Comprando e Vendendo Governamental/Legal Manutenção Matérias NA Mercado

Qual é a garantia de carros usados?

feirao-carros-usados-2-1024x683

Os preços dos carros novos estão bem elevados. Mas, para quem não quer ou não pode comprar um automóvel zero km, a alternativa é um carro usado. Mas, nesse caso, existe alguma cobertura contra eventuais defeitos? Em realidade, qual é a garantia de carros usados? O mercado de veículos de segunda mão é enorme no Brasil. No primeiro quadrimestre de 2018, as vendas subiram 4,95% com 3.352.191 veículos mudando de dono. Em abril, a alta foi de 5,04% com 891.975 negócios fechados. A variação para 2017 indica alta de 16,51%.


Nesse enorme mercado, o carro usado se tornou um bom negócio para os revendedores, que adquirem os veículos na troca por carros novos, mas pagam um valor abaixo da tabela para revende-los com lucro. Na média, tiram em torno de R$ 5.000 do valor de tabela, para assim recuperar na hora da revenda, conseguindo assim margens de lucro até melhores que as vendas de carros novos.

concessionaria-jeep-1-1024x683

Concessionárias e marcas de luxo

Com a crise, esse negócio se tornou a válvula de escape da rede autorizada, que não conseguia se sustentar só com as margens do pós-venda e nem com a venda de carros zero km. Como as marcas tradicionais evitam um negócio direto envolvendo usados, cabe aos distribuidores ampliar a cobertura e outros benefícios por conta própria.


Para atrair novos clientes, que futuramente poderão se tornar compradores de carros zero km da marca, os fabricantes de veículos de luxo criaram programas específicos para carros seminovos ou usados. Normalmente, a garantia aplicada é de três meses, que é obrigatória por lei, mas nesses casos, a cobertura é ampliada para até dois anos nesses programas de certificação de usados ou seminovos.

Em alguns casos, os carros usados são tratados como se fossem novos, inclusive com assistência da marca, financiamento diferenciado, inspeção em mais de 150 pontos do carro, entre outros. A Land Rover, por exemplo, dá dois anos ou 50.000 km de garantia para seus carros usados, adquiridos na rede autorizada.

A Audi também possui um programa específico para esse tipo de carro. A Mercedes-Benz dá 12 meses de garantia e assistência 24 horas para seus carros certificados, que possuem idade máxima de 5 anos e até 80.000 km rodados. Na BMW, são 24 meses de garantia e assistência para usados certificados.

Assim, os carros usados vendidos através desses programas, garantem uma futura fidelização à marca, pois são veículos testados, inspecionados, revisados totalmente e ainda com garantia e assistência, tudo para que o cliente possa retornar mais adiante para então comprar um modelo zero km.

Em marcas tradicionais, a garantia estendida com cobertura média de 12 meses é dada sob responsabilidade do concessionário, que assim busca uma fidelização futura do cliente, independente da marca. Na Toyota, por exemplo, a marca não se responsabiliza pelo negócio, mas disponibiliza um site de classificados para a venda de usados e seminovos dentro da rede autorizada.

A busca por vendas de usados com garantia ampliada é um enorme chamariz para as empresas, mas também é um bom negócio para quem está comprando, pois os possíveis defeitos serão minimizados com a manutenção feita antes do carro ser colocado à venda. Ter um carro mais em conta e ainda revisado e garantido dá ao comprador uma segurança bem maior, mesmo que o preço acabe sendo mais alto que o valor de tabela. Para muita gente, essa é a chance de acessar marcas de luxo em busca de status ou de um produto melhor.

carros-usados-1024x622

Multimarcas

Nas lojas multimarcas, geralmente a garantia aplicada é aquela obrigatória por lei, que é de 90 dias. Como muitos estabelecimentos são pequenos, eles não conseguem arcar com despesas oriundas de defeitos nos carros usados comercializados por muito mais tempo como as grandes redes de autorizadas ou mesmo de multimarcas. Assim, como não podem fugir da lei, precisam dar os três meses a que o consumidor tem direito. Mas, o que realmente diz a lei?

comprando-carro-1024x536

Código de Defesa do Consumidor

No comércio de automóveis, há um detalhe muito importante e que pouca gente sabe. Pelo Código de Defesa do Consumidor, essa garantia obrigatória é de 90 dias, que é chamada de Garantia Legal, não inclui somente motor e câmbio, bem como os sistemas elétricos que fazem parte do conjunto motriz, mas todo o veículo!

