano 2001, ainda possuía o cheirinho de carro novo, ótimo carro só vendi por que não tinha ar condicionado, oh arrependimento poderia ter instalado o ar original de fabrica usado e continuado com ele mais uns dois anos.

      • Absinthe666

        tbm ja tive um palio 2001 em minha família, ficamos com ele 8 anos, carrinho muito bom, trocaram por um fire 07 detesto esse modelo novo, motor muito manco, mas infelizmente foi necessária a troca, hoje um carro desses vale menos de 9mil na minha cidade, ficaria ruim na hora de querer trocar por outro

        • Edson Roberto

          Realmente vejo que a safra de 2001 com motores 16v da Fiat era a melhor para os Palio. Meu pai teve um Siena 1.0 16v EX e da de 10 a 0 no conforto, silencio e potencia. Ele se arrepende ate hoje de te-lo vendido.

    • afonso200

      os carros da fiat, o cheiro do linea, bahhh parece baunilha. o da hyundai é show, da honda, toyota ja é mais ainda aquele cheiro de bem novo

    • cavevolution

      Pior comprar um seminovo de uma pessoa que fuma mais de um carteira de cigarro por dia dentro do carro e com os vidros fechados. O cheiro é horrível e os vidros ficam com uma camada amarela de sujeira impregnante.

    • DCald

      O cheiro, nada mais é do que uma mistura de COVs emitido por plasticos, borrachas, tecidos e colas.

      COVs são toxicos!

      Todo carro que eu compro, na primeira semana fica com os vidros abertos na garagem, para eliminar o excesso de cheiro o mais rapido possivel!

  • rgrau

    Acredito que o problema não é a tecnologia, mas o tipo de carro correto para esse perfil de consumidor. Sinceramente, reclamar de um atraso de 1 segundo no acelerador? Até o reflexo do motorista demora mais que isso.

    Por fim, tudo tem prós e contras. A alternativa nesse caso é procurar um carro com acelerador a cabo e direção hidráulica tradicional, ou algo do tipo, pois nenhum produto é perfeito e vai atender totalmente. Eu já gosto dessa "tecnologia" em epígrafe. Vai entender…

    • BBMP_

      Concordo com o autor. Conheco esse atraso de acelerador, que existe ate mesmo no Focus. Sim, tenho essa sensibilidade e isso tira o prazer de dirigir. A direcao eletrica eh outro incoveniente. O Stilo com essa direcao eh excelente nas manobras de estacionamento e uma lastima na estrada e a apartir de 60km/h. Idem para o C4 Pallas. Como o autor escreveu, tem pros e contras.

      • livecajo

        Isso e ajuste, o carro vem com um padrao, mais isso nao quer dizer que vc nao possa alterar, essa materia e complicada pois diz do gosto individual, mais fica uma dica se o carro tem todos os pontos positivos e e so esses no negativo, mudem as palavras dessa materia pois isso e ajustavel, e outra civic e 308 sao carros completamente diferentes nao da p\ comparar agora focus e 308 ja da sim porem e como disse varia de gosto cada montadora em seu D.N.A esse e o da Peugeot, nao acredito que seria uma falha e se for pqp. em fim eu prefiro os pros da tecnologia mais e um saco os contras

    • Pedro_Rocha

      Se ele faz tanta questão de acelerador a cabo, que compre um jipe Engesa: acelerador, freio e embreagem a cabo. Desnecessário dizer que ele era uma locomotiva para frear, pois tinha que começar desacelerando de longe para parar no ponto desejado.

    • HuBrFe

      Sim, 1 segundo é MUITO perceptível. E reflexos humanos são MUITO mais rápidos que isso sim.

      • josevaldop

        O meu deve ser uns 20 segundos, porque parece que eu to é freiando, ao inves de acelerar

      • rgrau

        Fonte do meu argumento.

        Tempo de Reação para Frenagem de Motoristas Não Alertados*
        George T. Taoka*
        Tradução: Eng.º Gilberto Monteiro Lehfeld* http://www.cetsp.com.br/media/20608/nt148.pdf

      • rgrau

        Fonte do meu argumento.

        Tempo de Reação para Frenagem de Motoristas Não Alertados*
        George T. Taoka*
        Tradução: Eng.º Gilberto Monteiro Lehfeld* http://www.cetsp.com.br/media/20608/nt148.pdf

    • gabrielthw

      A questão da tecnologia é complicada. Em um carro como o 308, a direção pode incomodar, pois não é calibrada para altas velocidades. Mas em uma BMW série 5, por exemplo, ela é excepcional. Leve em baixas e pesada em altas velocidades… O problema é a tecnologia? Acho que não. Mas é claro que o custo de se colocar uma direção com o mesmo sistema da série 5 em um Pug 308 é inviável.

      • thales_sr

        Pois é, acho que o problema dessa direção se dá mais à calibração do que à tecnologia em si. Dirigi um New Fiesta e não achei ruim a direção elétrica dele. Dirigibilidade bem legal. E o acelerador eletrônico, meu VW Polo o tem, e é bem responsivo.

      • rgrau

        Exatamente. O problema não é a tecnologia, mas sim o gosto por A ou B.

    • expresso222

      Eu chego, às vezes, a deixar o motor morrer com este atraso soltando a embreagem antes do tempo. A gente acostuma, mas é um incômodo.

      • rgrau

        No começo é mesmo, mas não deixaria de comprar um carro "tecnológico" por isso.

    • Porcodio

      hahaha cara, se teus reflexos são de mais de um segundo e você não tem mais de 100 anos de vida, vc tem algum problema sério

      • rgrau

        Fonte do meu argumento.

