Finanças Longform Segurança

Quando a seguradora se recusa a pagar e não cobre o prejuízo

seguro

Você tem seguro e acredita que na maioria das situações previstas em contrato, você vai ser indenizado. No entanto, não se pode confiar totalmente nisso. Afinal, existem alguns detalhes que podem fazer com que a seguradora se recuse a pagar a indenização.

rolls-royce-alagado

Desastres naturais – Praticamente todas as seguradoras cobrem danos por queda de árvores nos automóveis, assim como granizo, enchentes, entre outros. No entanto, há casos em que a empresa contratada pode se recusar a pagar.

Um exemplo é forçar uma passagem por rua alagada ou colocar o veículo em situação de risco. Se ficar provado que isso ocorreu, dificilmente haverá indenização. Isso, é claro, se pensando no dia a dia das cidades, onde ruas alagadas não são raras.

Mas e no fim de semana na praia ou no campo? A regra é a mesma. Rodar ou estacionar o carro na praia, perto da água, ou atravessar riachos ou trilhas alagadas com o veículo, mesmo que seja 4×4, não caberá indenização em caso de avaria.

volkswagen-jetta-comfortline-fotos

Roubo na porta de casa – Você tem garagem, mas seu carro – estacionado na porta – foi arrombado ou roubado. E agora? No caso de uma parada eventual (almoço, pegar ou deixar alguém, buscar documentos, entre outros), devidamente provada, a seguradora paga o prejuízo.

Se o carro costuma ficar na rua por muito tempo, ela vai se recusar. No entanto, algumas são mais rígidas e consideram pernoite em uma determinada faixa de horário, geralmente entre o fim de noite e o início da manhã.

bairro

Mudança de domicílio – Em seu contrato de seguro, você declara morar em um bairro com baixo índice de furtos e roubos. Mas, se mudar para um endereço onde o índice é elevado, precisa avisar a seguradora, pois caso ocorra um sinistro, esta não vai indeniza-lo por este detalhe. Anualmente as empresas pedem que seus clientes atualizem seus dados.

emprestando

Emprestei e ele bateu. E agora? Caso seja uma eventualidade e o condutor tenha CNH, bem como não ingerido substâncias alcoólicas, a seguradora paga o prejuízo. Mas, se ficar provado que o amigo roda frequentemente com seu carro e não está na lista de pessoas que usam o veículo, de posse da seguradora, esta não pagará os danos. A solução é incluir a pessoa antes que algo ruim possa acontecer.

casamento

Casado apenas para a seguradora – Declarar ser casado, sem nunca ter dito sim no altar, também é outro argumento que as empresas vão usar para não pagar a indenização. Isso porque pessoas casadas têm desconto na franquia, pois acredita-se que se exponham menos ao perigo em relação aos solteiros. O mesmo vale para quem tem uma união estável não registrada e tanto faz casais heterossexuais quanto homossexuais.

bebidas

Bebeu? Caso um acidente seja suspeito, no caso em relação ao motorista estar embriagado ou não, a seguradora tem de pagar a indenização se não conseguir provar que o cliente estava alcoolizado ao volante. Se a empresa afirmar que ele estava embriagado – recusando-se a pagar – sem ter provas aceitáveis, poderá ser processada pelo segurado por danos materiais.

O condutor também pode recusar fazer o teste do bafômetro em caso de acidente. No entanto, se a autoridade policial indicar que há indícios de embriaguez, o condutor ainda assim continua a ter o direito de recusa, mas esta passa a ser considerada uma confissão de culpa. Nesse caso, o cliente tem que provar que não bebeu para evitar punições previstas em lei e ainda receber a indenização da seguradora.

valet

Manobrista – Carro na mão de manobrista é um pesadelo para muita gente. Se o veículo for roubado e avariado durante a estada com esse profissional, o proprietário deve pedir indenização da seguradora do estacionamento. Mas, se esta não tiver ou se recusar, então pode acionar seu próprio seguro. A empresa contratada irá buscar a reparação com o estacionamento.

recusa

Recusa para ganhar tempo – Algumas seguradoras podem se recusar a pagar em casos que julguem suspeitos, embora sejam passíveis de indenização. Nesse caso, insista pelo pagamento, pois algumas empresas ameaçam não pagar para ganhar tempo em investigações. A ajuda do corretor é fundamental para acelerar o processo.

