Elétricos Hatches Mercado Peugeot

Peugeot e-208 e 1.6 Flex devem iniciar no Brasil, segundo jornalista

Peugeot e-208 e 1.6 Flex devem iniciar no Brasil, segundo jornalista

O Peugeot e-208 chegará ao Brasil junto com uma opção de motor a combustão, mas esta não será 1.2 Puretech Turbo, mas o já bem conhecido EC5M, de acordo com o jornalista Jorge Moraesm, no site UOL.


A nova geração do compacto da PSA já roda há algum tempo no Brasil e na Argentina, mas seu lançamento – que seria ainda no primeiro semestre de 2020 – foi adiado pelo coronavírus, devendo assim ocorrer em algum momento da segunda metade do ano.

Peugeot e-208 e 1.6 Flex devem iniciar no Brasil, segundo jornalista

O Novo 208 em versão elétrica será um enorme diferencial para o hatch compacto da Peugeot, mas ainda não se sabe se o mesmo será importado da França ou fabricado em El Palomar, Argentina. Como se sabe, a planta hermana recebeu um bom investimento para fazer a plataforma modular CMP.

Como se trata de um produto com produção regional, faze-lo aqui exigiria a construção de uma rede mais consistente de pontos de recarga, pois, existem diversas regiões (mesmo dentro do eixo “elétrico” que vai de SC até o ES) sem cobertura ou bem fraca. A rede Peugeot seria uma alternativa, mas ainda assim é preciso mais.

Peugeot e-208 e 1.6 Flex devem iniciar no Brasil, segundo jornalista

Fazer o e-208 na região talvez envolva um adicional de investimento por conta do processo de montagem das baterias na linha de produção, embora o projeto da CMP contemple seu uso desde o início. Com 136 cavalos e 26,5 kgfm, o propulsor elétrico é alimentado por uma bateria da japonesa Nidec com 50 kWh.

A PSA pretende internalizar a produção destes dois componentes até 2023, sendo essa a receita para reduzir os custos de produção de seus carros elétricos. O motivo é que a resposta ao e-208 está sendo muito boa, com 25% das vendas direcionadas ao hatch plugado.

Tendo autonomia de 350 km, o Peugeot e-208 terá de se apoiar em uma (ainda) pequena rede de pontos de recarga no Brasil, o que poderia indicar que suas vendas seriam limitadas inicialmente, reforçando a ideia de importação francesa, o que seria mais lógico nesse caso.

Peugeot e-208 e 1.6 Flex devem iniciar no Brasil, segundo jornalista

Quanto ao 1.6 Flex de até 118 cavalos, a oferta cairá como um balde de água fria em quem espera pelo 1.2 Turbo, que pode ter tanto 116 cavalos quanto 136 cavalos.

O hatch virá apenas automático, inicialmente, segundo Moraes, já que o antigo (nacional) ficará com opção manual e, certamente, apenas com o 1.2 aspirado de até 90 cavalos. Preço do e-208? Ele não aposta em menos de R$ 150.000.

[Fonte: Jorge Moraes/UOL]

Ricardo de Oliveira

Ricardo de Oliveira

Técnico mecânico, formado há 23 anos. Há 12 anos trabalha como jornalista no Notícias Automotivas, escreve sobre as mais recentes novidades do setor, frequenta eventos de lançamentos das montadoras e faz nossos testes e avaliações. Também trabalhou nas áreas de retificação de motores, comércio e energia.

  • 😎.

    Com a fusão de PSA mais FCA a francesa poderá utilizar os modernos motores Fiat que serão fabricados no Brasil 1.0 e 1.3 turbo. Até o 1.3 Firefly seria uma boa para o peso e porte do novo 208 já que ele é mais leve que o Argo e no compacto da marca italiana entrega um desempenho correto.

  • ocampi

    1.3 turbo , automático….será interessante…..

  • Benny Blanco

    Reclamem no site da Peugeot, opção fale conosco. É bem rápido. Nem que adiem para o final do ano, mas que lancem o carro com o motor 1.2. Se insistirem no 1.6, azar o deles.

