*Destaque Hatches Mercado Preços Renault

Renault Kwid tem aumento de preços e parte de R$ 30.990

renault kwid avaliação NA 3 - Renault Kwid tem aumento de preços e parte de R$ 30.990

O Renault Kwid teve aumento nas vendas em fevereiro, mas agora também em preços…. O subcompacto popular da marca francesa, chamado de “SUV dos compactos” passa de R$ 29.990 para R$ 30.990 na versão de acesso Life, que é o grande chamariz do modelo no mercado brasileiro. Ou seja, a proposta mais frugal do produto agora ficou R$ 1.000 mais cara.


Na versão intermediária Zen, o Renault Kwid agora passa a custar R$ 36.740, antes ele saía por R$ 36.490, um aumento de R$ 250. Já a opção mais completinha, a Intense, também ficou R$ 250 mais cara, passando de R$ 40.490 para R$ 40.740. Desde que foi lançado, o Kwid já passou por dois aumentos de preço.

Inicialmente, o Renault Kwid manteve o preço chamariz, mas a versão Zen custava na pré-venda R$ 34.990, recebendo posteriormente equipamento de rádio de série, o que elevou o preço para R$ 35.390 no momento do lançamento, que teve direito a mega show e queima de fogos em um estádio de futebol. Na ocasião, a versão Intense continuava a custar R$ 39.990.

Algum tempo depois, o Renault Kwid teve um aumento de preços, com a versão intermediária pulando de R$ 35.390 para R$ 36.490, um salto maior que o vão livre do solo do compacto, acrescentando R$ 1.100 ao preço da opção mais vendida. A versão topo de linha ficou mais cara também, tendo passado de R$ 39.990 para R$ 40.490, uma elevação de R$ 500.


renault kwid avaliação NA 8 - Renault Kwid tem aumento de preços e parte de R$ 30.990

Enquanto o preço aumenta, as vendas do Renault Kwid permanecem irregulares. Com 7.570 unidades emplacadas em setembro, o modelo simplesmente decolou em emplacamentos em seu segundo mês e chegou à vice-liderança em vendas, surpreendendo bastante. Porém, a ação da Renault era mais para reduzir as filas de espera e atender a demanda mais rapidamente, convertendo a produção para focar no subcompacto.

Nos meses seguintes, o carrinho simplesmente apagou no ranking e sumiu do Top 20 mensal. Em fevereiro, a Renault novamente iniciou uma campanha de redução de filas nas revendas com aumento de preço, objetivando produzir 10.000 unidades até o fim do mês. O resultado não poderia ser outro, senão um novo arranque expressivo nas vendas, fazendo o Kwid alcançar a quinta posição com 4.506 vendidos, ainda mais em um mês fraco como o que se encerrou.

Agora, a pergunta que fica é: quando o Renault Kwid terá produção e vendas regulares? Até o momento não se sabe exatamente qual é o potencial real de vendas do modelo, visto que não há números conhecidos de reservas para o produto. Numa coisa a marca francesa parece certa, há fila de espera, pois caso contrário, o modelo não subiria nos emplacamentos de forma tão rápida.

Agradecimentos ao Raphael .

COMPARTILHAR:
  • RPM

    Caras….esses aumentos sucessivos das montadoras,não tem a ver com a perda de valor do Real? Aos juros da banânia? Tipo: se eu aplico 500 mil num investimento e recebi juros,o preço dos produtos tem que ser reajustado eternamente também? Confere? Não entendo muito de economia,mas muito se fala de ganância das montadoras e tal….se lguém quiser me corrigir,fiquem à vontade… é só um achismo maluco meu…

    • Nicolas_RS

      O Real está estável, está a 3,25…e fica nessa margem de uns 10 centavos para cima ou para baixo a meses. Os aumentos nos preços dos carros é pq tem fila para comprar, assim eles vão aumentando aos poucos, é a Lei da Oferta e Procura. Se o brasileiro fizesse uma campanha de parar de comprar carro zero, em pouco tempo as CSS baixariam os preços.

