Europa Fiat Hatches Projeções

Projeção: Novo Fiat Punto 2017

punto-4

Ainda não sabemos como o Novo Fiat Punto será em sua versão brasileira, mas de acordo com o site Omni Auto, o hatch compacto para a Europa chegará com visual mais orientado em direção ao Novo Fiat Tipo, com o qual compartilhará a plataforma.

A quarta geração do Punto é esperada para 2017, tendo uma abordagem amigável e racional do Panda, aliado à filosofia global do Novo Fiat Tipo. Além disso, elementos do Fiat 500L podem ser introduzidos no visual.

Apesar de a proposta ser bem mundial, ele deverá ficar restrito à região EMEA (Europa, África e Oriente Médio), enquanto Brasil e Índia mergulham em um projeto mais barato.

Ainda assim, embora tenha Fiesta, Polo, Corsa, 208 e Clio como concorrentes na Europa, o Novo Punto europeu não focará em um nível de acabamento premium, tornando-se uma opção mais enxuta e de baixo custo.

A plataforma será a mesma B-Wide do Jeep Renegade e Fiat 500L, mas não será maior que 4,10 m. Na motorização, apenas propulsores já conhecidos, tais como o 1.2 de 69 cv e diesel Multijet 1.3 de 95 cv. Comenta-se que o TwinAir Turbo 0.9 de 105 cv substituirá o 1.4 16V de 100 cv. O Novo Punto deve ser feito na Turquia.

[Projeção: Omni Auto]





  • Igor Guimasi

    Procurando os elementos do Fiat 500…

    • DiMais

      traseira.. caída do teto, coluna C do 500L.. lanternas… isso na projeção…

      • Pedro Neto

        e vamos aguardar o interior

    • DTF

      acho que ele quis dizer elementos do Fiat Panda europeu…

      • 4lex5andro

        o titulo da materia deveria ter especificado, o carro de inspiraçao é o 500L, distinto do cinquecento importado pela fiat br ..

        o nome é identico, mas sao carros muito diferentes ..

      • Pedro Neto

        ou dos 500tões, 500X e 500L

    • Gavlan The BeerMaster

      O emblema da Fiat.

    • Eduardo

      acho que queriam dizer elementos do novo Tipo, hahaha

  • DTF

    Horrivel….não vai rolar um desenho desse…..mas revolta de verdade é que o Brasil fique agora com projetos de qualidade inferior….estamos regredindo cada vez mais!!!

    • Du Beckedorff

      Li em outro site que a diferença entre o Punto europeu e o brasileiro será a plataforma, nós utilizaremos a 326, do palio, alongada e reforçada, enquanto o europeu usará a B-wide do 500L, o que já acontece com o nosso Punto atual que não ultiliza mesma plataforma e acabamento do europeu…

      • Rodrigo Alves Buriti

        Um dos motivos que me fez afastar do Punto quando procurava um…exatamente esse da plataforma adaptada

  • Erlandio Ramos

    Esse vai ser um Punto Tipado meio Quinhentozado e com uma mistura Pandada, isso lá pros Europeus. Então isso significa q o nosso vai ser além de uma gambiarra desse aí ainda vai ser pobre de conteúdo, acabamento e motorizações ultrapassadas como se referem na matéria.

  • Felipe

    Nem o baixo custo da Europa “serve” mais para o Brasil.
    Dá-lhe baixo custo do baixo custo pra “nós”!

  • B4evernews

    O design da coluna traseira não combina. Teto muito arredondado, parece do C3. O farol parecido com o do Fusion, não combina com a frente. Valeu a intenção…

  • Lauro Agrizzi

    O novo Punto seria o Tipo Hatch?

    • clearboxer

      Não, o Tipo hatch vai ser um pouco maior e entrar no segmento C na Europa, onde o Bravo esteve um dia, porém com preço mais baixo que Focus, Golf e 308. O Punto vai no segmento B mesmo, com Corsa, Fiesta, Polo, 208, etc.

