Comprando e Vendendo Hatches Peugeot

Relato de compra: Peugeot 206 Feline 1.4 2004

peugeot-206-2004-relato-compra-2-1024x576 Relato de compra: Peugeot 206 Feline 1.4 2004

Gostaria de falar sobre a minha experiência de compra de um carro usado, onde busquei um carro na faixa dos 10 mil reais para a minha esposa, que usaria o mesmo apenas de vez em quando.



Existiam duas exigências: preço e possibilidade de seguro. Para ficar mais fácil de segurar o carro, o ideal seria um modelo a partir de 2001 e de procedência nacional. Não me importo com a quilometragem e sim com o estado de conservação, pois não pretendemos rodar muito com este carro.

Eu sabia que o preço era um fator bastante limitante para encontrar um carro em bom estado, mas eu não imaginava que teria tanta dificuldade. O estado dos carros era tão ruim que passei a considerar apenas a compra em lojas e com garantia de no mínimo 3 meses.

O início da procura

Comecei a visitar algumas lojas, e quando percebi já havia passado em mais de 20 lojas diferentes. Incrivelmente só encontrei seis modelos com um estado de conservação no mínimo aceitável:

– Renault Clio 1.0 com AC (sem DH)
– Fiat Palio Fire 1.0 básico
– Volkswagen Gol G3 1.0 com DH
– Peugeot 206 1.0 com DH (sem ar)
– Chevrolet Classic 1.0 básico
– Volkswagen Fox 1.0 básico (com 35 mil km)

Eu passei a considerar o Fox pois estava com a quilometragem muito baixa, praticamente 0km, mas o valor era maior do que eu procurava: R$ 16.500,00. Após fazer as contas, vi que o valor estava bem acima do valor que eu tinha disponível e eu não queria cometer a besteira de entrar em um financiamento, ainda mais com um carro básico que poderia “envelhecer” rapidamente pela falta de acessórios. Quem já teve um carro sem AR e DH sabe como é.

Após visitar o Clio uma segunda vez, percebi que o interior estava com algumas coisas quebradas e o ar não estava gelando. Os faróis também estavam bem amarelados, achei um pouco deprimente.

Então fui ver o Gol G3. Eu não sei o motivo, mas os carros dessa marca queimam a pintura com muita facilidade. O capô e o teto estavam muito mal conservados. Eu já tinha ouvido falar sobre o alto preço do seguro do Gol e como ele é um carro muito visado para roubos, então também descartei esta opção.

Agora restavam poucos. Eu nem cheguei a ver o Classic, a loja disse por duas vezes que o carro estaria no showroom, mas ele nunca estava lá.

Entre dois modelos

Pelo menos agora eram duas escolhas. O Palio ou o 206. Eu fui primeiro ver o Palio, o único detalhe era que a chave de seta estava totalmente “mordida” por um cachorro. Achei estranho, mas estava disposto a levar o carro mesmo assim.

Ao ligar o carro, percebi que estava com um escapamento esportivo. Não gostei, então resolvi ir atrás do último carro para ver qual era mais interessante financeiramente. Para a minha surpresa, ao sair da loja eu vejo um Peugeot 206 1.4 Feline 2004. Ele estava mais caro do que eu queria, por R$ 12.500,00, e eu tinha certeza que ele era importado e que não seria possível segurar, então acabei indo ver o 206 1.0.

O 206 1.0 parecia em bom estado, falei com o vendedor e ele disse que eles davam 3 meses de garantia em todos os carros. Dei partida no carro e ele estava com um forte barulho na correia, eu mostrei ao vendedor e ele disse que era só “jogar um WD” que parava o barulho. Mesmo achando um absurdo, eu fiz uma proposta para levar o carro com 300 reais de desconto, valor que eu gastaria na troca da correia e tensores. A loja não aceitou. Como se não bastasse, o dono da loja disse que aquele carro era muito barato para ele vender com garantia de 3 meses.

peugeot-206-2004-relato-compra-2-1024x576 Relato de compra: Peugeot 206 Feline 1.4 2004

Peugeot 206 com motor 1.4

Neste momento eu desisti da compra do carro, achei que seria melhor tentar a compra em outro momento. Voltei para a minha casa, e ao pesquisar na internet eu descobri que o 206 Feline 1.4 é de procedência nacional. Eu já tive contato com um 307 SW Feline e o mesmo era importado, nenhuma seguradora aceitava.

Depois de duas horas, acabei voltando na loja para ver o modelo. Estava com alta quilometragem (190 mil km), mas o estado de conservação (ao menos externamente) era muito bom. O seguro ficou apenas 15% maior que o cotado para o Palio. Haviam muitos opcionais, como DH + AC, vidros elétricos nas 4 portas, travas, retrovisores elétricos, sensor de chuva e farol automático. O modelo também é relativamente raro de encontrar, na época eu só achei mais um em um famoso site de classificados. Resolvemos fechar negócio.

Eu sou bastante interessado em mecânica, gosto de assistir vídeos sobre o assunto e de aprender a todo momento. Já tenho um outro carro francês, então conheço bem as suas particularidades. Não tenho o conhecimento de um mecânico, mas sei o suficiente para não ser passado para trás e para manter um carro usado da maneira que deve ser. No momento da negociação, fingi ser bastante leigo no assunto para testar a honestidade da loja. Tentaram me enganar com algumas coisas.

Problemas aparecem

Após rodar com o carro por uma semana, descobri uma infinidade de problemas:

– Forte barulho no protetor de cárter
– Tensor da correia fazendo barulho
– Painel não funcionava direito
– Ar condicionado não gelava quase nada
– Barulho vindo da traseira do carro
– Amortecedores e bandejas da frente estouradas
– Algumas vezes o carro simplesmente não dava partida

Resolvi mandar o carro para uma revisão por conta própria (troca de fluídos e filtros), pois sei que é muito comum venderem carros usando um óleo mais grosso para mascarar algum problema. Comprei o óleo Total 9000 5w40 e coloquei no carro, para a minha surpresa o motor estava muito bom, não fuma nada. Também arrumei do meu bolso o protetor de cárter, que acabou sendo mais difícil do que eu pensava pois havia quebrado o local de fixação, e não o protetor em si.

O barulho traseiro não era nada da suspensão e sim a forração da tampa do porta-malas. Coloquei uma bucha de pia de lavar louça lá dentro, tirou o barulho até hoje. Existem algumas gambiarras que acabam durando para sempre. Um dia vou arrumar em definitivo.

Mandei o carro para a garantia uma primeira vez. Ao voltar, eles arrumaram o painel, mas deixaram o mesmo desregulado (o carro marca 10 km/h a menos do que realmente está). Também arrumaram o ar condicionado, esse ficou muito bom, está gelando demais.

O problema da partida não se manifestou e eu pensei que haviam arrumado, mas no dia seguinte percebi que não estava bom.

Após rodar com o carro, percebi que o problema do tensor, dos amortecedores e da partida ainda estavam presentes. Pretendo deixar o carro novamente na garantia. Caso não resolvam desta vez, eu vou pegar 3 orçamentos e mandar arrumar do meu bolso, depois peço restituição no pequenas causas. As coisas no Brasil funcionam assim.

Conclusão

A conclusão deste relato é que eu precisei andar muito para achar um carro nas mínimas condições de rodagem. Tem muito, mas muito carro mal conservado à venda por aí. A grande maioria das lojas dizem a famosa frase “venda no estado”, que judicialmente não tem validade nenhuma. Eu fui até xingado ao perguntar a uma loja se a garantia não era meu direito como consumidor.

Já estou com o carro há quase 2 meses e não apareceu nenhum novo problema, acho que ele tem um nível de conforto bem acima dos outros que eu estava procurando. O motor 1.4 não é muito potente, mas ainda assim é uma boa evolução em relação ao 1.0. Ele também é muito econômico.

Ainda sobre o carro, eu não gostei da embreagem alta e a alavanca de câmbio é um pouco longa. Achei o banco do motorista meio desalinhado, me lembrou o Gol G4. Também estranhei os comandos do vidro elétrico no console central. Não achei os freios nada eficientes. Mas os bancos são do tipo concha e o comportamento dinâmico do carro é muito bom, ele passa muita segurança em rodovias (desde que você não precise frear rapidamente… rsrs). O painel branco com conta giros é um dos mais bonitos que eu já vi. A direção é leve e o espaço interno é bom, mesmo para eu que tenho 1,88m.

Por João Cagnoni

COMPARTILHAR:
  • Matthew

    Parabéns pelo relato! Carro usado é isso mesmo, infelizmente. Toda vez que compramos um, temos de ter em mente que será preciso ter pelo menos uns R$ 3.000,00 de reserva além da compra para fazer a manutenção do veículo. Muito difícil encontrar algum que não precise fazer absolutamente nada, a não ser que o antigo proprietário tenha como comprovar os serviços que foram feitos no veículo antes da venda. Eu sempre troco velas, cabo de velas, óleo e filtros, e a correia dentada.

    • João Cagnoni

      Concordo. Eu já comprei o carro preparado para uma eventual manutenção, entretanto todos esses problemas se resolveriam com menos de R$ 1.000,00 (motor de partida, amortecedores + buchas, tensor, etc). O problema do painel é bem fácil de resolver (basta abrir, tirar o ponteiro e colocar no lugar, segundo o YouTube… rsrsrs). Eu só evito mexer, pois se der algum outro problema e eu precisar da garantia eles podem dizer que eu mexi no carro sem a autorização deles. O meu carro principal foi comprado usado em uma concessionária, mas tive problemas bem semelhantes ao 206, porém demoraram muito para resolver. Estou pensando sinceramente em comprar o meu próximo carro diretamente de pessoa física. Cada vez que deixo o carro na garantia é uma novela, e são problemas que eu resolveria em 2 horas com o meu “networking de mecânicos franceses”. Hoje eu tenho 2 carros pra usar e acaba sendo fácil, mas eu não sei o que faria se não tivesse.

