Finanças Governamental/Legal Mercado Montadoras/Fábricas

Rota 2030: Ministério da Fazenda resiste e montadoras apelarão ao presidente

fábrica-gm-gravatai Rota 2030: Ministério da Fazenda resiste e montadoras apelarão ao presidente

Os dias estão passando e 31 de dezembro está se aproximando rapidamente. A data é o prazo final para vigência do Inovar-Auto, programa automotivo impopular dentro e fora do país. Seu substituto, o Rota 2030, foi apresentado em abril e seria finalizado em agosto, quando então seria enviado para sanção presidencial e instituído como lei em 1 de janeiro de 2018.



O tempo era curto, mas ainda assim, as equipes de trabalho do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, bem como das montadoras e autopeças, se uniram para elaborar a nova política automotiva, visando os próximos 15 anos. Com longo prazo, a expectativa é que o Rota 2030 gere confiança e segurança nos fabricantes, que assim poderão ter mais garantias de investimento no Brasil, objetivando principalmente a exportação de produtos de qualidade para mercados consolidados, o que não acontece hoje.

Mas, ao ser enviado para o Ministério da Fazenda, o Rota 2030 parou no sinal vermelho e lá permanece até agora. A expectativa era de uma aprovação para novembro, mas o prazo – assim como o de agosto – expirou. O ano está terminando e o Brasil corre o risco de começar 2018 sem uma política para o setor. O motivo é que o MF reluta em aprovar o programa nos moldes como foi criado pelo MDIC e fabricantes.

Como o governo Temer quer fechar 2018 com um mínimo de perda possível em arrecadação, por conta da dívida pública, o MF não quer liberar o Rota 2030 por temor de perda de arrecadação. Para a Fazenda, a nova tributação poderia gerar desoneração fiscal. A principal proposta que se tem notícia é a imposição de uma sobretaxa de 10% de IPI para empresas que não cumprirem as exigências que visam manter investimentos em pesquisa e desenvolvimento, segurança e eficiência energética, por exemplo. Além disso, as regras criadas acabariam com os impostos na cadeia produtiva, incidindo apenas na hora da venda do veículo.

Fontes do MF dizem que a pasta de finanças do estado cita similaridades com a política atualmente em vigor e também questiona diretrizes do novo programa. Por conta disso, não tem pretensões de liberar as novas regras. Diante disso, nesta terça (14), as montadoras e autopeças se reunirão com o presidente da República para discutir o impasse e pressionar uma aprovação do Rota 2030.

Com pouco mais de um mês e meio para o ano se encerrar, o impasse continua e já se sabe que, sem o Rota 2030 aprovado em 01 de janeiro, as alíquotas de IPI voltarão aos níveis de 2011 para nacionais e também para os importados. Ou seja, sem IPI de 30% e cota de 4.800 carros/ano. Para o MDIC, “não há plano B” caso o MF conclua que não deve liberar o programa. Sem isso, o Brasil entrará 2018 sem regras, alerta o ministério.

  • carroair30

    De um jeito ou de outro o CONSUMIDOR é que vai “pagar o pato”

    • Filipe

      Certeza. Nunca farão algo em favor do consumidor!

      Aliás, por falar em pato, cadê os famosos patos…!???

    • Cyro

      vão criar uma medida provisoria….

    • Raul Pereira

      Yep, pagamos a conta do pato da sangue suga parasitária governamental na previdência, tributação, trabalho e consumo de bens.
      Mas brasileiro tem memória curta.

  • vicegag

    Se onerou, por que agora não pode desonerar?

    • Alexandre Viotto

      Porque estamos falando de Brasil! Simples assim…

    • joao vicente da costa

      Lei de Responsabilidade Fiscal. Na prática, ela permite majorações infinitas de imposto, mas nunca reduções.

