Renault: R$ 1,1 bilhão no Brasil com cinco lançamentos até 2022

Renault: R$ 1,1 bilhão no Brasil com cinco lançamentos até 2022

A Renault anunciou um investimento de R$ 1,1 bilhão em sua operação brasileira, sediada em São José dos Pinhais-PR. Com esse montante, a marca francesa pretende renovar o portfólio e introduzir um novo motor.


No caso da gama nacional da Renault, a marca francesa pretende fazer cinco lançamentos até o final de 2022, sendo que um deles implica em um investimento maior, sendo esse o Captur Turbo.

Neste investimento, a Renault aplicará uma parte na produção do propulsor H5Ht, que também é conhecido como M282 na Mercedes-Benz.

Renault: R$ 1,1 bilhão no Brasil com cinco lançamentos até 2022

Trata-se de um motor de quatro cilindros de construção modular (como o Firefly da Fiat, por exemplo), com 1.332 cm3, turbocompressor e injeção direta (flex aqui).

Esse motor deve alcançar 170 cavalos no etanol e pouco mais de 160 cavalos na gasolina, tendo um torque entre 25,5 kgfm e 26,5 kgfm. Já outros lançamentos envolvem ainda dois modelos elétricos, sendo que um deles poderá ser a nova geração do Zoe.

Quanto ao outro, ainda não se sabe nada, mas poderia ser o próximo crossover elétrico da Renault ou, numa atitude mais ousada, eletrificar o próprio Kwid com o K-ZE, o que faria do produto o mais barato do mercado.

Renault: R$ 1,1 bilhão no Brasil com cinco lançamentos até 2022

Como tem valor agregado maior que o subcompacto, seria impactante em imagem da marca e vendas de carros elétricos, dependendo do preço. Por fim, o próprio Kwid precisa de atualização e esta já foi vista na Índia.

Para dar continuidade ao processo de mudanças por aqui, a Renault deve fazer um investimento maior para produção de um SUV de porte médio baseado no Dacia Bigster.

Este pode ser um rival direto para Compass, Taos e outros, baseado no conceito romeno e com acabamento em padrão da Renault francesa. Isso colocaria a marca numa faixa que promete esquentar e ainda poderia adicionar uma versão longa adiante, com sete lugares.

Renault: R$ 1,1 bilhão no Brasil com cinco lançamentos até 2022

Logan e Sandero devem ficar para mais adiante, com padrão melhor de valor agregado maior que o atual. A picape Oroch também deve se beneficiar das mudanças a partir de 2024 com a CMF-B, após facelift e com o Duster de nova geração.

Já o Kiger precisa de um ambiente rentável para a Renault, mas com potencial de ser um produto de boa aceitação e margem aceitável. A Renault tem o potencial para inundar o mercado com SUVs, a exemplo da VW.

 

Ricardo de Oliveira
Ricardo de Oliveira

Técnico mecânico, formado há 25 anos. Há 14 anos trabalha como jornalista no Notícias Automotivas, escreve sobre as mais recentes novidades do setor, frequenta eventos de lançamentos das montadoras e faz nossos testes e avaliações. Também trabalhou nas áreas de retificação de motores, comércio e energia.

36 comentários em “Renault: R$ 1,1 bilhão no Brasil com cinco lançamentos até 2022”

  1. Renault precisava se concentrar em recuperar o bom custo benefício de Logan e Sandero, não adianta ser uma maria vai com as outras e esquecer o que fez o sucesso e renome da marca no país.

    • Concordo, a Fiat está voltando a ser um exemplo de custo x benefício como antigamente na minha opinião, pois aqueles pacotes terríveis de opcionais que tinham coisas que você queria e outras que não, mas era obrigado a comprá-las acabou e esses itens agora são de série e os que não são podem ser comprados separadamente a gosto do freguês. Show! A Renault deveria seguir o exemplo como antigamente também.

  2. Ô Renault, reponham o Sandero convencional 1.6 na gama. Na minha opinião é um erro tirá-lo de linha pois como já disse segundo o site Mobiauto a versão 1.600 vendeu a metade da versão 1.000 no ano passado e aposto que neste final de ano isso fará falta para a marca. Não me conformo, pois sempre teve Clio 1.6, Sandero 1.6 e do nada acaba assim e fica SÓ 1.0, Stepway e RS não contam neste caso, para mim está sendo uma triste história.
    E tbém NÃO desistam do Clio/Taliant(Sandero 3) e Taliant(Logan 3) no Brasil, deem uma boa repaginada neles para o consumidor esquecer que a dupla é carro de Uber ou Locadora e espero que eles TENHAM opções 1.6 MT, de preferência como no mercado russo que existe a opção do 1.6 HR16 MT6.