O Artigo 26 do CDC é bem específico nesse aspecto: ” II – noventa dias, tratando-se de fornecimento de serviço e de produtos duráveis.” Ou seja, carros, caminhões, ônibus, motos, entre outros veículos, são considerados bem duráveis. Além disso, a lei diz que todo o produto está coberto pela Garantia Legal dentro desse prazo, mesmo que seja um carro usado. Mas, existe outro detalhe. Ele precisa ser adquirido em uma loja multimarcas, agência ou revendedor autorizado. Em outras palavras, numa relação de comércio.

Com isso, o CDC visa equilibrar a relação comercial entre consumidor e a empresa que está vendendo o veículo ou prestando um serviço. Por conta disso, o comprador precisa estar atento aos detalhes do contrato de aquisição do automóvel usado e registrar os detalhes da negociação, incluindo as coberturas e benefícios que a revenda está oferecendo.

Porém, se o carro usado for adquirido de pessoa física, sem uma relação comercial, como com as autorizadas ou lojas multimarcas, o consumidor não tem direito à Garantia Legal, por não se tratar de um negócio para quem está vendendo. A única alternativa para quem comprou um usado que deu problemas não informados pelo proprietário anterior é o Código Civil, com abertura de uma ação judicial contra o ex-dono para ressarcimento dos custos envolvidos com o conserto do veículo, o que ocorre de forma independente do CDC.

Nesses casos, a recomendação é verificar todo o estado do carro a ser comprado de uma pessoa física, buscando a ajuda de um profissional especializado em automóveis para verificar se o carro está realmente em ordem e, é claro, fazer um levantamento do histórico do automóvel para ver se não há dívidas, sinistros ou outros dados que venham a lhe prejudicar futuramente ou que colocam em questão a integridade do veículo. Algumas lojas anunciam carros de repasse, que são veículos de terceiros com preço mais baixo, mas no estado que se encontram e sem qualquer garantia.

 

COMPARTILHAR:
  • Ricardo

    É bem difícil conseguir a garantia nos 3 meses de alguma coisa fora da caixa e motor.

    • Douglas

      Depende da loja, já consegui trocar bateria e buchas da suspensão.
      É lei!

    • Dafomg

      Claro que não. É lei, o cumprimento não é facultativo. Basta não comprar carro de empresa que divulga garantia apenas pra motor e câmbio.

  • Ricardo

    Carros 0km são absurdamente caros, juros exploradores e não pagam nada no seu usado, é um ótimo negócio. Haha

    • Vitor

      Quem vai comprar carro 0Km sabe disso. Carro é um bem de consumo, não é investimento, perder dinheiro é certeza.
      O importante éfazer uma compra consciente e não comprar o que você não dá conta de pagar.

      • Matthew

        “carro é um bem de consumo”. Durável, diga-se de passagem. Porém, considerando o padrão médio de renda do consumidor brasileiro e os preços absurdos praticados no mercado local, essa história de que carro é um mero bem de consumo não é tão verdade quanto o é em mercados avançados.

        Por mais que seja possível provar que do ponto de vista estritamente financeiro o carro não é investimento, na prática a situação é bem mais complexa. Muitos precisam dele para trabalhar, ainda que isso implique em trabalhar para pagar o financiamento apenas.

        O preço do usado está diretamente relacionado ao do zero quilômetro. Quando este aumenta, puxa o preço do primeiro junto, pois nenhum de nós será o único gênio a procurar o usado como alternativa ao zero km, o que pressiona a oferta de usados, e consequentemente seus respectivos preços, o que dá a falsa sensação de que os carros desvalorizam relativamente pouco. Alguns modelos parecem até valorizar, ao menos em valores nominais.

        Logo, ninguém é idiota. Pra esmagadora maioria dos proprietários, o automóvel é o seu segundo maior, se não o seu maior patrimônio. Lembro quando o casal Nardoni foi preso e um dos repórteres perguntou ao pai dele como faria para pagar os advogados de defesa do casal. Advinha só qual foi a resposta dele: “sabe como é, sempre temos um carro pra vender”. Isso porque era uma família de classe média-alta.