      • RPM

        Mas até carro com pouca procura,Peugeot por ex,aumenta de preço….sei que tem muitas variáveis pra se compor o custo de um bem,como oferta e procura….mas queria entender melhor,se é que é possível…

        • Acho que a pergunta mais pertinente é a seguinte. Pegue esse exemplo do Kwid que aumentou 1 mil. Esse valor fica com a montadora ou a concessionária? Ou é dividido? Se sim em que proporção? Creio eu que o custo de uma concessionária é muito alto, a começar pelo aluguel. Muitos dizem que a mão de obra impacta muito no preço de um produto, eu discordo por experiência própria. Trabalhei por uns anos numa grande loja de varejo (tipo casas bahia, ponto frio, magazine luisa) , tinha 15 funcionários, boa parte com salários acima de 2 mil, mais gerente e supervisão (custo do supervisor era rateado entre várias filiais) e sabe qual era o maior custo fixo dessa loja? Primeiro publicidade, depois vinha o aluguel e depois a folha salarial dos 15 funcionários. Acredite, a coisa não é como dizem que é. E a folha já continha os custos legais somados, inclusive de eventual rescisão.

        • Nicolas_RS

          Não entendo também muito de economia, apenas o básico, mas tem que ver qual a capacidade de produção da Peugeot, no caso da Hyundai as vendas acompanham a produção máxima das fabricas, por isso tem aumento direto nos preços. Sem contar que é um conluio de empresas para ferrar o consumidor, então as “pequenas” seguem as grandes.

          • Matthew

            A famigerada lei da oferta e da procura não se aplica ao mercado automotivo, ainda mais o brasileiro, dada a sua natureza altamente oligopolizada. Para projetar e produzir um automóvel exige-se enorme mobilização de capital, as restrições legais em relação à segurança e emissão de poluentes são cada vez mais rigorosas, o que faz da indústria automobilística um setor intensivo no uso de tecnologia, tanto no processo produtivo quanto no produto final. Um negócio dessa complexidade e magnitude nunca que poderia ficar a mercê da relação entre oferta e procura.

            Mesmo em âmbito global, a indústria automobilística é considerada um oligopólio com fortes barreiras à entrada (de novos produtores); além do uso intensivo de tecnologias avançadas como mencionado acima, exige uma escala mínima de produção gigantesca para que seja economicamente rentável/viável. De modo geral, é uma indústria que trabalha com uma margem de lucro muito apertada, também. Por isso que fusões e aquisições são frequentes no setor, tal como a compra da Opel pela PSA recentemente, e a Fiat Chrysler Automobiles (FCA). Ainda há os casos de desenvolvimento conjunto entre grupos distintos. O Classe A de última geração utilizará motores de origem Renault, assim como a nova picape média da Mercedes será irmã da Nissan Frontier e Renault Alaskan, as três compartilhando a mesma base. Se pararmos para pesquisar, rapidamente descobrimos que o setor é dominado por não mais do que uma dúzia de empresas, chutando alto.

            No caso particular do mercado automotivo brasileiro, essa característica intrínseca ao setor de tender à oligopolização é reforçada pela política vigente no país de proteger os produtores locais da concorrência externa via sobre taxação de veículos importados e/ou imposição de quotas. O arranjo institucional do país por um lado aumenta a incerteza, e consequentemente o risco de se investir aqui. Por outro, incentiva grandes empresas a buscar privilégios no governo, como subsídios fiscais, políticas que as beneficiam, ao invés de tentar ganhar mercado via aumento de produtividade. É o que tem denunciado a Lava-Jato sobre empresas como a Odebrecht e a JBS com grande influência sobre o governo. Resumidamente, trata-se da famosa manobra de “criar dificuldade para vender facilidade”.

            Na rede de distribuição dos veículos novos também vigora o oligopólio, e em algumas cidades menores chega ser um oligopólio mesmo. Na cidade onde eu moro, o maior grupo de concessionárias tem bandeiras Chevrolet, Ford, Jeep, Renault, Fiat, Honda e Nissan. Isso num município com mais de 1 milhão de habitantes no estado de São Paulo. Imagina em cidades menores do interior de estados menos populosos. Há concessionárias que têm o monopólio da região.

