Comprando e Vendendo Etc Matérias NA

O que são carros de repasse?

vendedor-carros-4-1024x679 O que são carros de repasse?

Fazer uma boa pesquisa antes de comprar um carro é essencial se você quiser o melhor preço e um veículo em boas condições. Mesmo assim, a grande maioria das ofertas não vai variar tanto no valor, já que todos se baseiam na mesma tabela.



Mas aí você se depara com um modelo chamativo, aparentemente em boas condições, com um quilometragem dentro do esperado e com um preço inacreditável. De início você não acredita num valor tão baixo, por isso olha com mais cuidado todas as informações. Aí algo chama a atenção. Na descrição do anúncio está escrito “carro de repasse”.

Boa parte de quem encontra um anúncio desse tipo não sabe se continua animado para comprar o carro ou se desiste, pois não faz a mínima ideia do que seja um veículo desse tipo. Mas afinal, o que são os carros de repasse? Por que seu preço é sempre muito abaixo da tabela? É seguro comprar um carro nessa situação? Quando vale a pena optar por esse tipo de negócio?

O que são carros de repasse?

Como o próprio nome diz, um carro de repasse recebe esse nome por ser repassado no estado em que se encontra para o comprador. Diferente de um carro vendido normalmente por uma loja, ele não tem qualquer garantia sobre motor, câmbio ou qualquer outro componente, por isso tem um valor abaixo da tabela.



Quando uma loja de seminovos e usados faz uma operação normal de compra e venda, ela cuida de todos os aspectos daquele veículo, sejam eles estéticos ou mecânicos. Com isso, ela pode dar uma garantia sobre o produto, mas também vai vendê-lo pelo preço normal de tabela (ou acima dele), para que obtenha seu lucro.

Em sites que trabalham apenas com a venda de repasse, você sempre vai encontrar uma observação de que tudo foi verificado pela empresa, mas eles não vão dar nenhuma garantia. Ou seja, qualquer problema futuro terá que ser resolvido pelo comprador.

O tipo mais comum de repasse ocorre quando o veículo entra como parte de uma negociação, como a entrada na compra de um veículo zero km, por exemplo. Muitas concessionárias costumam pegar esses veículos para não perder a venda, mas depois ele não é interessante para vender em seu estoque de seminovos ou usados, seja pela marca, modelo ou ser caro para repará-lo e dar garantia.

É seguro comprar um carro de repasse?

Como em qualquer outra compra, é importante saber com quem você está lidando. Por isso é vital analisar as informações sobre a loja e saber exatamente quais são as condições para a compra do veículo.

Uma grande discussão em torno desse assunto é em relação à garantia que a lei exige que seja dada. Segundo o Código Brasileiro de Defesa do Consumidor (CDC), para se estabelecer uma relação de consumo é necessário que a compra seja feita numa empresa (loja, concessionária, etc). Se for uma compra particular, não existe amparo legal.

Mas se houver essa relação de consumo, o CDC prevê, em seu artigo 18, que quem vendeu responda por qualquer vício (defeito) que apareça num prazo de 90 dias a partir da compra (artigo 26). A lei ainda obriga o vendedor a substituir o produto por outro em perfeitas condições, restituir a quantia paga (atualizada) ou dar um abatimento proporcional.

Mas é aí que entra a questão. Quando alguém compra um carro de repasse, normalmente as lojas colocam uma observação no contrato de compra e venda, dizendo que não se responsabilizam por qualquer defeito posterior, já que o comprador pagou um valor bem abaixo da tabela. Mas essa é uma prática ilegal, já que o artigo 51 do CDC diz que “são nulas de pleno direito, entre outras, as cláusulas contratuais relativas ao fornecimento de produtos e serviços que: I – impossibilitem, exonerem ou atenuem a responsabilidade do fornecedor por vícios de qualquer natureza dos produtos e serviços ou impliquem renúncia ou disposição de direitos.”

Exatamente por isso que os carros de repasse normalmente são vendidos para lojas ou estacionamentos de veículos, que dão ao veículo qualquer reparo necessário e aí o vendem pelo preço normal.

Quando vale a pena optar por um carro de repasse?

Mas será que isso quer dizer que nunca vale a pena comprar um carro de repasse? Na verdade, existem algumas situações que podem tornar essa compra interessante, mesmo com a possibilidade de algum defeito. E existem outras que realmente impossibilitam a compra.

