*Destaque *Featured Crossovers Ford Lançamentos

Por R$ 100 mil, Ford EcoSport Storm oferece visual exclusivo e tração 4×4

Por R$ 100 mil, Ford EcoSport Storm oferece visual exclusivo e tração 4x4

Eis o EcoSport mais caro comercializado pela Ford. Com apelo aventureiro e sistema de tração nas quatro rodas, o novo Ford EcoSport Storm foi anunciado pela fabricante norte-americana nesta segunda-feira (29) e chega para se posicionar como a configuração mais completa e cara da linha. O novo modelo estará disponível na rede de concessionárias da marca a partir de fevereiro por salgados R$ 99.990 e com a mesma dose de equipamentos entregue pela variante Titanium, que é R$ 3.140 mais em conta.


Logo de cara dá para notar o apelo mais off road do EcoSport Storm. Ele traz grade dianteira com o nome da versão estampado (ao estilo F-150 Raptor); faróis e lanternas escurecidos; rodas de liga-leve aro 17 com pintura cinza; moldura nas caixas de roda; adesivos laterais; retrovisores e maçanetas na cor preta e capa do estepe exclusiva. Por dentro, há detalhes de acabamento na cor laranja; volante e bancos em couro preto e encostos dianteiros com o nome da versão.

Por R$ 100 mil, Ford EcoSport Storm oferece visual exclusivo e tração 4x4

Entre os equipamentos, há sete airbags; controles de estabilidade e tração; assistente de partida em rampas; controle anticapotamento; monitoramento da pressão dos pneus; luzes diurnas em LED; sensores de luz e chuva; retrovisor interno eletrocrômico; chave keyless e partida por botão; ar-condicionado automático; direção elétrica; volante multifuncional com ajuste de altura e profundidade; teto solar elétrico; faróis de xênon; sistema de som Sony com 9 alto-falantes; SYNC 3 com Android Auto, Apple CarPlay e GPS; piloto automático; câmera de ré, entre outros.


O sistema de tração nas quatro rodas é baseado no do EcoSport antigo (de segunda geração). Porém, ao contrário do anterior, a nova versão não dispõe de um botão seletor: a tração é permanente e opera de forma automática, com entrega de torque entre as rodas dianteiras e traseiras conforme a demanda.

Por R$ 100 mil, Ford EcoSport Storm oferece visual exclusivo e tração 4x4

Outra mudança está no conjunto de suspensões, com direito a amortecedores com curso mais longo em 17 mm, molas recalibradas e buchas específicas. Há também direção elétrica recalibrada e bitola mais larga. Segundo a Ford, essas mudanças são capazes de melhorar a absorção de impactos em 15% e o nível de vibração do volante em 40%.

Já o motor é o mesmo 2.0 16V flex do EcoSport Titanium, com injeção direta, que rende até 176 cavalos de potência e 22,5 kgfm de torque. Ele está acoplado a um câmbio automático de seis marchas.

Porém, como já era de se esperar, o EcoSport Storm está ainda mais pesado. São 110 kg a mais, chegando a nada salientes 1.469 kg. Números de desempenho e consumo, porém, ainda não foram divulgados.

Galeria de fotos do Ford EcoSport Storm 2018

Por R$ 100 mil, Ford EcoSport Storm oferece visual exclusivo e tração 4×4
Este texto lhe foi útil??

