Etc Segurança

Sinta-se seguro sem seguro

jetta-2008 Sinta-se seguro sem seguro

O seguro de automóveis é talvez o tipo de seguro mais feito pelos brasileiros. Poucas vezes alguém com uma renda suficiente para comprar um carro 0km o dispensa. Fazer o seguro do veículo virou praticamente um costume e poucas pessoas acabam pensando no benefício real do que estão fazendo. É como se a insegurança do “E SE?” dos potenciais consumidores, influenciasse muito as mentes (brecha muito explorada pelas seguradoras, aliás).



Por meio deste texto, não tenho como objetivo tentar lhe convencer a não fazer seguro, tampouco dizer que o que foi feito foi errado, uma vez que as necessidades são INDIVIDUAIS. O objetivo é apenas colocar o questionamento; permita-se refletir sobre o assunto.

Para iniciar a auto-análise (com perdão pelo trocadilho), deve-se ter o foco nas probabilidades e confiar nelas. Quantas vezes o carro bate por ano? Quantos carros roubados/furtados você teve até o momento? Qual a média de gasto anual com reparo de peças por acidentes? Se acontece raramente, acredite na estatística que continuará assim (a não ser que se mude, passe a frequentar locais de maior risco, entre outros fatores que mudam a “rotina”).

A matemática – Exemplo 1

Analisando esses tópicos, pode-se chegar a conclusão que muitos brasileiros não precisam, de fato, de seguro, mas o fazem. Como quando se mexe no bolso, as pessoas entendem melhor, seguem alguns cálculos de exemplo básicos. Antes de seguir para o exemplo, lembre-se de que se trata de uma situação hipotética, com valores médios e com intuito de provocar reflexão. Não estou para discutir a precisão dos valores. Seguindo ao exemplo:

Considerando um carro popular, de aproximadamente 31 mil reais, em São Paulo, Zona Sul, sendo o motorista um homem de 35 anos casado. Nessas condições, considerarei que o seguro ficou em 6% do valor = 1860 reais.

Ficando com o carro por 4 anos, temos que foi gasto 7440 reais. Considere 7000 para facilitar e ainda como margem para redução do valor do seguro. Se fosse comprado agora, provavelmente seria modelo 2012, então o modelo equivalente de 4 anos é o de 2009.

Pela tabela FIPE, o Gol 2009 está valendo 25.982 reais. Considerando que fosse vendido para uma concessionária na troca por um novo e esta desse 15% abaixo da FIPE, você venderia o carro por 22.000 aproximadamente. Obviamente, se conseguir vender por conta própria a vantagem é indiscutível.

Como o novo sai por 31 mil, significa que você precisa de 9 mil reais para trocar pelo 0km. Se você não fizer o seguro, esses 7 mil ficam rendendo juros no banco. Considerando um dos menores investimentos, a poupança, e que ela renda 0,6% ao mês, ao passar de 4 anos os 7 mil serão 9328 reais.

Conclusão:

Se você não fez seguro e não teve nenhuma intercorrência nesses 4 anos, você consegue com aquele dinheiro trocar o carro e ainda lhe restaram 328 reais! Observe que nem adicionei o que seria gasto em franquia, entre outras coisas.

Supondo alguém que não conseguiria manter os 7 mil “intactos”, cabe o outro raciocínio (complementar ao de cima também): excluindo as revisões inevitáveis, há gasto de 1800 reais em peças anualmente? Supondo que em 1 ano você não precise consertar nada devido acidentes, você fica com um valor “acumulado” de 3720 reais (1860 x 2) para ser gasto em “imprevistos”.

Isso nem estou contando com os 520 reais que os 7 mil renderam na poupança em 1 ano, uma vez que supus alguém que não o mantivesse intacto. É possível observar que mesmo assim a pessoa acaba tendo uma boa reserva…

A matemática – Exemplo 2

Pegando como exemplo agora um carro de 65mil, mesmo perfil e que o seguro fique por 4% do valor do veículo. Temos que sairia por 2600 reais. Refazendo os cálculos anteriores e considerando como o usado sendo vendido para concessionária por 43mil, teríamos que:

Total investido em seguro em 4 anos: 10400 ; considerando 10mil reais

Total necessário para trocar por um novo: 22mil

10 mil reais investidos na poupança por 4 anos: 13.326 reais

Diferença entre investido no seguro e necessário para troca: 22mil – 13.326 = 8674 reais

Fazendo aquele outro raciocínio secundário para esse carro de 65mil, observa-se que a margem para “acidentes” eventuais anuais é ainda maior. Afinal, qual a diferença entre pagar 2000 reais em uma peça para a concessionária ou pagar 2000 reais no ano para o seguro fazer esse pagamento? Observe que nem se foi considerado a franquia e o assunto de cobertura e condições para ter direito ao seguro…

A matemática para roubo e furto

Falando um pouco sobre a hipótese de roubo/furto. Considerando que uma pessoa, ao invés de pagar ao seguro, deposite o dinheiro que seria gasto em uma poupança separada.
No caso do veículo de 31 mil reais:

Caso haja roubo, supomos que o seguro pague a FIPE completa = aproximadamente 26mil reais. Como os 7 mil ficam rendendo juros e a cada 4 anos você deixa de investir mais 7 mil, fazendo as contas, após aproximadamente 10 anos você teria seu próprio seguro anti-roubo, ou seja, já teria acumulado aproximadamente 26mil reais. Com 12 anos você teria o poder de comprar outro carro igual ao roubado, 0km.

Veja as contas de 7 mil reais em um investimento a 0,6% ao mês:

rendendo por 12 anos: 16.526
rendendo por 8 anos: 12.430
rendendo por 4 anos: 9.328
Total acumulado: R$ 38.284

No caso do carro de 65 mil, 10 mil rendendo a 0,6% ao mês:

rendendo por 12 anos: 23.665
rendendo por 8 anos: 17.758
rendendo por 4 anos: 13.326
Total acumulado: R$ 54.749

Com mais 1 ano de rendimento sobre 54.749 e mais 2600 reais (que seria pago no seguro) , você teria R$ 61.423

Com mais 1 ano ainda, na sua conta teria: R$ 68.549

Ou seja, em 14 anos você possui seu próprio seguro anti-furto completo e ainda lhe sobram 3 mil reais para reparar uma batida.

Conclusão

Dez, doze anos parece muito tempo. Mas por quanto tempo pretende dirigir? Veja que você estaria livre de um gasto anual depois disso. Sacrificar 12 anos em benefício do resto de uma vida. Planejamento e disciplina são a alma: dinheiro que iria para o seguro, tem que ser guardado!

Não é dinheiro que sobrou… abra uma poupança separada para isso ; não conte com esse dinheiro para despesas corriqueiras. Aquela poupança é para o carro e ponto. Por que não escolher melhor o local para estacionar? Por que não ficar mais atento durante o trânsito? Por que não escolher melhor uma vaga (que o outro possa abrir a porta sem bater no seu carro)?

Parece papo do CFC, todavia isso envolve diretamente nossos interesses. Nada é mais seguro que a prudência e o bom senso. Não se esqueça:

E SE você não fizesse seguro automotivo?

Por Gustavo Henrique Bregagnollo

  • nytrouz

    Bem, no meu caso, eu só faço o seguro para, pasmem, ficar seguro. Seria beeeeem difícil de acontecer, mas, caso meu carro dê PT por qualquer motivo que seja, simplesmente não posso perder os 40 mil reais do valor do carro.

    Posso até ficar na desvantagem (nunca bati o carro na vida, em mais de 20 anos de carteira), porém não posso arriscar a perder todo esse dinheiro.

    De qualquer modo, bom post!

    • maiamachadoch

      Claro, seguro foi feito para não usar, e tem outra… se vc deixar de fazer o seguro em um determinado ano, pode ter certeza que vai acontecer alguma coisa desagradável

      • Sias

        Certamente. Conheço um cara que não renovou e na primeira semana depois de vencido o seguro roubaram o carro dele. Por muita sorte conseguiu recuperar o carro intacto.

        • Helmuth82k

          Mesmo assim, o texto é muito legal! Bem fundamentado, porém, nós não podemos nos garantir nos outros! E SE…..alguem enfia um carro sem seguo no seu??? Nos grandes centros urbanos como aqui no RJ, isso não é tão dificil! E SE…aqueles que não tem preparo para dirigir e mesmo aasim insistem, fizerem um barbeiragem ra cima de vc??? Existem muitos "E SE…" que não podemos deixar de considerar!
          O certo era o valor dessas seguradoras melhorar, já que até o seguro é um roubo, o que tbm nao é garantia de um bom concerto no carro!

          • fjmeskta

            Eu entendo o Seguro como um plano funerário, Voce paga para nunca usar, mas caso precise está lá.