  • Jofran Martins

    Afrente ficou legal, mas do retrovisor para trás tá parecendo um Citroen C3, de tão redondo.
    Detesto carro com formas arredondadas demais!!!

  • pedro rt

    o nosso novo PALIO sucessor do atual palio e do punto chega em agosto de 2016, tera a plataforma do atual palio mas alongada no entreeixos e reforçada na estrutura, chegara antes do q esse europeu

    • Raimundo A.

      Em 2016, o planejamento cita para a América Latina novos Punto e Grand Siena. O novo Palio virá em 2017 e o novo Siena em 2018.

    • Thiago Maia

      Ninguém sabe se o X6H será chamado Punto ou Palio. Estão prometendo o novo Punto, e não novo Palio.

      Havia, no planejamento apresentado em 2014, um slide afirmando haver novos Palio e Punto; em outro, porém, eram dados como um só modelo. Ninguém sabe ao certo

  • Miguel

    Espero que a Fiat consigo algo melhor que esse…

  • Gustavo Carmo

    É o meu navegador, a minha conexão ou o NA está demorando para carregar a barra de rolagem? Eu tenho que atualizar diversas vezes. Parece que o site está pesado.

  • fbl

    Esse brasil da esquerda, sempre com o pior…rsrs

  • clearboxer

    A tendência parece ser a Fiat brasileira não compartilhar mais nada com a europeia. O pouco que ainda tem é feito em plataforma mista de Palio e está bem envelhecido. Os que não usam plataforma de Palio, nem existem mais na Europa. Não é a toa que a Fiat foi a que mais perdeu mercado em 2015. Não renovou NADA em sua linha, e assim continuará até o X1H chegar, mesmo assim vão lançá-lo portando motor Fire 8v. Lamentável.
    Por outro lado, vendendo Jeep Renegade aos montes, com certeza não estão muito preocupados em vender cada vez menos Palio, Siena e Uno.

    • Tosoobservando

      Evoluçaõ natural, a Fiat poderia trocar todos seus componentes e sua fabrica pelos produtos Chrysler aqui no Brasil, o mercado agradeceria!

      • Thiago Maia

        Acontece que estão indo por partes. Chrysler e Dodge ainda são muito “americanizadas”, e porisso não são marcas globais como Chevrolet e Ford.

        Não há como vender as barcas americanas na Europa e na América Latina. Os modelos teriam de ser “mais globais”, como são as japonesas. Aparentemente, a Chrysler ficará com essa tarefa , e a Dodge vai virar sinônimo de “muscle car”, que nos outros países é mercado de nicho.

        Mas a Jeep, por já ser global, é prioridade. Alfa Romeo, também. Os modelos Chrysler e Dodge são feitos hoje visando exclusivamente o mercado americano.

        Então a Fiat deve continuar atuando globalmente, variando a estratégia, dependendo do mercado

        • Tosoobservando

          Que barcas?? Tem dois modelos otimos que a FCA nao traz pq é lenta, Chrysler 200 e Dodge Dart. Venderia muito, mas sao devagar.

          • Thiago Maia

            O Dodge Dart é feito sobre outra plataforma, a CUSW.

            Sobre o 200, um belo carro, a questão é o pouco mercado e o preço com o qual viria importado dos EUA. Se ficar muito próximo do Alfa Romeo Giulia, a tend~encia é a opção pelo italiano. Na Europa, esse foi o julgamento de Marchionne: os europeus preferem comprar BMW serie 3, Classe C e Audi A4 , sedãs de no máximo 4,70m, do que sedãs equivalentes no preço, com 4,80m , de marcas generalistas. Por isso a idéia de unificar Chrysler/Lancia foi abandonada. Na Europa, Fiat ficará com os modelos pequenos ,a Alfa com os premios, a Jeep com os SUVS.

