Brasil Mercado Opel

Opel e DS estão nos planos da PSA para o Brasil

Opel e DS estão nos planos da PSA para o Brasil

Muitos brasileiros andaram nos carros do fabricantes alemão sob a gravata da Chevrolet durante anos, mas nunca puderam realmente ter os produtos da marca de Rüsselsheim na garagem. Parece que isso pode mudar nos próximos anos.


Patrice Lucas, vice-presidente global e presidente da PSA na América Latina, em entrevista ao site UOL. O executivo confirmou que a marca alemã Opel está nos planos do grupo francês, que ainda quer ver o retorno da DS ao país.

No entanto, o desembarque da Opel (e também da DS) só ocorrerá se a PSA ganhar terreno no Brasil. Os planos da empresa são de passar dos atuais 1,5% para 5% de market share até 2023.

Opel e DS estão nos planos da PSA para o Brasil

Não será uma tarefa fácil para Peugeot e Citroën, que apostam em sua nova geração de carros para fazer a diferença por aqui e, entre eles, até elétricos.

Lucas afirmou: “Mantemos essa intenção. Claro que primeiro teremos que ser bem-sucedidos com a ofensiva de produto que iniciamos agora, com a nova geração de modelos com base no novo 208. Estamos confiantes de alcançar esse objetivo e, se isso acontecer, concretizar esse lançamento de mais marcas”.

Opel e DS estão nos planos da PSA para o Brasil

Sobre a relação da marca alemã com sua ex-irmã dentro da General Motors, Lucas comenta: “A Opel mudou por completo, técnica e estilisticamente. Essa evolução permite que seja um posicionamento realmente diferenciado da Chevrolet no Brasil”.

Ou seja, a Opel deve chegar com uma proposta mais premium que a popular Chevrolet. Atualmente compartilhando a plataforma CMP com a Peugeot, a marca alemã tem produtos com nomes bem conhecidos do consumidor brasileiro, como Corsa, Astra e Zafira, sendo o primeiro com versão elétrica.

Opel e DS estão nos planos da PSA para o Brasil

A Opel ainda tem produtos com novos e sem relação com a Chevrolet, como Crossland X, Grandland X e a nova geração do Mokka. Ainda não sabemos a abordagem que a PSA adotará com a alemã por aqui, mas ela pode ficar entre as duas francesas populares e a luxuosa DS.

Para chegar a esse ponto, a PSA precisará renovar por completo seu portfólio local. Ela precisa realmente fazer com que o consumidor seja atraído não só por tecnologia e estilo, mas também por uma mudança completa na imagem das duas marcas.

Opel e DS estão nos planos da PSA para o Brasil

O Novo 208 é essa promessa de virada de mesa da PSA, que começará com produção na Argentina, onde será acompanhado pelo Novo 2008. Aqui, Porto Real deve deixar o 208 atual de lado mais adiante, assim como o 2008 atual.

Em seu lugar, confirmou dois produtos inéditos sobre a CMP, que provavelmente será da Citroën, sendo a próxima geração do C3 e o sucessor do Cactus.

As duas marcas precisarão reforçar suas estratégias com modelos importados também, além de ampliar a oferta de comerciais leves, incluindo a chegada da Peugeot Landtrek. Então, depois disso e de outras ações, vamos esperar para ver.

[Fonte: UOL]

Ricardo de Oliveira

Ricardo de Oliveira

Técnico mecânico, formado há 23 anos. Há 12 anos trabalha como jornalista no Notícias Automotivas, escreve sobre as mais recentes novidades do setor, frequenta eventos de lançamentos das montadoras e faz nossos testes e avaliações. Também trabalhou nas áreas de retificação de motores, comércio e energia.

  • Chap

    Seria bem legal ver a Opel aqui, batendo de frente com a Chevrolet hehe (Corsa mostrando para o Onix o que é ser um carro decente). Mas conseguir 5% de mercado até 2023 acho muito pouco provável por parte da PSA.