            A parte de guardar dinheiro concordo com o colunista, mas ficar sem seguro é a maior roubada. Lei de Lurph nunca falha.

            E outra, por mais que voce escolha um otimo lugar para estacionar, pode ocorrer um assalto num semaforo.

            Um bebado, ou mesmo um desatento bate em seu carro enquanto voce esta parado. Ficar apenas contando com a sorte é pedir para acontecer c*gada.

            Tem um amigo meu que comprou um audi A3 1.8T usado uns 35 mil reais, foi ver quanto saia o seguro e não quis fazer, o valor era muito alto, acima de 5 mil reais.
            Uma semana depois que ele comprou o carro, ele foi sequestrado e por sorte so levaram o carro, mas abandonaram ele no meio do mato.
            Depois de umas duas semanas ele conseguiu recuperar o carro. E em seguida instalou um rastreador.

            Um tempo depois mais umas semanas se não me encano ele bateu de frente com um moto queiro e gastou cerca de 7 mil reais e uns dois meses para “recuperar” o carro, “recuperar” mesmo pois teve que pegar algumas peças em ferro velho, desamassar a lataria, e bla bla bla, pois usado saia muito mais caro, até ai ele ja gastou mais que o valor do seguro. E mesmo assim o carro nao ficou la essas coisas. Depois de um tempo acho que uns seis meses ou mais ele bateu de novo, mas dessa vez nem sei o quanto foi gasto.

            Mas Simplificando eu acho o seguinte. Primeiro ele errou ao escolher o carro sem saber o vaalor do seguro, e se ele tivesse com o seguro teria evitado muita dor de cabeça.

            Eu mesmo já me envolvi num acidente com meu clio que não exatamente foi minha culpa, eu estava dirigindo com meu pe machucado e acabei freiando de rapido demais, mas o cara bateu na minha traseira, mas acabamos acertando para cada um pagar o seu. Eu tinha seguro, para consertar apenas desamassar e pintar ficava quatro mil e quinhentos reais, pela autorizada trocando as peças por novas ficava oito mil reais. A minha franquia era de 1950 reais. logicamente. fiz pela autorizada e paguei a franquia.

            Entao oque eu concordo com o colunista é o seguinte. Deve-se guardar dinheiro para enventualidades, como no caso guardar uma reserva para as revisões, eventuais acidentes, onde não se precise utilizar a franquia do seguro. Sempre procurar o seguro com maior custoxbeneficio ter uma reserva tambem para poder pafar o seguro a vista, pagar o IPVA e bla bla bla do carro. Mas para isso a pessoa as vezes tem que se dispor a comprar um carro mais em conta para caber tudo isso em seu orçamento.

            • Sias

              Já fiz destas de comprar carro sem saber qual o valor do seguro. Comprei um Polo Classic 98 (em 2006) e quando fui ver o seguro me pediram "só" 3 mil. Fiquei só um ano e mandei pra frente. Depois disto sempre mando os carros que estou interessado para que o corretor me passe o valor do seguro.

            • Diego Casagrande

              Que 'SORTE' tem o teu amigo, moro em Curitiba e nunca tive problema de batida. Bati apenas 1 vez mas era em outra cidade mas nem amassou a pintura, o gasto foi nem 400 reais pra arrumar os dois veículos. Eu vejo apenas 1 vantagem do seguro, contra-roubos é excelente. De resto nunca tive problema.

              • fjmeskta

                Tambem moramos em curitiba, para ser mais especifico ele trabalha em curitiba, mas mora em colombo.

              • Sedici

                Se for só pra roubos, tem o auto-fácil que é bem mais em conta.

      • rafa_marcao

        A famosa lei de murph

      • lu_zo

        minha sogra tinha o costume de deixar o seguro renovar automaticamente, mudou de seguradora, o seguro não renovou automaticamente e roubara o carro dela 2 dias depois do vencimento do seguro. vc pode não precisar durante 20 anos, mas se precisar uma vez nesse tempo pra PT já valeu a pena. Fora que quando vc não usa o seguro ele barateia ficando em menos de 1000 ao ano.

    • bandaxadibar

      Quando vou fazer o estudo de custo do meu próximo carro, conto com o valor do seguro para os 3 anos seguintes como custo fixo. não conto ele como despesa, já que na atualidade, a taxa de roubos e furtos de carros vem subindo….o trânsito cada vêz mais caótico….não quero ficar preocupado em estacionar alí ou acolá…cada um tem sua escolha.

  • Sias

    E se…e se…é muito "se". Depois o cara compra o carro…é roubado…se acidenta, dá PT e daí já era…sem seguro, sem carro.

    Tenho seguro a 4 anos e nunca usei, mas é bem melhor andar precavido. Tem espelho que já chega no valor da franquia, imagina arrumar uma lateral inteira, uma frente.

    • Leandro1978

      Concordo. Toda esta conta vai por água abaixo se neste tempo seu carro for roubado, acontecer uma batida, etc. Pode ser que não ocorra nada, mas pode ocorrer, afinal é uma possibilidade. Eu nunca tive carro roubado, mas já bateram em alguns carros que tive. Já uma conhecida minha teve 2 carros roubados em menos de 4 anos e aí? Fala essas contas para ela…Eu prefiro pagar seguro e ficar tranquilo a ficar "rezando" para que nada ocorra.

  • Armando_Perez

    É um assunto meio complicado de se discutir,
    Eu tenho seguro no meu. Eu nunca bati. mas já me bateram 5 vezes e 3 não tinham seguro. (e o valor deu em torno de 6.000 cada um)
    Então analisando na incomodação de você resolver alguma porcaria dessas na nossa gloriosa justiça, gastar-se dinheiro, tempo dor de cabeça, eu prefiro pagar, ter o meu carro reserva e a seguradora que se vire com o bonitão.
    Eu sou daquela teoria, carro é um bem que se tem que manter muito bem alinhado em tudo (apesar que no Brasil isso é muito revoltante),
    desde a manutenção preventiva até o próprio seguro de carro, pois eu penso, se não tenho $$ pra manter, fico sem carro.
    mas se é pra se manter um carro faça direito para evitar o máximo possível de dores de cabeças.
    Isso me lembra um pouco a manutenção preventiva em que algumas pessoas relutam em fazer. e se não dar nada? e se não estragar? depois quando ver o estrago vai ser maior.

    • Diego Casagrande

      Bem argumentado teu comentário Armando, o carro para muitos brasileiros é uma necessidade e o seguro é um meio para quem mora em certas regiões aliviar o bolso do cidadão em caso de uma situação de emergência, no entanto, acho o seguro um meio adequado de manter os nossos carros seguros. Mas mesmo assim o seguro poderia ser mais barato para nós e não um item de luxo, eles são altos por imprudência de muitos motoristas que não respeitam as leis, pela falta de responsabilidade de nossos motoristas jovens que deveria ter mais respeito atrás do volante e pela falta de segurança, fiscalização e policiamento em nossas ruas.
      O ponto de vista do autor do post é bem elaborado mas ele deveria ter fundamentado melhor os dois lados da história de um carro com seguro e um sem.

      • dcc00756

        sou jovem e discordo, não sou perfeito mas ando com bastante gente velha que faz cada coisa inacreditável…

        • Diego Casagrande

          Também sou jovem, tenho 24 anos, queria discordar do meu comentário pois não é nada pessoal, a estatística mostra que os motoristas que mais se envolve em acidentes são pessoas entre 19 à 26 anos, tornando assim os seguros mais caros para a nossa faixa de idade.

          • dcc00756

            Esse é o problema, muitos não conhecem as limitações dos próprios carros e 'mandam ver'…e nós acabamos pagando por eles.

  • Vin_T

    Achei os argumentos bem fundamentados, mas o "e se" ainda pesa bastante. Mesmo que um sujeito nunca tenha batido ou sido roubado, não tem absolutamente NADA que o garanta que vai continuar assim. Apesar de estatísticos, os dados são completamente aleatórios, sem dependência para que ocorram. Prefiro dormir tranquilo do que ter que depositar minhas esperanças no acaso, e ter que rezar todo dia para um moleque não bater no meu carro e sair correndo ou não ter meu veículo roubado (como já aconteceu varias vezes na minha família). Afinal de contas, o seguro morreu de velho…

    • maiamachadoch

      é verdade, nesse caso é para se aplicar a aqueles carros que ficam parado na garagem a semana inteira e só saem aos sábados para lava-lo e aos domingos para atrapalhar o trânsito (domingueiros)

      • bandaxadibar

        Carro é um bem de valor considerável e deve ter um seguro….Basta ter a proporção do valor do carro x restante de seus bens…muita gente que conheço mora de aluguél e anda de Jetta, Golg, Vectra e não tem seguro…imagine um roubo ou PT?