134 Comentários

Clique aqui para postar um comentário

    • 100 salários pra comprar e mais 100 salários pra colocar gasolina…

      Tenho uma freestyle 1.5 AT que já bebe muito, imagino que essa aí bebe, fuma e chega tarde em casa

        • Fala, Charles! A minha 2.0 estou até achando econômica pelo motor. Tem feito entre 8 e 9 km/l aqui no ABC com gasolina, andando sem pisar (ou melhor, dando uma pisada aqui e ali, ninguém é de ferro, rs). Na cidade, sem exigir, o câmbio sempre joga para a marcha mais alta possível, muitas vezes, vou olhar no conta-giros, e está 1500, no máximo 2000 RPM. Claro, nesse trajeto, inclui também um pouco de rodagem na Anchieta quando vou a SP. Detalhe: está rodada um pouco mais de 500 km agora, quando amaciar, acho que o consumo vai melhorar um pouco. O motor ainda está um pouco amarrado, mas, mesmo assim, com gasolina, voa baixo. Retomadas de 60 ou 80 km/h para 120 km/h são bem rápidas, mas quando exige mesmo do motor, ainda dá para perceber que ele não amaciou. Tive um Focus Duratec (2012) que foi ficar com motor solto mesmo depois dos 3 mil km, então, preciso rodar, rs. Devo viajar em breve, aí a km sobe um pouco. No mais, supersatisfeito com ela, um conforto sem igual, bem silenciosa, bem equipada, multimídia completa e simples de mexer, som espetacular da Sony, para não esquecer de mencionar a segurança: o monitor de pontos cegos e de tráfego cruzado é bem útil sim, principalmente quando a gente dá a seta para mudar de faixa, você vê no retrovisor que não vem vindo ninguém, mas a luzinha âmbar começa a piscar rápido e, quando vai ver, é um motoqueiro apressado vindo, rsrs. Recurso muito bom com o qual me acostumei rápido.

          • Opa Mauro, blza. A Eco hoje está em um nível excelente.., a 2.0 então, vale cada centavo pago! Seria minha escolha também. O Duratec é excelente, tanto de consumo, como de manutenção baixíssima( sequer correia dentada tem). Além do desempenho muito bom..

            • Ah, você vai gostar. A Titanium 2.0 é muito equipada, bem gostosa de guiar, anda bem a danada. Só que tem que tomar cuidado com o pé direito, pois dá vontade de acelerar forte sempre, aí o ponteiro do combustível desce mais rápido, rsrsrs. Andando na manha, tenho feito entre 8 e 9 km/l com gasolina circulando na região do ABC Paulista e em São Paulo capital, sempre fora do horário de pico, ligando o ar 50% do tempo. A minha tem 1300 km, não amaciou o motor por completo, acho que esses números deverão melhorar um pouco depois dos 3 mil km. Quando chegar a sua, conta pra nós o que achou. A minha é azul e atrai bem os olhares por onde passo, rsrsrsrs. Abraço!

        • Ainda tá cedo pra falar, a minha tá com 500km rodados.
          80% estrada (serra) e 20% trânsito pesado, no álcool tá média de 7,5 km/l no computador de bordo.
          Nessa mesma condição no meu New Fiesta powerShift eu conseguia no mínimo 10 km/l no álcool.
          Tô com a impressão que esse motor 1.5 tem torque pequeno em baixa rotação e o câmbio AT ainda rouba um pouco da potência e vc acaba precisando esgoelar mais o carro. Além disso o câmbio dela insiste muito em reduzir marcha.
          Saudades do PowerShift que despejava potência na retomada

      • Não necessariamente um motor sendo mais potente quer dizer que ele beba mais, alguns Volkswagen e Audi mais antigos as versões Turbo bebiam mais que a 6cl! Por causa do peso, as vezes o motor menor precisa ser acelerado com mais vigor pra fazer o carro andar, já o mais potente acaba sendo usado mais suave numa faixa de giro mais baixa e acaba ficando mais econômico!

    • assim, é caro, sim, um absurdo não, pq? infelizmente temos que comparar com outros da msm categoria, e pensando no creta com freio a tambor, e ainda sem os ítens de segurança.. e ainda ganha 4×4 .. ta valendo.. mas q é um absurdo , isto é.. . eu nunca pagaria.

