Dacia Europa Finanças Mercado

Renault: Dacia se prepara para reduzir lucro com eletrificação

Renault: Dacia se prepara para reduzir lucro com eletrificação

Há 20 anos, Carlos Ghosn decidiu apostar numa quase esquecida montadora romena nascida nos tempos do regime comunista, naquele país eslavo de língua latina. A Dacia, nome mais do que importante para essa região do leste europeu, passou do anonimato para o destaque em meio ao mercado do velho continente.


Com o Logan, a Dacia iniciou uma trajetória de lucros baseado na simplificação de produto e redução de custos, que fez os carros da marca romena serem os mais baratos da Europa e, assim, conquistar consumidores de baixo poder aquisitivo, especialmente após a crise mundial de 2008.

Hoje, um Sandero tem preço médio inicial de € 8.000 na Europa Ocidental, mas já custou € 5.000 na França há pouco tempo. Ele é também um dos carros mais baratos do Reino Unido e assim por diante. A Renault não abre os balanços financeiros de seus marcas de forma individual, mas analistas de mercado calculam que a margem de lucro da Dacia é alto.

Estima-se que apenas o Duster renda 10% de lucro, uma média que na Europa é igual ao das marcas de luxo alemãs. Carlos Tavares, que era o segundo na Renault, depois de Ghosn, se referia à Dacia como “vaca do dinheiro”, indicando a alta lucratividade das operações da romena, que também tem fábricas no Magreb (norte da África).


Renault: Dacia se prepara para reduzir lucro com eletrificação

O baixo custo fez de produtos como Sandero, Logan e Duster, modelos com boa rentabilidade, mas isso pode mudar um pouco a partir de 2020. Usando tecnologia que hoje se encontra em mercados emergentes, a Dacia não pode ir muito além sem aplicar a eletrificação para reduzir a média de emissão antes de 2021.

A pressão ambiental do Euro 7 obriga que as marcas europeias e as estrangeiras, ampliem a eletrificação de seus carros. Na Dacia, a conta já foi feita: em dois anos terão de ser gastos € 671 milhões, o que dá € 1.269 por carro.

Será um enorme desafio para a romena absorver esse custo, visto que se repassa-lo aos clientes, significará essencialmente queda nas vendas. A fórmula de sucesso da Dacia agora será colocada à prova. Se conseguir, indicará o caminho para a eletrificação em mercados emergentes também. Afinal, o baixo custo é uma característica também dessas regiões.

[Fonte: Auto News]

 

Renault: Dacia se prepara para reduzir lucro com eletrificação
Nota média 4 de 4 votos

Ricardo de Oliveira

Ricardo de Oliveira

Técnico mecânico, formado há 23 anos. Há 12 anos trabalha como jornalista no Notícias Automotivas, escreve sobre as mais recentes novidades do setor, frequenta eventos de lançamentos das montadoras e faz nossos testes e avaliações. Também trabalhou nas áreas de retificação de motores, comércio e energia.

  • Lucio Adriano Mendonça

    Ué os custos não vão subir para todos? Talvez ela continue lucrativa.

    • th!nk.t4nk

      Não… Os modelos vendidos em países da Europa que não fazem parte da UE não precisam atender às novas normas. Já a Dacia tem que obrigatoriamente investir, pois vende em toda a UE. Enfim, tudo leva a crer que a Dacia será um pouco prejudicada sim, e talvez acabe até tirando alguns produtos de linha nos próximos anos (como o Duster).

  • Chap

    Não creio que os lucros da Dacia na Europa sejam tão bons quanto foi dito. O valor agregado aos produtos da marca é baixo, o que limita muito as possibilidades de lucros maiores.
    Mas aqui no Brasil com certeza os lucros são fenomenais pois vendem esses carros baratos a preços de carros normais.

    • Emanuel Schott

      8.000 euros equivalem a R$35.000, porém os modelos de entrada europeus são mais simplificados que os nossos. Não tem nada de “lucro absurdo” no Brasil.

