Lançamentos Renault SUVs Test Drive

Renault Duster 2021: Impressões ao dirigir

Renault Duster 2021: Impressões ao dirigir

Nova geração? Sim e não. Pelas mudanças feitas, sim. Pelo uso de uma plataforma diferente da B0, não. É assim que o Renault Duster 2021 chega ao mercado brasileiro e com os mesmos preços do antigo, partindo de R$ 71.790. A proposta agora ficou menos abrangente, já que o motor 2.0 saiu da oferta, assim como a tração nas quatro rodas.


Apesar de manter a mesma base, perder um motor mais forte e ainda não ter o 4×4, o Novo Duster melhorou no que se propôs a fazer. Obviamente ainda existem coisas que precisam ser revistas. Com três versões e mais uma para PCD, o SUV da Renault é uma aposta importante do fabricante francês no Brasil.

Renault Duster 2021: Impressões ao dirigir

Mesmo contando com o Captur, o Duster é uma peça chave para a Renault manter uma boa presença num segmento que é altamente disputado. Da mesma forma que evoluiu, ele também não pode ir muito longe, devido ao seu irmão de plataforma. Conteve os preços e trouxe novidades, o que ajuda. A marca não fala em números, mas disse que quer vender mais do que antes.

Com o mesmo motor 1.6 SCe, o Novo Duster ganhou melhorias, como a direção elétrica, Start&Stop, controles de tração e estabilidade, assistente de partida em rampa e estrutura 12,5% mais rígida, por exemplo. Tendo câmbio manual apenas na versão de acesso, o SUV se apoia no conforto ao dirigir e economia do CVT.

Renault Duster 2021: Impressões ao dirigir

Esperávamos pelo motor 1.3 TCe, que tem 160 cavalos, mas ainda não chegou a vez dele e é compreensível. Afinal, o que seria do Captur com um Duster turbinado e potencialmente na mesma faixa de preço? Então, o mais provável é ver esse propulsor estrear no irmão mais caro e depois migrar para a novidade que chega agora.

Renault Duster 2021 – Conteúdo e preços das versões

Renault Duster 2021: Impressões ao dirigir

No conteúdo das versões, o Renault Duster 2021 vem com os seguintes itens:

Duster ZenR$ 71.790/R$ 77.790 – Transmissão manual ou CVT, ponteira do escapamento cromada (apenas CVT), com faróis com assinatura LED, direção elétrica, ar-condicionado manual, airbag duplo, controles de tração e estabilidade, assistente de partida em rampa, barras de teto na cor preta, rodas de aço aro 16 polegadas, Stop & Start​, vidros e travas elétricos, banco traseiro rebatível bipartido, rádio 2DIN, chave canivete, alarme perimétrico, Isofix, entre outros.

Opcionais: Multimídia Easy Link​, faróis de neblina​ e rodas de liga leve 16 polegadas (R$ 3.000).

Duster Intense – R$ 83.490 – Itens do Zen, mais CVT, grade dianteira cromada​, maçanetas na cor da carroceria​, barras de teto cromadas​, aplique prateado nos para-choques​, multimídia Easy Link, retrovisor externo elétrico cromado, vidros elétricos com função um toque, indicador de temperatura externa, ar-condicionado automático​, sensor de estacionamento traseiro​ com câmera de ré, controlador e limitador de velocidade, volante em couro, espelhos nos dois para-sóis​ e luz de cortesia no porta-luvas e porta-malas.

Opcionais: banco de couro (R$ 1.700), pacote Outsider com overbumper, faróis auxiliares, molduras laterais e saias de rodas reforçadas (R$ 2.300).

Duster Iconic – R$ 87.490 – Itens do Intense, mais alerta de ponto cego, rodas de liga leve aro 17 polegadas e diamantadas,  sistema Multiview com quatro câmeras, sensor crepuscular, chave cartão e apoio de braço.

Opcionais: banco de couro (R$ 1.700), pacote Outsider com overbumper, faróis auxiliares, molduras laterais e saias de rodas reforçadas (R$ 2.300).