    • Fábio Henrique

      Ue, só comprar o 208, ano que vem ele está aí com seu motor aspirado para mostrar pro onix o que é ser um carro decente kkk

      • Luis Burro

        Bom ao menos vai economizar como ele e ñ oferecer as barras laterais, a diferença q ele só vai custar mais!😅

    • Matafuego

      Creio eu que o caminho para conseguir os 5% é justamente colocar a Opel no Brasil de imediato, apostando principalmente na fama de Corsa e Astra. No caso do Corsa seria até mais fácil, pois compartilha plataforma com o novo 208.

    • Paulo Lustosa

      Ue, só comprar o 208, já que o Corsa F não passa de um Peugeot 208 com outra identidade visual.

  • THM

    Meriva?
    Ja foi ha anos subatituida pela Crossland

    A linha é:
    Karl e Adam (sairao de linha)
    Corsa
    Crosland
    Mokka
    Astra/SW
    Grandland
    Insignia/SW
    Combo(Berligo da Opel)
    Zafira(virou a Jumpy da Opel)

    • ricmoriah

      Sim, tem razão, era Zafira e não Meriva. Corrigindo lá.

    • th!nk.t4nk

      Quer apostar quanto como pro Brasil só irão levar os SUVs…

  • THM

    DS?

    Queremos a Alfa Romeo.

    Deveriam parar de investir na DS enquanto é tempo.

    • Sino Weibo

      Alfa Romeo é de outro grupo, da FCA. Vc tem de cobrar isso da Fiat ahaha

      • Eskarmory .

        Ele deve estar considerando o lance da fusão, o que não deve mudar em nada o fato que a Alfa não virá.

        • Victor Freire

          é absolutamente uma pena, tendo em vista que tem espaço.

    • Peppa Pica

      Tá sabendo bem em….

  • Mesquita17

    Com relação à Opel, não são mais carros desenvolvidos pela antiga montadora alemã que fez parte do grupo GM. Os novos carros serão modelos da Peugeot transfigurados de Opel. Não terão mais a essência da marca alemã. O novo Corsa não passa de um 208. Aqui esses modelos deverão chegar como carros de nicho (o que definitivamente não são) e com preços absurdos para o que entregam. Com relação a sub marca DS, se os compradores de carros franceses mais acessíveis já sofrem como o pós venda e desvalorização, imagina comprar um francês com preço de carro de luxo alemão?

    • Sem noção

      Hoje em dia o mercado automotivo é muito globalizado, as fabricantes de peças em maioria são as mesmas para diversas marcas e grupos diferentes, os projetos seguem as mesmas especificações técnicas também para diferentes marcas, as tecnologias são extremamente parecidas e muitas vezes compartilhadas entre diferentes montadoras.
      Para quem viveu em décadas passada, no tempo em que havia um abismo de qualidade entre as montadoras, ainda tem aquela sensação: marca x não presta, mas a y é a melhor do mundo.
      Por exemplo, quem diria que maserati, dodge, fiat e peugeot seriam o mesmo grupo até 15 anos atrás? Absolutamente ninguém.
      A tendência com essas fusões gigantescas, são as futuras gerações de clientes fazerem suas escolhas pela inovação e necessidades pessoais, ao invés de escolher o produto pela marca.
      No final veremos 3 ou 4 grupos automotivos gigantescos no mundo, e todas as montadoras pertencendo a algum desses grupos. Aquelas montadoras que não se sujeitarem as fusões, serão inevitavelmente forçadas a falência.

      • Mesquita17

        Sei disso tudo, mas não existe mais a Opel de 10 ou 20 anos atrás. A “alma” não é mais alemã, é francesa. Entendeu?

        • 😎.

          E daí, Peugeot 208 carro do ano na Europa vencendo o queridinho Golf.

