Finanças Mercado Montadoras/Fábricas Nissan Renault

Renault e Nissan confirmam novos investimentos no Brasil

Renault e Nissan confirmam novos investimentos no Brasil

As montadoras Renault e Nissan, que também são irmãs em uma aliança global, confirmaram que farão novos investimentos no Brasil. Com crescimento de 17,8% no período de janeiro a abril, a marca francesa fará um aporte financeiro para dar continuidade ao ciclo de aplicação nas operações nacionais.


A Renault investiu R$ 3,2 bilhões de 2014 a 2018, pretendendo agora anunciar um investimento adicional para um novo ciclo, que deverá ajudar nos planos de ter 10% de market share no Brasil até 2022. No período anterior, o dinheiro garantiu que a marca pulasse de 7,1% para 8,7% de participação no mercado.

Para obter esse novo crescimento, a Renault aposta em lançamentos como do Kwid Outsider, revelado recentemente por R$ 43.990. Mas, entre os produtos novos esperados, o SUV de estilo cupê Arkana aparece como principal destaque, sendo um produto que se posicionará acima do Captur. Já o Novo Duster também é outro que deve catapultar as vendas da marca.

Renault e Nissan confirmam novos investimentos no Brasil


No caso da Nissan, o foco é no aumento da produção nacional e olhos nas exportações aos países vizinhos. A montadora japonesa pretende ampliar o volume feito em Resende-RJ para 125 mil carros este ano, um volume 18% superior ao de 2018, quando saíram das linhas de montagem 106 mil exemplares dos modelos March, Versa e Kicks.

A Nissan já encerrou o investimento de R$ 2,6 bilhões que levou à construção da planta fluminense, bem como ao lançamento do Kicks, entre outras ações. A empresa está otimista com a liberação do novo aporte nacional, projetando crescimento de 12% nas vendas em 2019, assim como o lançamento de produtos novos.

Na América do Sul, a Nissan subiu de 3% para 5% de participação nos últimos cinco anos, registrando 3,8% no Brasil em 2018. Nos planos da marca, o Kicks – que é o carro-chefe do portfólio – ganhará em breve uma variante eletrificada com a tecnologia e-Power, usando um motor flex. Os Novos Versa e Sentra também deverão chegar.

[Fonte: Automotive Business]

Renault e Nissan confirmam novos investimentos no Brasil
Nota média 4.5 de 8 votos

  • Gilberto Mariani

    Acho que o grupo de maneira geral atuaram muito bem entre 2010 até meados de 2017, mas após a chegada de novos players os seus produtos ficaram muito defasados vide March, Sandero, Logan e Versa, precisando serem atualizados com urgência e não apenas um facelift como é esperado para a dupla Logan e Sandero. O distanciamento da Dacia no caso da Renault na minha opinião é arriscado tendo em vista que hoje a marca não é muito considerada para produtos de maior valor agregado, logo colocarem produtos mais caros no mercado de origem francesa pode acabar com resultados iguais aos de Citroën e Peugeot, com encolhimento e perda de Market Share, hoje a Renault vem se transformando lentamente em uma nova Fiat, com seus carros muito direcionados a frotistas e populares de menor custo de aquisição.

    • Jonathan

      É verdade, mas acho que por isso que possivelmente farão apenas um facelift na dupla, uma renovação mais profunda eu acho que inevitavelmente agregaria valor e talvez deixariam de concorrer com tanta força onde concorrem (frotistas etc). Pra mim o que faz falta no portfólio da Renault é um Hatch com mais “valor agregado” pra ficar um pouco acima do Sandero – deixando ele realmente como uma opção mais em conta – poderiam trazer novamente o Clio. Eu não tenho um Renault porque não gosto do Sandero, se vendessem o Clio eu com certeza consideraria uma opção de compra.

