Asiáticos História Proton

Proton, a grande montadora do Sudeste Asiático

proton-saga

Proton Saga

A partir de 1979, o governo da Malásia começou um projeto para criação de uma indústria automotiva nacional, mas a ideia só se concretizou a partir de 7 de maio de 1983, quando foi fundada a Proton, localizada em Shah Alam, região de Selangor.

O nome Proton, no caso da empresa, não tem relação com a famosa partícula subatômica, mas é o acrônimo de PeRusahaan OTOmobil Nasional Sendirian Berhad ou algo como Companhia Nacional de Automóveis Privados Limitada.

proton-wira

Proton Wira

Mitsubishi

Em 1985, a Proton assina uma parceria técnica com a Mitsubishi, que garante a introdução de seus primeiros modelos, todos baseados em produtos da marca nipônica. O primeiro foi o Saga, baseado no Lancer Fiore. A versão hatch passou a ser chamada Saga Aeroback. Quatro anos depois do primeiro carro, a marca malaia entrava no Reino Unido.

No ano de 1992, o Saga Iswara surge como um complemento, mas ainda era baseado no antigo modelo. No ano seguinte, a Proton se moderniza com o Wira, que era um Lancer da quarta geração. Logo depois surge o Satria, um hatch de duas portas derivado do Colt, que foi acompanhado do Putra, um cupê duas portas.

proton-satria

Proton Satria GTi

Em 1995, o Perdana aparece como um modelo mais refinado, baseado no Mitsubishi Eterna/Emeraude de 1992. Nessa mesma época, a Proton se aproximou da PSA e utilizou o AX como Tiara, mas o modelo viveu apenas quatro anos na Malásia. A inglesa Lotus, teve 80% de suas ações adquiridas pela malaia. A versão GTi do Satria é considerado até hoje o melhor carro já feito no país, sendo preparado pela engenharia inglesa.

proton-waja

Proton Waja

Waja, o primeiro desenvolvimento

Nos anos 2000, a Proton dá um grande passo para sua independência técnica ao lançar o Waja, seu primeiro carro próprio. Era um sedã maior e mais refinado que o Saga. No entanto, sua chegada significou o fim das parcerias da empresa com Mitsubishi e PSA.

Naturalmente, a montadora sentiu o impacto nas vendas e em tecnologia, dando assim oportunidade para o surgimento da rival Perodua em 2003. Um ano antes, a Proton lança a picape Jumbuck, derivada do Wira. A reação da empresa ocorreu em 2004 com o belo Gen-2, o primeiro a utilizar o motor Campro, outro produto feito pela marca. Até 2005, a marca focou nas exportações. O Savvy surge como sucessor do Tiara e utiliza o motor Sapphire 1.2 da Renault.

proton-gen-2

Proton Gen-2

A empresa também lança o projeto Proton City em Tanjung Malim, na região de Perak. Trata-se de um complexo com fábrica, fornecedores, residências, comércios, instituições de ensino, locais de lazer, entre outros. A cidade seria voltada para a produção de automóveis, sendo 150.000 veículos por ano inicialmente. Nesse mesmo ano de 2004, 57,7% da MV Agusta é adquirida pela malaia. Em 2007, voltando ao mercado interno, a marca lança o sedã Persona, derivado do Gen-2.

A partir do Persona, sucesso na Malásia, a Proton começa a ter êxito em seus lançamentos. O agora compacto Saga ressurgiu completamente novo em 2008 e superou todas as expectativas, sendo até hoje o carro mais vendido na história da marca. O Satria Neo também agradou com seu visual mais esportivo.

proton-savvy

Proton Savvy

Turbo e novas parcerias

Em 2008, a Mitsubishi volta a ter parceria com a Proton. No ano seguinte, lança a minivan Exora, de desenvolvimento próprio. Com os direitos locais sobre o Lancer recebidos novamente, a marca malaia lança o sedã Inspira em 2010, que nada mais é do que o sedã japonês com facelift leve. Mas isso não significou o fim da independência da empresa.

Ainda em 2010, o motor Campro (que existia em versões 1.3 e 1.6) ganhou turbocompressor. Dois anos depois, a Proton mostra que mantém sua engenharia afinada e lança o Preve, um sedã de porte médio, que foi logo acompanhado do hatch Suprima. Ele foi o primeiro da marca a ganhar 5 estrelas no ANCAP. Nesse ano, a empresa é comparada pelo Grupo DRB-Hicom. Por pouco não teria sido vendida para a Volkswagen.

proton-saga-novo

Novo Proton Saga

Outra parceria é feita, mas agora com a Honda, dando assim origem ao Novo Proton Perdana, que nada mais é que um Accord. Por fim, em 2014, surge o compacto Iriz, um modelo de entrada totalmente novo e pronto para bater de frente com o Perodua Myvy, um Daihatsu Sirion da marca rival.

Atualmente a Proton mantém sua base de exportações concentradas em países de direção inglesa (direita), incluindo o Reino Unido. Ao contrário da indiana Tata Motors e de outras da região, a empresa não adaptou seus carros (direção) para outros mercados, pouco crescendo diante da concorrência internacional. Ainda longe do Brasil, ela teria uma boa oportunidade no país e na América Latina.





  • Além da adaptação do lado da direção, vão precisar de passar por uma revolução em design como a que ocorreu com as coreanas no início do século. Só assim terão poder de penetração em mercados ocidentais. Mas é notável o avanço técnico de um empresa muito jovem em termos de mundo automobilístico.

    • Rodrigo A.

      Sem dúvida, a mudança no visual teria que ser significativa.

  • Tosoobservando

    Ate tu Malasia!

    • Fábio

      E Brasil ó, zero!

  • Nithium

    Tá fabricando carros melhores que muitos vendidos aqui

  • Magno

    Lembro que eu jogava um jogo no PC a muito tempo atrás , era o Toca Race Driver , e na demo soh dava pra usar o Próton Satria GTi .. eu gostava dele kk



Send this to friend