Elétricos Governamental/Legal Hatches Mercado Renault

Renault Zoe revela dados no Inmetro e pode chegar em breve

Renault Zoe revela dados no Inmetro e pode chegar em breve

O Renault Zoe apareceu na tabela de eficiência energética do Inmetro. O compacto da marca francesa já nasceu elétrico e foi mostrado pelo NA no último Salão do Automóvel, em 2016. O hatch é o principal destaque energizado da empresa na Europa, conseguindo obter boas vendas, em especial no mercado alemão, onde chegou a liderar as vendas.


O método pelo qual a Renault o introduziu no mercado europeu converte o custo elevado da bateria em aluguel, fazendo assim com que o Zoe custe o mesmo que um compacto similar movido por diesel. Mas e por aqui? Apesar de não ser vendido, o modelo roda há bastante tempo no Brasil, mas nas mãos de empresas parceiras do fabricante francês.

Renault Zoe revela dados no Inmetro e pode chegar em breve

Assim como a Nissan, a Renault começou os testes e parceiras com empresas públicas e privadas, mas longe do consumidor comum e apenas cedeu o modelo em testes rápidos para uma pequena parte da imprensa automotiva. Agora, o Zoe revela algumas versões que supostamente poderão ser vendidas por aqui, embora a tabela do Inmetro não seja garantia de que um produto vá de fato ser vendido aqui.


Então, na referida tabela 2018, o Renault Zoe aparece identificado como “Zoe NR” e “Zoe LR”, sendo que o primeiro tem autonomia de 240 km (NEDC) e possui baterias de lítio de 22 kWh. Esta opção tem versões Intens e Life. Já a versão LR é aquela com baterias de 41 kWh e autonomia de 400 km (NEDC), que de acordo com a marca, tem alcance na vida real de 300 km.

Neste versão LR, o Zoe apresenta as versões Intens, Life e Ultimate, esta última comercializada na Europa através da Bose. Nos dois casos, o motor elétrico é o R90 com 90 cavalos e 22,8 kgfm, mas recentemente o compacto recebeu um propulsor mais potente, o R110 com 110 cavalos e o mesmo torque.

Renault Zoe revela dados no Inmetro e pode chegar em breve

De acordo com a tabela do Inmetro, o Renault Zoe NR tem consumo equivalente ao de gasolina ou diesel de 32,2 km/l na cidade e 26,7 km/l na estrada. No caso da versão LR, os números são de 31,9/26,9 km/l, respectivamente, tendo ambos consumo energético em MJ/km de 0,65 e atingem os níveis máximos de classificação na tabela, com “A” na geral e categoria, assim como Selo do Conpet.

Com 4,08 m de comprimento, 1,73 m de largura, 1,56 m de altura e 2,59 m de entre-eixos, o Renault Zoe tem porte semelhante ao do Sandero e na Europa custa até 23,6 mil euros. Dada as novas regras de IPI para o segmento no Rota 2030, o modelo recolherá 8% de IPI, já que pesa 1.468 kg e fica acima dos 1.400 kg exigidos para ter 7%, mas fica dentro do limite de 0,66 de MJ/km para obter o benefício.

E quanto custará se chegar ao mercado? Por ora não dá para saber, mas é certo que ficará bem acima de R$ 100.000. A Renault poderia até implementar o mesmo modelo de negócio vigente na Europa, com a locação da bateria mediante um custo mensal para o proprietário do carro e assim reduzir o preço de compra do produto. Também poderia apostar no modelo de assinatura mensal.

Renault Zoe revela dados no Inmetro e pode chegar em breve

E sua produção nacional? Duas possibilidades poderiam ser efetivadas na região. Uma seria sua montagem em CKD no país (talvez em Itaipu, vide foto no alto e acima) e a outra, mais interessante em termos de custo de produção, seria a adoção da plataforma modificada do Sandero para uma nacionalização do Zoe.

Porém, isso acabaria gerando um projeto de longo prazo e apenas para uma demanda elevada, o que não é vislumbrado no momento. Assim, a importação ou a montagem CKD aparecem como opções mais imediatas.

[Fonte: Gazeta do Povo]

Agradecimentos ao Sérgio Quintela.