[Fonte: Revista Quatro Rodas]





  • John

    Isto tudo é muito bonito no papel mas depois na vida real é o que é!!! chega-se ao fim do trabalho e o dinheiro está no car*lho…

  • radiobrasil

    Resumindo: não minta/invente/omita dados para a seguradora, seja realmente SINCERO no preenchimento da proposta. E não coloque o carro em situação de risco “evitável” (atravessar uma rua alagada) e não terá muita dor de cabeça.

    • ObservadorCWB

      Mas nem é só isso. Há casos de problemas com mudança em rodas. Pneus…mesmo que nas dimensões originais. E uma série de pequenos “furos” nos contratos.

      • radiobrasil

        Mudança de rodas? Isso pode MATAR rss
        Teve um caso de um “cantor” que mandou trocar rodas de um RANGE ROVER… como se “fosse necessário” num belo carro desses.

        • ObservadorCWB

          Bá….e ainda quis economizar uns trocados, mandou colocar rodas “esportivas” já consertadas/soldadas…..tem gente que brinca com coisa séria mesmo. Mas o que me referi era tempos atrás, quando os carros vinham com rodas de ferro, e mesmo respeitando bitolas a seguradora invocava. Mas nem ocorreu comigo, ocorreu com familiar.

          • Se o carro foi vistoriado com roda de ferro, e depois roubaram com roda de liga, aí não é culpa da seguradora.

            Eles vistoriam por isso mesmo. Vão te indenizar de acordo com o que estava lá quando vistoriaram.

      • Vinicius

        Mas se na vistoria prévia estas rodas já estiverem no seu carro, duvido não pagarem! Aceitou o risco como o carro estava.

    • Pedro Henrique

      isso é algo que nem deveria precisar ser dito…
      mas novamente o jeitinho brasileiro em omitir, mentir pra ganhar alguma vantagem ferra com os sinceros que acabam tendo que provar coisas desnecessárias.

    • Bruno Wendel Marcolino

      acho que muito mentem porque QUALQUER alteração custa alguma coisa, nunca te devolvem grana, se tu sai de uma cidade com alto risco de furto e colisão e vai morar numa cidade tranquila tu tem que paga ao invés deles devolverem dinheiro.

      não defendo quem mente para a seguro, porém a hipocrisia das seguradoras é f0d@!

    • DougSampaNA

      Ai imagina…um maldito de cara cheia bate no teu carro; a seguradora dele diz que nao te paga porque o segurado estava bebado…e como fica? Poem no pau? neste caso quem?

      • p_churros

        Cara, se o 3º não estiver errado, no caso você, o seguro da pessoa irá cubrir os seus danos.
        O 3º estando certo, sempre será coberto.

        • radiobrasil

          Exato!

          • Thiago

            Essa era minha duvida

  • Márcio Maia

    Vou falar o que aconteceu comigo:

    Tinha um seguro com a Bradesco e tendo bonus 10 (nunca utilizei o seguro) e sofri um sequestro relâmpago e após levaram o carro.

    Fiz a ocorrência, meu corretor encaminhou tudo para a seguradora e vem a notícia: se recusaram a pagar porque o CEP do endereço de correspondência (dos meus pais) era diferente do pernoite do carro (onde eu morava).

    Só que não ocorreu qualquer erro, o endereço de correspondência deixou dos meus pais antes de casar e quando me casei e fui morar com a minha esposa coloquei o endereço de onde eu morava e o carro fazia o pernoite, eles alegam que o endereço de correspondência o seguro era mais caro que do pernoite, só que se dissesse que ele fazia o pernoite no endereço da correspondencia eu estaria mentindo.