Renault Duster 2021 – Impressões visuais

Renault Duster 2021: Impressões ao dirigir

O Renault Duster 2021 ficou melhor visualmente. A estética do SUV de origem romena não se limita aos detalhes como os faróis mais fluidos com luzes diurnas em LED ou a grade ampliada. A carroceria do modelo sofreu alterações estruturais que ampliaram seu volume numa comparação com o antigo.

Encorpado, o Novo Duster tem uma frente mais envolvente e até lembra vagamente, de certo modo, o Land Rover Discovery Sport. O conjunto frontal ganhou ainda reforço de um capô (com os 2 amortecedores) mais musculoso, assim como para-choque mais aerodinâmico.

Renault Duster 2021: Impressões ao dirigir

Nesse último caso, o arrasto foi reduzido com o para-brisa mais inclinado, o que alterou também as colunas A, as portas dianteiras e por aí vai. O pacote Outsider parece um pouco exagerado no overbumper com faróis auxiliares. As saias laterais abauladas, deixam o Duster novo ainda maior que o antigo. As falsas saídas de ar laterais possuem repetidores de direção.

Com uma linha de cintura que vai se elevando, o Novo Duster ganhou até alguma elegância, enquanto a traseira porta lanternas quadradas que nos faz lembrar do Jeep Renegade ou Ford Galaxy, como confidenciou um colega do setor.

Renault Duster 2021: Impressões ao dirigir

Mesmo olhando de perto, não dá para notar facilmente as quatro câmeras do Multiview (exceto a traseira), que não faz uma apresentação em 360 graus. As rodas de liga leve aro 17 são bem apresentáveis e ampliam a presença do Novo Duster.

Se por fora ele ainda parece muito com o anterior, por dentro, ele é completamente diferente. Esqueça aquele visual de Logan e a aparência nítida de baixo custo. A Renault (Dacia, na verdade) adicionou um conjunto interno que não se limita ao painel, que é sempre a porta de entrada de qualquer carro. Porta? Dá para começar por ela.

Com acabamento em tecido de bom toque e aparência, as portas dianteiras receberam um tratamento melhor que do antigo Duster, ficando mais encorporada e adicionando um puxador estilizado. As maçanetas de cor cinza são mais interessantes que, por exemplo, as usadas no Toyota Corolla XEi, que nem pintura tem.

Renault Duster 2021: Impressões ao dirigir

Infelizmente, e aí podemos dizer que não existe almoço grátis, as portas traseiras perdem esse bom tecido. Os bancos da frente ficaram mais envolventes e confortáveis, enquanto atrás é bipartido e suficiente. O bom é que os novos assentos não interferiram no espaço atrás, melhor que no Captur, naturalmente.

Na versão Iconic com tudo dentro, o Novo Duster tem apoio de braço retrátil para o motorista, um item apreciável, assim como a direção de múltiplos ajustes. Entre os bancos, o vácuo deixado por um seletor de tração e o piloto automático que, felizmente, saiu da posição inglória para ir ao volante, que tem bom desenho também. Ruim é o ajuste da mídia e telefonia na coluna de direção.

Renault Duster 2021: Impressões ao dirigir

Os retrovisores têm comando agora no painel, junto do alerta de ponto cego, outra novidade. O painel é bem moderno, apesar de usar plástico duro. Ainda assim, tem um cluster resolvido, apesar do display multifuncional ser bem simples. A multimídia EasyLink agora tem até 5 perfis de usuários e mantém a pontuação para condução eficiente e recomendações para economizar combustível.

Android Auto e Car Play estão presentes, mas há somente uma entrada USB, que é um erro numa época tão conectada como a nossa. Há uma fonte 12V se precisar recarregar outro celular. A multimídia ficou mais intuitiva, mas com o ligar dos faróis (com sensor) e lanternas, a tela fica muito escura sob sol forte. O Multiview ajuda nas manobras e no off road, mas sem 360 graus em tempo real.