    • Ricardo Silva

      Quem fizer isso vai comprar o carro? duvido …

      • Benny Blanco

        Bem, eu fiz minha parte. Tinha uma galera que queria comprar reclamando também, estes poderiam fazer o mesmo. É só ver os comentários antes e depois dos vazamentos, inclusive fui além e mandei alguns prints. Questionei como a reclamação poderia subir para o marketing. Enfim, temos no mínimo dois modelos homologados com o motor 1.6. A Like e a Allure, tudo indica que a Griffe também o terá. Sinceramente? Achava isto praticamente impossível de acontecer, mas se eles insistirem, azar o deles.

        • Ricardo Silva

          Cara, o brasileiro já possui um baita preconceito com a marca, por culpa da própria marca no passado, mas se a mesma quer ganhar um fatia do mercado nacional, não adianta trazer um carro 1.2 turbo caro, pra vender apenas pra um pequeno nicho dos consumidores.

          • Eric PB

            tem q ter as duas opções assim como a vw faz. Consumidor que não confia em motor turbo, mora no interior com poucas oficinas preparadas podem optar por um polo 1.6. Quer a agilidade e torque do turbo? tem também!

      • 1 Raul

        Pegue daqui a 2 anos pela metade do preço!

        • Peppa Pica

          Mostra um aí com 2 anos de uso pela metade do preço…

        • Rafael Fernandes

          Não sei por que os vovôs insistem nessa tal desvalorização. Quem me dera ter achado um 208 usado tão desvalorizado assim, na época que comprei.

    • Sino Weibo

      Não precisa reclamar, eles vão ver nas vendas. Pena que vão continuar dizendo que é preconceito com a marca e blah blah blah e não erros deles próprios, enquanto isso a CAOA Chery já vai passando com folga a PSA no Brasil.

  • FREDRED

    Não é possível que eles vão lançar um carro totalmente novo com um motor velho, e as emissões?
    Acho que esse motor não vai se enquadrar nas futuras regras.

    • Gran RS 78

      Tbm não entendi isso, afinal de contas, as novas normas de poluição já não estão em vigor?

      • Sino Weibo

        As normas não foram todas relaxadas por causa da crise?

        • Gran RS 78

          Acho que aqui no Brasil não teve alteração nenhuma a respeito disso.

  • th!nk.t4nk

    Fabricar 208 elétrico no Brasil? Mas nem em sonho. Mesmo que a economia estivesse indo muito bem, iriam importar o conjunto elétrico todo e montá-lo no carro. Como não é o caso, agradeçam aos céus se chegar o e-208 inteiro importado, que já será lucro.

    • Sem noção

      O texto ficou confuso, mas pelo que entendi a montagem foi cogitada na Argentina, onde recebeu investimentos para produzir a plataforma desse carro. Mesmo assim, talvez ainda falte adaptações na fabrica para montar essas baterias por lá.

      • th!nk.t4nk

        Dá na mesma (Brasil ou Argentina). Não teria lógica fabricar com volume tão pequeno. Isso aí vai ser importado e com a cotação do Euro lá em cima.

  • Souza Oliveira

    apesar dos preços e das junções um pouco estranhas desses motores , não deixo de falar o quanto a pegeout tem acertado no design tanto por fora quanto por dentro com esse espetacular I-cockpit !! Quanto a isso tão de parabens !!!

  • Ricardo Paes De Barros

    Muito triste a decisão da Peugeot. Queria trocar meu Polo 200 TSI pelo 208 1.2 Puretech Turbo, mas desanimo se o motor for o 1.6 aspirado. Ou fico com o Polo por mais tempo ou acabo pegando um Nivus.

    • Andre Studart

      Se me permite, por que quer trocar o polo 200 tsi? Já que é um produto bem novo

      • Ricardo Paes De Barros

        Comprei o Polo assim que lançou, e quero trocar só em 2021. Seria capricho meu, depende da situação financeira, etc.

        • Sino Weibo

          Mas o Polo é um carro extremamente sem graça, ainda mais nessa onda de SUVs, até um Nivus é melhor.

          • Daytona

            Exatamente por isso ele iria no 208 1.2 turbo…
            Olha interior do 208 vs a falta de emoção no Polo.
            Ele ganharia em acabamento, design e motor (no caso do 1.2 Turbo)

            • Sino Weibo

              Mas a Peugeot não vai trazer esse motor, vai ser só o 1.6.