    Enfim, entrei com a ação na Justiça e ganhei muito mais que eles teriam que me pagar na época e encaminhei emails para tudo que é diretoria da Bradesco, além de não ter sido nem deperto cordial com a pessoa que negou o seguro.

    • Coala.net

      Amigo, este é o padrão da Bradesco. O teu caso não é isolado, infelizmente. Abs.

      • Bruno Luís

        Segurado tive um dor de cabeça de quase 8 meses com a GENERALI SEGUROS , corram dela.

    • Rodrigo

      Meu corretor (que assegura os carros da família há mais de 10 anos) sempre me disse pra fugir de seguradoras ligadas a banco, pois são burocráticas e tiram o corpo fora numa eventual indenização. Sempre acolhi esse conselho.
      Uma outra seguradora que fujo é a Generali. São extremamente burocráticos e em muitas oficinas não são sequer aceitos.
      Vale muito a pena pesquisar sobre o histórico da seguradora antes de fechar. Nem sempre a mais barata é a melhor e às vezes 10% a mais no preço médio do seguro pode fazer a diferença na hora de um sinistro.

      • Franco da Silva

        Eu tbm! Fui colega do corretor, é meu amigo. Ele sempre disse para fugir dos seguros de banco. Tem umas 3 corretoras muito top que são caríssimas, e depois ele indica a liberty e até a hdi. A porto seguro é regular. O resto é lixo.

        • João Bragança

          Porto Seguro nunca me deixou na mão. Dentre os vários serviços que eles oferecem, o que mais usava era o motorista pra dirigir caso eu resolvesse sair de carro e beber. Nunca me deixou na mão. Já tive 3 sinistros e nunca tiraram o corpo fora. Até agora só elogios e felicidade

          • Franco da Silva

            Essa do motorista é boa!!

          • Wilan

            Uso porto também, preço baixo comparado a concorrência e bom atendimento/suporte.

        • Pedro Henrique

          eu utilizo sul américa e conhecidos que tem já tiveram de acionar e sem problemas, até o caso de um carro 0km que ainda sem placa e sem o seguro em mãos (só havia feito o pedido com o corretor) e o seguro cobriu tudinho (foi perda total -capotamento-).
          também ouço muito bem da porto seguro, liberty e allianz.

          eu particularmente não conheço alguém que tenha seguro por bancos, e até acho furada porque o trabalho do banco é dinheiro e não seguro, melhor deixar o trabalho do seguro pra quem é especialista (uma seguradora)

        • Thiago

          já tive problemas com a hdi. Nesse caso, tinha vendido carro pro meu primo, e um cara com ford ka bateu nele mas essa cara tinha seguro e se ofereceu de boa pra pagar, mas os caras da seguradora, perderam os documentos, me explicaram errado os procedimentos com o cartorio, como carro tava no meu nome, tive que fazer as correrias, eles se tocaram, quando meu primo ameaçou chamar a globo daqui de sorocaba, onde moro, mas no final acabaram pagando certinho, deram pt no meu carro, e quitaram a divida, já que meu primo tinha atrasado e me sujado meu nome,

      • Lexfamulus

        Rapaz, então creio que felizmente sou exceção à regra. Faço seguro no Banco do Brasil – sou correntista – desde 2009, já sofri 3 acidentes e uma pane mecânica, e o atendimento foi 100%, tanto guincho quanto autorização para reparos. Até a liberação do carro reserva foi ágil na ocasião em que necessitei.

        • Leonardo M

          Seguro da Mapfre (Banco do Brasil) é fantástico. precisei uma vez e achei que ia ser um saco, mas me impressionei com a pouquíssima burocracia. Agora quando bateram em mim, o condutor ativou o da Tokyo Marine para reparo de terceiros e foi burocrático para caramba, não autorizaram todos os reparos, tive que brigar a beça.

        • JoãoAVR

          Que bom saber que o seguro do Banco do Brasil é bom. Graças a Deus não precisei usar, mas é bom saber que funciona.