  • osolamaalua

    Olhando do lado matemático da coisa esta matéria tem toda razão, fora que para usar o seguro tem a franquia que em grande parte dos acidetnes e dependendo do valor do veículo sai mais caro usar o seguro. O que deve-se analisar é a zona de risco que a pessoa frequenta, distância entre outros. Quem só utiliza o carro fim de semana ok. Mas quem usa todo dia, frequenta locais ermos tem essa opção para reclamar. O que infelizmente acontece é que o valor do veículo é muito caro e aqui no Brasil não é comum a venda de seguros em pacotes como lá fora. Hoje existe um seguro do carrefour só para roubo, mas eu não confiaria.

    • Valter

      Eu ja precisei do seguro duas vezes a primeira do meu segurp e a segunda eu era o terceiro, no total foram quase 8mil de prejul. O que me tira de todos esses "e se". Com o gasto de cerca de 4mil com seguro nos ultimos dois anos. Eu o utilizei. e compesou o valor gasto.

  • cmoret

    Descordo do autor pois seguro não é aplicação, não é investimento, não é proteção de nada.

    Seguro é simplesmente a venda do risco de roubo ou acidente para uma empresa, que a assume em troca de uma grana. Nada mais que isso.

    Se você não quer ter o risco, voce vende esse risco para alguém. Se você prefere o risco, você não o vende e fica com ele "embolsando o valor".

    O que é negociado em seguros é o risco, não proteção.

    Proteção quem dá é polícia, afinal, quando você contrata um seguro, não lhe colocam um guarda costas, nem um trilho em volta do carro para evitar que te baram.

    • cruzmarcio

      Exato, também discordo do autor, e além da questão da venda do risco, seguro é para ter tranquilidade em diversos aspectos.
      E não foi mencionado o seguro contra terceiros (esbarra numa BMW pra você ver…), incêndio, além de várias facilidades como mecânico/reboque e em vários casos oficinas especializadas.

  • rodolfo86

    Bom , cada um tem um pensamento , mas eu nâo saio com meu carro sem seguro.Se roubarem o seu carro no primeiro ano da ´´economia do seguro´´ como fica a matematica? Voce ja esta no preju de 65 mil , fora o quesito batida , um carro de 65 mil reais , em uma batida que afete radiador ,capo, farol , e parachoque , pode colocar ai uns 6 mil de prejuizo , para mim , nao tem vantagem ficar sem seguro , economia besta………na minha opiniao………. respeito a do autor ……..

    • Armando_Perez

      a famosa lei de murphy.
      meu amigo
      pagou durante 10 anos seguro no carro dele, NUNCA aconteceu nada, primeiro ano sem seguro, roubaram o carro dele,
      encontraram num campo de futebol, batido contra a trave, depenadasso.

    • HSSILVA

      Existem investimentos que rendem 3% ao mês, o que diminuiria o tempo de rendimento que o autor citou em 5X…

      o que demoraria 12 anos pra render, rende em 2 anos e 4 meses…

      é sempre bom repensar um pouco…

      brasileiro acha melhor perder dinheiro e se sentir seguro pagando terceiros, do que valorizar o que tem/ganha por si mesmo … por isso que empresas lucram tanto aqui…

  • cmoret

    Seguro deveria ser obrigatório para ter carro, assim como é nos Estados Unidos.
    Tá cheio de deslumbrado que se esforça para pagar em 100 meses o carro e fica sem seguro e não faz manutenção colocando os outros em risco pois "não sabia que tinha que gastar tanto para manter um carro".

    Se não tem como comprar e pagar, fica sem. Anda de busão.

    Tô cansado desse monte de irresponsável nas ruas, que não respeitam as leis, nem as outras pessoas. Fecham sua frente, andam a 20 na faixa da esquerda, param em fila dupla, em cima da calçada, não respeitam pedestre, buzinam pra tudo.

    • muscledog

      "Tô cansado desse monte de irresponsável nas ruas, que não respeitam as leis, nem as outras pessoas. Fecham sua frente, andam a 20 na faixa da esquerda, param em fila dupla, em cima da calçada, não respeitam pedestre, buzinam pra tudo. " X 2.

      Na Europa o seguro também é obrigatório para tds os carros.

    • Viper559

      Deveria ser obrigatório se o preço do seguro aqui no BR fosse real…
      Não adianta, querer ter regras de 1º mundo aqui ainda não funciona…

    • mcsj2

      Temos o DPVAT, seguro obrigatório. Que diga-se de passagem, não serve para nada.

      • cmoret

        o DPVAT é apenas para danos às pessoas e não ao bem material.

        Falo da obrigatoriedade de um seguro completo que inclua danos às pessoas e meteriais.

  • HSSILVA

    Detalhe é que ele foi sensato e colocou o tipo de investimento que rende menos entre todos os invetimentos…

    Rendimento de 0,6% ao mês é piada, em 2007 a BOVESPA crescia isso a cada 3 horas…

    • Armando_Perez

      Foi só um argumento, aí vai de cada um ver a sua melhor opção.

    • rodolfo86

      estamos em 2011 parceiro , as principais potencias estao em baixa na bolsa , bolsa requer tempo(prazo) e dinheiro para investir.

      • HSSILVA

        Sim, tudo é a longo prazo…
        Mas só citei 2007 porque naquela época a bolsa crescia em horas, hoje, com o mundo abalado, o prazo aumenta pra pregões (dia), bolsa de valores é investimento de risco…

        O que não quer dizer que você deixa de lucrar, pois enquanto esta se pagando o seguro, o sujeito começa a juntar a grana em investimentos para criar seu próprio seguro, vai de cada um analisar o tipo de investimento que se encaixa no seu perfil (baio, médio e alto risco).

  • sca_gui

    É aquilo… bem pessoal… mas no meu caso:

    Um C4 VTR de valor R$35000 com seguro de R$2500 compensou, pois 6 meses depois que eu comprei o carro, um animal em um Celta bateu no meu carro e deu PT, ele não tinha seguro, disse que não vai pagar e eu ficaria com um prejuízo de R$35000.

    Tá, o cara um dia iria pagar, mas durante os 10 anos de batalha jurídica, eu iria andar como? de busão?

    Como já me disseram: "seguro é uma das poucas coisas na vida que a gente paga pensando em não usar"

  • GABRIELFLORIPA

    Eu pago para não me incomodar.

  • MeekeeB

    Desculpe, mas discordo TOTALMENTE e COMPLETAMENTE com o autor da matéria.

    "Se acontece raramente, acredite na estatística que continuará assim (a não ser que se mude, passe a frequentar locais de maior risco, entre outros fatores que mudam a “rotina”)."

    Quase parei de ler aqui. Esse cara tem muita auto confiança! Desejo toda a sorte do mundo para o autor, mas como sou cético, prefiro sacrificar uma pequena parcela do meu salário em prol da segurança, afinal, o seguro não cobre apenas danos, também oferece serviços, eu mesmo já utilizei carros alugados pela seguradora, quando um carro que eu já possuí ficou parado para manutenção.

  • GusZanetti

    Aqui onde eu moro o trânsito é tranquilo, se fosse só por questão de sinistros eu até ficaria sem seguro.

    O problema é roubo. Meu carro tem aparecido como alto risco nos últimos artigos que li (Stilo), e como o prêmio total está dando menos de 4% do valor, não arrisco.

  • aleneo2

    a Ideia tem fundamento, mas sinceramente, nao tenho coragem, nunca aconteceu nada nos 5 anos q tenho carro, mas nao tem jeito, sempre um dia o carro fica em um lugar mais afastado, ou pode ter que ficar estacionado na rua, já fui assaltado e para fugirem nao levaram o carro, e como disse o texto e se levassem o carro… nao tem jeito nao consigo dormir tranquilo sem isso.

  • mateuswp

    O problema é se você tem um carro de 60mil e vem um mané bêbado ou com uma brasília e arregaça seu carro, e depois foge ou não tem dinheiro nem vendendo a casa dele..
    Eu penso que carros abaixo dos 20mil até te deixa menos tenso não se fazendo o seguro. Mas carros mais caros é complicado.
    É como se você pagasse pra não ficar louco, ou ter cabelos brancos ou mesmo não ser um chato que em vez de deixar o carro em qualquer lugar, fica escolhendo a melhor vaga da feira.
    Tudo depende mesmo da vida do cara. Se ele tem garagem, só usa o carro pra ir trabalhar, não pega trânsito, tem vaga no trabalho, beleza. Mas e se ele acaba indo em um show UMA vez e levam o carro.. Ou seja, tem que analisar cada detalhe.

