*Destaque Crossovers Manutenção Mercado Renault

Renault Kwid: peças descartadas da montadora estão sendo vendidas na internet

renault-kwid-2018-NA-46 Renault Kwid: peças descartadas da montadora estão sendo vendidas na internet

Imagine encontrar peças de reposição de um lançamento sendo vendidas na internet, bem antes da rede autorizada ter os mesmos componentes disponíveis? Pois é isso o que está acontecendo com o Renault Kwid. Nem bem chegou ao mercado brasileiro, o compacto já tem peças sendo vendidas na internet, mas não pela rede autorizada.



Vendedores de sites de comércio eletrônico estão anunciados componentes do lançamento da Renault e com preços bem abaixo dos praticados na rede autorizada. Uma reportagem da revista Quatro Rodas descobriu um esquema que provavelmente envolve pessoas ligadas à montadora francesa, que vai apurar o caso.

Na rede Renault, boa parte das peças do Kwid só chegarão aos lojistas em setembro, sendo que muitos itens ainda não estão disponíveis, especialmente rodas. Deve-se lembrar que estas possuem três furos e isso pode prejudicar quem sofrer algum dano no material rodante do veículo. Mesmo itens básicos, tal como vidros, também estão ausentes da rede.

Mas, em busca pelos sites de venda online, encontra-se muitos anúncios de peças do Renault Kwid. Não, elas não são importadas da Índia. Algumas delas, tais como para-choque dianteiro, por exemplo, são anunciadas como usadas e recuperadas. Há desde haste de indicador de direção até soleiras e pedais. O preço? Um para-choque pode ser adquirido entre R$ 250 e R$ 400, sendo que na rede autorizada, chega a custar mais de R$ 1,3 mil quando o item está disponível, o que é bem difícil.

Tudo pode ser adquirido de forma rápida pela internet ou pessoalmente nos estabelecimentos dos vendedores online, que na verdade são empresas de desmanche. Após apuração, descobriu-se que as peças são oriundas de veículos de homologação do fabricante. Estes carros são destruídos e suas peças precisam ser igualmente inutilizadas, a fim de justamente evitar a revenda. No entanto, tais itens estão chegando às mãos dos desmanches e um deles revelou que havia comprado de um concessionário Renault.

Como citado acima, a montadora pretende investigar internamente para descobrir quem está repassando essas peças para o mercado paralelo de autopeças. O Kwid, lançado recentemente, teve a produção ampliada para atender a demanda, já que as filas de espera cresceram muito e a previsão de entrega chegava a outubro. Além disso, a medida visa impedir a desistência por conta dessa longa espera. A Renault não revela o volume de produção e agora no começo de setembro, conheceremos o desempenho comercial do mês de agosto – o primeiro cheio – do “SUV dos compactos”.

[Fonte: Quatro Rodas]

 

  • Antonio_Brust

    Ê brasilzão! Por isso que as empresas em geral investem tanto em equipamentos de segurança interna. O que tem de funcionário que tenta “tirar um por fora” não tá no gibi.

    • Catucadao

      não vejo problema nisso…

    • Luis Burro

      Tdo bem q nao eh correto,mas eh brincadeira cobrar 1,3 mil soh num parachoque!

      • mjprio

        Justamente o que me chamou atenção. Uma carro padrão 15° mundo ter um parachoque de plástico custando esse absurdo?

    • Filipe

      Só tem o paralelo, porque o oficial custa um rim!

      Aliás, não é somente funcionário que tenta “tirar um por fora”, como vc disse. As empresas nos roubam todos os dias com preços estratosféricos. E não me venham com o mimimi de impostos. Conheço Ninguém casos de empresas que aplicam margem de lucro acima de 100%!!

    • Daniel

      Fico pensando como isso acontece… quando trabalhei na Renault (um dos piores lugares que já trabalhei, diga-se de passagem), TODOS os funcionários tinham bolsas e mochilas revistados na saída, bem como os carros tinham os porta-malas verificados ao sair. Mas isso faz alguns anos já…

      • Paulo

        Nossa… trabalhou na fábrica ou rede?

        • Daniel

          Na fábrica, em São José dos Pinhais/PR

          • Paulo

            Caramba nao é a primeira pessoa que vejo falando isso não.