      • Leonardo C.

        Precisar da garantia de concessionária é terrível mesmo, passei uns perrengues quando comprei meu carro atual, onde as bandejas estavam com as buchas estouradas e as bieletas estavam péssimas, trocaram e colocaram peças recondicionadas. Depois de ver isso eu mesmo troquei por peças originais, fiz uma troca de todos os fluidos e já rodei quase 20.000 km com ele, está ótimo.

        • João Cagnoni

          O meu carro principal quebrou o suporte de motor, a concessionária colocou um paralelo que além de vibrar muito e dar trancos no câmbio ainda estourou depois de uma semana, mas dessa vez partiu na parte metálica e quebrou a capa da correia. Por sorte não quebrou a correia. Nunca vi coisa parecida.

      • Rbs

        Ótimo relato. Problemas comum nesse carro são . . .Chave de seta, rolamento traseiro e máquina do vidro elétrio. Não deixe de da atenção ao sistema de arrefecimento. Ate hoje sinto vontade de ter um desse. Sds.

        • João Cagnoni

          Verdade, a chave de seta parece um detalhe mas é caro de arrumar se der problema, e não adianta comprar de desmanche. Rolamento traseiro está ok, por enquanto rsrs.

          • Gilberto Clemente do carmo jun

            Legal, ja tive 2 Peugeots, um 206 sw 1.4 presence 2005 e um 207 passion 2011, os dois tiveram problemas na junta do cabeçote, o reservatório de água parecia que tinha doce de leite dentro, dizem que é um problema da junta original, tive que fazer a retifica nos dois. A suspensão traseira é complicada devido ao eixo, bem caro e tem que verificar sempre. Aconselho o uso do Militec para o motor.

            • João Cagnoni

              Gilberto, é mais provável um problema no sistema de arrefecimento causar a queima da junta de cabeçote. Isso é um problema simples mas requer uma oficina muito boa para aplicar a nova junta de maneira correta. Eu não uso Militec pois tenho uma política de deixar os meus veículos o mais original possível, tanto com peças como especificação de lubrificantes. Eu só uso óleo Total 9000 5w40 100% sintético que indica no manual, sempre antecipando as trocas e com os filtros originais de concessionária. Mesmo com 190 mil km, o 206 está com esse óleo sem vazar e nem fumar. Por coincidência é o mesmo óleo do meu outro carro.

            • nbj

              Também tive dois Peugeots. Um 206 1.0 16v ´2004 e outro 207 1.4 Passion 2011; Tive problemas com a chave de seta no primeiro e de máquina de vidro elétrico no segundo. Tive sorte, pois só depois que os vendi é que os DOIS tiveram problema com a junta do cabeçote.

    • leomix leo

      Em 2012 vendi um celta é comprei um Civic 2012, o carro na época não tinha muito o que fazer, era de um amigo da família, pouco rodado e o dono era extremamente cuidadoso e seguia a risca as revisões. hoje ainda estou com o carro, com uma quilometragem relativamente alta e sem surpresas, faço todas as revisões seguindo o manual e não pretendo trocar tão cedo. Tem gente que me chama de doido viajar com o carro tão rodado, eu falo que a garantia quem faz é o dono. Eu garanto rodar pra qualquer lugar com ele.

      • João Cagnoni

        2012 é um carro muito novo para os meus padrões rsrs

      • Janduir

        Em 2002 comprei uma Caravan Diplomata 1986 4cc etanol/gnv completa apenas como segundo carro e gostei tanto do carro que comecei a utilizá-lo na época mais do que um Civic que tinha, pois o carro era um delícia de guiar. Acabei rodando 100.000km em 4 anos, onde cheguei até a ir ao Uruguai (não muito longe, pois não tinha etanol lá). Ela no começo me deixou na mão uma unica vez pois quebrou a polia do comando que é feita de celeron, depois troquei por uma de alumínio e nunca mais me deixou na mão. Apenas com manutenção preventiva… em breve devo comprar uma 6cc e colocar pra rodar no dia a dia…

      • José Barbosa

        na verdade em alta quilometragem, mas com a adequada manutenção, há poucos riscos, o único inconveniente é que o motor já desgastado é menos eficiente, gastando mais e oferecendo menos. Mas quando tudo foi mantido e trocado no tempo certo, não há problema. Brasileiro, ruim de entender como carro funciona, acha que quilometragem é que estraga o carro. Até pode ser, mas em muitos menos casos do que se imaginam.

      • Michel Soares Pintor

        Não acho 2012 um carro velho. Qual a KM dele?

        • leomix leo

          Hoje tem 128k, sem grilos ou ruídos. Troca de pneus, óleo filtros fluidos, amortecedores por km e não por estar estourados.

          • Michel Soares Pintor

            Se bem cuidado deve ir até uns 200, 300 mil km tranquilo…

            • leomix leo

              Depois que vi no ADG um Logan táxi com 430km, sem retífica, estabeleci uma meta de 500k. Vou cuidar dele, até porque acho ele lindo até hoje.

          • Luciano RC

            128 mil km é zero KM. Meu pai tem uma Scenic com 500 mil km que não baixa 1 litro de óleo, não fuma nem nada.

            • leomix leo

              Meu sogro quando o carro dele chega a 50k, ele já diz que o carro é velho. Kkkkkkkk

              • Luciano RC

                Carro bem cuidado roda muito… por isso eu acho errado isso de garantia de 5 anos. A montadora pode dar garantia vitalicia, desde que se cumpra rigorosamente o plano de manutenção.

              • José Barbosa

                Compre o carro dele. É a partir de 40 a 50k que o carro atinge sua plenitude mecânica.

              • Edson Fernandes

                Meu pai se tivesse grana para ficar bancando troca de carro diria o mesmo…rs

                Me lembro que meu cunhado começou com isso, de trocar de carro como troca de roupa. Meu pai apenas tentou ser igul com o argumento “vai desvalorizar” e me vendo com o mesmo carro durante muitos anos…rs

                • João Cagnoni

                  Tem gente que tem fobia por oficina, não gosta de pagar 1 real em uma revisão mas troca de carro todo ano.

                  • Edson Fernandes

                    Olha, eu até concordo com algumas situações de pessoas que rodam muito. Nesses casos, a troca de 2 em 2 anos faz muito sentido porque é o tempo pra não desvalorizar muito e como a pessoa sempre compra quase sempre a vista e CNPJ, essa troca não desvaloriza tanto e ele até recupera na hora de vender muito daquilo que conseguiu de desconto.

                    Então existem possibilidades boas. Os compactos de entrada são exemplo disso porque perdem muito pouco por ano. Agora, são situações especificas. Tem gente que trocar sem precisar. Só porque “está ficando velho”.

                    Mas caras que precisam realmente de usar um carro sem parar e não podem ter um carro problematico (não é nem ser um carro ruim ou precisar ficar muito rodado, mas qdo começam as trocs de componentes mais caros, geralmente com menor saida e mais demora na entrega) é onde esse cara que precisa rodar muito troca de carro.

                    Caso contrário, dá para ficar. Isso vai depender de onde se roda.

              • Carlos Polesello

                Não velho…. mas no Brasil pelas condições das ruas e estradas, já ta na hora de dar problemas.

            • João Cagnoni

              Eu tinha um conhecido que andava com um Kadett de 500 mil km. Ele tinha condições de ter um carro bem melhor, mas segundo ele não tinha necessidade.

            • Fedido

              Impressionante

              • Luciano RC

                Tudo é do uso, do cuidado e claro, uma sorte de ter pego um carro bem feito. Conheço quem já teve carro que não chegou a 100 mil km sem vazamentos e fumaça.

            • Carlos Polesello

              Dê os parabens ao seu pai. Acertou na Sena.

              • Luciano RC

                Eu não acho… tivemos na empresa uma Renault Master Baú que trocou a embreagem com 150 mil km. O carro é um tanque de guerra.

  • EDU

    Gosto da Peugeot e o design do 206 sempre foi bem resolvido um carro que ate hoje tem um desenho bem bacana , e o seu ja vem com as patinhas do leao ops de gato no paralama direito hehe

    • João Cagnoni

      E não fazia muito tempo que o carro ganhou uma bela lavagem com enceramento… Como se não bastassem meus 2 gatos, os gatos dos vizinhos também usam o carro de hotel hehehe

  • Louis

    Meu 206 SW 1.4 está com quase 180 mil km, não baixa uma gota de óleo.
    Mas ano passado tive que fazer uma manutenção pesada, gastei R$ 6k nele. Por isso não animo em trocar, está muito acima da média em estado. Ando sem seguro mesmo.

    • João Cagnoni

      Eu andaria sem seguro tranquilamente, mas a minha mulher acabou de tirar habilitação e eu tenho medo (ou certeza) que ela vai bater em alguém. Como até um HB20 custa 50 mil reais hoje em dia, não temos condições de assumir o prejuízo no carro de um terceiro. Sobre o motor, dizem que o 1.6 16v é um tanque de guerra, bem mais durável que o 1.4 8v, mas os componentes do 1.4 são mais baratos.