        Tempo de Reação para Frenagem de Motoristas Não Alertados*
        George T. Taoka*
        Tradução: Eng.º Gilberto Monteiro Lehfeld* http://www.cetsp.com.br/media/20608/nt148.pdf

        • Porcodio

          "Sinceramente, reclamar de um atraso de 1 segundo no acelerador? Até o reflexo do motorista demora mais que isso. "
          Vc tá mudando de assunto e distorcendo os fatos.

          • rgrau

            Você interpretou errado. Simples assim. Eu ditei o assunto, quem distorceu foi você.

            • Porcodio

              Hahah, ta bom, cara, já vi que não adianta discutir.

    • Edson Roberto

      Bem hoje em dia somente spring booster para resolver. Ele retira eesse atraso deixando ponto de aceleração adiantado evitando o atraso.

    • Dragoniten

      Reflexo do motorista maior que 1 segundo? Só se for o seu, ou se você estiver sob o efeito de alguma droga ou remédio, caso contrário, é bem menor do que isso e depende de pessoa pra pessoa.

      E veja bem, se a reação do motorista é de 1 segundo, e ele tem 1,5s pra fugir de um acidente puxando o volante pro lado pra mudar de faixa, porém com mais 1 segundo de tempo de resposta do carro, ele não tem tempo pra fugir do acidente, não só porque seu reflexo é lento, mas porque o carro "não foi rápido o suficiente", entende?

      Falando assim que 1s nao é nada, até parece que vce nunca pegou rodovia, onde cada segundo pode fazer a diferença entre você ser esmagado contra um guardrail por um caminhão, ou conseguir retomar/desviar de um acidente que aconteceu 50m à sua frente.

      • rgrau

        Fonte do meu argumento.

        Tempo de Reação para Frenagem de Motoristas Não Alertados*
        George T. Taoka*
        Tradução: Eng.º Gilberto Monteiro Lehfeld* http://www.cetsp.com.br/media/20608/nt148.pdf

        • Dragoniten

          Depende muito de pessoa pra pessoa, e talvez seja justamente isso a prova de que as pessoas dirigem relativamente distraídas, pensando na morte da bezerra. Quando estou dirigindo, fico atento aos carros à minha volta, fico de olho em alguém que queira me ultrapassar, ou esteja distraído e não perceba minha presença.
          Posso citar um exemplo ontem, de um ônibus que me fechou e quase me esmagou contra um poste.
          Eu estava numa rua com 3 faixas, a do meio podia virar pra direita, e a da direita era conversão obrigatória, o ônibus estava na faixa da direita, mas quando fez a conversão, foi pra última faixa da esquerda, onde eu, que estava na faixa central, iria virar. Resultado, tive que freiar um tanto antes de sequer entrar na curva e buzinar que nem um retardado pro ônibus perceber minha presença.
          E foi sacanagem do motorista? Te digo que não, até porque após o ocorrido, parei num semáforo na quadra seguinte e o motorista abriu a janela e pediu desculpas, estava desatento.

          As pessoas acham que dirigir é algo tão comum, mas não ficam prevenidas, por isso ocorrem tantos acidentes e arranhões bestas na rua. Não digo que o ideal é dirigir tenso o tempo todo, mas com certo cuidado. Se todos dirigissem pensando no que podem fazer para evitar um acidente, teríamos um trânsito melhor. Mas é muito mais fácil jogar a culpa no outro: "o cara podia ter feito isso, mas não fez".

  • fabio_augusto

    Vou terminar de ler, mas já digo: esse "cheirinho" de zero km é caro héim? Será mesmo que vale a pena pagar pelo zero km só pelo cheirinho?

    • Tripa-Seca

      Tem a garantia e a confiança também, pontos mais importantes..

    • RafaPinheiro

      Se eu não me engano esse "cheirinho de novo" e comercializado, meu vizinho tem no j3 dele.

  • zemarreta

    Eu gosto mesmo é de sentir o cheirinho do dinheiro que eu economizei comprando um bom seminovo! :)

    • Tripa-Seca

      Um usado, você quis dizer?

      • zemarreta

        seminovo, único dono, usado, ainda na garantia de fábrica, segunda mão, 2010/2011, baixa quilometragem, vc escolhe qual descrição quiser.

        • Tripa-Seca

          Engraçado essa de único dono! Tem carro com um ano de uso, sendo anunciado como único dono! Carro com um ano de uso, ou com 20 mil rodados, carro com mais de um dono deve ser daqueles "batizados".

          • leosalzano_

            Outro dia eu relatei aqui o caso do meu cunhado,acidentou, arrebentou a frente e a lateral direita do carro com poucos meses de uso, seguro não deu deu pt , depois do conserto vendeu um carro com menos de 3.000 km…na loja era um lindo seminovo, quem comprou nem imagina o quanto de funiliaria tinha ali…tem gente que vai dizer que é caso isolado, mas acontece, e muito.

            • lexbh

              Leo, o carro ficou com algum problema?N entendo, ja consertei varios carros e nunca tive problema, mas admito que tudo foi apenas lataria. Amigo meu tem um palio ha 4 anos, que ja levou MTA pancada, trocou eixo mais de uma vez e o carro tá com 92mil km perfeito, antes de sair do brasil fui pra bahia e voltei com ele sucegado.

        • ocduarte

          Posso dizer semivelho, semiusado também? Carro usado é carro usado, seja 1 ano, 5 ou 10 anos. Essa de seminovo foi invenção dos espertos comerciantes, porque há até uns 15 se dizia carro usado, indiferente do ano. Com 5000 km pode já ter arrebentado a suspensão num buraco, ficado submerso. Hoje em dia tem oficina especializada em limpar carro de enchente, difícil achar vestígio! Até cheiro bom tem!