 

Renault Zoe revela dados no Inmetro e pode chegar em breve
Nota média 5 de 6 votos

  • marcosCAR

    Baixa autonomia e preço elevado… Parece que estamos longe de fazer o bem para natureza…

    • leandro

      Baixa autonomia? Só quem trabalha fazendo entrega ou visitando clientes precisa de uma autonomia diária maior que essa..

      Preço elevado? Com certeza, mas se fosse um Corolla elétrico de 180 mil reais venderia aos montes

      Mas “encher o tanque” por 40 reais acho que ninguém irá reclamar

      • Racer

        “precisa de uma autonomia diária maior que essa”….isto só vale se ele tiver outro carro pra viajar.

        • leandro

          Convenhamos que 400 km já dá uma viagem e tanto

          • Thales Sobral

            Considerando que a rapidez pra abastecer um elétrico não é a mesma que encher um tanque de combustível, a meu ver ele teria que ter até mais autonomia. 400 km de autonomia num carro elétrico é muito considerando o que faziam há pouco tempo atrás, mas pra uma viagem mesmo, é pouco.

          • Racer

            Meu carro faz 1000km com um tanque….Com 400km eu não chego na fronteira.

            • th!nk.t4nk

              O Renault Zoe nao é carro pra estrada. É minúsculo, feito pra cidade. Considerando isso, 400 km é coisa pra caramba num carrinho desses.

              • Racer

                Mais um argumento para ter um somente para uso na cidade.

              • Edson Fernandes

                Minusculo não. Minusculo é o up onde tu mora. Ele tem tamnaho de um Sandero…

          • DevXav

            Fale por você.. 400km pra mim é só a metade do caminho. Essa autonomia aí não justifica o preço em lugar algum. Dispenso.

      • leitor

        Considerando que um Corolla normal é R$100 mil, esses R$80mil pra ser diluído em consumo e manutenção teria que percorrer uma distância equivalente a mais ou menos 300 mil km. Ou seja, um elétrico depois de andar isso tudo ainda valer um novo à gasolina.

        • leandro

          Mas estou falando de Toyota e não de elétrico, na Toyota ninguém se importa com preço. Vide SW4

    • RPM

      Natureza???? Nunca comprei ou vi alguém entrar numa loja pra comprar um carro,pensando na natureza….quantas guerras e desastres ambientais já vimos,em relação ao petróleo….

      • marcosCAR

        Já tem gente se preocupando… Cada dia mais. Porém, as montadoras não conseguem, por uma série de motivos, baixar o preço de carros menos poluentes, o que é uma pena.

        • DevXav

          Sinto muito mas ninguém se preocupa com natureza. Todo mundo se preocupa com DINHEIRO. Se por algum motivo for realmente possível unir lucro à benefício pra natureza, pode até ser.

          Fora isso, não vamos ser hipócritas né? Todo mundo aqui tem idade suficiente pra saber que ser humano vive e faz tudo por dinheiro.

          • Samluzbh

            Eu diria 99,9% só preocupa com dinheiro, pessoa física ou jurídica que faz algo em prol da “natureza” é porque tem benefícios ocultos tipo descontos em impostos, etc.

          • Edson Fernandes

            Acho que a grande questão é: Pensando na quantidade de pessoas que possuem carros (isso das que possuem), quantos podem dar R$100000 em um produto?

            Se essa pessoa pode dar R$100000 em um produto, ela terá mais de um carro ou teria somente para um unico carro de R$100000? Se a resposta de ambos for “poucos” pois não é todo mundo que pode destinar R$100000 em um carro e, sendo um carro compacto.

            Eu já pensaria qu eesse pudesse vir por volta dos R$60000 (sonho meu…) pq daí eu abriria mão do meu carro (atualmente um Fluence) para qdo precisar, alugar um carro maior para viagens. Mas veja que outra limitação no meu caso eu teria: Eu sou consultor.

            Atualmente trablahando em Campinas, mas estava até mes passado em Nova Lima (na Fiat). Como conseguiria ter um carro elétrico nessas condições? Veja…. se eu fosse uma pessoa que trabalhasse no escritorio todo santo dia no mesmo local e rodasse por dia, coisa de 50 a 60 km …. esse carro me sobraria para a minha finalidade. Aí ficaria possivel considerar alugar um carro maior qdo necessário. Mas diante de como eu rodo, esse carro fica proibitivo pra mim. Seria melhor considerando preço e até meio ambiente, um up tsi para meu uso do que um desses.