  3. Melhor seria pegar em dinheiro e investir no Magnite com motor 1.0 turbo de valor em média de 65 a 85 ia fazer algum sucesso. O Captur já tem uma imagem ruim não acho q só o motor novo e quase nenhuma alteração vai salvar ele.

    • Mudar o Captur e não mudar aquele interior de Sandero que ele tem e ainda querer cobrar uns 130k por motor turbo vai continuar apanhando da concorrência. E Duster com apenas 2 airbags até na versão topo por quase 110k, o que eles estão tomando lá na diretoria?

      • Eu nunca entendo. Eles queriam abrir mão do Fluence para trazer sua atualização. Nessa epoca qdo se falava disso, se comentava em trazer como Megane. Só que o nome Fluence, não foi o problema e o carro foi injustiçado pela propria marca que nunca o divulgou adequadamente. E ela voltanod como MEgane, poderia trazer o problema do passado e isso ser um mico. O vice presidente disse que iria avaliar… e no final, sabemos o que aconteceu.(sim, eu como um dos administradores do grupo do Clube do Fluence teve a oportunidade de conversar com ele e inclusive tenho o numero dele comigo).

        Pedimos encarecidamente para ele trazer ou disponibilizar kits para esportivar os Fluences já que era um desejo mto grande dos donos. E ele disse que era caro manter esse pacote pois teria que disponibilizar para as concessionarias. E faz até sentido, pois qdo o Sandero foi lançado, ele tinha o pacote Sport que custava altos R$2500 (em epoca, hoje se equivale a R$5000)

        Enfim… só que daí lançam o Captur que fica se canibalizando com o Duster…. isso que eu não entendo na Renault. O Captur foi um produto sem pé nem cabeça para nosso mercado. Duster e Captur só existem em oturos mercados pq são de duas marcas distintas. Aqui é da mesma marca que cobra praticamente o mesmo pelos dois produtos.

        • Sim verdade, Duster é um produto e e Captur é outro que devia estar alinhado com o Clio, se existisse aqui, mas não existe. Ae ele fica na linha apagado, ainda mais que em nível de interior parece muito com os outros, então nada justifica. Se tivesse megane ou outro produto Renault pra compartilhar algo, poderia se destacar de alguma forma.

  4. Conheço esses lançamentos dos fabricantes no curto prazo…

    Podem contar: Captur turbo, Duster turbo, Kwid remodelado, alguma atualização no Sandero e Logan (pode ser a direção elétrica, a perda do tanquinho de partida a frio, a adoção do motor 1,0 turbo ou até alguma edição especial).

    • Eu só que esses últimos itens que você citou todo mundo já dava como certo no Captur e na renovação do Sandero e Logan, quebramos a cara duas vezes. Não ficaria surpreso se ela tentasse empurrar de novo essas alterações que honestamente são arroz com feijão na concorrência.

      • Um dos piores pontos a terem que trabalhar no atual SAndero/Logan é o revestimento acustico. Um ponto que carece demais na linha. Eles com pouco trazem o motor para trabalhar com vc. Ao invés de conversar com companhia, vc conversa com o motor.

        Sendo que os demais compactos melhoraram mto nesse aspecto.

        • É que eu não tenho muito parâmetro de carro compacto de entrada, não sei como anda a evolução de uma boa parte deles.
          De vez em quando eu pego alguns ubers, cuja maioria ultimamente são de Sanderos e eles são bem ruidosos, mas como não sou eu que estou dirigindo, pode ser o pé e a falta de cuidado do motorista.

          O que eu sei é que o old-208 da minha esposa é consideravelmente mais silencioso que o old-Duster que eu aluguei a um tempo, se o Sandero e Logan forem na mesma pegada, é simplesmente a ausência completa de absorção de ruído, no Captur é pior ainda dada a faixa de preço.

  5. Ou seja, na prática nada de novo. Vão turbinar o Captur pra ver se vai, renovar a cara do Kwid e os elétricos que ninguém compra e só fazem imagem.