Renault Duster 2021: Impressões ao dirigir

Botão de partida e chave cartão, são interessantes, mas o ar condicionado automático com displays digitais é a melhor parte visual da mudança interna. O porta-luvas continua bom, enquanto os difusores poderiam ser um pouco maiores. A alavanca de câmbio vem com seletor no pomo, como no Sandero. Já o porta-malas continua bom com seus 475 litros, pena o estepe ainda ir debaixo do carro.

Renault Duster 2021 – Impressões ao dirigir

Renault Duster 2021: Impressões ao dirigir

Foz do Iguaçu-PR – O Renault Duster 2021, pesando 1.279 kg, tem um conjunto com motor 1.6 SCe de 120 cavalos no etanol e 16,2 kgfm, obtidos a 5.500 rpm e 4.000 rpm, respectivamente, sendo apenas aceitável. Num momento de transição de alguns SUVs para motores turbinados com ou sem injeção direta, o utilitário esportivo fica devendo um pacote melhor, nesse caso.

Seu motor 1.6 16V até que responde razoavelmente nas saídas e no trânsito urbano, mas com CVT (que simula seis marchas), ele exige rotações mais altas para embalar e um certo tempo para alcançar o objetivo. Nessa situação, o giro sempre fica entre 3.000 rpm e 4.000 rpm. Se precisar imprimir mais desempenho, ele sobe até 5.000 rpm com alguma demora.

Renault Duster 2021: Impressões ao dirigir

Para tirar um pouco mais de ânimo, é preciso recorrer às reduções manuais, mas apenas para uma pequena melhora. Nas ultrapassagens, é preciso manter um giro bem alto e garantir uma boa folga na estrada para embalar com segurança. Em subidas não muito íngremes, a rotação sempre fica acima de 3.000 rpm.

No plano, a 110 km/h, ele fica nos 2.300 rpm, mas qualquer subidinha a mais, ele vai para cima dos 3.000 rpm. Metendo o pé (segurando no manual), o 1.6 SCe corta aos 5.800 rpm. Ainda que todo esse giro alto seja frequente, o nível de ruído interno é moderado, ajudado pelas medidas de isolamento, incluindo vidros de maior espessura.

Renault Duster 2021: Impressões ao dirigir

Boa mesmo é a direção elétrica do Duster 2021, que ainda conserva alguma dureza em manobras, mas bem menos que a eletro-hidráulica antiga, ruim. Na condução, ela se mostra mais direta e confortável. Com o Start&Stop ativado, ele continua funcionando, o que é bom também.

Os freios mantêm uma boa eficiência, enquanto a suspensão ficou mais firme, porém, garantindo boa estabilidade ao Novo Duster. Com ajuda de sistemas como ESC, TCS e Hill Holder, o modelo ficou mais seguro ao dirigir, permitindo maior controle do veículo. Mesmo em estradas de terra com muitos buracos e restos de asfalto, o SUV da Renault garante conforto.

Renault Duster 2021: Impressões ao dirigir

Sem ser tão diferente ao anterior, mas com recheio revisado para cima, o Novo Duster mostra um bom conjunto, que tem como vantagem robustez, espaço interno, porta-malas e o novo conteúdo. Ele ainda oferece diversos acessórios exclusivos na rede Renault.

Falta airbags laterais, infelizmente, falando a Renault que a estrutura foi reforçada e que a medida visou reduzir custos… O tanquinho de partida é outra herança do antigo. No mais, o carro agradou pela proposta, ficando devendo o motor mais potente e um 1.0 TCe de 120 cavalos, que faria um bem enorme ao Duster 2021.

Renault Duster 2021 – Galeria de fotos

Viagem a convite da Renault. 

Ricardo de Oliveira

Ricardo de Oliveira

Técnico mecânico, formado há 23 anos. Há 12 anos trabalha como jornalista no Notícias Automotivas, escreve sobre as mais recentes novidades do setor, frequenta eventos de lançamentos das montadoras e faz nossos testes e avaliações. Também trabalhou nas áreas de retificação de motores, comércio e energia.

  • Ford Opala Attractive 200TSI

    Parece ter melhorado bastante, mas só venderá bem se tiver bons descontos.