          • zemarreta

            Carro usado já comprei de todos os tipos, desde os que não me deram alegria, até os que eu fiquei mais de 10 anos com ele. Os ruins (e às vezes foi só porque detestei o carro, como o 206 que tive) a gente passa pra frente 1-2 anos depois, os bons vc fica mais tempo. Em comum, o fato de que nunca torrei muita grana com nenhum deles.

            • DCald

              "Os ruins (e às vezes foi só porque detestei o carro, como o 206 que tive) a gente passa pra frente 1-2 anos depois, os bons vc fica mais tempo."

              Não teria uma justificativa melhor para desaconselhar a compra de "semi-novos"… hahaha…

              Lembro qdo surgiu esse papo de semi-novo era apenas para carro com até 2 anos de uso, o resto era usado mesmo… hoje, carro com 25 anos de uso é considerado "semi-novo".

              Pra mim, ou é novo, ou é usado.
              O novo, vc compra "de olhos fechados", na configuração que quiser. O usado, tem que contratar um Sherlock Homes para diminuir as possibilidades de entrar em fria!

              Só o que eu já ouvi e vi, de pessoas proximas, de casos de usado que já foi batido, vitima de enchente, suspensão bichada, etc… já é o suficiente para nem considerar compra de usado.

              Pra mim, para o dia-a-dia, 0km sempre, dai fico com ele até um pouco antes da manutenção ficar mais pesada. Já para um carro para curtir, dai pode ser um antigo (que vai ser usado, mas com consciencia que vou ter que refazer tudo no capricho e do meu jeito), onde $ e racionalidade não são itens a se considerar…

              • zemarreta

                Cara, eu sei q cada doido com sua mania, mas eu adoro dar uma de sherlock holmes atras de um bom negocio. Acho realmente divertido fucar nos webmotors da vida. :-)
                E te falo q a maioria das minhas compras foram bons negocios. Nunca peguei carro realmente ferrado. O maximo foi um so carro complicado, q foi dando dor de cabeca e passei pra frente.
                De mais a mais, mesmo os carros zero podem dar dores de cabeca, e ai o importante eh ter garantia, algo q tenho valorizado ultimamente. Abs.

                • Romis_gtr

                  Webmotors rox!

  • Clock

    Esse "DELAY" que temos com a modernização de produtos incomoda mesmo.

    Realmente a direção elétrica parece bem artificial nos carros que testei (C3 e Honda City), mas eu não pensaria duas vezes em em trocar minha atual Direção Hidráulica por uma elétrica por dois motivos:
    – Maior Conforto;
    – Melhor consumo, por não "roubar" potência do motor como na DH;

    Mesma coisa com o acelerador eletrônico. Eu gostada de pisar na Meriva e ela sair usando aquele torque em baixa rotação, sem delay algum… mas na hora de abastecer dava medo.

    Mesma coisa co motores 16v CVVT, onde temos um "delay" entre a abertura e fechamento de válvulas.

    A boa notícia é que essa "leitura" eletrônica tende a ficar mais rápida e eficiênte no futuro, com o avanço de SoftWares e HardWares otimizados para tais tarefas.

    É como dizem, todo mundo quer ver o Jogo em Full HD mas ninguém quer que o tiozinho do bar, com seu Radio a pilha AM, grite GOL 6 segundos antes que você.

    • DCald

      Sua Meriva era pré 2005, né?
      Temos 3 em casa uma 07, uma 08 e uma 12… todas já tem o acelerador eletronico, e o delay é imperceptivel e não incomoda nada.

      sobre a full hd, foi engraçado assistir a copa 2010… o delay era de qse 20 segundos!

    • Porcodio

      Concordo contigo que incomoda muito o delay, mas ao meu ver não há justificativa de dificuldade técnica pra ele existir, pois imagine só se controlar um aviãozinho de controle remoto fosse assim.

    • Dragoniten

      Ó cara, vou te dizer que essa história de "roubar potência do motor" na direção hidráulica é exagero. A diferença no consumo é desprezível, já fiz teste no meu carro utilizando um programa para fazer a leitura do consumo em litros por hora, com o carro parado, esterçando de ponta a ponta o volante, o mais rápido o possível, e até mesmo fazendo um "vai-e-vem" rapidamente e o consumo se manteve igual.

      Se for realmente uma diferença, não passa de 2~3%, o que com certeza não influencia na sua escolha de carro, mas eu acho que esse pequeno custo adicional vale o conforto da direção hidráulica, que passa muito melhor o feeling dos pneus na rua. Já dirigi o Fit 2005 com direção elétrica, e realmente, quando vce perde tração nos pneus, principalmente em dia de chuva, você não sente com a direção elétrica, ao contrário do meu Ka 1.6 2009, que realmente dá pra notar uma certa "vibração" no volante, que não era pra estar lá, sinal de que algo está errado.

    • rafaellz

      Gostei muito da comparação Full HD. Realmente é muito chato ver meu pai gritando da TV do quarto dele antes de eu ver o gol na TV da sala. Principalmente quando era o time dele sobre o meu :/

      E acredito que aos poucos essas tecnologias vão se aperfeiçoando. Pode até não dar o mesmo prazer de dirigir, mas é algo que veio para melhorar, entendo eu.