            Só que eu tenho um carro que me atendeu ao que eu esperava e não, não tem como pensar na natureza diante dos preços praticados. Percebe? Não é porque “quero ser maldoso” é porque simplesmente não me serviria. Um hibrido já é mais condizente com minha realidade. (e tirando o preço que não daria em um carro, eu teria um hibrido tranquilamente).

    • carlos rodrigues

      300 KM, baixa autonomia???
      Esses carros são estritamente urbanos, para uso diário, rodar 300 km com uma carga me atenderia muito bem.

      • Marcos Souza

        Mas vc gastaria 100 mil num carro urbano?
        Eu por exemplo só tenho um carro, adoraria ter um elétrico, mas se eu for viajar mais de 300km num dia, já fico na mão.
        E ainda dá pra viajar 250km, mas teria que achar um lugar pra recarregar a bateria e poder voltar depois. Um híbrido não me dá essa limitação

    • Marcelo Duarte

      Cara, compara a autonomia do Zoe com o i3…

  • Louis

    Mesmo que lancem logo, por enquanto vai ser carro de nicho, talvez seja comprado para frotas de governo e empresas.
    Mas a tendência é ir barateando a tecnologia com a demanda. Igual aconteceu com os computadores pessoais.

  • Cardoso (não aquele)

    Achei interessante até ver o preço… 100 mil reais num carro basicamente urbano é ruim de engolir.

    • CanalhaRS

      Pensei a mesma coisa.

    • cepereira2006

      Esse imposto deveria ser revisto novamente.

    • Razzo

      Vai ter que andar uns 120.000 Km à mais que andaria em um veículo popular 1.0 para compensar este preço.

    • Edson Fernandes

      Foi o que eu pensei.

      Alias, pensei até na proposta que a Renault faz na europa com muito sucesso. Vc adquire o carro por um valor equivalente aos compactos, mas precisa pagar uma taxa mensal para garantir o abastecimento e assim equilibrar o preço do carro. Se fosse assim, eu me interessaria, mas minha realidade atual me traria problemas em ter um carro puramente eletrico.

  • Marcelo Silva

    Para o meu propósito (trabalho e viagens curtas), esse seria um carro ideal para mim…

    Pena que os preços são desanimadores.

    • cepereira2006

      A hora que baratear mais eu encho o teto da casa de placa solar e encaro um para rodar de graça.

      • nbj

        “De graça” em termos.pois o sistema de energia por placa solar ainda é beeem caro!

        • Allysson Santos

          Em locais com boa incidência solar e dependendo do consumo da casa, geralmente o sistema de placas solar se paga em 1 a 2 anos. A questão é escolher um sistema que irá ter uma boa durabilidade.

          • T1000

            1 a 2 anos? Kkkkkkk
            A pessoa gasta mais de 30 mil para instalar o sistema e no final economiza R$50 por mês na conta de luz.
            É ridículo!

        • cepereira2006

          É um investimento, que em 4,5 anos se paga e você passa a ter energia realmente grátis. O sistema todo dura 25 anos.

        • FrankTesl

          O investimento em energia fotovoltaica se paga em menos de 7 anos. Poucos anos atrás, o tempo de retorno era superior a 10 anos.
          esse tempo tende a se reduzir cada vez mais, pois, mesmo com o dolar subindo, os custos de instalação de um sistema fotovoltaico estão baixando a olhos vistos ano após ano.
          Se considerar que deixou de gastar com gasolina/etanol no posto para rodar com um carro elétrico, esse tempo de retorno do investimento reduz mais ainda.
          Quanto maior a potência do sistema fotovoltaico instalado, o preço proporcional (em relação aos kWh gerados por mês) é menor, e o tempo de retorno também.

  • FFSB

    A Autonomia, considerando-se o uso no perímetro urbano, é suficiente para a maioria das pessoas. Claro, exigiria recargas ao longo da semana, algo que poderia ser difícil (pela falta de postos e pela falta de estrutura em garagens de casas e apartamentos para carregar o carrinho).

    Além disso, um preço “chutado” de R$ 100k é muito elevado para um carro compacto (hatch), sem quaisquer pretensões de luxo – apesar do powertrain elétrico.