Se o veículo em questão apresenta algum defeito maior, ou tem alguma peça muito cara que precisa ser substituída, a conta é bem simples: não vale a pena comprar. O preço final sairia acima até mesmo de um veículo similar, em boas condições, vendido de forma convencional.

Mas existem sim situações que podem tornar essa compra vantajosa, como por exemplo, quando a pessoa consegue fazer os reparos por conta própria, sem precisar gastar com terceiros. Se o problema do carro é apenas estético ou sua quilometragem está alta, também existem compradores que não se importam e vão rodar com o carro do jeito que está.

Em último caso, existem carros de repasse que são vendidos por um preço tão baixo, que ainda vale a pena comprá-lo, gastar para levar numa oficina e ainda ter o veículo num preço abaixo da tabela. O fato é que não podemos generalizar, pois cada carro tem uma situação e um preço específicos.

Conclusão

O mundo dos carros de repasse não é tão misterioso quanto parece. Resumindo, são apenas carros que não tem a usual garantia, sendo vendidos por um preço bem abaixo do valor praticado em média.

Mas não pense que isso é uma excelente oportunidade para qualquer um. Se a pessoa não tem experiência em avaliar um carro (o que inclui a parte mecânica, lataria e muitas outras), é melhor não se arriscar.

Apesar da opinião de alguns de que a lei proíbe esse tipo de prática e você pode pedir o dinheiro de volta por qualquer problema futuro, na prática a situação é bem mais complicada. No melhor dos casos você terá uma longa briga na justiça.

COMPARTILHAR:
  • Lucas086

    Se a pessoa souber o que está comprando e tiver preço, até compensa… comprei agora um 500 2012 bem abaixo da tabela, pra girar um dinheiro, e o carro com 50 mil rodados está novo demais, precisa só de 2 pneus. Tudo depende do que a pessoa entende sobre o carro que ela almeja

    • rafa.prebianca

      Resumo: fazer uma pré compra.

  • JOSE DO EGITO

    Resumo da opera: Pula fora que é fria !!!

    • Hugo Victor

      Resumo da opera: Pula fora que é fria, mas nem sempre!!!

    • El Gato Negro

      Sabendo o que está fazendo, não há problema em adquirir veículo de repasse.

    • Luiz Romeu

      não… pelo contrário, o artigo diz o exato oposto

  • É igual Mercado Livre: “vendo no estado”. Você indaga o vendedor e ele responde que não tem como saber se funciona, não tem como testar, etc. Ou seja: você já sabe que o produto já foi todo testado e que nada funciona. Ou seja: fuja.

    • Wilson Junior

      Extamente.
      Até porque as lojas de usados (garagens) ficam de cima nas concessionárias para pegar repasse.
      Então se as lojas não querem e sobra pro consumidor comum, coisa boa não é.
      Esmola de mais o santo desconfia.

      • DinhoRoxxx

        Ele só não pegaria se o estoque está cheio ou o carro não é bom de revenda, o que é raro

    • Antonio_Brust

      Exato. Vendedor sabe bem o produto que tem em mãos. Se o carro estivesse bom ele enalteceria as qualidades na descrição do anúncio, para facilitar a venda.

  • Ronni Reis

    Fiz um ótimo negócio este mês, peguei um Focus Hatch GLX A/T 2012 por R$23.500,00 no repasse, o carro era de uma única dona !! Fiz o laudo do veículo pagando R$180,00 e estava tudo ok !! Ele foi para repasse em função da política da concessionária que não pega veículos com quilometragem acima de 80.000 kms (Está com 92.000kms)

    • Luciano RC

      Tudo vai de como você negocia e não cair em furada… tem carro de repasse que é bom negócio. Até mesmo para dar uma geral básica e vender ganhando um dinheiro em cima.

      • Wilson Junior

        É isso que as garagens fazem.
        Inclusive com um “troco” pro vendedor que indica a loja pra pegar repasse.
        Só sobra pro consumidor comum, o refugo dos lojistas.

    • klaus

      opa! como é esse laudo q vc fez?

      • Ronni Reis

        Tem empresas que fazem o serviço, é como uma vistoria de seguro, a que usei o serviço se chama Procemax, tem a Dekra que atende seguradoras e que acredito possam fazer também !