        Imagina a situação dos menos afortunados. O automóvel assume uma dimensão ainda maior. Portanto, este mantra de que “carro não é investimento” não​ se aplica 100% à realidade do mercado brasileiro e suas peculiaridades, por mais que o dono seja esclarecido. Num país onde existe até mercado paralelo de botijão de gás que sustenta facções criminosas, carro está muito além​ de um bem de consumo banal e descartável.

        • Cláudio Modesto

          Concordo. O esforço pra comprar um carro e tão grande que o bicho se torna patrimônio mesmo. O ideal é comprar um carro compatível com a renda e não cair no conto da prestação.
          Ótimo argumento.

        • Vitor

          Não compre o que não pode pagar, escolha o que couber no orçamento, simples assim.
          A maioria das pessoas que tem carro não o usam como ferramenta de trabalho. E mesmo que usassem o raciocínio é o mesmo do primeiro caso.
          Sim o carro é o segundo ou maior patrimônio de muita gente, mas não é investimento, a não ser que se compre um colecionável, reforme algum ou coisa do tipo.

      • Ricardo

        Tem maneiras de perder menos dinheiro, mas a maioria é burra e não está nem aí com quanto está perdendo.

    • Sonfav

      O problema é que também podemos dizer…
      Carros usados são absurdamente caros, juros mais exploradores ainda, e não pagam nada no seu usado; é um ótimo negócio. Hehe.

      • Ricardo

        Usados com mais de 10 anos em bom estado onde já desvalorizaram o que tinha para desvalorizar, são.

        • Sonfav

          Desculpe.. mas nunca alguém deixará de comprar um zero para comprar um usado dessa idade. São pessoas diferentes, com bolsos diferentes.
          Mas, ainda assim.. o que se paga por usados de 10 anos aqui é um absurdo não diferente daquele que se paga de um zero.
          Exemplo… Corollas 2008 sendo vendidos a mais de R$ 30.000,00.. e 200mkm nas costas..
          Complicado.

          • Ricardo

            Eu sim. Com o valor de R$ 45.000 de um carro “popular” tem-se várias opções de carros muito melhores e mais legais.

            • Sonfav

              É porque você, assim como eu, não compra carro zero.
              A pessoa que compra carro zero não deixa de comprar por conta disso. Vamos lembrar o início da conversa… quando você disse ser absurdo o carro zero. Eu concordo, mas eu tb acho absurdo o preço dos usados. E talvez num grau ainda maior, porque os riscos são imensamente maiores. Ainda mais em carros com 10 anos de uso.
              Resumindo.. acho absurdo o preço dos dois. E não acho errado comprar carro zero.. até incentivo. Tenho mais escolha depois.. :)

  • vi.22

    com uma media de 900.000/mês, X a taxa de transferência de 159,00 termos aproximadamente 144.000.000.00 de reais injetados no Detran só de transferências, duvido que outro pais arrecade quantia proxima a isso apenas com transferencia de veiculos, sem trazer nenhum retorno ou beneficio ao cidadao…

    • Louis

      Por isso sou a favor de trocar menos de carro. Estou há 10 anos com o meu. A cada troca, é dinheiro desperdiçado.

      • Sílvia

        Caro amigo , só para compartilhar , tenho o meu , que , em 2019 , completa duas décadas na família . E , olha , foi um grande e construtivo aprendizado , viu !

    • Unknown

      Isso só com taxas de transferências… agora some-se a este montante, IPVA, multas etc e chegaremos à uma cifra astronômica! E o governo ainda fica fazendo propaganda “asfalto novo” do uso de uma parte ínfima destes recursos para recapear uma parte igualmente ínfima das ruas da capital paulista. Pelo amor viu, só trouxa para acreditar numa estória da carochinha destas!

