Peugeot 308 CC: estilo, equipamentos e motor do conversível

Peugeot 308 CC: estilo, equipamentos e motor do conversível

O Peugeot 308 CC foi um cupê-conversível, vendido no Brasil entre 2012 e 2016, junto com o Peugeot RCZ. Com ele, o modelo também saiu de cena, deixando para trás uma lacuna não mais preenchida na marca francesa.


O 308 CC (Coupé Cabriolet) foi o último de uma série de cupês e conversíveis da Peugeot, que na atualidade, começou com o 306 Cabrio, que foi sucedido pelo Peugeot 307 CC, unificando o 406 Coupé com o primeiro.

Assim como o anterior, o Peugeot 308 CC mesclou tanto o uso de um teto rígido retrátil para formar um cupê, como também permitiu que o mesmo se convertesse em um legítimo conversível. Lançado em 2009, ele chegou aqui atualizado.

Enquanto foi vendido no mercado, o 308 CC viu chegar o Novo 308 na Europa, mas se manteve inalterado por mais algum tempo e então veio o fim. A geração atual do hatch médio francês não dispõe de versão conversível e nem cupê.

Peugeot 308 CC

Peugeot 308 CC: estilo, equipamentos e motor do conversível

O Peugeot 308 CC surgiu como parte da linha 308 em 2009, mas com visual antigo. O modelo cupê-conversível seguiu o 307 CC, reproduzindo basicamente sua carroceria, embora com alterações estéticas e mecânicas, bem perceptíveis.

Como as gerações 307 e 308 compartilharam a mesma estrutura básica, a plataforma PF2, também chamada de “mutante”, o estiloso conversível se parece muito com a geração anterior, especialmente antes do facelift.

Ele estreou dois anos depois do 308 na Europa, mas seguiu alguns anos após a chegada da nova geração do hatch médio que, no entanto, não tem conversível. Por ser de nicho, conseguiu sobreviver um pouco mais, como o RCZ.

Aqui, enquanto foi vendido, o Peugeot 308 CC foi um quase similar do modelo feito na Argentina, incluindo ainda a motorização 1.6 THP, mas sem a tecnologia flex da região.

Peugeot 308 CC – Estilo

Peugeot 308 CC: estilo, equipamentos e motor do conversível

O Peugeot 308 CC é um carro que mescla os estilos de cupê e conversível, unificados através de um teto rígido retrátil, que possui um sistema de acionamento eletro-hidráulico, em processo que dura 20 segundos.

O acionamento do teto só pode ser feito em velocidades de até 12 km/h, devido ao peso do conjunto, que é bem maior que o de uma capota de tecido. Todo o conjunto é acondicionado num compartimento sob a parte traseira do veículo.

Com 4,440 m de comprimento, 1,817 m de largura, 1,426 m de altura e 2,605 m de entre eixos, o 308 CC tem 403 litros no porta-malas com o teto levantado e apenas 226 litros com ele recolhido, ainda suficiente para o dia a dia.

Visualmente, o Peugeot 308 CC vinha com frente curta e baixa, que trazia faróis duplos com lentes bem claras e grandes, formando um olhar de felino. Seu capô elevado criava um nariz com o logotipo do leão num fundo preto.

Peugeot 308 CC: estilo, equipamentos e motor do conversível

Abaixo, uma grade envolvente com acabamento em preto brilhante e suporte para placa. Nas extremidades do para-choque, o Peugeot 308 CC dispunha de faróis de neblina verticais e luzes diurnas em LED.

Com linhas sinuosas, o conversível tinha colunas A levemente curvados e pronunciadas sobre o habitáculo. As portas eram grandes e vinham com quebra-ventos falsos, assim como logicamente não tinham molduras para os vidros.

Os retrovisores era bem altos e possuíam luzes de solo, bem como rebatimento elétrico e repetidores de direção. As colunas B não existiam, sendo que um bastão que serve de isolante, separa os vidros traseiros daqueles das portas.