    Coisa de nicho, ainda muito distante da popularização no Brasil. 2030 é logo ali e, pelo ritmo que as coisas andam no país, será bem parecido com 2018 (para não dizer pior), infelizmente.

    * EDIT: os modelos híbridos têm muito mais chance de emplacar no Brasil. Faltam preços mais competitivos ainda.

    • Ubiratã Muniz Silva

      pra quem mora em casa é muito, mas muito fácil adaptar uma estação de recarga.

      Apartamento é algo mais complicado, por questões puramente burocráticas… mesmo a vaga sendo parte da unidade individual e a estação ficar ligada no medidor do apartamento do dono, por estar situada em área comum precisa de autorização do condomínio pra fazer qualquer intervenção, dependendo do condomínio (se for um cheio de regras como o meu), só pode fazer depois que tiver um projeto padronizado (que permita que qualquer um instale a sua própria estação de recarga, no caso, mesmo esquema usado para armários de garagem), pra ter um projeto padronizado o próprio condomínio tem que aprovar a contratação de uma empresa (fazer projeto e dimensionamento de rede elétrica não é a mesma coisa de desenhar modelos diferentes de armário de garagem, é algo muito mais complexo), mesmo que o custo para contratar uma empresa especializada apenas para a elaboração do projeto padronizado – que qualquer morador poderá usar depois para instalar sua própria estação de recarga ligada ao relógio da sua unidade – fique em uma taxa extra de R$ 10,00 em parcela única muito provavelmente vai ter gente na assembleia que vai chiar e muito provavelmente não vai aprovar, etc.

      carro elétrico para quem mora em apartamento aqui no Brasil vai ser aquela coisa tipo biscoito Tostines (lembra da propaganda? “vende mais porque é fresquinho ou é fresquinho porque vende mais”)… ninguém vai aprovar obra para instalação de infraestrutura de recarga se não tiver gente suficiente com interesse em comprar um carro elétrico, mas não vai ter gente suficiente com interesse em comprar um carro elétrico enquanto não tiver projeto para instalação de infraestrutura de recarga.

      • O que deve começar a acontecer é que os novos prédios já contem com isso (pelo menos as bases para instalar e passar cabeamento) nos projetos iniciais. Obvio que vai começar com prédios mais caros, mas já será alguma coisa.

      • FrankTesl

        o engenheiro de Brasília que converteu um gol para carro elétrico conseguiu falar com o síndico e instalou uma tomada. com fios vindos da casa dele.
        O que poderia ser feito de maneira menos complicada seria pedir para o condomínio puxar uma tomada perto da vaga e instalar um medidor a parte, e pagar o valor consumido como um extra ao condomínio.
        As novas regras para abastecimento permitem que condomínios, shoppings, estacionamentos revendam a energia aos moradores e clientes, resta saber se precisa de burocracia, aprovação na distribuidora local etc.

    • DevXav

      Pode ser suficiente pra maioria das pessoas considerando que EM TODO LUGAR QUE IREMOS haverá um ponto de recarga super prático e fácil e tranquilo de ser utilizado, o que está LONGE de ser uma realidade.
      Portanto, não, essa autonomia de 400km é patética.

      • Allysson Santos

        Carro elétrico é coisa de rico HOJE, logo é quase que uma certeza que a pessoa não usará ele como único carro.

        Quem quiser gastar mais de R$100mil em um compacto elétrico para ser único carro, é por que ele sabe que não precisará realizar grandes viagens ou que terá que alugar um carro para isso.

        Quando se popularizarem os elétricos no Brasil, e eles serem acessíveis a classe média, aí sim se discutirá autonomia para ele ser carro único de família.

        • Edson Fernandes

          Pensaria com mto mais carinho num Prius de R$120000 que num Compacto eletrico viu. É mto mais viavel em todos os sentidos.

        • MonHoe

          Eles precisam primeiro criar desejo nas pessoas, só sendo inacessíveis nesse primeiro momento, como os Tesla da vida

        • FrankTesl

          até os anos 1920 nos EUA, qualquer carro era coisa de rico ou de quem trabalhava como motorista. Na Europa, carro só virou “carne de vaca” no pós II GM
          Aqui no Brasil, qualquer carro era coisa de rico ou de profissional até os anos 50/60/70.