  • BlueGopher

    Bom post, boas contas.
    Um outro enfoque é que o valor pago pelo seguro, além de cobrir as despesas financeiras de um possível acidente, lhe dá tranquilidade "psicológica" de rodar, e de estacionar onde for necessário.
    E paz de espírito não tem preço…
    Outra questão é que só uma minoria dos brasileiros conseguiria poupar a parcela do seguro por anos a fio e deixar o valor de um carro inteiro intocado no banco.
    Surgem as necessidades mais urgentes (compra de imóvel, nascimento de filho, doença, etc, etc) que acabarão consumindo este "seguro" virtual.

  • rodrigorsr

    O pior do Seguro é a história do "perfil". Acho que deveria ser totalmente ilegal a forma como generalizam as pessoas por sexo, idade e domicílio. E a justificativa são sempre as estatísticas… Puro oportunismo!

    • DonVitor

      Fazer uma pesquisa aprofundada e formar um perfil mais completo custa muito dinheiro, então eles pegam as que estão prontas mesmo, eh melhor para os negócios ¬¬

  • dudu_g

    Sem contar quando a seguradora NÃO paga o conserto/PT do seu carro!

    • nytrouz

      Desculpe-me, mas o cara que assina um contrato que abre margem para a seguradora se negar a pagar merece se ferrar mesmo.

  • rodrigoalr

    Acho que deveria fazer parte do contrato de seguro a devolução de um percentual do valor pago para a pessoa que não utilizasse o seguro no período de um ano. Estes descontos dados na renovação são apenas aqueles "tapinhas nas costas", achando que alguem fica satisfeito por pagar por algo que pode acabar não usando. O assundo merece mais atenção por parte de quem fiscaliza, pensando bem, estamos no Brasil, aí a coisa muda de figura.

  • sca_gui

    Aqui no Brasil deveria ser obrigatório o seguro para terceiros. Aí sim eu ficaria mais confortável em não ter um seguro. Fora que as apólices iriam despencar de preço!

  • TTropicthunder

    12 anos com "medo" não vale a economia.

    • MeekeeB

      Pois é, sem contar que comprovadamente, quem vive com stress, vive menos. Não trocaria 12 anos sem seguro por um único dia da minha vida.

      A não ser que o sujeito seja extremamente confiante, como o autor do post.

  • ARISTEU

    E ainda digo mais, quem tem seguro, anda mais despreocupado, sem se importar se vai bater ou não o carro, ou se vai deixar o carro em um local perigoso.

    • HSSILVA

      no começo o sujeito continua pagando o seguro, enquanto ao mesmo tempo aplica parte do seu dinheiro … vai chegar um momento em que pagar o seguro vai ser perder dinheiro, pois seu investimento ja rendeu mais que o suficiente pra se tornar um seguro pessoal…

      o importante é definir metas, o investimento vai ser pra quê?

      – contra acidentes
      – contra PT
      – contra roubos
      – contra furtos de peças do carro
      – manutenção dispendiosa

      assim o sujeito tem confiança e cria disciplina pra saber pra quê está investindo e o quê está prevenindo… e lembrando que tudo é a longo prazo…

  • 3ACVEL

    Caso você não tenha problemas na sua região com roubos, então ao menos, faça um seguro contra terceiros.

    Os cálculos da reportagem sugerem ali 10 anos, 12 anos 7 anos, para comprar um carro caso ele seja roubado. Amigo, 12 anos é uma vida bem longa.

    Eu faço o seguinte, pago o seguro completo porque vai que um dia eu acerto a traseira de um importado com força. Vai lá consertar uma BMW e uma Mercedes, por mais "básica" que sejam, série 3 ou classe C, o custo é altíssimo. E ai você vai me dizer que existem poucas BMs e Mercedes andando por ai??? Mentira, importados tem aos milhares, o país tá cheio de gente com poder aquisitivo para comprar carrões de R$70.000 até R$120.000 uma faixa bem cara para correr riscos.

    O lesado vai querer consertar na concessionária ou em oficinas credenciadas e bem caras.

    Já pensou nos danos morais??? Sem seguro você vai receber um intimação em casa bem legal. Com seguro pode também, mas terá uma cobertura para isso também.

    Os riscos hoje em dia são muitos, vai que tu acerta um iX35 ou Sonata, você sendo o culpado, vai gastar uma bolada inacreditável e vai responder ainda pelo tempo que o cara vai ficar sem o carro, no caso da CAOA, tu vai ter no cálculo do processo cívil uma conta de meses de aluguel de carro pela demora nas peças dos Hyundai.

    E não é raro o cidadão ter um bom carro e ser este o único dele. Meu caso, que tenho um CR-V 2010 e só ele. Se eu bater ou baterem em mim, babauski, lá vou eu para o Palio 1.0 da Localiza.

    Hoje, processar alguém é fácil e corriqueiro, qualquer coisa é motivo para processo.

    Não entrem na onda, quer economizar com o seguro??? Faça um bom seguro contra TERCEIROS de pelo menos R$100.000,00 de cobertura, vai economizar um bom dinheiro, se você for o culpado ao menos corre menos risco de tomar processos e ameaças pelos danos causados.

    E o resto da economia tu faz deixando de beber todos os dias, fumar, comprar traquitanas eletrônicas que você não sabe usar, tais como smartphones, TVs com 1000 funções pela internet que você não tem, dentre outras dezenas de coisas que é possível economizar.

    Com carro não tem jeito, se tu piscar o olho mais forte encontra a traseira de alguém ou atropela um motoqueiro.

    Não fazer seguro é para quem tem 2x o valor do carro depositado ali na poupança.

    Mas a matéria é válida, por enquanto, não posso me dar o luxo de ficar sem seguro.

    • mkhigashi

      Não precisa nem bater numa Mercedes…. Pode bater num Uno que a brincadeira já sai cara…. Se isso não vai incomodar seu bolso, pagar o seguro também não vai…..

  • eduardo_a

    O problema é que as pessoas não tem a mentalidade de economizar dinheiro, elas vivem tendendo a zero. Logo, se acontece algum imprevisto, não existe o tal do dinheiro guardado.

    Acho que o seguro só vale a pena pra quem anda muito, frequenta lugares perigosos, ou é barbeiro. Basta pensar que as seguradoras existem pra ter lucro, logo não é difícil imaginar quem fica com o prejuízo.

    No meu caso, ganho 23mil por mês, não tenho seguro de carro, não tenho plano de saúde, e só pago previdência porque sou obrigado. Vivo tranquilo e tenho um bom pé de meia caso precise.

  • buxada_ce

    creio que você só pode fazer isso em um segundo carro da casa que sai da garagem somente em 1 ou 2 dois dias na semana, mas mesmo assim você fica apreensivo.

  • MeyerCafe

    Penso que o nome "Seguro" já é autoexplicativo, não?
    como o preço dos carros e peças avulsas no Brasil é ultrajante, sem falar nos motoqueiros e barbeiros em geral.. ficar sem seguro é uma preocupação que não quero ter.

  • Pedro Saddi

    Me lembra a ideia do cafezinho: "Se você não tomar durante 50 anos, estará rico". Maravilha.

    Discordo completamente do autor, com todo respeito.

  • luidhi

    Matemática 5:

    Você bate na traseira de um carro. Assustado o motorista perde o controle e bate em outros 4 carros. O custo do conserto beira os 50 mil de todos os carros, pagos pelo seguro a terceiros.

    Matemática 6:

    Um Taxista entra na sua frente, freia forte e você bate na traseira. Além de pagar o conserto do carro, por volta de 2 mil, o taxista entra com processo pelos dias parados, que beira os 10 mil reais. O seguro de responsabilidade civil cobre os castos.

    Matemática 7:

    Você está de moto e alguém com um modelo de luxo fecha você e te leva ao chão. Como sua moto tem peças importadas, qualquer tombinho não custa menos que 3 mil reais.
    O motorista do carro responsável pelo acidente possui um veículo de luxo importado e não tem seguro, porque não vale a pena. O motorista recebe um processo por Lesão Corporal culposa e Danos Materiais e dias parados. O gasto beira os 5 mil reais.

  • luidhi

    Matemática 8:

    Você comprou um carro, financiou em 36 vezes porque precisa de um carro para trabalhar e ele é ferramenta de trabalho. O carro parado faz você perder dinheiro. O carro é roubado e você usa o carro reserva concedido pela seguradora enquanto é providenciado a troca.

    No que não fez seguro, sobra um carnê de 36 vezes para pagar. Você tem pouco caixa e compra um carro antigo que dá muita manutenção.
    =====

    Esses exemplos são reais e aconteram comigo ou com conhecidos.