      • José Eduardo D’Acampora Guazzi

        Poderia desonerar SE diminuir o gasto público mas isso no Brasil é mais lenda do que achar um Elfo andando nas ruas huaahuua

        • Filipe

          Poderiam desonerar a corrupção e os privilégios dos políticos

          • Raul Pereira

            Ao invés disso culpam (mídia + casta política) os funcionários públicos concursados, ao invés dos comissionados que custam o triplo e não sabem o que estão fazendo lá e ainda atrasam o serviço dos servidores de carreira (e claro que a população concorda). Como você falou, problema não é o gasto público, é que somos um balde furado de corrupção, lobby e privilégios dos mais poderosos.

        • José Barbosa

          um dos problemas é que brasileiro acredita que dinheiro dá em árvore e não entende que tudo o que recebe “grátis” já está pago. E não acho que isto se resolverá nas próximas gerações. Teremos que passar por algum evento cataclísmico (guerra, falência fiscal etc) para aprendermos e, talvez, recomeçar do zero.

    • Eng Turbo

      Imagina a propaganda da “oposição”. O Governo tirou os seus direitos trabalhistas (Mentira), vai acabar com a sua aposentadoria e a justificativa é porque o governo está quebrado. Porém, ele da incentivos para as montadoras, ricas e capitalistas, que exploram o povo brasileiro.

      • Se ele deixar as montadoras saírem do país, será pior. Imagine a oposição dizendo: “está vendo o seu emprego? Olha ele lá, indo para a China e a Coreia, porque o governo não quis segurar as montadoras no Brasil, produzindo carros brasileiros.”

        • Eng Turbo

          Uma coisa é fato, se o Brasil liberar o livre comercio e importação, as montadoras literalmente vão fechar as portas aqui e irão produzir no Mexico e China, pra na sequencia exportar pro Brasil. Isso irá causar um efeito em cascata com os Tier1,2,3…etc, pois não somos competitivos em praticamente nada (Fora agricultura). A questão é muito mais complexa do que parece, se abrir as fronteiras da forma que estamos, teremos uma desindustrialização radical e pra tornar o país competitivo, teremos que mudar muitas regras, principalmente acabando com esse lixo de CLT, “direitos” trabalhistas, Sindicatos, etc….ai sim seriamos competitivos e ao invés de nos preocuparmos com a importação, seriamos base exportadora, isso sim!

          • Cosi fan Tutti

            Mas a medida não é pra desonerar, na prática vai voltar ao que era, ou seja, os 35% de importação que é o limite da OMC, vários países praticam menos que isso, inclusive países produtores como o México e a Argentina. Não tem pq o Brasil impor tantas taxas, ae se fecha e fica atrasado. Ou se insere no mercado mundial ou se insere, não tem mais jeito.

          • José Barbosa

            Aí temos que refletir se queremos produzir carros ou gerar renda com eles. Melhor ter um carro importado custando menos, que de fato fecha uma fábrica, mas vendem-se mais carros e geram empregos nas próprias revendedoras como manutenção, fiscalização, receitas de pedágios, venda de combustíveis e acessórios etc. Para nem ir longe nesta discussão, quem hoje reclama dos empregos “perdidos” com a Política Nacional de Informática e o que temos hoje, inclusive, quanto a grandes fabricantes nacionais.

            • Eng Turbo

              Eu sou totalmente favorável a abertura de mercado, porém isso foi feito com o Collor sem nenhuma preparação, e vimos o que aconteceu. Foi uma inundação de carros importado (Lado bom) e um desequilíbrio generalizado com os fornecedores de autopeças, Tier 2,3,4..etc. Realmente precisamos de livre mercado, mas temos que preparar o terreno para isso.

        • Luis_Zo

          Concordo. Ainda mais que, a ultima vez que que, a cadeia automotiva correspondia por 18% do total do PIB…

      • Raul Pereira

        Governo tirou direitos trabalhistas, sim. Não tem mais local insalubre e estão lutando para diminuir a fiscalização de trabalho escravo. Isso porque quem financiou a tomada do poder pelo Temer foram os grandes ruralistas, que estão montados na grana enquanto a gente se mata trabalhando por migalhas. E antes que fale que é papo de ‘comunista’, pequenas e médias empresas sofrem muito na mão dessa política de favorecimento, só perguntar pra algum empreiteiro o quanto ele se lasca enquanto a Odebredtch continua sendo favorecida. O MF fala que não temos dinheiro mas o CARF perdoou 95% das dívidas dos grandes grupos empresariais, eles simplesmente não vão pagar nada de imposto. Agora pergunte pra uma empresa média que não tem nenhuma holding por trás se tem alguma negociação pra eles.