            Aqui a questão não é nem essa, mas o preço ( só o Fusion mexicano vende!). Se na Europa não compensa a importação de modelos grandes generalistas, em outros mercados, sim. Mas o processo de globalização da Chrysler precisa de tempo – até por que só há 3 modelos em linha.

            Por quê você acha que a Chrysler precisou da fusão com a Fiat, e GM e Ford se recuperaram apenas com cortes de custo?

            Os sedãs Chrysler/Dodge eram verdadeiras barcas, pesadas e beberronas. GM e Ford, por serem mais globais, tinham opções, inclusive de motores, e eram marcas globais.

            • Tosoobservando

              Sim estou falando dos novos modelos, mas msm quando a Chrysler era de sedans grandes, barcas etc.. sempre fez sucesso no Brasil, a Dodge ate chegou a ter fabrica no Parana. Dodge Dart ja deveria ser produzido aqui, pra disputar com Civic, Corolla etc.. e Chrysler 200 daria sim pra ser importado, se trazem Nissan Altima, GM Malibu, Toyota Camry e outros, pq não poderiam importar ele abaixo do 300C que ta quase 200 mil?

            • clearboxer

              Cara, só tem um equívoco na sua análise: das três grandes americanas, a que foi mais destruida na crise foi a GM, não a Chrysler.
              A GM só vendia carros de 5a categoria em 2009 ao redor do mundo inteiro, em todas as suas divisões. Quebrou e hoje é outra empresa, tem até capital estatal no meio.
              A Chrysler já não tinha dono americano há tempos, só mudou das mãos da Daimler (que transformou a Chrysler numa fabricante de Mercedes velhos requentados) para a Fiat, cuja filial brasileira carregou o grupo nas costas por anos e ainda bancou a volta da marca aos EUA, com a Chrysler no bolso e tudo.
              Por isso fico revoltado com o desprezo da Fiat com o mercado brasileiro. Temos a maior fábrica do grupo, 2a maior fabrica de autos do mundo, em Betim, e a Fiat não fabrica lá um produto de nível sequer. Pelo andar da coisa, Fiat que presta vendido no Brasil a curto prazo, só a Toro.

    • Murilo Soares de O. Filho

      Na verdade, ainda pouco se sabe sobre os futuros lançamentos, desde que a Fiat assumiu a Chrysler, o planejamento do Grupo mudou radicalmente, pois é preciso criar sinergias entre as marcas, então não faz muito sentido a Fiat Brasil apresentar produto exclusivamente para o nosso mercado, a longo prazo. Pelo menos ao que parece, com o a picape Toro, será um produto muito bom e com real chances de exportação e até mesmo fabricação em outros países. Então acredito que seus produtos serão aos poucos sendo globalizado, não digo 100% da linha, mas alguns produtos serão, é um caminho sem volta, para todas as montadoras.

  • Hox

    O Brasil vai de mal a pior, agora é considerado um mercado menos exigente que África e Oriente Médio. Pra atingir o fundo do poço só se ficar abaixo de Índia, Bangladesh, Camboja, Butão e cia, o que não deve demorar muito. Daqui a pouco estaremos recebendo projetos piores que os feitos para os países pobres do sudeste asiático.

  • A fiat tem que desistir desses segmentos onde já perdeu mercado faz tempo. Transforma em marca de baixo custo e deixa a Chrysler como generalista.

    • Murilo Soares de O. Filho

      Mas o segmento do Punto é onde A Fiat sempre teve força. A questão não é essa, a Fiat demorou muito para renovar seus modelos chaves.