  • Alenca

    Em minha humilde opinião o autor do post quis apenas levantar uma hipótese que, ainda a meu ver, é bastante interessante. Por mais que a maioria das respostas aqui tenham sido no sentido contrário, acredito que seguro de automóvel no Brasil beira o absurdo. Moro em Salvador e tenho um fusion V6 10/10 em meu nome. Pago quase 3k de seguro por ano. O valor é relativamente "baixo" mas, sinceramente, já penso em não pagar seguro a partir de ano que vem. Não por conta do quanto afirmado no texto mas, simplesmente, por já ter necessitado de cobertura do seguro (Porto Seguro) uma vez e ter ficado a ver navios. Alguém aqui lê a apólice do seguro? Acredito que poucos o façam e, caso venham a ler, verifiquem que as seguradoras se utilizam de artimanhas e argumentos ridículos pra se absterem de arcar com os custos de eventuais sinistros o que, a meu ver, desencoraja e muito o consumidor deste tipo de serviço. Muitos podem levantar a idéia de que pode-se recorrer à justiça caso a seguradora se negue a pagar o prejuízo, mas pensem na dor de cabeça que será uma batalha judicial com uma seguradora? Sou advogado e afirmo isso com certa propriedade. Pelo menos aqui na Bahia onde a justiça é extremamente morosa, a ponto de desestimular o ajuizamento da ação em determinadas situações. Enfim, acho que o autor quis apenas levantar uma bandeira sinalizando mais uma opção. O Brasileiro precisa reagir às agressões sofridas diariamente em praticamente todas as contratações que realiza. Já não basta comprar verdadeiras carroças por preços altíssimos, ainda temos de pagar seguros e franquias absurdos pra manter uma relativa sensação de segurança? Os bancos e seguradoras deitam e rolam com essa forma de pensar de todos nós…. Fica a dica.

  • ACR

    Há um item importante também, a mentalidade do povo, conheço gente que depois que fez o seguro ficou relaxado, deixa o carro em qualquer lugar, faz c*gadas no trânsito e diz, “o seguro paga” e isso só faz aumentar o valor cobrado pelas seguradoras.

  • tostojose

    Nunca pensei em fazer parte da area de comentarios, porém após ter lido a matéria me senti na obrigação de expor minha opinião.

    Não quero parecer arrogante, porém acredito que o autor utilizou critérios de probabilidade e economia dos quais não são aplicáveis a segurados e sim seguradoras, além de tudo sou a favor de como é feito em paises como os EUA onde um seguro obrigatório contra terceiros com valor mínimo de cobertura e exigido a todos os proprietário de automóveis, independente do valor ou marca do automóvel. A conclusão que tiro a respeito disso é que alguém que adquire um carro no valor de R$ 65.000,00 como no exemplo 2 e não “pode” custear um seguro no valor de R$ 2.600,00 ao ano sinceramente deveria pensar a respeito de sua situação financeira, pois tal pensamento pra mim não sentido algum.

    • dr_782

      nao foi bem o q o autor disse cara. O cara pode sim custear os 2600, mas ele sugere que em vez de depositar na conta da seguradora, deposite em uma própria (religiosamente, como se fosse para o seguro) que voce possa desfrutar dos juros.

  • LTAA3

    O seguro do meu carro, por causa da idade está custando R$2.900,00, mas eu não arrisco nem dar uma volta na quadra sem seguro.
    O meu pai tem carro a mais de trinta anos e nunca tinha usado seguro, mas infelizmente teve o carro roubado este mês e por sorte foi encontrado um tempo depois, e ainda se não tivesse seguro teria que gastar mais de R$ 5.000,00 para os reparos. Isso que aqui ainda é considerada uma cidade segura!

  • archinho

    Faltou foi o autor dizer que o que as seguradoras fazem é –exatamente– a mesma coisa que ele sugere. Elas pegam seu dinheiro, investem em qualquer coisa que seja, nao importa aqui em que, "e se" você tive problema, vai ser uma vez aqui outra ali, ela sempre vai ter a sua grana lá pra arrumar seu carro. o único detalhe disso é que as seguradoras são um negócio, então elas botam lucro em cima, claro. De resto, é essa conta mesmo que é feita, ou qualquer coisas próxima disso. Alguém discorda?

  • mmedinas

    A hipótese é sim valida, mas deve ser analisada com muito cuidado.

    Em 2009, fiquei desempregado 2 meses antes de vencer o meu seguro, pensei em não renovar por uns meses, mas acabei renovando, pois alguns meses depois, fiquei preso num numa enchente. Tive que tentar retirar o carro de lá, pois tinha alguém dentro do carro que não tinha condições de sair do carro naquela situação, consegui retirar mas deu o tal calço hidraúlico. Acionei o seguro e o reparo ficou em mais de R$10.000,00, pois trocaram o motor por um 0K, apesar de ter gasto uns R$3.000,00 entre seguro e franquia, mesmo assim foi um ótimo negócio. e ai vem o " … e se…" não tivesse feito.
    Acho qua a hipótese é valida para um segundo carro, que rode muito pouco, mas mesmo assim deve ser muito bem avaliada, pois pode gerar um transtorno e prejuizo muito grande.

    Abraços!!!

  • jersaosp

    Acho que é relativo, ao carro e principalmente local! Já tive vários carros e só o primeiro teve seguro mesmo quando morei em sp não contratei porque tinha um uno na época e o seguro ficaria em torno de 20% do valor do carro, algo absurdo! Preferir investir em segurança do próprio carro com um bom sistema de alarme (sensor de presença que corta a ignição) e uma boa trava de cambio (mul-t-lock) e nunca tive problemas e olha que a minha faculdade ficava em moema que tem um dos maiores índices de furtos de carro! Hoje moro em uma cidade com menos de 60k hab, roubo de carro aqui inexiste, furto raras exceções infelizmente vem acontecendo e acidentes geralmente são amassados e arranhões que a franquia não cobriria, com o meu perfil 25 anos, solteiro etc… jamais conseguiria juntar dinheiro para trocar de carro como venho fazendo, sempre comprando e pagando a vista. Sem falar nas manutenções que todo carro precisa e o meu não é nada barato só esse ano com manutenções já foi 6k!

  • jmrfjorge

    Era do time que pensava que seguro era um gasto desnecessário, até trocar de carro. Fiz a vistória para validar o seguro num sábado e terça-feira na Br-040, graças a óleo na pista, rodo, saio da pista e caio morro abaixo até parar em uma árvore…
    De cabeça pra baixo no carro, ainda consigo sair sem nenhum arranhão. Catar o celular e ligar para a seguradora. Desnecessário dizer que tanto seguro quanto air-bags laterais são itens que nunca, jamais deixarei de ter em qualquer carro que eu for comprar.

  • ranzinzzza

    Então, antes de se preocupar com o SEU BOLSO, considere outras variáveis. Só pra constar: eu tenho um carro popular devidamente segurado e acho as seguradoras verdadeiras sanguessugas.
    Não me leve a mal, mas, EBER, fica a dica: no seu site, que, aliás, eu considero o MELHOR da internet brasileira no assunto, você constantemente reclama que a indústria automotiva não lhe dá o devido respeito. Se você quer ser respeitado como grande, cuide as postagens com apologias esdrúxulas como esta.
    Grande abraço a todos.

  • andre_0102

    Uma coisa é certa, seguro é um roubo, além do lucro do próprio serviço as seguradoras aplicam este dinheiro(gordo) e lucram horrores, poderiam lançar um seguro titulo de capitalização, onde vc recupera o dinheiro se não usar e a seguradora fica c/ o lucro do investimento. Desculpa, desculpa, já acordei…

  • vborre

    O texto foi bem escrito e as premissas são coerentes, mas o autor não considerou danos à terceiros. Se voce com a poupança feita de acordo com a idéia do autor, se envolver em uma batida grave onde o seu carro e do terceiro dão perda total, como fica? E se os ocupantes do outro veiculo se machucar?

    O seguro pode ser caro, mas o risco é alto demais para pessoas que não possuem grande patrimônio, por isso eu prefiro "terceirizar" o risco.

    O que mais me força à segurar o meu veículo é o risco de me envolver em acidentes graves. Pequenas batidas não irão me falir.

  • Joao_Melo

    o seguro é um roubo sim. mas indo pelo caminho do "e se", minha irmã bateu meu carro numa santa fé novinha com menos de 100km rodados. ela quase deu perda total nos dois veículos e o prjuizo teria sido de mais de 70 mil reais. ainda bem que tínhamos seguro!

  • rafaelvenom

    Penso da mesma forma que o escritor do post. Mas vamos as hipóteses levantadas pelo mesmo:

    1) Ficar sem seguro: ninguém fica sem seguro tranquilo. Por exemplo: fui dar uma volta na Tucson zero de um amigo meu sem placa, sem seguro, por um local meio feio. Resultado: só dirigi dentro do campus da faculdade, pois qualquer prejuízo seria de mais de R$65.000,00 na época e preferi dirigir pouco do que dirigir e acontecer alguma coisa. Também comprei um Mille zero, fiquei sem seguro, roubaram, mas consegui recuperar. Mas estava com 2 meses de uso e totalmente financiado, ou seja, após o roubo, fiz seguro sem pensar 2 vezes.