        • Jose Silva

          Cara, você pode ter razão em algumas coisas, mas dizer que acabaram com a insalubre na norma norma trabalhista ? Tá maluco ? Fumou uma ? Você sabe o que é insalubridade ? Insalubridade está na Norma Regulamentadora 15, ou seja NR 15. Somente um Engenheiro do Trabalho ou Técnico do Trabalho pode avaliar se o risco físico, químico ou biológico que o trabalhador esta exposto entra na NR 15, e se entrar quais são os limites de tolerância que ele está exposto através de medições quantitativas ou qualitativas. Se o limite da exposição não ultrapassar os limites toleráveis da NR e seus anexos não gera insalubridade. Se os limites ultrapassarem a tolerância aplica-se medidas de proteção para o trabalhador. Se a proteção elimina o risco e seus limites o mesmo não gera insalubridade, se não tem como eliminar os limites paga-se insalubridade em último caso. Exemplo: Um trabalhador que está exposto a um alto ruído e o mesmo ultrapassa os limites toleráveis pela NR e seu Anexo, o mesmo deve utilizar um protetor auricular para abafar o ruído e o mesmo não seja prejudicial a sua saúde, portanto não tem insalubridade neste caso. Já um Enfermeiro ou Médico que trabalha em um hospital está sujeito a risco de pegar as doenças que os pacientes tem, por exemplo, se um paciente chega gripado, esta gripe pode passar para o enfermeiro ou médico mesmo que ele esteja utilizando todos os equipamentos de proteção através de doenças infecto contagiosas. Neste caso o Enfermeiro e Médico mesmo utilizando as proteções estão sujeitos a pegarem as doenças infecto contagiosas, logo não tem o que fazer por isso se paga Insalubridade.

          Portanto não tem essa de tirar direito de trabalhador de insalubridade ou periculosidade, a lei está lá e não mudou nada nas Normas Regulamentadoras do trabalho perante a isto. O resto é mimimi e balela de esquerdopatas.

          Assinado por um Engenheiro de Segurança do Trabalho.
          Passar bem !

          • Raul Pereira

            Que tem a norma, isso tem, mas eu trabalho há anos na área de Recursos Humanos e Psicologia do Trabalho e na prática não é assim de maneira tão restrita que a coisa funciona.
            Primeiro, seu argumento é bem técnico, coisa boa e rara de se ver, mas dizer que tudo que não é isso é mimimi e coisa de esquerdopata tira totalmente o crédito, que além de ser subjetivo, é enviesado. Diversas áreas além da engenharia estudam essas questões, então ninguém consegue ver o quadro todo. Diversas empresas contratam (uma em Sorocaba fazia muito isso, esqueci agora o nome) levas de funcionários temporários, principalmente longe das grandes metrópoles, para trabalhar de temporários, e como tal, não precisam pagar insalubridade. Aí demitem, contratam a 2º leva, demitem, contratam a 3º leva, depois voltam a recontratar a 1º leva, tudo para dar um gato na fiscalização.
            Além disso, é fato conhecido que as atuais medidas, vastamente apoiadas por grandes setores de agropecuária (que se utilizam de trabalho escravo até hoje), estão minando as condições dos empregados. O trabalho escravo, se não fosse pelo MP suspender a PEC, teria se tornado muito mais difícil de fiscalizar e punir, já que ela colocava cerceamento de liberdade como condicionante para a caracterização de ”condições degradantes” e de ”jornada exaustiva”, ao contrário do artigo 149 do Código Penal. Na teoria, estritamente não parece que essas PEC e MPs estão tirando direitos, mas o mundo real não é como na teoria e boa parte dessas alterações têm servido para legitimar os crimes já cometidos por empresas contra os funcionários, o próprio ministro falou uma vez que isso iria desafogar o judiciário do trabalho. Então sugiro que você se informe mais de direito antes de taxar pessoas de esquerdopatas só porque visualizam um problema que você não viu.

