Renault diz estar progredindo em negociação com russos

lada 1

A Renault continua sua luta para não ficar no prejuízo na Rússia. Com embargos contra o país aumentando a cada nova ação dos russos na invasão da Ucrânia, a marca francesa continua a negociar.


Segundo Thierry Pieton, chefe de operações da Renault na Rússia, o grupo europeu está “fazendo progressos” em conversas com Moscou.

No mês passado, a Renault fechou a fábrica de Moscou após reiniciar a produção e ter sido reprovada publicamente pelo governo ucraniano, que pediu um boicote internacional ao fabricante francês.

Além da operação moscovita, a Renault detém 68% da AvtoVAZ, principal fabricante de veículos da Rússia e o mais popular do mercado local.

Com a operação local representando 10% do total do grupo Renault no mundo, a empresa reduziu a previsão de lucros para 2022 de 4% para 3%.

Isso diante da possibilidade real de ter um prejuízo de pelo menos € 2,2 bilhões com uma eventual nacionalização de seus ativos na Rússia.

Pouco se sabe sobre a disposição de Moscou de nacionalizar os ativos da Renault, como prometeu fazer com todas as empresas do setor.

Como todas as estrangeiras de países que estão boicotando comercialmente a Rússia, já saíram do mercado local, fica difícil prever o que de fato irá acontecer com as fábricas, hoje paralisadas por falta de peças.

Mesmo com sócios russos, como a Rostec, que tem negócios com a Renault referentes à AvtoVAZ, a empresa não pode vender seus ativos sem que seja em rublos.

Como não é possível enviar esse dinheiro para fora, a Renault continuaria sem dispor do montante.

De qualquer forma, EUA e União Europeia impedem que haja negociação para venda desses ativos, caso contrário, o valor em rublos poderia pagar por petróleo e gás, que a Renault poderia revender no continente.

Até agora, essas commodities são as únicas que o Ocidente ainda permite negociar com a Rússia. Enquanto isso, a AvtoVAZ deverá nacionalizar alguns modelos, mas simplificados ao extremo para continuar vendendo.

[Fonte: ANE]

 

Autor: Ricardo de Oliveira

Técnico mecânico, formado há 26 anos. Há 15 anos trabalha como jornalista no Notícias Automotivas, escreve sobre as mais recentes novidades do setor, frequenta eventos de lançamentos das montadoras e faz nossos testes e avaliações.