  • Achei que a Ford fez muito bem em
    manter o pacote de equipamentos ao invés do Freestyle (como diziam os rumores) faz muito mais sentido um 4×4 ter teto e farol de xênon, por exemplo! Muito bom, com Renegade 4×4 começando na casa dos 115k pelado e ASX ultrapassado e caro tambem… 100 mil até me parece justo…

        • Roda se troca….motor não. Entre uma Eco perfumada e um Renegade Diesel….minha escolha seria o Renegade. E o “pelado” do Renagade não é tão pelado assim, além de incluir um bom câmbio de 9 marchas, um belo motor de 170cv, freio a disco nas quatro rodas, HDC, ESC….e mais umas firulas.

          • Aproveita pra colocar também 7 airbags, ar digital, bancos de couro, acendimento automático faróis, sensor de chuva, DRL, retrovisor eletrocrômico, chave sem fio, sensor de pressão pneus, central multimídia 8′ com Android Auto, etc

              • Isso é questão de gosto.
                Pra mim primeiro lugar segurança, segundo conforto. Faço questão de todas essas firulas, tanto que preferi a Eco justamente pq os 7 airbags custam uma fortuna na Jeep.
                E sinceramente não me arrependi nem um pouco, se a Eco 1.5 já bebe considerável imagino que o Renegade 1.8 com deve comer e beber

                • Renegade 1.8 nem em sonho….só a versão Diesel me interessa, até porque meu carro hoje é um Diesel. Mas nisto tu está certo: é questão de gosto e cada um compra o que acha melhor para si. Já tive carros com sensor de chuva, de faróis, espelho fotocrômico….é legal, mas usava muito pouco.

                    • Tive dois com sensor de chuva…um Polo e um Aircross. O do Polo até que funcionava bem, já o do Aircross era muito sensível e acionava com meia duzia de pingos, com o para-brisa quase seco. Acabava não usando. Sensor de farol sempre deixei desligado. O espelho é bom, mas não considero essencial.

                    • O do Fluence tem nivel de ajuste (acredito que esses tenham), só que vc pode ter no Fluence um sensor super abrupto ou ser usado corretamente sem exagero nas varreduras).

                      É … então minha experiencia no Fluence tem sido super positiva. Sobre o sensor crepuscular, esse atualmente não é tão possivel já que o meu não é da leva com DRL. Então deixo o farol alto ligado sempre.

                    • Tinham ajuste, os dois, mas do Aircross não era bom.

                      Tu deixa o farol alto ligado?

                    • Não… o farol baixo.

                      Seja de dia ou noite, ele anda ligado. Se fosse o fluence com Facelift, aí eu usaria o sensor crepuscular com mais intensidade. Mas infelizmente na pratica, pelo fato de fazer os “outros” me verem, ando com o farol baixo “para me enxergarem” . Com DRL eu vejo que isso tbm funciona.

                      Gostaria inclusive que meu proximo carro tivesse tal recurso.

                    • Também tenho um c4 lounge e não uso o sensor de chuva. Um espirro e ele ligava com tudo seco, estragando a palheta!

  • Deve ser uma “tormenta” ter que pagar 100k temers numa tranqueira dessa.
    4×4, para muitos vai ser só 16 mesmo. A maioria nem sabe o que é isso.

  • Ficou bem legal! :-)

    Reclama-se do preço, reclama-se do peso, reclama-se do espaço, reclama-se da plataforma de origem, reclama-se dos adesivos, reclama-se reclama-se reclama-se… Eita! Só não comprar.

  • Que coisa mais cafona!
    Cocosport 4×4 que e desfilar nas ruas………. Nem da p/ pegar terra… Logo desmonta qd ver buraco!
    Xô esse carro frágil…. importante e ter 4×4 de alto nivel e também dispõe reduzida p/ trilhar e passeio afora pelo BR que oferece!
    Coco nunca entra na minha garagem…. Estou no meu carro companheiro: SZK Grand Vitara 3 2012 4×4 que exploro mundo afora….!