As rodas de liga leve eram aro 18 polegadas com acabamento diamantado e cinco raios, quase num estilo Cruz de Malta, tendo pneus 225/40 R18. Na traseira, a tampa do porta-malas era bem comprida e levemente curvada.

Peugeot 308 CC: estilo, equipamentos e motor do conversível

Havia um pequeno defletor de ar embutido na tampa, que tinha ao lado, lanternas verticais em LED. O para-choque tinha um formato estranho, bem pronunciado e com dois difusores de ar separados, embora a proposta não fosse esportiva.

Essa parte trazia uma luz de neblina e outra de ré, enquanto a placa de identificação ficava acima, na tampa do bagageiro. Com o teto erguido, o Peugeot 308 CC apresentava arcos de teto largos e uma vigia traseira bem ampla.

Por dentro, o 308 CC tinha um ambiente bem luxuoso e diferente do 308 normal. Os bancos em couro, por exemplo, eram mais volumosos e envolventes, possuindo ainda o sistema de ar quente na nuca, chamado Airwave, ideal para dias frios.

Além disso, esses assentos tinham também airbags laterais que protegiam tanto tórax quanto cabeça em impactos de lado. Ambos tinham ajustes elétricos e aquecimento, ampliando bem o conforto aos quatro passageiros.

Peugeot 308 CC: estilo, equipamentos e motor do conversível

Com ambiente todo preto, tendo detalhes em preto brilhante, o Peugeot 308 CC tinha um belo painel de instrumentos com fundo branco, bem como navegador GPS e sistema de áudio em display retrátil de 7 polegadas sobre o conjunto.

Havia um sistema de som bem completo com Bluetooth, USB e CD player, bem como ar condicionado dual zone e pedais esportivos. O conversível trazia ainda difusores de ar cromados e retrovisor interno eletrocrômico.

O volante em couro tinha fundo chato, mas como padrão da marca na época, não tinha comandos na própria direção. Estes, para piloto automático com limitador e ajustes de media/telefonia, ficavam em hastes na coluna.

Com quatro lugares, o 308 CC tinham espaço razoável atrás para um conversível, tendo apoios de cabeça integrados e apoio de braço central. Estes assentos também tinham o sistema Airwave. Os vidros laterais eram elétricos.

Peugeot 308 CC: estilo, equipamentos e motor do conversível

Em caso de capotamento, duas barras de proteção se erguiam em milésimos de segundo para evitar que as cabeças dos ocupantes fossem atingidas no solo, uma medida de segurança que ainda preservava a estética do 308 CC.

Tendo ainda dispositivos como sensores de chuva e crepuscular, bem como controles de tração e estabilidade, o Peugeot 308 CC trazia ainda sistema de som JBL com 500 watts, 10 alto-falantes e subwoofer de 150 watts.

No porta-malas, havia uma cobertura para limitar o volume da bagagem, a fim de evitar que fosse amassada pelo teto dobrável ao ser retraído. Este não funcionava sem essa cobertura acionada, sendo uma medida importante de segurança.

O teto retrátil se dobrava em duas partes, que deitavam sobre o espaço abaixo da tampa traseira, que se erguia de forma invertida para acomodar o conjunto. Interessante era que ela abria também no sentido normal para acesso ao bagageiro.

Roland Garros

Peugeot 308 CC: estilo, equipamentos e motor do conversível

Um ano após sua chegada, a marca francesa incluía o Peugeot 308 CC na série especial e limitada Roland Garros, que é um dos torneios de tênis mais famosos do mundo.

Com 50 exemplares, o conversível – já com atualização visual – trazia de fábrica somente a pintura branca, bem como assentos em couro cinza claro, além do logotipo do Roland Garros impresso nos encostos e na carroceria.

No Peugeot 308 CC, havia ainda tapetes personalizados, além do visual complementado por rodas aro 18 polegadas escurecidas e faróis de xênon com máscara negra.