  • Carroceiro84

    "o problema é que acima de 100km/h a direção parece estar conectada a uma âncora de navio".
    "Com cerca de uma hora de viagem meus braços já estavam cansados "

    MENAS MENAS RS… A direção vai ganhando peso sim a medida que a velocidade aumenta até chegar um ponto em que fica semelhante a um carro sem direção hidráulica, tipo um popular 1.0 pelado… Ou talvez um pouco mais pesada, não sei como tá hoje em dia, há uns 10 anos atrás tive um Gol G3 1.0 e não era muito diferente em altas velocidades. É artificial ? Sim, mas a direção hidraulica também é rs…Ah sim, hoje tenho um 308 e já dirige 5 horas seguidas e o meu braço não ficou doendo. Não sou nenhum halterofilista, pelo contrário, sou baixinho e magrelo KKK…

    Enfim, acho que as pessoas se acostumarem com a leveza da direção hidraulica e qualquer coisa diferente agora é "pesada".
    Já eu prefiro assim: muito leve para manobrar e mais firme (ou "pesada") em altas velocidades!

    • Pedro_Rocha

      Ficar pesada a partir dos 10km/h é um tanto exagerado. No Corolla a direção fica pesada a partir dos 160Km/h (experiência própria).

      • Carroceiro84

        É acima de 100 km/h no 308, o que não acho exagerado.

        Abs

        • Pedro_Rocha

          Ops, foi mal o erro de digitação.

    • Porcodio

      O problema é que alguns sistemas adicionam peso artificialmente, não é como se fosse o peso do contato dos pneus transmitidos ao volante como numa direção nao assistida. Não é como se apenas desligassem a assistência, entende?
      Mas eu nnca dirigi o carro em questão.

  • Herumor_

    me lembro do meu Fusca com aquele cheirinho de gasolina dentro do carro ehauehauehaueh

    pessoal que tem Ford, o cheiro dos fords (usados, sem porquices) são bem parecidos né!? de alguns que já tive/tenho o cheiro é caracteristicamente parecido…

    • zemarreta

      Na Variant do meu pai tinha era cheirinho do escapamento mesmo, hehehehe. Rapaz, aquela variant não me deixa nenhuma saudades!

  • PauloRoberto_MG

    De vez em quando tenho a oportunidade de dirigir um Citroën C3. Nos primeiros contatos, tive dificuldade para acostumar com o volante um tanto sedado em médias velocidades. Em altas, melhora sem ficar pesado demais como descrito no texto. Já o retardo na reação do acelerador me incomoda bastante quando o dirijo. Em manobras apertadas, faço o carro morrer sem sentir. E o punta tacco, que faço com facilidade em modelos de outras marcas, não consigo no C3 devido à distância entre os pedais. Então, nas arrancadas em aclives, preciso recorrer ao freio de mão para poder começar a acelerar segundos antes de o semáforo abrir, por exemplo. Realmente não gostei dessa calibração.

    • lexbh

      Paulo, não sei na citroen; Mas no corolla o atraso é ENORME no caso do manual, só que a embreagem compensa isso. Voce aprende a "dirigir" o carro. Quando peguei pela primeira vez alem de deixar morrer, quando ia trocar de marcha a rotação subia pra caralho, parecendo tiazona no volante. Só que depois acustuma, e dá pra fazer punta taco, subir giro antes de reduzir com o pé no freio, etc… é questão mais de se acustumar eu acho.

  • anderson_sp

    Fala do cheirinho de carro novo, depois reclama da tecnologia embarcada, e no final faz algumas menções a algumas poucas qualidades do carro como supracitado, li e re-li até o final e não entendi p*rra nenhuma aonde queria chegar com este post.

    Espero que não vire hábito isso aqui.

    • Carroceiro84

      Pelo que entendi ele gostou do cheiro do carro e achou legal, bonito e modernão!

      Só que ele não gostou da direção "pesada" e do acelerador "lerdo", isso tornaria 308 um carro "chato" de dirigir na opinião dele.

      Mas Se não for isso eu não entendi nada também RSRS…

    • RafaSprenger

      Na verdade o título que não foi feliz, por que o texto aborda dois assuntos diferentes, o primeiro tem a "vantagem" do cheiro de carro novo e o segundo a avaliação dele sobre a tecnologia embarcada no modelo, disse a opinião dele sobre os prós e contras…

    • HuBrFe

      Texto meio sem objetivo mesmo…

      • gcarlos

        Eu diria q é subjetivo. Aqueles temas pra redação de vestibular.

        Brincadeira. O cara relatou o q tá sentindo, q apesar de toda tecnologia, nem tudo é perfeito.

    • DCald

      Ele cheirou tanto COV que ficou doidão e não chegou a lugar nenhum!!! huahuahauha

      • anderson_sp

        Achei isso, mas não postei para não soar agressivo, o interior deve ser a base de Marijuana mesmo, que brisa.

    • ale_das_auto

      Aqui, alguns blogueiros são criticos demais, ao ponto de transparecer a opinião própria e demagôga inclusive.

  • Tripa-Seca

    "..Primeiramente, vamos combinar algo: por mais “hardcore” que a pessoa seja, não existe coisa mais deliciosa no mundo do que um volante macio na hora de esterçar o carro em vagas de estacionamento…"

    Amigo, prefiro mulher… Mas respeito… heheh

    Na verdade, não gosto de direção assistida. Para mim, as melhores direções assistidas são as da Peugeot, que são mais duras. Fora isso, tive carros que tinha a direção muito leve, e quase não precisavam de assistência: Fiesta Endura e Mille. Por outro lado, tinha mais duras (Palio e Gol, Sedã), e assistidas (Fiesta Rocam, Del Rey, Tipo, Classe A, Palio). Prefiro um carro sem assistência. Melhor para os braços. Talvez seja trauma do meu período de Del Rey, onde um carro todo molenga ainda tinha direção assistida, o que o tornava desaconselhável de dirigí-lo acima de 100 km/hora (Tudo bem, é quase o dobro do que público alvo do carro anda).