    2) Fazer o seguro: fazer o seguro não é garantia que a seguradora pague. Por isso que todos os corretores dizem "prêmio" do seguro. Isso quer dizer que você pode receber ou não. Por exemplo, um conhecido comprou um golf zero, fez o seguro quando tirou da loja, foi feita a vistoria do carro, contrato assinado, ou seja, tudo certo. Menos uma coisa: o boleto para pagamento não chegava, e não chegou por 3 semanas, e ele sempre ligando para a seguradora. Resultado: roubaram o carro nas 3 semanas de uso, ele foi cobrar da seguradora, que olhou meio desconfiada para o caso, e simplesmente disse que não pagaria, ou seja, entrou na justiça para receber o valor.

    Conclusão: o seguro é um ganho de dinheiro que na minha opinião pode até ser legal, mas é imoral, pois o valor é muito alto para a proporção de carros roubados, e ainda tem a possibilidade da seguradora não pagar. O mais o correto para a pessoa se livrar disso é atuar nas duas frentes, ou seja, ter seguro até o momento em que você tiver uma quantia que possa comprar outro no banco, e depois disso parar de pagar o seguro, pois é um absurdo.

  • Acho complicado ficar sem. Entendo essa matemática, mas vou dar um exemplo: meu pai tinha uma Zafira 2002. Nunca bateu, bonus máximo, sempre pagou o seguro. Em teoria para que ter? Até que um dia, voltando para casa na BR, um moleque num Corsa 1900 e muito sem noção, sai na hora errada de um retorno e detona o carro dele. Por sorte, meu pai saiu ileso, embora o moleque do carro e os amigos – sem cinto – tenham voado pela estrada.
    A Culpa não era dele. Em teoria, quem deveria pagar era o motorista do Corsa, que furou a preferencial de uma BR. Entretanto, ele sequer havia pagado a segunda parcela do carro e não tinha seguro. Para fazer ele pagar, teria sido uma graaaande e demorada briga judicial. Meu pai simplesmente jogou na mão da seguradora. Não precisou se stressar com isso, apenas pegou a grana e deixou eles cuidarem disso. A Zafira deu PT, e em menos de duas semanas ele estava com um Fit usado.

  • hugogyn94

    pior ninquem viu o seguro dos supercarros e hipercarros no brasil ,eu ja vi o seguro da mercedes mclaren slr que custava o seu seguro era 35 mil reais,vc compra o mclaren slr por 2.6 milhoes reais,agora imagina o bugatti veyron com seguro maior ainda

  • P.S Aposto que o rapaz do Corsa que comentei acima, também tinha essa mentalidade. A irmã mais velha dele veio chorando para meu pai assumir a culpa para nosso seguro pagar o carro dele. Francamente, você acha que meu pai assumiu a autoria de um acidente que jogou meia duzia de moleque sem cinto na pista? O cara usou o carro 2 meses, deu PT, mas vai continuar pagando até o final. Valeu a pena?

  • FAlniezi

    Aqui em casa já teve caso de roubo, roubaram uma S-10, e ela não tinha seguro, mas felizmente foi encontrada quase um ano depois, por incrível que pareça, inteira!

    Meu sogro tem um Voyage "Comfortline" com um ano de uso, e por culpa de motoqueiros, já bateu o carro duas vezes nesse período, mas os danos, ficavam próximo do valor da franquia, ou seja, não compensava acionar o seguro, mas teve que desembolsar uma grana elevada para arrumar.
    Aí eu me pergunto, pra que seguro se mesmo quando acontece algo, não compensa acioná-lo?

  • lu_zo

    Se for seguir esse enfoque é preferível pensar em outra alternativa, como não ter carro, ai não gasta com seguro, manutenção, juros de prestação, combustível, estacionamento e pode investir esse dinheiro e andar de táxi.

    • KawasakiNinja

      kkkkkkkkkkkkkkkkkkk, ou pode ter um fusca 69 também pow, aí se roubarem o prejuízo é pequeno

  • jnasser

    Que matemática de jerico, já tive 2 carros roubados e uma moto, dois desses à mão armada saindo do trabalho, se não tivesse seguro eu tava andando de Fusca e olhe lá….

    • dr_782

      Se vc ja passou por todas essas situacoes, entao voce precisa mesmo de seguro, o que reforça a ideia do texto! O autor mesmo diz para vc analisar esse ponto logo no início do texto… Como ele diz, as necessidades sao individuais

  • diegogerman

    A maior prova que Seguro é um negocio mais do que rentável (para as Seguradoras lógicamente). é a quantidade absurda que se proliferam no nosso país.

    Concordo em número e grau que seguro é um gasto totalmente desnecessário, e vou além: Incita a população a dirigir mal, de uma forma relaxada, a não zelar tanto pelo seu patrimonio, afinal, bateu, o seguro paga…

    Temos quatro carros em casa, e o que economizamos em seguro, em 4 anos, não é brincadeira. Claro, tivemos avarias comuns, vidros quebrados, para-choques amassados, etc… Mas nenhum gasto sequer ultrapassou o valor da franquia do seguro que tinhamos a 5 anos atrás em um dos veiculos da familia.
    Claro, ainda continuo a favor de em cidades mais violentas, o seguro contra roubo é necessário, por questões obvias, e levando-se em consideração custar muitas vezes 1/3 do valor de um seguro normal, não é um mal negocio.

  • mig2011

    Tudo bem, você junta anos o seu dinheiro suado vai na loja tira um carro zero de R$ 40 mil e não faz o seguro. Aplica o dinheiro pensando que daqui a uns 12 anos vai ter economizado o dinheiro suficiente que vai dar para comprar um outro carro para a patroa. (ela vai ficar super feliz). 4 meses depois de adquirir o carro vem um cidadão em uma Brasília velha ( sem preconceitos) e te da um PT no seu carro e o cara não tem nem um centavo no bolso que faça valer a pena gasta com advogado.__Resultado: Você vai ficar mais alguns anos a pé de novo para ter grana para comprar outro carro e vai ficar ouvindo a sua patroa reclamar anos afio ate você conseguir comprar outro carro.__Ou ter de financiar um e comprometer parte de sua receita que estava destinada a outros fins para não ficar a pé e o pior continuar a ouvir a patroa reclamar que não pode gastar com ela muito por causa das prestações do carro.__Final da historia: Melhor fazer o seguro total como manda o figurino e ficar super bem com a patroa.

  • Jeremy_Jam

    O Seguro morreu de velho… E rico.

  • KawasakiNinja

    Raciocínio perfeito pra quem tem mais de 60 anos e mora na Noruega…. Pra quem mora no Rio, é solteiro e tem um carro de R$85k, pago R$5k de seguro sorrindo(isso pq a minha categoria de bônus é 3) Nada como andar tranquilo…

    • Luciotz

      Concordo com você. Pago mais de R$ 2.000 no seguro do meu carro para dormir tranquilo. Isso nenhuma poupança proporciona no caso de PT, de terceiro desavisado e não segurado e de furto do veículo.

  • marciors01

    Eu nunca bati um carro mas levei duas batidas, as duas de motoristas sem seguro, na primeira teria gasto R$12.000 e na segunda R$9.000, isso sem contar o risco de roubo, um parente comprou um carro zero e não fez seguro, levaram três dias depois.
    Se eu tivesse uma poupança gordíssima se pudesse cobrir qualquer prejuízo ok, poderia cogitar não fazer seguro, mas se levarem o meu carro e tiver que comprar outro do meu bolso irei desembolsar o equivalentente a 40 anos de seguro.
    Nunca compraria um carro zero sem ter seguro, é algo fora de questão.

  • Lcscarva

    Sem noção!
    Gosto muito deste site, e o visito diariamente. Tenho também por hábito, respeitar sempre opiniões diferentes. Mas confesso que achei esta matéria insana. E, o que é pior, querendo se valer da matemática para credibilizar uma opinião até pueril. Senão vejamos, quando o autor considera as probalidades, esquece-se de que o próprio conceito do seguro é fundamentado nele, e, assim sendo, considera também que quando utilizamos nossos veículos diariamente e nos mais variados locais e horários, nos deparamos o tempo inteiro com variáveis que não controlamos. Portanto, o risco existe e não pode ser questionado, e portanto, bastaria uma única ocorrência para arruinar a vida de alguém ou sua economias. Mesmo porque, não foi considerado o risco de se causar danos físicos a terceiros, e este por sua vez pode ser o maior prejuízo de todos.
    Autor, não me interprete mal, mas discordo em gênero, número, grau, e probabilidade.

