*Destaque *Featured Mercado Salões do Automóvel

Salão do Automóvel 2016: os carros mostrados que não serão vendidos no Brasil

ford-gt-salao Salão do Automóvel 2016: os carros mostrados que não serão vendidos no Brasil

O Salão do Automóvel de São Paulo, que realiza sua 29ª edição até o dia 20 de novembro no São Paulo Expo, é um ótimo lugar para conferir os lançamentos do segmento automotivo, carros que custam milhões de reais, modelos conceituais, mulheres bonitas e também sentir um pouco de inveja dos gringos ao saber que alguns automóveis expostos por lá estão no País apenas de passagem.



Neste ano, a mostra automotiva conta com alguns carros em diversos estandes que estão sendo mostrados apenas para chamar a atenção do público. Abaixo, citamos alguns desses modelos que não foram confirmados pelas montadoras para serem vendidos no mercado nacional. Confira:

Ford GT

Esse modelo provavelmente você não vai ficar tão decepcionado por não ter sido confirmado para o Brasil, a não ser que sua intenção era vê-lo uma vez ou outra desfilando pelas ruas. O Ford GT em uma chamativa pintura amarela é um dos destaques da montadora norte-americana no Salão e é bastante exclusivo, devido a sua produção limitada a 250 unidades por ano e seu preço de US$ 400 mil, o que equivale a cerca de R$ 1,3 milhão numa conversão direta.

O Ford GT se destaca por oferecer alumínio e fibra de carbono em alguns pontos da carroceria, além do motor 3.5 litros V6 biturbo da família EcoBoost, que consegue entregar mais de 600 cavalos de potência, associado a uma transmissão automatizada de sete velocidades e dupla embreagem e tração traseira. Dados de desempenho do superesportivo, porém, ainda não foram divulgados.

Fiat 124 Spider

ford-gt-salao Salão do Automóvel 2016: os carros mostrados que não serão vendidos no Brasil

A Fiat marca presença no Salão do Automóvel de São Paulo sem grandes novidades para os consumidores brasileiros. Um dos destaques da fabricante é o 124 Spider, roadster compacto que é oferecido no mercado norte-americano e também está na mostra automotiva apenas de passagem. O carro é baseado no Mazda MX-5, também conhecido como Miata, devido a uma parceria entre as duas marcas firmada em 2012.

O modelo é equipado com um motor 1.4 litro MultiAir turbo de quatro cilindros a gasolina, que desenvolve 162 cavalos de potência e 25,4 kgfm de torque. Junto a e ele está uma transmissão automatizada de seis velocidades, otimizada para priorizar a entrega de torque, ou automática também de seis marchas, e tração nas rodas traseiras.

Nos Estados Unidos, o Fiat 124 Spider tem preço inicial de US$ 24.995, podendo alcançar os US$ 28.195 na versão topo de linha Abarth, que usa um propulsor de 166 cv e câmbio manual de seis velocidades.

Kia Niro

ford-gt-salao Salão do Automóvel 2016: os carros mostrados que não serão vendidos no Brasil

Em meio a novidades interessantes para o mercado nacional, como a nova geração do Optima e do Cadenza, a Kia Motors também mostra no Salão do Automóvel 2016 o inédito Niro, um crossover que conta com motorização híbrida. De acordo com a fabricante sul-coreana, o modelo é um HUV (Hybrid Utility Vehicle).

O Kia Niro é equipado com um motor 1.6 litro Kappa GDi a gasolina de quatro cilindros e ciclo Atkinson, capaz de desenvolver 105 cavalos de potência, associado a outro elétrico de 43 cv, alimentado por uma bateria de íon de lítio de 1,56 kWh, posicionada sob o banco traseiro. O utilitário-esportivo consegue entregar potência combinada de 146 cv e torque de 27 kgfm. Junto a este propulsor está uma transmissão automatizada de seis marchas e dupla embreagem e tração dianteira.

Embora seja um carro híbrido, a aparência do Niro é de um utilitário-esportivo convencional. As linhas do modelo “ecológico” da Kia se assemelha com o compacto KX3 (movido à combustão) e o Sportage. Além disso, o carro traz como destaque a carroceria desenhada com foco na aerodinâmica, apresentando um coeficiente de 0,29.