    • MM_

      Tudo tem que ser na medida, Tripa.

      Quando era moleque (sim, faz bastante tempo), me Gol ficava muito na oficina (é, comprei usado) e dirigia o Del Rey da minha mãe SEM DH. Aquilo sim era terrível.

      O que vejo é que alguns ajustes são ruins e vou dar alguns exemplos que tive.
      Minha Palio Adventure 2001 era ótima, tanto em baixa quanto em alta.
      O Civic também era muito bom.
      O Tiida era péssimo. Era ótimo em baixa, mas a direção continuava mole em alta velocidade. Juntando com a falta de estabilidade característica do modelo e os pneus de bicicleta, o carro era assustador acima de 100km/h.
      O C4 é o inverso. Parece não ter direção assistida. Sempre estranhei o fato de ser elétrica, pois é bem dura.
      O Cruze achei muito bom, o mesmo estilo do Civic.
      Da Megane é boa, mas parece mais "artificial" que os outros.

      • zemarreta

        Rapaz, aprendi a dirigir no Lada da minha mãe. Fazer baliza naquela joça sem direção hidráulica era uma sessão completa de musculação!
        O problema era o cheirinho (já que estamos falando de cheiros…) de cecê que vc "ganhava" depois de tanto esforço embaixo do sol e sem ar-condicionado.

        • MM_

          Pra mim tbm não foi fácil. Aprendi a dirigir em um Corcel II, q era da minha mãe. Meu pai tinha um Monza mas eu não podia chegar nem perto, hehe.

          • zemarreta

            Esse Laika era tão sinistro de duro, que acabou dando um problema no ombro da minha mãe, daí meu pai acabou tendo que trocar por um carro pequeno e com direção, e trocou ele num Fiesta 96. Foi como mudar do inferno para o céu instantaneamente. Aquele Fiestinha era uma referência em dirigibilidade e conforto.

      • Tripa-Seca

        A do C4 é elétrica, não é? Esse ajuste mais duro seria uma característica do grupo PSA? Eu particularmente gosto.

        • MM_

          É elétrica mas achei bem dura. É bem ruim pra manobrar em prédio, etc. Ainda tem o agravante do volante ser de borracha duríssima e texturizado. Quando viajava ficava com calos nas mãos. E não achei um cristão que colocasse couro naquele volante.

        • zemarreta

          Eu tive um 206 que a direção era tão dura que as vezes eu achava que não tinha assistência nenhuma. Eu detestava. Já no 3008 eu imagino que é elétrica, e acho ela no ponto. Talvez pouquíssima coisa mais dura que a média.
          O que eu acho ruim mesmo é relação muito desmultiplicada, tipo a do Honda Fit, aquelas que para fazer qualquer curvinha vc tem que ficar girando, girando, girando o volante.

  • MecanicoDigital

    Excelente texto.

  • simoloko

    Achei muito exagero este texto.

    Para começar por alguns motivos:

    1-Quase comprei um 408 feline quando fui trocar meu Civic (A Peugeot pagava bem no Honda e gostei do carro). Pois bem: Eu o experimentei e discordo de praticamente tudo dito;

    2-Pelo menos a versão sedã 2.0, tem uma boa dirigibilidade, mas não chega aos pés do top (Focus – temos um) e dos dois que vêm juntos na segunda e terceira posições (Civic e Cruze – meu ex e atual carro). Também, o 408 responde rápido, anda bem, é agressivo e firme em curvas;

    3-Resumo: O Peugeot é um excelente automovel, mas só tem 01 pecado: O câmbio horroroso na cidade (peguei trânsito pesado), que fica MUITO na primeira marcha e consome proporcionalmente a isto (fez média de 3.5 km/l no Etanol nesta situação – Civic faz uns 5.5 e o Cruze faz uns 5).

    • avot13

      eh justamente isso que queria saber, e se possivel alguem me responda! Quase comprei um 308 semana passada, pois acho um bom carro com bom custo beneficio. porém meu primo, que entende de carro falou pra não compra o automático, pois disse que é uma poracria o automático da Peugeot. Então fiquei sem opções, pois queria pegar um 308 top, mas não sei se compraria um manual!!!

  • vitimsl

    Também acho muito ruim aceleradores eletronicos imprecisos. Já dirigi um 307 e realmente o sistema não é muito direto. Os da GM também não são muitos precisos (Agile, Vectra, modelos que andei bastante). Já os da Fiat, eu gostei bastante. No Bravo e na Strada Adv., eles respondem praticamente de imediato. Hoje tenho um Focus 2.0 e acho ele bom também.
    Concordo com o autor… Se o acelerador não é preciso, é dificil até arrancar em subidas sem o auxilio do freio de mao…

    • Leosom

      Não deviam ser, tenho um corsa 07 e tem hora que eu desconfio que tenha um cabo escondido por ali.

      • vitimsl

        Qual corsa é o seu? Pode ser que em algumas versões de motorização a calibração seja diferente…
        Não lembro de ter guiado o corsa… Valeu!

  • Long_life_tobigcars

    Logo quando comprei meu Palio Economy no começo do ano, o cheirinho de novo me despertava "alegria" mas no fundo tinha um fedor insuportável: o custo no meu bolso pelo valo pago por ele.