        • Paulo Henriq

          A ” alma” sueca da Volvo foi preservada pela GEELY? ou foi ” melhorada ” , A ” alma” da Land Rover foi corrompita pela TATA Motors? acredito que em parte sim, mas as caracteristicas das marcas permanecem, se as mudanças são positivas, ótimo.

          • Victor Freire

            os problemas da land rover já vinham aparecendo antes da compra pela tata e podem ser creditados, antes de mais nada, à própria land rover, que parece ter resolvido voltar à tradição inglesa de modelos luxuosos com eletrônica sofrível.

      • McLovin

        É diferente. Esses Opel de nova geração são apenas rebadge de modelos da Peugeot, e o powertrain é rigorosamente igual ao do 208. Msseratti, Dodge, Fiat e Peugeot preservaram seus respectivos portfólios, até porquê são marcas que atuam em segmentos de mercado completamente distintos. Não faria sentido um Maserati ser um rebadge de qualquer modelo da Dodge, e vice-versa. Então sim, a Opel perdeu muito de sua essência após ser adquirida pelo grupo PSA.

        • Sem noção

          Entendo sua colocação, porém maserati e dodge não compartilham o mesmo segmento de veículos, por isso as duas montadoras não compartilham suas ideias. Diferente de jeep e fiat e até dodge, que por terem carros muito semelhantes, em alguns casos compartilham seu dna entre eles. Há exemplos como freemont e journey e até a renegade que compartilha plataforma com a fiat.
          A tendência da fusão é diminuir custos, e aumentar o lucro, por isso não faz sentido manter duas plataformas para o mesmo segmento de veículos. Logo não somente o corsa, mas também o punto se tornará um peugeot 208.

        • Sino Weibo

          A Maserati compartilha sim, com a Ferrari, usam motores e outros dispositivos, e agora até com Alfa Romeo. A FCA ainda lançou os Chrysler na Europa como Lancia. E no caso da Dodge/Jeep/RAM e Fiat, eles tem rebadge no mundo todo, a Strada por ex. é vendida no México como RAM 750, tem N ex. disso no grupo.

          • McLovin

            Sim, amigo. Todo mundo já entendeu que há diferentes graus de compartilhamento entre marcas de um mesmo grupo. Mas a galera tá criando uma expectativa que esses Opels de nova geração resgatarão os atributos dos modelos que fizeram sucesso no Brasil nos anos 90, sendo que não tem nada a ver.

            Todos os lançamentos são claramente rebadges de carros da Peugeot, sobretudo este Corsa. Na verdade eu achei ele até pior que o 208, pois claramente o painel teve que ser adaptado para um layout de saídas de ventilação, posição do cluster e tudo o mais completamente diferente do i-cockpit da Peugeot, bem fora dos padrões convencionais. Muda a frente, traseira, todo o resto é rigorosamente igual: portas, colunas, motorizações. Nem os valores de potência e torque são alterados entre um modelo e outro. Se tiver uma suspensão/direção recalibrados é muito.

            Talvez você não saiba, no mercado Europeu Opel não tem nem metade da fama que tem deste lado do atlântico. A PSA está colocando como uma proposta mais racional e de melhor custo-benefício que os Peugeot, como uma Skoda, marca de menor prestígio mas que usa tecnologia da Volkswagen. E usar a nacionalidade da marca para ter mais penetração no mercado doméstico alemão, o mais rico do bloco europeu.

            • Luan

              O emblema da Opel muda muita coisa aqui no Brasil, por mais que os veículos sejam os mesmos Pegeout.
              (Mais tinha que trazer o Corsa pra brigar na faixa de Onix, Polo, Argo e não fazer dele Premium).

              Pegeout/Citroen não colou, uma marca nova com nomes velhos pode sim, abrir mercado pra PSA, só não vê quem não quer.

          • Paulo Lustosa

            Compartilha motor entre aspas. Configuração de comando de válvulas e virabrequim são exclusivos para a Maserati, que pela sua proposta não tem como ser aceito em hipótese alguma motor de oito cilindros com virabrequim plano e nada de linearidade em baixa rotação.

