Elétricos Hatches Peugeot

Peugeot 208 deve oferecer versão totalmente elétrica em nova geração

peugeot-208-allure-12-avaliação-NA-27 Peugeot 208 deve oferecer versão totalmente elétrica em nova geração

Com cerca de cinco anos de mercado, o atual Peugeot 208 está prestes a ser descontinuado para dar lugar a uma nova geração. A segunda versão do hatch compacto deverá ser apresentada pela fabricante francesa durante o Salão do Automóvel de Genebra de 2018, que acontece em março do ano que vem. E a boa notícia é que o carro não vai se restringir somente às versões movidas a combustão.



De acordo com fontes, a Peugeot está preparando um novo modelo totalmente elétrico que será baseado na nova geração do 208. Este novo carro deve se destacar pela ampla autonomia oferecida pelo conjunto elétrico, para fazer frente ao também francês Renault Zoe e ao norte-americano Chevrolet Bolt.

peugeot-208-allure-12-avaliação-NA-68 Peugeot 208 deve oferecer versão totalmente elétrica em nova geração

Ao que tudo indica, o Peugeot 208 totalmente elétrico será apresentado como conceito em meados do ano que vem. Sua estreia no mercado, porém, está prevista somente para o segundo semestre de 2019. A estratégia de carros elétricos do grupo PSA inclui ainda versões elétricas dos utilitários Citroën Berlingo Multispace e Peugeot Partner, programados para estrear no segundo semestre de 2018.

Até o momento, somente os modelos Citroën C Zero e Peugeot iOn foram oferecidos com um conjunto mecânico elétrico.

peugeot-208-allure-12-avaliação-NA-33 Peugeot 208 deve oferecer versão totalmente elétrica em nova geração

 

Vale lembrar que, atualmente, a PSA oferece um conjunto híbrido plug-in para alguns de seus modelos. No caso do utilitário-esportivo 5008, este aparato consegue entregar autonomia de até 50 quilômetros no modo elétrico. Esta mesma tecnologia estará disponível em breve na linha do C5 Aircross, previsto para o segundo semestre do ano que vem.

O atual Peugeot 208 é comercializado no mercado brasileiro com três motorizações: 1.2 Puretech de três cilindros, com até 90 cv e câmbio manual, 1.6 flex de quatro cilindros, com até 122 cv e câmbio manual ou automático, e 1.6 THP turbo flex de quatro cilindros, com potência máxima de 173 cv e transmissão manual. Os preços do carro compacto em nosso País variam de R$ 52.990 a R$ 84.490.

[Fonte: Autocar]

  • Germano Barroso

    A Peugeot sempre inovando!!!

  • Marcio Mendes

    Poxa, que notícia boa! Pena que não seja com a Peugeot do Brasil!

    • Luciano RC

      Se duvidar, o novo nem vem.

  • Marcelo Cordeiro

    Nem se animem, duvido muito que tragam esta versão para o Brasil. Uma pena…

    • Luciano RC

      Eu não sei nem se trariam o carro, quanto mais essa versão.

  • Hernán Diego Ceccarelli

    Peugeot BRasil, modifico el 208 I, a su antojo, haciendolo mas feo y de mala calidad, desde los tableros, asientos, sacando seguridad en puertas y electronica, motores obsoletos, plataforma modificada, tableros de mala calidad rigidos, etc,etc,etc. Esos desaciertos los sufren los argentinos que NO queremos porquerias, nos interesan los diseños globales y de buen gusto frances. Ahora la posta de la mejor calidad y la nueva plataforma CMP del 208 II y componentes exactamente iguales a los europeos, la toma la Planta del Palomar en Argentina. Brasil destruye los diseños esteticos originales, es LAMENTABLE de el centro DE DISEÑO de porto real. Hacen Frankenstein.

    • Thales

      Ese diseño actual fue proyectado por el Peugeot francesa.

  • Luciano Assunção

    Tinha que oferecer o 1.2 com câmbio automático isso sim.

    • Edson Fernandes

      O 1.2 turbo né?

      • Luciano RC

        No lugar do 1.6 16V de 122cv.

      • Luciano Assunção

        Em tempos de alta de combustível até o sem turbo servia e ainda seria mais barato.

        • Edson Fernandes

          O consumo seria muito alto porque esse motor 1.2 iria perder muito rendimento na hora de usar o conversor. Penso que o ideal seria apenas o motor 1.2 turbinado mesmo.

          • João Cagnoni

            Conversor não reduz a força do motor há muito tempo desde a introdução do lockup, ele só prejudica o consumo em determinadas situações (praticamente só na cidade).