    • Luis Fernando Pozas

      Pq?

  • Emilio

    Melhorou bastante. O que me chamou a atenção é o comando do cambio no modo manual, marchas para frente, puxe a alavanca, redução, empurre. Esse movimento é bem mais lógico que os tiptronics do grupo VW que eram o oposto.

    • Rodrigo Ultramari

      a grande maioria das marcas é assim…. uma ou outra que é ao contrário

  • Edgar

    1520kg??? É isso mesmo.? Parece demais para o carro, com motor 1.6, tração dianteira e voltado para baixo custo.

    • J.M Duarte

      Acho que se enganaram, já que o antigo tinha cerca de 1250kg

    • Luiz Schuchter

      Erraram sim. Manteve os 1250 a 1279 kg.
      Fora o tanquinho de partida a frio que só serve pra estragar, e o motor no limite do aceitável para o carro, o restante agradou bem.
      Logo que sair a versão 1.3 turbo com opção 4×4 será uma alternativa interessante no mercado.
      Poderiam dispor do 2.0 aspirado com CVT também, teria certo mercado

    • Raphael P

      1250kg, erro na digitaçao.

    • ricmoriah

      Corrigido. Na realidade é 1.279 kg. A versão manual é que tem 1.255 kg.

  • Baetatrip

    “O Multiview ajuda nas manobras e no off road, mas sem 360 graus em tempo real.”
    Como tem isso e nao ter tração 4×4?
    Como seria esse modo? Na graminha?

    • RicLuthor

      “Como seria esse modo? Na graminha?”

      Nos estacionamentos!

      O pior é o fato das câmeras não sincronizarem gerando uma imagem virtual de 360° por cima do veículo; nem haver linhas de guia dinâmica quando a ré é engatada.

  • Raphael P

    O Duster pesa 1200 e alguma coisa, acho que foi erro na hora de redigir. Pelo que vi em outras avaliações, perto do freio de mão ha um espaço redondo e um botão, ambos sem atribuição. Bom ao que parece deve ser seletor da versão 4×4 que é bem provável vir com o 1.3 Tce. Nao considero tao absurdo os preços, mas é imperdoável a falta de mais airbags sendo que os modelos menores da marca trazem de serie.

    • Guilherme Ferreira Lucio Lemes

      Em outra avaliação que eu vi informaram o peso de 1.250 kg. Acredito também que seja um erro de digitação.

      • ricmoriah

        1.279 kg nessa versão e 1.255 na manual.

  • RicLuthor

    Alguns cortes de custos desnecessários são: o seletor do câmbio não ser iluminado no topo da alavanca, não haver guias dinâmicas quando a ré é engatada, só haver apoio de braço para motorista e na versão de topo, terem retirado o forro de tecido das portas traseiras, e o assistente de partida em rampa só funcionar para subida.

    • Samluzbh

      Não entendi essa questão do assistente de partida em rampas? Vc quer dizer que não funciona dando ré? Onde tem essa informação?

      • RicLuthor

        Vi a informação no vídeo do canal Opinião Sincera, mas de fato ficou meio dúbia mesmo. Não houve confirmação se não funciona com o carro dando ré ou se os apresentadores desejavam que o carro também tivesse o assistente de descida.

        Fica a dúvida para ser sanada numa avaliação completa do carro.

        • Pablo Alves

          funciona tanto nas duas opções descida e subida, tem sim, guias para a ré

          • RicLuthor

            Eu sei que tem as guias, eu escrevi que não tem guias dinâmicas. As linhas de guia presentes são fixas e não se movimentam com o giro do volante para indicar na tela a trajetória do carro.

  • RPM

    Vi em outra matéria que esse carro 1.6 faz 11/12 km/l com gasolina….tem que ter coragem hein

    • leomix leo

      Pior que um 2.0 aspirado que tenho e nem comparo com o 1.6 THP.

    • Toyo_Highlander fan

      Para a cidade é um consumo muito bom para o porte do carro. Tem muito carro 1,0 que não consegue alcançar isso.