O preço do 308 CC Roland Garros era de R$ 132 mil, enquanto a versão normal saía por R$ 130 mil. Com meia centena de unidades, o cupê-conversível teve uma boa oferta de exemplares para o Brasil.

Visual anterior

Peugeot 308 CC: estilo, equipamentos e motor do conversível

Embora tenha sido lançado em 2012, no Brasil, o Peugeot 308 CC era diferente na época do lançamento, na Europa. Aqui, ele já chegou com facelift, que o ajudou a manter a aparência moderna diante da nova geração do 308 francês.

Lançado em 2009, o 308 CC adotou um conjunto ótico com lentes bem grandes e claras, expondo bem os projetores internos, que davam a impressão de um olhar aguçado, como de um felino, que era a proposta do estilo.

O para-choque tinham uma boca enorme para refrigeração do motor e havia também faróis de neblina verticais, que permaneceram na atualização, dando um ar mais esportivo e expressivo ao elegante conversível.

Peugeot 308 CC: estilo, equipamentos e motor do conversível

As rodas de liga leve eram aro 18 polegadas também, mas com cinco raios duplos. O restante do carro não mudara. O painel era o mesmo que chegou no facelift ao Brasil, assim como as lanternas em LED e o para-choque traseiro.

No mercado exterior, o 308 CC tinha mais opções de cores e alterações no acabamento, que a versão oferecida no Brasil. Havia uma opção com bancos, portas e painel totalmente em cinza claro ou vermelho, por exemplo.

Depois da atualização, mesmo com um visual bem moderno e atraente, o Peugeot 308 CC levava o peso da plataforma PF2 numa produção focada na base modular EMP2. Dessa forma, em 2016, ele saiu de linha junto com o RCZ, também PF2.

Peugeot 308 CC – Motor

Peugeot 308 CC: estilo, equipamentos e motor do conversível

O Peugeot 308 CC compartilhava com o RCZ, assim como com os modelos 308, 408 e 508, além do 3008 e posteriormente 208 e 2008, o propulsor 1.6 THP.

Diferente das unidades montadas em carros feitos no Brasil e Argentina, o 1.6 THP do 308 CC não era flex, tendo seus quatro cilindros com turbocompressor e intercooler, além de alta pressão, uma potência inferior ao flex.

Assim, o motor da família Prince, desenvolvida em parceria com a BMW, entregava 165 cavalos a 6.000 rpm e 24,5 kgfm a partir de 1.500 rpm. Ainda usado em vários modelos da Peugeot no país, o propulsor é forte e bem robusto.

Equipado sempre com transmissão automática de seis marchas da Aisin, o 1.6 THP permitia ao 308 CC ir de 0 a 100 km/h em 8,5 segundos com velocidade final de 212 km/h.

Peugeot 308 CC: estilo, equipamentos e motor do conversível

Com injeção direta de combustível de alta pressão, o motor de 16 válvulas (e por cilindro) e comando variável para admissão, tinha consumo de 8,2 km/l na cidade e 12 km/l na estrada.

Seu tanque tinha 60 litros, o que permitia alcançar 720 km na estrada, teoricamente. Tendo modos de condução Sport e Inverno, o 308 CC respondia muito bem ao acelerador como um carro esportivo.

Sem outras opções ao longo do período no Brasil, o Peugeot 308 CC tinha na Europa a opção de ser equipado com motor turbo diesel 2.0 BlueHDi com 150 cavalos ou o 1.6 BlueHDi com 120 cavalos, por exemplo.

Equivalente ao nosso 1.6 THP, o similar europeu era mais fraco, entregando 156 cavalos, porém, com o mesmo torque. Lá, ele podia ser equipado com transmissão manual de cinco ou seis marchas, além da automática de seis velocidades.

Ricardo de Oliveira

Técnico mecânico, formado há 25 anos. Há 14 anos trabalha como jornalista no Notícias Automotivas, escreve sobre as mais recentes novidades do setor, frequenta eventos de lançamentos das montadoras e faz nossos testes e avaliações. Também trabalhou nas áreas de retificação de motores, comércio e energia.