      • Louis

        KKK o da minha esposa também está com seguro.

      • Leonel

        Eu não tenho coragem de andar sem seguro e nem é porque tenho medo de bater. Minha preocupação é com roubo. Perder 100% do carro seria uma bela “rasteira”. Claro que o seguro tem que ser viável e “justo”, caso contrário, seria andar sem mesmo…

        • João Cagnoni

          Perder o carro seria um belo contra-tempo, mas já pensou bater atrás de um Civic Touring que custa 10 vezes o valor do PUG?

          • Leonel

            Sim, só demonstra como as coisas podem piorar…têm vários modelos M, AMG e etc por aí rsrsrs

          • MauroRF

            João, é por essas e por outras que estou pensando em definitivamente ficar andando de carro popular. Tive um Civic LXR, 1 ano de uso só, que precisei vender para dar parte da grana em um apê, e comprei um Ka 1.0 SE (2018). Antes do Civic, tive um City, e um maluco numa moto furou o vermelho e foi com tudo na minha porta. Arregaçou toda a lateral esquerda. Sorte que quem tinha seguro era eu, porque o pé rapado que me acertou… Não sei ainda como ele saiu vivo até hoje, porém, a moto dele ficou destruída. Mesmo assim, tive que pagar a franquia, e o conserto saiu 7 mil e uns quebrados. Tenho um vizinho daqui do prédio que teve duas rodas do City 2016 dele roubadas, tomou prejuízo de mais de 2k, estava pê da vida. Do meu Ka, se roubarem (é de aço), sairá mais barato para repor. Anteontem mesmo, o trânsito parou de repente, eu consegui frear, mas o Palio Fire 2010 de trás, não, e pimba, bateu. Pelo barulho da pancada, achei que tivesse zoado legal, mas ficaram só umas marquinhas (nem vou mandar arrumar, sinceramente). Se fosse com o Civic, sairia mais caro para mandar arrumar. Detalhe: o para-choque do Palio do cara arrebentou todo. Das duas, uma: ou o para-choque do Palio é muito fraco ou o do Ka é “tanque de guerra”, kkkk. O cara ficou besta ao ver: “pô, no seu não fez nada”. E tem outra ainda, o consumo: andando entre 90 e 100 km/h na estrada, já fiz 14, 14,2 com etanol e entre 20 e 21 na gasolina. Na cidade, 9 a 10 com etanol, 12 a 13 (até um pouco mais, dependendo do caso) com gasolina. Sempre com ar desligado, pois tem feito frio. Só falta eu fazer as medições com o ar ligado agora. De qualquer forma, estou no “paraíso”, pois o Civic gastava mais. Por essas e por outras, estou pensando seriamente em não voltar a ter um carro maior/mais potente/mais “chique”. E parabéns pelo relato e sorte com o PUG!

            • João Cagnoni

              Obrigado! Eu já estive do outro lado da moeda, tive um Palio Fire 2010. O carro não freia bem (igual o 206), mas tem o “plus” de ser completamente instável, o meu era 0km e parecia que ia capotar nas frenagens com desvio de curso. O 206 também é bem mais econômico que o meu carro na cidade, mas eu fico um pé atrás por causa dessa falta de frenagem. Meu sedan médio já me salvou de alguns acidentes que poderiam ter sido muito sérios, não apenas pela frenagem, mas também pela segurança de jogar o volante com tudo para o lado e o carro andar sob trilhos. Eu gostaria de conhecer o 206 com freio à disco nas 4 rodas, mas pena que a plataforma do 206 não é lá essas coisas na hora da batida, hoje existem carros melhores no mercado em faixas de preços superiores.

              • Edson Fernandes

                Eu conheci um C3 1.6 com discos de freio traseiros (curiosamente 2004).

                O freio é BEM superior ao atual (e que eu tive um 2008) que só era na frente. E o equiibrio de frenagem é maior no caso do C3 tbm.

                • João Cagnoni

                  Acho que esse será o próximo carro da minha mulher. Não me lembro de outro popular com discos nas 4.

                  • Edson Fernandes

                    Assim de cabeça, se eu não me engano o Polo com a frente imitando mercedes qdo tem ABS possui. Mas tirando eles, não me lembro de outro. Entretanto, os atuais modelos com freio a tambor na traseira são bons. A calibração melhorou bastante.

                    Exceto o Sandero que eu peguei um alugado agora, e o modelo que tinha 30000km rodados (e motor 1.0 16v) freava muito melhor que o que peguei agora… que tem 580km (tinha né…rs) e motor 1.0 12v…

            • Luciano RC

              Ninguém merece tomar uma cacetada de um motoqueiro. Além de nunca ter seguro e ainda ter que arcar com o reparo todo, eles ainda se aproveitam disso para prejudicar o dono do carro e tentar ganhar o DPVAT.

              Minha mulher sofreu uma colisão lateral de uma moto que estava fazendo uma conversão proibida. Ainda bem que eu acionei os Bombeiros e a PM, lavrando o BO no exato momento e tendo os Policiais como testemunha. Por que o cara foi na delegacia depois e tentou fazer um BO de omissão de socorro e dano material. Vontade de matar o vagabundo.

              • José Barbosa

                Com motoqueiro todo o cuidado é pouco. Muitos aproveitam esta suposta omissão de socorro para depois cobrarem despesas médicas e lucros cessantes. Se não machucou, aproveita que tem um celular na mão, toma um café e faz um BO online. De preferência, filme o motoqueiro dizendo que está tudo bem.

                • Luciano RC

                  Junte testemunhas, tire foto, acione do seu celular o 193 e 190, busque se proteger da melhor forma, etc. Infelizmente, nem todo mundo é justo nesse país. Então precisa se proteger de todas as formas.

                • João Cagnoni

                  Eu já bati atrás de um motoqueiro (com o piloto automático, nem vi o infeliz rodando sem lanterna às 2h da madrugada). Acabou com a moto dele e com a frente do meu carro, mas ele não se machucou, pegou os restos da moto e foi embora, disse que não podia ficar porque não tinha carta. Eu fiz o BO mesmo assim e expliquei tudo, na hora eu tinha dado o meu telefone e falei que pagava a moto dele. Ele não me ligou, e depois de uma semana apareceu na frente da minha casa fazendo o maior escândalo e me ameaçando. Eu liguei 190 e esperei, ainda falei pra ele que não ia mais pagar nada porque ele tinha me ameaçado. Ele começou a gritar e não percebeu que encostaram 2 viaturas logo atrás dele. Os policiais vieram bem devagar apontando a arma pra ele, quando ele viu a polícia começou a chorar (e eu com aquela vontade de rir, me desculpem). Mesmo assim eu aceitei pagar a moto dele, os policiais deram um sermão nele e disseram que se ele aparecesse por alí de novo tava lascado. Nunca mais vi ele. Ele era uma pessoa bem simples, mas tomou a atitude errada.

            • Edson Fernandes

              Então Mauro, sabe que agora que eu estou com um carro alugado, me cercou essa mesma ideia?

              Sandero 1.0 12v. Carrinho anda muito! Não nega ganhar velocidade mesmo em subida!

              Sobre o Palio, além da deformação programada, os parachoques da Fiat são presos apenas com encaixes de plastico. Então pode quebrar mesmo. O do ka, deve ter batido e voltado no lugar, por isso só ficou marcado.

              Mas realmente é o que vc disse, bem mais tranquilo se locomover pela cidade e o custo é bem mais baixo. No meu caso, eu penso seriamente em ter um segundo carro. Gostaria que fosse com um motor 1.0 3 cilindros… gostei muito da entrega de potencia.

        • Sedici

          Nem me fale… tive um Siena fire 2009 que foi roubado e eu estava sem seguro…prejuizo total!

      • Danillo Santos

        Comprei um 206 1.6 16v ano passado, ele é 2001. Realmente é um foguete, o meu tem até ar digital, porém não tem vidro elétrico traseiro, vai entender… Suspensão do carro é um drama, muito barulho e frágil ao extremo. E o espaço interno já acho sofrível, e tenho 1,86m. Impossível um adulto sentar no banco atrás de mim

        • João Cagnoni

          Eu não sentiria falta do vidro elétrico traseiro, dificilmente eu abro ele. Dizem por aí que a suspensão do 206 é “ruim e frágil”, mas calma aí, ela é frágil mas não é ruim não… rsrs… É verdade que por causa do curso curto ela dura abaixo do normal, mas é muito boa a estabilidade que ela traz. Os carros da Honda possuem o mesmo problema, no Civic dobraram a quantidade de buchas, mas quando a manutenção chega o valor vem em dobro também. Não tem muita saída, nosso país merecia ruas melhores. Eu demorei uma semana pra achar uma terceira regulagem do banco do 206, aquela que fica em baixo da perna direita, você já usou? rsrs. Não tive problemas quando andei com 5 pessoas no carro, exceto que ele ficou se arrastando quando liguei o AC.

          • Danillo César Pereira Santos

            Eu chego o banco todo pra trás e o encosto deixa uns 15 cm para as pernas do passageiro de trás se encaixarem. A regulagem do meu banco tá ok, mas o parafuso de fixação do banco do passageiro ao assoalho se soltou e agora ele tá parecendo uma cadeira de balanço, preciso ver se acho pra comprar ou fazer uma gambiarra. Fora isso já troquei embreagem, haste do câmbio, manopla de câmbio, lâmpadas do farol (pelo menos uma a cada 2 meses), etc

            • João Cagnoni

              Você costuma comprar lâmpadas originais? Recomendo levar em um especialista (de verdade) na parte elétrica do carro, pois é tudo inteligado, qualquer instalação de som, alarme ou até um rastreador pode causar esse tipo de problema. Não é normal. Também estou com o banco do passageiro solto no meu C4, minha esposa andou 2 anos lá e não percebeu, eu só percebi quando dei carona pra um amigo que gosta de carros e ele me alertou.