      • th!nk.t4nk

        Esses tempos tava no jornal aqui propaganda de Duster completão por 10.900 €. Isso dá 48 mil Reais. Não se engane com o preço de tabela desses carros, pois na Europa é costume negociar versoes bem mais completas a preço do básico.

        • Emanuel Schott

          Aqui também.. quando um carro sobe no ranking de vendas, pode saber que fez alguma promoção. Sem contar os quase 50% de vendas diretas que de cara já tem desconto.

          O Cronos Precision manual tava sendo vendido pelo preço do Cronos 1.3 (aquele de entrada, sem sobrenome).

    • Samluzbh

      A maior parte do lucro deve vir do sistema enxuto que a Dacia utiliza, o que inclusive deve continuar beneficiando os investidores, fabricas como a GM aqui no Brasil, que não tem nada de enxuto, mesmo vendendo Onix em balde reclama do lucro.

    • carnero

      Cara, vai na fé que dá lucro
      Ninguem é louco de investir no vácuo

      Outro ponto é que para fazer o lucro deve ser vistos os 2 lados: o preço e o custo

  • Edgar

    Na própria matéria diz que o Sandero custava €5.000,00 a pouco tempo atrás e hoje está a aprtir de € 8.000,00. Continua vendendo bem… Então quando todos os outros carros de outras montadoras terão seu aumento de preço por conta dessa eletrificação, os Dacias só vão acompanhar o mercado, e continuar baratos, em vista dos outros.

    • th!nk.t4nk

      Ainda vendem Sandero por 5.900 em vários países do leste europeu. E mesmo aqui na Alemanha, onde é mais caro, custa a partir de 6.900 €. Eu sinceramente nao sei de onde a matéria tirou esses preços mais altos.

  • Retrato do Papai

    se lá a taxa de lucro já é alta, imagina aqui que essa porqueira chamada sandero custa quase o mesmo que um polo

  • Retrato do Papai

    se lá a taxa de lucro já é alta, imagina aqui que o sandero custa quase o mesmo que um polo

    • O Sandero de lá é bem mais pelado que o vendido aqui.

      • Pedro Santos

        Não consigo imaginar um sandeiro mais pelado do que o nosso kkkk
        A qualidade do acabamento é terrível. Dirigibilidade não tão boa, ESP e outras medidas de segurança acho q tbm não, única coisa q salva na renault é a durabilidade e o custo de manutenção.
        PS: já tive vários renaults na família

        • Leandro

          Roda de ferro sem calota, pintura branca sólida, para-choques sem pintura, sem ar condicionado, sem vidros, travas e retrovisores elétricos, sem sistema de som, sem farol de neblina. Esse é o Sandero de 8 mil euros.

          • th!nk.t4nk

            Negativo, Leandro. Essa versao de 8 mil já tem quase todos os itens que você citou, menos o ar-condicionado. Com AC e cruise-control ele vai pra 9.100 €. Ah, e ainda dão desconto em cima desse valor. A versao peladíssima é a de 6.900 € (que é oferecida por 5.900 € ainda hoje em vários países do leste europeu).

        • Hugo Leonardo Dos Santos

          O acabamento só é simples demais, Polo também. Mas apesar de simples é tudo bem encaixado, sem rebarbas e não despenca nada com 100 mil km. ESP e outras medidas de segurança só quando sair o novo teste do Latin Ncap.

    • Rogério R.

      O Sandero brasileiro é mais equipado do que o europeu, é só olhar no site da Dacia de Portugal e verá. O Sandero europeu não tem Multimídia, não tem: ar condicionado automático, rodas de liga, vidros traseiros elétricos, ou seja, o Sandero Confort que é o top do normal lá tem menos equipamentos do que o Zen brasileiro. O Sandero mais potente vendido na Europa é o 1.5 dCi de 95 cv. Já aqui temos o 1.6 de 118 cv e o 2.0 de 150 cv.
      A resposta para isso é que aqui o Sandero chegou em 2007 com a missão de substituir o Clio e lá ele veio com a missão de ser mais barato.