      • RPM

        O Carlos Goshn já falava isso….no futuro,existiriam 3 ou 4 grupos automotivos no mundo

    • Antonio Sergio

      Partindo dessa premissa, devo entender que um Land Rover ou um Jaguar são TATA NANO bombados.

      • Mesquita17

        Vamos tentar explicar para um devoto de Paulo Freire o que escrevi. Jaguar e Land Rover são marcas premium adquiridas pela Tata que não tem nenhum produtos, em suas linhas, que sejam similares aos das duas primeiras. A TATA expandiu sua participação em outras faixas do mercado, com produtos de alto padrão. Como quando a VW comprou a Bentley para ganhar novos mercados. No caso da PSA e da OPEL existe a superposição de produtos e é óbvio que vão reduzir as plataformas e fazer as sinergias. Mas creio que você seja um desses marqueteiros pagos para digitar besteria e defender marcas.

        • th!nk.t4nk

          Você tá exagerando bastante. Mesmo com toda a sinergia, vale lembrar que o centro de desenvolvimento da Opel na Alemanha foi preservado. Alguma coisa da marca original terá sim, não será um mero rebrand.

          • McLovin

            Já tem uma série de reviews europeus disponíveis no Youtube. Todos são unânimes em dizer que é muito próximo do PUG 208, apenas com um acerto de chassis (direção/suspensão) levemente mais confortáveis que a calibração adotada na Peugeot. Mas é claramente um rebadge, até a central multimídia e o cluster digital são adaptados do modelo francês, de maneira até primária eu diria. No Corsa todo o layout do painel e botões não são muito bem distribuídos, parece que foram jogados aleatoriamente onde havia espaço disponível. Painel de porta é praticamente idêntico, com aspecto um pouco mais pobre no Opel em termos de detalhes e a ausência da alça vertical. No Brasil o 208 nunca foi um sucesso de vendas, não será o emblema da Opel que mudará isso.

    • 😎.

      Os Opel brasileiros tem alma é de brasileiro, com tropicalização profunda, as vezes até a plataforma foi trocada , o nosso Vectra ( Astra Sedan) , motores robustos porém com baixo rendimento energético ( inferiores aos motores japoneses).

      • Paulo Lustosa

        Eram os mesmos motores dos Europeus na época e alguns com rendimentos superiores considerando o ano do carro com o mesmo equivalente europeu (Corsa e Meriva era um dos exemplos). E o acabamento não mudava, era ruim aqui e na Alemanha.

        • 😎.

          Na Europa era Ecotec , aqui Família 1 e 2.

          • Paulo Lustosa

            Ecotec era apenas nome comercial, lá era Família I, Família II e L850 até 2013.

            • 😎.

              Sim, mas os motores europeus evoluíram a passos largos enquanto no Brasil o F1 e 2 teve mudanças rasas .

  • Fábio Henrique

    Acho que o que a galera realmente sente falta da linha Gm dos anos 90/00 é o acabamento, que de fato deu uma caída.
    Para quem fizer muita questão de ter um opel (mesmo sabendo que não será aquela marca que conhecemos), terão aí uns anos para comprar mto Peugeot e Citroen para ir se acostumando

    • leomix leo

      Pelo menos o acabamento desses que vc citou é anos luz a frente dos Gms atuais, o onix cheio de rebarba que fiz um teste drive me deixou triste.