  • HenriqueHJ

    Pela amor de Deus.

    alguem sabe como tirar esse cheiro!!?? o meu carro com 2 anos aproximadamente tem esse cheiro ainda. e esse cheiro de solvente me incomoda pois sou alergico e não posso ficar botando esses cheirinhos no carro. além do mais ja usei um monte de produto para tirar o cheiro e não adianta, já usei desde produtos da Meguiars ate um tal de Aquartz entre outros e só alivia um tempo depois volta de novo.

    • Leosom

      Ja passei pela mesma situação (só não tenho alergia), e no meu caso só resolveu depois de uns bons meses só andando com janelas abertas

    • DCald

      vidro aberto e uma boa brisa….

  • pessimista2011

    Possuo um 307 e nunca vi problema na sua direção elétro-hidráulica. Pelo contrário, extremamente confortável e muito melhor que o sistema hidráulico aplicado na linha 207 (essa sim dura em qualquer velocidade).
    Quanto ao acelerador, concordo com o autor. É extremamente desapontante vc acelerar e o carro sair 1 segundo depois (eu acho muita coisa, e exige sim adaptação). Em saídas movimentadas de rotatória, por exemplo, vc tem que calcular bem (considerando o tempo que o carro vai demorar a sair do lugar e a distância que o outro veículo vem) para não ser xingado. Talvez seja mais um problema do caixa automática (AL4) da Peugeot do que do acelerador em si, porque hoje em dia todo carro vem com essa "tecnologia", e na maioria deles o motor responde rápido à aceleração.

  • leosalzano_

    amigo eu me pergunto a mesma coisa, então penso nas hiptóses de ex-acidentado, carro de funcionário da loja…mas realemente é um mistério…

  • 3ic

    cheiro de carro novo = reação quimica dos materias ainda catalisando = intoxicação dependendo do material

  • loucoporcarro

    Esse cheirinho é muito bom mesmo haha'

  • ocduarte

    O Celta novo que chegou na empresa tinha um cheiro horroroso! Cola, plástico, um fedor azedo que só piora em dia de sol forte! Acho que alguns populares novos tem cheiros bons que as próprias fábricas introduzem. Lembro de já ter lido algo a respeito. Mas não se iludam com carros usados cheirando a novo. O que não falta é produto no mercado que perfuma o carro justamente para parecer novo. Alguém aí em cima falou em cheiro de baunilha…

  • zemarreta

    Cara, já vi muita gente nos foruns automobilisticos com 40 anos ou mais e cheio da grana que pensam assim: a vida é curta e quero curtir/testar o maior número de carros possíveis. Assim, no caso de carros mais caros, é bem comum o cara trocar o carro com um ou dois anos porque quer testar outro carro, ou o antigo simplesmente não é mais o carro da modinha.
    Além disso, há os caras que trocam de carro assim que tem uma versão nova do modelo no mercado. Por exemplo: a Honda lançou o Civic novo, o cara foi lá fazer a revisão do civic 2011 dele e viu o novo, caiu no papo de que se não trocar agora a desvalorização depois vai ser muito maior e acabou trocando de carro. Aliás, essa é uma das melhores dicas que eu posso dar para quem quiser comprar usado: compre a versão que acabou de sair de linha, que tem boa desvalorização e muitos carros que estão sendo trocados apenas pela novidade.

    • fabiosne2

      Depois que uma coisa já está usada, testá-la para ver como é não é a mesma coisa que testá-la quando ela é nova. O gostoso é testar e curtir uma coisa desde novo. Depois que está usado já está cheio de vício e aí a avaliação que a pessoa tem no dia a dia com o carro não é a mesma da pessoa que comprou aquele carro quando novo. É como qualquer outro produto, é sempre mais gostoso comprar novo, ir na loja e trazer novo pra casa. É como qualquer outra coisa, televisão, computador, etc… A única diferença é a diferença de valor entre novo e usado quando se fala de carro e de uma outra coisa. No caso do carro a diferença é grande se comparada com o outro caso. A questão mesmo é o dinheiro. Cheio da grana ou não, tem gente que prefere sempre comprar novo mesmo gastando mais simplesmente porque quer ter um carro que novo que ninguém usou. Vai estar mais feliz assim, e é isso que importa, porque a pessoa não tem a intenção de testar o maior número de carros possíveis na vida. Suas metas na vida são outras. Na verdade não tem caso certo ou errado. O que é certo pra um, pra outro é besteira, e vice-versa. Quem está feliz comprando usado, que bom, e quem está feliz comprando novo, que bom. O que não dá é um ficar querendo criticar e convencer o outro que o próprio jeito de fazer as coisas é que é o certo. Não tem essa, cada um faz do jeito que gosta mais e tem seus motivos, e todos os lados são válidos.

  • Stark

    A culpa não é da tecnologia pois afirmo que esse DELAY tem explicação e vou compartilhar aqui o meu caso (gm flex mas deve servir pra outros):

    Esse delay do Acelerador Eletronico venho percebendo que varia dependendo da situação. Numa arrancada o delay aqui tá sendo de uns 0.5 segundos.. Mas quando o carro tá parado no ponto-morto, parece que é até acelerador de cabo pois é muito instantâneo quando piso. Fiz um teste com o motor desligado (mas a chave virada) e a borboleta lá na frente é acionada como se fosse um cabo, de tão instantaneo que é.