              • Edson Fernandes

                Caraca sobrou espaço para o pessoal? Eu já andei no 206 hatch, sw, passion… todos bem apertados! Me lembro de rodar 100km em carona de um 206 com 5 pessoas…. eu sai todo torto mas fiquei pior ainda dentro.

                Se fosse comprar, seria consciente de não ser para dar caronas regularmente.

                • João Cagnoni

                  Sim, foram poucas vezes. Eu não perguntei se tava bom, mas ninguém reclamou e eu não senti aquele “joelho” atrás do meu banco rsrsrs

                  • Edson Fernandes

                    Nossa… no 206 que andei, o cara só me mandou tomar naquele lugar… mas tbm quem manda deixar um cara de 1,87m atrás de uma outra pessoa de 1,82m? rs Deveriam ter mudado… rs

      • durango

        O componente danos corporais a terceiros também é muito importante.
        Tem muito motoqueiro querendo se dar bem com isso.
        Outra vantagem é que em casos extremos há o corpo jurídico da seguradora te dando apoio.

        • Luciano RC

          Isso é importante mesmo. E fazer com um bom corretor que te da todo suporte e orientação caso necessário.

      • Jefferson A.

        Realmente o 1.6 aguenta muito, unico problema nesse carro é o eixo traseiro, de resto é um carro bem valente.

      • Edson Fernandes

        O 1.4 é tbm um tanque de guerra. É que o 1.6 é até no Brasil mais antigo que o 1.4. Mas ele é super resistente. Ele é aquele tipo de motor que comporta fazer gambiarras que continua firme e forte.

        O que eu já vi de donos de C3 fazendo gambiarra podendo gastar mixaria com peça original… não está no gibi… Vc que tem um 206, sabe que tudo é barato nesse motor e acredite, é motor robusto. Você acaba com o carro mas não acaba com o motor…rs

        • João Cagnoni

          Eu comprei o carro pensando que as peças seriam mais caras do que outros populares, mas parece que isso mudou, os preços estão bem menores do que eu imaginava. O seguro também.

          • Edson Fernandes

            João, desde 2008 isso é pura falacia de muita gente. Nego falar “Peugeot” ou “Citroen” vem nego que nunca viu a marca: “Vixi, esse é bucha para manter”.

            E mal eles sabem que a maioria dos itens tanto de motor como de outros itens mecanicos, não mudam de uma marc para outra (digo o tipo de mecanica).

            Então, em 2008 que eu peguei o C3, ele era mais barato de manter que Gol, Fox, Ka, Fiesta, Punto, Corsa, entre outros. O mais barato a epoca eram na ordem do mais barato o menos barato: Celta, Mille e Palio fire (e toda a linha que seguia o Palio fire como o Siena EL e o Siena Fire).

            De resto, ou era semelhante em custo do C3 ou mais caro. Ou seja… é facil e barato de manter. O motor 1.4 é um muito simples como qualquer 1.0 4 cilindros de nosso mercado. (e ainda de 8v)

  • Leonel

    Muito bacana o relato! É asim mesmo. Quando comprei o meu primeiro carro, foi uma baita dor de cabeça. Já no primeiro mês, queimou o cabeçote e fiz toda a troca da parte superior. No fundo, o carro começou a “fumar” e eu teria que simplesmente mandar fazer o motor todo. Eu gostava muito do carro, mas não tinha como desembolsar a grana em questão na época.

    Posteriormente, comprei um Celta. Fiquei dois anos ou mais com o carro e a única coisa que eu fiz (além das manutenções básicas) foi trocar a bateria. Nunca me deu dor de cabeça e etc…enfim, carro usado exige mais cuidado mesmo no momento da compra, mas com os preços absurdos que cobram pelos 0km, eu vou seguir nesta linha por mais um bom tempo rss…

  • Debraido

    Seu relato exemplifica bem a preocupação com manutenção do brasileiro. E as lojas adoram vender gato por lebre.

    • João Cagnoni

      É o lucro a todo custo. Não existe mais honestidade nesse mercado.

      • Mas convenhamos que dar garantia para um carro com mais de 10 anos é complicado, pois do podem aparecer inúmeros problemas. Você pode por exemplo ver que o câmbio está 100 por cento Ok, mas do nada pode quebrar, até pela questão da vida útil. No mais para dar garantia de um produto assim a margem de lucro tem que ser muito alta. E nunca entendi a lógica da lei exigir garantia por parte da revenda em um carro com 10 anos de uso, se o próprio fabricante que conhece o produto (e exige manutenção periodicamente em concessionária ) consede no máximo 5 anos. Creio que esse fator influência o alto preço dos usados no Brasil.

        • João Cagnoni

          André, eu discordo de você neste assunto. A partir do momento em que a loja se propor a trabalhar com carros de mais de 10 anos de uso, é dever dela garantir que o comprador não será lesado, assim como é opção dela optar por não trabalhar com estes carros. Lembre-se que até pouco tempo atrás a garantia padrão dos carros 0km era de 1 ano.

          • Leonidas

            João, você checava os carros naqueles bancos de dados mais confiáveis onde consta que o carro é de leilão, de PT, etc? Ou só olhava a ficha no detran mesmo?

            • João Cagnoni

              Como comprei de uma loja, busquei a ficha do carro apenas no Detran, mas procurei bastante o CNPJ da loja na internet.

              • Leonidas

                Ok. Tem q ter cuidado com isso. Cadastro do Detran não eh confiável. Muito carro de pt e leilão fica ok lá. Bom eh olhar em banco de dados específico ou tentar fazer seguro do carro.

        • Jok Jok

          A garantia, por lei, e aprnas para cambio e motor

          • José Barbosa

            Quem te disse tamanho absurdo? As lojas dizem garantir só isto, mas a garantia é completa, do produto como um todo. Claro que amigavelmente é muito difícil exigir estas garantias, mas quem tiver paciência, pode recorrer ao juizado especial cível e cobrar os seus direitos. É como o estacionamento que diz não se responsabilizar pelo interior do veículo.

            • Luciano RC

              Para que o estacionamento tenha responsabilidade pelo interior do veiculo, você precisa notifica-lo sobre todos os pertences que estejam dentro dele. Normalmente existe um formulário que deve ser preenchido e um funcionário faz a conferencia.

              • José Barbosa

                Para ele exigir tal providência, deveria alertar o consumidor da existência de tal formulário, na ausência de instruções, é responsável por tudo, graças ao princípio de inversão do ônus da prova.

                • Luciano RC

                  O problema é que para conseguir o “seu direito” você vai ter que arrumar uma baita briga. Os responsáveis vão ficar tirando o corpo fora e será necessário acionar a Policia exigir o cumprimento do Código de Defesa de Consumidor. Infelizmente eu já vi isso acontecer.

                  Por isso eu costumo pedir o formulário e já me prevenir com isso. Já tive problemas em estacionamentos, onde roubaram um Notebook e eles se negavam a mostrar as imagens das câmeras. Precisei entrar com um processo para que pagassem meu prejuízo.

          • Luciano RC

            O Código de Defesa do Consumidor informa que deve ser a Garantia Total do produto.

  • D136O

    Deu sorte de não aparecer nada grave pelas infos do carro ( sinais de descuido) tinha tudo pra ser pipino e mesmo assim a suspensão dianteira nao vai sair barato. Alem da negligencia dos donos a qualidade dos serviços oferecidos no mercado é péssima é muito fácil acabar comprando um carro que já foi todo revirado e acabaram estragando mais do que arrumando, principalmente no que se refere a funilaria.

    • João Cagnoni

      O mecânico que levei para revisar o carro trabalha na principal concessionária da Citroen aqui de SP. Eu não chamaria de sorte, pois a conta iria chegar na loja que me vendeu o carro. Sobre a parte de funilaria, isso é verdade, mas também é mais fácil de ver. Os amortecedores custam 180 cada (Nakata, Cofap, etc) e as buchas entre 30~40 reais cada na própria Peugeot (são 4 + o pivô). O restante da suspensão está ok, inclusive o eixo traseiro que é um defeito crônico do 206. Uma curiosidade é que tem muita oferta no mercado paralelo de buchas mais caras do que na própria concessionária.

      • D136O

        Obviamente o mecânico é de sua confiança e não estou questionando isso, mas trabalhar em concrecionaria não é um parâmetro muito confiável sei de cada história. Pelo que entendi vc levou o carro para avaliar no mecânico depois de fechar negocio, por isso mencionei a sorte, o mais prudente seria te-lo feito antes, pois mesmo nos seus direitos de consumidor pode ter dor de cabeça pra cobrar. Da suspenso, não sei quanto custa a mão de obra na sua região mas aqui com as peças ia girar próximo de R$900 não acho barato pra um carro de 12500 7% do valor. Realmente algumas peças sai mais barato na concessionaria principalmente se fizer amizade com o pessoal do balcão eles tem uma margem pra trabalhar com desconto enorme.