Entre os equipamentos, há sistema multimídia UVO3 com Android Auto, Apple CarPlay e eServices UVO com 14 serviços telemáticos, armazenamento de até 8 GB, acesso a aplicativos na tela (como Pandora e SoundHound) e conexão WiFi, tudo comandado por meio de uma tela sensível ao toque de sete polegadas. A lista inclui ainda alerta de saída de faixa, assistente de partida em rampas, aviso de ponto cego e de tráfego traseiro, controle de cruzeiro adaptativo, sistema de frenagem de emergência, teto solar elétrico, sistema keyless, entre outros.

Ford Mustang Shelby GT 350

ford-gt-salao Salão do Automóvel 2016: os carros mostrados que não serão vendidos no Brasil

Outro modelo da Ford que “atiça” os brasileiros é a nova geração do Mustang na versão Shelby GT 350. Embora o novo muscle-car tenha sido confirmado para chegar às concessionárias no último trimestre de 2017, esta versão não deverá ser oferecida por aqui. Trata-se do modelo com motor V8 de 5.2 litros aspirado mais potente já fabricado pela empresa e com características que se assemelham a de um carro de competição.

O propulsor do Ford Mustang Shelby GT 350 consegue gerar 533 cavalos de potência, a 7.500 rpm, e 59,3 kgfm de torque, a 4.750 rpm, associado a uma transmissão manual de seis marchas. O conjunto oferece ainda diferencial de deslizamento limitado Torsen. Segundo dados do fabricante, o bólido consegue alcançar os 100 quilômetros por hora em cerca de quatro segundos.

O preço da versão Shelby GT 350 do Ford Mustang nos Estados Unidos é de US$ 62 mil.

Chevrolet Bolt

ford-gt-salao Salão do Automóvel 2016: os carros mostrados que não serão vendidos no Brasil

De acordo com a Chevrolet, o Bolt é o modelo elétrico de maior autonomia de seu segmento no mundo. E o compacto também pode ser visto pelos brasileiros no Salão do Automóvel de São Paulo. Ainda segundo dados da fabricante, o carro consegue entregar autonomia de mais de 380 quilômetros com uma única carga das baterias de íons de lítio, cerca de cinco vezes mais o que um motorista comum roda todos os dias.

O motor do Bolt consegue render mais de 200 cavalos de potência e é alimentado por cum conjunto de baterias instalado sob o piso, numa configuração plana. Além do aparato eficiente, a autonomia considerável é obtida também com o sistema de recuperação de energia em frenagens e também em desacelerações – com o veículo em movimento, basta tirar o pé do acelerador para ativar esta função.

Para reabastecer o Chevrolet Bolt, basta estaciona-lo em uma garagem, por exemplo, e conecta-lo a uma tomada. Em uma hora num sistema de 240V, as baterias conseguem entregar cerca de 40 quilômetros de autonomia. Já em estações públicas de alta voltagem, trinta minutos correspondem a aproximadamente 150 quilômetros de autonomia.

Entre as tecnologias, há sistema multimídia MyLink com tela sensível ao toque de 10,2 polegadas com compatibilidade com Apple CarPlay e Android Auto, além de OnStar, internet 4G via WiFi e navegador GPS que consegue apontar estações de recarga próximas e de traçar rotas que maximizem a autonomia, tendo como base a topografia do trajeto, as condições climáticas e os hábitos de condução do motorista.

Dodge Challenger SRT Hellcat

ford-gt-salao Salão do Automóvel 2016: os carros mostrados que não serão vendidos no Brasil

A Dodge ainda não se pronunciou sobre o assunto, mas é bastante provável que o Challenger na “apimentada” versão topo de linha SRT Hellcat não dê as caras em sua rede de concessionárias no Brasil – ao menos o carro já é oferecido por aqui sob importação independente. O muscle-car está sendo exibido no estande da montadora norte-americana no Salão do Automóvel de São Paulo.

O motor que equipa o Dodge Challenger SRT Hellcat é um Hemi V8 de 6.2 litros, que é capaz de despejar 707 cavalos de potência e 89,8 kgfm de torque. Ele trabalha juntamente com uma transmissão manual Tremec de seis velocidades ou automática TorqueFlite de oito marchas e tração traseira.