  • Fernando Oliveira

    Até que para atingir o objetivo de 5% do mercado até 2023, a PSA está no caminho certo no tocante ao pós-venda, que melhorou consideravelmente nos últimos anos (tenho um modelo da PSA).
    Confiabilidade, qualidade e desvalorização dos seus modelos, também melhoraram. O problema continua sendo o seu portfólio reduzidíssimo. Citroen: C3(antigo), C3 Aircross(defasado), C4 Cactus(melhorzinho da truma), Berlingo(esquecido), C4 Lounge(vendas insignificantes) e Jumpy(público bem específico);
    Peugeot: 208(antigo), 2008(defasado), 3008(vendas insignificantes), 5008(público bem restrito), Partner(esquecido), Expert/Boxer(público bem específico).
    Portanto, tal objetivo, passa necessariamente pela atualização e diversificação do portfólio. Sem isso, esquece!

    • McLovin

      O problema continua sendo o seu portfólio reduzidíssimo.

      Todas as marcas presentes no Brasil estão com o portfólio reduzido. A Ford já matou Focus, Fiesta e o Fusion sem nenhuma reposição dos três modelos. O showroom da concessionária tá bizarro. Mustang e Edge dividindo espaço com o Ka e a Ecosport, um buraco gigantesco nesse meio de campo. Mesmo a GM, o que faz volume aqui no Brasil é a nova família Onix: hatch, sedan e Tracker. Joy e Spin dão uma complementada marginal, se considerarmos apenas os carros de passeio. Cruze deve ter gente que nem lembra que ainda é vendido zero quilômetro.

  • Alexandre Polzin

    Opel? Talvez (talvez!) se vier Made in Germany possa se destacar na confiabilidade e qualidade, senão…

  • Benny Blanco

    Mais fácil tomar pau da Caoa Chery do que conquistar esses 5 por cento aí. Vamos ver como será o lançamento do 208 né? Se errarem a mão aí, pode esquecer.

  • Ricardo

    Seria interessante se lançassem os OPEL como uma marca elétrica no Brasil já que até o símbolo da marca lembra eletricidade, e assim conseguiria diferenciar de suas irmãs

    • 😎.

      Provavelmente esse papel será da DS.

  • Gustavo Maia

    Acho a ideia legal, mas esse primeiro passo que é mais difícil, a PSA chegar a 5% do mercado. Para isso, na minha opinião eles tem condições, mas devem fazer alterações na linha atual. Vou compartilhar aqui o que eu gostaria de ver na Citroen.

    Acho que o C3 e o Aircross devem ser retirados e para ocupar a posição de “entrada” na marca seria o C3 Aircross europeu, já que ele é feito sobre a plataforma PF1 e compartilha muitas coisas com o C4 Cactus fabricado aqui, esse C3 Aircross nacional poderia ser equipado com o 1.6 aspirado e oferecer o cambio automático de 6 marchas na versão de topo. Esse veículo poderia custar de 65 a 80 mil reais, sendo o carro mais barato da Citroen, focando em oferecer conforto e espaço, por um preço relativamente baixo, por exemplo não acho que ele deve ter equipamentos como o teto panorâmico que existe no europeu, nem como opcional, deverá ser um carro mais simples.

    Já o C4 Cactus poderia passar por pequenas mudanças, pois já é um bom produto, como por exemplo ganhar os bancos do modelo europeu e o teto panorâmico, pelo menos como opcional, e também os acabamentos soft touch da versão shine em todas as versões, para ser uma alternativa mais sofisticada, mantendo as motorizações, mas excluindo o cambio manual, deixando essa opção apenas para o C3 Aircross, mais simples e barato. Esse veículo seria um intermediário da marca, oferecendo alguns itens mais exclusivos como o teto panorâmico, opção de motor mais potente e um acabamento superior. E quando comparado ao C3 Aircross irá oferecer mais espaço na cabine, desenho mais esportivo, porém abrindo mão do espaço no porta malas. E para isso deveria manter os seus preços entre os 80 e 105 mil reais, como já temos atualmente.