  • apelidoale

    Continuando a brincadeira do " e se " : e se a pessoa q abriu mao do seguro , por uma infelicidade qualquer , daquelas q todos nós estamos sujeitos, bater de forma culposa e der perda total num carro de 50 , 60 , 70mil, etc ? Imagina ser processado e ter q se virar na justiça pra se defender da cobrança?

  • Sr_Wilson

    eu estou cogitando fazer seguro apenas para terceiros, mas ainda não fui atras de valores, pois minha saveiro só é usada para trabalho, logo ou fica em estacionamento da empresa ou de lojas, ou de minha casa, peças dela são baratas, tem a franquia e o seguro dela está em uns 8% do valor do veiculo, estou pensando na renovação conversar para ver o preço do seguro só para terceiros, manteria só o seguro do i30 que é o carro que viajo, que saiu a noite, etc e o seguro dele está em 4,5% do valor do carro…

  • CorretorSeguros

    Você aplicaria todo seu rendimento num banco, sabendo que ele poderia ser roubado, queimado, desviado pelos funcionarios, ou ir a falência, e se isso acontecer você não teria direito a reposição?
    Princípio básico do seguro, contribuição com um pequeno percentual para garantir um valor mais elevado.

  • Fredxyz

    O poblema é que pelo menos nas grandes cidades os roubos e batidas são comuns.
    Até mesmo os acidentes naturais, agora que o clima tá enlouquecendo mais a cada ano com a poluição e aquecimento global. Tantas enchentes, deslizamtnso, árvores que caem etc.

    Ano passado mesmo caiu uma árvore e deu pt no carro aqui de casa e o seguro pagou (fdp robou a gente pagou abaixo e mesmo assim foi mo enrolacao e dor de cabeça!).
    Há mais tempo eu dei uma estragadinha no carro da vizinha e o seguro pagou rs (terceiros).
    Há vários anos tivemos um uno roubado e foi recuperado, talvez se não tivesse a seguradora pra "mexer os pauzinhos" não teria sido recuperado.
    Há mais anos ainda tivemos uma caminhonete roubada e não tinha seguro, amargamos o prejuízo e meu pai teve que comprar uma lata velha no lugar, o que rendeu mto stress e desgaste em casa.

    Infelizmente ficar sem seguro só pra quem mora num lugar mto tranquilo e tem rotina mto tranquila. O certo seria as seguradoras baixarem esses preços absurdos isso sim!

  • ranzinzzza

    Sou leitor assíduo do NA e sempre leio os comentários, mas nunca postei nenhum. Porém, à vista desta reportagem, não pude deixar de fazer o meu cadastro para poder comentar.
    O texto diz: “e poucas pessoas acabam pensando no benefício real do que estão fazendo”. É por este tipo de mentalidade que a Justiça está trolhada de processos e o Brasil é o país do “jeitinho brasileiro”. PELO AMOR DE DEUS! Só duas perguntas devem ser feitas ao tirar qualquer carro da garagem: “Se eu machucar alguém no trânsito, tenho condições de arcar com todas as despesas desta pessoa? Se eu enfiar uma BMW X6 pra dentro, tenho condições de arcar com as despesas do terceiro? A resposta pra ambas, obviamente, pra pelo menos 99,9999% dos brasileiros que estão no trânsito, é um sonoro NÃO!
    Então, antes de se preocupar com o SEU BOLSO, considere outras variáveis. Só pra constar: eu tenho um carro popular devidamente segurado e acho as seguradoras verdadeiras sanguessugas.
    Não me leve a mal, mas, EBER, fica a dica: no seu site, que, aliás, eu considero o MELHOR da internet brasileira no assunto, você constantemente reclama que a indústria automotiva não lhe dá o devido respeito. Se você quer ser respeitado como grande, cuide as postagens com apologias esdrúxulas como esta.
    Grande abraço a todos.

    • dr_782

      Cara, o NA é respeitado por todos aqui justamente por ele nao ficar de cabeça baixa para as industrias! É um site livre, sem matéria comprada! Nao publicar um assunto polemico só porque vai mexer com interesses de poderosos é totalmente contra a filosofia do site. Além de que a matéria na faz apologia a nada, aliás deixa claro que é para propor REFLEXAO. Cada um tem uma opiniao individual.
      As suas perguntas (totalmente corretas e coerente ) também nao invalidam a ideia do texto. Se o proposito de guardar dinheiro é assegurar que vai poder dar assistencia a algem, que seja. Nao é "jeitinho brasileiro", é apenas outra forma de pensar….bater em uma X6 é muito improvavel, mas pode acontecer. Se vc nao se sente bem com isso, faça o seguro, ele nao disse q era errado. Agora, vc sabe q é mais facil acertar na loteria q bater em uma X6, se vc dirige com prudencia sempre…nesse caso, vc pode considerar a ideia do texto

  • AndredeAzambuja

    Aqui temos dois carros, um Palio e um 206. O Palio tem seguro, o 206 não. Os dois são usados com a mesma frequência e pelas mesmas pessoas. Coincidência ou não, nunca aconteceu nada com o Palio. Já o 206 já foi batido umas 2 ou 3 vezes e furtado 1 vez, justamente o que não tem seguro. Parece conspiração…

  • fkas

    Me desculpe o missivista, mas foi um dos textos mais "sem noção" que eu vi em muito tempo…

    • meyerbro

      Concordo plenamente, o problema é que a galera já tá cega aqui no NA…

  • JHerzévRN

    Prefiro gastar uma grana todos os anos e ficar mais tranquilo do que ficar contando com a sorte. Faço seguro de terceiros também, conheço muita gente que pra economizar 300 reais não faz isso, inclusive uma delas bateu na traseira de uma Série 3 e se estrepou todo. Por melhor motorista que você seja sempre está correndo risco de acidente, seja culpa sua ou da outra pessoa. Fora que tem a problemática dos roubos.

  • Luiz César

    Mas esse é o conceito de seguro: te garantir na ocorrência de algo incerto (cuja probabilidade não se pode calcular).
    É fácil criar diversas hipóteses, porém, o auto-seguro (nome técnico de quem faz o "próprio seguro" atraves de hipóteses matemáticas) é algo pessoal e exige tomada de risco ou um fundo grande imobilizado, apenas esperando um risco. Se você tem uma frota, é muito mais fácil fazer isso pois você consegue pulverizar o risco. Tudo vai depender do nível de aversão a risco do "segurado". Agora me diga: brasileiro não gosta de tomar nenhum risco conscientemente (por isso que nunca entra na bolsa, por exemplo), por que ele tomaria uma decisão tão racional quanto essa, a não ser por falta de dinheiro para pagar o prêmio do seguro?

  • meyerbro

    É no mínimo bem idiota pensar dessa forma…

    Se fosse assim os policiais poderiam parar de usar colete, quantas vezes já tomaram tiro no peito?

    Seguro é PRA NÃO USAR mesmo, até porque cada batida você paga a franquia, é uma forma de se proteger, de se sentir confiante também e de ficar tranquilo quando parar na rua, além disso ele cobre contra terceiros, o que pra mim deveria ser obrigatório no Brasil!

    É por pensamentos assim que muitas pessoas perdem TODOS os seus bens…

  • Luiz_

    Há que se analisar tmb:
    km rodados por dia e em que locais e horários.
    vc usa o celular dirigindo, dirige com atenção?
    anda em alta velocidade?

  • kikofar

    Uso uma lógica "de família" na hora de fazer seguro.

    O valor do carro é o valor da minha renda multiplicado por 4 (ou mais) eu faço seguro. Se for menos, faço apenas contra terceiros e danos materiais, com valor bem abaixo da apólice total (roubo/furto).

    Muito bom o texto e ótimo tratar de assuntos como esse que geram tantas polêmicas e incertezas.

  • subzero99

    Quem aqui tem seguro de saúde (plano de saúde) ??? Alógica é mais ou menos a mesma. Acho que sim, vale a pena. Na pior das hipóteses, em vez de pagar todo mês o plano de saúde (ou o valor do seguro do carro), colocar em um fundo de rende fixa, para usar no futuro quando precisar.

  • Carlos_58

    As cia. seguradoras talvez tenham parceria com os bandidos. Deixe de pagar o seguro, e seu carro será "liberado" para ser roubado.

  • CharlesAle

    Compre um daewoo espero,um renault 19,um peugeot 405,ou outras bombas que bandido não quer nem pintado de ouro,e ande com prudência,para não bater em ninguém,e seja feliz,pois ficou livre do gasto chamado seguro………………

  • FALEDI

    Na boa, não concordo com a matéria. São calculos prevendo o imprevisível. São calculos com datas pré-fixdase batida, ladrão, etc não tem data marcada, pode ser hoje ou pode ser como o autor falou, daqui a 10 anos ou simplesmente pode nunca ser.
    Eu faço seguro desde o meu primeiro carro que comprei em 2000, afirmo categoricamente o valor que paguei de seguro em todos esses anos eu já "peguei de volta" por vários motivos… carro que quebrou e precisei de reboque e taxi (e eu estava em outra cidade), batida por culpa minha ou por culpa dos outros, PT em um dos meus carros, fora que a pessoa que paga prestação e não tem seguro é no mínimo doido pra não dizer até irracional. Enfim cada um sabe o que é melhor para si.