    • Carlos AM

      Também estou na mesma situação.
      Estava ansioso aguardando a chegada do novo 208, porém com esse motor 1.6 desanimei total. Não que o motor seja ruim, mas o turbo é muito mais eficiente.

      O jeito agora é aguardar o novo 2008 que virá em 2021 e bem porte deverá certamente vir com o 1.2T e ai popularizar ele por aqui e dividir com outros veículos da marca.

  • Raimundo A.

    Ao ler essa notícia, me lembro sobre a oferta do 1.2 aspirado. Este seria importado e tiveram o trabalho de tornar flex. O 1.6 é feito aqui e com o THP flex. Se não vai ter aqui o 1.2T, vai que a desculpa é ser importado e não querem, por enquanto, investir no flex. Aí, mantém o 1.2 aspirado numa versão que vende pouco, seria a antiga. Os hermanos terão o 1.2T, mas sem ser flex. É o que a Jeep faz graças à tributação daqui ao ofertar na Argentina o Compass com o 2.4. Lá não precisa do flex e o imposto ajuda. Aqui se não for flex complica e a tributação piora. Até hoje só vi três HRV turbo. Tempo a Honda teve e não quis tornar flex e é importado o motor. Além de cara, a versão perde por não ser flex pra quem precisa.

    • Daytona

      Sou um feliz proprietário de um 1.6 THP e, apesar de concordar que 1.2 Turbo seria melhor pro 208, o 1.6 THp já está ai em toda frota e ainda é um excelente motor com excelente cambio.

      Se a questão fosse não gastar adaptando 1.2 PureTech em momentos de pandemia poderia ir de 1.6 THP nas versões TOP.

      Seria o hatch compacto mais veloz do mercado!

  • Alaor

    A geração antiga já saiu de linha em Porto Real. Portanto, se o 1.2 aspirado se mantiver, será no novo 208.

    • Raimundo A.

      Sim, versão de acesso na Argentina.

  • Victor

    Há confirmação de que o antigo conviverá com o novo? Pois na fábrica de Porto Real, o antigo já deixou de ser produzido, no começo de Março.

  • Gran RS 78

    A Peugeot parece que não quer saber de vender seus produtos no Brasil, pois o Novo 208 tinha que ter o novo motor 1.2 turbo, ou o atual 1.6 THP, agora querer lançar esse belo modelo, com o mesmo motor arcaico de sempre, não dá para aceitar. E quanto as normas de poluição? Já não estão em vigor?, pois esse motor 1.6 16v aspirado não deve passar no teste de poluição nos dias atuais.

    • Raimundo A.

      É bom ver as coisas por partes. O 208 tinha o THP numa versão esportiva que mal vendeu. Eu só vi um até hoje, muito menos que outro atualmente que considero raro, parece mais enfeite de loja, Sandero RS.
      Um 208 NG com THP seria algo ao meu ver para concorrer com o GTS da VW, mas primeiro teria que ver como estariam as vendas da nova geração para ver se seria viável retornar a versão descontinuada.
      Concordo que deveria lançar com o 1.2T, que será ofertado na Argentina. Todavia, como especulei acima, talvez esteja condicionando custos, investimento para tornar flex. Ainda teria a questão envolvendo custos de outro veículo com maior valor agregado tipo o 2008 NG.
      Sobre poluir mais ou menos e as novas regras, tem motor que já atende as novas regras de poluentes e talvez o 1.6 cumpra isso apesar de não ser novo. Todavia, a nova regra também prever melhorias na economia de combustível. Isso seria mais atendido com o 1.2T. Se a Peugeot acha que insistir no 1.6 porque atende no limite a novas regras, vai postergar o 1.2T pelos outros motivos especulados ou desconhecidos de nós.
      Se é para questionar, por que a VW usa o MSI no Polo e no Virtus se poderia usar o 170TSI do Up! que deve atender mais as novas regras?