      • Filipe Machado

        Mapfre também é bomba! Já tive por 2 anos, sendo que no segundo eles conseguiram emitir errada a apólice de renovação (não alterei absolutamente nada)

        No ano seguinte mudei pra Porto – mesmo pagando caro a diferença de serviço é gritante comparada a Mapfre.

        até agora nunca precisei acionar o seguro para nada

        • Leonardo César

          Não tive problemas com a Mapfre, inclusive tive um sinistro e foi tudo muito ágil e sem muita burocracia (claro que tem toda aquela papelada, mas sem dores de cabeça).

          • Filipe Machado

            Sorte sua, se eu não fosse atento e chato ao ler todos os documentos poderia ter me enrolado por culpa da própria seguradora.

            De qualquer maneira não confio mais neles

    • gustavo

      Ótimo relato e claro que a seguradora e Mandrake, sempre questionam endereço e CEP e pergunta se a casa e alugada ou propria etc etc etc fazem de tudo mais um pouco, para não pagar o sinistro, indenização !!!

    • Marcos Souza

      O sogsogro de um amigo meu ta estressado com a seguradora da mulher que bateu nele.
      Estava chovendo e num semáforo o carro da mulher aquaplanou e bateu na traseira do dele. Chamaram a polícia, fizeram bo. A mulher assumiu a culpa, só que no carro da mulher não fez praticamente nada…e na traseira do civic dele foi um estrago grande. Aí a seguradora chegou a alegar que o carro dele já estava batido.

  • Rodrigo

    No caso 1, da enchente, lembrei daquele vídeo em SP que um Mercedes forçou passagem por uma via alagada e o muro de uma concessionária Honda caiu, fazendo com que a água invadisse a oficina e atingindo vários carros. Certamente a seguradora do MB deve ter se
    recusado a pagar, diante da irrefutável prova de que ele estava errado. E aqui em Campinas, temos um parque muito frequentado por esportistas, na parte onde ficava o kartódromo, tem uma placa bem grande: “área sujeita a alagamento”, mas isso não impede que, em todas tempestades, alguns carros fiquem ilhados lá.

    A mudança de endereço já me causou problema: Morava em Paulínia, meu carro estava segurado lá, mudei para Campinas mas esqueci de atualizar a seguradora, mas a lei de Murphy é implacável e precisei acionar o seguro para o meu carro, um Civic. Ferrou, mas lição aprendida.

  • Bruno Wendel Marcolino

    Outra máfia sem fim.

    Porém eles estão certos a respeito da honestidade das informações, se der errado não tem indenização!!! O problema é eles cobrarem por qualquer alteração, se tu sia de um bairro de risco para um seguro tem que pagar igual quando na verdade deveria haver ressarcimento, então na verdade além da máfia é hipócrita, o que leva muito a mentir realmente.

    Até hoje não entendo a base de calculo para um seguro, sendo que carros compactos muitas vezes ficam com seguro mais caro que carros médios.

    Devia haver um jeito de calcular quanto será o seguro no próximo ano.

    • João Bragança

      A base de cálculo para seguro leva em consideração diversos fatores. O preço é um deles, mas não é decisivo. Carros compactos vendem mais e por isso tem maior presença na rua. Um dos fatores calculados é a % de que carro X sofra sinistro. Como carros compactos vendem mais, a chance de um deles ser roubado ou sofrer acidente em tese é maior. Já estudei um pouco disso em atuárias. Mas são muitas variáveis, muitas mesmo. Fora isso ainda tem aliado a todos os dados estatísticos e mercadológicos, o perfil do condutor.

      • Bruno Wendel Marcolino

        imaginei que fosse isso, mas poderia ser mais simples ao meu ver.

        tem um outro método de seguro que é pela FIPE. Vou tentar lembrar e posto aqui.

      • Bruno Wendel Marcolino

        é esse modelo aqui:

        abvprotecaoveicular . com . br

        Descobri por alguém aqui do site que comentou que usava, é bem interessante.