        • João Cagnoni

          Obrigado pelo comentário, estamos aqui para discutir, é comum haverem divergências de opinião. Eu concordo sobre não ser muito vantajoso levar o carro em concessionária, o problema não está no fato deles saberem resolver e sim se querem resolver o seu problema. Os mecânicos que conheço que fizeram carreira em concessionária são muito capacitados para trabalhar apenas naqueles carros, então conhecem todos os vícios e sabem resolver o que quase ninguém sabe, isso é muito bom no caso dos franceses que tem lá as suas particularidades. Os 2 mecânicos de concessionária que eu levo fazem o serviço com uma prática fora do comum, visivelmente eles sabem o que estão fazendo. Sobre o valor de manutenção, eu discordo totalmente do seu argumento, acho que esse é o motivo de um carro usado virar um pesadelo para muita gente. Se for preciso eu gastaria tranquilamente 5, 6 mil reais no PUG, eu sei que o motor está com 200 mil e pode pedir uma manutenção a qualquer momento. Ter pago 12.500,00 é muito bom, mas o carro vale 50k novo e não 12, então a manutenção é como qualquer carro de 50k, pois 12k compra um carro nas mesmas condições e não um 0km. Mesmo gostando de carros usados, não sou o tipo de pessoa que gosta de andar com o carro com alguns problemas e depois passar pra frente, sou muito exigente com manutenção.

          • D136O

            Nao quis dizer que não deva fazer a manutenção por ser cara, achei cara para um carro comprado com esse problema (claro que vc vai buscar ressarcimento), mas em outra situação esse valor revertido no momento da compra poderia ser uma melhor opção.
            Em suma grande parte da depreciação de um veículo deveria ser pelo seu desgaste, porem não é existindo carros no mercado em boas condições com preços atrativos, embora seja apenas minha opinião, acredito que não seja o caso do seu Peugeot.

            • João Cagnoni

              Ah sim, entendi o seu ponto de vista. Eles vão assumir 100%, não vai sair do meu bolso, eu só coloquei os valores para exemplificar caso o veículo estivesse fora da garantia. Para o caso deste 206, segundo a Fipe desde o ano passado ele perdeu R$328 do valor, ou 2,5%, mas segundo os sites de classificados o carro está até valorizando, esta versão Feline 2004 é bem rara, todo mundo pensa que é importado, mas ele é nacional.

              • D136O

                Muito bom a revenda se responsabilizar. Apenas para curiosidade, alguns veículos estão realmente se valorizando na fipe, isso se deve ao aumento absurdo dos novos, então usados com bons opcionais estão sendo mais procurados e vendidos mais caro.

                • João Cagnoni

                  Sim, tem razão. Um erro que vejo muita gente comete é considerar a desvalorização em percentual ao invés de números absolutos. As vezes o sujeito compra um carro de R$ 125.000,00 (sem referências diretas rsrs) e diz que a desvalorização é de apenas 10%, por isso é mais negócio do que um de R$ 80.000,00 que desvaloriza 15%.

  • HugoCT

    Tive um amigo que teve uma 206 SW e nunca mais quer saber de peugeot, a suspensão e um absurdo

    • João Cagnoni

      Os carros da Peugeot em geral tem curso curto, por isso a durabilidade é abaixo da média mas a estabilidade é acima da média. Precisa conhecer o carro antes de comprar para evitar surpresas.

    • Zé Mundico

      Mas isso já foi a uns 20 anos atrás. Avisa seu amigo que hoje não rola mais esse papo de Peugeot ter suspensão ruim.

      • Edson Fernandes

        Até porque, tudo é eixo de torção igual aos demais.

    • Carlos Polesello

      Hugo, a oficina de uma amigo diz que os Peugeot são a alegria dele. Só da eles lá, principalmente os mais velhos. Ficha 1 são os 206.

  • Bruno Silva

    Paguei 18mil em um Celta LS 2013 com ar-condicionado, pagando a vista final ano passado. Carro com 44mil km rodados, garantia pela ccs GM de 6 meses, o carro impecável. Achei um bom negócio, pq até agora no carro só fiz manutenção básica (revisão de 50mil km), e tenho certeza que é carro pra rodar no mínimo 200mil km. Confesso que pela experiência com francês aqui em casa, não teria coragem de comprar um usado, ainda mais com km alta.

    • João Cagnoni

      18 mil era o dobro do orçamento que eu tinha disponível. Acho difícil esse 206 rodar mais do que 30 mil km na nossa mão, logo não temos necessidade de um carro que aguente rodar 200 mil km. Se fosse o meu carro de uso no dia-a-dia eu compraria algum usado ano 2012 ou 2013 igual você mesmo disse, mas acho que existem modelos superiores ao Celta neste ano e valor (Fiesta Rocam, Novo Uno). O 206 não é potente, mas o torque do 1.4 faz toda a diferença na cidade, tira um pouco aquela sensação de andar com 1.0. Eu também fico bastante desconfortável no Celta, “batendo ombro” com o passageiro, mas não é um problema pois minha mulher que dirigiria na maior parte das vezes.

  • Mayck Colares

    Já tive um 206 Feline dessa época e com esse motor. Pena vc ter falado pouco do carro. Pra mim era um carro muito à frente da sua época, com um motor econômico e forte (tinha saído de um 1.0 de 70cv) pros 75 cv que tem.

    • Edson Fernandes

      75 ou 82 cv se for flex.

      Mas o bom desses motores é o torque em baixa e media rotação. O que muita gente se desagrada é o fato da PSA deixar o escalonamento do cambio mais longo usando marchas mais baixas se comparado aos rivais que tem uma escalonamneto mais curto.

  • Ricardo Santos

    Com 10K eu daria lance num consórcio.

    • João Cagnoni

      Depois de comprar um carro em 60x e outro em 48x, eu não compro mais à prazo nem rifa de festa junina.

      • Rafael Koch

        Mesmo caso meu. Tenho um Uno Sporting comprado em 48x (faltam 12 graças a Deus) e um C3 Aircross que fiz a burrada de financiar em 60x, mas assim que entrou uma grana extra liquidei a “bíblia”. Não entro em financiamentos nunca mais na minha vida, nem que seja por pouca coisa, como 5k. O Citroën é o carro mais confortável que já tive mas a manutenção tem que ser seguida à risca, qualquer descuido o preço quadriplica de valor. Manutenção em concessionária só fiz enquanto durava a garantia, depois disso passei para uma oficina mecânica especializada em Citroën, Peugeot e Renault.

        • João Cagnoni

          Faz muito bem! Você leva na 3E Motors? Melhor lugar que existe.

          • Leonardo C.

            É em São Paulo essa oficina? Preciso de uma boa pra levar o C3 quando necessário.

            • João Cagnoni

              Sim, é em São Paulo. Você pode levar na 3E Motors que fica na Chácara Santo Antônio ou na Technic que fica no Morumbi, as duas são muito boas e só atendem franceses. A primeira tem uma estrutura um pouco melhor e também é especialista no câmbio AL4.

              • Edson Fernandes

                Tem também a Motorfast que fica ao lado da Berrini.

                • João Cagnoni

                  Eles também são especializados em franceses? Não encontrei o site deles, será que não possuem?

                  • Edson Fernandes

                    São especializados sim. O Bruno é especialista em Xsara e “qualquer tipo de maconha” PSA antiga. E manja muito dos atuais também.

                    Não a toa, la foi o unico lugar a cuidar de uma versão especial de Mini Cooper fora de concessionaria (John Cooper Works Special, versão com o motor 1.6 THP com 230cv originais de fabrica, foi importado para o Brasil de forma independente).

                  • Edson Fernandes

                    A Motorfast tinha site e teve problemas.

                    Eles ficam na Rua Pensilvania 1272. Se quiser o numero, me dá um toque.

                    Os donos são Bruno e Luciano ( o Bruno é o conhecedor dos carros e muita coisa ele consegue diagnosticar de ouvido e é caprichoso porque te mostra depois as peças trocadas e o que deu problema ).

    • José Barbosa

      Consórcio é um dos PIORES produtos financeiros que existem. Melhor usar os 10 mil de entrada num financiamento.

      • Alfredo Araujo

        Fale mais a respeito por favor.. rs

        • José Barbosa

          O consórcio diz que não cobra juros, mas cobra taxa de administração;
          Se o valor da carta é indexado a algum automóvel, e você já tiver sido contemplado, pode ver o preço da parcela subir assustadoramente, se não for indexado, você perde poder de compra e pode não conseguir o veículo desejado;
          Você abre mão da disponibilidade do dinheiro e não tem nenhum benefício, apenas a esperança de que a aposta num lance pode te fazer antecipar a compra do bem. Entretanto, como você paga administração sobre a carta como um todo, você “não paga juros”, mas paga taxa de administração sobre um recurso que já tem, que no final das contas pode ser tão ou até mais caro do que um financiamento.
          Uma vez que você pagou, o dinheiro “não é mais seu”, até a extinção do grupo.
          E inúmeras outras questões pontuais. Não há toa, os contratos têm dezenas (e até centenas) de cláusulas. Não estou exagerando.

          • MauroRF

            Não sabia disso. Vendem consórcio como se fosse uma maravilha só. O mesmo deve valer para consórcio de imóveis, não?

            • José Barbosa

              Você já viu propaganda de CDB ou Tesouro Direto num banco? A quantidade de publicidade é inversamente proporcional à qualidade do produto.

              • MauroRF

                Nunca vi, sinceramente.