      • Gran RS 78

        Bom, quanto ao antigo 208 thp, era uma versão esportiva e manual, que custava acima dos 85 mil reais, portanto atendia um público muito seleto, sem contar que não possuía uma verão automática, coisa inadmissível nos dias de hj para um veículo acima dos 80 mil reais.
        Se a Peugeot já tem o 1.6 thp flex, seria um diferencial do modelo se a marca oferecesse uma versão dessa nova geração com cambio automático para uma versão top do 208, que iria atender muitos consumidores, sem contar o 1.2 turbo para as versões intermediárias desse modelo, cairia como uma luva para ele.
        Quanto ao Polo 1.6 e Virtus, esse motor é muito mais moderno que o 1.6 16v da Peugeot, que remonta ao início dos anos 2000, portanto o motor MSI da VW, deve atender as novas normas de poluição, e pra quem não quiser, tem o 1.0 TSI como segunda opção para os consumidores.

        • PEDAORM

          Acredito que não utiliza o 170 TSI para ter um opção aspirada mais forte para quem ainda não aderiu aos turbo. Faz sentido ter ambas opções, no caso da Peugeot, se limitariam ao antigo aspirado…

          • É isso que iria responder. Veremos o desdobramento da PSA.

        • Vinicius Mello Lima

          Taxistas. Usam o carro até acabar e não gostam de dar manutenção. Pra eles até o EA211 já é demais.

  • Hernan Carlos Granda

    Eu tenho o 1.6 aspirado num 408 e é o melhor do carro, economico suave e de mecanica sem problema. Sem duvida nao sera atrativo para quem gosta de carro esportivo mais para usuario normal acho legal.

  • Mr Tony

    Tenho o 1.6 aspirado no C4 Cactus e me atende muito bem. Bom e econômico. Tenho que andar 100% com o limitador de velocidade ligado para não levar multa.

  • Anderson Trajano

    É direito cobrarmos o melhor pela grana que pagamos, porém, precisamos entender a situação da PSA no Mercosul. Trazer o 1.2 turbo nessa situação de incerteza, seria um investimento altíssimo sem uma previsibilidade de retorno. As montadoras que investiram nessa tecnologia no Brasil, o fizeram em produtos de grande volume, pois enxergaram o retorno desse investimento num prazo razoável.

    Outro detalhe é que ela pode evoluir em outras “áreas” do carro, como qualidade construtiva, conforto, conveniência, acerto dinâmico, materiais, etc. Digo isso porque VW e GM investiram em motores turbo, mas entregaram carros com soluções construtivas de carro barato. Falo isso com conhecimento de causa, pois minha esposa tem um T-Cross e o conforto de rodagem e o acabamento são dignos de Gol/Voyage, sem demérito.

    Vamos aguardar o carro ser lançado e tirar as nossas próprias conclusões.

    • Daytona

      Anderson concordo mas, como citei acima, fica complicado nas versões mais caras entregar o 1.6 aspirado.
      Acho que deveriam seguir o caminho do Cactus oferecendo 1.6 e 1.6 THP, que já está ai adaptado ao Etanol e Gasolina BR.

    • PEDAORM

      Acho justo e concordo com as criticas acabamento do T Cross, mas considero soluções construtivas e conforto de rodagem dos veículos MQB/MQB-A0 mais do que adequados, elogiáveis.

  • Eric PB

    comprei pra minha esposa a quase um ano atras o 208 e ja mencionei em vezes passadas aqui no site, na epoca paguei 63k no grife entao tabelado em 72. Um otimo negocio visto que nem yaris de entrada é este valor sem falar nos itens de serie do peugeot. Mas o motor 1.6 é apenas modesto para o carro e um tanto quanto bebado pela litragem e peso do carro. Em tempos de onix, polo e hb20 turbos…a peugeot vai insistir neste motor? Ele não é ruim (…) mas não é nenhuma brastemp. Tinham tudo para ser referencia no segmento…mas vão culpar o dólar.

  • Eduardo Cardoso

    1.6 aspirado e autom.: broc.hante. Fico com meu griffe manual pq time que está ganhando n se mexe.

    Botões coloridos e imagens 3 D já existem na tela do tablet do meu sobrinho…nada mudou…aguardar para pegar 208 GT e não mudo mais de opinião.

Quem somos

O Notícias Automotivas é um dos maiores sites automotivos do Brasil, trazendo todas as novidades sobre carros para mais de 450 milhões de pessoas, por mais de 13 anos. Saiba mais.

Notícias por email