    • Ricardo Silva

      Oxi, mais que isso só motor 1.0.

      • Thiago K. Galiza

        Pois é, fiquei pensando o mesmo

    • MonHoe

      Então vc sofreria com um renegade não passando de 8 na cidade

  • Toyo_Highlander fan

    Vejo muita gente, “piloto de teclado” só criticando o carro, mas se esquecem que o modelo foi desenvolvido para ser de baixo custo. Digo o projeto original já que é um carro voltado para países emergentes. Se no brasil custa muito caro o problema é daqui, lá fora é um produto muito bem acertado e acessível.
    Outro ponto que tenho que discordar em negrito é: “O Renault Duster 2021 não é um carro leve, pesando 1.520 kg“, na verdade o carro com essa configuração pesa 1290 kgs. Com 1520 kg que é o mesmo peso da Old Tucson, com apenas 120 cv esse carro teria o mesmo desempenho de uma Kombi com motor boxer.

    • MonHoe

      A Duster sempre custou muito menos que os concorrentes, assim como o Sandero e o Logan, só que a Renault destruiu o fator de venda dos carros, preço baixo. As pessoas compravam sabendo da simplicidade e sabendo que era barato por isso. São apenas carros baratos com preço de carro caro

      • Toyo_Highlander fan

        Pura verdade! O carro foi concebido para ser de baixo custo de produção e consequentemente de venda final. Projeto Dacia para a Europa Oriental. Aqui chega no mesmo valor de modelos com qualidade superior o que impossibilita um sucesso maior dos modelos da empresa.

    • ricmoriah

      Corrigido. É 1.279 kg, o MT é que tem 1.255 kg

  • Zé Mundico

    É aquela história: é um carro feito alí na ponta do lápis, com a régua numa mão e a calculadora na outra. Carro de baixo custo não pode ir além de certos limites e a Renault já se especializou nisso, só faz carrinhos populares e dessa não sai mais. Está sendo coerente com sua proposta e fiel com seu público. Não esperem mais do que isso dela…
    O tanquinho de partida a frio é um ótimo exemplo disso. Claro que a Renault poderia colocar um módulo eletrônico de pré-aquecimento mas isso iria refletir nos custos do carro e o preço iria aumentar. Então, se o tanquinho resolve, deixa o mimoso lá!
    Apesar do motor 1.6 e câmbio serem da Nissan, eu desconfio que para subir uma serra com 4 pessoas e alguma bagagem, esse bichinho deve cuspir sangue. Já numa ultrapassagem a coisa deve ficar tenebrosa…
    Mas 99% das pessoas que comprarem esse carrinho vão usar nos engarrafamentos das cidades para deixar a garotada na escola e para curtir uma praia ou um passeio no sítio nos fins de semana. Gasolina tá pela hora da morte….

  • Robson

    Eu gostei do carro, de maneira geral melhorou bem e sinceramente o motor 1.6 atende a grande maioria dos compradores sem a menor dúvida, o desempenho é Ok. O que mais estranhei na verdade foi ter somente duplo air bag e não 4 de série como Sandero e Logan, isso não fez nem sentido por se tratar de um carro ainda mais caro que os irmãos.

    • what_the_hell??

      Até o Kwid tem 4 airbags! Colocar apenas 2 foi uma grande mancada da Renault!

  • Eu acho que ele termina de matar o Captur, até que o mesmo apareça (sozinho) com o 1.3 Turbo. Desenho por desenho, que é algo subjetivo e pessoal, gosto mais desse novo Duster.
    Certamente não será líder de vendas, mas pode achar seu lugar no mercado com as melhoras e o preço mais baixo.

  • Milton Vital

    Além do motor turbo, faltou o freio de estacionamento eletrônico e um console entre os bancos

  • Willie Cicci

    Barato não é, mas com certa margem de erro, custa o que deveriam custar todos os seus concorrentes.

  • Racer

    Agora eu teria um…pensando no quesito estética. Mas motor “berrando”, depois de 3 SUV Diesel, não consigo aguentar. Motor Diesel vai sempre em giro baixo….bem tranquilo….