      • Hugo Leonardo Dos Santos

        O russo também é bem equipado quase igual o nosso

        • Rogério R.

          Verdade, mas na Rússia tbém não tem o Clio e o Sandero lá como aqui faz o mesmo papel de ser o compacto da Renault.

          • Hugo Leonardo Dos Santos

            Eu achei o Logan Stepway deles mais bonito que o Logan Iconic daqui, mas o daqui é mais equipado

            • Rogério R.

              Eu tbém, os para-choques do Logan Stepway ficaram bem legais, outro fato curioso que acabei de ver no site russo é que lá Sandero e Logan usam os motores 1,6 K7M de 82 cv, 1.6 K4M de 102 cv e o 1.6 H4M o nosso SCe de 113 cv.

    • Hugo Leonardo Dos Santos

      Um Sandero de entrada custa 47 mil e Polo 54 mil. Um Sandero top de linha custa 69 mil e um Polo top de linha custa 85 mil. Não tem nada de custar quase o mesmo

  • Marcus Vinicius

    Para baixar os custos os primeiros dacia elétricos podiam vir a ser desenvolvidos e produzidos no Magreb norte da África

  • Roberto

    E-Power na veia! Quer dizer, nos fios!

  • Samluzbh

    O fato da Dacia ter lucro vendendo carros baratos significa que ela tem o que precisa para sobreviver, pesa a favor o fato que outras empresas do grupo já possuem know how em eletrificação, ao contrario de muitas fabricas que precisarão se fundir ou fazer alguma parceria no futuro.

    • Cesar

      O problema está no fato que precisarão trocar plataformas e motores. Esta é a razão do Sandero estar atrasado.

      • Samluzbh

        Sim, mas tendo no grupo a plataforma CMF, que se adapta a varias propostas, e tendo esse histórico de lucros, creio que das “Low Cost” será a que sofrerá menos com essa transição.

        • Cesar

          Vão mudar tudo para CMF e usar o conjunto elétrico do Clio.

  • Rogério R.

    Li num site português que a eletrificação é um dos motivos do atraso do Sandero e Logan 3, a tendência é de que os futuros Dacia sejam híbridos para se adequarem nas novas normas de emissões da Europa.

    • Cesar

      Alem disso estão preparando ele para os novos padrões do EuroNcap 2020 e 2021.

  • Natán Barreto

    A solução vai ser se juntar com os chineses, pois eles conseguem vender carros elétricos mais baratos que as demais, tanto que VW e outras generalistas estão indo atrás deles por parcerias em nível global

  • Renato Rodriguez

    A respeito dos comentários feitos a respeito da comparação de custo do Sandero em Portugal e no Brasil, é preciso levar em conta que o salário médio do Brasileiro é de R$ 2.340,00 mensais, sendo que o preço do modelo de entrada é de R$ 46.990,00, ou seja, o equivalente a 20,08 meses de trabalho. O salário médio em Portugal é de Eur 1.871,00 e o valor do modelo de entrada é de Eur 8.500,00, ou seja, 4,54 salários. A comparação é absurda olhando sob esse aspecto. Ainda assim (podem comparar pois fiz isso), a versão Pack portuguesa é melhor equipada que a Life brasileira.
    Além da notória carga tributária que temos, há muito lucro embutido no valor de venda no Brasil.

    • Emanuel Schott

      Não, não é preciso. Os custos não ligam pra quanto brasileiro ou portugueses ganham.

      O carro não vai magicamente passar a custar R$8.000 porque atravessou fronteiras.

      E não é mais equipado não. A versao topo em Portugal (Confort) é menos equipada que a Zen (segunda menos equipada) brasileira.

Quem somos

O Notícias Automotivas é um dos maiores sites automotivos do Brasil, trazendo todas as novidades sobre carros para mais de 450 milhões de pessoas, por mais de 13 anos. Saiba mais.

Notícias por email