        • Filipe Machado

          Sinceramente é fria isso… leia o FAQ – principalmente a pergunta ”
          Qual a garantia que serei ressarcido de um prejuizo?”

    • Filipe Machado

      Pense que eles se resguardam como podem contra possíveis golpes (que são MUITO comuns).

      Nunca tive problemas ou sustos com apólices de seguro até agora (tomara que continue assim) – Importante não mentir ou omitir nenhuma informação pra não ter dor de cabeça

  • Rodrigo

    Uma dica que não aparece aqui, mas vale a pena ser dita:
    Para alguns modelos de carros (mais visados para roubo, presumo) algumas seguradoras exigem que sejam instalados dispositivos rastreadores. Pois bem, se o carro ainda estiver na garantia de fábrica, a instalação do rastreador anula imediatamente esta garantia. O cliente tem que ficar atento a essa condição e analisar se vale mesmo a pena o seguro com rastreador, pois nem sempre a diferença é tão vantajosa assim (a ponto de perder a garantia de fábrica). Se for preciso, entrar em contato com o SAC da montadora e pedir alternativas. Muitas montadoras possuem convênios com seguradoras que ou não exigem o dispositivo ou fazem a instalação em ambiente de Concessionária, onde a garantia é mantida.
    (Meu cunhado fez seguro da L200 Triton dele assim).

    • Angelo Lucca

      Quando você compra um carro zero km, você pode solicitar que esse rastreador seja instalado na concessionária. Porém por questão de segurança, nem mesmo o proprietário do veículo sabe o local do aparelho. Se alguma concessionária recusar a garantia por causa disso, ela deverá apresentar um laudo que comprove que o aparelho causou o eventual dano, pois esses rastreadores, não interferem na mecânica/eletrônica do carro. Eles não trabalham sob demanda de qualquer dispositivo do carro, são independentes, inclusive sua bateria é própria e ele funciona apenas como localizador, não bloqueia nada no carro. A não ser que seja uns Carsystem ou Ituran da vida. Os das Seguradoras como Porto e Itau não tem nenhuma ligação eletrônica com o veículo. Apenas servem para localizar, e te digo: funciona muito bem, pois não tem carro que eles não achem… Aliás, alguns carros sem esse dispositivo, tem seu seguro simplesmente recusado.

      • Rodrigo

        Algumas seguradoras só trabalham com Ituran. E o rastreador deles é também bloqueador, ou seja, ao comando da central eles bloqueiam a alimentação de combustível (via bomba elétrica). No caso dele a seguradora encaminhou para instalação em uma concessionária MIT. Ele nem sabe onde está instalado, só sabe do botão de pânico.

        • Angelo Lucca

          Pelo que sei, a Porto/Itaú/Azul trabalham com rastreador próprio e creio que eles não interferem no funcionamento do veículo (assim me disse o instalador). Outras seguradoras eu não sei. Tenho no meu carro por exigência da seguradora, mas também nem sei onde está instalado.

          • Rodrigo

            Então, não sei qual é a seguradora do meu cunhado, mas ele teve que instalar o da Ituran. E recentemente renovei meu seguro (Yasuda-Maritima) e solicitaram para instalar esse da Ituran, mas recusei. A diferença de preço sem rastreador deu R$100. Por isso não compensa para mim.

      • kravmaga

        Eu já fui obrigado a instalar um rastreador da Ituran num Astra que tive, segurado pela Sul América. Fiquei p*** mas tive que colocar porque o seguro seria astronômico se não fizesse isso. A sorte é que pelo menos o carro era já bem usado, mas se fosse 0km não instalaria de jeito nenhum

  • Thiago

    Acho que vale a pena relatar essa história sobre MANOBRISTAS:
    Em um dos mais badalados restaurantes da capital um (ex)proprietário deixa a sua luxuosa S65 AMG para o manobrista, que imagina que o dono nem se importará se ele der uma volta para acelerar o famoso V12 bi-turbo de 605 cv.
    Resultado: antes de terminada a refeição aparecem a brigada militar e o seu carro no guincho, porque o manobrista havia subido a calçada e destruído o carro e toda a fachada de um estabelecimento comercial.
    O restaurante fechou logo tempo depois

    • Rodrigo

      Lembro da reportagem do acidente, realmente a falência do restaurante seria inevitável. Mas e o manobrista, teve que arcar com algo?