    Numa arrancada de segunda marcha chega a um delay de 1 segundo mas creio que seja tudo para Economia de Combustível pois se fosse no cabo o consumo seria bem maior pois injetaria muito combustível em qualquer reladinha no acelerador, e também abaixo das 3000 rotacoes no acelerador eletronico agente pode afundar todo o acelerador que nao vai fazer mal ao motor pois a central determina até quando pode abrir a borboleta.. Mas na rodovia em velocidade de cruzeiro fica bem instantaneo. E vem uma vantagem: O meu está engasgando abaixo dos 2000 giros(acima disso sem problemas) pois precisa limpar a TBi e trocar velas e limpar bicos, e acreditam que numa arrancada depois da segunda marcha, ele fica cortando o acelerador e dando engasgos, e só depois de uns 3 segundos o motor se normaliza e volta a girar liso. Creio que o acelerador eletronico fique regulando a abertura pra nao danificar o motor pois ficar uns 3 segundos engasgando e cortando o acelerador deve ser culpa dele.

    Eu sou à favor dessas tecnologias sim, esses mimos como o rádio que abaixa o volume de acordo com a velocidade, os 4 vidros q sobem e descem com um toque, o alarme é ativado após alguns segundos que o motorista sai do carro, sistema elétrico desliga os componentes de som quando a chave fica muito tempo fora da ignição, etc… tenho tudo isso no meu (que é um carro defasado e creio que TODOS os médios hoje devem contar também com isso) aprovo e recomendo esses sistemas!!

    O Caso da Direção Elétrica não posso opinar muito pois as vezes que dirigi um com elétrica nem reparei muito bem nesse caso e o meu é hidraulica convencional.

    No mais gosto desses textos que tá tendo por aqui no NA pois abre muito diálogo aqui nos comentários também. ;)

  • daviddiniz

    Meu carro tirei zero ano passado e ainda cheira a novo e não chegou aos 1000km rodados.

    Tive um Palio R G4 e fiquei 4 anos e 38milkm e ainda cheirava a zero km.

    • DCald

      no minimo 8 meses e nem 1000km rodados? nao é mais barato alugar um qdo for usar?

      • daviddiniz

        Na verdade já está caminhando para 2 anos de comprado….

        Fazendo uma conta rápida meu carro tem quase 9mil rodados(para ser exato 8825Km rodados) é que recentemente o painel de instrumentos dele deu defeito e a CSS trocou em garantia e pedi para não colocarem a km original,mas está tudo anotado no livreto de revisão e garantia inclusive com a km de quando o painel original foi trocado junto com a ordem de serviço e está no sistema da fábrica também assim quem comprar pode consultar em qualquer CSS Renault e verá que foi realmente trocado por defeito.

  • jcagnoni

    Uma vez vi uma reportagem na TV de um canal conceituado da tv fechada dizendo que o cheiro de carro novo na verdade é proveniente de uma substância da cola usada nos componentes que tem um odor forte e pode ser até cancerígena. Além disso, as montadoras fazem de tudo pra elimitar esse "cheiro de carro novo", que pode não existir mais daqui alguns anos.

  • MM_

    Eu concordo c/ vc, Tripa.

    Certa vez eu fui ver um Focus com "20.000km" rodados. O carro realmente estava bonito, mas alguns detalhes denunciavam a quilometragem, principalmente o esteque, que estava "na lona", enquanto os 2 pneus da frente eram novos, de marca diferente dos 2 de trás.

    Por outro lado existem casos de troca prematura sem motivos que desqualifiquem o carro. Em 1995 eu trabalhava na Fiat e comprei um Mille ELX s/ ar, só que 3 meses depois lançaram o Mille EP eu comprei um com ar. Eu não gostei do carro, pq andava bem menos que o ELX, então fiquei somente 2 meses com o carro e troquei em um Tipo. Lógico que casos assim são raros, mas hoje também aparece muito carro com pouco uso pq o cara não conseguiu pagar.

    P.S.: não, eu não compro carros usados.

    • Tripa-Seca

      Você é um péssimo leitor do NA! Não gosta de Nissan, mas acha eles bonitos, não tem Sentra nem Fluence, não valoriza painel emborrachado, não compra carro usado e ainda elogia o Fiat que teve!?! Qual é a próxima? Comprou Gol financiado?

  • W_Costa

    Caro Julio, quando comprei meu Fiat Punto Attractive série Italia design Giugiaro, em Abril deste ano, tive essas mesmas sensações, fiquei totalmente bobo e atordoado no meu primeiro contato com o carro, apesar de seu franzino motor Fire 1.4 8 válvulas, sua dirigibilidade (pelo menos pra mim) é perfeita, mas eu sou suspeito pra falar né, se até você que testa várias "máquinas" se sentiu seduzido por um "belíssimo" 308 0km, que dirá eu que planejei, pesquisei pra comprar o meu Punto 0km suadamente, mas tenho que confessar, fiquei meses hipnotizado pelo 307 antes de me decidir pelo Punto, mas não me arrependi não (mas já penso em trocar por um T-Jet futuramente em busca de mais desempenho), mas os Peugeot's são realmente apaixonantes, nisso estou de pleno acordo, espero que saia logo no vídeo da avaliação NA, mas te aconselho também a avaliar o Punto, vários especialistas (sites revistas, etc) também tecem elogios do comportamento dinâmico dele bem como dos "grandiosos" Civic e Focus, um dos quesitos que me fez decidir por ele, além do preço mais acessível é claro…

  • jaderf

    pode ser simplesmente falta de grana pra pagar as parcelas! minha esposa sempre trabalhou em concessionaria, acontece demais isso.
    Outra coisa é quando aparece outra oportunidade melhor! nesse sentido até eu mesmo ja vendi alguns carros com pouquissima quilometragem.

  • Diggo

    É engraçado como são as coisas, o 308 que veio para o Brasil cinco anos após estrear na Europa ninguém o acha ultrapassado, mas o Bravo que veio quatro anos atrasado todo mundo disse que era falta de respeito e blablabla.

  • 3dimensional

    Tem gente que gosta de contestar por contestar…mas bom texto!