        • Eng Turbo

          Te aconselho assistir esse video
          https://www.youtube.com/watch?v=naa5ackwzRQ

          • Raul Pereira

            Nossa, sinceramente, o cara não coloca um dado sério, só usa linguagem BEM tosca e é totalmente parcial, não tiro a razão de algumas coisas (tipo BNDES), mas ele mostra só um lado da história pra convencer de que tudo que vem do Estado é ruim e que a solução então seria privatização total. Esses canais radicais são sempre muito indústria de cultura fabricada (tanto de esquerda quanto de direita)

            • Eng Turbo

              Outro canal interessante, o qual imagino que vc irá se identificar, é o “Ideias Radicais”
              Uma coisa é fato, quanto menor o Estado, melhor. Uma boa parte da minha familia trabalha concursado, e o assunto é sempre o mesmo, altos salários, pessoas incompetentes, encostadas e que não se esforçam o minimo onde atuam. A sensação que passam é que essa é a realidade da maioria. Com a privatização, isso acaba, de forma simples e eficiente. Quem é bom fica, os ruins são retirados, os serviços são melhores prestados, etc.
              Eu sou favorável ao fim das estatais (100%), como venda mesmo, sem a participação do Estado em absolutamente nada. Sou totalmente contra a CLT, “direitos trabalhistas”, etc…..vc tem que facilitar a vida do empresário e não do trabalhador (E olha que nesse caso sou funcionário). Quanto mais fácil e barato contratar um funcionário, melhor para as empresas, economia, população, etc.
              Eu sei que um tanto quanto contra-intuitivo falar que vc deve privilegiar o empresario em detrimento do trabalhador, porém essa é a forma correta de gerar riqueza e gerar oportunidade para quem realmente quer trabalhar.

    • Filipe

      Se desonerar, não haverá repasse para o consumidor não! Vide a CPMF e outros exemplos, como o próprio inovar auto

  • REDDINGTON

    Adivinha quem vai pagar a conta???

  • Leonel

    Não é o Henrique Meirelles que dizem ser um possível candidato a presidência? É assim que vamos “tocar” o país?
    É uma vergonha esse governo mesmo…fazer algo para de fato ajudar a população não querem.

    Acabem com a farra do dinheiro público e com essa quantidade absurda de ministérios que começa a “sobrar” já!

    • Raul Pereira

      Inclusive, fiquei sabendo esses dias que ele era diretor da JBS na época daqueles rolos escrotos. Curioso, não?

      • Leonel

        Ééé para ver como as coisas são, né? E depois foi ministro do PT no governo Lula. Curioso mesmo rss..

        • Raul Pereira

          Exatamente, e hoje age como se nada tivesse acontecido.

  • zekinha71

    Imagina que belo monte de mérnia que vai ser esse Rota 2030.

  • CanalhaRS

    Se reduzir o tamanho da máquina publica pela metade, dá para economizar uns 200 BILHÕES POR ANO!!!
    Mas é melhor manter esse governo inchado, caro e ineficiente e onerar a cadeia produtiva e o consumidor.

    • DevXav

      Cuidado que isso é uma falácia, assim como o défcit da previdência!

      O setor público – representado pelos servidores públicos concursados que realmente trabalham -, não é inchado segundo estudos da OECD, que é uma das poucas organizações que ainda fazem algum estudo nesta área que presta e também por não ser brasileira.

      O relatório “Government at a Glance: Latin America and the Caribbean – 2017” da OCDE demonstra isso de forma categórica comparando o Estado brasileiro ao internacional: https://imgur.com/a/Q3Phi

      Obersve que os 11,9% do percentual do emprego público está 9,5% abaixo da média.

      O problema daqui está e sempre esteve nos POLÍTICOS e nos seus “agentes”.
      O setor político e seus “relacionamentos” sim é inchado por meio da criação de cargos de “comissão e confiança” – leia-se colocar amiguinhos pra ganhar dinheiro sem trabalhar pra ganhar votos -, que destroem o poder executivo.

