Rivian: cadeia de suprimentos será um desastre

rivian normal 2

A crise do setor automotivo é a maior de sua história, com a cadeia de suprimentos sendo afetada pela crise dos chips, decorrente da pandemia de Covid-19.


Ainda que alguns fabricantes anunciem datas para o fim da crise, outros são céticos e afirmam que o pior ainda não chegou.

Embora tenha iniciado sua história há pouco tempo, a Rivian já se pronuncia sobre a situação e RJ Scaringe não traz boas notícias, pelo menos em relação aos carros elétricos.

CEO da Rivian, RJ Scaringe disse: “Os semicondutores são um pequeno aperitivo para o que estamos prestes a sentir nas células das baterias nas próximas duas décadas”.

Scaringe comentou que a compactação do mercado automotivo mundial de carros comuns para elétricos gerará um desastre ao expor a fragilidade de uma cadeia que ainda nem existe.

rivian normal 1

O CEO da Rivian comentou: “90% a 95% da cadeia de suprimentos não existe”.

Scaringe mencionou que somente nos EUA, as vendas de carros elétricos representaram 3% dos emplacamentos e os híbridos alcançaram 5%.

Contudo, desde 2015, a demanda por baterias de lítio subiu 37% e este ano a demanda ampliou-se para 50%.

RJ Scaringe mencionou que nenhuma parte do setor automotivo hoje conseguiria atender essa demanda por células de lítio e acredita que nem mesmo a Terra suportaria, citando as reservas de lítio.

Chamado “ouro branco”, o lítio está causando controvérsia com os ambientalistas e já gerou uma crise diplomática envolvendo um grande fabricante do setor.

rivian normal 3

O chefe da Rivian falou: “Muitos de nós entendem que explodir uma montanha para mineração de carvão é errado; acho que explodir uma montanha para mineração de lítio é igualmente errado.”

Recentemente, surgiu a informação que Elon Musk tem intensão de minerar lítio para garantir seu suprimento do mineral.

Scaringe acredita que a Tesla “pode realmente ter que entrar na mineração e refino diretamente em escala”.

Com tantos fabricantes mudando imediatamente para carros elétricos, resta saber se de fato o setor irá resistir a essa mudança drástica.

[Fonte: WSJ]

Autor: Ricardo de Oliveira

Técnico mecânico, formado há 26 anos. Há 15 anos trabalha como jornalista no Notícias Automotivas, escreve sobre as mais recentes novidades do setor, frequenta eventos de lançamentos das montadoras e faz nossos testes e avaliações.