        • El Gato Negro

          E ter esse laudo é um fator que facilita a venda de um usado, por exemplo.

        • klaus

          eles verificam tudo? dirigem o carro?

          • Paulo Rogério Vargas Garcia

            Aqui na empresa que eu trabalho tem um posto da procemax. eles vistoriam,tiram fotos,registram em laudo todo o historico do veiculo. eles nao dirigem os carros. apenas vistoriam.

          • Paulo Thomaz

            Através do Laudo (Cautelar) é possível saber todo o histórico do veículo de proprietários anteriores, se possui histórico de leilão, adulteração de quilometragem ou número de chassi, se o motor já foi substituído, se alguma peça de funilaria ou vidro foi trocado e também se possui sinistro de seguradora.

    • Antonio_Brust

      Pensei que ainda davam aquelas voltinhas marotas no hodômetro…

  • Ediomar

    Carro de repasse pelo menos aqui na minha região ou é caco velho ou carro novo que foi lenhado e esta quase tão caco como o primeiro caso,resumindo bem,99% porcaria pra gastar em cima e ficar no valor de um bem cuidado com procedência.

  • Ricardo

    Nunca vi um carro de repasse em bom estado, todos detonados!

  • vi.22

    e uma jogada, onde vc pode sair ganhando e se dar bem ou nao… ja comprei vários carro de repasse e nunca tive qualquer problema, mas foi sorte.
    a grande questao que me deixa revoltado e o cidadao efetuar a compra concordando com os termos, se excluindo da garantia e depois se achar no direito de entrar com uma acao ou cobrar do vendedor os danos ou defeito do veiculo, se torna,na minha opiniao falta de carater e acao de ma fe…

    • Unknown

      Se a lei diz isso, não tem nada de errado!

      • Dalton

        Mas se fosse pagou mais barato do que o preço normal e teve total ciência do que estava comprando, inclusive assinando um termo abrindo mão da garantia, recorrer a justiça é moralmente errado. É o famoso dar de “ixperto” duas vezes. Nem tudo que é legal é moralmente aceitável.

        • Unknown

          Não concordo! Imoral é saber que existe uma lei que proíbe esta prática (falta de oferta de garantia) e mesmo assim anunciar algo querendo impor estas condições. Fica bem clara a má fé neste caso, pois sabem que 90% das pessoas não vão atrás dos seus direitos! Nenhum termo ou contrato pode se sobrepor à lei!

          • vi.22

            ele disse, moralmente, uma vez que o vc n e obrigado a comprar e concorda
            aprendi com meus pais a ter palavra e consciência de minhas atitudes, no meu caso, se nada me obrigar a comprar e compro ciente, minha atitude se sobrepoe ao meu direito legal… fui contratado uma vez por uma empresa q disse n poder bancar direitos trabalhistas e trabalhei por 2 anos… sai satisfeito sem um real no bolso… ciente q teria direitos, mas tbm ciente q poderia ter n aceitado o emprego…

            • “Perguntador”

              Mas esse questão de estar ciente é complicada. A loja informa que o carro é de “repasse”, mas informa os verdadeiros problemas do carro? A loja tenta maquiar os problemas para o comprador achar que o risco da compra é menor do que realmente é? Por isso o CDC tem esse dispositivo, geralmente quem vende sabe bem o produto que está vendendo, mas quem compra pode não ter conhecimento ou informações necessárias para decidir de forma adequada.

              Quanto ao seu exemplo dos direitos trabalhistas, o que é mais imoral, o trabalhador aceitar o emprego e depois processar a empresa ou a empresa que oferecer um “bico” disfarçado de emprego, sabendo que alguém estará desesperado o suficiente para se sujeitar a essa condição?

          • vi.22

            “vc n e obrigado a tratar nada com ninguém, mas se tratou e obrigado e cumprir..”

            • Unknown

              Obrigado? Se a lei diz o contrário, não há nada que me obrigue!