            Repare que a formação do oligopólio não necessariamente é uma ação deliberada de má fé por um conjunto pequeno de participantes que desejam ferrar com o consumidor. A própria estrutura de mercado que vigora no setor acaba impelindo os players a se comportarem dessa forma. O arranjo institucional no qual estão inseridos pode acentuar ou atenuar o poder de oligopólio destas empresas, porém dificilmente é capaz de alterar a natureza do mercado em questão.

            Um exemplo diametralmente oposto ao da indústria automobilística — e que aí sim a lei da oferta e procura se aplica — é o de academias de ginástica. O setor explodiu nos últimos 15 anos: deixou de ser algo destinado a um público específico, como atletas, por exemplo, e passou a ser um serviço de ampla aceitação pelas pessoas em busca de saúde, bem-estar e os body builders. Entretanto, repare que neste caso as barreiras à entrada no mercado de academias de ginástica são significativamente menores do que as encontradas na indústria automobilística. Com 300 mil reais qualquer pessoa aluga o galpão, reforma e compra os equipamentos necessários. A possibilidade de diferenciação é restrita e facilmente replicada pelos concorrentes, pois não exige nenhum domínio tecnológico complexo, tal como na indústria de carros. Somam-se a todos esses fatores a entrada das grandes redes como a Smartfit. Resultado: as academias entraram em guerra de preços na disputa por clientes, o que levou ao achatamento do lucro no setor. Um amigo meu herdou a academia de bairro com mais de 30 anos do pai, e pra tentar fugir dessa guerra de preços ele buscou diferenciar-se da concorrência transformando o estabelecimento numa academia voltada pra fisioterapia, hidroginástica e reabilitação. Embora seja uma estratégia inteligente, repare que não é nada tão difícil de ser copiado pela concorrência.

            Por fim, cabe ressaltar a ausência de bens substitutos ao automóvel enquanto meio de transporte. O serviço de transporte coletivo oferecido na grande maioria das cidades brasileiras é precário e de baixa qualidade; as dimensões continentais do país dificulta o uso da bicicleta em grandes centros urbanos (além da topografia pouco plana); e a motocicleta é altamente perigosa, tanto pela questão de assaltos mais frequentes em relação aos usuários de automóveis, quanto pela vulnerabilidade infinitamente maior no trânsito. Portanto, pra muitas pessoas o carro torna-se indispensável. Não por status como muitos dizem, mas por necessidade mesmo.

            Todos esses elementos somados ajudam a explicar o preço do carro no Brasil, além dos mais conhecidos como a alta carga tributária e a inflação de longo prazo relativamente alta para os padrões atuais. Peço desculpas pela extensão do texto, mas acho que vale a leitura.

            • Nicolas_RS

              Você é um vendedor de alguma CSS ou é muito inocente!

              Carros nos EUA e Europa por exemplo tão muito mais complexos, pq a lei desses países são mais rigorosas e mesmo assim são mais baratos que no Brasil que são mais simples. A explicação que o carro é mais caro no Brasil se deve a 3 fatores, 1 – alta taxa de impostos, 2 – a margem de lucro das empresas no Brasil é maior, 3 – Brasileiro continua a fazer fila para compra vide o Kwid e Polo por exemplo.

              Agora vamos para um exemplo real, o Toyota Corolla, nos EUA ele sempre foi mais completo que o Corolla Brasileiro e mesmo assim é mais barato, ai uma TV em 2013 + ou – e fez uma matéria se indagando o do pq essa diferencia, pegaram o Corolla Mexicano já que era o mesmo que o Brasileiro, ou era vice-versa, não lembro, no começo da reportagem, a reporter começa a perguntar o do pq o preço era tão diferente, e o representante da Toyota começa a dar as mesmas desculpas de antes, fala que é custo dos impostos, taxa, burocracia, porem a reporter responde que ela fez os cálculos e a conta não fechava, mesmo com todos os impostos e margem de lucro de 10%, tinha uns 5 mil reais que não se explicava, ai o representante ficou calado… Tem trocentos videos no Youtube que explica isso muito bem!