      • Gilberto Mariani

        Concordo contigo, acho que o Clio tem muito mercado aqui, ainda que feito como foi feito com a Captur, o design do Clio europeu sobre a plataforma do Sandero, com um acabamento diferenciado com produtos de melhor qualidade e motores mais eficientes de preferência Turbo brigando na faixa de preço de Polo, Argo, Yaris e essa turma aí!

        Deixando o Sandero brigando num degrau intermediário entre Kwid e Clio.

      • Ernesto

        Um hatch com mais valor agregado? Tipo um hatch médio? Essa categoria está praticamente morta! Você acha mesmo que os consumidores optariam por um carro assim?

        • Gran RS 78

          Não, tipo o Novo Clio, que iria brigar bonito com o Polo e Argo.

          • Ernesto

            Ah, certo, o Novo Clio. Aí eu concordo. Só não sei se brigaria bonito pois acredito que o preço seria alto.

    • what_the_hell??

      Na família Sandero/Logan, acho que somente a adoção do motor 1.3TCe nas versões mais caras, e com direção elétrica em vez de hidráulica, já aumentaria muito bem as vendas do carro, que já tem fama de confiável! O motor 1.3 tb deveria vir o quanto antes para a dupla Duster/Captur!

  • eto

    Pelo jeito a FORD vai cair pelas tabelas ,parabens ao reiducando CARLOS GHONS que deixou a “receita” pronta

    • Gilberto Mariani

      Acho que não só a Ford mas também a Fiat se não abrir os olhos, a Renault vem “roubando” muito mercado da Italiana, onde ela costumava ser implacável, leia-se o mercado popular com seus Unos e Palios assim como Siena, feito que Mobi, Novo Uno, Argo e Cronos não conseguem, não por serem maus produtos aliás muito pelo contrário, mas nessa faixa de preço, o Kwid vem se mostrando arrebatador, e se a dupla Sandero e Logan tiver um pouco mais de cuidado voltarão a melhores posições no ranking de vendas… o mesmo para a Duster.

      • Jonathan

        Eu acho que nunca vou compreender o que passou na cabeça das pessoas que “aprovaram” a retirada do Palio do mercado. O argo é um carro bom, mas a verdade é que ele não substituiu “a contento” nem o Palio – embora tenha potencial -, nem o Punto, muito menos o Bravo. Ainda “queimou” o carro os preços dos infinitos opcionais e a falta de descontos no lançamento.

        • Gilberto Mariani

          Concordo em número, gênero e grau, eu sinceramente preferia um Palio Fire com o kit dignidade ( Airbag, ABS, Ar, Vidro, Trava, Som e Direção) a ter um Mobi que não leva nem 4 passageiros com o mínimo de conforto. mas….

        • eto

          Na verdade tudo isso foi devido ao sucesso do ONIX .Os compactos “bolinha” PALIO e GOL ja nao estavam afinados com que o mwrcado queria e a “gota dagua” foi o HB20, A FIAT precisa de um carro “paraecido” com os dois , foi ai que surgiu o ARGO,ja a saida do PUNTO e BRAVO foi por falta d edemanda em detrimento aos SUVs

          • O Punto se fizessem um carro novo, bonito, e colocasse o nome, estaria vendendo bem. O Palio a mesma coisa. Mataram dois nomes famosos no mercado e colocaram um carro que não consegue nem de longe ser o melhor do segmento.

            • MonHoe

              Entre os compactos de entrada mais baratos o Argo é o melhor, melhor que Onix, HB20, Ka, March, Yaris e Etios, perde pro Polo e pro Fit, acho que o problema dele é que a Fiat é gananciosa, deveria ter recheado mais o carro, quem vai pagar mais de 60 mil num Hatch com rodinha aro 14 e sem retrovisor elétrico? São coisas que pesam na hora da compra, um Onix já tem tudo isso abaixo dos 60 mil, por isso o Onix vende mais, vem com um pacote que não deixa os principais itens de fora e sem opcionais

          • Gilberto Mariani

            Sim, mas a receita do Onix ser hoje líder de mercado era a mesma do Palio, duas versões diferentes com o mesmo nome (Onix Joy e o restante da gama) se a Fiat tivesse lançado o Argo como Palio e mantivesse o antigo como Palio Fire, estaria brigando no topo da tabela…

            Ter matado o nome Palio foi um erro absurdo, assim como tirá-lo de linha para a entrada do Mobi e atualização do Uno.