            • José Barbosa

              Como disse, é um dos piores produtos bancários, porque associa falta de disponibilidade imediata, custos extras, custo de oportunidade, e riscos que podem tornar o contrato imprevisível.

          • José Barbosa

            PS: deixei outras duas coisas em aberto
            1. Não existe desconto por pagamento antecipado;
            2. Existe a ridícula hipótese de você já ter pago tudo e ter que aguardar a contemplação ou o encerramento do grupo.

            E uma final: isto tudo supondo que o consórcio não vai falir. Para pegar grandes empresas, com menor risco, você paga mais caro (via taxa de administração).

            • MauroRF

              E as taxas, José? Quando elas seriam, proporcionalmente, ao mês e ao ano?

              • José Barbosa

                Varia de empresa para empresa, mas em média, representam de 1/3 a 1/4 do valor total da carta, para automóveis; e entre 1/4 a 1/5 nos imóveis (maiores valores e garantia, taxas de adm menores). Ou seja, num carro de 30.000,00, você pagaria algo como 9 a 12 mil de taxas. Isto na época que estudei, imagino que hoje os seguros estejam mais caros.

                • MauroRF

                  Obrigado pelas respostas! Bom saber dessas coisas. Na verdade, sempre ouvi falar de consórcio como coisa boa, que a taxa é baixa etc., mas eu mesmo nunca participei de nenhum. Será que para imóveis compensaria, tendo em vista as taxas altas do SFH?

                  • Edson Fernandes

                    Só faça as contas de um consorcio. Eu já vi que valeu na pratica eu ter feito um financiamento para adquirir o C3 em 48x em epoca com taxas de 0,58% do que as taxas de um consorcio de um produto que eu não iria adquirir no momento e ainda teria de dar um lance para talvez ser o sorteado.

                    Sinceramente? Não compensou a epoca e do C3 foi incrivelmente interessante porque não chegou a R$8000 do valor a vista.

          • Alfredo Araujo

            Huum…. vlw pela explicação.
            Essa de o valor do bem contemplado ficar indexado ao automóvel, realmente pode ser algo explosivo.
            Olha o exemplo do Corolla. A 3 anos atrás, a versão XEI era 80 mil. Hoje é vendida a 105 mil.

            • José Barbosa

              Salvo engano, o HRV é um exemplo até pior.

      • Castle_Bravo

        Obrigado pelas explicações. Eu nunca fiz consórcio, nem estudei muito sobre, admito. Mas todo “conselheiro financeiro” fala bem de consórcios, que possuem taxas mais baixas que o financiamento tradicional entre outras coisas. Toda “facilidade” tem seu preço, não adianta.

        • José Barbosa

          Cuidado com os “especialistas padrão Globo”. Os bons educadores financeiros fazem questão de mostrar prós e contras de cada um dos produtos, em geral, com foco nos contras, porque os prós já são até exacerbados pela publicidade, quando existe. Em geral, quem já fez e recomenda consórcio raramente colocou na ponta do lápis o quanto gastou no total e nem imagina os riscos que teve. E aí, se você pegar uma pequeníssima parcela que deu a sorte absurda de ser contemplada, ou achou uma assembleia de lance baixo, é evidência anedótica.

  • Wagner Lopes

    Eu estou nos usados a mais de 10 anos (terceiro Peugeot) mas só compro de particular, indo na casa do sujeito e fazendo o pente fino na caranga. Revendas é sabido que fazem todo tipo de maquiagem no carro (não todas mas quase todas…kkk).

  • João Cagnoni

    Essa foto não é minha, mas esse é o painel do carro que eu disse que acho de muito bom gosto: https://http2.mlstatic.com/moldura-de-painel-velocimetro-cromado-peugeot-206-D_NQ_NP_547221-MLB20726944501_052016-F.jpg

    • Edson Fernandes

      Versão 1.6….rs

      Tem esse painel, além do ar digital e otros itens que até hoje carros compactos não possuem. E o 208 é ainda mais equipado…

      • João Cagnoni

        O 206 1.4 da minha mulher possui este painel, mas não tem ar digital.

        • Edson Fernandes

          Funciona bem o ar digital tanto como o analogico. Mas na epoca que o Peugeot começou a ofertar tal item, era o unico modelo a ter esse item de conforto. Depois o C3 veio a ter tbm, mas já havia Polo com o recurso tbm.

  • Elfo Safadão.

    ótimo relato.

  • CharlesAle

    Acima de tudo, um relato sincero, parabéns..É, comprar carro usado é isso mesmo, aborrecimentos terá, não tem como. Eu, quando tive de adquirir um, procuro na cidade de Sâo Caetano do Sul, aqui no ABC. È uma cidade que privilegia melhor a conservação dos carros.Por ser toda asfaltada, de boa conservação, e seus habitantes tem muita coisa perto de casa, o que faz usar menos o carro.Além do que, quando vão vender, não “esfolam” no preço por o carro estar bem inteiro!!!

  • Eduardo Edu

    Fiquei surpreso de não ter lido nenhuma queixa sobre a suspensão dianteira. Sinal que a Peugeot se esforçou nesse quesito uma ver que os argentinos sempre pediam troca da bandeja dianteira.

    • João Cagnoni

      Conforme eu falei, as buchas da bandeja e os amortecedores dianteiros precisam de substituição. As bandejas vão ter baixa durabilidade sempre que os pneus ou amortecedores estiverem ruins.

  • Bruno Sousa

    Um amigo comprou uma vez um Peugeout 1.4 Feline uma vez e ele veio com o chicote elétrico partido de uma instalação de som mal feita. Ele apresentava esse problema de as vezes ligar e as vezes não.

    • João Cagnoni

      Eu li algo a respeito que falava justamente sobre isso. Não é tão ruim tentar algumas vezes na hora de ligar, mas bate o desespero quando deixo o carro morrer na subida e não consigo ligar rsrsrs

      • Marcos Vinícius

        João boa noite. Sem querer abusar da sua boa vontade, mas como você aparenta ter um excelente conhecimento de carros usados, te peço uma ajuda para saber o que observar ao comprar uma Peugeot Hoggar que estou de olho. PS: nunca havia entrado no disqus e liguei para entrar em contato contigo, nem sei direito como utilizar.
        Desde já agradeço! Grande abraço

        • João Cagnoni

          Olá Marcos. Fica tranquilo, não só eu como todos aqui podemos dar dicas pra você… Eu não conheço muito a Hoggar pois nunca tive contato com carros de caçamba, mas a parte do motor e alguns outros componentes são os mesmos. Você quer a 1.4 ou a 1.6? Prefira a 1.6, pois é mais resistente e melhor no geral. Se não der, a 1.4 é boa também. O motor das duas versões são bem diferentes, então as dicas também são diferentes. Mas verifique o estado do sistema de arrefecimento (mangueiras, cor da água e do reservatório, etc), e faça questão de andar com o carro tanto frio como quente, pois muitos problemas só aparecem com ele quente. Não há necessidade de fazer os serviços na concessionária, mas recomendo muito você comprar as peças somente lá e executar o serviço em algum lugar especializado em Peugeot. Assim não tem erro.

          • Edson Fernandes

            Pode ser peças genuinas que não tem a “caixinha” da PSA mas é do fabricante que o faz. Como Valeo, Bosch, entre outras.

            Da Hoggar, se a finalidade é uso a trabalho, somente a 1.6. O motor 1.4 deixará muito a desejar principalmente se comparado aos rivais mesmo 1.4. A artimanha dos demais é o fato de terem cambios curtos. E mesmo na Hoggar a Peugeot não fez isso.

  • Heleno

    Bom relato, acho o 206 um carro bonito, tem um bom preço de mercado, nível de conforto acima da média. Geralmente pelo preço de um 206 completo e 1.4, vc encontra Gol e Palio básicos. Tive um 1.0 16v modelo/ano 2003. Isso em 2010, comprei usado, pouco rodado, mas de longe o pior carro que já tive. Problemas elétricos nas travas e setas, Vazamento na bomba hidráulica da direção, suspensão dianteira fraca e cara, mesmo usando buchas originais. A unica solução é trocar a bandeja inteira, sai um pouco mais caro, não aconselho trocar somente as buchas. Radiador parece feito de papel alumínio, apenas alguns dos problemas que tive. Geralmente fico em média 3 anos com o mesmo carro, mas o desgosto foi tanto que vendi em menos de um ano. Mais um ponto a se considerar é a revenda difícil, mesmo vendendo para particular, é bem difícil conseguir valor da Fipe. Mas enfim a dirigibilidade é ótima, muito econômico, posição de dirigir é excelente de longe a melhor entre os concorrentes da época. Pela experiencia que tive não recomendo a compra, mas cada carro é um carro. Defeito todo carro tem mesmo zero km, uns mais outros menos.

  • Fabão Rocky

    Parabéns pela matéria cara! O 206 é um carrinho excelente, nunca tive um mas admiro mto ele. Tem um design bonito até os dias de hoje. Em relação a embreagem alta e a alavanca de câmbio um pouco longa é só vc levar num mecânico p/ regular.
    Infelizmente c/ apenas 10k é mto difícil achar um carro em bom estado de conservação. Se tem um carro q gosto mto tbm e vc encontra fácil no mercado de usados é o Corsa (hatch ou sedã). Mecânica fácil e barata, manutenção mto barata, peças de reposição fácil de encontrar no mercado paralelo, difícil de quebrar, seguro barato e não é visado p/ roubo. Atualmente tenho um sedã 1.4 Premium (versão top de linha) 2009, completão. Achei num famoso site de usados tbm e a dica q te dou é: sempre procure carros c/ quilometragem baixa pq é mais fácil de estarem c/ mecânica boa e bom estado de conservação. Comprei o meu em 2014 c/ 44mil km rodados e hj tem apenas 58 mil km rodados, n penso em trocá-lo tão cedo.