      A solução, infelizmente, também será na política pelo visto, já que a população não reage.

      Só que aí será necessário que existam várias boas almas com cultura de berço familiar correta pra acertar as coisas – que ao meu ver, é mais fácil cair um meteoro aqui e acabar logo com tudo a isso acontecer.

      Enfim.. complexo…

      • IPZ.4

        Exatamente. Médicos, professores, policiais e fiscais são todos servidores públicos, e o que todos mais sabem é que o efetivo deles é baixo, faltam profissionais.

        Já os indicados… A pressão e a politicagem do Legislativo acaba com o Executivo.

      • Raul Pereira

        É o que tento mostrar sempre que vejo alguém berrando “neoliberal! privatiza tudo! funcionário público é vagabundo!” (não foi o caso do colega acima, claro, ele só de a opinião dele), o povo acha mais fácil ficar embaixo de uma bandeira do que avaliar uma situação complexa como a política brasileira.

      • Jose Silva

        Problema não são só cargos públicos mas sim os Cargos Comissionados que o governo coloca que umas certa parte deles ocupam vagas que deveriam ser públicas e os mesmos não produzem nada.

        Os cargos públicos também fazem parte sim, nem todos, mas tem gente ganhando muito e produzindo pouco. Exemplo: Tenho parente na família que mora em Brasília concursado federal ganhando lá seus R$15.000 por mês nos ministérios da vida e produzindo algo que qualquer pessoa com curso básico de Excel consegue fazer. Ele fica no Excel fazendo as planilhas e gráficos e mais nada, somente isto. O concurso dele foi para 60 vagas. Ele foi claro em me dizer que 60 pessoas tem salários de aproximadamente R$15.000 mais descontos para ficar em uma sala com ar condicionado e planilha de Excel ou Word, isso quando tem para fazer porque passam mais da meta de do tempo ociosos. Ele me falou que em todos os ministérios tem isso, muita gente ociosa sem produzir. Agora eu te pergunto, pra que pagar 15.000 para um cargo desses ? Isso no mercado Privado ganharia no máximo R$1.500 a R$3.000 estourando.

        Mas também concordo que tem muito servidor público com baixos salários, eu mesmo já fui um com baixo salário e pedi conta. Trabalhava de Engenheiro para o estado, produzia muito e todo meu serviço era barrado na gaveta do superior máximo da entidade, então não servia para nada pois nenhum projeto seguia adiante, nem mesmo equipar os trabalhadores com mínimo básico proteção e condições para o trabalho. Meu salário de engenheiro era ridículo, sobrava R$2.500 por mês sendo que o teto do CREA era na época R$5000 mínimo.

        Então eu vejo os dois lados da moeda, gente que trabalha muito e produz mas ganha pouco, gente que produz mas ganha absurdamente pelo que produz, gente que não produz e ganha muito, gente que não produz mas também ganha pouco e gente que produz d+ e ganha quase nada.

        Temos todos os lados da moeda, mostra que o nosso Pais é totalmente desequilibrado, e esse desequilíbrio é que causam os problemas. Salário de servidores geral deveria ser tabelado em todo Brasil e pronto, não justifica um cara trabalhar em Brasília e ganhar 15.000 produzindo pouco e outro fazer a mesma coisa em São Paulo e ganhar 2.000.

        Não estou entrando nem em corrupção, pois corrupção estraga tudo. Mas tem que ter equilíbrio e as coisas serem justas. O Governo do PT empregou muita mas muita gente com cargos comissionados com altos salários e produção zero. Não só o do PT, mas a grande maioria. Isso tem que ser extinto. Isso aumentou muito a máquina pública.

        Governo que gasta d+ para se sustentar e serviços com retorno a sociedade são lamentáveis.

        Só para feito de comparação, New York 8 milhões de habitantes tem 6 ou 7 Vereadores. Cidade aqui no Brasil com 150 mil habitantes tem 20. Estados Unidos inteiro tem 25% de servidores públicos gerais que somente tem em Brasília. Então vocês já sabem que tem algo muito errado por aqui.