    • Foxtrot

      Também me lembro desse caso, foi em Porto Alegre. Acho que chegou a ser noticiado aqui.

      • THE GUNSLINGER

        Sim, foi no riversides da zona sul.

    • radiobrasil

      No Fusion tem o modo “valet” acionado pela tela touch. Se não me engano o som não liga e várias funções também são desabilitadas. Outro truque é habilitar a “MyKey”, limitando a velocidade ao mínimo. O manobrista se tentar não vai conseguir acelerar muito.

      • Matheus Marques da Silva

        Legal isso! Não sabia! Isso vale para o modelo atual do Fusion, certo? Para toda a linha Fusion?

        • radiobrasil

          No meu 2.5 2016 tem… modo VALET na touch… e a mykey configurável.
          Mykey limita velocidade e volume do som.
          Modo valet nao lembro direito o q faz, vou ver no manual

  • Matheus

    Somente como complementação: a circunstância de o segurado, no momento em que aconteceu o sinistro apresentar dosagem etílica superior àquela admitida na legislação de trânsito não basta para excluir a responsabilidade da seguradora, pela indenização prevista no contrato. Para livrar-se da obrigação securitária, a seguradora deve provar que a embriaguez causou, efetivamente, o sinistro.
    Essa é a orientação do STJ.

    • João Bragança

      Tá aí algo que acho errado. Se todo mundo que bebesse e dirigisse tivesse que arcar com o prejuízo, acho que pouquíssimos o fariam. Tem gente que só aprende quando dói no bolso.

      • Matheus

        João, entendo teu ponto de vista e concordo em partes.
        Ocorre que esse entendimento, ao meu ver, serve para evitar abusos por parte da seguradora nos casos em que o condutor que esteja com dosagem acima do permitido não tenha sido o causador do acidente, mas sim vítima.
        Por outro lado, penso que a partir do momento em que eu estou embriagado e que essa embriaguez foi causa determinante para a ocorrência do acidente, aí sim devo arcar sozinho (sem cobertura da seguradora) com todos os danos causados.

        • Matheus Marques da Silva

          Concordo contigo em partes, mas acho que se bebeu e está dirigindo, o crime está configurado. Não importa se causou o acidente ou é vítima. O que importa é que estava dirigindo sob uma condição proibitiva, que pode (ou não) ter incidido diretamente na ocasião do acidente – por exemplo, se estivesse em uso de plenos reflexos, talvez poderia ter evitado o acidente.

        • João Bragança

          Matheus entendo seu ponto de vista também. De verdade. Mas para o assunto bebida e direção sou ‘meio’ ignorante…Sou totalmente contra, radical mesmo. Já perdi diversos amigos por causa disso e acho uma completa idiotice. Pode ser um quarteirão, um quilometro. Sei lá, acho desnecessário. Mas enfim. Entendo seu lado. Sou apenas completamente tendencioso nessa questão então acho que não levaria a nada discutir isso aqui. (Com todo respeito! ^^)

          EDIT: compreendo que fui eu quem levantou toda a questão rs

    • Vinicius

      Ia citar isso.

  • radiobrasil

    Uma DICA muito valiosa: vai fazer o seguro, pede pro corretor mandar fazer a cobrança pela seguradora por DÉBITO AUTOMÁTICO direto da sua conta.
    Ja vi MUITOS casos em que o cara pensava que tinha seguro, pois tinha “pago” para o corretor que não repassou à seguradora a primeira parcela/não pagou o primeiro boleto. Eu ja vi uns 10 casos assim. E débito automático é uma prova que você pagou diretamente a seguradora, e sempre fazem em 4x sem juros. Mais seguro até do que cheque nominal.