    Para ocupar a posição mais alta da gama a marca deveria tirar o C4 Lounge e trazer o C5 Aircross, sendo um SUV médio familiar e focado no conforto, uma proposta bem parecida com que vemos no Jeep Compass. Oferecendo equipamentos de conforto e tecnologia exclusivos, ele irá reunir todos os benefícios que a marca pode oferecer, o conforto, espaço para os ocupantes e porta malas, motorização 1.6 THP, itens exclusivos e desenho atraente. Seu preço deveria ficar entre 110 e 140 mil reais, possuindo 2 versões uma mais simples, sem os equipamentos exclusivos e uma totalmente completa. Em um segundo momento, apostaria até na versão híbrida do modelo para ser o carro mais caro da marca, na faixa de 160 a 180 mil reais.

    Simplificando a linha dessa forma, acredito que a Citroen possa crescer nas vendas, mas entendo que essas mudanças podem custar muito, especialmente essa última de trazer o C5 Aircross, já as outras duas me parecem mais simples.

    Já para a Peugeot penso em algo parecido, com poucos modelos, trazendo uma proposta mais premium, como vemos na Europa, cobrando um pouco mais que as marcas generalistas e oferecendo equipamentos exclusivos e um design superior.
    Aplicando essa estratégia nos modelos 208, 2008, 3008, 5008 e Landtreck, acho que tem tudo para dar certo.

  • Jeff_ A_N

    Opel no Brasil será um sonho se realizando, pra ficar mais feliz ainda quem sabe a gente lê aqui um dia intenções concretas da Mazda vender por aqui, ai seria lindo demais.

    • milton baptista

      A Colômbia têm belíssimos MAZDAs e nós aqui com carroças…

      • Hilario Bairle Junior

        Com certeza, e sem contar as marcas Seat e Skoda que são melhores do que essas carroças da VW do Brasil, além disso têm Alfa Romeo, uma marca de luxo italiana que têm carros bonitos!

  • Rogério R P Jessy

    Se ela repetir o sucesso do 208 igual foi em 2001, capaz de encostar nesses 5%

    • Cromo

      Vc quis dizer 206?

      • Rogério R P Jessy

        Óbvio

  • zekinha71

    Pra Opel chegar a PSA vai ter que crescer aqui, então ferrou.

  • Fernando Bento Chaves Santana

    Muita gente quer a chegada da Opel por nostalgia dos Chevrolet dos anos 80 e 90. Mas isto é ilusório. Mas se chegar como marca premium, como a reportagem afirma, cabe perguntar se haverá mercado para um Corsa com preço inicial de R$ 80k ou por um Astra de R$ 120-140k.

    A PSA tem que estabelecer a hierarquia entre Citroen e Peugeot e investir em produtos competitivos para estas marcas, onde a Citroen tem produtos mais populares e a Peugeot o carros mais sofisticados. Eu vejo espaço para a DS atuar no Brasil exclusivamente com SUV elétricos.

    A Opel só teria alguma possibilidade se substituir a Peugeot no Brasil – algo possível, mas que demandaria muito investimento e morte local da principal marca da PSA.

    • Paulo Lustosa

      Detalhe que o Astra enquanto estiver montado em D2XX e Insignia em E2XX não vão poder ser vendidos aqui por serem produtos GM (o primeiro uma derivação do Sport6 e o segundo o Buick Regal, feito na plataforma do Malibu)

  • 😎.

    A Opel não é tão querida como muitos pensam aqui no Brasil , nem mesmo o Corsa em sua última geração aqui era muito popular . E os nomes serão diferentes pois Vectra não existe mais, Astra difícil vir pois o segmento morreu, Zafira virou vam grande , Meriva não existe mais . A tendência e vir SUVs como os Crossland , Grandland e o Mokka além do conhecido Corsa .

    • Cromo

      O Astra sedan pode ser lançado aqui como Opel Vectra, exatamente a mesta estratégia que a GM usou aqui, chamando-o de Chevrolet Vectra. Seria um erro usar outra estratégia.

      • Fábio Henrique

        Nesta geração atual nem teve sedã do astra. Só se a PSA ressuscitar na próxima daqui uns anos.