  • Ricardo

    Ehh brasileiragem!

  • Tochio

    Lembram do caso do para-choque do Up ? isso ai tem cachorro grande no meio, pode crer !!

    • Gu92

      Lembrei exatamente do caso do Up!, que foi ainda pior, pois o novo modelo nem tinha sido lançado e já estavam vendendo as peças na internet!!

  • carroair30

    BRASIL MOSTRA SUA CARA……….

    • André

      Já está mostrando há tempos, políticos reflexo da sociedade e não sociedade reflexo de políticos.

      • mjprio

        Excelente observação. O brasileiro tem mania de criticar grupos e instituições como se elas nao fossem parte da mesma sociedade em que vivem. Muitos que bateram panela ou disseram que foi “golpe” ou então vao passear de branco quando se matam um bandido vao na internet e nos desmanches comprar essas peças. Nossas instituições são falidas porque nossa sociedade e falida!

      • eeucomisso mano

        Ontem estava na fila do mercado e a mulher à minha frente falando, para todo mundo ouvir, que a pessoa que havia sido atendida antes dela não tinha educação e tals…..mas, assim que ela recebeu o cupom fiscal, amassou o papel e, disfarçadamente, jogou no chão. E saiu toda faceira.

        • André

          Pois é, morei na Europa e se alguém fizesse isso, teria tomado bronca na hora, sem constrangimento nenhum. Aqui no Brasil ficamos constrangidos e calados com essas posturas equivocadas.

  • carroair30

    SO QUERIA SABER COMO UM CARA SAI COM UM PARACHOQUE DE DENTRO DA FABRICA SEM SER NOTADO?!

    • pedro

      Isso deve ser vendido para reciclar o material e os caras, na verdade, recuperam. Deve sair de caminhões de peças.

      • Rodrigo Alves Buriti

        É o mais provável, creio eu.

    • Renato Duarte

      furgão corporativo,, essa é a resposta.

    • Creio eu que a produção de certas peças pode ser terceirizada, e mesmo que o fornecedor a produza no mesmo parque industrial da montadora algumas peças devem ser testadas em laboratórios que podem ficar em outra cidade. Ou podem ser descartadas por estarem fora do padrão técnico. E por último uma indústria desse nível deve ter muito acesso de veículos de carga que facilitam a situação, mas o mais provável é que a peça tenha sua saída autorizada pela fabricante e depois foi usurpada.

    • mjprio

      Ue conseguiram sair com vigas de 40 ton da perimetral no RJ. Um para choque e mole

  • Renato Duarte

    enquanto peça usada estiver valendo dinheiro ,, o brasil vai ser assim. Se até pneu “no arame” dá dinheiro pra quem vende, imagina um para choque de um carro recém lançado por 1/4 do preço?? ÊÊhh brazil……

  • No_Name

    Párachoques desse monstrenguinho custa R$ 1,3k??? Quem comprou (maioria consumidores de baixa renda) está lascado.

  • Zé Mundico

    Lamentável mesmo. E o pior é saber que tem gente dentro da fábrica fazendo “hora-extra” e levando peças para casa.
    E quem rouba do grande, rouba do pequeno.

  • Louis

    Adoro o site de compras ML, mas esse é o lado ruim deste tipo de site. Possibilita venda de produtos de origem duvidosa.
    Ontem fui pesquisar um smartphone, vi vendendo um modelo novo, com várias vendas já, com preço 40% menor que em lojas conhecidas. O vendedor disse que não emitia NF, apenas recibo. Desisti de comprar só pelo risco de estar ajudando algum meliante, vai que é carga roubada…Prefiro pagar mais caro e ficar com a consciência limpa.

    • Ou comprar da China e esperar meses a alfandega brasileira liberar e rezar que não tributem rsrsrs
      Da China para o Braza é rápido, mais de Curitiba para a casa da pessoa é uma eternidade.
      Estou pensando em comprar um, mas é aquele negocio. Pé atrás.

      • Eu comprei o meu da China, da marca Leeco, que faz baterias e fará carros eletricos, e fui taxado em 314,00 pq moro em Minas, e tem ICMS. Realmente da China pra ca foi rapido, so que aqui ficou mais de 1 mes parado em Curitiba. Ainda assim o celular saiu metade do preço de um simliar local, mesmo com a taxa. Ja estou pensando em comprar outros pra minha família heheeh

        • Quando vejo o preço de Mil reais em um Cell e lembro que na China posso comprar um melhor, Veyyyy. Desisto na hora e continuo com meu Flip Véio msm.