            A Renault por outro lado, trouxe o Sandero com os mesmos atributos tecnológicos do Onix e vendeu bem até a chegada do Kwid que acabou canibalizando um pouco as vendas e claro o cansaço do projeto.

        • T1000

          Eu compreendo: custo. É nitidamente uma plataforma de baixo custo a do Argo, vendido a valor de Premium.

  • Freaky Boss

    Gosto da Renault. Todo mundo que eu conheço que teve carro da marca gostou e não teve dor de cabeça, ao contrário de quem eu conheço que teve carro das outras francesas….
    E eu já tive Nissan e achei muito bom também. Carro que ficou 10 anos na família e zero problema, além de ter mecânica boa.
    E esse ARKANA vai fazer sucesso. Design muito bonito, e brasileiro compra carro muito por design.

    • klaus

      já tive Clio (na época, acima dos outros populares), Logan (carro honesto, robusto), e Versa (espaço, motor e consumo excelentes). no geral foram boas experiências.

      • Daytona

        Na família tivemos alguns:
        – 2001 – Clio Sedan 1.0 Zero KM – foram 110.000km e 8 anos, melhor carro que tivemos
        – 2011 – Sandero 1.0 Zero KM – Vendido esse mês com 115.000km sem surpresas
        – 2012 – Sandero 1.6 Zero KM – Ainda na família com 95.000km sem surpresas

        O Clio era muito superior em construção do que o Sandero e única cosia que “quebrou” nele foi motor do Vidro elétrico com 100.000km… de resto só itens de desgaste.

        O Sandero 1.6 trocamos Platô e Disco com 90.000km… embreagem estava começando a ficar dura… problemas só a cordinha do porta malas (que segura o tampão) que quebrou 3x (~R$ 17,00 cada vez que quebrava… mas era um saco)

        O Sandero 1.0 passou liso.

        Cara o Sandero é espartano: bancos simples, acabamento simples, sem grandes luxos… mas todos com AR e DH e foram 7~8 anos com ambos sem nunca parar em qualquer situação, nunca apagar painel ou deixar de dar partida.

        Posso afirmar que foram confiáveis mesmo usando nas buraqueiras e estradas de terra as vezes!

    • T1000

      Renault pra mim é carro descartável para usar até acabar a garantia e vender. Passou a garantia começa a quebrar tudo nos carros.

      • Jean Lehn

        Desinformado hein !

    • Robinho

      tive um Sandero, carro honesto, bom de mecânica, ruim de acabamento e consumo, péssimo na revenda, se eu teria outro Renault? sim, este Arkana…rsrsrs

      • Freaky Boss

        eu chego a conclusão que todos os carros exceto ,honda e toyota, são tidos como ruins de revenda nesse país.

        • Robinho

          não msm, tive varios carros de varias marcas, mas o Sandero realmente foi dificil, uma pena, pois como eu disse é um carro honesto.

  • Mr Tony

    Ansioso pelo Kicks E-power, mas com esse dólar ai… vai ser osso, pois parece que o conjunto de motor elétrico e baterias será importado.