  • Maycon Farias

    Essa matéria me ajudou bastante. Estou no meio de um processo judicial. Fiz uma garantia de partes internas do motor, câmbio e diferencial. Mesmo que eu não era obrigado a fazer por ser pessoa física eu fiz. No contrato diz que o carro foi vistoriado e estava em perfeitas condições. Bom, 1 mês depois da venda o compressor do ar deu problema, apesar de não estar coberto pela garantia que fiz mesmo assim ela decidiu me processar. Juntei dezenas de provas que atestam que ar condicionado não faz parte das Partes internas do motor* . Agora espero que o juizado entenda que eu como pessoa física jamais poderia garantir todo o sistema integral de funcionamento do motor, nem uma loja poderia, o carro ja tem 14 anos de uso.

    • Unknown

      Caramba, a pessoa te processou por uma quebra do compressor do ar condicionado? Deve ter vendido seu carro para uma advogada! rs

      • Maycon Farias

        Colega no dia que começaram a encher minha paciência eles tiveram a audácia de reclamar que tiveram que trocar o pneu do carro. Isso já dá pra você imaginar o intelecto deles.

      • Maycon Farias

        Ganhei a causa hoje, obrigado pelo apoio. Vlw colega

    • Fernando Oliveira

      Amigo, sério que você deu garantia num carro com 14 anos de uso e ainda por cima reformado? Onde vc estava com a cabeça? Não quero nem imaginar o transtorno que isso ainda vai lhe trazer. De qualquer forma, fica o aprendizado. Boa sorte, você vai precisar.

      • Maycon Farias

        Eu achava que qualquer venda de carro eu tinha que dar garantia. Foi a primeira que fiz. O carro valia 24 e vendi por 15. O conserto custou 900 reais segundo o processo e ainda sim decidiram me apunhalar. Mas enfim. Obrigado pelo Boa sorte. Estou levando um bloco de folhas para me defender.

        • Eduardo Sad

          Eu imagino que essa situação seja de estresse pra você. Mas tente relaxar. Você pautou-se pelo princípio da boa fé. As pessoas têm o hábito de “se revestir de razão” quando bradam que irão entrar na justiça. Esquecem que, na verdade terão que provar, que estão corretos e você o errado. Qualquer advogado “mais ou menos” com o mínimo domínio de redação te faz uma lauda bem argumentada. 1) Você é particular, ou seja, não vendeu o carro com objetivo de obter lucro; 2) trata-se de um carro de 14 anos, ou seja, um equipamento já desgastado que certamente demandará uma manutenção constante, com maior frequência que um seminovo; 3) não obstante ao ponto 2, você, por boa fé, ainda concedeu um contrato de garantia por escrito de motor; 4) você vendeu o carro 10mil abaixo da tabela (basta imprimir a tabela Fipe do mês, contrapondo à cópia do recibo preenchido com o valor de venda, extratos bancários, etc. Basta você alegar que essa depreciação toda foi em razão de algum defeito que porventura viesse a ocorrer. Relaxa cara. Esse litígio aí não vale as noites de sono perdidas…

          • Maycon Farias

            Colega até tirei um print. Obrigado pela bondade. Realmente lendo ja me sinto um pouco aliviado. Por incrível que pareça sinto como se tivesse encontrado amigos nesta matéria. Obrigado

          • Maycon Farias

            Eu ganhei a causa na audiência hoje. totalmente favorável a mim. Agradeço mais uma vez o apoio que tive.

            • Eduardo Sad

              Que bom cara! Fico realmente feliz por você! Seria ideal que pessoas honestas não passassem por tais situações. Mas no fundo tudo é aprendizado e “calejo”. Com relação à venda dos seus próximos veículos, caso sinta que o comprador é demasiadamente complicado ou, com aspecto de pilantra, não venda! Fica com o carro mais algum tempo e evite aborrecimento. Ademais, feliz pelo seu alívio.

      • Maycon Farias

        Colega obrigado pelo apoio, ganhei a causa. A juíza chamou a atenção da requente dizendo que quem quer garantias tem que comprar na loja ou concessionária.

    • Túlio Ribeiro

      Que tristeza colega… Em terra onde você dá o pé e a pessoa arranca-lhe a perna é dificil tentar ajudar.

      Reconheço sua boa fé e altruísmo, sou bem parecido, mas infelizmente tenho tentado me policiar para não ser passado para trás (calejado disso já)

      • Maycon Farias

        Estou comemorando minha vitória graças a Deus, ganhei e felizmente tudo foi a meu favor. Obrigado pelo apoio

        • Túlio Ribeiro

          Que bom meu caro! Tudo foi resolvido logo na audiência de conciliação ou o juiz acabou julgando a ação improcedente?