Ford F-150 Raptor

ford-gt-salao Salão do Automóvel 2016: os carros mostrados que não serão vendidos no Brasil

A nova geração da Ford F-150 Raptor foi lançada recentemente e também é uma das atrações do Salão do Automóvel de São Paulo. A picape em sua versão topo de linha usa o mesmo motor do superesportivo GT, um V6 biturbo da família EcoBoost, mas com alterações para ser mais “manso”: são 411 cavalos de potência e 70,5 kgfm de torque. Essa unidade trabalha em conjunto com uma transmissão automática de nada mais, nada menos que 10 velocidades e tração nas quatro rodas.

Nos demais diferenciais, a nova F-150 Raptor dispõe de um seletor de seis modos de condução, que consegue alterar o acerto da suspensão, parâmetros do acelerador, pressão de turbo, bloqueio de diferencial, entre outros. Entre eles, há o modo Baja, que proporciona melhor desempenho em terreno arenoso, além do Sport, Weather, Mud/Sand, Rock/Crawl e Normal.

A “picapona” custa US$ 48,3 mil na configuração com cabine estendida e US$ 51,3 mil no modelo com cabine dupla.

Renault Zoe

ford-gt-salao Salão do Automóvel 2016: os carros mostrados que não serão vendidos no Brasil

O Renault Zoe já está no Brasil há anos e, portanto, não é uma novidade para os brasileiros. Ainda assim, o carro aparentemente está longe das concessionárias. O hatch marca presença no estande da Renault e é equipado com um motor elétrico de 88 cavalos de potência e 22,4 kgfm de torque, com câmbio de duas velocidades (uma para frente e outra para trás).

As baterias de íon de lítio do Renault podem ser recarregadas em tomadas de 220V de oito a nove horas e também em desacelerações.

Peugeot Traveller

ford-gt-salao Salão do Automóvel 2016: os carros mostrados que não serão vendidos no Brasil

A Peugeot poderia oferecer a Traveller como uma opção de furgão mais refinado no Brasil. Todavia, a perua está no Salão de São Paulo também apenas de passagem. O veículo conta com versões de cinco e nove lugares (que dispõem de itens como mesa corrediça embutida nos bancos, dependendo da configuração), com porta-malas que varia de 1.500 a 4.900 litros.

Lá fora, o modelo é equipado com motores 1.6 BlueHDI de 95 ou 115 cv e 2.0 BlueHDI de 150 ou 180 cv, ambos a diesel, com transmissão manual de cinco velocidades e sistema start/stop. A lista de itens de série inclui sistema multimídia com navegação, comandos por voz, Apple CarPlay e Android Auto, reconhecimento de sinais de trânsito, alerta de fadiga, entre outros.

Kia Soul EV

ford-gt-salao Salão do Automóvel 2016: os carros mostrados que não serão vendidos no Brasil

A Kia exibe também o Soul EV, versão elétrica do crossover, que consegue entregar autonomia de 179 km na estrada, 219 km na estrada e 199 km no ciclo combinado. O modelo é equipado com um motor elétrico de até 110 cv e 29 kgfm, alimentado por bateria de íon de lítio de 27 kWh, que pode ser recarregada pelo sistema de frenagem regenerativa (que captura até 12% da energia cinética do carro) ou por meio de uma tomada, com tempos que variam de 24 horas para uma bateria totalmente descarregada utilizando uma tomada de 120V e menos de cinco horas em uma tomada de 240V – os 80% podem ser alcançados em menos de 33 minutos com a saída 50 kW.

Segundo a montadora, o carro consegue alcançar velocidade máxima de 145 km/h.

Hyundai Ioniq

ford-gt-salao Salão do Automóvel 2016: os carros mostrados que não serão vendidos no Brasil

A Hyundai está mostrando no evento o Ioniq, um modelo eficiente que dispõe de até três tipos de motorização. A primeira configuração é uma híbrida, que usa um motor 1.6 a gasolina de 106 cv e outro elétrico de 44 cv, alimentado por uma bateria de íon de lítio de 1,56 kWh, oferecendo potência combinada de 141 cv, com câmbio de dupla embreagem.

Já a segunda variante é totalmente elétrica, com um motor de 121 cv e 30 kgfm, que dispõe de autonomia de 250 km com uma única carga. Por fim, o terceiro modelo é um híbrido plug-in, com uma bateria de polímero e lítio de 8,9 kWh, com autonomia de 50 km no modo totalmente elétrico.