    • afonso200

      a tokio marine em 6x sem juros no debito

    • Luciotzt

      Esta dica é muito útil: pagar sempre por boleto ou débito automático.
      Entretanto, algumas seguradoras não estão mais aceitando a segunda opção, pois não rara às vezes ocorriam problemas no processamento dos bancos, principalmente na primeira parcela (que firma o contrato), logo o seguro era automaticamente cancelado, gerando muita “dor de cabeça” para a segurada e os segurados.

  • Foxtrot

    Uma duvida no caso do manobrista. Caso o seguro do estabelecimento se recuse a cobrir danos causados pelo funcionário e você tenha que acionar seu próprio seguro, mesmo que a seguradora procure o estabelecimento depois para ser ressarcida, no ano seguinte seu seguro será mais caro?

    • “Perguntador”

      Acredito que sim (fica mais caro), quando usar o seguro vai perder um dos bônus. Sem dizer que vc não saberá se a seguradora foi ressarcida e isso pode ir para a justiça e demorar anos, provavelmente quando vc renovar o seguro o processo ainda nem chegou perto do fim (aliás vc vai renovar o seguro diversas vezes até a justiça decidir o caso)

    • Alexandre

      Eu duvido muito que nesta situação você receba uma ligação: “Ei! Sabe aquele sinistro do seu seguro? Então. Conseguimos cobrar do terceiro e você recuperou seu bônus 10!” 😁

    • Luciotzt

      Uma vez meu corretor passou a seguinte recomendação para estes casos: quando você aciona o seguro para consertar seu carro, vc terá que pagar a franquia e perderá uma classe de bônus na renovação, mesmo vc comunicando a culpa do terceiro. Assim, vc teria que entrar na justiça (pequenas causas) pedindo ressarcimento da franquia ao terceiro. Ao ter ganho da causa, vc poderia comunicar a seguradora e esta devolveria a classe de bônus perdida.

      • Foxtrot

        Isso também se aplica ao clássico caso do cara que estava errado não ter seguro e querer usar o seu, dizendo que ele assume a franquia?

        • Luciotzt

          Esta é uma situação perigosa, pois é uma fraude. Image que o cara não tenha seguro e vcs concordam em acionar ou seu seguro para reparar os dois veículos, sendo que ele pagará a franquia. Ao acionar o seu seguro para isto, vc estará a sumindo a culpa e o sujeito com mais má fé ainda, poderia lhe negar a franquia e ainda lhe acionar por outros danos materiais, morais, hospitalares etc. (vi muitos casos assim envolvendo motoqueiros).
          Fora que se vc alegar o acordo, a seguradora abrirá um processo contra vc por fraude e outras coisas mais…

          • Foxtrot

            Resumindo, se bateram em você, diga que não tem seguro para que o culpado não insista em usar o seu.

  • “Perguntador”

    Fui assaltado em frente a minha casa e a seguradora (AZUL) não questionou esse fato (tem item sobre isso na reportagem), demoraram uns 25 dias para pagar, mas demorou pela quantidade de papel que tive que juntar (mandei em partes kkkk). Até hoje não recuperaram o carro. Tenho até uma dúvida em relação a uma multa que tinha levado. Como na época da transferência para a seguradora ainda não era possível pagar a multa eles aceitaram transferir sem pagar, agora (meses depois) recebi a multa para pagar. Não sou mais o dono do carro e a pontuação na minha carteira consta como “prazo expirado” (já passou um ano da multa) no Detran. Não vejo motivo para pagar essa multa.

  • gustavo

    A verdade e que no Brasil não existe garantia de nenhum tipo de serviço ou contrato !! o País do faz de conta.!! o consumidor sempre tem 95% de chance de ser lesado, isso pra não ser pessimista.Ótima matéria Na.

    • Vinicius

      Aqui, lesa-se no atacado e indeniza-se no varejo!