      • Paulo Lustosa

        Esta geração atual o Astra Sedan é o Cruze, e duvido muito a GM deixar vender produto que usa powertrain dela aqui no Brasil.

  • Rogério R.

    Sobre a relação da marca alemã com sua ex-irmã dentro da General Motors, Lucas comenta: “A Opel mudou por completo, técnica e estilisticamente. Essa evolução permite que seja um posicionamento realmente diferenciado da Chevrolet no Brasil”.

    O recado está dado, essa nova Opel não tem NADA da antiga Opel dos anos 1990. Já é bom os fãs da marca daquela época enfiarem isso na cabeça.
    Pelo visto a PSA América Latina investirá primeiro no hatch do projeto Smart Car que segundo o AS terá mais dois modelos frutos desse projeto e o hatch terá inspiração no porte do Sandero e terá o logo Citroën. Só após isso que a PSA da América Latina realmente pensará na Opel atuando aqui.

    • Chap

      O que o cara quis dizer que os Opel não são mais GMs. E mesmo que ainda fossem, hoje em dia não teriam muito pouco em comum com esses Chevrolet atuais do mercado regional, que são carros essencialmente chineses.

      • Rogério R.

        Eu entendi, por esse motivo fiz este comentário, pois vejo muitos comentários ligando esta nova Opel/PSA com a antiga Opel/GM. Padrão de acabamento, padrão de construção, padrão de conjunto mecânico, padrão de qualidade não tem nada haver mais. Qual é o melhor padrão? O tempo que dirá.

  • Alvarenga

    Acho que se vendessem como Opel faria mais sucesso que como Peugeot!

  • RKK

    Aleluia, irmão !

    O retorno do Corsa, Astra e Vectra !

  • Cromo

    Para chegar nos 5%, o 208 vai ter que fazer o sucesso do 206.

  • Gabriel Marcolin

    eu apoio, ao invés de mais marcas chinesas por aqui, poderia vir a Opel, Seat, Skoda, Mazda, Buick, GMC

    • Sino Weibo

      Estas marcas pertencem a grupos já estabelecidos aqui, por isso não vem. Já os chineses são independentes, e tem interesse.

    • Hilario Bairle Junior

      Buick e GMC na América Latina só tem no México, Essas duas marcas da GM nem sequer tem presença no Chile, Brasil e no restante da América Latina.

  • Luis Burro

    Vai depender de valores, mas a fama da marca ñ é mto favorável!

  • Clayton Lus

    Acredito que eles estão invertendo as coisas. Querem aumentar as vendes pra trazer a Opel…. Tragam a Opel e vejam a mágica das vendas acontecer: Corsa e Astra são nomes que tem muita força no Brasil. Não sei se podem legamente, mas se conseguissem lançar o Insígnia como “Vectra Insígnia” ou conseguir atrelar o nome do Insígnia ao Vectra (talvez com um trazer mostrando todas as gerações e o Insígnia como sucessor) ia sacudir o mercado.

    • Paulo Lustosa

      Corsa pode, o Astra enquanto um produto ainda ligado à GM, não. Só quando vier a nova geração baseado na plataforma do 308.

  • Saraiva

    Ou seja não vai vir….querer triplicar volume de vendas com esses players da PSA é acreditar em papai Noel existe e não vir vestido de azul esse ano.

  • Supernescau

    Resumindo a notícia: Opel e DS não vem para o Brasil.

  • Lá vai brasileiro celebrar mais uma marca generalista como Premium. Boba da PSA de não trazer pois com certeza venderia mais e bem mais caro do que vende hoje seus outros produtos.

  • Marcus Vinicius

    Acredito que a DS deverá retornar ao Brasil no seu primeiro desembarque os seus carros eram Citroens de Luxo , agora têm produtos próprios e posteriormente a Opel deve dar as caras , talvez com o Corsa elétrico.

