Rússia: montadora tem trabalho rural para funcionários

sportage mhev 1

A situação na Ucrânia não mudou com as sanções impostas à Rússia, que continua resistindo ao quase isolamento internacional e segue com sua operação de guerra para levar uma boa parte do país vizinho.


Enquanto isso, dentro da Rússia, o setor automotivo praticamente vive sua quarentena de Covid-19 elevada ao cubo. O vírus nesse caso é a falta de peças e componentes, gerada pelo bloqueio.

Com fábricas paradas e algumas já abandonadas, a Rússia entra num inverno glacial no setor automotivo, ainda que o sol comece a esquentar as moribundas linhas de montagem.

Numa das fábricas que hoje não fazem nada, a ociosidade está em 100% há dois meses e não há sinal no horizonte com uma data para isso acabar.

A Avtotor, uma montadora russa associada com Hyundai-Kia e BMW, tem em seus “silos” 10.000 carros para alimentar o desnutrido mercado russo.

Na planta, que fica em Kaliningrado, no Oblast russo entre Polônia e Lituânia, a Avtotor tem 200 carros inacabados e que não terão muita utilidade comercial adiante.

O motivo é que, fora os carros da BMW que não terão destinação alguma, os da Hyundai e Kia até poderiam ser terminados com peças importadas da Coreia do Sul.

Só que, ainda que Seul não tenha imposto sanções econômicas e nem políticas à Rússia, qualquer movimento no sentido de abastecer o invasor da Ucrânia, será considerado por Washington como traição.

De olho no mercado americano, onde goza de livre comércio, a Coreia do Sul não declarou, mas impõe por força maior um bloqueio à Rússia.

Sem perspectivas, a Avtotor decidiu manter os empregados, mas reduziu em dois terços o salário de 50.000 rublos (R$ 3.864) mensais.

Todavia, a montadora não terá como manter esse quadro eternamente, ainda mais que o pessoal está de braços cruzados por não ter o que fazer.

Aí que a Avtotor teve uma ideia inusitada: trabalho rural. A montadora propôs aos funcionários que trabalhem nos campos por um adicional de 1.500 a 2.500 rublos mensais.

Essa proposta é atuar na colheita de morango, mirtilo e maçã entre junho e outubro, mas será um trabalho voluntário e muito distante da fábrica, que fica a 100 km dos campos.

O trabalho rural será voluntário, mas a forma encontrada pela Avtotor nos faz lembrar dos tempos em que a agricultura dominava a economia da Rússia.

[Fonte: Auto Fórum]

Autor: Ricardo de Oliveira

Técnico mecânico, formado há 26 anos. Há 15 anos trabalha como jornalista no Notícias Automotivas, escreve sobre as mais recentes novidades do setor, frequenta eventos de lançamentos das montadoras e faz nossos testes e avaliações.