Esportivos Fiat Hatches Projeções

Projeção: Argo T-Jet para rivalizar com Polo GTS

Projeção: Argo T-Jet para rivalizar com Polo GTS

O Polo GTS chegará em breve para apimentar a oferta da Volkswagen no mercado de compactos. Mas, e como seria um rival da Fiat? O Argo tem tudo para assumir essa tarefa se a marca italiana voltar a apostar em performance. Como no passado com Punto e Fiat 500, a empresa poderia trazer de volta a sigla T-Jet.


Essa projeção de Kleber Silva, dá um vislumbre de como seria essa proposta de um Fiat Argo T-Jet. Visualmente, o próprio design do hatch em si já aposta na esportividade com linhas expressivas, especialmente na versão HGT, que tem apelo voltado para o desempenho, embora o motor E.torQ Evo 1.8 de até 139 cavalos não seja o mais indicado para essa missão.

Na frente, faróis e grade já cumprem essa função, mas o para-choque de um Fiat Argo T-Jet seria mais radical, com grandes entradas de ar laterais e spoiler mais pronunciado que no HGT. O conjunto de rodas aro 17 polegadas seria vistoso, empregando pneus 205 R17 e com calibração de suspensão mais rígida.

Projeção: Argo T-Jet para rivalizar com Polo GTS


Na traseira, as lanternas escurecidas, assim como os faróis, daria o tom do T-Jet, que também apostaria em um novo sistema de escape duplo cromado ou em preto fosco. Difusor de ar, defletor no teto e saias laterais integradas completariam o visual. Por dentro, acabamento personalizado, bancos esportivos com apoio de cabeça integrado e volante de fundo chato.

Em termos de desempenho, um Fiat Argo T-Jet não apostaria no retorno do velho 1.4 MultiAir Turbo, mas no novo Firefly 1.3 Turbo, lançado na Europa. Na versão de 150 cavalos e 27,5 kgfm, tendo ainda opção flex, podendo até atingir 160 cavalos. Nesse caso, poderia ter tanto câmbio manual de cinco ou seis marchas, assim como automático com seis velocidades.

No mercado, o Fiat Argo T-Jet bateria de frente com o VW Polo GTS, que terá motor 1.4 TSI de 150 cavalos e 25,5 kgfm. Outro que deve ter um novo motor mais adiante é um Renault Sandero R.S. 3.0 com motor TCe 1.3 de 163 cavalos.

[Projeção: Kleber Silva]

Projeção: Argo T-Jet para rivalizar com Polo GTS
Nota média 5 de 5 votos

  • Eduardo T. Küll

    No estilo, pessoalmente, não gostei da quantidade de partes de Punto na projeção, são “bichos” diferentes demais em estilo para este mix ficar bom. Sobre o conceito do modelo T-Jet para o Argo, o modelo merece, mas permanecem dois problemas. Primeio, Argo/Cronos, assim como Polo/Virtus pecam em não oferecer conjunto completo de airbags, ainda mais em versões esportivas. Segundo, é a lerdeza da Fiat com estes motores turbo para nosso mercado.

    • ALEXANDRO HENRICO VON MANN

      Cara, eu achei que combinou até, acho que dados os devidos ajustes, e sendo inspirado e não uma cópia, esse body kit combinou com o visual do Argo. Com relação a não ter todos os air bags, concordo contigo, passou da hora de só terem o básico exigido por lei, e concordo também com a atual lerdeza da Fiat, que antes era das mais ágeis do mercado em lançar novidades importantes e novas tecnologias, atualmente está lerda para isso. Não a toa, estão perdendo tanto mercado assim.

    • EuMeSmObYmYsElF

      a dianteira até ficou ok.. o resto, não

      • visanpai

        Na dianteira faltou dar uma melhorada na grade/farol, que acho a pior parte do desing dele.

  • Verdades sobre o mercado

    Para realmente fazer frente ao Polo GTS teria que ter a variante mais potente do Firefly Turbo de 180cv pois aí teria um diferencial interessante visto que no conjunto o Argo não supera o Polo como já amplamente constatado pela imprensa especializada.

    • Ford Opala Attractive 200TSI

      Não se trata apenas de motor ( obviamente o TSI 1.4 dá um show), o Argo é um carro totalmente voltado ao conforto, não tem nada de esportivo.