Honda Clarity Fuel Cell

ford-gt-salao Salão do Automóvel 2016: os carros mostrados que não serão vendidos no Brasil

A Honda exibe em seu estande o novo Clarity Fuel Cell, movido a célula de combustível de hidrogênio, que é oferecido no Japão e não deverá ser comercializado no Brasil. O veículo usa um propulsor elétrico de 176 cv e um tanque de alta pressão de hidrogênio de 70 Mpa (que pode ser abastecido em cerca de três minutos), proporcionando autonomia de cerca de 750 quilômetros.

O sedã oferece ainda a possibilidade de converter o hidrogênio do tanque em eletricidade para abastecer uma casa por até três bias, por meio de um dispositivo portátil chamado Power Exporter 900. Trata-se de um recurso bastante útil em casos de falta de energia da rede pública.

Renault Twizy

ford-gt-salao Salão do Automóvel 2016: os carros mostrados que não serão vendidos no Brasil

Além do Zoe, a Renault mostra também no evento o Twizy, que também já marca presença no território nacional. O pequenino (são 2,33 metros de comprimento e 1,18 m de largura) com capacidade para levar até duas pessoas é equipado com um motor elétrico de 20 cavalos e oferece autonomia de cerca de 100 quilômetros.

COMPARTILHAR:
  • Rafael Fortini

    Esqueceram do Toyota CH-R.

  • Marcos

    A um tempo atrás foi dito que o Peugeot Traveller ia ser produzido no Uruguai, então creio eu que é possível que ele chegue as terras brasileiras.

  • Marcelo SR

    Dodge Challenger é o bicho.

  • Arthur Hogemann

    sei que não deve ser o ápice da tecnologia, mas ver o Fiat 124 nas ruas seria legal …. pqp Fiat.

  • SAVEIRO CD

    Bem que esse Hyundai Ioniq poderia ser vendido aqui, com um preço perto do Toyota Prius seria uma boa.

  • Ailton Cardoso

    Twizy seria o carro ideal para andar nos grandes centros.

    • V12 for life

      Foi projetado para isso, mas no Brasil onde um carro com motor convencional de mesmas dimensões já não conseguiria por ter de ser o carro do dia a dia, dos passeios de final de semana e viagens de férias, um eletrônico muito mais caro e sem infraestrutura para recarga durante as viagens, não tem o menor sentido, o país precisa evoluir muito para chegar ao nível de termos carros totalmente urbanos, até mesmo por que os consumidores não entendem esse tipo de veículo.

  • Se tem um carro que venderia bastante no Brasil seria um conversível com preço próximo (de preferencia abaixo) dos R$ 100 mil. Me lembro quando BMW tinha Z4 (da geração anterior) e Mercedes SLK na versões de entrada e com preço na faixa dos R$ 150 mil (creio que isso faça uns 5 anos). Esses dois carros tinham um volume de venda considerável. Por tal motivo um FIAT 124 Spider, mesmo que viesse com um motor mais simples, acabamento mediano e tivesse um preço atrativo provavelmente venderia bastante, pois conversível nessa faixa de preço faria um sucesso. Em tempo, Mercedes Classe E da geração anterior vendeu muito por causa do E 250 (couro sintético, motor 2.0) e BMW idem com série 5 (528), também o Camarro (preço no lançamento R$ 180 mil). Todos esses modelos tinham como atrativo preço dentro do segmento que atuavam. Tanto que se pesquisar por usados no webmotors percebe se que tem muito mais versões de automóveis ditos premium nas verões de entrada.

  • V12 for life

    Dessa lista só o Shelby e a Raptor que acho uma pena.

  • Alvarenga

    Bom, a maioria destes faz um grande favor de não vir para ca. A lamentar de fato apenas o Hellcat e o Mustang que eu duvido que venha alguma versão, afinal a Ford ja anunciou umas 30 vezes e até hoje nada !

  • Thiago K. Galiza

    Esse Honda Clarity Fuel Cell, é um dos carros mais feios que existe

  • rafael morozini

    F-150 raptor , que picape 😍

  • Austin&Katya

    Não pra que mostrar se não vai vender aqui… Só pra dar água na boca

  • Luís Felipe De Podestá

    Peugeot Traveller vem sim, versão executiva e furgão

Quem somos

O Notícias Automotivas é um dos maiores sites automotivos do Brasil, trazendo todas as novidades sobre carros por mais de 11 anos. Saiba mais.

Notícias por email