  • Evil_Kelevra

    E eu que nem tenho opção de pensar se faço ou não seguro?

    Tenho um Fazer 2011 que na FIPE vale R$9800,00 e me cotaram o seguro a R$4000,00!!! Fiz a cotação de um Sentra 2.0 S 2008, na FIPE ele é R$35000,00 e meu seguro ficou em R$8000,00!!!!!

    Tenho 20 anos e não tenho condições de pagar 20%(++++) do valor do veiculo em seguro, como que faço? Eu não bebo, não utilizo meus veículos para ir em festas(vou de taxi), nunca tomei um ponto na minha habilitação(tenho desde os 18), só paro em estacionamento e me passam essa facada…

    Simplemente impraticavel… Minha Fazer tá ali sem seguro, se bater ou alguem me derrubar to ferrado, mas não tenho opção!

    • cruzmarcio

      Procure fazer pelo menos o seguro contra terceiros somente.
      Se roubarem, pegar fogo ou se der PT sozinho, aí perdeu… mas se bater em um carro caro, pelo menos você tá salvo.
      E se bobear ainda leva alguns serviços de lambuja, como mecânico, balanceamento, alinhamento dos faróis, etc.

  • Renato_Valente

    É um assunto que da bastante pano pra manga… mas na monha humilde opinião deve-se fazer seguro sim, pois pode-se ter o carro roubado daqui 10 anos ou daqui 10 dias, e ai???

  • janduir

    Grande tópico, já faço isso a mais de 15 anos e estou no lucro. Não tenho poupança separada, mas sei que se algo der errado, já economizei uma boa grana… Acho que quem roda muito, compensa fazer seguro…

  • Delson_Silva

    Quem escreveu a matéria com certeza vai mudar de ideia quando bater seu carro e tiver perda total, ou quando for o culpado em um acidente danificando seriamente outro carro. Ou ainda quando seu "possante" for roubado (o que não é nada incomum em certos lugares no Brasil).
    A lógica dos seguros é compartilhar com a seguradora o risco trazido por possuir determinado patrimônio (lembrem-se que as seguradoras também fazem seguros – resseguros – compartilhando o risco que assumiram em cobrir com outras seguradoras). Perder o capital trará muito mais prejuízos do que investir em um seguro.
    Pessoalmente gosto muito de seguros, acho-os extremamente vantajosos, tanto que tenho seguro do meu veículo, seguro residencial e seguro de vida. O risco pelo meu patrimônio (incluindo minha própria vida, pois há pessoas que ficariam seriamente desprovidas caso eu perca esse "patrimônio") está devidamente compartilhado! Mas creio que seguros não deveriam ser tributados e poderiam ser abatidos na DIRPF, assim como os medicamentos também poderiam não ser tributados … afinal ninguém pede para ficar doente ou para perder seu patrimônio!

  • GILBERTO_MS1972

    Texto muito infeliz, querer comparar quantas vezes uma pessoa envolve-se em colisão por ano chega a ser comico. Basta fazer uma pesquisa com os clientes que foram indenizados por roubo/furto e questionar com os mesmos quantos carros ja tiveram roubados. Aposto que a grande maioria irá comentar que foi o primeiro. Eu mesmo tenho habilitação desde 1997 e nunca bati meu carro porem, terceiros já bateram em meu carro quando estacionado e ai fico no prejuizo? Não, contrato apólice de seguro. Quem pesquisa, verá que já existem apólices com isenção de franquia o que gera custo benefício muito interessante a quem contrata. Seguro no Brasil pode ser considerado caro? Sim podemos considerar, porem temos que ter a consciência que infelizmente muitas pessoas agem de má fé fraudando seguradoras e tendo como consequencia elevação nos custos. Não basta reclamar, temos sim que ter mudança de cultura acabar com a mania de levar vantagem em tudo.

  • coelhho

    Acho que no BR o problema não é nem as batidas, até pq acho que muitos aqui nunca bateram

    O problema real são os roubos… Ninguém tá disposto a perder > 30mil em uma tacada só, é muita grana.

    Só por isso já vale a pena fazer seguro.

  • luizbulhoes

    Não concordo bem com isso, mas respeito que em alguns casos pode acontecer, agora, por que não?

    – Final de 2009 fui engavetado na BR, o carro de trás não tinha seguro, minha franquia custava 1500 (coloquei sem redução achando que nunca iria usar), a porrada foi tão violenta que a mala do Corsa Sedan entrou e virou quase um Hatch (agora vira até piada, mas na hora, rs)… Enfim, paguei pela m… dos outros.

    – Inicio de 2010 tive meu carro furtado, o seguro custou 1780,00… O seguro pagou no carro 19000,00… Eu ia perder se não tivesse seguro.

    – Fim do primeiro semestre de 2011, meu carro foi atingido por dois tiros na traseira, depois de sair de um estacionamento, no centro da cidade, as 20:00 hrs, é claro que eu corri depois de perceber a situação, segundo o policial; (O serviço de vidro do meu carro sairia em torno de 600,00 do vidro e mais 239,00 pela lanterna traseira… No seguro saiu por 80,00… Troca do vidro de de uma lanterna).

    – Meu primo bateu o carro no interior, simplesmente acabou o carro, um vacilo em uma estrada com poeira e velocidade, a seguradora mandou um taxi, pegou ele, deixou em casa, levou o carro e ainda deu um carro reserva.

    – Um serviço de bombeiro (encanador), custa em torno de 60,00, a visita… Pela seguradora é de graça. (Algumas seguradoras tem serviços junto ao seguro do carro, que incluem a casa, inclusive, no seguro).

    “Posso não concordar com você, mas defenderei até o fim o seu poder de opinião.”

  • mjprio

    Começo este post com a seguinte frase: SE MEU PAI TIVESSE NASCIDO MULHER, SERIA A MINHA MÂE. É só pra ilustrar o caso do SE….
    E muito facil falar friamente em números, mas a apurrinhação que você passa, não dá pra quantificar!!!!
    Vamos ao que interessa:
    1) Certa vez bateram na traseira do meu carro. O motorista acionou o seguro e meu carro foi pra uma oficina cachorra. Tive uma dor de cabeça pra mandar trocar o para choque e as garras , pois queria ter a certeza de que seria peças novas. Ele só teve que se ater ao seu reparo. Imaginem o problema de voc^:e bater na traseira de um I30, ou Azera de um dono chato, SEM ter seguro. Vai ter de arcar com tudo. Ja se você tem seguro, pague a franquia e deixe o resto pro dono do carro!!!
    2) Sofri uma fechada de um caminhão e tive meu carro batido. O motorista se esquivou, e tive que quase ameaçar com amigos meus policiais (modo de dizer) a matriz da empresa pra me dar os dados da filial do caminhão( os dados que o motorista deu eram FALSOS) consegui, reuni a documentação que me dava razão no acidente, mas eles simplesmente falaram pra eu procurar a justiça. Vendo que isso demoraria e eu precisaria do carro, não tive dúvida acionei o seguro, paguei a franquia, meu carro sofreu um reparo de 3500 reais, sendo que a franquia era metade disso, e o melhor com peças grantidamente originais, pois fui convidado pela seguradora(PORTO SEGURO) a acompanhar pessoalmente o orçamento, e o recebimento das peças. Além disso, recebi um cartão de crédito da mesma onde recupero bonus e serviços gratuitos, extensivos a minha casa. Isso não tem preço!!!! Fora o atendimento no dia do sinistro que foi irrepreensível.

    Desse modo, entendo que seguro é um mal inevitável, em que pese os preços e a política injusta do preço por perfil, que prejudica alguns CEPS e modelos. Entendo hoje que QUALQUER LUGAR é area de risco!!! Basta dizer que hoje, aqui no RJ no bairro da Barra é onde mais se rouba carros, bem como na Tijuca, e nesses lugares o seguro é bem mais barato do que por exemplo na Vila da Penha, onde apesar do indice ser expressivo, há 7 anos moro lá e não presenciei, nem sofri tentativa de roubo ou furto. Já na tijuca, tive meu carro arrombado 3 vezes!!!

Quem somos

O Notícias Automotivas é um dos maiores sites automotivos do Brasil, trazendo todas as novidades sobre carros por mais de 11 anos. Saiba mais.

Notícias por email

Send this to a friend