              • adalberto ozelim

                Sobre os comentários do Matthew e do Nicolas_ RS :
                1º – Parabéns aos dois pela seriedade dos comentários
                2º – Infelizmente , penso eu , que grande parte dos seguidores do site não tem paciência ou interesse de ler comentários mais longos e detalhados ; acho que faz parte da cultura imediatista e falha erroneamente cultivada no Brasil . ( quanto menos cultura , mais fácil a manipulação )
                3º – Os dois convergem para a mesma conclusão , são comentários que se complementam .
                4º – A meu ver tudo se resume a uma sequencia de governos com administrações erradas, que deixaram e até se aliaram aos oligopólios , e resultou nessa farra exploradora que é nosso setor automobilístico.
                5º – Importante : Só nós Brasileiros é que temos o poder de mudar esse estado de coisas , felizmente há algo de ´´novo´´ surgindo . são pessoas bem intencionadas que levam o número ´´30 ´´ como marca , peço que prestem atenção e decidam , Por favor leiam nas ´´entrelinhas´´ .

          • Martini Stripes

            Oferta e procura só define preço em feira… É bem mais complexo, disse e o @disqus_tQiIb10Bn3:disqus está mais correto.
            Não tem como vc receber juros, dinheiro “render” e todos os outros bens ficarem xsem reajuste de preço.

      • Ernesto

        Real pode ser, mas a inflação divulgada pelo Governo é sempre menor que a realidade. É só vermos o quanto os combustíveis aumentaram. E é um item que afeta diretamente toda a cadeia, de vários seguimentos.

        • Nicolas_RS

          Combustível é caro pq não tem refinaria no Brasil, precisa mandar para outros países e trazer de volta.

  • FearWRX

    Desisti de tentar entender, hoje só dou risada.

    Comprar um carro que pode ficar sem freio, cair motor e pegar fogo com vazamento de combustível, prefiro guardar os 30 mil e comprar algo mais decente.

    • Nicolas_RS

      Melhor comprar um Astra ou Vectra usado.

      • invalid_pilot

        Único senão do Astra e Vectra é o consumo alto. Mas com 30 mil no mercado de usados e tendo paciência se acha coisa mais interessante.

        Se tiver coragem e folga financeira dá pra ir pra um “resto de rico”

        • Luciano RC

          Problema é manter um Chevrolet Médio. São custos completamente diferente. Cota o seguro de um Vectra/Astra pra ver o susto.

          • Brenno

            Exato! O meu Ex-Vectra 2001 tinha franquia de 3 mil! Isso porque eu sou cliente da mesma seguradora há 20 anos!
            Com 30 Pila vai de Focus 1.6 ou Polo 1.6. Da pra achar carros com menos de 10 anos de uso e boa km.

            • Luciano RC

              Polo 1.6 é uma excelente compra. Ele tem qualidade de médio, acha aqueles completos com vários equipamentos opcionais, tem o motor 1.6 bem econômico e que anda bem e ainda bom espaço interno. Quem precisa de porta-malas, acha o Sedan.

    • invalid_pilot

      Com 30 paus da pra pegar um Imprenza 2,0 2009 – não ?

      • FearWRX

        Menos. Com 25, 27 mil você já acha um bom por aí. Eles começam em 2008 os hatch e vai até 2012, mas os mais completos são justamente os 2011+.

        • invalid_pilot

          Eu me coço pelo Imprenza desses ou um Focus 2,0 2010/2012 nessa faixa de preço

          • FearWRX

            Tem o meu por 25 mil cruzados ;]
            Vendendo porque quero uma Legacy TW de novo.
            Os que são ruim de mercado são os 1.5 (115cv num carro de 1300kg não rola), mas tirando isso, diria que são os que são a prova de bala mesmo, os Impreza sempre foram bem mais robusto que os Legacy, difícil de dar dor de cabeça.

          • Uranium

            ImpreZA. Não tem N.

            • invalid_pilot

              Sempre confundo a grafia kkkk

          • MauroRF

            O Focus 2.0, mesmo GLX, de 2011 (ou 2012) para frente, tem partida sem chave, sensores crepuscular/de chuva, espelho eletrocrômico e um sistema de som muito bom. Eu tive um GLX “básico” 2012 que tinha tudo isso.

            • invalid_pilot

              Sim! Ghia tem tudo isso – sem falar no acerto dinâmico e design (que acho o mais belo de todos os Focus)

              • MauroRF

                O Ghia tem tudo isso e mais um pouco desde 2009. Os GLX incorporaram o que citei acima em 2011 (ou 2012, não tenho certeza do ano). A construção do carro é muito boa sim, se achar um conservado, pode comprar sem medo de ser feliz. Eu tive um manual 2012, pqp, andava muito, principalmente na estrada.