      • Samluzbh

        Mas há de se lembrar que quem conseguir ou quiser um carro elétrico, devera ter a possibilidade de recarregar em casa. Ai os 400 km são muito razoáveis para a cidade.

        • Edson Fernandes

          Dureza é o caso depender de uma unica estação de recarga né?

      • FrankTesl

        com não preciso fazer o trajeto RJ->SP SP->RJ todo dia, não tem problema. Igual a mim, a imensa maioria dos motoristas.
        para quem dirige uns 50, 80 km por dia, nada mais simples do que fazer a recarrega parcial em casa durante a noite. 80 km numa bateria com autonomia para 400 km equivale a 20% da capacidade da bateria, isso deve recarregar em menos de 2 horas numa tomada 220V.
        Mas se mesmo assim não te serve ou atende, não desqualifique para os outros.
        Continue com o que tens hoje.

  • Racer

    Se não fosse o preço…teria um pra andar somente na cidade.

    • Mario

      Idem!

    • JOSE DO EGITO

      Por menos da metade disso ja da pra comprar um KWID que tambem é super economico !!

      • cepereira2006

        Pena que o Kwid não tenha 22 kgf de torque.

        • JOSE DO EGITO

          9.8 Kgf de torque dentro da cidade ja é mais do que suficiente

          • Edson Fernandes

            Ainda mais pelo peso do Kwid.

  • Hugo Leonardo Dos Santos

    Se custasse até 70 mil valeria o esforço pra comprar mas 100 mil, ai é melhor ir num aspirado que seja eficiente ou um turbinado.

    • cepereira2006

      Bem isso mesmo. Por 70 eu também iria encarar. Esse imposto tem que cair mais, ficou muito alto ainda.

  • Cesirus

    Porque não fazem carrinhos bonitos desse jeito com motores de combustão?

    • Gran RS 78

      Eles fazem carros bonitos com motor a combustão, é só ver o Clio europeu para ver o quanto ele é belo.

    • Claudio Fiorini

      Eles fazem, só que não para brasileiros. Nós não merecemos …kkkkkk

    • Perse

      Mas nossos carros são lindos, Up!, Uno, Clio..

      Kkkkkkk

    • DevXav

      Eles fazem, mas brasileiro gosta é de Dacia Motors e carro com mecânica de bicicleta, então o mercado local tem o que merece.

    • th!nk.t4nk

      Acho o Zoe feio pra caramba pessoalmente. Ele é bem estreito e alto. Parece uma “micro-van”, é bem estranho.

  • Vinicius Lima Santos

    Saiu um video hoje da autoesporto, rodando com o Zoe, i3 e Volt.
    Como de esperar, o renault é o lanterninha, mas com um pouco mais de investimento, leva o Volt que é bem mais carro

    • th!nk.t4nk

      O Zoe nem compete com esses aí. É minúsculo, tipo um Kwid. O i3 parece uma barca perto dele, e o Volt entao nem comento. Quanto ao preço, o Volt custa 50 a 80% a mais que o Zoe na Europa, dependendo da versao que comparar. Eu diria que é uma diferença bem considerável.

  • Júnior Nascimento

    Acima de 100k não acho que vai vender muito. Aliás, acho que as fabricantes não estão querendo volume com os elétricos.

  • Jean Lehn

    Vi ele na Itaipu pessoalmente e lindo o carrinho alem de ser um luxo por dentro!

    • Ubiratã Muniz Silva

      a Eletrobras também tem um rodando aqui em Brasília, bem legal. Também tem na frota deles um Fluence Z.E. e uma Palio Weekend elétrica.

  • Josué

    Elétrico puro ainda acho inviável no momento. Acho mais funcional (ao menos por enquanto), o Hibrido………….

  • leitor

    100mil pila por um carrinho destamanho?

  • Na minha opinião esse veículo seria bom para empresas cujo funcionários usem para visitar clientes dentro da cidade, já que dificilmente iria rodar mais de 400 km em um dia, e a noite carrega a bateria. Lembrando que um carro a combustão tem desgaste maior no ciclo urbano.

  • Maycon Farias

    100 mil desvalorizados reais? Que triste começo para elétricos aqui. Nosso futuro é bastante sombrio.