  • Rogério R.

    Bem bacana a avaliação do NA. O Duster 2 ficou bem mais bonito do que o 1, um fato curioso e relatado no vídeo do Duster 2 no canal do Emílio Camanzi é que a Renault manteve o tanquinho de partida a frio porque o consumidor não reclama disso, então a marca prefere continuar com o sistema que é mais barato. Um outro fato curioso é que vi no Best Cars que a plataforma agora é chamada de B0 plus ou B0+ devido as melhorias e pelo visto deve ser bem semelhante a do Arkana russo, então ainda acho que esse SUV cupê será feito em uma das 3 fábricas da marca francesa na América do Sul. Como já disse, segundo o que relatam os vídeos do Duster 2 o novo motor 1.3 TCe só chegará ano que vem, assim como o NA, também estou achando que esse motor virá primeiro no Captur 1 fase 2 que o AS flagrou recentemente em testes aqui e só depois irá para o Duster 2. Então para mim as bolas fora da Renault com relação ao Duster 2 são: não ter 4 airbags, não ter ainda o motor 1.3 TCe e versão 4×4, mas mesmo assim acho que ele tem grande potencial para voltar a figurar entre os 20 carros mais vendidos.

  • delvane sousa

    Esse pneu estepe preso abaixo do carro. Pensa trocar em um dia de chuva ou na lama

  • Vargézio

    Fiz um test drive hoje. Mudou da água para o vinho. Tenho um 2012. É outro carro, tanto a mecânica quanto o interior. Melhorias, quase todas. O painel ficou bem melhor, bem como as portas, estas bem mais pesadas e piores para fechar. Está mais firme, o meu inclinava muito. Câmbio CVT mil vezes melhor que o meu manual. Giro do motor a 100km/h: 2100 rpm, o meu 3000. Aceleração melhor que o antigo, apesar do CVT demorar para embalar. Depois que embala, aí vai tranquilo. Consumo: acho que melhorou muito, na cidade diz que faz 10, na estrada a 100km/h percebi 16, 18, 20, 22, só desabando a qualquer pisada mais forte. Direção elétrica bem melhor que a minha, hidráulica, agora está bem mais rápida, o carro responde na hora. Ruído interno melhorou bastante, o ruído do motor é bem mais discreto, antes tinha que ligar o som pra abafar o barulho, mas ainda não é o ideal. O visual externo há controvérsias, a lanterna de Renedade (ou Galaxie) não gostei, ficou pequena. Será um gancho para futura atualização a la Sandero, com um aplique na tampa do porta-malas? Creio que sim. A frente melhorou muito em relação ao antigo. Não é uma Brastemp, mas ficou bem melhor e mais aerodinâmica. Sistema start-stop: gostei, e caso não venha a gostar, pode ser desativado. Sensor de estacionamento com câmera bacana, não testei mas parece ser bem útil.
    Pontos negativos: continua sem Iluminação os botões dos vidros elétricos.
    A turma que critica sem nem ter olhado ao vivo, muito menos dirigir, deve rever seus palpites. Se criticam o novo modelo, que dirāo o antigo.
    Tenho tudo para trocar, gosto do espaço, da altura elevada (nesses 8 anos nunca raspou embaixo) e o preço é o menor da categoria (é o que me disponho a pagar, até passou do que pretendia).
    O Duster foi renovado e ficou bem atual, tirando isso e aquilo, como o motor aspirado, tanquinho de partida a frio e estepe embaixo do carro (este nunca usei, ainda bem).
    O pára-brisa mais inclinado e o painel mais robusto e elevado reduziram a visibilidade e a visão ampla que ele tinha antes.
    Ainda vou olhar o Creta e o HR-V para decidir.

  • andinmoraes

    Ficou menos horrível… para bens
    Agora, 120CV é de quebrar as pernas, hein?!

Quem somos

O Notícias Automotivas é um dos maiores sites automotivos do Brasil, trazendo todas as novidades sobre carros para mais de 450 milhões de pessoas, por 15 anos. Saiba mais.

Notícias por email