                • invalid_pilot

                  Era justamente um 2,0 manual que queria achar inteiro!

                  Carro não está sendo a minha prioridade de vida no momento – tenho 1 mais simples e mais novo que um 2012 – mas o coração balança com o Focus !

                  Se fosse pra eu comprar hoje 1 carro com 30 mil, nem olharia essas tranqueiras de entrada que tem por ai.

      • Luccas Stringger

        São pessoas como você que acha que entende de carro que se dá mau.Na primeira revisão,peça para repor de um importado usado,você vai ver o péssimo negocio que fez.E vai se arrepender de não ter comprado um zero,mesmo que for um Renault Kwid.

        • invalid_pilot

          Ahhh sim claro, vale super a pena comprar um Kwid Lego Edition mesmo!

          Choro é livre! E não precisa ser um importado, pegue um HB20 usadinho 2014 1,0 que da um banho nesse “carro”.

    • Hugo Leonardo Dos Santos

      Cada um pensa como quer e faz o que quer com seu dinheiro, mas seguindo a lógica do se eu tivesse 30 mil compraria tal carro, eu faria o seguinte: com 31 mil temerzinhos, pra comprar um carro a vista e não ter prestação, iria com certeza num carro usado, mas não num “resto de rico”, eu pegaria um carro popular completo o mais novo possível, assim teria um carro confiável pro dia a dia, seguro e manutenção mais em conta. Vi alguma coisa assim interessante no mercado como Gol 1.6, Fox 1.6, UP 1.0, Ka 1.0, hb20 1.0 etc. Opinião minha.

      • FearWRX

        Tem muito resto de rico bem cuidado por aí. Só procurar que você anda de carro mais equipado, bonito e durável que os outros. Não menosprezando, mas dos popular, se tivesse que pegar, iria de Polo, Focus G2 2.0, Astra, Punto 1.6… Carros mais bem construído e que hoje em dia estão num patamar de preço legal na maioria dos casos.

    • wagner

      Gol g5?

  • Erivelton Freitas

    Mal teve aumento de vendas, e já aumentam o preço, política ‘A La VW’. Ai ai ai!

    Mas considerando o preço, imagina só, Kwid vendendo mais que Onix, Renault liderando o Top 3, logo ela, uma Francesa, sempre tão mal falada. Se chegar a acontecer, eu iria rir muito!

    • adrielmenezes

      Infelizmente Renault é muito ruim. Faz carro com embreagem descartável e motor guloso por óleo

  • Ricardo

    Dona Renault! Já resolveu todos os problemas do carro para se achar no direito de aumentar o preço?

    • Tosca16

      Tem que pagar os novos fornecedores ou as novas peças kkkk

      • Luciano RC

        As peças de qualidade são mais caras e precisa reajustar para manter o lucro na porcentagem combinada.

  • Tosca16

    CAOA é só melhorar um pouco o New QQ e tá feito o sucesso de vendas; por mais conectividade e nova suspensão, tirando o anacrônico eixo-rígido.

    • Hugo Leonardo Dos Santos

      eu falei exatamente isso na matéria anterior sobre o aumento do QQ, se colocassem eixo de torção e uma central multimidia nem que fosse com uma tela pequena com conectividade, venderia muito mais. Também seria bem vindo banco traseiro bi partido

    • Fernando Bento Chaves Santana

      O carrinho está em final de carreira e por isto dificilmente seria submetido a uma modificação tão importante como uma nova suspensão traseira. Se o modelo tiver mais uns 4 anos de vida poderiam submetê-lo a um novo acerto da suspensão não mais do que isto.

  • Diogo

    Acredito que seja cultural e outros fatores por aqui, Brasil, enquanto nos EUA e Europa o consumidor realmente leva em consideração ” pequenos aumentos ” aqui vejo vários consumidores em potencial fazer um esforço gigante, aperta orçamento daqui e ali e compra, muitas vezes elevada a enezima parcela o financiamento. Enquanto que la fora ” normalmente o consumidor leva em consideração o pacote completo e extra carro, escola dos filhos, plano de saúde, manutenção do carro e etc..”