          • Maycon Farias

            Na conciliação ja estava tudo a meu favor e a requerente tomou bastante puxão de orelha, discutimos e tudo mais. Minutos depois fomos direto para a juíza e mais uma vez ela levou esporro. Em um dos momentos a juíza disse que se ela quiser carro com garantia que ela tem que ir na concessionária kkkkkk. Foram várias pancadas que ela deve ter ficado tonta. Em poucos minutos a sentença foi a meu favor. Estava tão claro minha defesa que a minha única fala com a juíza foi que ela perguntou se eu era vendedor de carro, eu disse que não. Todas as outras questoes abordadas foram totalmente contra a ação dela. Graças a Deus só fui honesto e a verdade ganhou.

        • Túlio Ribeiro

          Acabei de ler um comentário seu abaixo respondendo. Enfim, bela decisão da juíza, nada mais justo. Agora poderá dormir em paz!

    • Cabe você conversar com um advogado se não tem como vc processar a pessoa de volta, pelas custas de processo, dores de cabeça, etc. Só no momento em que ela souber que vc tá fazendo isso, já vai tirar o pé do acelerador contra vc e talvez até desistir.

      • Maycon Farias

        Obrigado essa matéria foi extremamente útil pra mim. Estou aflito.

        • Sonfav

          As pessoas em geral ficam aflitas com o processo..

          Mas, se puder te ajudar, pense o seguinte: Se você negociou de boa fé, e o outro lado entendeu diferente, ele tem o direito de buscar uma reparação, e a via judicial é o melhor meio para você.. muito melhor que ficar conversando diretamente com a pessoa. Agora, o pior que pode lhe acontecer é você ser obrigado pelo juiz a pagar algo que você entende ser injusto.
          E isso, meu caro, é o de menos. Para pessoas que lidam de boa fé uma com as outras, o pior que poderia acontecer seria você causar um prejuízo irremediável. Isso sim seria motivo de aflição.
          Do ponto de vista legal, é possível um picareta arrumar alguma vantagem. Isso não quer dizer que você agiu errado, muito menos que é moralmente repreensível, e menos ainda que são justas as leis votadas pelos nossos nobres senadores e deputados, e sancionadas pelos nossos sempre irretocáveis presidentes.
          Fica em paz.

          • Exatamente, as pessoas de bem ficam aflitas quando ficam sabendo que foram processadas. Acabar vendo esse assunto com mais calma é algo que a gente só consegue com o tempo, conforme vai ficando mais velho, macaco velho.

            Concordo que a via judicial é a melhor maneira de resolver, pois pelo menos fica tudo no papel e pronto. Apenas não acho que se o juiz ditar que deve ser pago, que ele deva aceitar. Com a ajuda de um advogado é possível apelar para outra instância. Se ele não fez nada de errado é o mínimo que pode fazer para pelo menos devolver para a outra pessoa a dor de cabeça que está tendo.

            Infelizmente o único problema é que fica inviável contratar advogado para ficar apelando em uma causa de apenas 900 reais.

            • Fernando Oliveira

              Esse negócio de pessoa física dar garantia em carro usado não existe. Talvez ele pensou que dando este “plus” facilitaria ou aceleraria o fechamento do negócio, que por sinal, segundo ele mesmo, foi péssimo para o mesmo devido ao valor bem abaixo do que esperava.
              Os 900 reais são só o começo da dor de cabeça, pois some-se as custas processuais, os honorários do advogado, o tempo que ele perderá com a(s) audiência(s) e não menos importante, o seu psicológico para encarar uma pessoa que nitidamente está querendo levar vantagem indevida. Quem garante que depois de 1 mês, esta mesma pessoa entre com uma nova ação, alegando outro problema com um valor maior? Enfim, neste tipo de negócio as coisas têm que ser muito claras e a venda deve acontecer com o veículo no estado em que se encontra, com um documento assinado pelo comprador onde o mesmo esteja ciente do real estado do veículo. Óbvio que este documento não impede futuras ações na justiça, mas é muito diferente de uma garantia expressa.