        • José Barbosa

          “Tabelar” salários? Já o são.
          A economia no Brasil é extremamente complexa e não há solução milagrosa. Quanto ao suposto cara que ganha R$ 15.000,00 para fazer “o mesmo” que outro que ganha R$ 3.000,00; há inúmeras questões: quais são os custos da empresa que fazem chegar a este salário, qual o nível que realmente é declarado em relação ao que é pago e, persistindo a tamanha diferença, porque o que ganha R$ 3.000,00 não tentou algo melhor para a sua vida?
          Falar de funcionalismo sem estudá-lo profundamente, ou conhecê-lo por dentro, não dá. Mas, basicamente, tudo o que você ganha é tributado (óbvio) e não costuma haver QUALQUER benefício extra. Sem contar, por óbvio, que uma pequena nata é a que tem altos salários. A maioria dos servidores tem que se virar com salários baixos e diversos problemas típicos da máquina pública, como falta de convenção coletiva, atrasos de salário, recursos precários etc.

      • André Luis Versiani

        Concordo plenamente, sou servidor público e infelizmente há muitos comissionados e “peixes” em tudo que é canto e órgão, não produzem e só oneram a folha.

    • Raul Pereira

      Problema do governo é a corrupção das castas mais altas, não o funcionário público. Não é uma questão de política, nos países nórdicos temos exemplos de países com estados mais interventidos e praticamente inexistentes e ambos funcionam, porque são países com uma ‘cultura’ mais honesta de modo geral. Aqui pode-se colocar estado mínimo que vai continuar a mesma coisa. Paga-se muito e não tem retorno de nada. Vejo essas propagandas bizarras do PSDB falando em neoliberal, mas na prática eles só querem abrir pros amigos/família (caso do aeroporto do Aécio) e manter taxação de estado grande, quando na real seria abrir totalmente mercado e reduzir os impostos em uns 70%, aí teríamos competição de verdade entre nacionais e multi, o poder de compra subiria MUITO. Aí teríamos um estado neoliberal de verdade, coisa que não vai acontecer por lobby.

      • José Barbosa

        1) Países nórdicos foram formados no trauma da corrupção no século XIX, e hoje adotam uma conduta extremamente rigorosa e até mesmo, invasiva;
        2) países nórdicos gozam de uma excelente balança comercial;
        3) no Brasil é impossível implantar o Estado mínimo, pois o objetivo de diversos programas sociais é o de garantir o status quo, com custos cada vez mais altos.

        • Raul Pereira

          acho que dá pra problematizar mais a coisa dos programas sociais, que aqui não são ferramentas para gerar independência do favorecido frente ao poder do estado depois de algum tempo, mas sim de deixá-lo como eterno dependente dessa política e essa era a grande carta que garantiu o PT no poder tanto tempo, esse assistencialismo deturpado. Mas sim, concordo com a coisa do status quo.

  • RPM

    O Estado é nosso maior inimigo.”…

    • Louis

      Por isso sou a favor de estado mínimo. Dos males, que seja o menor.

    • André Luis Versiani

      O maior golpe que vivenciamos foi a Proclamação da República…

  • Leonardo

    Deixa sem regra ué. Por que exatamente o setor automotivo precisa de regras?

    • Porque se as regras não forem fixadas “alguém” (leia-se: Judiciário) pode resolver a questão, muitas vezes contra os interesses do consumidor.

      • José Eduardo D’Acampora Guazzi

        Vejo que sem regras na verdade as montadoras se sentem amedrontadas pela possibilidade de invasão de importados como vinha acontecendo até o Inovar Auto, de modo a perderem seus grandes lucros protegidos pelo mercado fechado e sobre taxado. Serve mais as montadoras que aos consumidores.

        • Debraido

          “Vejo que sem regras na verdade as montadoras se sentem amedrontadas pela possibilidade…” de concorrência. No fundo é disso que se trata.
          Fim da maior margem de lucro do mundo. Se engana quem acredita que estão protegendo empregos. Um mercado altamente regulado e com forte interferência estatal se torna caríssimo.