    Tem o fator de aqui ser apenas filial das empresas, logo gera muito dinheiro aqui mas ao converter em dólar e enviar a matriz fica ” pouco “.

    Um exemplo do pensamento do Brasileiro ao ver um carro de luxo nos EUA por R$ 30 mil dólares barato compraria 3!! Como disse la em cima tem que ver o pacote completo, estilo de vida etc…. Não dar o sangue por carro que é descartável….. Mas sei lá minha opinião, eu mesmo poderia ter carro de luxo mas prefiro dar futuro para filhos gêmeos , boa escola etc….

    • carlos4carros

      Então você não tem condições de ter carro de luxo…

      • Diogo

        Seguindo a ideia do que escrevi e que o brasileiro medio pensa sim, mas realmente seria esforço grande para manter, prefiro conforto financeiro e trocar carro de 3 em 3 anos sem esforço.

        • invalid_pilot

          Carro é visto como Status Social – enquanto o bananeiro seguir nessa mentalidade a coisa vai seguir da forma que é.

    • Diego

      Parabéns pela atitude em prol da família e por não fazer parte da corrida dos ratos.

      • Diogo

        Aprendi sofrendo kkkk….. Em 2008 comprei carro sem poder ganhava cerca de 2 salários mínimos, fiz o que disse acima trabalhava para pagar carro ( primeiro carro e osso) e desde 2011 nao sei o que é pagar juros a banco. E hoje sou mais regrado ainda pois sou pai de família diferente de 2008 que morava com meus pais.

  • Acabou se o que era doce kkkk. Agora carro 0 km abaixo dos 30 mil só se for o Chery QQ.

  • Felipe Alves

    Já não vendia antes… Agora então…

    • O carro fechou em quinto lugar no mês de fevereiro. Não vendia apenas por estar com produção paralizada por recall. As locadoras e frotistas tem mais de 30.000 unidades encomendadas em pedidos firmes.

      • Felipe Alves

        Foi tanto recall que até paralizaram a fabricação! Uma vergonha!

  • invalid_pilot

    Ainda ta vindo com freio de bike, com risco de incêndio e de queda de motor ?

  • Wagner

    Ridículo isso! O carro lançou a pouco tempo e já teve 2 aumentos??? Ah, pelo amor de Deus Renault!!! Um carro aqui no Brasil já é um absurdo e já aumentaram o preço duas vezesss?????? Melhorou alguma coisa para justificar o aumento???

    • Luciano RC

      E o Polo que já chegou aumentando 2.500 reais?

  • Wadih Jereissati Cos

    Agora pessoal os freios vem de série. Não é mais opcional.😄😃😀

  • luiz

    Boatos que a justiça proibiu a Renault de fabricar o kwid até realizar todos os recalls

  • Fanjos

    Eu avisei que era mês de meu aniversario e que teria muitos presentes, anota que vem mais

  • Ricardo Blume

    A cara-de-pau é tanta que após três recalls quase que consecutivos e cancelamento temporário de entregas, agora vem aumento de preço. O que falta mais Dona Renault, um tapa na cara do cidadão que entrar na ccs Renaut?

    • invalid_pilot

      3 recalls médios/graves – não era troca de lampada de freio que pode queimar.
      Brasileiro merece esse lixo cada vez mais caro.

    • “Perguntador”

      Acho justo, “arrumaram” o carro, agora vale mais, pode aumentar mesmo kkkkk

  • Hugo Leonardo Dos Santos

    Cada um pensa como quer e faz o que quer com seu dinheiro, mas seguindo a lógica do se eu tivesse 30 mil compraria tal carro, eu faria o seguinte: com 31 mil temerzinhos, pra comprar um carro a vista e não ter prestação, iria com certeza num carro usado, mas não num “resto de rico”, eu pegaria um carro popular completo o mais novo possível, assim teria um carro confiável pro dia a dia, seguro e manutenção mais em conta. Vi alguma coisa assim interessante no mercado como Gol 1.6, Fox 1.6, UP 1.0, Ka 1.0, hb20 1.0 etc. Opinião minha..