      • Thiago Maia

        O processo de fusão com a Chrysler também atrasou os modelos. Mas findou sendo melhor- a não ser para a Lancia

  • Murilo Soares de O. Filho

    A Fiat está cometendo os mesmos erros da VW no passado, mas enfim vamos esperar os lançamentos, até porque nada é oficial e tudo que sai na imprensa é especulação. Mas vamos aos fatos, todo nós sabemos que a Fiat racionalizou a gama para os futuros lançamentos entre racional e emocional. Outro detalhe, na Europa quando define um modelo como baixo custo, não quer dizer pobre, ruim ou mal construído, e sim modelos racionais quanto ao uso e público, agora Brasil, baixo custo virou sinônimo de porcaria, o que não é bem assim. Se olharmos para os nossos carros hoje, percebemos que ainda, por pior que seja em relação aos europeus, americanos e japoneses, possuímos carros bem melhores que a 20, 10 anos atrás, salvo algumas exceções. O que realmente me deixa indignado são os preços praticados aqui, infinitamente superior a qualquer mercado razoavelmente maduro.

  • Rafael Ribeiro

    Feio e com mecanica ruim. Depois a fiat se pergunta porque só vende no br.

    • Fábio

      Fiat não vende bem na Itália e na Turquia?

  • Pedro Cunha

    Considerando o status do mercado, as opções da FCA no brasil e as ‘mulas’ do novo punto, apostaria mais num estilo “grand-siena-hatch”, com a traseira de linhas próximas ás do atual Bravo(sem lanternas elevadas) e a frente sendo um “facelift” da atual existente no Grand Siena. Assim como a Renault fez na nova geração da dupla Sandero/Logan(dando-lhes exatamente a mesma porção frontal), a fiat fará o oposto, remodelando o Grand Siena e lançando o novo punto com pequenas diferenças na porção frontal e parte traseira(Obviamente por ser uma “dupla” Hatch & sedan). Esse é meu prognóstico.

  • Adriano Rebeca

    Os povos brasileiro e indiano são de classe inferior que não merecem produtos de qualidade?
    A cada nova noticia que vejo com a informação de que só teremos produtos mais baratos, me sinto mais ofendido por estas montadoras que não nos respeitam, e que só nos veem como inferiores perante as outras nações.

    • Tosoobservando

      Cada povo tem os carros que fez por merecer (e paga pra isso). Não ter tecnologia propria e precisar depender de multinacional da nisso.

  • Thiago Maia

    Prova que o TIpo hatch é verdadeiramente um hatch do segmento C. Deve ter o tamanho do Golf e ter o mesmo que qualquer hatch “completo” do segmentoB na Europa.

  • Thiago Maia

    Sobre o tamanho, a ser confirmado mais que quatro metros, será mesmo um diferencial. Estranha por que deve ser no máximo 20cm menor que o TIPO, mas o fato de ser um “projeto econômico”, pode explicar isso.

    Punto seria mais barato que um Fiesta, e o Tipo mas barato que um Focus. Não significando que o Tipo seja um rival do Fiesta, em vez do Focus. Isso , na Europa.

    Os modelos Volkswagen e Skoda costumam usar esse “escalonamento” nos preços.

  • Krusty Sombrio

    Tenho um Punto, ótimo carro, mas não sei se compraria outro, acho que a Fiat demora pra reagir e hoje em dia temos o bom Sandero RS por R$ 58.880,00, New Fiesta, Fox 1.6 16v…

  • Marcos Lopes

    o correto seria:
    Especulação : Novo Punto com elementos do Fiat 500

  • Bruno Wendel Marcolino

    Achei bacana, porém certamente essas roda “18 ai não vão ser de série e se vier para o Brasil espero que não coloquem mais o 1.4 de 85 cv de pura morosidade no Punto.

  • fabio

    E a versão T-JET? Eu tenho e adoro, mas está mais do que na hora de um turbo flex com mais de 152 cv e 21,1 kgfm, que está ficando ultrapassado já.

    • Pedro Neto

      e injeção direta

  • kikofar

    Jeitão de Citroën C3 (primeira geração). Ou meu senso de abstração tá muito mal… kkkkkkk



Send this to friend