      A suspensão é macia, não é molenga, mas passa longe de ser esportiva. O câmbio também é macio e de boa empunhadura, mas de curso longo. A direção elétrica é ultra-mega leve, a posição de dirigir é alta mesmo na regulagem mais baixa. Ou seja, para ser um esportivo tem que mudar quase tudo rsrs

      • Edson Fernandes

        Ué… olha o “vizinho” desse Argo… o Sandero. O Sandero civil não tem nada a ver em rodagem ao RS. Pq a Fiat não pode fazer o mesmo.

        Para quem já produziu um Uno turbo com seus 117cv e no motor 1.4 turbo… essa missão frente ao Argo não me parece ser dificil. E ela tem toda a preparação que fez no passado no Punto. Mas merecia um cambio de 6 marchas, pq esse de 5 da Fiat pelo amor dle Deus… é pessimo.

    • th!nk.t4nk

      180 cv num Argo só se for pra se matar. O carrinho mal foi projetado pra metade disso, como mostram os testes de pista no Youtube. E não é nem questao apenas de suspensão, falta rigidez estrutural, falta segurança, falta tudo.

      • Edson Fernandes

        Se vc considerar assim, considere igual ao Sandero. Só que o Sandero se dá bem em rodar forte, pq o Fiat não faria o mesmo?

        • Dirceu M

          Porque o sandero tem anos de teste e “feedback” dos clientes. Argo é novo e ninguém sabe se aguenta o tranco. Deduzir resultados porque “um carro da fiat aguentava” é complicado

          • Edson Fernandes

            Ué…. tem o Punto em que o Argo aproveitou parte do que ele tinha. Além do que, o Argo é uma evolução direta do Palio e esse já teve o 1.8R (Sporting 1.6 16v tbm), pensando no historico, dá sim para considerar que a Fiat tem capacidade para tal.

            • Dirceu M

              Mas eu tava falando mesmo era do conjunto inteiro do carro. Capacidade ela tem, como você disse. Mas o problema é oferecer ao público uma possível bomba. O Argo importou tudo do Punto? Conjunto de câmbio, caixa de marcha, eixo de torção, suspensão? Porque se mudar um desses, teria que rever a potência pro carro.
              Claro que os engenheiros da Fiat sabem o que fazem e nem olhariam por cima do ombro para saber uma opinião de um mero curioso como eu, mas eles teriam que testar e estressar muito o carro antes de lança-lo.

              O que quis dizer com meu comentário acima é: Talvez o carro, na sua atualidade, não aguentasse 180 cv, porque para mim, realmente ele não está com cara de que aguentaria 200km/h ou uma curva acima de 100km/h.

              Mas como você disse, a Fiat teria 100% garantido a capacidade de lançar um Argo preparado para aguentar isso, se não mais. Mas isso levaria muito tempo e analise de como os carros reagem com meses de uso.
              Argo é um carro “novo” (estilo Toro, feito do zero) e não se sabe ainda o que pode acontecer com o carro se submetido a um estresse brutal (um feedback de 10,000 carros nas ruas diz mais do que 10 nos testes de analise de engenharia).

              • Edson Fernandes

                Eu creio que a Fiat no momento em que criou o Argo, tinha que fazer com o que tem “em casa”. E “em casa” tem o motor 1.8 como opção de topo para motorização.

                Talvez os firefly turbo sejam produtos que mais tarde em produção nacionalizada renove. Mas outra força ao Argo “esportivo” pode ser o lançamento do Polo GTS (que por enquanto é conceito) com motor 1.4 TSI. Ele com o motor 1.3 seria mto do interessante.

  • Allifen Marques

    Provavelmente não se chamará “T-Jet” pois esse era o código do motor usado no Bravo e no Punto, além da projeção ter copiado e colado os para-choques do Punto T-Jet

    • Stunt

      Bem observado e assim como já foi com Uno e Palio, em diferentes épocas e familias de motores, no passado, é a oportunidade de relançar a nomenclatura “R”

      • Daniel Lacerda

        Um Argo R ia ficar massa.

      • Edson Fernandes

        Só lembrando que todo carro “Sporting” da Fiat é descrito assim: “SpoRting” (o R é justamente de Racing que a Fiat já banalizou).

        Ela terá que chamar com outro nome. Se ela não quiser chamar de Abbarth (porque pagaria Royalties para essa divisao), poderia usar EsseEsse (pois o 500 tem a mesma potenica nessa versão, ainda que seja o 1.4 multi air turbo), poderia usar GT, Sport….