    • adrielmenezes

      E se tivesse 90 mil a vista pra comprar um usado?

      • Hugo Leonardo Dos Santos

        barbaridade, 90 mil ai eu pegaria zero mesmo, mas teria que pesquisar e pechinchar bastante

      • Brenno

        90 mil, usado… Minha lista de desejos: Golf, Subaru Impreza, Cruze 1.4 Turbo. Talvez o Sandero RS 0 km e investia o restante em alguma aplicação. Mas depende muito do gosto do cliente. Agora, definitivamente, nenhum SUV ou Pickup.

  • Diego

    Do ponto de vista do negócio esse carro está sendo uma mina de dinheiro. Faço parte da comunidade do Renault Kwid no facebook, tiveram indivíduos que financiaram sem entrada e parcelaram o restante em mais de 1000 Reais a versão intermediária, estão cobrando taxas de 3,14% a.m., você olhava claramente o perfil desses compradores e verificava que eram pessoas simples com o “sonho do carro zero km”, falta educação financeira a população brasileira, se você mencionar sobre custo de oportunidade e taxa de juros é como se estivesse falando em Mandarim, ninguém conhece, apenas olham o valor da parcela e abraçam a “oportunidade” como se não houvesse amanhã.

    Quem tiver um pouco de conhecimento sobre investimentos sabe que é praticamente impossível ter uma rentabilidade de 3,14% ao mês na Renda Fixa, no final de 5 anos isso totalizará 188% de juros, é surreal considerar esse percentual, hoje existem uma série de garantias para a retomada dos veículos financiados, o risco é mínimo, aqui reside nosso problema, nos EUA num financiamento de 60 meses é normal você pagar 8% de juros sobre o montante total.

    • MauroRF

      Na renda fixa nem 1% dá direito agora (a menos que arrisque um pouco mais em fundos de investimento ou ainda, para quem term perfil mais arrojado, ações, mas há os riscos). Em renda fixa mesmo, o máximo que consegui hoje foi de 0,9% ao mês em algumas debêntures de prazo mais longo (2022 a 2024) de empresas de risco médio. Debênture já tem risco porque, se a empresa quebra, já era, mas não tem o risco de variação negativa como em ações ou em alguns fundos. Depois das debêntures, encontrei, em bancos pequenos, CDBs prefixados bons e também com CDI de 130, 132% até, mas as debêntures estão pagando mais agora por conta da selic baixa. Claro que os prazos desses investimentos são mais longos, mas pagam mais. E mesmo esses de 130% do CDI, quando a Selic subir, vão render mais. E tem previsão de subida da Selic já em 2019.

      • Zé Mundico

        Então vamos de Tesouro Direto-pós ou Tesouro Direto-Selic, que no mínimo já garantem Selic cheia.

    • Zé Mundico

      Realmente, o brasileiro médio ainda vê carro zero como um fetiche social e esquece de todos os custos que isso acarreta, desde impostos e taxas até seguros, revisões, manutenção, etc e tal.
      Quanto aos juros do financiamento, é algo a ser estudado pelas futuras civilizações.

    • Guilhe

      Tem certeza que é 3,14% a.m? Nunca vi isso num financiamento de carro, ainda mais de carro Okm

      • Diego

        Tenho Certeza ! Como eu mencionei é um financiamento sem entrada e em 60x, fator ” risco” é a desculpa.

  • Louis

    Eu olharia o Chery QQ com mais carinho

  • Gu92

    Acho que uma parte desse aumento no preço seja por causa da nacionalização de alguns componentes que antes vinham da Índia e que apresentaram problemas, que motivaram 3 recalls em menos de 6 meses do lançamento do modelo no mercado nacional!!

  • Marcus Vinicius

    Agora só falta as versões RS e GT Line para complementar suas vendas !

  • Wagner Lopes

    Prefiro milhão de vezes um clio 2016 por 25K do quê essa gambiarra exclusiva de terceiro mundo…

  • CanalhaRS

    R$ 31 mil numa bicicleta melhorada???

Quem somos

O Notícias Automotivas é um dos maiores sites automotivos do Brasil, trazendo todas as novidades sobre carros por mais de 12 anos. Saiba mais.

Notícias por email