        • José Barbosa

          Pelo fim de qualquer política “benéfica” automotiva como o que já ocorreu na área de informática. Quem tem mais de 30 anos lembra bem como o fechamento do nosso mercado foi algo traumático e que repercute até hoje, de certa forma.

      • Leonardo

        Mas é uma mera questão tributária. A regra é de 2011 e antes disso não tinha e funcionava perfeitamente.

  • Louis

    Feriado na quarta, essa semana ninguém trabalha por lá… Pressa pra quê?
    E mesmo quando trabalham, só por interesses próprios, nunca pensando na evolução da nação.
    Tinha que aparecer algum herói e matar meia dúzia no congresso, pra deixar eles espertos.

  • Renato Duarte

    Pera aí,, se não tiver novas regras e, em 1 de janeiro de 2018 o inovar auto perde valor e volta tudo como era em 2011,, então podemos esperar por importados mais competitivos e nacionais tendo que ser ofertados com desconto!!! Isso pode ser muito bom no começo do ano que vem. Vamos esperando os próximos capítulos pra ver no que dá.

    • Eng Turbo

      A ANFAVEA ja ta acertando o lobby pra ingressar com uma “medida provisória” em 1º de Janeiro. Triste, porém mais do que esperado, vindo do Brasil.

      • Renato Duarte

        Aí volta tudo pro zero de novo kkkkkk triste realidade…

    • rafael soares domingues

      Também fiz essa leitura.

      Quando li: “Sem isso, o Brasil entrará 2018 sem regras, alerta o ministério.”, pensei: maravilha então!

      • Renato Duarte

        Tomara que aconteça o que estamos esperando…

  • Benjamin Machado

    Bom,independente do resultado a gente ja sabe quem vai pagar o pato!!

  • TT 230

    Esses caras não tem o mínimo de compromisso com o país. Estão apenas lutando para permanecerem no poder e continuarem o PEF (Programa de Enriquecimento Familiar).

    Tomara que tenhamos opções melhores em 2018 e que saibamos votar melhor, pq em eleições, a justiça se faz em poucos segundos, e sem recursos. Perdeu, cai fora!

    • Diego G. de Lima

      “Tomara que tenhamos opções melhores em 2018”
      Não temos meu amigo, pior que não temos.

      • Iran Borges

        Se Deus quiser teremos Bolsonaro pra dar uma choque nessa bagaça.

  • JCosta

    Brasil… um país sério.

  • SK15

    Simplesmente esquece nada de bom vira disso …

  • Elfo Safadão.

    Vou começar a fazer lobby pra galera comprar bike.

  • V12 for life

    Do jeito que anda, o Rota 2030 vai ser aprovado em 2050.

  • fabricioaguirre

    Não falam em incluir nas regras o incentivo ao esporte, previsto em outros países.

  • Willian Silva

    mais fácil achar uma nota de R$50 reais na rua voando, kkkkkk do que o governo fazer algo bom pro povo

  • octavio cesar godoy

    Daqui um tempo será inviavel produzir nessa porcaria de país, eu torço pra fecharem as fabricas, aí talvez esse governo tome outra posição

  • Edson Fernandes

    Entra sem regras, ou seja… entra sem beneficios a ANFAVEA ao meu ver. Porque se tudo voltar como era em 2011, isso é bom para todos, inclusive quem importa peças de fora.

  • zeh

    …o que eles querem?…manter a mamata de sempre…lucrando barbaridades nas costas do brasileiro…os acordinhos de sempre…

  • afonso200

    dale bora trocar o carro importado, alias os 2

  • Henrique

    Meu Deus !!!!!!!!! É muito simples, vamos parar de comprar caro zero ! Vamos matar os 2 de fome gente……. o mediocre e incompentente governo e a gananciosa das montadoras ! Só depende de nos ……..

  • yurieu

    Acho um ótimo momento para que se identifiquem quem impor as taxas e encaminhá-los ao fuzilamento.

Quem somos

O Notícias Automotivas é um dos maiores sites automotivos do Brasil, trazendo todas as novidades sobre carros por mais de 11 anos. Saiba mais.

Notícias por email

Send this to a friend