    • Mauricio Devojno Bruder

      Eu nao tenho a minima ansiedade pelos carros eletricos no Brasil com a legislação atual, tributos e preços. O carro eletrico nao pode custar 50% a mais do que o não-elétrico, a diferença de preço nao será recuperada na economia de combustivel neste intervalo. Outro ponto que tenho severa desconfiança é a reposição, daqui há 3 ou 4 anos quando essas baterias comecarem a dar pau e já tiver saído da garantia, ter que substituir as baterias e/ou sistema, qual será o valor cobrado? Vai dar o preço de 2 carros não elétricos e capaz de sobrar troco…

      • Mr Tony

        Acho que você não conhece o projeto do Kicks E-power. Ele não é um elétrico, é semelhante ao BMW I3: ambos tem como motor principal um elétrico para “mover” o carro, mas também um a combustão para gerar energia, bem pequeno, seria um 1.0 de apenas 3 cilindros. A bateria nesses carros chega a ter apenas 5% do tamanho de um elétrico puro, suficiente para fornecer energia naquele momento. A vantagem? Você não fica “refém” da tomada e de um longo período de carga, o carro não sai tão caro (tudo bem a BMW cobra caro pelo I3, mas garanto que é mais pelo status, BMW não é carro “de massa” e pelo fato de ser único no momento) quanto um elétrico, um motor que chega a 170cv e o consumo de 27km/l. Essa tecnologia levou a Nissan ao topo de vendas no Japão.

        Quanto a baterias, há Prius de primeira geração, com mais de 10 anos, rodando até hoje.

        • Mauricio Devojno Bruder

          10 anos sem reparo algum no sistema elétrico?

          Tem carro carburado rodando há 30 ou 40 anos, mas com manutenção constante, claro. A questão é o custo dessa manutenção no elétrico.

          • Mr Tony

            A matéria apenas mencionava as baterias, que tinham até 90% de capacidade de carga, não o carro todo após 10 anos. O que eu sei que detona as baterias são as tais cargas rápidas. A longevidade de um elétrico assim como a de um carro carburado depende do usuário, alguma manutenção deve rolar.

            Mas na questão do E-Power a bateria é de apenas 5% do tamanho de uma de um carro 100% elétrico como mencionei acima.

            Motor elétrico tem cerca de 50 peças contra 500 de um motor a explosão, seja carburado ou com outro sistema. Nunca vi nenhum relato de alguém reclamando do motor de um elétrico, e já tem galera que rodou mais de 600.000 Kms com um Tesla

  • Carlos AM

    O novo Versa está muito bonito!
    Torcer para que venha pra cá.

    • klaus

      tomara!

    • Leopss

      Vai ser um bom concorrente para Onix sedan e virtus.

    • TchauQueridos

      Se vier vai brigar em preço com City e Virtus.

      • Vitor

        Tem ‘pobrema’ não pelo menos tem concorrência e faz com que os preços abaixem.

    • Luis Carlos Saccon

      Na QR deste mês fala que , no ano que vem , estreará aqui …..

    • Leonardo M. G.

      Tinha que trazer o Versa novo e o Note no lugar do March, se não der pra trazer o Micra europeu…

  • CanalhaRS

    Ao que parece, o único produto realmente novo que receberemos da Renault será o Sandero/Logan, em 2021. O restante é só requenta e mais gambiarra em cima de Duster.

    Quanto a Nissan o foco deveria ser o novo March. Novo versa e Sentra virão bem mais caros, com toda a certeza, e não representarão avanço nas vendas, já que o mercado só quer SUVs agora.

    • 4lex5andro

      O fato de a Captur brasileira não ter vindo realmente (é diferente da europeia, que é baseada no Clio) foi um ponto muito negativo da fabricante francesa, além de o Clio não ter tido substituto e, em vez disso, ter tido como sucessor, o (modesto) Kwid.

      P.s. É sabido que a Captur ”br” é a Kaptur russa, variante da Dacia Duster, longe da qualidade do Captur vendido no oeste europeu.

    • Mauricio Devojno Bruder

      Os valores dos carros estão cada vez mais surreais, não tem sentido esses aumentos. Eu tenho um Sentra 2015, para os valores atuais aumento 27% (????), acho um carro excelente, satisfação total com ele, mas nao tenho disposição comprar outro tão cedo. A Nissan tem tantos outros carros lá fora que poderiam ser vendidos aqui, por exemplo, Note, entraria no mercado competindo com o Honda Fit e seria briga boa, na area dos SUVS entao nem se fala, Rogue, Murano, Pathfinder… opção para todos os bolsos e gostos…

  • Domenico Monteleone

    Ouço toda hora falar nas “futuras ações” da Renault e da Nissan, e o que eles lançam? séries especiais toscas, Kwid com moldura nos para-lamas…

    • Cesar

      Você não viu que recentemente inauguraram uma fábrica de blocos e cabeçotes de alumínio?