        • Zé Mundico

          Não vale a pena esses smartphones da China. Essas marcas podem até ser “balatinhas” mas quase sempre travam na primeira tuitada e a bateria dura apenas alguns mêses.
          Já comprei um desses ki-suco no Aliexpress e deve ter durado menos de 1 ano. Além da raiva de viver travando, a bateria não chegou a 1 ano, e não tem onde comprar outra.
          Foi parar no lixo bem novinho ainda.

          • O meu nunca travou, tem carregamento ultra-rapido, é um flagship mesmo, um celular muito bom, ate eu me impressionei com o desempenho. Não sei se conhece a Leeco aqui pelo NA, tem várias materias falando desta empresa, eu comprei sem medo. Outras também que compraria é a Xiaomi, Oppo (não confunda com a Orro, essa sim faz réplicas e é uma porcaria) e Lenovo. Tem um da Lenovo que estou fissurado, o Zuk Z2 de 6 gb de Ram e 128 db de espaço estava nas lojas chinesas por R$800,00 apenas, o que, mesmo taxado sai mais barato que o preço dele aqui. Agora sobre esse mito de que chines não presta que vc reproduz, precisa se atualizar kra, me desculpa a sinceridade, mas tu não sabe o que fala. Estou gostando do meu e com certeza meu próximo celular será chinês. (não sei se sabe outra empresa que tecnicamente é chinesa é a Asus, pois Taiwan faz parte também da china, mesmo estando no momento independente).

            • Zé Mundico

              Todo celular e smartphone é feito na China. Tem as marcas de qualidade e as fulêras, essas que travam e que a bateria dura alguns mêses. Prefiro marca conhecida, pelo menos tem garantia se der algum problema. Essas marcas baratinhas não duram muito e são vagabundas mesmo.

              • A minha foi marca conhecida, pelo menos por nós aqui kkk a Leeco alem de ser gigante de tecnologia e baterias, fez aquele investimento bilionario nos Eua pra construir seu carro esportivo eletrico. Por isso que quando vi que eles tambem faziam celulares, eu fui sem medo. E o que comprei é muito bom, foi barato para os padrões brasileiros, mesmo taxado saiu pela metade de um modelo do mesmo nível aqui, não tem nada a ver com as cópias baratinhas da Orro que citei. É um celular muito bom mesmo, depois pesquisa a linha de smartphones Leeco LeTV.

    • mjprio

      Basta que façamos a nossa parte verificando a idoneidade desses fornecedores no ML. O que nao pode e esse povinho ficar reclamando de político e de polícia e depois comprar celular roubado no camelô, tentar subornar guarda pra nao ser multado etc..

      • Ernesto

        Me lembrou aquela professora catarinense que foi espancada pelo aluno. Ela, na rede social, pregava que não deveria ter redução da maioridade penal. Aí, justamente um menor a espanca e ela vem na rede social se fazer de vítima…hipocrisia da esquerda, como sempre.

        • mjprio

          Certíssimo vc

        • mjprio

          O pior foi ela aprovar a agressão da estudante que tacou o ovo no Bolsonaro, e ainda disse que a menina deveria tacar pedra e bater nele , que ela ajudaria. Olha a hipocrisia

    • Nicolas_RS

      40% de impostos que ia deixar de pagar…
      Ladrao que rouba ladrao tem cem anos de perdao.

      • Louis

        Se fosse imposto eu não me importaria.
        E se for carga roubada? Caminhoneiro morto? Comerciante morto ?

        • Nicolas_RS

          Ai voce da o imposto para os políticos ao qual é o responsável, por mais de 60mil mortos por armas de fogo, com essa política de tratar bandido como vitima e 40mil mortes no transito. (isso em UM ano).

      • Zé Mundico

        Não vale a pena essa “esperteza” toda.
        Um produto sem nota fiscal é um produto que “não existe”. Logo, pode ter as mais diversas origens, inclusive ser roubado ou recuperado.
        Outra coisa é que se apresentar algum defeito, o “esperto” comprador fica sem garantia nem assistencia técnica do fabricante.