  • Lucas086

    Um carro que sempre quis ter, um 206 Feline… o acabamento desse carro é show de bola ainda, muito bom… sobre a compra, comprar está complicado, tem muito bandido na rua, eu mesmo tenho medo de comprar carro que não conheço a procedência, no começo do ano, um amigo comprou um corolla xei 15 por uns 5 mil abaixo do preço da minha cidade, quando o chegou, logo logo eu e outro amigo, fomos ver o carro e estrahamos, o carro estava muito novo… isso mesmo, carro usado, semi novo, sempre tem um marquinha e tal, esse não… resumindo, esse corolla tinha sido recuparado de um capotamento, achamos até as fotos na net desse acidente, esae meu amigo vendeu o carro e perdeu 10 mil e aprendeu a lição.

    • Ernesto

      Lucas086, seu amigo deveria ter feito uma vistoria antes de fechar negócio. Comprar carro usado não é fácil mesmo. Eu peguei um seminovo há 4 meses. Havia visto outros 5 carros e este estava visualmente muito bom. Então pedi a vistoria que confirmou que o carro estava tudo ok. Só depois disso é que fechei negócio.

      • Lucas086

        Dizemos a ele isso, mas ele se iludiu com o preço… Já outro amigo agora em julho, comprou uma a3 ambition sportback, pagou um avaliador, e o carro veio exatamente como viu na net, esse sim valeu a pena, pq comprou um carro conservado e difícil de achar no nordeste, por um preço justo.

  • Lucas

    Comprar um 206 com quase 200 mil km (isso porque eles devem ter baixado uns 50 ou 60 mil km do hodômetro) e de lojista ainda por cima é pedir pra jogar dinheiro no ralo. Ao comprar nessas lojas assuma o fato de que você foi posto pra trás, de uma forma ou de outra, já que a loja adquiriu esse carro por uns 7-8 mil reais e te vendeu por doze e com toda a certeza está maquiando diversos problemas mecânicos com soluções paliativas que se durarem 2 meses é muito, ainda mais num veículo com essa idade. Você deu de graça tranquilamente pro dono da loja 5 mil reais apenas porque ele pesquisou carros no OLX antes de você. Não dá trabalho abrir o OLX duas ou três vezes por dia no celular!! Você entende isso? O cara lucrou 5 mil reais apenas porque comprou do particular primeiro que você!
    Compra de carro seminovo é um exercício de paciência e oportunidade. Sempre gasto algumas semanas pesquisando carros quase APENAS de particulares das mais diversas formas, e isso me possibilita sempre adquirir veículos pouco rodados, sempre revisados na concessionária e muito bem conservados.
    Parta do pressuposto de que lojistas são desonestos (mesmo havendo exceções, não pague pra ver) e de que comprar carro de um particular pai ou mãe de família que te leva na residência dele pra ver o veículo à venda é quase sempre mais seguro. Isso vai te poupar muita dor de cabeça.
    Não estou falando mal do carro, inclusive meu primeiro foi um exatamente igual ao seu e com ele só tive alegrias, apesar de viver estancando por causa da embreagem muito sensível e alta, mas adivinhe: Comprei em 2011 de um particular na porta da Peugeot com menos de 20 mil km. Oferecei 2 mil além do que a concessionária pagava e no dia seguinte estava com o carro. Era ano 2005 ou 2006 e eu tinha acabado de terminar a universidade. EM um ano passei num concurso e o vendi sem perder UM CENTAVO. E isso foi se repetindo até chegar nos carros que possuo hoje, todos seminovos e pouco rodados, só porque eu compro antes dos lojistas e faço propostas coerentes.
    Se eu, em Belém do Pará (que tem uma oferta pequena de carros) consigo isso, por que você precisa recorrer e sofrer nas mãos dos charlatães?
    Não entenda esse texto como ofensa, mas como uma tentativa de fazer um colega não mais cair numa situação (que na minha opinião) é um erro.

    • Wanderson Bonifacio

      Infelizmente é isso que acontece.
      Nesse caso, seria mais fácil comprar um carro por R$ 5 mil, que custa R$10 mil, e gastar mais R$ 5 mil fazendo os reparos necessários. Pelo menos ia ter a certeza que não teria nenhum problema no carro. Bem melhor do que pagar R$ 10 mil num carro “de procedência” e ter surpresas no futuro.

      • Alexandre Viotto

        Um carro de R$5.000,00, nem fazendo todas as manutenções do mundo, estará isento de problemas! Com R$12.500,00 dava para comprar um bom corsinha sedan ou hatch segunda geração, e muito menos rodado…

        • Wanderson Bonifacio

          Provavelmente um Corsinha assim tá maquiado e com a quilometragem alterada. Carro antigo sempre te alguma coisa pra fazer. Por isso, eu disse que é mais vantajoso comprar um carro bem abaixo do preço e repará-lo.

    • Só no seu comentário tem uma pequena observação. Todo carro de logista já foi de um particular, logo se os lojistas maqueam seus carros é porque os donos anteriores eram relapsos. Dessa forma não creio ter muita diferença de comprar de uma revenda ou particular quanto a qualidade, ambos podem lhe enganar, ou tentar. Quanto ao preço sim, comprando de particular se paga menos.

      • Lucas

        A diferença é que de um particular compra-se o mesmo carro por um valor muito menor. Logo, sobra dinheiro pra efetuar os reparos necessários.
        Convenhamos, qual a chance de um 206 com 200 mil km estar rodando liso como um lojista prega? De um particular tu barganhas ao notar qualquer anomalia no rodar. Na loja, tu recebes um xingamento ao pedir desconto.

        • Ernesto

          O dono fala em garantia, mas sinceramente, acho muito difícil a loja arcar com reparos como ele tem dito.

  • Marcio Mendes

    É um carro barato, desvalorizado, com pós vendas e peças caras e vai valer muito menos quando for vender. Mas enquanto estiver sendo usado e não quebrar… pode servir.

  • José Barbosa

    Relato muito interessante. Minha regra é que ninguém vende o carro à toa, e tem por origem uma insatisfação: ou o carro é ruim, ou o custo de manutenção é elevado e não dá para manter como gostaria. Em ambos os casos, é descuido/desleixo. Salvo alguma rara exceção (tipo alguém ganha uma promoção com gigante reajuste no salário e troca de veículo por algo melhor, ou o racional que põe tudo na ponta do lápis, anda bastante e o custo de manter o carro – peças + seguro – supera os de um veículo novo). Minerando bastante, dá para achar um ou outro bom veículo em conservação. Mas o orçamento do usado deve levar em conta uma revisão geral, para “zerar pendências”, que custa 2 a 3 mil reais, que vão desde dar uma olhada a trocar tudo o que é importante e não se sabe precisar a data da última troca. O óleo, muito bem observado, SEMPRE deve ser trocado, pois é famoso o truque do óleo grosso para esconder problemas.

  • SDS SP

    Bom relato e que coragem de comprar um carro bem usado em uma loja rs…Eu só compraria se o carro fosse de algum conhecido.

  • Zé Mundico

    Cada qual sabe de si e até onde seu dinheiro alcança, mas acho que compraste uma bomba de efeito retardado.
    Se tiver grana suficiente para gastar todo mês e paciência para viver na porta do tribunal de pequenas causas pagando e ouvindo aporrinhação de advogado, vai em frente.
    Entendo que é carro para usar sem pensar em revenda, mas a manutenção de carros antigos costuma sair cara.
    Também acho que seria melhor ter comprado diretamente do particular, nessas olx da vida, onde se acha muita coisa boa por um preço razoável. Com particular sempre dá para “conversar” mais e o cara geralmente está precisando de grana. Já comprar na loja é pedir para ser enganado.
    E se um vendedor viesse prá mim com esse papo de “jogar um wd” eu saía correndo da loja….kkkkk
    Mas vai de cada um….

    • Ernesto

      Pior é que o João uma vez comentou sobre este 206 dele em outra matéria. Disse que o carro não barulhos internos. 206 sem barulhos internos? Estranho…

  • Gomes

    Amigo li seu relato e alguns comentários. O carro tem 13 anos de uso e vc pagou o preço justo. Se vc tivesse comprado um Corolla 99 estariam te idolatrado, mas como é um Peugeot, normal o preconceito. Tem gente que fala até que vai desvalorizar, ou seja, esquece que o carro já tem 13 anos e que quem compra um carro de 12,5mil quer mais é usar e ser feliz. Eu teria feito a mesma escolha, pelo conforto e itens de série. Os pequenos defeitos vc vai arrumando aos poucos, inclusive os freios, que podem estar com a pastilha vidrada. Boa sorte com o carro, fizestes um bom negócio!

  • Mauro Schramm

    Tivemos um 206 1.4 (somente gasolina) aqui em casa. Guardo boas lembranças do modelo, especialmente do conjunto motor/câmbio no uso urbano.

  • Gabriel M. Vieira

    Eu tive um Feline 1.4 Monofuel entre 2006 e 2009 (era um 2005 comprado com 42 mil km rodados). Bom carro, eu troquei por um Polo Sportline 2009 na época (de Test Drive). Nada a reclamar da Peugeot.