          • Dalton

            Mas ninguém está dizendo que a lei está sendo suprimida. A questão aqui é a ética numa relação comercial.
            Na sua opinião então, o cidadão vai lá e compra um carro pagando um valor MUITO abaixo do valor de mercado, é informado das condições do veículo e as condições da compra. ACEITA isso num termo. Vai lá e processa a loja devido as condições do carro e faz ela arcar com toda a “suposta” manutenção e o coitadinho é ele e a loja a vilã maquiavélica que só quer lucar?
            O prejuízo real é de quem aí? De quem sabia o que estava comprando e bancou o esperto ou quem vendeu mais barato devido a condição e teve que arcar com um custo cheio devido a má-fé?
            E só seria imoral se a loja cobrasse o mesmo preço do mercado convencional e não informasse as condições do carro. A partir do momento que você sabe o que compra e tem ‘benefícios’, a balança se nivela e ninguém sai prejudicado.
            É o famoso “honrar as calças que usa”.

            • Unknown

              Até parece que as revendas de automóveis deste tipo são “santinhas” assim, como você descreve. Numa relação comercial entre a pessoa jurídica e a pessoa física, o segundo geralmente está em desvantagem. Se fosse tão prejudicial assim, eles não arriscariam a vender mais barato. Já fazem isto pois sabem que o risco é diminuído devido à desinformação da maior parte dos consumidores…

            • “Perguntador”

              O cara que compra é sim um malandro, mas a empresa também. Ele compra, “assume” o risco de comprar um carro nessas condições, mas tem um plano B caso o veículo seja uma bomba. Vai lá e processa a empresa. Mas não dá para achar que a empresa também não é malandra. A loja faz um contrato que claramente beneficia ela (tentando excluir os deveres que a lei impõe), contando com a ignorância do comprador. Bem provável que a maioria que compra desse jeito não tem ideia que essa cláusula é ilegal e acaba arcando com os prejuízos de comprar um carro com defeitos que a loja não informou. Vale lembra que nesses casos o contrato é do tipo de adesão, ou seja, não há um negociação, o comprador apenas adere ao que a loja escreveu lá. Ou seja, dois “espertos” tentando passar a perna no outro, se merecem kkk.

  • duhehe

    Existe até um sistema bem ao estilo “webmotors” para esses carros, tem cada pechincha ! Mas eles só vendem para CNPJ, muito para se livrar do “CDC”.

  • FearWRX

    Já comprei um carro de repasse “sem saber”. Paguei 11 no carro, gastei mais 12 mil pra arrumar tudo e no final ele deu o valor de tabela. Vendi um tempo depois por 1 a menos que foi a depreciação do carro.
    Como o texto falou, vale a pena se for um carro que você sabe que vai gastar pra chegar na tabela.

  • Catador de papelão

    Tudo depende.
    O meu pai tinha um Civic 2009 único dono, nunca bateu, perfeito estado e blá blá blá, mas já tinha 130.000 km.
    Esse carro entrou na troca por um Corolla zero km como “repasse”. Um garagista terceirizado veio na CSS Toyota buscar o carro, pois já era muito rodado para o show-room de seminovos deles.
    E mesmo assim eles pagaram o valor da Fipe no carro…. (embora todo mundo saiba que sem carro na troca, é possível um desconto maior no modelo zero).

  • Luiz Romeu

    excelente artigo

  • Ricardo Blume

    Vale a pena se você tiver interesse em um modelo que ninguém mais quer (inclusive o garagista) ou se você levar o carro até seu mecânico de confiança e souber a procedência do modelo (mais difícil). Os riscos são grandes e, como disse a matéria, uma ação judicial pode levar anos.

  • Helder Gasparino

    Sempre haverá clientes para este tipo de negócio, porém o mal intencionado sempre quer comprar o melhor preço, pois lembra-se por isso está pagando preço mais baixo, e ainda na maioria das vezes quer garantia, ficando bem descrito no contrato e exigir um laudo de avaliação do mecânico do mesmo, justificando neste contrato porque o valor está abaixo, creio eu, não terá dor de cabeça uma vez consciente e examinado o veículo, o que este comprador irá pleitear, já que buscou este produto com o risco!! Lei da vantagem já estamos todos desgastados e cansados de querer sempre alguém levar vantagem em alguma coisa.
    Quer não ter dor de cabeça paga o preço com garantia, assim ninguém sai prejudicado, Lojista na sua maioria reparam os veículos, com certeza tb existem mal feitores mas cabe a investigação melhor de tal loja, acompanhe nas redes e sites de reclamações e verá que é este.

Quem somos

O Notícias Automotivas é um dos maiores sites automotivos do Brasil, trazendo todas as novidades sobre carros por mais de 12 anos. Saiba mais.

Notícias por email

receber-noticias Notícias por email