    • Edu

      70 mil já dava prá pensar. Autonomia boa, interessante é o consumo ser menor na cidade.

  • Tygra

    O Brasil deve investir e incentivar carro híbrido, carro elétrico para um país continental como nosso não vai ser viável tão cedo. Pode até servir para grandes cidades, mas obrigaria a pessoa a ter outro carro a combustão ou híbrido para viagem, o que convenhamos, a maioria dos consumidores de carro não têm condições de adquirir e manter. Carro elétrico como “carro da família” ainda vai demorar muito para virar realidade, quem sabe lá pela virada do próximo século. Portanto, não vejo outro caminho para o Brasil senão o estímulo ao carro híbrido como forma de reduzir emissões e elevar a eficiência energética dos mesmos, contribuindo tanto para o meio ambiente como para o bolso dos consumidores de automóveis.

  • David Diniz

    Povo ai embaixo falando em pegar a estrada com carro elétrico(Sim, eu sei que a BMW colocou “posto de combustível elétrico” na Dutra para carro elétrico) mas o foco de carro elétrico é CIDADE e não estrada.

    • Zé Mundico

      Tecnologias evoluem e ninguém disse que carro elétrico seria usado apenas em cidade. E o que proíbe carro elétrico rodar em estrada?

      • Samluzbh

        Não é proibição e sim o desconforto de esperar a bateria carregar isso quando achar local para recarga.

    • Ernesto

      Falam em pegar estrada porque a maioria não pode ter dois carros, portanto o seu uso será tanto na cidade como em estrada.

      • David Diniz

        Normalmente quem tem carro elétrico é pessoas que tem carros “convencionais a combustão” como algum SUV ou um sedã de Luxo e quer algo mais prático e econômico para rodar no dia a dia dentro da cidade já que no estacionamento do trabalho normalmente tem algum “posto de combustível” para carregar o Smartphone com rodas…

        • Ernesto

          David Diniz, nós dois temos razão em nossos pontos de vista. Atualmente sim, quem tem carro elétrico normalmente tem outro carro a combustão.
          No meu ponto de vista, penso futuramente, quando a maioria for carro elétrico e o custo de compra for igual a um a combustão, entra essa questão de poder ter somente um carro por questões financeiras ou mesmo de espaço.

          • David Diniz

            Isso ainda vai demorar bastante pode ter certeza…

    • FrankTesl

      se a pessoa não precisa dirigir mais do que a autonomia, em trechos menores que 300 km por dia qual o problema?
      Eu dirijo 120 km ida e volta algumas vezes por semana e essa autonomia seria perfeita; se fosse maior, melhor, mas não é necessária.

  • Gannicus

    NÃO COMPREM ELÉTRICOS!!! NUNCA!!!

    • leandro

      O que mais não posso comprar Papai?

      • Gannicus

        Celulares.

  • Samluzbh

    Os motores a combustão estão bem eficientes, deveriam priorizar os híbridos, são mais lógicos a curto prazo.

    • Allysson Santos

      Os E-Power da Nissan são os mais viáveis para o Brasil na minha visão. Bateria pequena, motor pequeno sempre girando na faixa ideal de eficiência e que já foi implementada na plataforma do Kicks e que consegue fazer 37 km/l.

  • Guilherme Batista

    Se eu fosse a Renault traria esse carro pro Brasil e faria parceria com as empresas de transporte por aplicativo e/ou locadora de veiculos.
    Ai colocaria esses carros para alugar com preços pouco maiores que os praticados na locação de veiculos para essa finalidade.

    O que não vai faltar é motorista querendo economizar com o gasto de combustivel.

  • João Holmes

    A tabela do Inmetro traz também dados do Renault Twizy, aquele quadriciclo simpático. Será que vem também? Custa 8 mil euros lá fora.

  • BuffyDawn Summers

    Preço acima de 100 mil por preço acima de 100 mil, Prius manda abraço.

    • ev gim

      Prius é híbrido, não é 100% elétrico.

Quem somos

O Notícias Automotivas é um dos maiores sites automotivos do Brasil, trazendo todas as novidades sobre carros para mais de 450 milhões de pessoas, por mais de 12 anos. Saiba mais.

Notícias por email