    O outro deve ser a Alaskan que já tá sendo produzida e vendida regularmente na Argentina.

    Sandero e Logan que precisam urgente de nova geração ninguém comenta. Até pq a Renault tá ameacando tirá-los do mercado brasileiro

  6. Praticamente despesa obrigatória por conta do Rota 2030….
    Turbo injeção direta por conta de emissões, e os lançamentos as últimas tendências da Romênia

  7. Estavam assim como eu esperando a chegada do Sandero 3 e Logan 3 no Brasil?
    Então assim como eu, podem tratar de tirarem o cavalinho da chuva! INFELIZMENTE!
    Os sites AS e QR dizem que esse investimento infelizmente NÃO contemplará o lançamento do Sandero 3 e Logan 3 no Brasil.
    Uma pena! É para acabar mesmo!

    • Tenho percebido ultimamente que os sites de noticias automotivas só se preocupam com cliques, e nessa onda os “repórteres” automotivos ficam divagando ideias, a maioria fica forçando barra em determinada ideia de sua cabeça, sem observar a realidade, em resumo, somente após pronunciamento oficial podemos começar a cogitar ideias.
      E após o pronunciamento de 01-03-21 onde o CEO Ricardo Yuji Gondo, afirmou 5 lançamentos até final de 2022, pode muito bem virem Sandero/Logan 3, o “projeto” está pronto, só readequar para o Brasil, ninguém sabe ainda.

      • Com certeza não vai ser novo Sandero e Logan, os modelos ficaram “requintados” demais para o mercado brasileiro, estavam cogitando até lançar com outro nome pra vender mais caro, de tão sofisticados que ficaram. É um investimento muito alto pra fazer eles aqui e depois não vender nada porque vai começar em 80k.

      • Para mim a Renault não quer aceitar que ERROU na estratégia do Sandero 2-2 e Logan 2-2 e agora ficam tirando versões da gama para TENTAR amenizar a cagada(sinto muito mas não tem outro termo) que aprontaram. Como pode tirarem o Sandero Zen 1.6 da gama e manterem aquela PORCARIA do Sandero GT Line 1.0 litro. Eu não me conformo com isso, eles deveriam para tentar corrigir essa cagada tirar o GT Line 1.0 e colocar no lugar o 1.6 MT que é exportado para a Argentina ou aumentarem os itens de série do Zen 1.6
        Para mim a Renault acabará se arrependendo no futuro com as estratégias atuais. Está se candidatando a picar a mula daqui tbém devido ao seus erros. Estão botando muita confiança num Captur que na Europa já é PASSADO mesmo com motor turbo para competir com futuros concorrentes novinhos e com uma legião de fãs aqui. JEEP.
        ESTÁ LASCADA vivendo só de Kwid. Para mim já era!

  8. Os Diretores da Renault no Brasil devem estar todos chapados rss, tem nem uma semana a Renault disse q não faria investimentos no Brasil e agora vai, tem algum erro aí! A Ford fechando vai sobrar clientes do KA, lança o novo SANDERO e LOGAN para pegar estes clientes… Suv da RENAULT no Brasil não vende bem, mané motor turbo, troca este interior da Kaptur e abaixa o preço que vai vender bem, agora uma pergunta.. Carro elétrico no Brasil e para poucos, e se tiver algum consumidor ele vai de Toyota ou de Kiwd? Que visão que estes diretores tem. Não entendo não…

  9. Ao converter esse valor em Euro ou Dólar o valor é relativamente baixo, mas temos de lembrar que a Renault não faz lançamentos, e sim readéqua os carros do grupo para o nosso mercado, e isso nem deve custar tanto.

    • São aproximadamente U$ 200 milhões é pouco para mudarem várias matrizes de prensas para estamparem as peças novas de Sandero 3 e Logan 3. Realmente a nova dupla não vem. Já me disseram que é uma fortuna a matriz de pressa.

  10. Eu fico pensando que todo mundo agora quer competir com o Compass. E meu medo é que todos os considerados altinhos compactos queiram por consequencia aumentar seu preço apenas para justificar a rivalidade sem ter exatamente melhorias ou capacidade tecnica para disputar diretamente com o Compass.

  11. Já postergaram 2 vezes os planos para renovação de Sandero e Logan. Esses 2 devem deixar o mercado brasileiro em breve, reduzindo o portfólio da Renault no país (movimento similar ao de outras montadoras).

Deixe um comentário