        • Stunt

          Exato Edson, os SpoRting sempre tiveram, de fato, apenas o apelo estético, Abarth é uma opção e já foi usado por aqui no Stilo 2.4 porém, sem tanto alarde, GT acho que associa um pouco aos carros da VW, mas ainda tem o EsseEsse como vc muitíssimo bem lembrou!

          • Edson Fernandes

            Lembre-se que teve Stilo Abbarth, Bravo foi pensado em ter e pelos royalties perdeu a inscrição para ter os T-Jet (pelo motor turbo) e ainda teve o proprio 500 Abbarth. (que era uma versão com turbina diferente do EsseEsse e por isso de menor potencia, 165cv).

            Mas a Fiat precisa criar uma familia de esportivos e mante-los em uma nomenclatura especifica. Essa coisa de ficar mudando ou tentando dar um novo ar para a mesma sigla só depoe contra ela mesma.

            • Stunt

              Sim, precisa mesmo, nosso mercado é bem conservador, por questões culturais e também econômicas, sabemos que o brasileiro enxerga o carro como algo muito valioso e o fato de tirar um modelo de linha e colocar um sucessor com outro nome e depois de alguns anos volta a produzir com o nome anterior acaba refletindo de forma negativa, pois causa uma confusão e gera muita desconfiança até mesmo nos clientes mais fiéis à marca.

  • Lucas Alves

    Eu não chamo isso de projeção, apenas de um armengue, inchertarão o para-choque do Punto no argo, apenas isso.

    • CanalhaRS

      Pois é, não entendi essa. O cara foi preguiçoso ao fazer a projeção, já que deveria se basear no que a Fiat faz hoje e não inserir uma pedaço de um modelo antigo em algo novo.

      • Edson Fernandes

        Inclusive poderia manter a roupagem hGT com melhorias…

  • Arnaldo Probo

    O antigo Motor 1.8 16V Fiat seria gambiarra ! O Ideal é desenvolver o ja existente 1.3 com Turbo ! com +ou – 142 CV . !

    • Emanuel Schott

      Na Europa o 1.3 Turbo já tem 150cv.. nossos motores Flex são mais potentes que as versões a gasolina europeias, portanto vai passar muito desses 142cv.

      • Dirceu M

        Li em algum canto que o fato de ser flex é dúbio. Carros flex roubam algo, não lembro o que. O fato de flex pode não indicar sempre eficiência do motor, logo não dá pra afirmar que teria mais de 150cv.

        • Emanuel Schott

          O flex SEMPRE é mais potente devido ao etanol, tanto o puro quanto o adicionado a nossa gasolina.

          Compare a potência de motores iguais em nosso mercado e na Argentina ou Europa. A nossa é sempre maior.

          • Dirceu M

            Sim, é isso mesmo. procurei novamente no que o flex é desvantajoso e são outras coisas:
            O rendimento energético do etanol é inferior à gasolina;
            Não é eficiente no frio;
            é necessário abastecer uma maior quantidade de álcool para conseguir andar o mesmo que a gasolina.

            • Emanuel Schott

              Sim, tudo isso é verdade..

              Mas eu não disse nada disso. Só disse que motores Flex são sempre mais potentes que motores somente a gasolina.

              Exemplos?

              O TSi do Up tem 90 CV no modelo europeu (aqui tem 101 na gasolina).

              O TSi do Polo e do Golf tem 110 CV na Europa, aqui tem 117cv.

              O 1.3 Firefly do Argo e Cronos tem 95cv na Argentina, aqui são 101cv.

              Note que todas as comparações foram feitas na gasolina, no etanol a diferença é maior ainda.

              • Dirceu M

                Eu sei, achei que fui claro quando confirmei logo no inicio. Eu quis dizer que você estava certo, eu errado. Dai depois levantei o que tinha confundido. Etanol de fato é mais potente.

  • Tosca16

    Bom, ficou bom; mas T-Jet ou não T-Jet trazendo os motores turbo Firefly já estaria em pé de igualdade, ou bem mais próximo dos Polo e Virtus a dupla Argo e Cronos.

  • Lucas

    traseira medonha.

  • Hugo Leonardo Dos Santos

    Não precisa nem ter o visual do Punto, apenas um 1.3 turbo com câmbio manual de 6 marchas

  • vi.22

    Embora tenha usado os para-choques do Punto eu axo q caiu mto bem ao carro
    Tive um punto t-jet,e de uma grande variedade, 300c, ram 2500, eclipse, Jetta, Golf, fusion, etc, sem dúvidas um dos carros mais gostosos de dirigir que já tive…

  • Marco

    Gostei muito das lanternas traseiras translúcidas. Os faróis do Argo também são muito bonitos. Mas a quantidade de adereços dos parachoques eu sinceramente achei muito “carregado” no visual. Beira quase a um estilo Adventure.