    • Pode crer, essa história que 90% nao vai usar na areia….manda vim aqui no nordeste. E olha que tem uma fábrica da Ford aqui. No mínimo pneus Atr mais acionamento manual 50/50 da tração. Esse ai perde até pro Duster 4×4 que, ao contrário do que muitos pensam, é bem valente.

        • Verdade. Tem um cara por aqui que calça o duster com pneu mud terrain e coloca ele em trilha e tudo mais. Tem alguns vídeos dele no YouTube. Descobri que o Duster é bem valente. Depois fiquei sabendo que o sistema de tração dele é Nissan. Faz todo o sentido

  • O que quer dizer “chegando a nada salientes 1.469 kg.”??????? Saliente, que eu saiba pode ser: notório, que chama a atenção. Ou seja, o NA acha que esse peso não é alto?? Pois eu acho que é sim, p um Eco. Bem Mais pesado q um Focus Titanium Plus Fastback!

    • Pois é, ficou bem pesada, mas esse motor vai dar conta fácil do recado. A questão é que, comparando com a versão Titanium, vai beber mais ainda. Mas o motor empurra bem sim.

  • Montadoras brasileiras gostam muito disso! Principalmente a esquecida “Fiat” (que não lança carro mais). Encher os carros de adesivos e firulas idiotas, e cobrar 10mil a mais por isso ha ha

  • 1. Fala tanto que é 4×4, mas em nenhum momento diz quais são os modos de tração do carro, informação bastante importante.
    2. Rodas de 17” não combinam em nada com a proposta. Rodas de 16” com pneus de perfil um pouco maior, aí sim.

        • Cefaf, o problema nesse caso é que o acionamento é sob demanda. Os sensores detectam a necessidade de jogar a tração para as rodas traseiras para então aciona-las. Na pratica, não tem como citar modos, mas sim que é feito de forma automatica através de sensores que analisam a necessidade de ter tracionamento. Enfim… funcionamento semelhante a Fusion AWD, entre outros nesse sentido.

  • Uma coisa que eu nao entendi, a traçao é integral como nos subaru? Foi o que entendi disso: “…a tração é permanente e opera de forma automática, com entrega de torque entre as rodas dianteiras e traseiras conforme a demanda.”

  • Não dá pra entender essa galera aqui não.
    Se não é 4×4 é SUV de shopping. Se é 4×4, 100 mil é caro. CRV passa dos 100 tem muito tempo, e não vejo ninguém indignado.

  • Enfim, conseguiram colocar mais um desatino da galera do Marketing nas ruas!
    Uma verdadeira “penteadeira de cigana” custando $100 mil!
    A Ford se especializando em maquiagem e cosmética enquanto a concorrência busca por melhores produtos que o dela, o que de fato já conseguiram faz um tempinho…
    Não se admirem se fecharem as portas por aqui até 2020!

  • A Cada dia que passa, estou começando a achar que SUV é mais um conceito de Design do que propriamente uma categoria. Hoje, qualquer carro que venda uma imagem ‘off-road’, mesmo que não seja, leva o nome de SUV, e isso é um erro, porque a proposta para o qual eles são feitos, muitas vezes torna-se inviável para eles, devido a terem suspensões inadequadas ou a falta de tração integral. Pra mim, deveria ser obrigação de qualquer carro que se classificasse como SUV, de vir de fábrica, desde as versões de entrada, com tração 4X4.

  • Realmente 100k na ECO é caro, alias na maioria dos carros hoje em dia, pois afinal quase qualquer um passa de 100k. 80k nessa versão top de linha tava mais que justo o preço.. Mas Justo e Brasil são palavras difíceis de andarem juntas rsrsrs

Quem somos

O Notícias Automotivas é um dos maiores sites automotivos do Brasil, trazendo todas as novidades sobre carros para mais de 450 milhões de pessoas, por mais de 12 anos. Saiba mais.

Notícias por email