          • Maycon Farias

            Obrigado pela atenção. Estou me enchendo de remédios pra ficar calmo. É que não esperava algo assim na vida.

          • Maycon Farias

            Ganhei a causa na audiência hoje. Obrigado pelo apoio.

            • Unknown

              Parabéns colega! Justiça foi feita com certeza!

        • Tomara que dê tudo certo. Realmente na primeira vez em que a gente tem algum problema assim envolvendo a justiça, ficamos bem apavorados, mesmo não estando errado. Lembre-se de que um processo judicial não é algo que mancha seu nome, quando é o caso de você não estar errado em nada.

          Se trata apenas de uma pessoa tentando se aproveitar de você. Assim como ela tem esse direito de buscar coisas absurdas na justiça, você tem o direito de se defender, e muitas vezes a melhor defesa é o ataque, por isso que falei de possivelmente processar de volta.

          Pode ser que a pessoa tenha achado que você é inexperiente e que irá se dar bem em suas custas, mas vc mostrando que não é bobo ela vai se assustar, no mínimo.

          Nas próximas vendas não dê garantia, e também faça a comunicação de venda no Detran imediatamente, para se livrar de qualquer responsabilidade civil e até criminal pelo carro e como ele será usado dali pra frente.

          • Maycon Farias

            Obrigado de coração. Certamente alguma coisa irei providenciar com todas essas dicas.

            • 👍

              • Maycon Farias

                Ganhei a causa hoje, a Requerente ainda levou um grande esporro da Juíza. Obrigado mesmo pelo apoio incrível que recebi de vocês nesta matéria.

          • Maycon Farias

            ”Você nunca está no passado ou no futuro, então por que desperdiçar tanto do seu tempo e energia lá?” Bela mensagem.

  • sigma7777777

    Acho incrível a qualidade dos usados de boa procedência. Não devem quase nada para um novo. Para os novos retomarem bem o crescimento, só se o governo baixar mais os juros e as concessionárias voltarem a oferecer ao menos a compra em 60x + restante com taxa 0%.

    • Unknown

      Para endividar ainda mais a população! rsrs
      A qualidade destes carros pode ser indiscutível, o problema é que o preço geralmente é acima do valor de tabela!

      • Rodolfo

        Carro usado com valor acima da tabela? Aqui em Fortaleza não existe isso não viu… Ao menos eu nunca paguei mais que a tabela em um carro…

        • Unknown

          Em concessionária ou revendas multimarcas aqui em SP tem sim, e é bem comum!

          • Rodolfo

            Talvez por isso meus 3 últimos foram negociados fora das concessionárias…

            • Unknown

              Eu digo na compra.

              • Rodolfo

                Exatamente… Meus últimos carros foram comprados de particular.

      • sigma7777777

        Eu não vejo problema algum em ofertas com taxa zero e a regra de se comprometer até 30% dos rendimentos mensais com o parcelamento. Mas entendo que o Brasil precisa de mais educação financeira.

        • Unknown

          O Brasil precisa de mais educação em todas as áreas. Este país é uma piada!

        • Vitor

          A questão é mais ampla, se a pessoa não estiver atrás de aceitação e validação social a necessidade de consumir bens com os quais a pessoa nã pode arcar já cairia muito.

    • Cláudio Modesto

      Cara, sem um reforma tributária importante, o Brasil não cresce mais, chegou no limite.
      Teremos esse comércio meia boca sempre. Produtos com preços surreais e cada vez menos gente com acesso. Nem emprego o povo tem, imagina bens de consumo.
      Carro novo tá difícil.

      • Unknown

        O pior é que é um ciclo vicioso, e estamos no meio deste ciclo, o qual a falta de consumo gera desemprego, que gera falta de consumo e assim por diante…

      • Sílvia

        Comentário muito sensato , este seu … onde vamos parar assim ?

        • Unknown

          Não sei Silvia, mas o futuro me parece bem obscuro!

  • Dante Alighieri

    Alguém sabe se essa história de comprar seminovos certificados pelas marcas premium realmente é um bom negócio? Na teoria parece lindo, comprar um A4 seminovo depois da desvalorização e ele estar certificado pela Audi. Mesmo que não faça as revisões na concessionária (high torque está aí pra isso rs) pelo menos teria a “garantia” de que saiu da Audi 100% e a vida a partir daí é responsabilidade sua. Parece bom demais pra ser verdade. Qual é a pegadinha?