      • Vitor

        É porém isso o ‘povo’ não consegue ver visto que nem os preços caem.

  • 4lex5andro

    Se o novo Versa for igual esse da matéria, vai vender fácil, a não ser que City e Yaris sejam bem (e beeem mesmo) renovados.

    Vai ser ponto da Nissan, e deve expandir o segmento com Virtus e ”novo” Prisma/Cobalt (o nome que a GMB escolher).

  • zekinha71

    Novo March nem pensar.

    • Vitor

      Nem vai ter.

  • Danilo

    O volume esperado pela Renault resume-se nas novas variantes do Kwid e nos novos Sandero, Logan e Duster. Esse novo carro SUV cupê não vei vender nada, vai soar como uma imitação barata de BMW e quem tem grana não gosta de passar papelão e usar cópia. Mas mesmo assim a linha da Renault está corretíssima para países pobres, tiraram os bons carros franceses porém mais frágeis e com manutenção cara e colocaram os Dacia do leste europeu, pra país pobre aliado a um modelo indiano e está aí, só crescendo com modelos baratos e com boa durabilidade apesar de muito inferiores aos Renault de verdade. E deixo minha dica pro pessoal da Renault, o Dacia Dokker mataria a pau de vender aqui.

    • Cesar

      Exatamente o que a VW por exemplo fez a vida inteira com seu campeão de vendas Gol.

  • Roberto

    tem que abandonar este Sentra, vai fazer sentido nenhum quando o novo Versa chegar… deixa o novo para o andar de cima e o velho reestilizado para o segmento de entrada…
    Sentra vende 200…300…não faz sentido manter

  • Augustus do Aveiro

    March e Versa são bons carros, porém HORROROSOS, por isso não vendem! está explícito, preciso ir ai na NISSAN e esfregar na cara dos acionistas? custa fazer pelo menos a casca do europeu na plataforma atual, já alavancaria as vendas em no mínimo 50% de cada veículo.

    • Luis Carlos Saccon

      Um novo Versa já está a caminho , parece que vai estrear aqui no ano que vem ….. quanto ao March não há notícias

  • FREDRED

    Nunca tive Renault, mas depois de comprar um Rs 0km em janeiro fiquei surpreso com a marca, o carro é ótimo, freia muito, faz curva absurdas, arrancada e retomada ótima, consumo ótimo (faço no álcool 7.5 a 8.5 km/l trecho misto) o carro passa um confiança em acelerar que nunca tive com outros carros, é um carro de track day para usar no dia a dia.
    Recomendo muito!

  • Giuseppe

    Se o Arkana vier com motorização turbo e câmbio decente a um preço que não seja absurdo (mesmo para os padrões brasileiros), acredito que venderá igual água.

  • Rogério R.

    Se a Renault caprichar no interior do Arkana e do Duster 2, ambos tem muita chance de entrar no top 20 dos mais vendidos do Brasil. E além disso se a Renault realmente nacionalizar o 1.3 TCe e colocar ele no lugar do antigo 2.0 a marca francesa tem tudo para futuramente começar a incomodar o top 3 do ranking de marcas mais vendidas. A mídia diz que esse motor poderá ser acoplado ao CVT e segundo o Motor1 a Renault tbém está desenvolvendo uma versão turbo do motor BR10. Esse motor ficaria muito bem no Sandero e Logan.

Quem somos

O Notícias Automotivas é um dos maiores sites automotivos do Brasil, trazendo todas as novidades sobre carros para mais de 450 milhões de pessoas, por mais de 12 anos. Saiba mais.

Notícias por email