  • diogo_rs6

    Sinceramente cheiro de carro novo é uma coisa meio inútil e passageira. Pra mim há conveniencias mais úteis como no meu carr, que mesmo sendo 1994 o como aviso sonoro se vc esquecer luz acesa ou chave no contato com o carro desligado e mesmo o comando do vidro com um toque ou a luz para atar cinto. São pequenos mimos que fazem alguma diferença

  • YoOdEx

    Texto muito interessante.. Tenho até vergonha de comentar isso.. Mas nessa questão diribilidade, o Golf dá um show! Muito gostoso dirigir um Golf.. Nunca tive o prazer de dirigir uma versão GTi, imagino que deva ser um parque de diversão (para pobre, como eu! hehehe).

    Direção elétrica é algo que eu aprovo com louvor, mas sinceramente, me parece tão simples permitir ao usuário escolher o ajuste por meio de um botão no painel. Que tal, "Manobra, Cidade, Estrada e Sport?". Se não tiver jeito, que houvesse o modo "Cidade e Estrada".

    Meu carro tem direção elétrica e dá um show na cidade, em manobras! Eu ando no Civic em seguida, e acho o Civic um Tijolo de pesado. Em compensação acho que deveria mais pesada na estrada. Gostaria que houvesse uma opção de enrijecer um pouco.

    • Civic com direção dura só se for anterior a 2010. "Com a direção elétrica, o motorista do Civic passou a fazer menos força, mas quem aproveitou para relaxar de verdade foi o motor. Livre do esforço de movimentar uma bomba de assistência hidráulica (e agora com um sistema de ar-condicionado de menor inércia), o motor passou a funcionar mais liso. A maior diferença é na hora de sair de casa, pela manhã, ao manobrar o carro ainda frio. A Honda aproveitou para baixar a rotação em marcha-lenta em 200 giros (agora varia entre 650 e 700 rpm) e reprogramou o câmbio automático para antecipar as trocas. De giro baixo, o motor ficou mais econômico. Em nosso teste de consumo urbano, o Civic 2010 conseguiu 8,5 km/l. É bem melhor que o Civic antigo (7,4 km/l)" (4Rodas)

  • avot13

    Alguém saberia me dizer se o cambio automático da peugeot é bom? já ouvi algumas pessoas reclamando que costuma dar "trancos", e outros problemas, além de manutenção cara!!! queria comprar um 308, só que não sei se compraria o manual…

  • macaense

    Ótimo texto. Também adoro cheiro de carro novo, odeio drive-by-wire, prefiro direção hidráulica e câmbio automático. Pra algumas pessoas dirigir é um prazer, não somente um modo de se locomover de um ponto ao outro. Parabéns pelo texto.

  • Dragoniten

    Por isso achei interessante um vídeo que um cara postou no canal da HighTorque (ADG) mostrando os parafusos que não estavam alinhado com a pintura da lataria do carro que ele deixou na css, uma Tucson, demonstrando que a lateral havia sido batida e trocaram o para lamas.

    Ficar de olho nesse detalhe quando comprar um usado desses de baixa quilometragem :)

  • lexbh

    Uma questão que ninguem abordou.

    Eu tenho 25 anos, não sei quantos anos o Autor do texto tem. Sou criado com mãe, que tem idade de vó, então sou o famoso muleke criado no leite com pera. Nunca fui fã de opala e etc, sempre curti tecnologia e carros novos. Aprendi a dirigir só na auto escola mesmo que fascinado desde 8 anos quando nunca mais aceitei outra revista a nao ser de carros, enfim mimado podemos dizer.
    Não tenho parametro pra te dizer o que é melhor ou pior, já tive carro com todas as combinações possiveis menos direção eletrica e acelerador a cabo(acho que nem existe) e digo que eletrica + acelerador eletronico pra mim é imbativel e eu gosto d+. Os delays essas coisas você acustuma. O foda é o sujeito dirigir um carro que não é dele e ainda reclamar. Poxa, tá ruim que dirija o seu uai :P
    Mas texto bacana., apaixonado com esses mimos da peugeot mas o resto nao curto (suspensão dura nao é comigo).

  • ninjapontes

    Os delays na aceleração são bem comuns em carros com acelerador eletrônico. Cheguei a ter por um período curto de tempo dois corsas 1.8 flex, sendo um 2005 (utilizava cabo ainda) e um 2006 (acelerador eletrônico) e a diferença pra quem utiliza os dois é bem perceptível. Não sei como é com outros carros de outras marcas mas os que tenho atualmente da linha GM ainda é um pouco incômodo principalmente se utilizando gasolina, com álcool não percebo tanto delay nas retomadas como mencionado por outro leitor.

  • ale_das_auto

    O Polo tem esse delay, acabei acostumando e sempre puxo o freio de mão nas subidas.
    Quanto ao texto, realmente merecia ser dividido em duas matérias. Um falando apenas do cheiro e outro apenas da tecnologia de sensores ou direção elétrica, seguindo a regrinha básica de argumentação baseada no título com começo, meio e fim.

  • harfangdneiges

    Parei de ler no "o rádio abaixa o volume"…

  • Romis_gtr

    Quanto ao cheiro de novo…coitado do malandro que ficar com aquela vontade de peidar numa viagem em seu 0km haushaushas^_^
    Quanto ao delay, acho que é bem pessoal, tanto quanto a sensibilidade e/ou adequação, assim como a direção elétrica, que acredito eu, veio mais como um apelo de novidade e melhora de consumo……

  • aneypassos

    BACANA O TEXTO E O CARRO QUE SO FALTA O THP…



Send this to friend