  • Bruno

    Vou contar o que aconteceu comigo. Eu estava dirigindo a noite na estrada, uma capivara estava no meio do asfalto numa curva fechada, eu fui tentar desviar da capivara e fechei mais a curva que eu estava fazendo, perdi o controle e bati de frente no barranco e tombei meu carro.
    Fiz o que a Allianz solicitou e pagou o seguro rapidamente ( carro era quitado)
    PS1: Era cabaço qnd aconteceu o acidente, acho q se eu tivesse freiado os danos seriam menores.
    PS2: Eu estava com um C3 XTR e bati a “uns” 80km/h e só levei 2 pontos na parte de trás da cabeça, um ralado no cotovelo direito e um roxo na coxa esquerda.
    PS3: O carro de trás matou a capivara e depois o DER guinchou o bicho

  • Jackson

    Amigo meu portuga em Lisboa atravessou fora da faixa, veio o carro e juntou ele. Resumo olho roxo, ombro e braço esfolados, sorte que não quebrou nada. Melhor dizendo, quebrou a carteira pois teve que pagar uma grade, farol e conserto do capô do carro. E olha que em uma semana já tinha a sentença e os valores para ele pagar. Sem direito a apelação.

    • radiobrasil

      Sabe QUANDO isso aconteceria no Brasil? NUNCA. Aqui o motorista é sempre o vilão e o pedestre é vítima.

      • Vinicius

        O motorista ainda iria ser linchado!

    • Fernando S.

      E depois fazem piadas com os Portugueses. Isso sim é um país sério. A partir do momento em que o pedestre atravessou fora da faixa, ele assumiu completamente o risco de causar um acidente. Melhoras aí para o seu velho. Abraço.

  • Magno

    Isso que eh tenso … seguro custa caro e não há garantias de que o segurado será indenizado de fato . Muita gente fica sossegado Pq tem seguro , mas na real , tem um problema maior ate do que quem não tem seguro . Isso Pq quem não tem seguro , não paga logo , sabe que não tem indenização . Já quem tem , paga seguro todo mês religiosamente e na hr que precisa , não será indenizado .

  • Thiago

    Alguém pode me explicar um coisa??
    Eu tenho um corolla com airbag duplo, se eu bater o carro e acionar o airbag, mesmo que não seja um estrago grande no lado externo, e tiver seguro, eles dariam perda total, porque acionar os dois airbags?? Estou perguntando porque não sei se é verdade ou mito…

    • Fernando Nunes

      Mito, a simples deflagração das bolsas não caracteriza perda total. Perda Total será sempre quando o valor para se consertar atingir 75% ou mais do valor atual do bem, ou quando o bem perder sua característica, ser impossível sua reparação.

      • Thiago

        entendi, mas aí que está, quando o airbag do passageiro aciona, detona o painel certo, daí o custo ficaria alto, pq alem de ter que consertar o painel, temos que instalar novos airbag, senão me engano, aí que está mimha duvida

        • Fernando Nunes

          Não necessariamente Tiago, se o custo para trocar as bolsas do air bag, painel de instrumentos, vidro parabrisa, cinto de segurança, módulos controladores de air bag, sensores de colisão, etc não for superior aos 75% do valor de mercado (caso sua apólice esteja nesta condição de valor de mercado), o veiculo será reparado. Existem vários critérios para essas avaliações, mas somente é possível definir verificando caso a caso.

          • Thiago

            Muito obrigado Fernando Nunes

  • RyanSX

    Eu sei que eles passam o pente fino e até os vizinhos não estão a salvo. Se acontecer algum acidente eles vão perguntar pros seus vizinho se você costuma sair com o carro frequentemente, se costuma beber e dirigir, até mesmo se você informar onde estava ou o local conter alguma camera ele vão pegar as filmagens, tudo para não pagar o seu dano. Meu pai teve que provar na justiça que não foi minha irmã que provocou o acidente, e foi uma dor de cabeça sem tamanho, mesmo depois de provar o carro ficou 2 meses aguardando o serviço. É terrível, mas é um mau necessário hoje em dia.



Send this to friend