  • Selsu Brass

    Decifrando os comentários de vários “pseudos intelectuais” que escrevem regularmente por aqui, daqui a uns dias teremos que ter curso de inglês p entender os comentários hehehe. Os caras gostam de babar os ovitos do pessoal do norte. Deem valor a nossa língua.

  • Felipe Politano

    Eu acho engraçado ver o brasileiro entusiasta da Opel, saudoso da Opel, lamentando que a Opel “de verdade” não existe mais… sendo que a Opel na europa é uma marca medíocre, a única alemã sem identidade e sem valor agregado, e por isso mesmo não se segurou nas vendas e a GM se livrou sem pena. Essa não é uma análise minha por sinal, foi uma realidade bastante discutida na época da venda… mas aqui no Brasil ficou essa fantasia da “engenharia alemã”, né.

    • Renan Rizh

      A vauxhall faz sucesso no reino unido, sendo que a linha é a mesma

      • Felipe Politano

        Na verdade não “faz sucesso”, inclusive em 2019 vendeu menos que BMW e MB no UK. Vauxhall já chegou a ser a #2 atrás apenas da Ford nos anos 90, pq o britanico é leal a suas marcas locais, mas daí pra frente foi só queda livre. Sem contar que qualquer britanico vai te falar que a percepção da marca é de carro barato, inferior a Ford e VW, por exemplo. A Vauxhall fechou 2019 com menos de 7% de market share lá, com tendencia de queda, e ainda assim se segurando nas vendas pra frotistas e com margem baixa. Sucesso.

  • Felipe Politano

    Ah, e perdi o tesão de torcer pras marcas virem pro Brasil. Quando vem em pequenos volumes, o valor é absurdo pra compensar… e quando começam a vender bem, aumentam mais ainda pra aproveitar… e quando o preço é ok mas não vende muito, “é mico” pra mentalidade de que carro é investimento. Difícil pra qualquer marca que não seja Toyota, Honda ou VW! E a culpa é em parte do consumidor. Não dá pra ter fé em um mercado que aceita Santa Fe a preço de XC60. Aqui é faroeste.

  • Murilo Soares de O. Filho

    Nada mais lógico, a PSA tem mais de 80% de suas vendas concentradas na Europa, em uma grave crise, como estamos sofrendo, ficar depende da Europa não é nada bom, resta saber se vão ter tempo e dinheiro para isso. Quanto a fusão coma FCA, ainda não está nada definido.

  • Carlos AM

    A notícia é boa e animadora, mas eu estou um tanto quanto cético quanto a essa metade de 5% até 2023.

    O mais recente banho de água fria foram as informações que o novo Peugeot terá o motor 1.6 aspirado ao invés do 1.2 Turbo.

    Assim fica difícil da marca ganhar mercado.

    Eu mesmo era um dos que ficou animado com a vinda do 208, mas com esse motor 1.6 aspirado sem chance.

  • Paulo Du Bois

    O Tracker até então era a versão brasileira do Mokka.

  • 🌊PointBreak

    Qual é o problema da PSA? Eles só falam em premium e não entenderam ainda que eles têm problemas com aceitação do público alvo?

    A PSA deveria focar no que tornou o 296 popular: design, acessórios e preço. Efeito “halo” vem depois! Os caras querem começar por cima! Estão pagando quanto pra pessoas overqualified que tem zero feeling de mercado?!

  • pedro rt

    meu sonho se a OPEL vier pra ca, concerteza compraria um CORSA, muito melhor q qualquer chevrolet atual q nao passa de um GM SAIC CHINA… me recuso a comprar qualquer carro chines de qualquer marca, sou muito mais ter um novo 208 ou esse novo corsa do q um onix

Quem somos

O Notícias Automotivas é um dos maiores sites automotivos do Brasil, trazendo todas as novidades sobre carros para mais de 450 milhões de pessoas, por 15 anos. Saiba mais.

Notícias por email