  • afonso200

    nao vao fazer, visto que SUV estao rendendo mais (renegade e compass)

    • Leopss

      Na verdade já existe o Argo HGT. Só precisa colocar o motor 1.3 turbo no lugar do 1.8. pois o motor 1.3 turbo virá para equipar o renegade e o compass de qualquer jeito.

      • Emanuel Schott

        Não sei em um esportivo, mas o 1.8 deve ser substituído pelo 1.0 turbo no Argo e no Cronos e talvez em uma futura geracão do Uno.

    • Emanuel Schott

      Hatchs compactos ainda são os carros mais vendidos do país, bem a frente dos SUVs.

  • Danillo Barros

    Pq não colocaram esse 1.4 turbo no Renegade?

    • jvfig

      Inclusive nos EUA é utilizado, também me pergunto isso

      • Emanuel Schott

        Não mais.. nos EUA agora também é usado o Firefly turbo.

    • ricmoriah

      agora será 1.3 Turbo, o Firefly europeu.

    • Emanuel Schott

      Porque esse motor é importado da Romenia e aumentaria muito o custo do produto, além de não ter versão flex, o que aumenta o IPI.

  • jvfig

    Qual o motivo da Fiat abolir o motor TJET? Poderia ser muito bem utilizado no Argo HGT, Renegade, Compass e Toro (muito superior ao tal Tigershark bebedor).

    Ele compartilha muitas peças com o Fire 1.4 8v clássico da fiat, não acredito que seria tão dificil montar uma linha de montagem de tal motor aqui

    • ricmoriah

      Agora tem o novo Firefly Turbo 1.3 que é mais limpo e moderno que o antigo Fire T-Jet.

    • Emanuel Schott

      Custo. O T-jet era importado da Romenia, além de não ter versão flex, aumentando o IPI.

      Já não vende muito HGT e seus quase R$80.000, agora imagine ela beirando os R$100.000.

      • jvfig

        Atualmente não mais porque já existe o 1.3 firefly turbo na prateleira, mas se por volta de 2009-2010 que foi a época da chegada do T-jet em punto e linea, a fiat viabilizasse a produção do mesmo no Brasil, acredito que ela teria uma boa opção de motor e poderia até postergar a vinda do 1.3 firefly.

        A flexibilização do motor nao deve ser impossível, uma vez que o Fire 1.4 8v é flex, e a VW conseguiu flexibilizar o 1.4 tsi, ganhando inclusive 10cv.

        Nao vejo como tendo sido uma boa estratégia jogar todas as fichas no velho Tritec

        • Emanuel Schott

          Pra nacionalizar a produção é necessário ter volume que justifique o investinento. O 1.4 turbo era usado em dois modelos muito específicos por aqui. Investir uma grana pesada ou tirar espaço de produção de motores mais populares pra vender, sei lá, 3000 carros com ele por ano não seria uma coisa muito inteligente.

          O 1.3 turbo será usado em muitos modelos, desde os Fiat mais caros até os Jeep mais baratos, além de compartilhar plataforma com o 1.0 e 1.3 aspirados e 1.0 turbo. Por isso a comparação com o antigo T-jet não dá pra ser feita.

  • Danilo

    roda zuada desse carro heim…. alias nao gosto de fiat nem sei pq to comentando

  • MonHoe

    Não casou nada! Só sei que o que faria bem pro Argo seria um AT6 na 1.3 e o pacote tecnológico do Precision na versão drive também

  • Sandero RS 3.0 !? Oi?

  • Dirceu M

    Pelo histórico mutável e cheio de inovações da Renault, não duvido que o novo sandero RS 3.0 vai ser o mesmo do RS 2.0. 2.0 aspirado de 150 cavalos! Só vai mudar o volante, a multimidia e o parachoque vai vim com firulas.
    Zueira a parte, Sandero RS é um carro realmente esportivo

Quem somos

O Notícias Automotivas é um dos maiores sites automotivos do Brasil, trazendo todas as novidades sobre carros para mais de 450 milhões de pessoas, por mais de 12 anos. Saiba mais.

Notícias por email