  • Vattt

    Tive um 206 Feline 04/05 em 2006, fiz até uma comunidade do Orkut para ele que se tornou a maior na época!!! Gostava muito do carro. Hoje em dia, ele bem limpinho com a carroceria toda alinhada se passa tranquilo por carro novo. Seu design foi por muito tempo o mais bonito da categoria e perdendo apena para sua nova geração, o 208!!!
    Tem mais, vá sem medo a uma CCS da Peugeot, a PSA tem um programa para carros antigos do grupo se informe! Eles podem até passar um scaner, atualizar software entre outras coisas sem compromisso. Hoje na cidade que moro atualmente não tem, mas sempre ligo para a mais próxima e converso com o chefe de mecânica que sempre dá informações sobre problemas que tenha em meu 207 SW 2010 que tenho desde 0km que está com 81000km, que aos pouco vou procurando manter impecável para ficar na família por muuuuuito mais tempo. Espero até poder comprar outro carro novamente sem vender minha perua. Boa sorte!

    • Leonardo Mendes

      Por um acaso essa comunidade era a Peugeot 206 Brasil?

      Se for, foi a primeira que entrei assim que criei minha conta, em 2004… bons tempos!

      • Vattt

        Não, não, era a comunidade 206 feline – 1.4, 1.6, CC, SW. kkkkkkkk Era uma específica para as versões feline. Realmente, bons tempos.

  • Anderson Kaddahr

    nem li ainda e digo!!!! melhor compra inquestionável
    nessa faixa de grana!!!

  • Leonardo Mendes

    Gostei bastante do relato, bem sincero e direto ao ponto.

    Trabalhei como concessionário Peugeot por 25 anos, já tive 2 206 (um Passion 2001, na época a versão mais luxuosa e da primeira leva do motor 1.6 16V, e uma 206 SW 2005, também 1.6, melhor carro que já tive disparado).
    Esse carrinho carregou a Peugeot nas costas por muitos anos.

    Boa sorte com o carro!

  • Robson

    Eu gosto muito de relato de compra assim, traz a tona a dura realidade do mercado de usados. E infelizmente carros em péssimo estado não é exclusividade dos com mais de 10 anos. Andei olhando alguns “seminovos” para trocar meu carro, e puta merda como tem cupim de ferro por ai. Veículos 2013, 2014 e até 2015 que estão em estado lastimável, prefiro um milhão de vezes meu carro 2007 (que está ótimo, então vai ficando comigo). A realidade é que para embarcar no famoso “Top de Linha completão” pelo preço do zero “pelado”, a pessoa tem que ter um minimo de conhecimento automotivo, ou é dor de cabeça praticamente certa. E sim, é possível encontrar carro em bom estado, mas para cada 10 que a gente olha, uns 8 no minimo não valem a pena.

    • Ernesto

      Passei por essa encruzilhada há alguns meses. Estava buscando Civic, Corolla, Cruze ou Sentra, 2014~2015.
      Como tinha certa pressa na compra, vi 1 Civic, 1 Corolla, 3 Cruze e 2 Sentra. O Civic estava bem judiada a pintura. No anúncio não se via isso. Os 3 Cruze tinham problemas, sendo 1 muito riscado mas internamente perfeito, outro sem riscos (achei que ele havia dado um tapa na pintura) mas internamente bem ruim. O último estava bonito mas o dono estava pedindo acima da tabela. Os dois Sentra estavam bem judiados, com arranhados e amassadinhos, então descartei logo. O Corolla estava bem bonito, sem riscos, manutenção em ordem (o dono fez questão de mostrar o livreto). Acabei pedindo uma vistoria que o dono descontou no valor do carro. Só após isso fechei negócio.

  • Joel Oliveira

    Parabéns pela compra. Independente dos “comentários” aqui e até da minha própria opinião sobre a escolha do modelo (eu particulamente nao gosto de franceses dessa época), desejo que faça bom uso e tenha boas experiências. Afinal, todo esforço merece boas recompensas.

    Fico contente quando vejo pessoas realmente colocando na ponta do lápis e averiguando os detalhes da compra de um carro e nao se deixando levar por emoção e conversa de vendedor. Lembro que esse seu modelo foi o pioneiro dos 1.4 no Brasil, era a opção mais em conta e justa quando se queria sair dos 1.0 “paradões”. Salvo engano, logo depois veio o Prisma 1.4 e ai essa cilindrada passou a se popularizar.

    Os gastos com manutenção são normais, ainda mais que o carro é 2004.

  • Mr. Car

    Quer comprar carro usado inteiraço, compre de mim.

  • Leonardo Lima

    Tomara, Cagnoni, que nada dê errado com o seu carro, mas sua escolha foi extremamente arriscada. Não por ser Peugeot, mas por ser um carro muito velho e muito rodado. Não precisa ser pessimista para enxergar falhas mecânicas iminentes, independentemente de quanto sua esposa roda com o carro. Se a meta era comprar um carro barato, pesquisando direito você encontraria populares mais novos e com um terço dessa quilometragem. Se a meta era comprar um carro completo, bem, melhor seria abrir um pouco mais a carteira e comprar outro modelo menos surrado. Ao que parece, você quer barato e completo ao mesmo tempo… Alguém acredita em almoço grátis? Obviamente, algo foi sacrificado, você assumiu um risco que a maioria dos compradores (acertadamente?) não aceitaria assumir.

    • invalid_pilot

      Mesmo se tiver que consertar tudo, capaz de gastar menos que um Kwid 0km

      • Leonardo Lima

        Nem 8 nem 80, ninguém tá falando de carro zero nessa faixa de preço. Com R$3 mil a mais ele comprava um carro 10 anos mais novo.

        • Ernesto

          O João fala que poderia até gastar uns 5 a 6K de manutenção nesse peugeot que ele acha que vale a pena porque um 0Km é 50K (isso foi numa resposta para o usuário D1360).
          Eu já pegaria esses 12.500,00 e colocaria mais 6.000 para comprar um carro mais novo, menos rodado, por 18.500,00.

  • Edson Fernandes

    @joocagnoni:disqus eu acho que aí o problema é marca de pastilha de freios. Troque por Cobreq e veja. Para mim melhorou muito a frenagem.

    • João Cagnoni

      Estou pensando em comprar original, pastilha paralela nunca deu certo comigo. Cobreq deu barulho no C4.

      • Edson Fernandes

        Cobreq no disco traseiro do Fluence não faz. Mas te digo para nunca comprar pastilha bendix. Pessima.

        Outra opção muito boa é a TRW / Varga para PSA ou Renault. (geralmente é a original dos carros)

  • Alvaro Guatura

    Esse carro é excelente… vendo relatos como este percebo que estou realmente ficando velho.
    Eu buscaria um Clio Privilege.. seja 1.0 ou 1.6. É possível encontrar em excelente estado, e o acabamento costuma estar intacto, tudo funciona e é muito bem montado

  • Marco

    É um bom carro, e embora já com um visual lançado há muito tempo, continua um carro muito bonito, tanto por dentro quanto por fora. O que me desagrada bastante nestes modelos da Peugeot é que os bancos dianteiros são inclinados para a frente, dando a nítida impressão que vc vai escorregar para debaixo do painel, principalmente no banco do passageiro, onde vc não tem o volante para segurar. Mas tudo é questão de costume. E a manutenção e preço das peças poderia ser mais em conta, bem como os dados da central eletrônica quando tem alguma atualização. Os da Citroen são piores ainda. Os mais em conta e mais baratos de manter são os da Renault, sem dúvida.

  • Carlos Polesello

    Comprar um carro deste ano com essa quilometragem por esse valor não se pode exigir muito. Nunca se sabe o que vai quebrar, e as lojas não tem culpa sobre isso. Carro neste estado sempre vai ter coisas para fazer. Não existe carro com 10 ou 15 anos inteiro. se existir o valor será bem caro, ai deixa de valer a pena comprar.

    • Ernesto

      O que eu acho estranho é ele dizer que se der problema, a loja irá arcar dentro da garantia. Será?

  • PrGirafales

    faltou dizer o valor do seguro, qual o valor que ficou?

  • Brenno

    Não sei ao certo de quem é a culpa nessa história. Veja que comprar um carro é caro. Manter um carro é caro. Tudo é muito caro!
    Pode ter certeza que a grande maioria da população só dá manutenção quando estraga e olhe lá. E a lei de Murphy não falha! Quando chegar a hora de trocar os pneus, aparece um vazamento, o carro falha, a bateria acaba, a bomba queima…
    A uns 3~4 anos tive problemas na chave de seta do Fiesta: não acendia luz alguma, nem seta, nem farol, nem a luz do painel. Ficaria 200,00 só a peça! Como uma merda plástica pode custar tão caro? Levei num mago da auto-elétrica que fez um jumper em um fusível pra mim e resolveu o problema, porém, as luzes de posição ligam com a ignição e só desligam ao remover a chave. Estava indo tudo bem até que semana passada…eu tenho de segurar a alavanca de seta para dar seta! No dia seguinte, a bateria acabou comigo, não dava sinal de vida. No outro travou a bomba de combustível. Hahahahahaha. Quando tiver grana pra ter outro carro, coloco o Fiesta no cavalete e desmonto inteiro, refazendo tudo do zero. Só assim pra ficar “novo”.
    Abraço!

Quem somos

O Notícias Automotivas é um dos maiores sites automotivos do Brasil, trazendo todas as novidades sobre carros por mais de 12 anos. Saiba mais.

Notícias por email