  • Cmenusi

    Brasil é Brasil, não tem jeito, mas … PQ a Renault deixou criar essa “bolha” de falta de peças? “Se não tiver parachoque paralelo, posso vender meu lindo parachoque pelo preço que eu quiser…”. Ou seja: a montadora tbm não é tão santa assim ;)

  • Catucadao

    vou comprar assim monto o meu kkkk

  • EDU

    KKK Brasil pais do jeitinho . Realmente ta ai a prova
    https://produto.mercadolivre.com.br/MLB-858657967-parachoque-dianteiro-renault-kwid-_JM e nao e so esse tem laranja tem vermelho.

  • Rogério R.

    Como sempre nesse país tem que ter alguma banana podre no meio das boas.

  • Mario Nobile

    Se estragar uma roda, é só comprar a do Corcel II….

    • thi

      kkkk verdade

  • Luis Burro

    Este titulo dah a entender q nao eh furto.Se ela joga deliberadamente um produto bom com uma avaria pequena,qm recuperar e vender nao tah cometendo infracao alguma.
    Pessoal tem q ficar atento pra nao adquirir roda de Corcel como de Kwid,nao duvido q oferecam.

    • Alessandro

      As empresas que compram sucatas de peças de montadoras e autopeças tem contratos bem claros quanto a proibição de venda como peça de veiculo sao apenas para utilização como materiais para reciclagem.
      tem infração sim essas peças podem ser itens de testes inclusive teste de fadiga, ai voce vai la compra uma roda dessa que passou por um teste de fadiga que simula 20 anos de uso severo e depois de pouco tempo ela quebra e ai…
      é um absurdo recuperarem essas peças so mostra o jeitinho brasileiro bem conhecido.

  • Leonel

    É, o problema é a classe política, né? Aham…

  • Marcio Mendes

    Mas o que se poderia esperar de um carro indiano que tirou nota zero no crash test, tem rodas com 3 parafusos e 1 único limpador dianteiro? As peças que foram jogadas no lixo agora estão a venda na internet… Triste!

  • Filipe

    Rede autorizada como sempre mete a faca no consumidor! Triste

  • Um dos motivos de roubo de carros:
    Um para-choque pode ser adquirido entre R$ 250 e R$ 400, sendo que na rede autorizada, chega a custar mais de R$ 1,3 mil quando o item está disponível.

  • Deixa entender, são as peças indianas?

  • Cmte Pimenta

    Se em.sao Paulo bandidos conseguem sumir com uma carreta de 30 metros de compri e 70 toneladas e ninguém acha, do que me diriam de um parachoque…

  • Regis
  • Handlay P.B.

    R$ 1,3 mil por um para-choque, por um pedaço de plástico?! Se eu tivesse um Kwid cujo para-choque quebrou, eu prefiro reciclar o carro do que pagar R$ 1,3 mil num pedaço de plástico…

  • Ygor Soares

    Brasileiro sendo Brasileiro, o que esperar…????

  • Nicolas_RS

    Essas empresas tem mais que é se ferrar, incompetência ao extremo, vende gato por lebre.

  • Jok Jok

    Sempre achei desnecessario a uilizaçao de rodas de tres furos. Principalmente quando necessitar repor a peça. Carros franceses ainda possuem, mesmo aqui em curitiba, fama de peças caras e nem sempre facil de serem encontradas. Esta decisao, de tres furos, em uma peça tao visivel pelo consumidor pode minguar para consumidores mais atentos ou conservadores. Literalmente: #ECONOMIAPORCAPARAFUSO

  • Rosemberg Silva

    Há de concordarem comigo que, independente da situação, qualquer loja vende peças originais de carros, com valores bem mais em conta do que qualquer concessionária mercenária pelo brasil a fora…

  • Andre Henrique Melo

    Isso e fichinha quero ver achar Peugot 208 que sumiu de css.Segundo conhecido carro embarcou e desembarcou da cegonha e ate hoje não acharam o carro na loja.

Quem somos

O Notícias Automotivas é um dos maiores sites automotivos do Brasil, trazendo todas as novidades sobre carros por mais de 11 anos. Saiba mais.

Notícias por email

Send this to a friend