Porsche inicia construção fábrica de metanol sintético no Chile

Porsche inicia construção fábrica de metanol sintético no Chile

Assim como a Audi, a Porsche inicia sua caminhada pelos combustíveis sintéticos com a construção de uma fábrica sustentável no Chile, que produzirá metanol sintético para uso de seus carros de corrida Porsche Mobil 1 Supercup de 2022, inicialmente.


A ideia é posteriormente converter 40% da produção de metanol em gasolina sintética para os carros comuns. O complexo fica no sul do Chile e está sendo construído em parceria com a Siemens, chamado Projeto Haru Oni.

Para 2022, a capacidade será de 220.000 litros de metanol, mas em 2024 alcançará 55 milhões de litros e 550 milhões de litros em 2026, com dois quintos disso como gasolina sintética.

Porsche inicia construção fábrica de metanol sintético no Chile

A estimativa da Porsche é que a iniciativa reduza em até 90% a emissão de CO2 e a fábrica operará de forma sustentável, com um aerogerador fornecendo a energia elétrica.

O processo envolve a captação de CO2 da atmosfera e a eletrólise da água, separando assim oxigênio do hidrogênio, sendo este último usado num processo químico com o dióxido de carbono filtrado do ar.

Esse processo permite a obtenção de metanol sintético, mas pode produzir também querosene (usado na aviação comercial), diesel e gasolina, todos igualmente sintéticos.

Porsche inicia construção fábrica de metanol sintético no Chile

A tecnologia surgiu em 1925 e conhecido como processo Fischer-Tropsch, sendo assim uma alternativa para o uso de derivados de petróleo. O Brasil, com sua capacidade eólica enorme nas regiões Sul e Nordeste, reúne condições para um emprego em grande escala dessa tecnologia.

Chamado eFuel, o produto será divulgado através das competições que a Porsche disputar até que as etapas de produção em grande escala ocorra no Haru Oni.

Com isso, a marca alemã fornecerá combustível suficiente para alimentar a frota de carros esportivos, sendo 70% do total produzido em sua história ainda estar rodando, segundo a Porsche.

Após o fim dos carros híbridos plug-in, o combustível sintético ainda moverá por muitos anos os carros existentes e, por fim, poderá produzir até hidrogênio aos veículos futuros.

 

Ricardo de Oliveira

Técnico mecânico, formado há 25 anos. Há 14 anos trabalha como jornalista no Notícias Automotivas, escreve sobre as mais recentes novidades do setor, frequenta eventos de lançamentos das montadoras e faz nossos testes e avaliações. Também trabalhou nas áreas de retificação de motores, comércio e energia.