    • Sonfav

      A pegadinha é : Quem compra um Audi de 5 anos de idade? E um de 8? E um de 12?
      A cada dia que passa, fica mais difícil vender um carro importado usado, o que faz com que o preço deles continue despencando, ano após ano.
      Precisa vender um gol de 15 anos? Fácil. Tenta vender um Audi de 10.

    • PEDAORM

      Desvalorizou muito o a4 de geração anterior. Não acho que tenha pegadinha, mas faz um pre compra.

  • Vini

    Posso acrescentar uma informação e creio que seja útil, caso o administrador permita. Essas regras do CDC (especialmente o prazo de 90 dias para garantia legal) também vale para carros zero km, com um adicional ainda mais vantajoso para o consumidor: vários tribunais, inclusive o Superior Tribunal de Justiça, entendem que para os defeitos ocultos o prazo de garantia seria o da vida útil do bem si. Como assim? Defeito oculto é aquele defeito que não é perceptível no momento da compra (por exemplo, um vidro quebrado é algo visível, então respeita o prazo de 90 dias; já um problema no motor não é perceptível por um consumidor comum; e o defeito oculto normalmente demora a se manifestar, meses e até anos). Neste caso, um problema no motor por exemplo que já estava no carro no momento da venda pode se manifestar para o consumidor 1 ano após a venda. Então o consumidor poderia reclamar deste problema mesmo que a loja só dê 90 dias de garantia? Sim, desde que… e aí vem o conceito de vida útil. O que seria? Não há um critério objetivo, uma tabela para definir. Mas seria o tempo em que com certeza qualquer consumidor espera que o produto funcione bem, sem defeitos. Exemplo de uma geladeira: 1 ano e meio no mínimo… um carro: uns 3 anos no mínimo (tudo depende de qual foi o problema também). E aí se o defeito oculto (vício redibitório) se apresentar dentro desse prazo de vida útil, o consumidor poderá requerer o conserto sim! No processo, o juiz irá estabelecer um prazo que entende ser o da vida útil do bem. Além disso, precisará definir se o problema é de fato um defeito de fabricação ou de mau uso do consumidor, o que muitas vezes demandará perícia (se demandar perícia não poderá levar para o Juizado, apenas para uma Vara Cível). Mas, em suma, é esse o entendimento que se vem adotando.

  • Diego G. de Lima

    Um Fit 2016 Ex, ainda com um ano de garantia de fabrica, 14 mil km por 60 conto ta valendo pessoal? Tô tentado, carro ta cheirando a novo ainda.

    • PEDAORM

      Nessa faixa de preço, 2016 eu iria de categoria acima. Sou suspeito para falar, mas acredito que Focus tem oferece bem mais e você consegue por menos de 65k com pouco km também e ainda na garantia, prefira cambio manual para evitar possível dor de cabeça.

      • Diego G. de Lima

        Negócio que um Hatch fica melhor pra mim por causa da minha garagem. E aqui não tem css Ford, peça tem que pedir de outro estado, paga imposto, ter Ford no Acre não dá.

        • PEDAORM

          Focus Manual é o hatch mesmo. Sem Cc não da realmente. Boa sorte! Abs

  • Sílvia

    Sabe duma coisa que seria muito , mas infinitamente útil , de uma maneira bem generalizada : o correto seria as fábricas de carros fidelizassem a posse de sua marca junto ao proprietário , fazendo do princípio de compra , uma aquisição de caráter longevo/permanente . Assim , toda uma logística se beneficiaria com o passar do tempo . Já pensou , se uma empresa , a partir de uma passagem de tempo , p ex. , 6 anos , começasse a conceder descontos efetivos de ( apenas um exercício mental ) 15 , 20 , 30 , 40 , 50 por cento na troca por um outro da sua própria marca , aí , sei lá , precisam cálculos , mas seria um sistema em que o benefício se dá em todos os sentidos possíveis . É para pensar , não acham ? . . .

Quem somos

O Notícias Automotivas é um dos maiores sites automotivos do Brasil, trazendo todas as novidades sobre carros por mais de 12 anos. Saiba mais.

Notícias por email