            • Edson Fernandes

              João,
              Por mais que tenha lockup, num motor 1.2 como é o puretech, não tem milagre: Ou vc multiplica o torque para traduzir força as rodas, ou o carro não sai do lugar.

              Vc já andou no Picanto AT4 ? Eu já. De longe dizer que é ruim. Mas a atuação do conversor é maior porque o motor é mais fraco. Ele é um carro otimo de consumo na estrada, mas similar ao que qualquer outro automatico mais forte faz na cidade. Ou seja, iria ser o mesmo destino do 1.2 aspirado.

              O conversor precisa atuar mais tempo para conseguir fazer o carro ter desempenho adequado. Não tem muita saida.

              • João Cagnoni

                O conversor de torque rouba eficiência, mas não rouba desempenho. O Picanto 1.0 manual também é um carro lento.

                • Edson Fernandes

                  Rouba sim. Quer ver como muda? Pegue um carro de variante automatica e outro manual, acelere ambos. DUVIDO em cambios automaticos convencionais o automatico ficar a frente. Há sim perda de potencia porque a conversão acontece e isso é considerado perda.

                  Eficiencia… eu considero o uso na totalidade do motor, aproveitamento de uma marcha e por aí vai. Perda de potencia é na necessidade de se ajustar ao que será dado de potencia e não terá a mesma diretriz de acoplamento como é com uma embreagem.

                  Ou seja, ele tem perda sim. Se vc acha que seu Pallas anda bem no automatico, já andou no manual? É uma diferença enorme, tanto em consumo como em potencia mesmo.

                  • João Cagnoni

                    Praticamente todos os esportivos estão abolindo o uso do câmbio manual pois ele perde desempenho, mesmo no caso daqueles com câmbio automático com conversor de torque. Acho que não vamos chegar a lugar nenhum discutindo isso por aqui, acho que é uma conversa pra durar um dia inteiro rsrs… De qualquer forma, digo que o consumo na estrada é exatamente igual, assim como o desempenho. A desvantagem do automático acontece apenas no consumo na cidade. Além de que, imagina o sujeito dirigindo com as 2 mãos ao volante, vai levar uma eternidade pra reduzir 1 ou 2 marchas, nesse caso ganha-se muita agilidade com o câmbio automático.

              • João Cagnoni

                Olha como não perde desempenho: https://www.youtube.com/watch?v=xZoGkqIPzUI

                • Edson Fernandes

                  Preciso dizer que esse é turbo?

                  • João Cagnoni

                    É verdade, desculpe.

  • zeh

    …enquanto isso por aqui, uns insistem em permanecerem eternamente e, produção…maquiando e enrolando…e subindo preço…entre lançamento e continuidade, quase dobram o valor inicial….vamuqvamu….

  • Uranium

    HAHAHAHA

  • Saymon Maciel

    O texto fala em nova geração. Será que já podemos cogitar que será o Peugeot 209? Peugeot e sua mania de colocar número em vez de nome em seus veículos. Toda vez que muda de geração muda o numeral,assim nunca terão um carro que dure anos no mercado com mesmo nome. O mercado tem varios cases de suceso corolla golf focus civic camry etc…

    • Guilherme V

      A mudança no último número dos carros da Peugeot pararam e ficarão no 8. Foi noticiado anos atrás quando 307 e 207 ganharam suas novas gerações, mudando pro final 8. Exemplo disso na prática: 308 de segunda geração não virou 309. Lembrando que essa regra vale pros carros feitos pra Europa (final 8), e não para modelos emergentes com finais de número ímpar.

  • Mauro Schramm

    E barra de proteção lateral, vai ter?

    • João Cagnoni

      Na Europa já tem… kkkkkkk

    • João Cagnoni

      Eu não entendi qual foi a idéia da Peugeot em remover as barras laterais. O carro possui uma ótima proteção para impactos frontais, e hoje até um Palio Fire possui barras laterais. Deve ter sido algum problema de importação, eu duvido que a marca economizaria nesse tipo de coisa, existem coisas bem mais supérfluas dentro desse carro.

      • Mauro Schramm

        É incrível, mas foi economia mesmo. Em tempo, o 208 não é importado. Ele é produzido no RJ.

        • João Cagnoni

          O 208 é um projeto global e depende da aprovação da PSA na França para qualquer modificação. Conhecendo as gambiarras dessas fábricas, acho que foi alguma cag*da de alguém no processo ou algum problema logístico.

Quem somos

O Notícias Automotivas é um dos maiores sites automotivos do Brasil, trazendo todas as novidades sobre carros por mais de 11 anos. Saiba mais.

Notícias por email

Send this to a friend